Você está na página 1de 404
LiBERALISMO eorToRa IDEIAS& [LETRAS Dae NCR yon A Lo CS Reg ect iee Mri e Renu muytollir e uma investigacao histérica e filoséfica inédita Ciedr ye eae bei Oke CO ot) PU Wer Muem tear lionmeonreueC lel Cree See OSE CTH COSTCO semua Rian mA aOR oem ty PoP ee os ne Ue Como 0 proprio autor explicita, “é s6 para chamar a atengao sobre aspectos até agora ampla e injustamente ocultados que o autor Came ILM re TO t er Mam gC) PSOE Po UD Mem CS oere OR aE eee ON a aOR OTe nar tee 2 FUER Doel tOme ome cen Ceuta Piecua ee Mor Mun een acctrZ ele Tal como para qualquer outro grande DTU Om NS OLY eC ET Peo ar ORME Moma ec REE SS PN aura em OP CBC Pate Ute Cer TOR: RET TU) OPM CeO RPT e meee te lary que se instaura entre essas duas dimensdes Cee CONTRA-HISTORIA DO LIBERALISMO DOMENICO LOSURDO CONTRA-HISTORIA DO LIBERALISMO Tradugao de Giovanni Semeraro IDEIAS & LETRAS Duron Eoronas: Tuauclo: Carlos da Silva Giovanni Semeraro Marcelo C. Aragjo Rowse: ‘Ana Lica de Casto Leite Enron: Avelino Grassi Duarwucto: Roberto Girola ‘Alex Luis Siqueica Santos Coon: a Alfredo Castillo Elizabeth dos Santos Rels Titulo original: Consroseria det liberalismo © 2005, Gius. Larerza and Figli S.p.a., Roma-Bari Edigdo brasileira publicada por prévio acordo com Eulama Literary Agency, Roma ISBN 88-420-7717-8 Todos os direitos em lingua portuguesa, para o Brasil, reservados & Editora Idéias & Letras, 2006 Cans Editora Iddias & Letras Rua Pe. Claro Monteiro, 342 ~ Centro 1270-000 Aparecida-SP Tel, (12) 3104-2000 - Fax (12) 3104-2036. Televendas: 0800 16 00 04 vendes@ideiaseletras.com.br hnttp//wwwideiaseletras.com.br Dados Intemactonals de Catalogecko na Publicaclo (CiP) (Camara Brasileira do Livro, SP, Brasi) r ‘tradugo 1para a lingua portuguesa Giovanni Sermeraro. ~ Aparecida, SP: idéies & Letras, 2008. Tio Controstoria del lberalismo ISBN 85-96299-75.5, 1. Calhoun, John C., 1782-1850 2. Liberalismo - Hiatéria 3. Pesquisa hisiérica 4, Sociedade I. Titulo. 06-5703 c00-320.5109 Indiows para catdiogo sletemético: 1. Uberlsme: Hiri: Cmca palica 320.5109 A Jean-Michel Goux, com amizade ¢ gratidio. Sumario Uma breve premissa metodolégica - 11 I. O que é 0 liberalismo? - 13 1. Um conjunto de perguntas constrangedoras, p. 13 - 2. A revolugio americana e a revelagao de uma verdade constrangedora, p. 19 ~ 3. O papel da escravidao entre os dois lados do Atlantico, p. 24-4. Holanda, Inglaterra, América, p. 27 5. Irlandeses, indios ¢ habitantes de Java, p. 29 - 6. Grotius, Locke ¢ os Pais Fundadores: uma leitura comparada, p. 33 — 7. Historicismo vulgar ¢ a remogio do paradoxo do liberalismo, p. 39 — 8. Expansio colonial ¢ renascimento da escravidio: as posisdes de Bodin, Grotius ¢ Locke, p. 42 II. Liberalismo ¢ escravidao racial: um singular parto gémeo ~ 47 1, Limitagao do poder ¢ emergir de um poder absoluto sem precedentes, p. 47 - 2. Autogoverno da sociedade civil ¢ triunfo da grande propriedade, p. 49 - 3. O escravo negro ¢ 0 servo branco: de Grotius a Locke, p. 52 - 4. Pathos da liberdadc ¢ mal-estar pelo instituto da escravidio: 0 caso Montes- quieu, p. 56 — 5. O caso Somerset ¢ 0 dilenear-se da identidade liberal, p. 59 = 6. “Nao queremos ser tratados como negros”: a rebelido dos colonos, p. 61 - 7. Escravidao racial c ulterior degradacao da condicao do negro “livre”, p. 62 - 8. Delimitagao espacial ¢ delimitagao racial da comunidade dos livres, p. 64-9. A guerra de Secessio ¢ a retomada da polémica desenvolvida com a