Você está na página 1de 10

ANTROPOMETRIA

O crescimento é fortemente influenciado


AVALIAÇÃO pela nutrição e, portanto, a realização
NUTRICIONAL II da antropometria durante o período de
crescimento da criança é considerada
como um dos critérios mais úteis para
CRIANÇAS E avaliar a sua saúde e o seu estado
ADOLESCENTES nutricional.
Profa. Ms. Roseli Espíndola
Email: respindola@saocamilo-sp.br World Health Organization (WHO). Physical status: the use and interpretation
of anthropometry. Geneva, 1995. (Technical Report Series, 854).

Prof. Ms. Roseli Espíndola

DEFINIÇÃO ANTROPOMETRIA NO DIAGNÓSTICO DO ESTADO


NUTRICIONAL DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES
EXAME FÍSICO BASEADO NA MEDIÇÃO DAS
VARIAÇÕES DAS DIMENSÕES FÍSICAS E DA • Sensível às alterações do crescimento e da
COMPOSIÇÃO GLOBAL DO CORPO HUMANO composição corporal ;
EM DIFERENTES IDADES. • Praticidade.
CONSIDERAÇÕES SOBRE A APLICAÇÃO Requisitos necessários para a avaliação do
DO EXAME ANTROPOMÉTRICO: estado nutricional:
• Registro correto da idade (data de nascimento) e
gênero da criança/adolescente.
• PESSOAL TREINADO (CAPACITAÇÃO)
• Qualidade dos dados antropométricos:
• TÉCNICAS SIMPLIFICADAS (EM GERAL) –
PADRONI ZAÇÃO DE DADOS ANTROPOMÉTRICAS
 Antropometrista (Avaliador);
• QUALIDADE DOS EQUIPAMENTOS  Equipamento (s);
-- CUSTO BAIXO --  Indivíduo que está sendo medido;
Prof. Ms. Roseli Espíndola  Supervisor. Prof. Ms. Roseli Espíndola

• A Padronização da coleta dos dados AULA PRÁTICA DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL II – Profa. Ms. Roseli M. Espíndola.
Turma: _______________Data: ___ / ____/ 2012.
PADRONIZAÇÃO DA CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO – CB
antropométricos é realizada por meio da ALUNO AVALIADO: _______________________________________ RA: __________

checagem da precisão e da exatidão Alunos 1a Medida 2a. Medida Precisão


Soma das Média dos
Exatidão

(acurácia) de cada avaliador (medidor):


medidas avaliadores
Avaliadores (cm) (cm) (cm) (cm)
(cm) (cm)

 Precisão = capacidade de repetir a


medida do mesmo indivíduo, com uma
variabilidade mínima. TOTAL XXXXXX XXXXXX XXXXXX XXXXXX XXXXXX

ORIENTAÇÕES:
 Exatidão = capacidade de obter a • Nas colunas 1 e 2 transcrever as medidas coletadas;
• Na coluna 3 (Precisão) anotar a diferença entre as duas medidas coletadas, não se levando em conta o
medida o mais próximo possível da sinal;
• Na coluna 4 (soma das medidas), anota-se a soma das duas medidas coletadas de cada avaliador;
medida real. • Na coluna 5 (média dos avaliadores), anota-se a média aritmética do grupo de avaliadores, isto é, a
soma de todos os valores da coluna 4 dividida pelo número de avaliadores;
• Na coluna 6 (Exatidão), anota-se a diferença entre os valores da coluna 4 e 5, não se levando em conta o
Bittencourt S, Barros DC, Monteiro KA, Zaborowski EL. Pesando e medindo em uma unidade de saúde. sinal.
Centro de Referência de Alimentação e Nutrição. Região Sudeste – CRAN – Sudeste, 1997
A análise dos dados é feita levando-se em conta a diferença máxima permitida entre as duas medidas.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms.
Resultados acima de 0,2 cm são considerados Roseli Espíndola
insatisfatórios.
Análise dos dados:

