Você está na página 1de 5

haveria uma formatura conjunta

As Almas Infantis da Associação Paulista das Escolas P r i m á r i a s Adventistas


da Capital.
VICENTINA PINGITURO BASSI Planejado o programa, alugou a
Associação Paulista, para o seu de-
Não sem grandes lutas e esfor- sempenho, o salão Nobre do Centro
D ISSE o poeta nos
alexandrinos:
seus célebres
ços, o pastor Hélio Pereira na parte do Professorado Paulista, capaz de
comportar 2.000 pessoas.
"As almas infantis são bran- administrativa e a professora Es-
cas como a neve, ter S. Netto na função pedagógi- No dia e hora aprazados, houve
São pérolas de ouro em ur- ca, vêm labutando para criar aqui carinhosa e abundante acorrência
nas virginais; um processo mais eficiente no en- ao mesmo, superlotando-o.
Tudo quanto se grava e quan- sino, para remodelar ali um m é - À entrada, em local apropriado,
to ali se escreve todo em desuso, para incrementar foram expostos os trabalhos ma-
Cristaliza em seguida e não acolá um aprendizado perfeito. nuais executados pelos alunos, que
se apaga mais." t a m b é m neste sentido, vêm rece-
Como professores, tivemos à nos- bendo ensinamentos úteis.
sa dianteira, esses dois batalhado- Esperava-se, j á no planejado
O real dizer desses versos, co- res da "Causa das crianças". programa, o comparecimento da
nhece-o de sobejo, o mestre que O ano de 1956 foi muito bem mais alta autoridade paulista — o
moureja na escola que "Educa pa- sucedido, graças ao grande Edu- Dr. J â n i o Quadros, Governador do
ra a Eternidade" — a Escola A d - cador — Jesus Cristo. Estado, que paraninfaria a turma
ventista. A professora Ester, sempre d i - de diplomandos.
Sabedora de que a infância de nâmica e capaz orientadora das es- Com invulgar delicadeza, compa-
hoje representa a esperança da colas da Associação Paulista, ideou, receu êle, fazendo-se acompanhar
igreja de a m a n h ã , ciente de que para a finalização do ano es- de sua Exma. esposa, D. Eloá Qua-
essa verde jante e fagueira espe- colar, algo que, situando as crian- dros.
r a n ç a se t r a n s f o r m a r á em pujante ças de nossas escolas em plano que Ressoaram majestosas, as vibran-
e rósea realidade, no adorno das lhes é devido, impressionasse ou- tes harmonias da marcha executada
floridas e moças fileiras da juven- tro tanto, àqueles que seriam le- pela banda da Força Pública do
tude adventista, é que a Associa- vados a assistir à coroação do êxi- Estado, quando t ã o ilustres autori-
ção Paulista procura imprimir à s to, que os meses letivos haviam dades adentraram o salão.
Escolas Primárias, uma diretriz s á - trazido para o departamento edu- Ao Governador do Estado coube
bia e eficiente, no preparo des- cacional, com a demonstração do a abertura da sessão; e gratas fo-
sa argila preciosa para a confec- valor da escola paroquial adven- ram as suas palavras, ao dizer êle
ção de vasos escolhidos para o Se- tista. da apreciação que sente pelo po-
nhor. Pela primeira vez, ao que consta, vo adventista, nos princípios rígi-
dos que o caracterizam.
O louvor e a petição a Deus, pa-
capaz de mudar a idéia da pequena feito com oração, dos dois novos l i - ra estar presente, foram ouvidos
e o policial teve de deixá-la ao cuida- vros — The Adventist Home e Child na palavra de oração do pastor
do de uma vizinha bondosa, enquan- Guidance (ainda por traduzir), com- Moisés Nigri, Pastor Geral da
to foi buscar a mãe. pilados em grande parte de escritos União Sul-Brasileira.
ainda não publicados de Ellen G. E num desenrolar harmonioso,
Rodeados como estamos por más in- foi o programa levado a efeito, com
fluências e um inimigo que sabe que White. a participação de crianças e adul-
pouco tempo lhe resta, estamos nós "Nossos filhos se encontram, por as- tos.
