Você está na página 1de 4

13/12/2018

Introdução ao Caso 11 Catástrofes e Territórios

Economia, geografia, política, direito, sociologia

Introdução ao Caso 11 Catástrofes e Territórios

J L , S C P D

11 Catástrofes e Territórios J L , S C P D Texto completo 1 riscos são

Texto completo

1

riscos são onipresentes hoje, na medida em que algumas pessoas vêem nas atuais

Os

mudanças sociais e organizacionais, o surgimento de uma sociedade de risco, um

2

avatar, infeliz, de uma sociedade industrial que certamente contribuiu para o aumento de riqueza, mas à custa de uma falta de controle técnico, político e científico sobre os riscos inerentes ao progresso técnico (Beck, 2001).

As

sociedades como um todo estão interessadas principalmente nessas transformações. No entanto, em escalas menores, os territórios também são afetados e é através deles que os riscos se manifestam da maneira mais tangível: por meio de eventos mais frequentes de menos prejudicial: crises, rupturas, acidentes e desastres. O desastre é avaliado usando duas variáveis: impactos humanos (mortalidade) e impactos econômicos (quantidade de danos). Consiste no advento de um grande risco, ele próprio uma função de vários parâmetros: as apostas, o perigo e a vulnerabilidade. A catástrofe toma forma dentro de um gradiente de eventos mais ou menos danosos, variando de

3

O desastre pode ser definido como um evento brutal, resultando em mortalidade significativa e / ou danos econômicos no valor de centenas de milhões de euros. Este dossiê intitulado "Desastres e Territórios" ecoa esta preocupação crescente que é a questão do conhecimento e controle de riscos e desastres associados a eles, no nível territorial. De um modo latente, é a questão da resiliência do último que está em jogo, num contexto em que os acontecimentos danosos marcam os espíritos mais do que conclusivamente: Erika e as inundações do Aude em 1999, Toulouse em 2001, a onda de calor no verão de 2003, o Tsunami em 2004, o Katrina em 2005, o Tornado no norte da França em agosto de 2008 são tantos

4

Este número 11 da Revista reúne contribuições originais que fornecem insights teóricos e analíticos sobre o vínculo entre desastres e territórios.

13/12/2018

Introdução ao Caso 11 Catástrofes e Territórios

5 Dois postulados metodológicos vêm à mente quando nos concentramos em representar a dialética dos desastres e territórios: um indutivo e outro dedutivo. A primeira é considerar o papel da dinâmica territorial na ocorrência de desastres. Nessa perspectiva, algumas questões são recorrentes, como aquelas relacionadas a usos em territórios, memória, questões mutáveis, instituições e, em geral, a todas as forças, econômicas, políticas, sociológicas ou culturais. a ter em conta na construção do risco, bem como no advento do desastre. Esta é precisamente a opção de metodologia adotada por Virginie Duvat. Sua contribuição trata da questão da construção territorial da vulnerabilidade ao risco ciclônico. Neste caso, em vez de abordar a questão do risco apenas com base em variáveis aleatórias e questões, o autor destaca a maneira pela qual certos fatores organizacionais e institucionais implementados por autoridades locais e nacionais tendem a reforçar vulnerabilidade e contribuir para o surgimento de perigos naturais na ilha de Saint Martin, nas Pequenas Antilhas. Esses fatores estruturais condicionam, em grande medida, a capacidade dos territórios de serem resilientes diante de um grande risco, como o risco ciclônico. Este autor destaca como certos fatores organizacionais e institucionais implementados por autoridades locais e nacionais tendem a aumentar a vulnerabilidade e contribuir para o surgimento de perigos naturais na ilha de Saint Martin, nas Pequenas Antilhas. Esses fatores estruturais condicionam, em grande medida, a capacidade dos territórios de serem resilientes diante de um grande risco, como o risco ciclônico. Este autor destaca como certos fatores organizacionais e institucionais implementados por autoridades locais e nacionais tendem a aumentar a vulnerabilidade e contribuir para o surgimento de perigos naturais na ilha de Saint Martin, nas Pequenas Antilhas. Esses fatores estruturais condicionam, em grande medida, a capacidade dos territórios de serem resilientes diante de um grande risco, como o risco ciclônico.

6 Se parece importante para nos perguntar como os riscos surgem devido a mecanismos induzidos por dinâmicas territoriais, a questão de como uma vez o desastre provou, as sociedades humanas a reconhecer também é crucial. Esta questão refere-se a uma lógica reflexiva mais dedutiva que poderíamos dizer. Esta é precisamente a hipótese subjacente à segunda postura metodológica, que privilegia os fenómenos de aprendizagem, o feedback da experiência e as questões de solidariedade territorial. As quatro contribuições a seguir escolheram essa opção.

7 O artigo de Bruno Barroca e Gilles Hubert também levanta a questão de como a gestão de risco é apreendida, desta vez através do gerenciamento de risco de inundação. Diversas concepções existem a este respeito, e entre elas uma concepção francesa que favorece o congelamento das perspectivas de desenvolvimento das zonas de inundação. Em contraste , através do Canal, é mais uma concepção que pode ser resumida através da expressão " vivendo com risco".Essa divergência de pontos de vista, discutida neste artigo, levanta as condições para a viabilidade de uma concepção tão inovadora, se a compararmos com o caso francês. Fatores sociais estão, é claro, no centro dessas condições, e, entre elas, a questão da aceitabilidade social dos riscos, a responsabilidade e o compartilhamento da decisão pública sobre a gestão de riscos. Em uma palavra, a contribuição levanta a questão do lugar do território em uma definição institucional, negociada , gestão de risco de inundação.

