Você está na página 1de 36

(FCC/ARTESP/2017) A Cia.

Só Softwares iniciou em 2012 um projeto de pesquisa e


desenvolvimento de um novo software. Os gastos incorridos com a pesquisa e
desenvolvimento deste novo produto estão apresentados abaixo:

Em 2012, o projeto estava na fase inicial de pesquisa. Em 2013, a Cia. iniciou a fase de
desenvolvimento, mas ainda não conseguiu demonstrar como o novo produto iria gerar
benefícios econômicos futuros para a empresa. Em 2014, conseguiu demonstrar que havia
viabilidade técnica para concluir o projeto, mas ainda não conseguiu demonstrar que haveria
demanda para tornar o produto economicamente viável. No início de 2015, a Cia. Conseguiu
demonstrar que o software era economicamente viável. A expectativa era de que o software
fosse concluído no início de 2015, no entanto, acabou sendo concluído no final de 2016, cuja
comercialização se iniciou em 2017.
Com base nestas informações, o valor que a Cia. Só Softwares apresentou no
Balanço Patrimonial de 31/12/2016 para este novo produto foi, em reais,
(A) 310.000,00.
(B) 380.000,00.
(C) 50.000,00.
(D) 130.000,00.
(E) 250.000,00.
(FCC/Analista/ARTESP/2017) A Cia. La Panelita S.A. apresentou, em 31/12/2016, as seguintes contas com
os respectivos saldos:
O valor total do Ativo Não Circulante em 31/12/2016 era, em reais,

