Você está na página 1de 5

Texto de apresentação do TCC

1 INTRODUÇÃO
O Calor é um fator de risco importante na saúde ocupacional, pois,
está presente em vários ambientes de trabalho.
E estando presente também nas atividades realizadas a céu aberto,
onde temos o calor do sol como fonte de energia. Onde a energia
proveniente do sol é denominada como a radiação solar.
Ocorre que a radiação solar não é constante durante o ano e sofre
alterações de acordo com os meses e períodos do ano. Pois há meses que
apresentam carga solar elevada como meses que apresentam valores mais
amenos.
O que dificulta o monitoramento ambiental do risco ocupacionais do
calor para trabalhadores que realizam suas atividades a céu aberto, pois, se
faz necessário um monitoramento frequente da exposição durante todo o
período de exposição.
Diante do fato, estariam os trabalhadores que realizam atividades a
céu aberto trabalhando em condições insalubres?

2 OBJETIVOS
Através da problemática da pesquisa foi estabelecido os objetivos do
trabalho.
GERAL Quantificação da exposição ao risco físico calor em atividades a
Céu aberto na região do município de Catalão – Goiás (Sudeste Goiano).
Durante o período de 1 ano.
ESPECIFICOS
IBUTG Médio Anual
Análise dos regime de trabalho e de atividade – Limites de Tolerância NR-
15
Medidas de controle

3 REFERENCIAL TEÓRICO

Calor
É um risco físico que ocorre em processos onde há liberação de
energia térmica.
Para que o organismo humano trabalhe de forma eficiente e
necessário que o calor produzido se dissipe tão rápido como é produzido.
Pois, temperaturas extremas, como o calor, influenciam na quantidade
e qualidade do trabalho, podendo gerar desde um desconforto térmico e
evolução para estresse térmico, onde pode causar alterações
psicossensoriais e debilidade geral da saúde do indivíduo exposto.
Desta maneira causando um decréscimo na qualidade e produtividade
do trabalho.

Sobrecarga térmica

Carga de calor, que o trabalhador esta exposto, resultante da


combinação, dos principais fatores que influenciam nas trocas térmicas:
entre o corpo humano e o meio ambiente.

» Temperatura do ar
» Umidade relativa do ar
» Velocidade do ar
» Calor radiante
» Tipo de atividade (Calor metabólico)

O Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo (IBUTG)

É o principal índice utilizado para quantificação da sobrecarga térmica.


Sendo o índice legal determinado na legislação brasileira, presente no
anexo 3 da nr 15, através dele que é determinada a condição de sobrecarga
térmica ou a condição insalubre.

Avaliação Ocupacional de calor

A avalição ocupacional do calor relativo ao índice de IBUTG é


determinada através destas duas equações, uma utilizada para exposições
com carga solar e a outra exposição de sem carga solar.

tbn = temperatura de bulbo úmido natural;


tg = temperatura de globo;
tbs = temperatura de bulbo seco
Após encontrarmos o IBUTG, vamos determinar o limite de tolerância
a ser aplicado, onde através da análise dos quadros 1, 2 e 3 do anexo 3 da
nr 15, determina-se a condição de insalubridade.

No quadro 1 está presente os limites de tolerância para atividades


continuas ou com período descanso no próprio local de trabalho
No quadro 2 os limites de tolerância para atividades com descanso
feito em outro local.
E para determinação da taxa metabólica e tipo de atividade, leve
moderada ou pesado, utilizamos o quadro 3.

Relação Calor X Saúde

A sobrecarga térmica ocorre quando o corpo sai de seu equilíbrio


térmico, isto é, quando recebe mais calor do que pode dissipar.

Aquecimento corporal < 38ºC.

Quanto maior a temperatura do corpo, maiores são os efeitos


fisiológicos provocados pelo calor.

Sendo estes efeitos em estágios:

Iniciais: Pele seca e quente, sudorese, calafrios, dor de cabeça e fadiga


Avançados: Dificuldade para falar, alucinações, confusão mental, tonturas e
desmaios, alterações renais e cardiovasculares.

Persistindo a exposição estes sintomas podem evoluir para insolação,


que é a doença mais grave causada pelo calor, que se não for tratada pode
levar à morte.

4 METODOLOGIA

Área de estudo
Estratégia de amostragem
Estratégia de avaliação e tratamento estatístico dos dados
- Não há normas definindo o tratamento estáticos dos dados para agentes
físicos (exceção do ruído)

“De acordo com Saliba, 2016, em avaliação de calor a céu aberto ou em


local onde condições climáticas influenciam nos dados, podem ser feitas
avaliações ao longo do ano e aplicar os parâmetros de limite de confiança
inclusive da distribuição normal.

Resultados estatísticos
Analisando o Gráfico 1 observamos que os maiores índices de IBUTG se
concentraram entre os meses de outubro a abril, consequentemente, os
meses de índices menores foram entre os meses de maio a setembro.

O IBUTG médio anual encontrado durante o período avaliado, está


compreendido entre 25,96 a 26,63 com 95% de confiança

5 CONCLUSÃO

IBUTG médio anual: 25,96 a 26,63 com 95%

Considerando trabalhadores que realizaram atividades leves e moderadas


a céu aberto, de acordo com a NR-15 e seu anexo 03, o limite de tolerância
não foi ultrapassado

Considerando trabalhadores que realizaram atividades pesadas em regime


contínuo a céu aberto, de acordo com a NR-15 e seu anexo 03, o limite de
tolerância foi ultrapassado com 95% de certeza, portanto, estariam
trabalhando em condições de sobre carga térmica, caracterizando a
atividade como insalubre pelo agente físico calor

Medidas de Controle:
Quando constatada a exposição ocupacional em condições de
sobrecarga térmica são necessárias adoções de medidas de controle de
exposição.
O controle da exposição deve ser prioritariamente através de medidas
de proteção. Coletivas, administrativas ou de organização do trabalho e por
último através de proteções individuais.

Possíveis Medidas de Controle:


No caso apresentando, realização de atividades consideradas
pesadas em regime contínuo a céu aberto, poderiam ser consideradas
propostas de medidas de controle de exposição, como por exemplo,
verificação da possibilidade de instalação de estruturas de proteção contra
os raios solares (barracas, tendas, entre outros), verificação da
possibilidade de redução do metabolismo (exigência física da atividade) e
adoção de períodos de descanso, de acordo com o Quadro nº1 anexo 03
da NR-15.
Todos os trabalhadores ocupacionalmente expostos ao risco físico
calor devem realizar exames médicos pré-admissionais e periódicos, com a
finalidade de detectar possíveis problema de saúde que possam ser
agravados com a exposição ao calor.