1
AULA PRÁTICA DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL II – Profa. Ms. Roseli M. Espíndola.
Turma: _______________Data: ___ / ____/ 2012.
PADRONIZAÇÃO DA DOBRA CUTÂNEA TRICIPITAL – DCT
DADOS ANTROPOMÉTRICOS
ALUNO AVALIADO: _______________________________________ RA: __________
• Peso (kg / g);
Média dos
avaliadores • Estatura (cm);
Alunos 1a Medida
2a. 3a.
Média das
três
Diferença das (mm) Diferença das • Dobras cutâneas:
Avaliadores (mm)
Medida Medida
medidas
três medidas “Valor real” colunas 4 e 6
• Perímetro cefálico (cm);
(mm) (mm)
(mm)
(%) – Precisão 100% (%) Exatidão
– DCT;
• Perímetro torácico
(cm); – DCB;
• Perímetro braquial – DCSE;
(cm); – DCSI.
TOTAL XXXXX XXXXX XXXXX XXXXXX XXXXXX XXXXX
• Perímetro muscular A mais indicada para
braquial – PMB (cm) crianças acima de um
ORIENTAÇÕES:
PMB= PB - (0,314x ano de idade é a DCT.
- Nas colunas 1, 2 e 3 transcrever as medidas coletadas;
- Na coluna 4 anotar a média das medidas coletadas; realizar a somatória no final; DCT).
- Na coluna 5 (Precisão) anotar a diferença entre as medidas em porcentagem (verifica-se a precisão);
- Na coluna 6 (média dos avaliadores), anota-se a média aritmética do grupo de avaliadores, isto é, a soma • Área Muscular do Braço
de todos os valores da coluna 4 dividida pelo número de avaliadores;
- Na coluna 7 (Exatidão) anotar a diferença entre os valores das colunas 6 e 4 em porcentagem. (AMB) = (CMB)2 / 12,57.
A análise dos dados é feita levando-se em conta a diferença máxima permitida entre as medidas. Resultados
acima de 10% são considerados insatisfatórios.
Análise dos dados: Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PERÍMETRO CEFÁLICO (PC)

• Expressão do tamanho do cérebro. É usada


como diagnóstico para identificar
CARACTERÍSTICAS microencefalia,
hidroencefalia;
macroencefalia e

DOS DADOS Para diagnosticar Subnutrição deve ser


ANTROPOMÉTRICAS usada associada a outro dado
antropométrico, sendo que esta relação
pode refletir a deficiência de cálcio até dois
anos de idade e pode ser aplicada em
crianças na faixa etária de um a cinco anos.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

2
PERÍMETRO CEFÁLICO (PC) PERÍMETRO TORÁCICO (PT)
• Pode ser utilizada isoladamente ou em
– Material: Fita métrica inelástica milimetrada conjunto com o perímetro cefálico. É um
(precisão 0,1 cm). indicador de reserva adiposa e massa
muscular e tende estar associada ao peso;
– Técnica: A fita métrica deve passar na parte mais
proeminente da cabeça, ou seja, sobre a borda
Um referencial importante é a comparação
supra-orbitária do osso frontal (logo acima das
sobrancelhas) e posteriormente na protuberância
entre o PC e o PT;
do osso occipital, contornando a cabeça no mesmo O perímetro cefálico é maior que o torácico
nível a direita e a esquerda. ao nascimento;
As medidas devem ser repetidas até que as Dos 3 aos 5 meses, os dois são iguais;
diferenças não ultrapassem 0,2 cm. A partir do sexto mês de vida, o PT tende a
ser maior que o PC.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PERÍMETRO TORÁCICO (PT)

– Material: Fita métrica inelástica milimetrada


(precisão 0,1 cm).

