Você está na página 1de 4

Prof.

Xuxa
AFA/EFOMM - Lista de exercícios - M4 Trabalho e potencial elétrico

movimento e se choca em B, com o anteparo rígido e fixo a


Tarefa 80 cm do ponto A. O potencial elétrico do ponto B é de
50 V. O choque entre a partícula e o anteparo tem coeficiente
01. (Ufla – MG) O diagrama potencial elétrico versus distância de restituição igual a 0,80. A distância do anteparo em que
de uma carga elétrica puntiforme Q no vácuo é mostrado essa partícula vai parar será:
a seguir. Considere a constante eletrostática do vácuo
K0 = 9,0 x 109 Nm2/C2. Pode-se afirmar que o valor de Q é:

Informação:
Velocidade de retorno
Coeficiente de restituição =
Velocidade de impacto
a) +3,0 x 10–12 C. a) 42,3 cm. d) 51,2 cm.
b) 46,6 cm. e) 54,0 cm.
b) +0,1 x 10–12 C.
c) 49,8 cm.
c) +3,0 x 10–9 C.
04. (Ufop – MG) O campo elétrico em uma dada região é uni-
d) +0,1 x 10–9 C. forme e tem módulo E = 100 N/C, como mostra a figura a
e) –3,0 x 10–12 C. seguir.

02. (FMTM – MG) Na figura, estão representadas três cargas


elétricas pontuais, q1 > 0, q2 < 0 e q3 < 0, isoladas e imersas
no vácuo, e um ponto P. O potencial elétrico no ponto P
criado pelas:

a) DETERMINE a diferença de potencial entre os pontos


A e B, B e C e A e C.
b) DETERMINE a força elétrica que age sobre uma carga
pontual q = 1,0 x 10–6 C, colocada no ponto A deste
campo. DETERMINE o trabalho realizado por um
agente externo para conduzir essa carga com velocidade
constante de A até C.

a) três cargas elétricas é calculado somando-se algebrica- 05. (Cefet – MG) Um elétron desloca-se entre os pontos A e
mente os potenciais elétricos devidos às cargas q1, q2 e q3. B, segundo as trajetórias 1, 2 e 3, representadas na figura a
seguir, ao ser colocado em uma região onde existe um campo
b) três cargas elétricas é calculado somando-se vetorialmente
elétrico uniforme, dirigido da esquerda para direita.
os potenciais elétricos devidos às cargas q1, q2 e q3.
c) três cargas elétricas é calculado somando-se os módulos
dos potenciais elétricos devidos às cargas q1, q2 e q3.
d) cargas elétricas q2 e q3 é zero, independentemente do valor
da carga elétrica q1.
e) cargas elétricas q1, q2 e q3 é zero, devido à posição das
cargas em relação ao ponto p.
Os trabalhos W1, W2 e W3, realizados pela força elétrica ao
03. (Mackenzie – SP) Uma partícula de massa 2,0 g, eletri- longo dos percursos 1, 2 e 3, estão relacionados por:
zada com carga elétrica positiva de 20 µC, é abandonada a) W1 = W2 = W3. d) W1 < W2 < W3.
do repouso no ponto A de um campo elétrico uniforme, b) W1 = W2 < W3. e) W1 > W2 > W3.
cujo potencial elétrico é 250 V. Essa partícula adquire c) W1 > W2 = W3.
1
06. (PUC – Minas) A figura mostra um campo elétrico uni- 09. (UFMS) Duas cargas elétricas fixas puntiformes QA e QB
forme e três superfícies equipotenciais, representadas por de massas mA e mB, respectivamente, localizadas sobre um
A, B e C. Considerando-se o módulo do campo elétrico eixo vertical, estão separadas por uma distância 2a, simetri-
como 4,0 x 102 V/m, então o trabalho necessário para se camente dispostas em relação à origem do sistema de eixos
levar uma carga q = 1,0 x 10–6 C do ponto 2 até o ponto 6 ortogonais, conforme a figura seguinte. Tomando-se sobre
pela trajetória retilínea 256 será de: o eixo horizontal um ponto P de coordenadas (x = 0) e
considerando que não há nenhuma carga elétrica ou massa
nula, é correto afirmar que:

