Você está na página 1de 15

CAPÍTULO I

DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, REGIME JURÍDICO E OBJETIVOS.

Art. 1° - A Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, fundada em 14 de Janeiro de 2018, conforme
registro junto ao Cartório Pergentino Maia - 1º Registro de Títulos e Documentos e de Pessoa Jurídica, sob a
microfilmagem n.º 78942, constituída sob a forma de entidade civil, de caráter assistencial, beneficente,
filantrópica e cultural, com sede provisória, localizada na rua Chico França, nº 788, bairro de Messejana em
Fortaleza/Ce, com as seguintes características:

a) é pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, sem caráter religioso e político partidário;

b) tem autonomia administrativa e financeira;

c) não pode ter alterados sua natureza e seus objetivos primordiais;

d) sua duração é por tempo indeterminado;

e) em caso de dissolução ou extinção, destina o eventual patrimônio remanescente à entidade registrada


no CNAS ou entidade Pública, a critério da Instituição;

f) no desenvolvimento de suas atividades a Entidade não fará qualquer discriminação de cor, sexo,
nacionalidade, profissão, credo, político, religioso e classe econômica financeira.

Art. 2° - A Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam tem por objetivo obter meios e recursos para contribuir
na assistência e tratamento dos Transtornos Mentais, na perspectiva do Acolher, Cuidar e Transformar,
podendo agir diretamente ou através de terceiros devidamente credenciados e contratar serviços
especializados objetivando a manutenção, a expansão e a sustentabilidade da Instituição.

Parágrafo Único - Para alcançar seus fins e objetivos, a Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam poderá
desdobrar suas atividades em vários setores no campo da assistência médica, do ensino e da pesquisa,
utilizando, para tanto, instalações hospitalares, ambulatórios ou outras, próprias ou de terceiros, criando para
esse fim tantos setores, departamentos ou subsidiárias quantos forem julgados adequados, podendo ainda:

a) possibilitar a integração, pelos meios adequados, com profissionais da área da saúde, instituições
educacionais, universidades e instituições públicas e privadas da área da saúde, dentro e fora do Brasil;

b) estimular trabalhos de pesquisa, através de apoio material e de remuneração condigna ao


pesquisador;

c) promover cursos, simpósios e estudos;

e) proporcionar, diretamente ou através de terceiros, apoio material e espiritual, assistência psicológica e


psiquiátrica aos pacientes e suas famílias, sempre que necessário;

f) administrar, promover e coordenar, diretamente ou por terceiros, eventos sociais, culturais e artísticos
de qualquer modalidade, atividades institucionais, científicas, comerciais, seminários, cursos e
congressos, exposições científicas, artísticas, literárias e bazares, mesmo estranhos a suas finalidades, e
que possam produzir receitas a serem aplicadas em seus objetivos próprios;
g) criar filiais para cumprimento exclusivo de seus objetivos.

CAPÍTULO II

DOS ASSOCIADOS, SEUS DIREITOS E DEVERES

Art. 3° - Os associados da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam formam duas categorias, a
saber:

a) EFETIVOS: Os fundadores da Instituição, os associados que tenham exercido cargo nos órgãos da
administração na fase anterior à vigência do presente estatuto e, os venham a ser convidados pela
Diretoria Executiva ou Conselho Deliberativo, por unanimidade;

b) COLABORADORES: As pessoas físicas e jurídicas que desejarem ajudar a Associação Braços Abertos no
cumprimento de seus objetivos e nos trabalhos voluntários.

Art. 4° - O ingresso ao Quadro Social far-se-á através do preenchimento de formulário de adesão

Art. 5° - Os associados da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, por serem membros
voluntários, terão livre opção em relação ao seu desligamento, sem que isso implique ônus, indenizações ou
compensações de ambas as partes, de qualquer espécie ou natureza.

Art. 6° - Os associados não responderão solidária ou subsidiariamente pelas obrigações sociais, e suas
qualidades são intransmissíveis, exceto no caso previsto no Art. 50 do Código Civil Brasileiro.

Art. 7° - São direitos dos associados

I – Efetivos:

a) participar das Assembleias Gerais, podendo votar e ser votado;

b) participar das atividades voluntárias da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam.

II – Colaboradores:

a) participar das atividades voluntárias da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam.