revolugao americana, p. 68 - 10. “Sistema politico liberal”, “modo liberal de sentir” ¢ instituto da escravidao, p. 71 - 11. Da afirmacao do principio da “inutilidade da escravidio entre nés” & condenagio da escravidio enquanto tal, p. 73 IIL. Os servos brancos entre metrépole ¢ colénias: a sociedade pro- to-liberal - 79 1, Franklin, Smith € os “residuos de escravidao” na metrépole, p. 79 ~ 2. Desempregados, mendigos ¢ casas de trabalho, p. 81 - 3. Liberais, va- gabundos ¢ casas de trabalho, p. 83 - 4. O servo como soldado, p. 86 ~ 5. Cédigo penal, formagao de uma forca de trabalho coercitiva ¢ processo de 8 CONTRA-HISTORIA DO LIBERALISMO __ colonizagio, p. 89 - 6. Os servos a contrato, p. 92 - 7. O “grande rapto he- rodiano das criangas” pobres, p. 95 - 8. Centenas ou milhares de miserdveis “quotidianamente enforcados por alguma inépcia, p. 97 - 9. Um Inteiro de caracteristicas singulares, p. 101 - 10. Trabalho assalariado ¢ categorias da escravidio, p. 102 IV. Eram liberais a Inglaterra ¢ os Estados Unidos nos séculos XVIII ¢ XIX? - 107 1. O liberalismo nao localizavel da América de Tocqueville, p. 107 - 2. Dominio absoluto ¢ obrigacdes comunitérias dos proprictarios de escravos, p. 109 - 3. Trés legislagdes, trés castas, uma “democracia para © povo dos senhores”, p. 115 - 4. Os livres, os servos € 0s escravos, p. 120 - 5. A Inglaterra ¢ as trés “castas”, p. 123 - 6. A reprodusao da casta servil ¢ 0 inicio da eugenética, p. 126 - 7. O liberalsimo nao loca- lizavel do Reino Unido na Gra Bretanha c Irlanda, p. 128 - 8. Libera- lismo, “individualismo proprietario”, “sociedade aristocrdtica”, p. 133 9. A “democracia para 0 povo dos senhores” entre Estados Unidos e Inglaterra, p. 135 V. A revolugio na Fran¢a ¢ em Santo Domingo, a crise dos mode- los inglés ¢ americano e¢ a formagao do radicalismo nos dois lados do Atlantico - 139 1, O primeiro inicio liberal da revolugao francesa, p. 139 - 2. Parlamen- tos, Dictas, aristocracia liberal ¢ servidao da gleba, p. 143 - 3. A revolucio americana ¢ a crise do modelo inglés, p. 145 - 4. A transfigurag3o em chave universalista da democracia americana para o povo dos senhores, p. 149 — 5. Qs colonos de S. Domingo, o modelo americano e o segundo io liberal da revolugao francesa, p. 150 - 6. Crise dos modelos inglés ¢ americano ¢ formagio do radicalismo francés, p. 155 - 7. O inicio liberal da revoluco na América Latina ¢ seu éxito radical, p. 159 - 8. Estados Unidos ¢ Santo Domingo-Haiti: dois pélos antagonistas, p. 163 - 9. Liberalismo e critica do radicalismo abolicionista, p. 166 - 10. A eficécia de longa duragio da revo- lugao negra de baixo, p. 170 - 11. O papel do fundamentalismo cristio, p. 172-12. O que € 0 radicalismo? O contraste com o liberalismo, p. 177 - 13. Liberalismo, autocelebragio da comunidade dos livres ¢ remogao da sorte infligida aos povos coloniais, p. 182 - 14. A questao colonial e o diferente desenvolvimento do radicalismo na Franga, Inglaterra e Estados Unidos, p. 187 — 15. O refluxo liberal do radicalismo cristao, p. 191 - 16. Liberal-socia- lismo ¢ radicalismo, p. 192 ___Introdugio __ 9 VI. A luta pelo reconhecimento dos intrumentos de trabalho na metrépole ¢ as reagdes da comunidade dos livres — 195 1. Os excluidos ¢ a luta pelo reconhecimento, p. 195 - 2. O instrumen- to de trabalho torna-se cidadao passivo, p. 198 - 3. Invengio da cidadania passiva ¢ da liberdade negativa ¢ restrigio da esfera politica, p. 201 - 4. “Leis civis” ¢ “leis politicas”, p. 