a) W = 4,0 x 10–4 J.
b) W = 1,0 x 10–4 J.
c) W = 6,0 x 10–5 J.
d) W = 8,0 x 10–5 J.
07. (Unimontes – MG) Quando uma partícula de carga q < 0
01. se QA+ QB = 0, o potencial elétrico resultante, gerado
se move de A para B, ao longo da linha de campo elétrico,
pelas duas cargas no ponto P, será nulo.
como mostrado na figura, o campo elétrico realiza sobre
02. o potencial gravitacional resultante, gerado pelas duas
ela um trabalho W0. As diferenças de potencial elétrico
massas no ponto P, será nulo.
(VB − VA), (VC − VA) e (VC − VB) são, respectivamente,
04. se QA+ QB = 0, o campo elétrico resultante, gerado
pelas duas cargas no ponto P, será nulo.
08. o campo gravitacional resultante, gerado pelas duas
massas, terá o sentido oposto ao eixo vertical se as duas
massas forem iguais.
16. o campo elétrico resultante, gerado pelas duas cargas,
terá o sentido oposto ao eixo horizontal se as duas cargas
forem iguais e negativas.
10. (UEM-PR) Duas cargas puntiformes +q e –q são mantidas,
a) W0/q, W0/q, 0. em equilíbrio, nos vértices do retângulo de lados a = 3 m e
b) 0, 0, W0/q. b = 4 m, conforme a figura. Considere a constante de Cou-
c) W0/q, 0, 0. lomb K e o potencial V = 0 no infinito. Nessas condições,
d) W0/q, W0/q, W0/q. assinale o que for correto.

08. (UFMS/Adaptado) Um dipolo elétrico é constituído por


uma carga positiva e uma negativa (veja a figura). O ponto
1 está equidistante das cargas, os pontos 2 e 3 estão equidis-
tantes da carga positiva e o ponto 4 possui a mesma distância
que o ponto 1 da carga positiva. Qual(is) das afirmações a
seguir é(são) correta(s)?

( ) O trabalho para um agente externo trazer uma carga 01. O potencial no ponto B é maior que o potencial no
de prova do infinito até o ponto 1 é nulo. ponto A, ou seja, VB > VA.
( ) O trabalho para um agente externo trazer uma carga de 02. No cruzamento das diagonais do retângulo, o potencial
prova do infinito até o ponto 2 é maior que para trazer é nulo. Porém, o campo elétrico é diferente de zero.
a carga de prova até o ponto 3. 04. VA – VB = Kq/6 (em volts).
( ) O campo elétrico no ponto 1 é nulo. 08. O trabalho necessário para deslocar uma terceira carga
( ) O potencial elétrico no ponto 3 é igual ao potencial q’, em equilíbrio, de A até B, é igual à energia potencial
elétrico no ponto 2. do sistema formado pelas três cargas.
( ) O trabalho para um agente externo trazer a carga do 16. O campo elétrico resultante, no ponto A, é igual ao
ponto 4 para o ponto 3 é igual ao trabalho para trazer campo elétrico resultante, no ponto B.
a carga do ponto 2 ao ponto 1. 32. (VA – VB) ≠ (VB – VA).
2
11. (UFRGS) A figura a seguir representa duas cargas elétricas 15. (Unimontes – MG) Nos vértices de um triângulo equilátero
puntiformes, mantidas fixas em suas posições, de valores de lado L, são colocadas três cargas puntiformes Q positivas e
+2q e –q, sendo q o módulo de uma carga de referência. iguais. Sendo K a constante de Coulomb, a energia potencial
eletrostática (EPe) do sistema é dada por:
a) Epe = 3KQ2/L. c) Epe= KQ2/2L.
b) Epe = 2KQ /L.
2
d) Epe = KQ/L.

