Você está na página 1de 1

Resumo 1: (YILMAZ e BAKISZ, 2015) – Sustentabilidade no Setor da Construção

O uso intensivo de recursos naturais devido às atividades da indústria da construção


civil, produção de resíduos sólidos e líquidos e emissões de gases nocivos à atmosfera têm um
impacto muito negativo sobre o meio ambiente. Tais impactos podem ser resumidos em
consumo de recursos não renováveis, diminuição da diversidade biológica, perda de áreas
agrícolas, poluição do ar, da água e do solo, destruição de áreas verdes naturais e aquecimento
global. Soluções permanentes ainda não foram encontradas para esses problemas e a
sustentabilidade e o desenvolvimento sustentável ainda não são vistos como plenamente
possíveis. Neste contexto, os conceitos de “arquitetura sustentável” e “construção sustentável”
auxiliam na abordagem sistemática do assunto, determinando princípios, estratégias e
métodos, tornam-se essenciais na busca por soluções para os problemas ambientais causados
pelas construções.
A arquitetura sustentável é definida como o conjunto de atividades que minimizam os
danos causados ao meio ambiente, se preocupam com o equilíbrio ecológico e usam
efetivamente materiais, água e energia durante a fabricação, uso e destruição do processo
construtivo utilizado. Uma construção é dita sustentável quando garante a saúde e o conforto
dos usuários, não há ameaça aos recursos naturais e muito menos a formação de resíduos
prejudiciais ao meio ambiente.
A construção sustentável é a aplicação dos princípios do desenvolvimento sustentável
ao ciclo de vida do edifício, desde o planejamento da obra, construção, geração da matéria-
prima até a produção e transformação em material de construção, uso, destruição da
construção, bem como o gerenciamento de seus resíduos. É um processo que visa sustentar a
harmonia entre a natureza e o ambiente construído, criando locais adequados à vivência
humana e que contribuem para a igualdade econômica.
Edifícios projetados para que se tenha mínimos efeitos negativos da construção sobre
o meio ambiente e a saúde humana são nomeados “edifícios verdes” ou no inglês “green
buildings”. A partir da fase de projeto da construção, busca-se definir uma produção que
respeite os valores ambientais e seja responsável pelo uso efetivo dos recursos.
Construções verdes devem atender a padrões pré-determinados com relação a
planejamento sustentável da ocupação do solo, uso de materiais com baixo consumo de
energia, economia de água e energia, qualidade interna, apresentando meio saudável e
confortável e controle da geração de resíduos. Esse tipo de contrução precisa passar por uma
certificação que ateste o cumprimento dos requisitos. Atualmente, os certificados mais aceitos
são o LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) e o BREEAM (Building
Research Establishment Environmental Assessment Method).