Art. 8° - São deveres dos associados:

I – Efetivos:
a) comparecer às Assembleias Gerais, para as quais forem convocados;

b) cumprir e fazer cumprir o disposto no Estatuto, no Regimento Interno e nas demais deliberações dos
Órgãos da Associação Braços Abertos;

c) participar das atividades voluntárias da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam.

d) desempenhar, com zelo e probidade as tarefas que lhe forem confiadas;

II – Colaboradores:

a) desempenhar, com zelo e probidade as tarefas que lhes forem confiadas;

b) cooperar para o bom desempenho da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, através de
doações ou trabalho voluntário;

Art. 9° - Será excluído da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam o associado que:

a) cometer falta grave;

b) contrariar os dispositivos do presente Estatuto, bem como as regras gerais de conduta em sociedade;

c) deixar de fazer as doações mensais por um prazo de 90 dias, sem justificativa;

d) ausentar-se de suas atividades por um período superior a trinta dias consecutivos, sem justa causa;

e) deixar de cumprir as normas e regulamentos que regem a Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que
Curam;

f) utilizar-se do nome da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam em benefício próprio, através
de qualquer meio.

g) solicitar; por escrito, seu desligamento do quadro social;

Parágrafo Único- O associado submetido ao procedimento de exclusão, deverá, após ser intimado por
escrito pelo Presidente do Conselho de Administração ou da Diretoria Executiva, apresentar, no prazo de
quinze dias, suas razões de defesa, fazendo-o pessoalmente ou por representante legal, por ocasião da
reunião designada para este fim. Caso não seja encontrado, a intimação poderá ser feita através de
3(três) avisos publicados, em dias consecutivos, em jornal de grande circulação.

CAPÍTULO III

DOS ÓRGÃOS, SUA COMPOSIÇÃO SEU PROVIMENTO E SUAS ATRIBUIÇÕES.

Art. 10 - São órgãos da administração da APP:

a) Assembleia Geral;

b) Conselho Deliberativo;
c) Diretoria Executiva;

d) Conselho Fiscal;

Título I - Da Assembleia Geral

Art. 11 - A Assembleia Geral, órgão soberano da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, é
constituída pelos associados efetivos, tendo, dentre outras, as seguintes atribuições:

a) reunir-se, ordinariamente, uma vez no ano, em dia e hora estabelecidos em Edital de Convocação, cuja
publicação deverá ser feita com prazo mínimo de quinze dias de antecedência, para apreciar o balanço e
orçamento apresentado pela Diretoria Executiva e de três em três ano, para eleger e empossar os
membros do Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal;

b) reunir-se, extraordinariamente, por convocação do Conselho de Administração ou da Diretoria


Executiva para deliberar sobre assuntos de interesse da Associação;

c) alterar o presente estatuto;

d) aprovar ou desaprovar a extinção da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, observado o
disposto no art. 46;

§ 1.° - A convocação aos associados será feita através de edital publicado em jornal de grande circulação e
afixado no quadro de avisos da Instituição.

§ 2.° - As Assembleias Gerais Ordinárias/Extraordinárias se reunirão e deliberarão, em primeira


convocação, com o quorum mínimo da maioria absoluta dos associados efetivos; em segunda convocação, uma
hora após a primeira, com o quorum de 1/3 (um terço) desses associados; e, por fim, em terceira e última
convocação, feita trinta minutos após a segunda, com qualquer número de associados efetivos presentes.

§ 3.° - As Assembleias Gerais Ordinárias/Extraordinárias serão presididas e secretariadas por dois de seus
membros, escolhidos entre os presentes.

§ 4.° - Os casos omissos serão resolvidos pela própria Assembleia Geral, por maioria simples de votos dos
presentes, ou, em caso de urgência administrativa, pelo presidente, ad referendum da Assembleia-Geral.

Título II - Do Conselho Deliberativo

Art. 12 - O Conselho de Administração é o órgão responsável pelo acompanhamento da administração da


Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, eleito e nomeado pela Assembleia Geral Ordinária para um
mandato de três anos, permitida reeleição, e, terá a seguinte composição:
a) 1/2 membros escolhidos dentre os Associados Efetivos;

b) 1/4 membros escolhidos dentre os Associados Colaboradores;

c) 1/4 membros integrantes Área Técnica;


§ 1.° – Os Membros da Diretoria Executiva, no mínimo de dois, deverão participar das reuniões do Conselho
Deliberativo, sendo que, só terão direito a voto, o presidente e vice presidente;

§ 2.°- . Quando for para eleger a Diretoria Executiva, seus Membros só terão direito à presença;

Art. 13 - É de competência exclusiva do Conselho Deliberativo:


a) examinar e aprovar o balanço anual apresentado pela Diretoria Executiva, após o parecer do Conselho
Fiscal;

b) eleger e/ou destituir membros da Diretoria Executiva;

c) prover a ocupação de vagas ocorridas na Diretoria Executiva, durante o mandato em curso;

d) outras atribuições correlatas.