16. (Unimontes – MG) Uma carga Q = 2 C está num ponto A


Considerando-se zero o potencial elétrico no infinito, é do espaço onde existe um campo elétrico. O trabalho reali-
correto afirmar que o potencial elétrico criado pelas duas zado pela força elétrica, para deslocar essa carga do inifinito
cargas será zero também nos pontos: até o ponto A, é igual a W. Se o potencial elétrico no ponto
a) I e J. A é 30 V, o módulo do trabalho W vale:
b) I e K. a) 40 J. c) 60 J.
c) I e L. b) 30 J. d) 50 J.
d) J e K.
e) K e L. 17. (Mackenzie – SP) Uma unidade de medida de energia muito
utilizada em Física Nuclear é o elétron-volt (eV), os múlti-
12. (UEL-PR) Um elétron escapa da placa negativa de um ca-
plos quilo elétron-volt (keV) e mega elétron-volt (MeV)
pacitor, com velocidade inicial desprezível. Se a diferença de
são ainda mais usuais. Comparando o elétron-volt com a
potencial entre as placas do capacitor é de 200 V e a carga
unidade de medida do Sistema Internacional, temos que
elementar é de 1,6 x 10–19 C, a energia cinética com que o
1 eV = 1,6 x 10–19 J. Durante uma experiência no labora-
elétron atinge a placa positiva é, em joules,
tório, tem-se uma carga elétrica puntiforme fixa (Q) de
a) 3,2 x 10–23. 3,0 nC (3,0 x 10–9 C), praticamente no vácuo (K0 = 9 x 109 Nm2/C2),
b) 8,0 x 10–22. e, num determinado instante, um pósitron (q = +1,6 x 10–19 C)
c) 3,2 x 10–21. é abandonado do repouso num ponto A, distante 3,0 mm dessa
d) 8,0 x 10–18. carga Q. Ao passar por um ponto B, situado a 6,0 mm de A, sobre
e) 3,2 x 10–17. a mesma reta QA, o pósitron terá energia cinética de:
13. (PUC Minas/Adaptado) A energia potencial elétrica exis- a) 4,5 keV. d) 4,5 MeV.
tente entre duas cargas puntiformes separadas por certa b) 6,0 keV. e) 6,0 MeV.
distância ficará inalterada se: c) 9,0 keV.
a) as cargas forem mantidas e a distância dividida por dois. 18. (UFRRJ) Uma carga elétrica q = 1,0 x 10–6 C se movimenta
b) cada carga for dobrada e a distância também. em uma região onde existe um campo eletrostático uniforme.
c) uma das cargas for dobrada e a distância multiplicada por Essa carga parte de um ponto A, cujo potencial elétrico é
quatro. VA = 2 V, e caminha pelo percurso (I) até um ponto B, onde
d) cada carga for quadruplicada e a distância dividida por dois. o potencial elétrico é VB = 4 V.
e) cada carga for dobrada e a distância multiplicada por
quatro.
14. (Unesp) A figura é a interseção de um plano com o centro
C de um condutor esférico e com três superfícies equipo-
tenciais ao redor desse condutor.