– Técnica: A fita métrica deve passar em volta


do tórax, ao nível dos mamilos, com a
criança em decúbito dorsal (até três anos de
idade) ou em pé (crianças acima de 3 anos de
idade), com os pulmões em situação
respiratória média (entre a inspiração e a
expiração completas).
As medidas devem ser repetidas até que as
diferenças não ultrapassem 1,0 cm.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PERÍMETRO ABDOMINAL (PA)


• É a medida da circunferência do abdômen;
utilizada como um dos indicadores para o
diagnóstico da obesidade central.

É útil para monitorizar a evolução de certas


patologias que cursam com o aumento do
conteúdo intra-abdominal, como ascite,
tumores e visceromegalias;

O PA pode estar reduzido em casos de hérnia


diafragmática no recém-nascido e na
desnutrição grave.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

3
PERÍMETRO ABDOMINAL (PA) Circunferência da cintura
– Material: Fita métrica inelástica milimetrada
(precisão 0,1 cm).
– Material: Fita métrica inelástica milimetrada
– Técnica: O indivíduo deve permanecer em pé (precisão 0,1 cm).
e com os braços afastados do corpo. A fita
métrica deve passar em torno do abdômen, – Técnica: O indivíduo deve permanecer em pé
na protuberância anterior máxima do e com os braços afastados do corpo. A fita
abdômen, usualmente no nível da cicatriz métrica deve passar na parte mais estreita do
umbilical. A medida deve ser realizada ao tronco. A medida deve ser realizada ao final
final da expiração normal. da expiração normal.
As medidas devem ser repetidas até que as As medidas devem ser repetidas até que as
diferenças não ultrapassem 1,0 cm. diferenças não ultrapassem 1,0 cm.
Callaway CW, Chumlea WC, Bouchard C, Himes JH, Lohman TG, Martim, AD, Mitchell CD, Mueller WH,
Callaway CW, Chumlea WC, Bouchard C, Himes JH, Lohman TG, Martim, AD, Mitchell CD, Mueller WH, Roche AF, Seefeldt VD. Circumferences. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. (Eds.), Anthropometric
Roche AF, Seefeldt VD. Circumferences. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. (Eds.), Anthropometric standardization reference manual. Champaign, IL: Human Kinetics, 1988, p. 39-70.
standardization reference manual. Champaign, IL: Human Kinetics, 1988, p. 39-70.

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PERÍMETRO BRAQUIAL (PB) ou CB PERÍMETRO BRAQUIAL (PB) ou CB


– Material: Fita métrica inelástica milimetrada (precisão
• É a medida da circunferência do braço; 0,1 cm).
bastante útil, juntamente com os outros dados – Técnica: O indivíduo deve permanecer em pé e o braço
antropométricos, para identificação de (lado direito) deve formar um ângulo reto com o
subnutrição e excesso de peso. antebraço, para marcar o ponto médio entre o processo
acromial da escápula e o processo olécrano da ulna.
Com o braço solto para o lado e a palma da mão virada
Expressão simultânea de músculo e gordura para a coxa, deve-se aplicar a fita métrica firmemente ao
(≈
≈ peso corporal) redor do braço, exatamente no ponto mediano, tendo o
cuidado de não comprimir os tecidos. A medida deve
ser realizada com o braço estendido.
Expressa reserva energético-protéica no As medidas devem ser repetidas até que as diferenças
organismo não ultrapassem 0,2 cm.
Callaway CW, Chumlea WC, Bouchard C, Himes JH, Lohman TG, Martim, AD, Mitchell CD, Mueller WH,
Roche AF, Seefeldt VD. Circumferences. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. (Eds.), Anthropometric
standardization reference manual. Champaign, IL: Human Kinetics, 1988, p. 55-70.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

DOBRAS CUTÂNEAS
• São medidas que avaliam, sobretudo, casos de
obesidade, caracterizando a gordura corporal,
sendo utilizadas em vários grupos etários;

• Formada por uma camada de pele e tecido


adiposos subcutâneo (expressam reserva de
energia armazenada no organismo);

