Você está na página 1de 5

BOLETIM DE INTELIGÊNCIA

OUTUBRO | 2015

LOGÍSTICA NO VAREJO
de materiais de construção
O custo da logística no setor da construção civil equivale a 21,33% do que é arrecadado, sendo o gasto direcionado para o
transporte de produtos e matérias-primas. Trata-se do segundo setor mais afetado pelo custo logístico para o transporte de
insumos das fábricas até a distribuição nos pontos de venda. Portanto, é fundamental para quem atua no segmento de varejo
de materiais de construção, ter conhecimento acerca do tema da logística, para planejar melhor o uso de recursos no negócio.
Dessa forma, o relatório apresenta dados da construção civil, do segmento varejista de materiais e informações sobre práticas
para melhorar a gestão logística.

Rodoviário
Modal mais utilizado, que transporta 67% das
mercadorias, com o segundo valor mais alto
do frete (U$133 por mil TKU). Adequado para
curtas e médias distâncias, maior flexibilidade
Logística no transporte e frete alto em alguns casos.

A logística está relacionada ao fluxo Aéreo


de materiais e visa disponibilizar 0,04% das mercadorias são transportadas por
este meio, que é de alto valor (U$1.060 para
mercadorias e serviços no momento,
mil TKU). Geralmente usado para mercadorias
lugar e quantidade certa. Ela engloba de alto valor agregado, de pequeno volume ou
desde o transporte de matérias-primas que tenham urgência na entrega.
até a entrega final aos clientes. Os
custos logísticos correspondem a Ferroviário
11,5% do PIB brasileiro, sendo 8,7% 18% das mercadorias são transportadas por
da receita líquida das empresas gasto este meio, cujo valor de frete é mais baixo
(U$22 por mil TKU). É indicado para grandes
com logística: transporte (4,7%),
quantidades e longas distâncias, porém é
armazenagem (2,1%) e estoque (1,9%). menos flexível no trajeto.

Aquaviário
Por rios ou mares, cerca de 11% das merca-
dorias são transportadas por este meio, que
custa U$30 por mil TKU*.

*TKU é a unidade de medida equivalente ao transporte de uma tonelada útil, apenas da carga, a distância de um quilômetro.
1
/ No varejo de materiais de construção, a logística é tema relevante, pois impacta em:

Custos de transpor- Satisfação do cliente, a Melhoria da imagem da Vendas, considerando


te, de armazenamen- partir da disponibilização empresa, por meio da entre- produtos para pronta en-
to e estoques; e entrega dos produtos; ga de produtos em perfeito trega e entrega efetiva.
estado e atendimento pres-
tado pelos entregadores;

/ Mercado de varejo de materiais de construção

R$53,4 bilhões R$60 bilhões 1,17 milhão 305 mil


PIB da indústria de materiais, de faturamento de de pessoas ocuparam lojas de materiais de
máquinas e equipamentos para a vendas de material de posições neste segmento construção
construção civil em 2014; construção em 2014; em 2014;

/ Lojas MPE de varejo de construção no Brasil

Norte
Números referentes Nordeste
Região
a 2012
Sudeste 141.338
Centro-
Sul 51.344 Oeste
Nordeste 67.263
Centro-Oeste 22.838
Norte 16.998 Sudeste

Sul

/ Pequenas empresas do varejo de construção

comercializam materiais de possuem perfil generalistas,


possuem mais de 11
39% construção básicos, como cal, 19% enquanto que as grandes 79% anos de mercado.
cimento e madeira; correspondem a 62%;

/ Mercado de varejo de materiais de construção

A crise hídrica e o cenário econômico Torneiras, chuveiros, bacias sanitárias e outros produtos associados à econo-
movimentam o mercado de varejo de mia de água e energia;
materiais de construção, pois os con-
Revestimentos, luminárias, tintas e demais produtos relacionados à reforma ou
sumidores buscam:
“repaginação” de imóveis alugados, pela insegurança de adquirir um novo.