(A) 424.800,00.
(B) 1.129.000,00.
(C) 833.000,00.
(D) 853.000,00.
(E) 637.600,00.
(FCC/Analista/ARTESP/2017) Considere as seguintes informações:
I. A Cia. A adquiriu 60% das ações ordinárias da Cia. B, passando a ter o controle desta.
II. A Cia. B adquiriu ações da Cia. C e as classificou como para negociação.
III. A Cia. C adquiriu da Cia. D um conjunto de computadores especiais para revendê-los.
IV. A Cia. D adquiriu títulos para manter até o vencimento, sendo este em dois anos.
Os ativos adquiridos pelas Cias. A, B, C e D foram classificados no Balanço Patrimonial das respectivas
empresas, no ativo
(A) não circulante, circulante, circulante e circulante.
(B) não circulante, não circulante, circulante e não circulante.
(C) circulante, não circulante, circulante e circulante.
(D) não circulante, circulante, não circulante e não circulante.
(E) não circulante, circulante, circulante e não circulante.
(FCC/Analista Judiciário/TRT 3/2015) Considere os elementos patrimoniais de uma empresa apresentados
a seguir:
I. Terreno onde foi construído o estacionamento para os clientes da empresa.
II. Adiantamento a Fornecedores, cujo prazo para entrega das mercadorias é de 90 dias.
III. Provisões Trabalhistas de longo prazo.
IV. Ações em Tesouraria.
Os itens I, II, III e IV são classificados, respectivamente, no Balanço Patrimonial como
a) ativo imobilizado, passivo circulante, passivo não circulante e patrimônio líquido.
b) ativo imobilizado, ativo circulante, passivo não circulante e patrimônio líquido.
c) investimentos, ativo circulante, passivo não circulante e patrimônio líquido.
d) investimentos, ativo circulante, patrimônio líquido e ativo circulante.
e) ativo imobilizado, passivo circulante, passivo não circulante e ativo circulante.
(FCC/Contador/DPE/SP/2013) Sobre as Demonstrações Contábeis é correto afirmar que:
(A) a Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados deverá indicar o montante do dividendo por
ação do capital social e poderá ser incluída na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, se
elaborada e publicada pela companhia.
(B) as alterações ocorridas no saldo de caixa e equivalentes de caixa, durante o exercício, são
segregadas, na Demonstração dos Fluxos de Caixa, em, no mínimo, três fluxos denominados: do lucro
ajustado, dos investimentos e dos financiamentos.
(C) o resultado com a venda de um ativo imobilizado, na Demonstração do Resultado do Exercício,
compõe o lucro bruto de uma empresa industrial.
(D) os pequenos saldos poderão ser agregados, nas demonstrações contábeis, desde que indicada a sua
natureza e não ultrapassem 0,2 (dois décimos) do valor do respectivo grupo de contas.
(E) o ativo, no Balanço Patrimonial, é segregado em dois grupos de contas, ativo circulante e ativo não
circulante, de acordo com o grau decrescente de exigibilidade.
(FCC/Contador/DPE/SP/2013) Considere os elementos patrimoniais apresentados a seguir:
− Móveis usados pelo setor financeiro da empresa.
− Adiantamento de clientes, com entrega das mercadorias para 90 dias.
− Investimentos permanentes em empresas coligadas.
− Reserva para Contingências.
Tais itens são classificados no Balanço Patrimonial, respectivamente, como:
(A) imobilizado, ativo circulante, investimentos e patrimônio líquido.
(B) imobilizado, passivo circulante, investimentos e patrimônio líquido.
(C) imobilizado, passivo circulante, investimentos e passivo não circulante.
(D) investimentos, passivo circulante, investimentos e patrimônio líquido.