• Para realizar a mensuração das dobras


cutâneas, utiliza-se um aparelho chamado
adipômetro;

• As dobras cutâneas, geralmente, são aferidas


três vezes, sendo utilizado o valor da média
encontrada. Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

4
DOBRA CUTÂNEA DO TRÍCEPS
- Material: Adipômetro (precisão de escala
0,2 e 1,0 mm). Fita métrica inelástica
milimetrada (precisão 0,1 cm).
– Técnica: O indivíduo deve permanecer em pé. A
localização da medida é o ponto médio do braço
entre o processo acromial da escápula e o
processo olecraniano. A dobra é tomada 1 cm
acima da linha marcada no aspecto posterior do
braço. O adipômetro é aplicado no nível marcado.
As medidas devem ser repetidas até que as
diferenças não ultrapassem 10%.
Harrison GG, Buskirk ER, Carter JEL, Johnston FE, Lohman TG, Pollock ML, Roche AF, Wilmore JH. Skinfold thicknesses
and measurement technique. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. (eds.), Anthropometric standardization reference
manual. Champaign, IL: Human Kinetics, 1988, p. 55-70.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

DOBRA CUTÂNEA SUBESCAPULAR


- Material: Adipômetro (precisão de escala 0,2 e 1,0
mm). Fita métrica inelástica milimetrada (precisão 0,1
cm).
– Técnica: O indivíduo deve permanecer em pé. A
localização da medida é no ângulo inferior da
escápula (osso localizado na parte superior das
costas, que fica entre o ombro e a parte superior da
coluna vertebral), diagonalmente, num ângulo de,
aproximadamente, 450 ao plano horizontal do
corpo. Após localizar esse ponto, o profissional
deve medir a prega, 1 cm abaixo e na diagonal a
450.
As medidas devem ser repetidas até que as
diferenças não ultrapassem 10%.
Harrison GG, Buskirk ER, Carter JEL, Johnston FE, Lohman TG, Pollock ML, Roche AF, Wilmore JH. Skinfold thicknesses
and measurement technique. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. (eds.), Anthropometric standardization reference
manual. Champaign, IL: Human Kinetics, 1988, p. 55-70.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PESO CORPORAL PESANDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS


BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional: Orientações básicas para a coleta,
processamento, análise de dados e informações em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004
• Peso corporal: músculos, gordura, ossos e
órgãos internos; • As crianças menores de 2 anos devem ser
pesadas e medidas sempre completamente
Expressa reserva energético-protéica no despidas e na presença da mãe ou
organismo responsável, pois estas devem auxiliar na
retirada da roupa da criança e na tomada da
ESTATURA / COMPRIMENTO medida.
• Medida linear (pernas, pélvis, coluna e cabeça);
• Lembre-se: uma fralda molhada pode
representar até 20% do peso de uma criança;
Expressa reserva energético-protéica no
organismo
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

5
PESANDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS

• Equipamento: Balança pediátrica ou “tipo bebê”;

• Atenção: É preciso ter muito cuidado para pesar


crianças pequenas, a fim de se evitar acidentes.

• Importante: Certificar-se de que a balança está


apoiada sobre uma superfície plana, lisa e firme.
Forrar o prato com uma proteção (papel) descartável
ou fralda) antes de calibrar a balança para evitar erros
na pesagem.

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PESANDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS


PESANDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS
Balança Pediátrica Mecânica (Passos):
Balança Pediátrica Mecânica (Passos):
• Colocar a criança sentada ou deitada no centro do
• Destravar a balança; prato, de modo a distribuir o peso igualmente;
• Verificar se a balança está calibrada (a agulha do • Destravar a balança mantendo a criança parada o
braço e o fiel devem estar na mesma linha máximo possível nessa posição;
horizontal). Caso contrário, calibrá-la, girando • Orientar a mãe / responsável a manter-se próximo, sem
lentamente o calibrador; tocar na criança e no equipamento;
• Esperar até que a agulha do braço e o fiel estejam • Mover o cursor maior sobre a escala númerica para
nivelados; marcar os quilos;
• Após constatar que a balança está calibrada, ela • Mover o cursor menor para marcar os gramas;
deve ser travada; • Esperar até que a agulha do braço e o fiel estejam
• Despir a criança com auxílio da mãe / responsável; nivelados;

