Você está na página 1de 2

Podemos chamar a Missa Nova de “Rito Romano

Ordinário”?
PUBLICADO EM ABR 9, 2011 EM MISSA NOVA, TODOS OS ARTIGOS DO SITE, TRADIÇÃO X
VATICANO II

pelos Padres do Priorado Padre Anchieta


A esterilidade da igreja conciliar, como a denominou um famoso cardeal, está chegando às últimas
etapas, como um cadáver no qual a decomposição vai-se acelerando mais e mais. Infelizmente, a França,
outrora primogênita da Igreja (não da conciliar) está na dianteira, e os dados são assustadores: a média
de idade no seu clero é de mais de 70 anos, párocos idosos estão a cargo de dezenas de paróquias (nos
casos extremos, mais de cem), uma parte ínfima da população pratica a religião, etc, etc. O fim está
próximo, distando talvez em 5 ou 6 anos. Mas assim como ela é primeira no mal, o é também no bem.
Considere-se que hoje 25% das ordenações francesas são de sacerdotes jovens que “fazem a escolha
pelo rito tradicional”, isto considerando a tradição num sentido amplo, e não só a FSSPX. Agora, nesta
pequena onda de volta ao normal, por assim dizer, é evidente que existem passos a serem dados uns
depois dos outros, tal qual uma pessoa que, depois de sofrer um gravíssimo acidente, precisa fazer uma
reabilitação progressiva. Poderíamos dizer que a missa nova (e a liturgia em geral) é a causa próxima do
mal, já que “lex orandi lex credendi”, e assim uma corrosiva e desnaturada liturgia corresponde a um povo
corroído e desnaturado (ou talvez poderíamos dizer des-sobrenaturalizado). Pois bem, a causa próxima
do reestabelecimento da Igreja será sem dúvida a missa e todos os outros sacramentos dos quais e pelos
quais flui a vida divina (eles são causa instrumental da graça).
Agora para dizê-lo sem rodeios, o Corpo Místico morre por falta de circulação da graça divina de um
modo análogo ao corpo físico de qualquer ser vivo onde as veias já não transportam o sangue. O que o
Motu Proprio Summorum Pontificum chama de “rito ordinário” da missa não pode ser considerado tal por
razões seriíssimas, que podem ser reduzidas a uma só: a doutrina contida nela não forma parte do
depósito da Revelação divina. Mas, será possível que uma missa (e a liturgia em geral) aprovada pela
autoridade competente padeça deste defeito de base? É fato!
O Papa João Paulo II no documento “Vicesimus quintus annus” – 4 de dezembro 1988- diz: “O primeiro
princípio é a atualização do mistério pascal de Cristo na liturgia da Igreja” O incauto católico, não
iniciado neste tipo de linguagem, pensa automaticamente: isso é verdade! Isso é católico! Pensa nas
palavras ‘mistério pascal’ e diz inconscientemente: mistério é normal, a religião está cheia de mistérios
sem os quais não poderia ser divina e pascal; bom, deve ser algo relacionado com a páscoa ou talvez
com o cordeiro pascal…
Infelizmente, caro leitor, mistério pascal não é o que se pensa. Se fazemos uma pequena retrospectiva
histórica, veremos logo que a expressão “mistério pascal” aparece raras vezes nos Padres da Igreja, e,
com mais freqüência, no plural, nos antigos sacramentários. Uma só vez é utilizada no singular pelo
sacramentário gelasiano. Até o século XX não teve nenhum significado especial entre os teólogos. Como
explicar a frase de João Paulo II, então? Peçamos ao magistério da Igreja que nos explique o que é este
mistério pascal que é agora o primeiro princípio litúrgico! Mas….ai!…..não existe documento Romano
oficial explicativo. Dá para acreditar numa coisa dessas? Ele simplesmente não existe.