(E) imobilizado, ativo circulante, ativo realizável a longo prazo e patrimônio líquido.
(FCC/Analista Judiciário/TRT/12/2013) A "Cia. Nordeste S.A." apresentava em 31/12/2012 a seguinte
situação patrimonial:
Caixa e Equivalentes de Caixa: $80.000
Duplicatas a Receber de Clientes: $10.000
Fornecedores: $40.000
Capital Social: $50.000
Durante o mês de janeiro de 2013, a Cia. realizou as seguintes operações:
Após o registro das operações acima, o ativo total da Cia. Nordeste S.A., em 31/01/2013, era,
(A) $135.000.
(B) $134.000.
(C) $100.000.
(D) $123.000.
(E) $99.000.
(FCC/ARTESP/2017) Ativos Intangíveis com vida útil indefinida são mensurados pelo
valor
a) de custo, menos a amortização acumulada.
b) justo e estão sujeitos ao teste de redução ao valor recuperável.
c) de custo, menos a eventual perda acumulada por redução ao valor recuperável.
d) justo, sofrem amortização e estão sujeitos ao teste de redução ao valor recuperável.
e) de custo, menos a amortização acumulada e estão sujeitos ao teste de redução ao
valor recuperável.
(FCC/Auditor Fiscal/ISS SP/2007) Uma companhia contratou, em 01.09.2005, um seguro contra incêndio
para sua fábrica, com prazo de três anos e vigência imediata, tendo pago, pela respectiva apólice, a
importância de R$ 115.200,00. Em 31.12.2005, deverá constar no grupo do Ativo Circulante, do Balanço
Patrimonial da companhia, como despesa do exercício seguinte, a importância correspondente a, em
R$:
(A) 38.400,00
(B) 32.000,00
(C) 25.600,00
(D) 19.200,00
(E) 12.800,00
(FCC/Agente Fiscal de Rendas/ICMS SP/2009) A empresa Solidária S.A. emprestou para os quatro
diretores do grupo R$ 1.000.000,00. O evento foi formalizado por meio de contrato de mútuo, com juros
de mercado, para pagamento em doze meses. Em conformidade com a lei societária vigente, esse fato
deve ser registrado como
(A) adiantamento a diretores − passivo circulante.
(B) adiantamento a diretores − ativo não-circulante.
(C) empréstimos a diretores − ativo circulante.
(D) empréstimos a diretores − ativo não-circulante.
(E) empréstimos a diretores − passivo circulante.
(FCC/Auditor Fiscal da Receita Estadual/SEFAZ/RO/2010) A Cia. Participações apresentava em seu balancete,
em 31.12.X9, os saldos, em reais, nas seguintes contas:
• Disponível: 20.000,00
• Títulos e valores mobiliários: 23.000,00
• Fornecedores: 10.000,00
• Debêntures: 5.000,00
• Clientes: 40.000,00
• Despesas Administrativas: 3.000,00
• Provisão para créditos de liquidação duvidosa: 2.000,00
• Impostos a recuperar: 9.000,00
• Adiantamento de clientes: 6.000,00
• Despesas financeiras: 8.000,00
• Marcas e patentes: 3.000,00
• Receitas financeiras: 6.000,00
• Custo das mercadorias vendidas: 80.000,00
• Depósitos em garantia: 10.000,00
• Reserva legal: 8.000,00
• Abatimentos sobre venda: 1.500,00
• Estoques de mercadorias: 40.000,00
• Receita de vendas 200.000,00
• Capital Social 110.000,00
• Empréstimos de LP 15.000,00
• Receita de Equivalência Patrimonial: 6.500,00
• Ações em tesouraria: 4.000,00
• Investimentos em controladas: 44.000,00
• Veículos: 75.000,00
• Despesas de depreciação de veículos: 4.000,00
• Depreciação acumulada de veículos: 7.000,00
• Ajuste de avaliação patrimonial (devedor): 9.000,00
• Despesas com vendas: 2.000,00.
Com base nas informações apresentadas, o Ativo da Cia. Participações, em 31.12.X9, era, em reais:
a) 261.000,00; b) 259.000,00; c) 256.000,00; d) 255.000,00; e) 250.000,00.
(FCC/Técnico em Contabilidade/TRF 4/2010) O Ativo Não Circulante, pelas Normas Brasileiras de
Contabilidade vigentes, é constituído pelos seguintes subgrupos:

a) Investimentos, Imobilizado, Realizável a longo prazo e Diferido.


b) Intangível, Investimentos e Imobilizado.
c) Realizável a longo prazo, Investimentos, Intangível e Imobilizado.
d) Realizável a longo prazo, Investimentos, Diferido e Imobilizado.
e) Intangível, Investimentos, Diferido e Imobilizado.
(FCC/Auditor Fiscal/SEFAZ PI/2015) Em 30/09/2013, uma empresa obteve um
empréstimo no valor de R$ 200.000,00 que será liquidado integralmente (principal e
juros) em 30/09/2016. A taxa de juros compostos contratada foi 1% ao mês e o saldo
do empréstimo é corrigido por um índice de preços que variou 3% entre a data da
obtenção do empréstimo e a data de 31/12/2013. Considere que os meses são de 30
dias corridos.
O valor contábil evidenciado no Balanço Patrimonial de 31/12/2013 deste empréstimo
foi, em reais:
a) 206.000,00
b) 212.242,01
c) 212.180,00
d) 272.000,00
e) 280.160,00
(FCC/Analista/CNMP/2015) No dia 01/12/2014 uma empresa obteve um empréstimo bancário no valor
total de R$ 2.000.000,00 que será liquidado da seguinte forma:
− Principal: pagamento integral em 01/12/2017
− Juros: pagamentos trimestrais, com a primeira parcela vencendo em 01/03/2015
As demais características do empréstimo são as seguintes:
− Taxa de juros contratada: 1,3% ao mês
− Valor dos juros trimestrais: R$ 79.018,39
− Despesas iniciais cobradas pelo Banco (custos de transação): R$ 150.000,00
− A taxa de custo efetivo da operação: 1,57% ao mês
Os valores da despesa com encargos financeiros apropriada no resultado de 2014 e do saldo apresentado
no balanço patrimonial em 31/12/2014 para o empréstimo obtido foram, respectivamente, em reais,
a) 29.045,00 e 1.879.045,00.
b) 31.400,00 e 2.031.400,00.
c) 26.339,46 e 2.026.339,46.
d) 33.755,00 e 2.183.755,00.
e) 24.050,00 e 1.874.050,00.
(FCC/Técnico Judiciário/Contabilidade/TRF 3/2014) A Cia. Italiana recebeu R$
180.000,00 por mercadorias a serem entregues em 3 meses, e estima que o custo
dessas mercadorias será de R$ 70.000,00, pois ainda precisam ser produzidas. No
momento do recebimento do respectivo valor, a Cia. Italiana
a) reconheceu receita.
b) apurou um lucro estimado.
c) reconheceu um passivo.
d) reduziu estoque.
e) reconheceu um adiantamento a fornecedor.
(FCC/Auditor Fiscal da Receita Estadual/SEFAZ RO/2010) Em 1.6.X9, a empresa Dara efetuou o desconto
de duplicatas no valor de R$ 30.000,00, cujo vencimento era 31.07.X9, à taxa de juros de 2,5% a.m.
(juros simples). As despesas cobradas pelo banco foram de R$ 500,00. Sabendo que no dia 31.07.X9 o
cliente não pagou a duplicata, a empresa nesta data, debitou.