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PESANDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS PESANDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS


Balança Pediátrica Eletrônica (Passos):

Balança Pediátrica Mecânica (Passos):


• A balança deve estar ligada antes da criança ser
colocada sobre a mesma. Esperar que a balança chegue
• Travar a balança, evitando, assim, que sua mola ao zero;
desgaste, assegurando o bom funcionamento do • Despir a criança com auxílio da mãe / responsável;
equipamento; • Colocar a criança despida no centro do prato da balança
• Realizar a leitura de frente para o equipamento com sentada ou deitada, de modo que o peso fique
os olhos no mesmo nível da escala a fim de distribuído.
visualizar melhor os valores apontados pelos • Manter a criança parada (o máximo possível) nessa
cursores; posição.
• Orientar a mãe / responsável a manter-se próximo, sem
• Anotar o peso na ficha da criança; tocar na criança;
• Retirar a criança e retornar os cursores ao zero na • Aguardar que o valor do peso esteja fixado no visor e
escala numérica. realizar a leitura;
• Anotar o peso na ficha da criança.

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

6
PESANDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,
ADOLESCENTES E ADULTOS
BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional: Orientações básicas para a coleta,
processamento, análise de dados e informações em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004

• As crianças maiores de 2 anos devem ser pesadas


descalças e com roupas bem leves. Idealmente,
devem usar apenas calcinha, short ou cueca, na
presença da mãe ou responsável;

• Os adultos e adolescentes devem ser pesados


descalços e usando roupas leves. Devem ser
orientados a retirarem objetos pesados tais como
chaves, cintos, óculos, telefones celulares e
quaisquer outros objetos que possam interferir no
peso total.

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PESANDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,


ADOLESCENTES E ADULTOS
• Equipamento: Balança Plataforma;

• Importante: Certificar-se que a balança está


afastada da parede.

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

PESANDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,


ADOLESCENTES E ADULTOS
Balança Plataforma (Passos):

• Destravar a balança;
• Verificar se a balança está calibrada (a agulha
do braço e o fiel devem estar na mesma linha
horizontal). Caso contrário, calibrá-la, girando
lentamente o calibrador;
• Esperar até que a agulha do braço e o fiel
estejam nivelados;
• Após a calibração da balança, ela deve ser
travada e só então a criança, adolescente e
adulto subirá na plataforma para ser pesado;
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

7
PESANDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS, PESANDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,
ADOLESCENTES E ADULTOS ADOLESCENTES E ADULTOS
Balança Plataforma (Passos):
Balança Plataforma (Passos):
 Posicionar a criança, adolescente e adulto de costas • Travar a balança, evitando, assim, que sua
para a balança, descalço, com o mínimo de roupa mola desgaste, assegurando o bom
possível, no centro do equipamento, ereto, com os pés funcionamento do equipamento;
juntos e os braços estendidos ao longo do corpo.
Mantê-lo parado nessa posição; • Realizar a leitura de frente para o
equipamento com os olhos no mesmo nível
 Destravar a balança;
da escala a fim de visualizar melhor os
 Mover o cursor maior sobre a escala númerica para valores apontados pelos cursores;
marcar os quilos;
• Anotar o peso na ficha;
 Mover o cursor menor para marcar os gramas;
 Esperar até que a agulha do braço e o fiel estejam
• Retirar a criança, adolescente e adulto;
nivelados; • Retornar os cursores ao zero na escala
Prof. Ms. Roseli Espíndola numérica; Prof. Ms. Roseli Espíndola

PESANDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,


ADOLESCENTES E ADULTOS
Balança Eletrônica (Passos):