ensinando a nossas meninas por que sim dizer, na encruzilhada. . . . O ser Setenta crianças, naquela memo-
não devem fumar ou beber? Sabeis sua vida uma bênção ou uma maldi- rável noite, receberam das mãos do
que, nas últimas décadas a bebida tem ço, depende da escolha que fizerem. Governador de São Paulo, seus cer-
aumentado mais rapidamente entre as tificados de conclusão do Curso P r i -
Transbordantes de energia, ansiosos de mário.
mulheres do que entre os homens? experimentar suas não provadas apti-
Sabem nossas filhas os perigos de se- Ao Sr. Dr. J â n i o Quadros, quis
dões, precisam encontrar uma válvula o Departamento de Educação da
rem colhidas desapercebidamente no para a superabundante vida que sen- Associação Paulista, oferecer um
hábito dos narcóticos, o qual está tão tem. Serão ativos para o bem ou para mimo, e a única jóia, que bem lhe
desafiadoramente erguendo a hedionda o mal. A Palavra de Deus não repri- coube, foi uma Bíblia, que, ao lhe
cabeça contra a mocidade? me a atividade, mas dá-lhes a devida ser dedicada, levou de todos os
Há também o preparo específico pa- direção." — Child Guidance, pág. 343.
presentes, o anseio de que ela lhe
ra o casamento, que constitui o pri- constituía de fato o "Livro-Guia".
vilégio de cada mãe dar a sua filha. Num misto de graciosidade e ca-
(N. da Red. — Sem intuito de fazer paz desempenho, as crianças se de-
Um médico de meia idade, não de propaganda comercial, podemos infor-
sincumbiram de suas partes.
nossa fé, mas interessado nos jovens, mar que a Casa Publicadora Brasilei-
ra editará este ano dois ótimos livros Sentíamo-nos felizes nessa festa,
observa que, se mais mães explicassem de esclarecimento para os jovens: justamente porque podíamos pre-
o aspecto físico do casamento a suas Adolescência Feliz (para os rapazes) senciar, nas exibições artificiosas
e Adolescência Feliz (para as moças).
filhas, colocando a parte sexual em Também a leitura do livro Matrimônio e irreais do valor de nossas esco-
seu devido lugar, poucos seriam os Feliz ajudará nossos jovens de ambos las, mas porque ela era a manifes-
lares desfeitos em resultado de más os sexos a se relacionarem de modo tação singela, singela sim, porém
devido para com os problemas senti- altamente cristã, do real cumpri-
informações e idéias preconcebidas. mentais.) mento que a igreja procura dar ao
Recomendo-vos o sincero manuseio, sublime dito: "Deixai vir a M i m
Maio, 1957 R E V I S T A A D V E N T I S T A 11
os meninos" — quando na escola
paroquial, os pequeninos seres, em
seu coração e cérebro são encami-
nhados ao grande Pedagogo, que,
na banca de carpinteiro de Seu
Pai, demonstrava a par da virtude
do trabalho a virtude t a m b é m san-
ta, que transbordante do temor de
Deus, fazia jorrar Sua sabedoria
aos doutores da lei, que da pródiga Os dirigen-
natureza tirava as mais sublimes tes do Con-
lições para humildes circunstan- gresso de
tes — o Mestre dos mestres — Cris- Jovens de
to Jesus. Araçatuba.
A Êle, a honra toda, o louvor su-
premo das Escolas Adventistas da
Associação Paulista, pelo que pu-
deram realizar, e o apelo fervente
para que nos guie ainda este ano,
a f i m de prepararmos na Terra, os
cidadãos para os Céus.
E ao voltar Jesus, seja nosso ga-
lardão, podermos ver em Sua coroa
de Rei e Pai, Senhor e Mestre, as
almas infantis da Associação Pau- tava lendo, e compreendendo os sua conversão pois j á h á cerca de
lista. ensinos do Livro divino. Ao ser i n - um ano que ela descansa no Se-
terrogado, respondia que estava nhor. Somente na m a n h ã feliz da
lendo e entendendo, apenas para ressurreição é que, com regozijo,
satisfazer sua m ã e ; no entanto, a t e r á o privilégio de saber que as
Um Presente de Mãe sua Bíblia permaneceu desprezada orações em favor deste seu filho,