a) Disponível e creditou duplicatas descontadas no valor de R$ 28.000,00


b) Duplicatas descontadas e creditou disponível, no valor de R$ 28.000,00
c) Duplicatas descontadas e creditou clientes, no valor de R$ 30.000,00
d) Perdas com clientes e creditou clientes, no valor de R$ 28.000,00
e) Duplicatas descontadas e creditou disponível, no valor de R$ 30.000,00
(FCC/ARTESP/2017) Em 31/12/2015 uma empresa obteve um empréstimo no valor de R$ 10.000.000,00
com as seguintes características:
Prazo total: 10 anos.
Taxa de juros compostos: 8% ao ano.
Pagamentos: parcelas iguais e anuais de R$ 1.490.294,89. (pagas em 31/12 de cada ano)
Para a obtenção do empréstimo a empresa incorreu em custos de transação no valor total de R$
842.783,00.
A taxa de custo efetivo da emissão foi 10% ao ano e o empréstimo é mensurado pelo custo amortizado.

O reconhecimento deste empréstimo no Balanço Patrimonial da empresa, em 31/12/2015, provocou um


aumento de
(A) R$ 9.157.217,00 no passivo.
(B) R$ 10.000.000,00 no passivo e despesa financeira de R$ 842.783,00.
(C) R$ 10.000.000,00 no ativo.
(D) R$ 10.000.000,00 no passivo.
(E) R$ 14.902.948,90 no passivo.
(FCC/ARTESP/2017) O valor dos encargos financeiros reconhecido no resultado de 2016 e o saldo
apresentado no balanço patrimonial referente à transação como um todo, em 31/12/2016, foram,
respectivamente, em reais,
(A) 915.721,70 e 10.072.938,70.
(B) 915.721,70 e 8.582.6443,81.
(C) 732.577,36 e 9.889.794,36.
(D) 732.577,36 e 8.399.499,47.
(E) 1.000.000,00 e 9.509.705,11.
(FCC/AL-SE/Analista Legislativo/Contabilidade/2018) O balancete de verificação da Cia. de Pimentas
apresentava, em 31/12/2017, as seguintes contas e seus respectivos saldos, em

Com base nessas informações e assumindo que não ocorrerá distribuição de dividendos, o total do
Patrimônio Líquido da Cia. de Pimentas apresentado em seu Balanço Patrimonial, em 31/12/2017, foi,
em reais,