§ 1.° - No caso destituição de Membros da Diretoria Executiva, deverá ser observado maioria absoluta.

Art. 14 - O Conselho Deliberativo reunir-se-á:

a) ordinariamente, uma vez por ano, para examinar, aprovar o balanço e o orçamento anual apresentado
pela Diretoria;

b) extraordinariamente quando convocado pelo Presidente da Diretoria Executiva ou do Conselho fiscal,


ou ainda por, no mínimo, três membros do próprio Conselho de Administração.

§ 1.º - O quorum mínimo para a reunião é1/3 de seus membros e suas decisões serão tomadas por
maioria absoluta de votos dos presentes, cabendo ao seu Presidente o voto de qualidade;
§ 2.° - Por motivo de força maior, um conselheiro poderá fazer-se representar por outro conselheiro,
mediante procuração particular com firma reconhecida.
§ 3.° - A representação a que se refere o parágrafo anterior, não dará direito a voto caso tenha menos de
um terço de Conselheiros presentes.

Título III - Da Diretoria Executiva

Art. 15 - A Diretoria Executiva é o órgão administrativo da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que
Curam, competindo-lhe colocar em prática a política e as diretrizes emanadas do Conselho de Administração.

Art. 16 - A Diretoria Executiva é formada pelos seguintes cargos:


 Presidente
 Vice Presidente
 1º Tesoureiro
 2º Tesoureiro
 1º Secretário
 2º Secretário

§ 1.º - A escolha dos Diretores e a distribuição dos cargos entre eles é de competência do Conselho
Deliberativo, que deve fazer sua escolha dentre o quadro de Associados Efetivos da Associação Casa do Amigo
Jesus Mãos que Curam.
§ 2.º - Os Diretores deverão cumprir no mínimo 4(quatro) horas por semana de trabalho voluntário na
sede da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam.

Art. 17 - Os membros da Diretoria terão mandato de três anos, permitida reeleição e, ao final do mandato,
ficarão na titularidade de seus cargos até a posse dos novos eleitos.

Art. 18 - As reuniões da Diretoria Executiva serão:


a) ordinárias: de forma regular e periódica, em dia, local e horário a serem estabelecidos por seu
Presidente;

b) extraordinárias: quando convocadas por seu Presidente ou por membros do Conselho de


Administração.

§ 1.º - As decisões da Diretoria serão tomadas por maioria simples de votos dos presentes, cabendo ao seu
Presidente o voto de qualidade.
§ 2.° - Os membros do Conselho Deliberativo poderão participar das reuniões da Diretoria Executiva, tendo
direito à voz, mas não a voto.

Art. 19 - Compete privativamente à Diretoria Executiva:


a) Criar as Coordenações e indicar os Coordenadores;

b) administrar a Associação, dirigindo todas as suas atividades em conjunto com as Coordenações;

c) decidir sobre propostas de admissão de funcionários, aprovando a política salarial;

d) aprovar procedimentos para arrecadação, recolhimento e aplicação dos recursos;

e) apreciar outras proposições que digam respeito aos interesses da Associação Casa do Amigo Jesus
Mãos que Curam, bem como aos direitos e deveres dos seus participantes;

f) tomar, "ad referendum” do Conselho Deliberativo, as medidas de emergência que se fizerem


necessárias em defesa imediata da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam e de seus
participantes;

g) submeter o balanço anual ao Conselho Fiscal, para emissão de parecer conclusivo;

h) submeter o balanço anual ao Conselho Deliberativo, para a devida aprovação, após apreciado pelo
Conselho Fiscal;

i) zelar para que sejam adotadas e mantidas, na gestão das atividades da Associação Casa do Amigo Jesus
Mãos que Curam, normas administrativas e financeiras rigorosas, objetivando assegurar absoluta
segurança e total transparência;

j) elaborar o plano de trabalho e o orçamento anual;

k) administrar os bens patrimoniais da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam;

l) elaborar o Regimento Interno da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam;

m) acompanhar as ações estabelecidas no Art. 13 do presente Estatuto;

n) assinar convênios, observando o disposto nos Art. 41 e 42;


o) Criar o Comitê Científico e reunir-se com ele a cada 3 (três) meses, objetivando o acompanhamento
dos trabalhos e cumprimento de sua Missão Social.