e fechada sobre o guarda-roupa, foram atendidas por Deus.
Desprezado Durante oito durante oito anos. Este filho j á con-
ta 37 anos de idade; nunca havia
Anos lido uma página sequer do precio-
A R L I N D O E. EBINGER
so Livro, nem mesmo agora quan-
do possuía em seu próprio lar, por
0 Grande Congresso
V I V I A na litorânea cidade flumi-
oito anos, este maravilhoso tesouro.
Um dia, porém, uma crente ad-
Regional da Juventude
nense de Macaé, uma senhora
chamada Antônia Gomes Viana,
ventista convida ao Sr. Laurindo
para assistir a uma série de confe-
Adventista de Araçatuba
única adventista em seu lar. Esta rências que em breve teria início na
fiel m ã e cristã almejava encami- L. REINERT
cidade. Dias se passaram e lem-
nhar seus vários filhos à verdade; brou-se das conferências que j á de- O CONGRESSO dos M.V. de Ara-
convidava-os para assistirem à s veriam ter sido iniciadas; planejou çatuba foi o maior Congresso
reuniões da igreja e insistia com uma noite sair para assistir a uma Distrital da Associação Paulista em
eles também, para que ao menos delas, e pela primeira vez na sua v i - 1956. Foi o maior no n ú m e r o de c i -
ouvissem de seus lábios, os precio- da entrou numa igreja adventista. dades representadas, o maior na
sos ensinos da Palavra cie Deus, Não assistira aos dois primeiros te- assistência às reuniões, o maior no
nos momentos de meditação m a t i - mas da série, porém desta confe- número de jovens investidos nas
nal ou vespertina. Estas oportuni- rência em diante n ã o mais perdeu classes progressivas, o maior no
dades eram desprezadas pelos f i - nenhuma. Noite após noite era vis- número de decisões pelo batismo,
lhos indiferentes à religião. E m - to no salão, avidamente bebendo e, possivelmente, o maior na es-
bora alguns deles j á fossem che- as Palavras da vida, que eram pro- piritualidade das reuniões. O lema
fes de família, presenteia ela a ca- nunciadas pelo orador, o signatá- do congresso era: "Venha o Teu
da u m de seus filhos com um exem- rio deste artigo. Reino". O alvo: "Preparar-se e
plar da Sagrada Escritura. Trabalhar para o Reino".
Agora chegou a compreender o
Faz 8 anos que um deles, Laurin- valor daquele Livro, antes despre- O sermão de abertura foi feito
do, casado, exercendo profissão de zado. Por si mesmo, em casa, pela pelo pastor Tossaku Kanada, Prof.
responsabilidade como chefe da primeira vez abriu as páginas sa- de Bíblia do G.A.C., sexta-feira às
Guarda da E. F. Leopoldina, rece- gradas, maravilhando-se das men- 20 horas, subordinado ao tema:
beu de presente uma Bíblia, no seu sagens nelas contidas; aceita ale- "Às portas do Reino". Após a es-
dia natalício, presente este que lhe gremente a verdade; após t r ê s me- cola sabatina, o pastor Hélio Pe-
foi doado por sua atenciosa mãe. ses e meio decide segui-la e em reira, diretor do Departamento de
Daí por diante esta se interessava breve será batizado. Educação e Jovens da Associação
em saber se Laurindo realmente es- Sua m ã e não chegou a saber de Paulista, desenvolveu o grande te-
ma: "A Beleza e a Glória do Rei-
no".
Sábado à tarde começou o Con-
gresso propriamente. No início da
primeira reunião estavam presentes
175 congressistas de Araçatuba, 3
de Coroados, 1 de Guararapes, 19
de Valparaíso, 3 de Jacarècatinga,
Grupo dos 7 de Lavínia, 2 de Mirandópolis, 2
investidos
no Congres- de Andradina, 11 de Lins, 4 de Ava-
so de Jovens nhandava, 6 de Vila Sabino, 4 de
de Araçatu- Marília, 1 de Guaraçaí, 11 de
ba. Santópolis, 2 de S. José do
Rio Preto, 1 de Irapuã, 1 de Lucé-
lia, 1 de Pereira Barreto, 10 de
Piacatú, 5 de Água Limpa e 5 de
Campinas. Depois ainda chegaram
outros. O assunto dessa reunião
foi: "Uma Visão Antecipada do
(Continua na pág. 24)
Terceiro Mandamento