Pois bem, onde vamos achar o que seja o mistério pascal? Perguntemos aos “teólogos” aos quais Pio XII
chama de “néscios”. Que nos dizem os senhores Dom Odo Casel, Aimon-Marie Roguet, Yves de
Montcheuil, Henry Pinard de la Boullaye (todos mestres dos Papas pós-conciliares[1]) acerca do que é o
mistério pascal? “O modo como a Redenção foi apresentada pela Igreja até agora não é conveniente
para o homem atual, posto que é demasiado negativo-pessimista. Ressaltemos no lugar da morte de
Cristo a sua Ressurreição gloriosa e a Ascensão como a manifestação do amorincondicional de Deus
aos homens. Paremos com aquilo de que o Pai eterno escolheu seu próprio Filho para expiar em nosso
lugar e tendo diante dos olhos a vítima mais inocente, mais amada, e mais apropriada para levá-lo à
compaixão, exigiu-lhe a reparação mais humilhante e dolorosa! Que rigor! Que incompreensível
insensibilidade! – Digam antes, Senhores: que modo abominável de interpretar os pensamentos de Deus!
Nada o justifica!”[2]
“Como se chega até isto?”, perguntará o caro leitor. A explicação é como segue, se abreviarmos um
pouco:
1) Deus é infinito e perfeito: assim como o dom de uma criatura não lhe agrega nada, o pecado não lhe
tira nada.
2) Deus é amor: o amor que Deus nos tem nunca diminui, ainda que nossos corações se fechem a este
amor.
Como o amor de Deus continua apesar do pecado, e como sua justiça não exige nenhuma compensação,
seria contrário à bondade de Deus infligir-nos penas como conseqüência de nossas faltas. A desgraça
que se segue ao pecado vem só do homem mesmo, não de Deus.
Jesus Cristo não veio satisfazer os pecados dos homens (que não ferem a Deus), mas manifestar o amor
de Deus aos homens e isso em primeiro e único lugar.
Com esta “nova luz” podemos afirmar que Jesus Cristo não fez uma obra de Redenção, posto que não
havia dívida nenhuma a pagar, simplesmente.
O que pode fazer um liturgista com esta teologia na cabeça? Fazer esquecer que na missa há uma
vítima! Apenas alguns exemplos:
 O centro da missa será agora a assembléia
 Equiparação entre “a liturgia da palavra e a da eucaristia”
 Mudança do ofertório tradicional pela bênção judaica para as refeições ou
“berakoth”
 Diminuição das genuflexões do sacerdote de 14 para 3
 Diminuição dos sinais da cruz sobre a hóstia de 24 para 1
 Supressão da mediação de Cristo (quase desapareceu o “per Dominum
nostrum Iesum Christum”)
 Supressão da mediação dos santos
 No momento da comunhão não se diz mais: “que o Corpo de Nosso Senhor
Jesus Cristo guarde tua alma para a vida eterna. Amém”
 Etc…etc
A conclusão se impõe sozinha: uma liturgia que contém uma doutrina que não é a dos Apóstolos, mesmo
na boca dum Anjo…deve ser anatematizada. São Paulo não brinca! A missa nova não pode ser tida como
católica, ainda que tenha “elementos católicos”, tal como uma cerimônia anglicana que ainda guarda
vestígios de um remoto passado. Para concluir estas linhas, gostaríamos de dizer expressamente que
não é a nossa intenção, nem está no nosso ânimo querer brigar ou disputar por ter um espírito inflado,
senão só queremos seguir o que a Igreja de sempre sente e rejeitar o que a Igreja de sempre rejeita. E
que não se diga, como alguns bispos alemães, que 40 anos já criam uma tradição, e por isso devem ser
mantidas as reformas!

[1] Card Ratzinger: “ Talvez a doutrina dos mistérios de Dom Odo Casel seja o pensamento
teologicamente mais fecundo de nosso século” em O Problema da reforma litúrgica, Editora
Permanência ,pág 70.
[2] O Problema da reforma litúrgica, Editora Permanência, pág 61.