• A balança deve estar ligada antes da criança,


adolescente ou adulto ser colocada sobre a
mesma. Esperar que a balança chegue ao zero;
• Colocar a criança, adolescente ou adulto, no
centro do equipamento, com o mínimo de roupa
possível, descalço, ereto, com os pés juntos e os
braços estendidos ao longo do corpo. Mantê-lo
parado nessa posição;
• Aguardar que o valor do peso esteja fixado no
visor e realizar a leitura;
• Anotar o peso na ficha.
• Retirar a criança, adolescente e adulto;
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

MEDINDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS


BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional: Orientações básicas para a coleta,
processamento, análise de dados e informações em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004

• O comprimento é a distância que vai da sola (planta)


dos pés descalços, ao topo da cabeça, comprimindo
os cabelos, com a criança deitada em superfície
horizontal, firme e lisa;
• Equipamento: Antropômetro horizontal;
• Importante: Deve-se retirar os sapatos da criança.
Deve-se, também, retirar toucas, fivelas ou enfeites
de cabelo que possam interferir na tomada de
medida;
• Atenção: Verifique se o antropômetro está apoiado
em uma superfície plana, firme e lisa.

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

8
MEDINDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS
Passos:

• Deitar a criança no centro do antropômetro, descalça e


com a cabeça livre de adereços;
• Manter, com a ajuda da mãe / responsável:
– A cabeça apoiada firmemente contra a
parte fixa do equipamento, com o pescoço
reto e o queixo afastado do peito;
– Os ombros totalmente em contato com a
superfície de apoio do antropômetro;
– Os braços estendidos ao longo do corpo.
• As nádegas e os calcanhares da criança devem estar em
pleno contato com a superfície que apóia o
antropômetro;

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

MEDINDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,


MEDINDO CRIANÇAS MENORES DE 2 ANOS ADOLESCENTES E ADULTOS
Passos:
BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional: Orientações básicas para a coleta,
processamento, análise de dados e informações em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004
• Pressionar, cuidadosamente, os joelhos da
criança para baixo, com uma das mãos, de modo • A estatura é a medida do indivíduo na posição em
que eles fiquem estendidos; pé, encostado numa parede ou antropômetro
• Juntar os pés, fazendo um ângulo reto com as vertical;
pernas; • Equipamento: Antropômetro vertical;
• Levar a parte móvel do equipamento até as
plantas dos pés, com cuidado para que não se • Atenção: Verifique se o antropômetro está fixado
mexam; numa parede lisa e sem rodapé.
• Realizar a leitura do comprimento quando estiver
seguro de que a criança não se moveu da posição
indicada;
• Anotar o resultado na ficha da criança.
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

9
MEDINDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,
ADOLESCENTES E ADULTOS
Passos:
• Posicionar a criança, adolescente ou adulto
descalço e com a cabeça livre de adereços, no
centro do equipamento;
• Mantê-lo de pé, ereto, com os braços
estendidos ao longo do corpo, com a cabeça
erguida, olhando para um ponto fixo na altura
dos olhos;
• Encostar os calcanhares, ombros e nádegas em
contato com o antropômetro / parede;
• Os ossos internos dos calcanhares devem se
tocar, bem como a parte interna de ambos os
joelhos;
Prof. Ms. Roseli Espíndola Prof. Ms. Roseli Espíndola

MEDINDO CRIANÇAS MAIORES DE 2 ANOS,


ADOLESCENTES E ADULTOS
Passos:
• Unir os pés, fazendo um ângulo reto com
as pernas;
• Abaixar a parte móvel do equipamento,
fixando-a contra a cabeça, com pressão
suficiente para comprimir o cabelo;
• Retirar a criança, adolescente e adulto,
quando tiver certeza de que o mesmo não
se moveu;
• Realizar a leitura da estatura, sem soltar a
parte móvel do equipamento;
• Anotar o resultado na ficha.
Prof. Ms. Roseli Espíndola

10