5 De que acusa a Bíblia a Esaú?


Resposta: "Nem haja algum impu-
ro ou profano, como foi Esaú" (Heb.
12:16). O terceiro mandamento re-
quer de nós que façamos distinção
entre o santo e o profano, ou comum.
Esaú foi chamado profano porque não
fêz isto quando vendeu seu direito
de primogenitura, que tinha que ver
com sua relação para com Deus. Is-
to eqüivalia a uma blasfêmia.

Quarto Mandamento

6. Conhecia Adão e toda a famí-


lia humana o quarto mandamento an-
tes de a lei ter sido escrita por Deus
e dada a Moisés?
Resposta: "Assim os céus e a Terra
e todo o seu exército foram acabados. O Governador cumprimenta a aluna Francis S. Neto, que obteve a maior
E havendo Deus acabado no dia sé- média de promoção entre os 70 diplomandos. Ver artigo na pág. 11.
timo a Sua obra, que tinha feito, des-
cansou no sétimo dia de toda a Sua o sétimo dia é o sábado; nele não 11. Como classificou Deus o ato
obra, que tinha feito. E abençoou haverá. E aconteceu ao sétimo dia, de Caim?
Deus o dia sétimo, e o santificou; que alguns do povo saíram para co- Resposta: "E o Senhor disse a
porque nele descansou de toda a Sua lher, mas não o acharam. Então disse Caim: Por que te iraste? e por que
obra, que Deus criara e fizera" (Gên. o Senhor a Moisés: Até quando re- descaiu o teu semblante? Se bem
2:1-3). Uma vez que o sábado é um cusareis guardar os Meus mandamen- fizeres, não haverá aceitação para ti?
monumento da criação, deve ter sido tos e as Minhas leis?" (Êxo. 16:25- E se não fizeres bem, o pecado jaz à
celebrado no Jardim do Éden, e daí 28). porta" ( G ê n . 4:6 e 7).
para o futuro. Portanto, todos o co-
nheciam. Quinto M a n d a m e n t o
Sétimo M a n d a m e n t o

7. Foi o sábado feito unicamente 9. Que disse Noé acerca de seu 12. Era o mandamento que proíbe
para o povo judeu, excluindo assim filho Cão, que fora desrespeitoso para o adultério conhecido nos dias de Jo-
todos os outros povos? com êle? sé?
Resposta: "E disse-lhes: O sábado Resposta: "E despertou Noé de seu Resposta: "E aconteceu depois des-
foi feito por causa do homem e não vinho, e soube o que seu filho me- tas coisas que a mulher de seu se-
o homem por causa do sábado" (S. nor lhe fizera. E disse: "Maldito nhor pôs os seus olhos em José, e dis-
Mar. 2:27). seja Canaã; servo dos servos seja aos se: Deita-te comigo. Porém êle re-
seus irmãos" (Gên. 9:24 e 25). cusou e disse à mulher de seu senhor:
8. Que incidente registado em Êxo- . . . T u és sua mulher; como pois
do 16 prova que o sábado era conhe- Sexto Mandamento faria eu este tamanho mal, e pecaria
cido e observado antes de a Lei ser contra Deus?" ( G ê n . 39:7-9). É pre-
escrita no Sinai? 10. Que fêz Caim a seu irmão ciso haver uma norma por que afe-
Resposta: "Então disse Moisés: "Co- Abel? rir um ato antes de êle poder ser
mei-o hoje, porquanto hoje é o sá- Resposta: " . . . se levantou Caim classificado como bom ou mau. Por-
bado do Senhor; hoje não o achareis contra seu irmão Abel, e o matou" tanto, o sétimo mandamento estava
no campo. Seis dias o colhereis, mas (Gên. 4:8). em vigor nos dias de José.
Oitavo Mandamento
O Governador Dr. Jânio Quadros, no momento em que pronunciava seu
discurso. (Ver o artigo na página 11.)
13. Pecou Jacó ao apoderar-se, por
fraude, dos direitos espirituais e tem-
porais de seu irmão?
Resposta: "E êle disse: Veio o teu
irmão com subtileza, e tomou a tua
bênção. Então disse êle: Não foi o
seu nome justamente chamado Jacó,
por isso que já duas vezes me enga-
nou [ou suplantou]? A minha pri-
mogenitura me tomou, e eis que agora
me tomou a minha bênção" ( G ê n .
27:35 e 36). Se bem que Jacó se
arrependesse, sofreu a pena de sua
transgressão do oitavo mandamento.
Nono M a n d a m e n t o
14. Enganando Jacó a seu pai cego
e idoso, e usando de falsidade para
com êle, merece isto ser classificado de
pecado?
Resposta: "E Jacó disse a seu pai:
Eu sou Esaú, teu primogênito". "E
disse: És tu meu filho Esaú mesmo?
Excia. o direito de qualquer adepto
de minorias religiosas a não ser
coagido a comparecer a cerimônias