Art. 20 - Nos documentos que envolvam ônus, obrigações e movimentações financeiras da Associação Casa
do Amigo Jesus Mãos que Curam (aberturas, movimentações e encerramentos de contas bancárias) terão
necessariamente que constar a assinatura do Diretor Presidente e a do 1° ou do 2° Tesoureiros. Nos
impedimentos do Diretor Presidente, este será substituído pelo Vice-Presidente.

Art. 21 – Compete ao Presidente:


a) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, o Regimento Interno, as decisões do Conselho
Deliberativo e as resoluções da Diretoria;

b) representar a Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, em juízo ou fora dele;

c) convocar, ordinária e extraordinariamente a Diretoria, presidindo os seus trabalhos;

d) convocar, extraordinariamente, os Conselhos Deliberativo e Fiscal;

e) supervisionar as atividades da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam;

f) assinar, juntamente com o 1° ou 2° Tesoureiros, cheques, recibos e outros documentos que envolvam
movimentação de recursos financeiros. Essa atribuição poderá ser delegada também ao Vice -
Presidente;

g) participar das reuniões do Conselho Deliberativo;

h) apresentar anualmente ao Conselho Deliberativo, plano de trabalho, proposta orçamentária,


prestação de contas e relatório de atividades;

i) encaminhar às autoridades competentes os documentos exigidos por lei;

j) propor ao Conselho Deliberativo a demissão de membros da Diretoria;

k) nomear, juntamente com outro Diretor, procurador(es) para fins específicos, com mandato igual ou
inferior ao seu;

I) executar outras funções que lhe forem atribuídas pelo Regimento Interno ou pelo Conselho
Deliberativo ou delegá-las ao vice-presidente quando entender conveniente e necessário à eficiência dos
serviços administrativos da instituição.

Art. 22 – Compete ao Vice-Presidente:


a) substituir o Presidente em seus impedimentos eventuais, ou sucedê-lo, no caso de vaga, nos termos
deste Estatuto;

b) auxiliar o Presidente na direção dos trabalhos, quando, para tal fim, solicitado, e exercer as atribuições
que lhe forem delegadas pelo presidente;

c) coordenar e integrar os trabalhos desenvolvidos pelos diretores da Associação Casa do Amigo Jesus
Mãos que Curam;
Art. 23 - Compete ao 1º Tesoureiro:
a) delegar e supervisionar as atividades de seus colaboradores;

b) assinar, em conjunto com o Presidente ou com o Vice-Presidente, toda movimentação financeira;

c) controlar as contas correntes e as aplicações financeiras;

d) organizar os documentos e enviá-los para o parecer da Auditoria Externa contratada para tanto;

e) controlar a arrecadação de fundos provenientes de eventos, oficinas de arte, bazar e outros;

f) controlar o fluxo de caixa, de preferência projetando-o no mínimo para os próximos 60 dias;

g) controlar as compras e os pagamentos, efetuando-os de acordo com a programação;

h) encaminhar os documentos fiscais e contábeis para contabilidade.

Art. 24 - Compete ao 2° Tesoureiro:


a) substituir o 1º Diretor Financeiro em suas faltas e impedimentos temporários;

b) auxiliar o 1º Diretor Financeiro em todas as suas atribuições;

Art. 25 - Compete ao 1º Secretário:


a) executar os atos administrativos de natureza burocrática da Associação, responsabilizando-se pela
guarda e escrituração dos livros e lavratura das atas das reuniões do Conselho Deliberativo;

b) substituir o Presidente ou Vice Presidente, em suas ausências eventuais, inclusive nas movimentações
financeiras, mediante autorização formal do Presidente e 1º Tesoureiro.

Art. 26 - Compete ao 2° Secretário:


a) substituir o 1º Diretor Secretário em suas faltas e impedimentos temporários;

b) auxiliar o 1º Diretor Secretário em todas as suas atribuições;

Título V - Do Conselho Fiscal

Art. 27 - O Conselho Fiscal é composto por 3 (três) Conselheiros e 2 (dois) suplentes, eleitos pela
Assembleia Geral para um mandato de três anos, podendo ser reeleito apenas 2/3 de seus membros.

