Você está na página 1de 3

Introdução

O artigo começa com explicação do porquê do uso das HQs para


representar a relação entre os cientistas e a sociedade; e o motivo pelo qual a
HQ representa a realidade de uma maneira simples, isto é, de rápido e de fácil
entendimento através do humor e da análise dos sentimentos humanos.

Ênfase Pedagógica
Nesse capítulo o autor fala sobre o “modelo de difusão” que implica na
separação de cientistas (pesquisadores) e de investidores. Esse modelo tem por
objetivo também visar o “analfabetismo cientifico” que seria a percepção publica
da ciência. Apesar desse modelo apresentar o distanciamento entre a população
e a ciência. O artigo contrapropõe essa análise da percepção publica, mostrando
que a Ciência e a sociedade podem estar próximas
Além disso, o texto mostra que é impossível começar a fazer ciência sem
uma base científica antes.
Obra Coletiva
No tópico se fala sobre como surgiram os quadrinhos. Como o autor era
um jornalista do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo, isso acabou
conferindo-lhe um olhar privilegiado sobre os pesquisadores.

Conflitos e Intrigas
A abordagem dos personagens da tirinha é relacionada com o perfil dos
cientistas que podem ser encontrados no mercado atual. O personagem Dr. Ego
é um típico cientista egocêntrico que devido ao seu grande talento, se toma como
superior, além de ser rude e egoísta em relação às outras pessoas.
Apesar de ser um cientista de um país onde a ciência não recebe o
investimento necessário, o Dr. Ego se comporta como se estivesse em uma outra
realidade, como se possuísse verba digna de um país "rico", ignorando
totalmente a realidade social da população e a condição de seu país.
Devido a essas atitudes, ele e o personagem Vitório sempre entram em
conflito por apresentarem visões de mundo diferentes. O Vitório tem sempre em
mente a realidade social, busca beneficiar todas as camadas da população,
porém não possui verba para realizar a maioria de seus projetos. Seu
personagem representa a esperança daqueles que sonham em um mundo
melhor e igualitário.
Além disso ele acredita no potencial da nova geração de cientistas que
está por vir, chegando até a afirmar que a cura do HIV será descoberta logo e
pelas mãos dos brasileiros. Isso mostra traços expostos de nacionalismo e
positividade em relação ao Brasil.
Outro personagem que é bastante retratado nas tirinhas é o Lerdo, que
representa a personificação da resistência ao trabalho científico e a burocracia.
Ele é marcado principalmente pelas suas atitudes, como quando aceita um cargo
somente pelos seus benefícios sem analisar se estava apto a exercê-lo
determinada função. Ele trabalha em troca de favores e benefícios, não pelo
amor à ciência e às pesquisas.
O personagem Zago representa a persistência e a boa vontade associada
à produção científica. Ele é um profissional competente, apesar de não
demostrar domínio perante as novas tecnologias como, por exemplo, não saber
mexer nem mesmo no computador do laboratório. Na análise dos personagens
Zago e Interneto, temos que este personagem possui facilidade em lidar com
novas tecnologias e por isso se mostra arrogante, ou seja, a artigo critica esse
comportamento em algumas pessoas da ciência que possuem facilidade com
termos ou tecnologias de sua área de estudo.
Zilda é a cientista com um diferencial, traz a dualidade do espaço
doméstico e do espaço cientifico; e como ambos se influenciam. Seu filho
(Zildinho), por sua vez, traz uma convivência em outros ambientes, interagindo
com figuras como de professores, advogados e outros; personagens esses
normalmente não associadas ao campo científico.
Ademais, Zilda se comunica melhor com os jornalistas (em comparação
com o Dr. Ego, por exemplo), mas uma foto ruim fere sua autoimagem
independente da descrição de boa cientista. Outro momento de insegurança da
personagem surge quando ela e Zago chegam a uma nova descoberta. A
angústia de questionar os preceitos científicos em voga reflete tanto insegurança
quanto desejo de preservar seus status como cientista.

Os desastres (das inevitáveis) traduções


Nesse capítulo, o texto apresenta a teimosia dos cientistas no uso da
linguagem técnica e o quão isso prejudica a relação entre ciência e sociedade,
distanciando-os mais ainda. Há também uma crítica muito grande aos jornalistas
pela sua preferência pelas notícias sensacionalistas em relação às notícias
sérias.

Desensinar e Desconstruir
O autor mostra como a vocação científica se torna uma escolha
circunstancial ao invés de um proposito. Como é relatado na tirinha abaixo:

Através das tirinhas no artigo ele também mostra que a ciência não é
neutra, por conta dos interesses pessoais que nem sempre são tão nobres.
Ademais, podemos observar os hábitos e dificuldades dos cientistas no dia a dia,
mostrando suas frustrações e limites.

Conclusão do grupo
Por fim, um dos maiores objetivos do texto é mostrar que as pessoas de
fora do laboratório são importantes para a atividade científica, além de mostrar
uma imagem mais realista da ciência através das HQs. Ela é retratada por meio
do humor e da crítica, expondo as variadas facetas dos cientistas como, por
exemplo, suas dificuldades e seus valores. Portanto retomamos o fator principal
que é a crítica ao distanciamento entre os cientistas e o povo.