Departamento de Deveres Cívicos religiosas de outros credos?

RESPOSTA — Não concebo se-


quer a idéia de que minorias reli-
giosas se vejam constrangidas a
[Secretário Geral — D. Peixoto da Silva) comparecer a cerimônias de outros
credos.

PERGUNTA 5 —Zelará V. Excia.


pelo direito evangélico de participa-
ção, por eqüidade, em cerimônias
cívicas de caráter público progra-
madas pelo Govêrno, para as quais
Jânio Quadros Responde a Questio- outras confissões religiosas forem
convidadas a participar?
nários dos Evangélicos
RESPOSTA — Entendo que as ce-
rimônias cívicas de caráter públi-
Confederação Evangélica do Brasil. — co, programadas pelo Govêrno, só
PERGUNTA 1 —Uma vez eleito,
Departamento de Relações Públicas garantirá V. Excia. no espírito e na se beneficiam e se abrilhantam
e Divulgações. com o comparecimento de repre-
letra, a liberdade de culto e de
COMO nas eleições de 1955, tam- consciência como se encontra ex- sentantes de quaisquer confissões
bém neste ano, a Confederação pressa na Constituição Brasileira? religiosas.
Evangélica do Brasil submeteu aos RESPOSTA — Garantirei a liber-
candidatos à Presidência da Repú- dade de culto e de consciência tal PERGUNTA 6 — Exercerá V.
blica, um questionário sôbre pon- como determina a Constituição Excia., à luz do princípio bíblico
tos de interêsse do evangelismo Brasileira. da fraternidade de todos os homens
pátrio, sobretudo no que se refere em Deus o Criador, justiça social
à sua relação com o Estado, e PERGUNTA 2 — E m vista do dis-
positivo constitucional que estabe- que assegure os direitos das clas-
suas preocupações sôbre alguns ses desprivilegiadas e que crie
lece separação entre Igreja e Esta-
importantes problemas nacionais.
do, que pensa V. Excia. da subven- condições de vida mais humanas
Muito embora o questionário tives-
ção pelo Estado brasileiro a em- aos nossos irmãos brasileiros, no
se sido remetido aos senhores can- preendimentos de caráter especifi-
didatos com razoável antecedência, que diz respeito, especificamente,
camente religioso e para finalida- à necessidade premente de sábia
apenas conseguimos reunir suas des de culto de determinada con-
respostas nas vésperas do pleito fissão religiosa? legislação agrária, salários de va-
— mais precisamente, no dia 29 de lor aquisitivo mais alto, previdên-
setembro. Ainda assim foi possível RESPOSTA — Não sou, em tese, cia social efetiva, proteção ao me-
distribuí-las pela imprensa do Rio contrário a que o Estado subven- nor que trabalha, educação gratuita
de Janeiro e São Paulo, antes das cione os cultos religiosos, desde e democrática para todos?
eleições, para orientação dos evan- que não distinga entre êstes favo-
gélicos e esclarecimento da opinião recendo a uns em detrimento dos
RESPOSTA — (Vide resposta à
pública. Pelo menos dois jornais demais. Nem creio que o dispositi-