a) CALCULE o trabalho realizado pela força elétrica que


atua sobre a carga ao longo do deslocamento de A a B.
b) Supondo que a carga retorne ao ponto A pelo caminho
(II), DETERMINE o trabalho total realizado pela força
elétrica ao longo do percurso de ida e volta, (I) + (II).
19. (UFPE) Duas cargas elétricas puntiformes, de mesmo
módulo Q e sinais opostos, acham-se fixas à distância de
Uma carga de 1,6 x 10–19 C é levada do ponto M ao ponto 3,0 cm entre si. DETERMINE o potencial elétrico no
N. O trabalho realizado para deslocar essa carga foi de: ponto A, em volts, considerando que o potencial no ponto
B é de 60 volts.
a) 3,2 x 10–20 J.
b) 16,0 x 10–19 J.
c) 8,0 x 10–19 J.
d) 4,0 x 10–19 J.
e) 3,2 x 10–18 J.
3
20. Um raio ou relâmpago é uma descarga elétrica entre nuvens cima e os negativos, para baixo, por meio de correntes de
de chuva ou entre essas nuvens e a terra. A descarga é visível ar. Essas correntes são impulsionadas pelas diferenças de
a olho nu e apresenta formas e ramificações sinuosas. Exis- temperatura e pressão, de modo que, no final das contas, é a
tem três tipos de raios: da nuvem para o solo, do solo para a energia radiante do Sol que promove todo esse movimento.
nuvem e entre nuvens. Um raio principia quando o campo Sears, F.; Zemansky, M. Física. Tradução de José Accioli. Rio de Janeiro: LTC,
1981. p. 514. (Adaptação).
elétrico atinge 3,0 x 106 N/C, valor conhecido como rigidez
dielétrica do ar. Nesse momento, a voltagem inicial entre as
partes envolvidas atinge valores muito elevados.
Disponível em: <http://www.wikipedia.org>.
Acesso em: 10 dez. 2010. (Adaptação).

Sobre as voltagens nos três tipos de raios citados, marque a


afirmativa correta.
a) Em um raio entre o solo e uma nuvem de altitude 1 km,
a voltagem inicial é da ordem de milhões de volts.
b) Em um raio da nuvem para o solo, a voltagem inicial é
maior que aquela em um raio do solo para a nuvem. Embora o campo elétrico terrestre enfraqueça com a altitu-
c) Em todo raio, a voltagem entre as partes envolvidas de, uma primeira aproximação seria considerá-lo constante.
aumenta progressivamente durante a ocorrência do fe- Sabendo que a distribuição de cargas da ionosfera está a
nômeno. 50 km da superfície da Terra, uma usina de eletricidade que
d) Em um raio da nuvem para o solo, a voltagem inicial é se valesse da diferença de potencial elétrico entre a superfície
maior que aquela em um raio entre nuvens próximas. e a ionosfera poderia gerar uma potência de:
e) Em todo raio, a voltagem entre as partes envolvidas é
igual a zero nos instantes que antecedem o fenômeno. a) 50 MW.
b) 500 MW.
c) 1 000 MW.
d) 5 000 MW.
e) 10 000 MW.

Tarefa

21. Um modelo simples da distribuição de cargas elétricas na 01. D 02. B 03. D


Terra e em sua atmosfera é mostrado na figura a seguir. Per-
to da superfície terrestre, existe um campo elétrico radial 04. a) DVAB = 10 V, DVBC = 0 e DVAC = 10 V
para baixo, de aproximadamente 100 V/m, devido ao fato
de a superfície ter cargas negativas e a ionosfera ter cargas b) FE = 1,0 x 10–4 N e W = −1,0 x 10–5 J
positivas. Como a atmosfera não é um isolante perfeito, ela
é atravessada por um fluxo de íons positivos para baixo e por 05. A 06. B 07. A
um fluxo de íons negativos para cima. Apenas 5 minutos
seria o intervalo de tempo necessário para neutralizar toda 08. V F F F F 09. 17 10. 54
a carga superficial do planeta, que é cerca de 3,0 x 105 C,
caso essa não fosse recomposta de alguma forma. A carga, 11. E 12. E 13. E 14. C
no entanto, permanece constante, levando a crer que exista
um mecanismo de bombeamento de cargas positivas para 15. A 16. C 17. B
cima e de cargas negativas para baixo, em um sentido oposto
ao das forças eletrostáticas exercidas pelo campo elétrico. 18. a) –2,0 x 10–6 J 19. VA = 90 volts
A natureza desse mecanismo não é bem conhecida, mas
acredita-se que o processo deva sofrer forte influência das
b) 0
constantes tempestades que se espalham pelo planeta. De
algum modo, formam-se íons positivos e negativos durante
20. D 21. D
uma tempestade, sendo os íons positivos conduzidos para
4