8 Limpar Brossaud abordar o tema do desastre por uma visão sociológica inicial: o da manipulação das TIC no contexto do relógio informações relativas ao desastre. Com base em 3 eventos distintos, pretende descrever e analisar como as NTICs são mobilizadas pelos atores para reduzir as incertezas inerentes ao desastre. Essas mesmas tecnologias também podem para algumas personalidades-chave para contribuir para a construção de uma cultura de risco ea aceitação social deste último: eles são "contrabandistas em geral" em algumas maneiras de aculturação e risco de spread na escala do território. A virtude das TICs também reside no fato de que permitem o desenvolvimento da dimensão patrimonial do risco natural. fóruns de discussão implementado por ocasião de eventos, apesar de sua negligência por parte das autoridades, e têm um grande público, incluindo a partir de uma "população invisível na cena local" que às vezes vê há uma saída , às vezes um meio de se apropriar e inserirseu evento dentro de um evento compartilhado compartilhado.

13/12/2018

Introdução ao Caso 11 Catástrofes e Territórios

9

A

contribuição de François Duchêne destaca um dos fenômenos mais importantes na

gestão e tratamento dos riscos de subsidência à mineração: o efeito territorial . O autor

mostra como a história do território vai pesar, mais de um século após o início da exploração dos minerais, sobre o modo como se organiza, politiza a questão da mineração subsidência. A bacia de ferro, a peça central do "Lorraine industrial feita", nas palavras do autor, nasceu no final dos anos 19 thséculo. Seu fechamento final de um século mais tarde, o que levou a um declínio afetando não só o planejamento econômico, mas também social corresponderá ao surgimento do perigo mina resultando em fenômenos de colapso. A catástrofe econômica do fechamento da mina é combinada com o trauma do alojamento danificado. O conflito também foi marcado por um relatório ao tempo divergente entre vítimas e autoridades: a mobilização de longo tempo pelo primeiro vai opor-se à vontade de contextualização no último. A história do território explicará em grande parte a geografia da mobilização social, bem como o significado político do conflito.

10

A

contribuição de Julien Langumier, por sua vez, faz da catástrofe o ponto de partida

de uma dinâmica territorial centrada em torno de questões de identidade. Tal como acontece com a contribuição anterior, vemos aqui que o desastre passado esse número de entrada de recursos identidade a partir do qual os moradores vão recriar um equilíbrio, encontrou um seguinteresultante de relações de força, conflitos ou até mesmo novas conexões. A partir de um trabalho etnográfico, o autor pretende compreender como alguns moradores estão construindo uma tragédia coletiva, mobilizando desastre como parte às vezes certificação de gestão de risco considerada calamitosa, por vezes, garantindo uma alteração do seu estatuto "recém-chegados" tornaram-se possíveis aos olhos deles por causa do tributo pago por esses periurbanos pela devastação de suas propriedades. A catástrofe aqui tende a integrar um discurso de legitimação do pertencimento dos novos distritos à aldeia histórica.

bibliografia

Para citar este artigo

Referência eletrônica

Jérôme Longuépée , Stéphane Callens e Philippe Duez , "Introdução ao Dossiê No. 11 Desastres e Territórios", Desenvolvimento Sustentável e Territórios [Online], Dossiê 11 | 2008, postada em 06 de novembro de 2008, acessada em 12 de dezembro de 2018. URL:

http://journals.openedition.org/sustainabledevelopment/6763

autores

Docente, Economia, Centro EREIA, Universidade de Artois jlonguepee@free.fr

Artigos do mesmo autor

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , Dossiê 7 | 2006

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , Dossiê 6 | 2006

O ambiente e a interdisciplinaridade em debate [Texto integral] Relatório do seminário de Arras: "O meio ambiente: abordagens disciplinares ou perspectivas interdisciplinares? ", Universidade de Artois, 17 de março de 2005.

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , Pontos de vista (2003-2010)

Centro EREIA, Universidade de Artois

Artigos do mesmo autor

13/12/2018

Introdução ao Caso 11 Catástrofes e Territórios

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , vol. 8, n º 2 | Julho de 2017

Publicado em Desenvolvimento sustentável e territórios , Vol.6, n ° 1 | Março de 2015

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , vol. 2, n º 2 | Maio de 2011

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , vol. 1, n º 3 | Dezembro de 2010

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , vol. 1, n º 3 | Dezembro de 2010

completo] Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , Leituras (2002-2010) , Publicações de 2008

Centro EREIA, Universidade de Artois

Artigos do mesmo autor

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , vol. 4, n º 1 | Abril de 2013

Publicado em Desenvolvimento Sustentável e Territórios , Leituras (2002-2010) , 2004 Publicações

Direitos autorais

(2002-2010) , 2004 Publicações Direitos autorais Licença Creative Commons O Desenvolvimento Sustentável e