vo constitucional, que estabelece a pergunta 7)
do Rio, "O Globo", na edição de
1°. de outubro, e o "Correio da separação entre a Igreja e o E s - PERGUNTA 7 —Velará V. Excia.
Manhã", na de 2 de outubro, publi- tado, proíba normas administrati- pelo erário público, em verdadei-
caram na íntegra as perguntas do vas como a que atrás expressei.
ro espirito de mordomia, para que
questionário e as respectivas res- PERGUNTA 3 —No caso de co- os bens comuns com que Deus
postas dos três candidatos. laboração recíproca, entre Gover- tem abençoado a pátria brasilei-
Passadas as eleições, e definida nos e credos religiosos, no interês-
a escola do eleitorado, as respostas ra, não sejam dilapidados por
se coletivo, de acôrdo com o Art.
do então candidato Dr. Jânio Qua- qualquer meio, mas sejam utiliza-
31 da Constituição, tais como ca-
dros, hoje eleito presidente, pas- pelanias religiosas, assistência a dos com sobriedade, justiça e pa-
saram a ter importância especial. menores e a tribos indígenas, ensi- triotismo em favor do bem-estar
Desejamos divulgá-las o mais no primário, secundário, normal, público e do progresso da nação
amplamente possível, particular- profissional ou superior, ou obras como um todo?
mente pela imprensa evangélica, de assistência social de qualquer
não porque pensemos serem elas natureza, adotará o govêrno de V. RESPOSTA — Respondo afirma-
um compromisso do candidato Excia. providências para que não tivamente às questões de nos. 6 e
eleito para conosco, nem porque as haja exclusividades ou privilégios 7 do questionário que V. Excia.
julguemos tôdas lisonjeiras para para qualquer dêsses credos?
os evangélicos, mas sim porque me remeteu. Elas contêm o pró-
elas nos ajudarão a entender a RESPOSTA — Sou rigorosamente prio sentido, o objetivo direto da
posição do presidente do Brasil contrário à exclusividade ou a pri- luta política que travo. Espero que
em face das questões que nos vilégios de credo religioso no exer- Deus Todo-poderoso, se eu atingir
preocupam como cristãos e como cício das capelanias, assistência a a Presidência da República, me ilu-
cidadãos da pátria. menores, tribos indígenas, ensino mine e me inspire no estabeleci-
primário, secundário, normal, pro-
Damos, pois, a seguir as pergun- mento entre nós da verdadeira jus-
fissional ou superior e obras de
tas por nós formuladas e as res- assistência social. O Estado não tiça social e no zêlo pelo erário
postas a elas dadas pelo Dr. Jânio pode admitir monopólios nem ma- público, patrimônio da nossa co-
Quadros, conforme original auten- nifestar preferências neste campo. munidade.
ticado e datado a 15 de setembro,
e à disposição dos interessados. PERGUNTA 4 — Assegurará V. Rio, 12 de outubro de 1960
que diz respeito aos ideais c r i s -
tãos que nos a n i m a m ; c i t a n d o
Paulo, disse d a necessidade de