Fontes: Juliana Nakamura. Logística preocupa. Construção e Mercado. 2010. Altair Santos. Custo logístico onera a indústria da construção. Massa cinzenta. 2014. Brochura – Panorama
ILOS: custos logísticos no Brasil. ILOS. 2014. Estabelecimentos na construção. CBIC. 2014. Marcos Vinicius Alves. Centros de distribuição na cadeia logística. Portal Educação. 2014. Custo
logístico consome 11,2% da receita e transporte é o maior vilão. Fundação Dom Cabral. 2014. Hyury Potter e Darci Debona. Infraestrutura precária dificulta estrutura logística brasileira. Diário
Catarinense. 2015. Modais de transporte. Fiesp. 2015. ConstruBusiness: antecipando o futuro. Fiesp. 2015. Fátima Fernandes. Reformas de casa salvam o varejo de material de construção.
Diário do Comércio. 2015. Perfil da entidade. Anamaco. 2015. Hamilton Picolotti. Importância da logística na cadeia do varejo. Guia da embalagem. 2015. Marina Shimamoto. Vendas de material
de construção cresceram 2,8% em 2014. Investimentos e Notícias. 2015.

2
GESTÃO LOGÍSTICA
Dicas para o segmento
A logística, quando realizada de forma eficaz, contribui para a redução de produtos obsoletos, do espaço físico da loja, de custos
operacionais e promove o aumento na precisão de estoques e nos níveis de qualidade. Para realizar a gestão logística é impor-
tante compreender quais iniciativas podem auxiliar e quais os pontos de atenção para empresários que atuam neste segmento.

/ A logística está relacionada a três atividades primárias. São elas:

Transporte: Manutenção de estoque: Processamento de pedido:


movimenta matérias-primas e atua como regulador da oferta elemento crítico para entrega
produtos finalizados; e demanda; de bens e serviços.

/ Atividades de apoio

Armazenagem Manuseio de materiais Embalagem de


Espaço para estoques. Consi- Movimentação do produto no proteção
dera-se a localização, dimen- estoque; Visa movimentar bens
sionamento, arranjo físico e sem danificá-los;
configuração do armazém;

Obtenção Programação Manutenção de informações


Disponibilização do produto no do produto Sobre custo e desempenho,
sistema logístico. Seleção de forne- Está relacionado ao a partir de informações como
cedores, programação de compras, fluxo de saída dos localização dos clientes, volume de
e outros aspectos; suprimentos; vendas, níveis de estoque e etc.

/ Gestão logística
Para desenvolver a gestão logística, é fundamental classificar os produtos a partir dos seguintes critérios:

Produção e conferência Prazo de entrega Encomenda Produtos


de estoque Identificação dos produtos que o Identificação dos produ- complementares
Identificação dos produtos fabricante não possui condições de tos que o cliente aguarda Identificação dos produtos que
que têm alto giro e que devem atender em prazos curtos, sendo a entrega, viabilizando o são complementares e que
ser repostos frequentemente; necessário o planejamento e a trabalho por encomenda; não geram vendas sozinhos.
programação do abastecimento;

3
/Pontos importantes sobre o suprimento dos produtos:

Popularidade
1 Conhecer os produtos que possuem maior índice de venda e alocá-los em área de fácil separação e reposição, po-
rém distribuindo pelos corredores do estoque. Na loja, o ideal é optar por locais que não atrapalhem a circulação.

Característica física
2 Aspecto que impacta na ocupação de espaços entre os produtos, por isso é necessário programar a localização
destes conforme suas características, evitando o planejamento de dimensões equivocadas na loja ou no estoque;

Recebimento e expedição
3 Produtos que apresentam maior saída podem ser colocados em um local de fácil acesso, para recebimento do
fornecedor e envio ao cliente.

A ruptura de
gôndola é um importante
ponto de atenção ao empresário. Ela
ocorre quando o produto desejado não está
disponível para o cliente, o que acarreta em:
opção por produto similar na loja ou compra em
outra loja por fidelidade à marca do produto ou
desistência da compra. As rupturas podem
prejudicar as relações de fidelidade do
cliente com a marca e a loja, em
médio e longo prazo.