(A) 209.000,00. (B) 410.000,00. (C) 420.000,00. (D) 440.000,00. (E) 390.000,00.
(FCC/AL-SE/Analista Legislativo/Contabilidade/2018) Considere as seguintes informações sobre
a Cia. Verde & Azul correspondentes ao ano de 2017:
− A empresa apurou o lucro líquido de R$ 350.000,00.
− Destinação do Lucro do Período:
− Constituição de Reserva Legal no valor de R$ 15.000,00.
− Constituição de Reserva de Incentivos Fiscais no valor de R$ 30.000,00.
− Distribuição de Dividendos Obrigatórios no valor de R$ 105.000,00.
− Foi realizado aumento do Capital Social no valor total de R$ 100.000,00, sendo R$ 40.000,00
com incorporação de Reservas de Lucros e R$ 60.000,00 com um terreno.
− Aquisição de ações de emissão da própria Cia. Verde & Azul por R$ 80.000,00 à vista.
Após o reconhecimento destas operações, a Demonstração das Mutações do Patrimônio
Líquido (DMPL) de 2017 evidenciou um aumento no Patrimônio Líquido da Cia. Verde & Azul no
valor total de, em reais,
(A) 245.000,00.
(B) 345.000,00.
(C) 305.000,00.
(D) 385.000,00.
(E) 225.000,00.
(FCC/Esp. Regulação/ARTESP/2017) A Cia. Egito realizou as seguintes transações em 2016:
− Lucro líquido: R$ 1.000.000,00.
− Dividendos obrigatórios distribuídos: R$ 350.000,00.
− Aumento de Capital Social: R$ 300.000,00, sendo 50% com Reservas de Lucros existentes em
31/12/2016 e o restante com Imobilizado.
− Aumento de Capital Social: emissão de 20.000 novas ações com valor nominal de R$ 1,00 por ação,
tendo conseguido negociá-las por R$ 2,00.
− Aquisição de 10.000 ações de sua própria emissão pelo valor total de R$ 15.000,00.
− Retificação negativa de erros percebidos pelos auditores no valor de R$ 50.000,00 ocorridas em 2015.
Considerando o registro destas transações, a alteração no Patrimônio Líquido da Cia. Egito em 2016 foi,
em reais,
(A) 805.000,00.
(B) 755.000,00.
(C) 840.000,00.
(D) 775.000,00.
(E) 855.000,00.
(FCC/Esp. Regulação/ARTESP/2017) Sobre Reservas de Lucros, considere:
I. A Reserva Legal tem por fim assegurar a integridade do capital social e somente poderá
ser utilizada para compensar prejuízos ou aumentar o capital.
II. As Reservas de Capital podem ser utilizadas para resgate de partes beneficiárias.
III. O Estatuto poderá criar reservas desde que, para cada uma, indique de modo preciso
e completo a sua finalidade e estabeleça os limites mínimo e máximo.
IV. A Assembleia Geral poderá, por proposta dos órgãos de administração, destinar para
Reserva de Incentivos Fiscais a parcela do lucro líquido decorrente de doações ou
subvenções governamentais para investimentos, que poderá ser excluída da base de
cálculo do dividendo mínimo obrigatório.
Está correto o que se afirma APENAS em
(A) II e IV. (C) II e III. (E) I, II e IV.
(B) I, III e IV. (D) I e III.
(FCC/Auditor de Controle Externo/TCE CE/2015) A Cia. Patrimonial realizou, durante 2014, as seguintes
operações:
I. Vendeu por R$ 100.000,00 ações em tesouraria que haviam sido adquiridas em 2012 por R$ 30.000,00.
II. Apurou, em 2014, lucro líquido de R$ 230.000,00 e distribuiu dividendos mínimos obrigatórios de R$
50.000,00.
III. Recebeu em doação um terreno com restrições a serem cumpridas. O valor justo do terreno na data do
recebimento era R$ 60.000,00.
IV. Aumentou o capital social em R$ 70.000,00, sendo 50% com Reservas de Lucros existentes em 2013 e
50% com imóveis.
Após o registro dessas operações, o aumento no Patrimônio Líquido da Cia. Patrimonial ocorrido em 2014
foi, em reais,
a) 350.000,00.
b) 285.000,00.
c) 315.000,00.
d) 345.000,00.
e) 375.000,00.
(FCC/Auditor Fiscal/SEFAZ/RJ/2014) O Patrimônio Líquido da Cia. Lucrativa, em 31/12/2011, era constituído pelas
seguintes contas com seus respectivos saldos:
− Capital Social R$ 300.000,00
− Reserva Legal R$ 60.000,00
− Reserva Estatutária R$ 30.000,00
Em 2012, a Cia. Lucrativa apurou um Lucro Líquido de R$ 50.000,00, cuja destinação deveria seguir o
estabelecido em seu estatuto:
− Reserva Legal: constituída nos termos da Lei no 6.404/1976;
− Dividendos obrigatórios: 40% do Lucro Líquido ajustado nos termos da Lei no 6.404/1976;
− Reserva Estatutária: saldo remanescente.
Sabe-se que R$ 20.000,00 do Lucro Líquido foram decorrentes de subvenções governamentais para
investimentos e que a Cia. Lucrativa, para não tributar este ganho, reteve-o na forma de Reserva de Incentivos
Fiscais, utilizando a possibilidade estabelecida na Lei no 6.404/1976 referente aos dividendos.
Com base nestas informações, os valores que a Cia. Lucrativa distribuiu como dividendos obrigatórios e que
reteve na forma de Reserva Estatutária foram, respectivamente,
(A) R$ 19.000,00 e R$ 8.500,00.
(B) R$ 12.000,00 e R$ 38.000,00.
(C) R$ 11.000,00 e R$ 16.500,00.
(D) R$ 12.000,00 e R$ 18.000,00.
(E) R$ 20.000,00 e R$ 10.000,00.
(FCC/ARTESP/2018) A empresa Praia do Forte S.A. obteve, em 2016, Lucro Líquido no montante de R$
100.000,00. No início de 2016, a empresa possuía Capital Social de R$ 800.000,00, Reserva Legal de R$
70.000,00, Reserva de Capital de R$ 75.000,00 e Reserva para Contingências de R$ 100.000,00. Sabendo
que o Estatuto Social da empresa não define o percentual para pagamento de dividendos mínimos
obrigatórios e que a Assembleia Geral já tinha informado que reverteria o saldo da Reserva de
Contingência, o valor distribuído na forma de dividendos mínimos obrigatórios, em 2016, foi, em reais,