VVAS<k(SOUNA
verdadeiros dispenseiros, que, a
exemplo dos a d v e n t i s t a s do sé-
t i m o d i a , sejam dignos p e r a n t e
Deus e p e r a n t e os homens. E m
h o m e n a g e m ao v i s i t a n t e , o Co-
r a l " C a r l o s G o m e s " apresentou
a l g u n s números de seu r e p e r -

IAE1VSE
tório, ao f i m do almoço, e n t r e -
t a n t o , confessando-se enterne-
cido c o m as suaves melodias,
aquele h o m e m público i n s t o u
no s e n t i d o de que os coristas
cantassem mais, declarando,
afinal: " F o i u m a das coisas
m a i s l i n d a s que o u v i ! " A saí-
da, e m n o m e dos alunos, f o i e n -
HÉLIO ÍTALO SEHAFINO tregue ao D r . Jânio u m e x e m -
Secretário de Relações Públicas do IAE plar do l i v r o "Reconquista",
edição d a nossa Casa P u b l i c a -
dora. Com grande dificuldade
o pequeno V o l k s w a g e n do v i s i -
t a n t e conseguiu a b r i r passagem
Aceitando convite formulado de ser, cheios de e n t u s i a s m o e e n t r e os alunos do educandário,
pelo j o r n a l i s t a C a r l o s Trezza, disposição, os teologandos es- d i r i g i n d o - s e à Fábrica de P r o -
r e d a t o r d a Casa Publicadora calaram o "Pico I t a t i a i a " , v i - d u t o s " S u p e r b o m " , onde encer-
B r a s i l e i r a , esteve e m v i s i t a ao s i t a r a m o parque e museu n a - r o u sua v i s i t a .
I A E o destacado escritor e m e s - c i o n a l , o "Véu d a N o i v a " e as
t r e b r a s i l e i r o , Júlio César de M e - saunas v i z i n h a s . Estourou no primeiro dia, o a l -
l o e Souza, m a i s c o n h e c i d o nos A Escola S a b a t i n a d a I g r e j a do vo da R e c o l t a e s t i p u l a d o p a r a
m e i o s literários c o m o pseudô- I A E a p r e s e n t a p a r a alunos e o IAE; nossos jovens, t r a b a -
n i m o de M a l b a T a h a n . P e r c o r - l h a n d o a t i v a m e n t e d u r a n t e dois
professores, uma interessante
r e n d o as instalações do nosso dias, n a C a p i t a l de São Paulo,
educandário, o i l u s t r e v i s i t a n t e inovação. R e f e r i m o - n o s a duas
classes especiais, e m línguas es- desincumbiram-se com grande
travou contato com diversos êxito de sua missão, u l t r a p a s -
professores, t e n d o o p o r t u n i d a - t r a n g e i r a s : Inglês e E s p a n h o l .
sando a e x p e c t a t i v a d a Asso-
de p a r a assistir p a r t e das a u - M u i t o concorridas e bem o r i e n - ciação P a u l i s t a . Felizes pela
las de Religião e B i o l o g i a , oca- tadas, t a i s classes c o n s t i t u e m participação d e c i d i d a que t i v e -
sião e m que teceu comentários u m v e r d a d e i r o estímulo p a r a o r a m e m tão nobre t r a b a l h o , os
a respeito da metodologia ado- estudo d a lição, u m a h o r a de "iaenses" v o l t a r a m aos labores
t a d a pelos mesmos. Precedendo saudade p a r a os m e m b r o s de escolares, satisfeitos e v i t o r i o -
o almoço especial a êle o f e r e - língua e s t r a n g e i r a , assim como sos, e s t i m u l a d o s c o m a sensa-
cido o v i s i t a n t e p r o f e r i u , n o s a - n o v a f o n t e ao a p r i m o r a m e n t o ção do dever c u m p r i d o .
lão-nobre d a instituição, u m a c u l t u r a l dos m e m b r o s . Os i r - F o i das m a i s e s p i r i t u a i s a Se-
interessantíssima p a l e s t r a , a r r e - mãos R u t h N e l s o n e H a r o l d o m a n a de Oração do p r i m e i r o se-
batando completamente a aten- A l u m i a , d i r i g e m as classes e m mestre. Nossa j u v e n t u d e v i b r o u
ção do auditório c o m suas m a - Inglês e E s p a n h o l , r e s p e c t i v a - e m m o m e n t o s de g r a n d e ele-
r a v i l h o s a s histórias. Após o a l - vação r e l i g i o s a v i v i d o s através
mente.
moço, d i r i g i n d o - s e aos p r o f e s - das p a l a v r a s dos pregadores, e n -
sores d a casa, o professor M e - A c o m p a n h a d o de u m a c o m i t i - tregando-se às orações com r e -
l o e Souza d i s c o r r e u l o n g a m e n - v a de amigos, v i s i t o u o I A E , o n o v a d a dedicação. Este ano es-
te sobre p r o b l e m a s da didáti- ex-Presidente da República, t i v e r a m conosco três dedicados