205 — 5. Despolitizacao ¢ naturalizagio das relagdes econémicas ¢ sociais, p. 207 - 6. Liberalismo ¢ radicalismo: duas diferentes fenomenologias do poder, p. 209 - 7. A nova auto-representacio da comunidade dos livres como comunidade dos individuos, p. 212 - 8. Direitos econémicos ¢ sociais, “formigueiro” socialista ¢ “individualismo” liberal, p. 216 ~ 9. As criticas ao liberalismo como reacio anti-moderna?, p. 220 - 10. “Individualismo” ¢ repressio das coalizdes operérias, p. 224 - 11. Reivindicagao dos direitos econdmicos ¢ sociais e passagem do liberalismo paternalista ao liberalismo social darwinista, p. 227 VIL. O Ocidente ¢ os barbaros: uma democracia para 0 povo dos senhores de dimensées planetarias - 233 1. Autogoverno das comunidades brancas ¢ agravamento das condig6es dos povos coloniais, p. 233 - 2. Abolicao da escravidio ¢ desenvolvimento do trabalho servil, p. 236 - 3. Expansio da Europa nas colénias ¢ difuso na Europa da “democracia para o povo dos senhores”, p. 239 - 4. Tocqueville, a supremacia ocidental ¢ 0 perigo da “miscegenation”, p. 241 - 5. O “bergo vazio” ¢ 0 “destino” dos indios, p. 243 - 6. Tocqueville, a Argélia e a “de- mocracia para 0 povo dos senhores, p. 247 VIII. Autoconsciéncia, falsa consciéncia, conflitos da comunidade dos livres - 255 1. De volta & pergunta: 0 que € 0 liberalismo? Os bem-nascidos, os livres, os liberais, p. 255 - 2. A piramide dos povos, p. 260 - 3. A comu- nidade dos livres ¢ sua ditadura sobre os povos indignos da liberdade, p. 262 - 4. Como enfrentar rapidamente a ameaga dos barbaros da metrépo- lc, p. 265 - 5. A tradi¢io liberal ¢ as suas trés teorias da ditadura, p. 269 - 6. As doengas da comunidade dos livres: psicopatologia do radicalismo francés, p. 271 - 7. A leitura do interminavel ciclo revolucionério francés: da “doenga” a “rasa”, p. 274 — 8. A “doenga” como sintoma de degene- racio racial, p. 279 - 9. Gobineau, o liberalismo ¢ os mitos genealégicos da comunidade dos livres, p. 282 - 10. Disraeli, Gobincau e a “raga” como “chave da histéria”, p. 283 - 11. Remogao do conflito, busca do agente pa- togtnico ¢ teoria do compld, p. 287 - 12. O conflito dos dois liberalismos 10 CONTRA-HISTORIA DO LIBERALISMO _ € as acusacées reciprocas de traicdo, p. 292 - 13. A comunidade dos livres como comunidade da paz? Operagdes de policia ¢ guerras coloniais, p. 299 — 14. A autoconsciéncia orgulhosa da comunidade dos livres € o emergir do “patriotismo irritével”, p. 302 - 15. O “patriotismo irritavel” de Tocque- ville, p. 305 ~ 16. O conflito das idéias de misséo da revolugo americana primeira guerra mundial, p. 308 IX. Espago sagrado e espaso profano na histéria do liberalismo — 31 1. Historiografia ¢ hagiografia, p. 311 - 2. A revolusio liberal como entrelacamento de emancipacio ¢ de des-emancipacio, p. 315 - 3. A pers- pectiva da longa duragio ¢ da histéria comparada, p. 319 - 4. Realizacao do governo da lei no ambito do espago sagrado ¢ aprofundamento do abismo em relagio 20 espago profano, p. 323 — 5. Delimitagio do espaco sagrado teorizacio de uma ditadura planetéria, p. 325 - 6. O triunfo do expansioni- smo colonial: o liberalismo como idcologia da guerra, p. 329 - 7. Oscilagécs ¢ limites do modelo marxiano, p. 333 X. Liberalismo ¢ catastrofe do século XX - 339 1, Luta pelo reconhecimento ¢ golpes de Estado: 0 conflito na metrépo- le, p. 339 - 2. Luta pelo reconhecimento dos povos coloniais ¢ ameacas de secessio, p. 344 — 3. DesumanizagZo dos povos