(A) 23.750,00.
(B) 97.500,00.
(C) 50.000,00.
(D) 48.750,00.
(E) 47.500,00.
(FCC/Analista/DPE AM/2018) A Cia. Açúcar & Sal adquiriu produtos para serem utilizados no seu processo industrial.
Os produtos foram adquiridos à vista pelo valor total de R$ 120.000,00. No valor pago pelos produtos estavam
inclusos tributos recuperáveis de R$ 25.000,00 e tributos não recuperáveis de R$ 15.000,00. Na mesma data, a Cia.
pagou frete e seguro no valor de R$ 8.000,00 para transporte dos produtos até a empresa. Na aquisição dos
produtos, a Cia. Açúcar & Sal efetuou nas contas Caixa e Estoques os seguintes lançamentos:
a) Débito em Estoques e crédito em Caixa, ambos no valor de R$ 128.000,00.
b) Débito em Estoques e crédito em Caixa, ambos no valor de R$ 95.000,00.
c) Débito em Estoques no valor de R$ 95.000,00 e crédito em Caixa no valor de R$ 128.000,00.
d) Débito em Estoques no valor de R$ 80.000,00 e crédito em Caixa no valor de R$ 128.000,00.
e) Débito em Estoques no valor de R$ 103.000,00 e crédito em Caixa no valor de R$ 128.000,00.
(FCC/Analista/DPE AM/2018) A Cia. Bana & Lara apresentava, em 31/12/2016, os seguintes saldos em algumas contas
contábeis, com valores em reais:
Compras de mercadorias 15.000,00
Estoque inicial de mercadorias 35.000,00
Receita de vendas 64.000,00
Devolução de vendas 4.500,00
Estoque final de mercadorias 20.500,00
Comissões de vendas 7.000,00
Devolução de compras 4.000,00
Despesas financeiras 2.000,00
Impostos sobre vendas 9.000,00
Frete sobre vendas 3.000,00
Com base nestas informações, o custo das mercadorias vendidas e o lucro bruto foram, respectivamente, em reais,
a) 25.500,00 e 18.000,00.
b) 25.500,00 e 25.000,00.
c) 28.500,00 e 25.000,00.
d) 28.500,00 e 18.000,00.
e) 25.500,00 e 15.000,00.
(FCC/Analista/DPE AM/2018) A Cia. Fantástica possuía em seu estoque um lote de mercadoria e, em
01/12/2016, vendeu 60% desse lote por R$ 650.000,00 para ser recebido em 30/03/2018. Sabe-se que se
o cliente tivesse adquirido as mercadorias à vista teria pago R$ 554.333,00, que não há incidência de
qualquer tributo na compra nem na venda das mercadorias e que a taxa de juros cobrada pela empresa foi
1% ao mês.
Com base nestas informações, a Cia. Fantástica reconheceu na Demonstração do Resultado de 2016,
Receita de vendas no valor de
a) R$ 554.333,00 e Receita financeira no valor de R$ 95.667,00.
b) R$ 650.000,00 e Despesa financeira no valor de R$ 95.667,00.
c) R$ 554.333,00 e Receita financeira no valor de R$ 5.543,33.
d) R$ 650.000,00, apenas.
e) R$ 554.333,00, apenas.
(FCC/AL-SE/Analista Legislativo/Contabilidade/2018) Durante o ano de 2017 a Cia. Carnavalesca realizou
algumas transações com mercadorias e o seu Balancete de verificação apresentava, em 31/12/2017, os saldos
das seguintes contas, entre outras, em reais:
Receita Bruta de Vendas 500.000,00
Impostos sobre Vendas 80.000,00
Descontos Financeiros Concedidos. 10.000,00
Comissões sobre Vendas 15.000,00
Devolução de Vendas 25.000,00
Abatimentos sobre Vendas 8.000,00
Fretes sobre Vendas 35.000,00
O valor das compras de estoque realizadas no ano de 2017 foi R$ 220.000,00, o valor dos estoques de produtos,
em 31/12/2016, era R$ 50.000,00 e, em 31/12/2017, o saldo de estoque apresentava o valor de R$ 40.000,00.
Com base nestas informações, o Lucro Bruto apurado pela Cia. Carnavalesca no ano de 2017 foi, em reais,
(A) 157.000,00.
(B) 190.000,00.
(C) 177.000,00.
(D) 122.000,00.
(E) 107.000,00.
(FCC/AL-SE/Analista Legislativo/Contabilidade/2018) A Cia. de Comércio Violeta, ao adquirir mercadorias
para revenda, pagou os seguintes valores em reais:
Valor das Mercadorias (sem impostos) 200.000,00
Seguro para Transporte até a empresa 3.000,00
Frete para Transporte até a empresa 10.000,00
Tributos Recuperáveis 25.000,00
Tributos não Recuperáveis 14.000,00
Sabendo que a Cia. revendeu todas estas mercadorias por R$ 440.000,00, mas concedeu um desconto
de 10% no momento da venda, o custo das mercadorias vendidas e o lucro bruto apurados pela Cia. de
Comércio Violeta foram, respectivamente, em reais,
(A) 213.000,00 e 183.000,00.
(B) 227.000,00 e 144.000,00.
(C) 227.000,00 e 169.000,00.
(D) 238.000,00 e 144.000,00.
(E) 238.000,00 e 158.000,00.
(FCC/ARTESP/2017) A empresa Coruja S.A., ao adquirir mercadorias para o carnaval de
2017, incorreu nos seguintes gastos:
Mercadorias: R$ 120.000,00 (valor líquido de tributos)
Frete sobre compras: R$ 3.000,00 (valor líquido de tributos)
Seguro: R$ 2.000,00 (transporte das mercadorias até a empresa)
ICMS: R$ 20.000,00
IPI: R$ 10.000,00
Sabe-se que a empresa é contribuinte do ICMS, mas não é contribuinte do IPI. Com
base nestas informações, o valor reconhecido como Estoques foi, em reais,
a) 135.000,00.
b) 123.000,00.
c) 125.000,00.
d) 145.000,00.
e) 155.000,00.
(FCC/ARTESP/2017) A empresa Só Luxo S.A. possuía R$ 100.000,00 na conta de
Clientes e uma estimativa de perda com créditos de liquidação duvidosa (EPCLD) no
valor de R$ 10.000,00 no Balanço Patrimonial de 31/12/2016. Em março de 2017, o
cliente A, que devia R$ 9.000,00, se tornou incobrável. Ao registrar este evento na
contabilidade, a empresa Só Luxo S.A.

a) reconheceu uma Perda com Clientes, no resultado, no valor de R$ 9.000,00.


b) diminuiu em R$ 9.000,00 o total do Ativo.
c) aumentou em R$ 9.000,00 o Passivo.
d) diminuiu em R$ 1.000,00 o Patrimônio Líquido.
e) diminuiu o saldo da EPCLD em R$ 9.000,00.