ca escolar, a b o r d a n d o o a s s u n - d o u t o r Jânio da S i l v a Q u a d r o s . obreiros, e n t r e os quais f o r a m
t o c o m a segurança d o g r a n d e Veio p a r a almoçar n a i n s t i t u i - d i v i d i d a s as práticas da S e m a -
pedagogo que é. O u t r o s c o m - ção e d e m o r o u - s e conosco p o r n a de Oração. A s s i m sendo, t i -
promissos n a C a p i t a l P a u l i s t a a l g u m a s horas, d e m o n s t r a n d o vemos o p a s t o r Alcides C a m p o -
i m p e d i r a m que o a u t o r de " O especial interesse pela v i d a do longo, d e p a r t a m e n t a l da Asso-
H o m e m que C a l c u l a v a " a t e n - nosso estabelecimento de e n s i - ciação P a u l i s t a , n a direção dos
desse aos i n s i s t e n t e s pedidos de no, nossos métodos e princípios. cultos realizados nos períodos
a l u n o s e professores, p a r a m a i s Desde o m o m e n t o e m que p i - da manhã e da n o i t e ; ao p a s t o r
u m a p a l e s t r a n o período da t a r - sou o chão d a " c o l i n a " , esteve H e n r y Feyerabend departamen-
de. M a l b a T a h a n m o s t r o u - s e sempre cercado p o r u m a v e r d a - t a l d a Associação C a t a r i n e n s e ,
vivamente impressionado com d e i r a multidão de pessoas, c u - f o i e n t r e g u e a responsabilidade
nossa escola, p r o m e t e n d o v o l t a r riosas e m conhecê-lo e solíci- das capelas d a t a r d e , e n q u a n t o
breve. tas n a cata de u m autógrafo. que, à irmã Neide C a m p o l o n g o
D u r a n t e o almoço o i l u s t r e p o - foi confiada a parte correspon-
O C e n t r o Acadêmico da F a c u l - lítico b r a s i l e i r o p a l e s t r o u l o n - d e n t e às crianças da Escola P r i -
dade A d v e n t i s t a de Teologia g a m e n t e c o m os d i r e t o r e s d a mária de Aplicação. M u i t o s j o -
efetuou em " S a t u l i n a " , Agulhas casa, d e m o n s t r a n d o possuir u m vens d a nossa escola, ao cabo
Negras, u m abençoado r e t i r o es- grande conhecimento da filoso- da S e m a n a de Oração e n t r e g a -
p i r i t u a l que d u r o u q u a t r o dias. fia e da obra adventista, refe- r a m seus corações à Jesus, d i s -
O i t e n t a acadêmicos d e s l o c a r a m - r i n d o - s e a fatos s i g n i f i c a t i v o s postos a a b a n d o n a r seus peca-
se de São P a u l o p a r a a "Casa d a atuação d a nossa I g r e j a e m dos, oferecendo a v i d a ao ser-
de P e d r a " , a l g u n s a c o m p a n h a - p r o l do b e m - e s t a r social e eco- viço do M e s t r e D i v i n o . Q u a n d o
dos das respectivas esposas, p a - nômico d o povo b r a s i l e i r o . S a u - as p o r t a s d a Capela se f e c h a -
r a u m período de benéfica t r a n - dado pelo p a s t o r Jerônimo G r a - r a m , após o c u l t o de segunda
qüilidade e c a l m a , a t e n d e n d o n e r o G a r c i a , que u m a vez m a i s h o r a de sábado, podia-se p e r -
p r i n c i p a l m e n t e ao estudo e c o n - e v i d e n c i o u a l i n h a de c o n d u t a ceber n a f i s i o n o m i a dos nossos
sideração do t e m a " J u s t i f i c a - da I g r e j a A d v e n t i s t a do Sétimo alunos e professores, a v i v a i m -
ção p e l a F é " . C h e f i a n d o a c a - D i a e especialmente do I n s t i t u - pressão causada pelas bênçãos
r a v a n a , v i a j o u c o m os j o v e n s t o A d v e n t i s t a de E n s i n o e m f a - da S e m a n a de Oração, e n q u a n -
universitários o p a s t o r S i e g f r i e d ce dos deveres p a r a c o m D e u s t o suas mentes p e r m a n e c i a m
Kümpel. C o n v i d a d o pela d i r e - e p a r a c o m a nossa q u e r i d a P á - povoadas pelas p a l a v r a s que ser-
t o r i a do C A F A T , a c o m p a n h o u t r i a , o d o u t o r Jânio Q u a d r o s v i r a m como t e m a p r i n c i p a l das
a delegação o casal W a l t e r N e l - respondeu com breve i m p r o v i s o , reuniões: " M u i t a oração, m u i -
son, professores desta i n s t i t u i - enaltecendo o estilo de v i d a t o poder; pouca oração, p o u -
ção. C o m o não p o d i a d e i x a r do nosso povo, n o t a d a m e n t e n o