coloniais ¢ “canibalismo social”, p. 345 — 4. A “solucao final e completa” da questo india e negra, p. 350-5. Do século XIX ao século XX, p. 352 - 6. Depois da catdstrofe ¢ além da hagiografia: a heranca permanente do liberalismo, p. 357 Referéncias bibliograficas e siglas - 363 Indice de nomes - 391 Uma breve premissa metodoldégica Em que consiste a diferenga deste livro das histérias do liberalismo jé publicadas ¢ das que continuam a sair em niimero crescente? Consegue pro- duzir realmente a novidade que promete no titulo? No final de seu percurso, © leitor vai dar sua resposta. Por enquanto, o autor apenas pode limitar-se a uma declaracao de intengdes, para cuja formulagio encontra ajuda em um grande exemplo. Aprestando-se a escrever a histéria da queda do Antigo Re- gime na Franga, a propésito dos estudos sobre o século XVIII, Tocqueville observa: “Acreditamos conhecer muito bem a sociedade francesa daquele tempo porque percebemos claramente o que brilhava em sua superficie, porque possuimos até nos detalhes a histéria de seus personagens mais célebres ¢ porque criticos geniais ¢ clogiientes nos familiarizaram com as obras dos grandes escritores que a ilustraram. ‘Mas, em relago 4 conducao dos negécios, a verdadeira pritica das instituigdes, 20 posicionamento exato das virias classes em conflito, condigao aos sentimentos daqueles que ainda nao conseguiam ter voz nem visibilidade, em relagdo ao proprio fundo das opinides ¢ dos costumes, temos apenas idéias confusas ¢ muitas vezes repletas de erros”.! Nao ha porque deixar de aplicar a metodologia tao brilhantemente escla- recida por Tocqueville ao movimento ¢ a sociedade da qual € parte integrante ¢ intérprete reconhecido. £ s6 para chamar a atengio sobre aspectos até ago- ra ampla € injustamente ocultados, que o autor deste livro fala de “contra- histéria” no titulo. Pelo resto, trata-se de uma histéria, da qual é necessario Tocqueville (1951-), vol. Il, t. 1, p. 69-70 (O Antigo regime ¢ a revolugdo, de agora em diante AR, Preficio). 12 CONTRA-HISTORIA DO LIBERALISMO apenas focalizar 0 objeto: no o pensamento liberal em sua abstrata pureza, mas 0 liberalismo, quer dizer, o movimento ¢ as sociedades liberais em sua concretizacao. Tal como para qualquer outro grande movimento histérico, trata-se de indagar certamente as elaboracdes conceituais, mas também e acima de tudo as rela¢des politicas ¢ sociais nas quais ele se manifesta, assim como a ligacao mais ou menos contraditéria que se instaura entre essas duas dimensdes da realidade social. Portanto, ao dar inicio & pesquisa, somos levados a nos colocar uma pergunta preliminar sobre 0 objeto cuja hist6ria temos a intengdo de recons- truir: o que é 0 liberalismo? D.L. I O que é 0 liberalismo? 1. Um conjunto de perguntas constrangedoras As respostas usuais 4 pergunta que nos colocamos nao deixam dividas: o liberalismo é a tradigao de pensamento que situa no centro de suas preocu- pacdes a liberdade do individuo, desconsiderada ou pisoteada pelas filosofias organicistas de diferente orientacao. Sendo assim, como situar John C. Ca- lhoun? Este eminente estadista, vice-presidente dos Estados Unidos, na me- tade do século XIX, entoa um hino apaixonado a liberdade do individuo ¢, inspirando-se também em Locke, o defende energicamente contra qualquer imposigao ¢ contra toda a indevida interferéncia do poder do Estado. Mas, isso nao é tudo. Juntamente com os “governos absolutos” ¢ a “concentragao do poder”, ele n3o cansa