PONTOS DE ATENÇÃO

Estoque Frota Reposição Colaboradores


A organização, manutenção e Planeje e roteirize o trajeto Considere a reposição de Credibilidade e profissiona-
limpeza do espaço são funda- de sua frota, considerando produtos variados e em lismo podem ser reforçados
mentais para uma gestão de o tempo de deslocamento, menores ciclos. Desta forma, pela apresentação dos
logística eficiente. Por vezes, a trânsito e experiência do há redução no estoque médio motoristas e sua respectiva
conservação é desconsiderada motorista. Negociar prazo e apenas é reposto o que está frota. A aparência também é
no dia a dia, o que impacta em de entrega conforme região, faltando; uma das formas de promover
maior perda de materiais; rota e volume de produto são a comunicação com o cliente.
opções interessantes;

De acordo com pesquisa realizada pelo Sebrae, apenas metade dos


lojistas de pequeno porte controla os estoques de maneira contínua.

Fontes: Logística no varejo. Intelog. 2011. Logística empresarial e as atividades primárias e de apoio. Portal Educação. 2013. Marcos Vinicius Alves. Centros de distribuição na cadeia logística.
Portal educação. 2014. Aula 09: logística no varejo de materiais de construção. Mapa da Obra. 2015. Aula 1: importância da logística empresarial. Slideplayer. 2015.

4
AÇÕES
RECOMENDADAS

Treinar os colaboradores que têm contato direto com o cliente é fundamental. A orientação quanto ao manuseio dos objetos
impacta na entrega de produtos em perfeito estado e na redução da devolução de produtos danificados pelo transporte;

Melhore o desempenho da sua empresa! Entre as possibilidades, está a aplicação da Norma 15.842/2010, da ABNT, que
dispõe sobre a qualidade dos serviços para o pequeno comércio. A norma visa melhorar a qualidade dos serviços prestados
aos clientes, contribuindo também para a gestão dos empreendimentos;

Estabelecer parcerias com outras empresas para superar desafios logísticos é uma alternativa que merece ser estudada. A
terceirização da logística e o transporte de cargas em conjunto são alguns exemplos. Existem redes de pequenas lojas de
material de construção que utilizam centros de distribuição, que funcionam como estoque. Além de poder ampliar o seu mix
de produtos, as lojas se beneficiam da economia de espaço, melhoram a relação entre depósito e vendas e o relacionamento
com fornecedores, que estarão mais disponíveis para atender pedidos maiores. Confira o material do Sebrae que trata das
atividades de cooperação e avalie aplicabilidade no seu negócio;

Mantenha um bom relacionamento com distribuidores. Muitos deles têm a capacidade de realizar entregas com prazo de 24
horas, o que auxiliam na gestão logística de sua empresa, reduzindo custos e a necessidade de espaço para estoque;

Conhecer o mercado, tendências, novas técnicas e tecnologias que auxiliam na gestão logística são algumas possibilidades
para se manter atualizado. Para isso, é interessante buscar informações em portais como: Transporta Brasil, Tecnologística,
Logística Descomplicada, Revista Mundo Logística, Ilos, entre outros;

Participe de cursos e eventos do setor para acompanhar o mercado. mercado. A participação em cursos é fundamental para
conhecer novas técnicas e tecnologias que surgem na área de logística e que podem auxiliar o desenvolvimento de sua
empresa. Para isso, consulte cursos oferecidos na área como os do Site da Logística, além dos presenciais e a distância do
Sebrae. Verifique a agenda de eventos e avalie a participação, seja como ouvinte ou expositor;

Conte com o Sebraetec para inovar. Tecnologia da informação, inovação e qualidade são alguns dos aspectos abordados pelo
programa e que podem contribuir com a sua empresa. Caso necessite de auxílio, busque a unidade do Sebrae mais próxima
ou cadastre-se no site e solicite a consultoria online.

Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros


Gerentes: Alexandre Comin e Patrícia Mayana (adjunta)
Analista técnico: José Weverton, Valéria Vidal e Lúcio Pires
Consultores Conteudista: Paula Kaneoya, Ricardo De Angelis e
Maurício Tedeschi
BOLETIM DE INTELIGÊNCIA Coordenadores Nacionais: Renato Perlingeiro , Rafael Gonçalves,
0800 570 0800
OUTUBRO | 2015 Arthur Carneiro, Helena Greco, Camila Gontijo, Maurício Tedeschi

Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610). Fotos: Banco de imagens.

www.sebraemercados.com.br/construcaocivil