§ 1.º - No caso de impedimento ou ausência dos membros titulares, os suplentes os substituirão na ordem
de sua eleição pela Assembleia.

§ 2.º - Os membros titulares e suplentes do Conselho Fiscal permanecem no exercício de seus cargos até a
posse do novo Conselho Fiscal.

Art. 28 - São atribuições do Conselho Fiscal:


a) exarar parecer conclusivo sobre o balanço de contas anual da APP, a partir do parecer de Auditoria
Externa, encaminhado pela Diretoria Executiva, podendo solicitar as informações complementares que
julgar necessárias ou úteis à sua deliberação;

b) fornecer pareceres sobre a gestão da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, quando
solicitado pelo Conselho Deliberativo.

CAPÍTULO IV

DO PROVIMENTO DOS CARGOS E DAS PROVIDÊNCIAS CORRELATAS

Art.29 - A eleição e posse para os cargos da Diretoria Executiva, dos Conselhos Deliberativo e Fiscal serão
realizadas a cada três anos, no segundo dia útil do mês de abril e os membros eleitos entrarão no exercício de
suas funções a partir de dia 18 do mesmo mês.

§ 1º - O mandato a que se refere o presente artigo é de três anos, permitida reeleição, observando o
disposto no caput do Art. 30.

§ 2º - Considerar-se-á vago o cargo cujo titular faltar a mais de duas reuniões consecutivas, sem justificar
suas ausências, no prazo de trinta dias.

§ 3º – Para efeito de “quorum”, previsto no §2º do artigo 11, não serão computados os Sócios Efetivos
que não tiverem comparecido a mais de cinquenta por cento de suas atividades voluntárias, realizadas nos
últimos doze meses.
§ 4º - A posse dos eleitos será dada pelo presidente da Assembleia Geral, após conclusão dos trabalhos
eleitorais.

Art. 30 – No caso de mais de uma chapa o registro contendo o nome dos candidatos deverá ser feito até
quinze dias antes da data da eleição prevista no Edital de Convocação.

Art. 31 - Somente poderão concorrer para os cargos de órgão da Associação Braços Casa do Amigo Jesus
Mãos que Curam Abertos pessoas físicas, maiores de 18 anos, pertencentes aos quadros de associados
efetivos, brasileiros natos e naturalizados, aprovados anteriormente pelo Conselho Deliberativo, em reunião
específica, por dois terços do votos

Art. 32 - A votação será, em princípio, feita por escrutínio secreto, exceto quando se tratar de chapa única,
caso em que a Assembleia Geral poderá decidir pelo sistema de “aclamação”.

Art. 33 - As vagas verificadas na forma do artigo 29 serão preenchidas observando-se o disposto no


presente estatuto. No caso de vacância coletiva, convocar-se-á reunião extraordinária da AG, para eleição de
nova Diretoria Executiva ou Conselhos, destinada a completar o mandato anterior, observando-se o prazo
máximo de trinta dias para sua realização e o rito estatutário.

Art. 34 - A Mesa Eleitoral será composta pelo Presidente e pelo Secretário da AG e por um escrutinador,
indicado pelos presentes à Assembleia.

Art. 35 - A apuração dos votos será feita pela Mesa Eleitoral. Após o voto do último eleitor presente, será
anunciado o resultado do pleito.
§ único – Em caso de empate, haverá uma nova eleição, trinta dias após, com inscrições abertas a novos
candidatos.

CAPÍTULO V

DO PATRIMÔNIO, DAS RECEITAS E DE SUAS APLICAÇÕES,

Art. 36 - O patrimônio da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, constituído de bens móveis,
imóveis e de outros quaisquer direitos, adquiridos legalmente, não poderá ser dado em garantia de
compromissos assumidos por seus associados ou por sua Diretoria.

Art. 37 - A Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam poderá receber contribuições, doações,
legados e subvenções, de pessoas físicas ou jurídicas nacionais e internacionais, destinados à formação e
ampliação de seu patrimônio ou à realização de trabalhos específicos,

Art. 38 - A alienação, permuta, doação, recebimento de doação com encargos, comodato, constituição de
ônus real, construção ou reforma que implique alteração patrimonial ou estrutural dos bens móveis e imóveis
da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam, somente poderão ser feitos após aprovação conjunta do
Conselho de Administração e da Diretoria Executiva, em reunião especialmente convocada para esse fim, com
antecedência mínima de 15 dias e aprovadas por 2/3(dois terços) dos presentes.