de criticar ¢ condenar o fanatismo' ¢ o espirito de “cruzada”, aos quais contrapde 0 “compromisso” como principio inspirador dos auténticos “governos constitucionais”. Com igual clogiiéncia, Calhoun defende o direito das minorias: nao se trata apenas de garantir pelo sufragio a alternancia ao governo de diversos partidos: um poder excessivamente amplo € sempre inaceitavel, mesmo limitado no tempo ¢ amenizado pela promessa ou pela perspectiva da periddica inversio das fungdes na relacdo entre gover- Nantes € governados". Nao hi divida, teriamos aqui todas as caracteristicas do pensamento liberal mais maduro e sedutor; no entanto, por outro lado, desdenhando os meios-termos ¢ a timidez ou o temor dos que sc limitavam a accité-la como um “mal” necessario, Calhoun proclama que a escravidao, ao contrério, é um “bem positivo” ao qual a civilizagéo nunca pode renun- ciar. Certamente, ele denuncia repetidamente a intolerancia € 0 espirito de ‘Calhoun, 1992, p. 529. 2 Calhoun, 1992, p. 528-31, 469. Calhoun, 1992, p. 30-31. * Calhoun, 1992, p. 30-33. 14 CONTRA-HISTORIA DO LIBERALISMO__ cruzada, nio para colocar em discussio a subjugacao dos negros ou a caca impiedosa aos escravos fugitivos, mas sempre ¢ somente para estigmatizar os abolicionistas, estes “cegos fanaticos”®, que consideram ser “sua mais sagrada obrigacio lancar mao de todos os recursos para destruir” a escraviddo, uma forma de propriedade legitima ¢ garantida pela Constituigio®. Observe-se que das minorias defendidas com tanto vigor ¢ tanta sabedoria juridica nao fazem parte os negros. Ao contrario, neste caso, a tolerancia c 0 espirito de compromisso parecem se reverter: se o fanatismo conseguir realmente levar adiante o ensandecido projeto de aboligio da escravidio, haveria “a extirpa- 30 de uma ou outra raga”. E, considerando as concretas relagdes de fora existentes nos Estados Unidos, nao seria dificil imaginar qual das duas iria sucumbir: portanto, os negros poderiam sobreviver s6 continuando na con- digao de escravos. Entdo, Calhoun é ou nao é liberal? Nenhuma diivida tem a respeito lor- de Acton, figura procminente do liberalismo da segunda metade do século XIX, conselheiro ¢ amigo de William E. Gladstone, um dos grandes prota- gonistas da Inglaterra do século XIX. Entdo, aos olhos de Acton, Calhoun é um campeio da causa da luta contra o absolutismo em todas as suas formas, inclusive o “absolutismo democratico”: os argumentos utilizados por ele sio “a verdadeira perfeigdo da verdade politica”; em sintese, estamos diante de um dos grandes autores e dos grandes espiritos da tradigao e do pantedo liberais", Embora com uma linguagem menos enfatica, de maneira afirmativa pa- recem responder & pergunta que nos colocamos os que nos nossos dias ce- lebram Calhoun como “um distinto individualista”’, como um campeao da “defesa dos direitos da minoria contra os abusos de uma maioria inclinada a prevaricacao” , isto é, como um tedrico do senso do equilibrio e da autoli- mitagdo que devem ser proprios da maioria"". Livre de diividas apresenta-se uma editora dos Estados Unidos, dedicada a reeditar em chave neoliberalista 0s “Clissicos da Liberdade”, entre os quais aparece 0 eminente estadista ¢ idedlogo do Sul escravista”. * Calhoun, 1992, p. 474. “Calhoun, 1992, p. 582. ” Calhoun, 1992, p. 529, 473. * Acton, 1985-88, vol. 1, p. 240, 250; vol. III, p. 593. * Post, 1953, p. VII. '® Lence, 1991, p. XXIII. 1 Sartori, 1976, p. 151; 1978, p. 239, 252. " Calhoun, 1992.