Art. 39 - A receita e o patrimônio da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam serão administrados
visando sempre a sua finalidade, a segurança dos investimentos e a manutenção do valor real do capital
aplicado, observado o disposto no Art. 50 do Código Civil Brasileiro.

§ único - A Associação aplicará suas rendas, seus recursos e eventual resultado operacional integralmente
no território nacional, na manutenção e no desenvolvimento de seus objetivos institucionais.

Art. 40 - É vedada a distribuição de lucros, bonificações ou quaisquer vantagens a Diretores, Conselheiros,


Coordenadores e Associados, assim como, a contratação de serviços de entidades das quais eles participem
como administradores, sócios, quotistas ou acionistas, a não ser que, neste caso, haja expresso assentimento
do Conselho de Administração.

§ 1.º - Não serão remunerados os cargos do Conselho Deliberativo, da Diretoria Executiva nem concedidos
aos mesmos vantagens ou benefícios de ordem financeira a qualquer título.

§ 2.º - A Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam poderá reembolsar os membros do Conselho
Deliberativo, da Diretoria e das Coordenações, por despesas por eles efetuadas a seu serviço, mediante
comprovação aprovada pela Diretoria Executiva.

§ 3.º - A Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam poderá contratar gerentes para cargos
meramente administrativos, com remuneração.

§ 4.º - A Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam poderá contratar os Membros do Comitê
Científico, para os cargos que forem competentes;

§ 3.º - A remuneração dos gerentes e membros do Comitê Científico, será fixada e aprovada pela
maioria absoluta da Diretoria Executiva
CAPITULO VI

DO REGIME FINANCEIRO

Art. 41 - O exercício financeiro da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam serão iniciados em
primeiro de janeiro e findar-se-á em trinta e um de dezembro de cada ano.

Art. 42 - Quando a execução de planos e programas abranger mais de um exercício, as despesas e a


previsão dos recursos correspondentes serão aprovados globalmente, consignando-se em cada orçamento as
respectivas doações.

CAPÍTULO VII

DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 43 - A dissolução da Associação Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam dependerá de decisão unânime
da, Assembleia Geral, em reunião especialmente convocada para este fim, com antecedência mínima de 15
dias.

§ único - Decidida a dissolução, a mesma Assembleia destinará o seu patrimônio à instituição congênere,
devidamente registrada no Conselho Nacional de Assistência Social.

Art. 44 - Os associados não responderão, nem mesmo subsidiariamente, pelas obrigações da Associação,
nem pelos atos praticados pela Diretoria Executiva e Coordenações.

Art. 45 - Serão estabelecidas em Regimento Interno, a estrutura e a competência dos órgãos de


administração, nos detalhes não especificados neste Estatuto.

Fortaleza, 01 de março de 2018.

DIRETORIA EXECUTIVA

Presidente: Nome: Bell de Oliveira Outeiral

CPF: 316.419.030-15

RG: 8908002008420 SSP-CE

Advogado

Estado Civil: Solteiro


Vice. Presidente: Nome: Cécil Nibon Nottingham Júnior

CPF: 438.410.903-20

RG: 1444515-88 SSP-CE

Profissão: Empresário

Estado Civil: Casado

1° . Secretário: Nome: Terezinha Santiago da Silva

CPF: 245.866.173-49

RG: 92002153213 SSP-CE

Profissão: Artesã

Estado Civil: Solteira

2° . Secretário: Nome: Gilvan do Nascimento Esteves

CPF: 400.458.892-87

RG: 2685235 SSP-PA

Profissão: Professor

Estado Civil: Solteiro

Dir. 1º Tesoureiro: Nome: Fátima Pinheiro Melo

CPF: 780.134.103-15

RG: 96002215300 SSP-CE

Profissão: Administradora

Estado Civil: Solteira

2° Tesoureiro: Nome: Ivoneide dos Santos Alcântara

CPF: 314.341.183-04

RG: 97006032152 SSP-CE


Profissão: Pensionista

Estado Civil: Viúva

CONSELHO DELIBERATIVO:

01 - – Presidente

02 - – Vice- Presidente

03-

04-

05-

06-

CONSELHO FISCAL

1 - - Presidente Ennio Ellery Araújo

2-

3-

4-

5-

COMITÊ CIENTÍFICO

01 – Carla Bezerra - Médica Geriatra

02 – Assis - Acunpunturista

03 – Yuri Assunção - Reikiano


04- Emanuela Cunha Gomes - Psicóloga

05 –

06 -

07 -

08 -

09 -

10 -

COORDENAÇÕES

Coordenação Social -

Coodenação Técnica –

Coordenação Administrativa/Financeira –

Coordenação de Eventos e Comunicação:


ATA DE CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CASA DO AMIGO JESUS MÃOS QUE CURAM

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE FUNDAÇÃO, APROVAÇÃO DO ESTATUTO, ELEIÇÃO E POSSE


DA DIRETORIA E CONSELHO FISCAL DA CASA DO AMIGO JESUS MÃOS QUE CURAM.

Aos 14 dias do mês de janeiro de 2018, às 9 horas, na sede provisória, localizada na rua Chico
França, nº 788, bairro de Messejana, nesta cidade de Fortaleza, Estado do Ceará, os abaixo-
assinados, na qualidade de fundadores, resolvem fundar a Associação Civil denominada “CASA DO
AMIGO JESUS MÃOS QUE CURAM” regida na forma do estatuto adiante transcrito. Assumiu a
presidência um fundador, o Sr Bell de Oliveira Outeiral, que para secretário designou o Sr Ismael
Carlos Sousa da Silva, dando por instalada a assembleia com a seguinte pauta: 01. Fundação da
Associação e aprovação do Estatuto Social da entidade; 02. Eleição e Posse da Diretoria e Conselho
Fiscal. Dessa forma, foi procedida a leitura do projeto do estatuto, o qual, submetido à discussão, foi
unanimemente aprovado. Nessa ocasião, por unanimidade, os fundadores da Casa do Amigo Jesus
Mãos que Curam, deliberaram que a mesma não tem finalidade religiosa, mas que a terapia holística
é hoje a alternativa de tratamento da saúde que mais cresce no mundo. As terapias holísticas
entendem que as doenças acometem o nosso corpo quando nós nos desligamos do nosso espírito,
quando perdermos a fé em nós mesmos e não acreditamos (ou não enxergamos) o nosso potencial.
Essa ausência de fé gera pensamentos negativos, confusos e densos, afastando nossa energia e
leveza. Como a física quântica já comprovou que todo pensamento gera uma emoção, a terapia
holística percebe que esses pensamentos negativos e pessimistas irão trazer emoções também
negativas, como o mau humor, o ressentimento, a raiva, etc. Ao convivermos diariamente com esses
pensamentos e emoções pesadas e negativas nosso corpo somatiza essas debilidades, e elas são
expressas tanto no nosso corpo mental (com depressões, tristeza, apatia) como no nosso corpo
físico (como doenças, dores e disfunções). Dessa feita, todo o tratamento que trouxer alívio para as
dores do corpo e da alma, será praticado na Casa do Amigo Jesus Mãos que Curam. Cumpridas as
formalidades legais, o presidente declarou definitivamente constituída a associação civil denominada
“CASA DO AMIGO JESUS MÃOS QUE CURAM” e investidos em suas funções, sem limitação de
tempo, em conformidade com o estatuto lido, os diretores: 01.Presidente: Bell de Oliveira Outeiral,
02. Vice-Presidente: Cécil Nibon Nottingham Júnior, 03. Primeiro Secretário: Gilvan do Nascimento
Esteves, 04. Segunda Secretária: Terezinha Santiago da Silva, 05. Primeira Tesoureira: Fátima
Pinheiro Melo, 06. Segunda Tesoureira: Ivoneide dos Santos Alcântara. O mesmo ocorreu com o
Conselho Fiscal, que ficou assim constituído: Membros efetivos – Presidente Ennio Ellery Araújo
Samya Maria Gomes Bezerra – Maria José Lucio Mendes Membros suplentes – 3 Francisca de
Melo Lima Bezerra, Simone Trindade da Cunha, Emanuela da Cunha Gomes.
Nada mais havendo a tratar, foi encerrada a reunião e eu, Ismael Carlos Sousa da Silva,
lavrei a presente ata, que depois de lida e aprovada, foi assinada, em livro próprio, pelos membros
da Associação presentes na reunião.

Secretário:.............................................................................

Presidente: ............................................................................

Diretores: ...............................................................................