Você está na página 1de 4

Até que a morte nos separe

Coimbra, J. (2017). Até que a morte nos separe. In M. del Priore & A. Müller (Eds.), Hitória dos
crimes e da violência no Brasil (pp. 255–284). São Paulo: Unesp.

Referências
AZEVEDO, Solage. "A Maria da Penha me transformou num monstro". Isto É, São
Paulo, n. 2150, 2011. Disponível em: http://bit.ly/1MdwYBC. Acesso em: 28 out.
2015.
BLAY, Eva Alterman. Assassinato de mulheres e Direitos Humanos. São Paulo:
USP – Ed. 34, 2008.
Disponível em: http://glo.bo/1KZQ4O3. Acesso em: 7 out. 2015.
BRASIL. Lei nº 2848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro, 31
dez. 1940. Disponível em: http://bit.ly/1OEPWbc. Acesso em 12 nov. 2015.
BRASIL. Lei nº 9099, de 26 de setembro de 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais
Cíveis e Criminais e dá outras providências. Lei. Disponível em:
http://bit.ly/1WgHgvH. Acesso em: 28 out. 2015.
BRASIL. Lei nº 11340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a
violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da
Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de
Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir,
Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de
Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o
Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Lei. Brasília, 8
ago. 2006. Disponível em: http://bit.ly/1s3yw9F. Acesso em: 7 maio 2015.
BRASIL. Lei nº 13104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei no
2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como
circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1o da Lei no 8.072, de 25
de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Lei.
Brasília, 10 de março de 2015. Disponível em: http://bit.ly/1bP9msp. Acesso em: 3
maio 2015.
CERQUEIRA, Daniel et al. Avaliando a efetividade da Lei Maria da Penha. 2015.
Disponível em: http://bit.ly/1bP8HXO. Acesso em: 2 maio 2015.
CIDH. Convenção de 9 de junho de 1994. Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9
de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário de Sessões da Assembleia
Geral. Convenção Interamericana Para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência
Contra a Mulher. Disponível em: http://bit.ly/1PMoqZl. Acesso em: 24 out. 2015.
CIDH. Relatório 54/01: Caso 12051 - Maria da Penha Maia Fernandes. Washington:
OEA, 2001. Disponível em: http://bit.ly/1PMqH6F. Acesso em: 23 out. 2015.
CLADEM. Caso Maria da Penha, Brasil. 2002. Disponível em:
http://bit.ly/1MZWtLL. Acesso em: 24 out. 2015.
CNJ. O Poder Judiciário e a Aplicação na Lei Maria da Penha. Brasília: Conselho
Nacional de Justiça, 2013. Disponível em: http://bit.ly/1XK6Vds
DAWSON, Myrna. Canadian trends in filicide by gender of the accused: 1961–
2011. Child Abuse & Neglect, Atlanta, v. 47, p.162-174, set. 2015. Disponível em:
http://bit.ly/1Q1VAnX. Acesso em: 3 nov. 2015.
DUNKER, Christian I. Lenz. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia
do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, 2015.
ENGEL, Cíntia Liara et al. Diagnóstico dos homicídios no Brasil: subsídios para o
Pacto Nacional pela Redução de Homicídios. Brasília: Ministério da Justiça,
Secretaria Nacional de Segurança Pública, 2015. 271 p. Disponível em:
http://glo.bo/1jStw9B. Acesso em: 27 out. 2015.
FAUSTO, Boris. Crime e Cotidiano: A Criminalidade em São Paulo (1880 – 1924).
São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.
FONAVID. Enunciados do VI Fórum Nacional de Juízes de Violência Doméstica
e Familiar contra a Mulher. 2014. Disponível em: http://bit.ly/1UndZtb. Acesso em:
2 set. 2015.
GALINA, Décio. Maria da Penha é uma sobrevivente. TPM, São Paulo, n. 82, 2009.
Disponível em: http://bit.ly/1MdvG9F. Acesso em: 27 out. 2015.
GARCIA, Leila Posenato et al. Violência contra a mulher: feminicídios no
Brasil. 2013. Disponível em: http://bit.ly/16Ic6gY. Acesso em: 1o maio 2015.
GREGORI, Maria Filomena. Relações de violência e erotismo. Cad.
Pagu, Campinas, n. 20, p. 87-120, 2003. FapUNIFESP (SciELO). DOI:
10.1590/s0104-83332003000100003. Disponível em: http://bit.ly/1PmoEVC. Acesso
em: 6 nov. 2015.
HEISE, Lori L; KOTSADAM, Andreas. Cross-national and multilevel correlates of
partner violence: an analysis of data from population-based surveys. The Lancet
Global Health, London, v. 3, n. 6, p.332-340, jun. 2015. Elsevier BV. DOI:
10.1016/s2214-109x(15)00013-3. Disponível em: http://bit.ly/1Gma7qS. Acesso em:
10 maio 2015.
HILLSMAN, Sally T. Fines and Day Fines. Crime and Justice, Chicago, v. 12, p.49-
98, 1990. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/1147438. Acesso em: 5 nov.
2015.
JARDIM, João. Conversa. 2011. Disponível em: http://bit.ly/1W9wfHe. Acesso em:
23 out. 2015.
JIMENO, Myriam. Crimen Pasional: Contribución a una Antropología de las
Emociones. 1. ed. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2004.
LAGE, Lane; NADER; Maria. Violência contra a Mulher: Da Legitimação à
Condenação Social. In: PINSKY, C.; PEDRO, J. (Eds.). Nova História das
Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. p. 286–312.
LUCAS, William J. (Org.). Domestic Violence Death Review Committee: 2013-14
Annual Report. Ontário: Office of the Chief Coroner for Ontario, 2015. Disponível
em: http://bit.ly/1Q1Wa50. Acesso em: 4 nov. 2015.
MACHADO, Marta Rodriguez de A. (Coord.). A violência doméstica fatal: o
problema do feminicídio íntimo no Brasil (Secretaria de Reforma do Judiciário, Ed.).
Brasília: Ministério da Justiça, 2015.
OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de; VIANNA, Lucila Amaral Carneiro. Violência
Conjugal na Gravidez. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 162, jan.
1993. ISSN 0104-026X. Disponível em: http://bit.ly/1MfxGV7. Acesso em: 23 out.
2015.
PARDUE, Doug et al. Till Death do us Part: Post and Courier Special Investigation.
2015. Disponível em: http://www.postandcourier.com/tilldeath/title.html. Acesso em:
5 maio 2015.
PNUD (ED.). Feminicídio é tema de pesquisa da FGV-SP, por meio de projeto do
MJ em parceria com PNUD. Disponível em:
http://pnud.org.br/Noticia.aspx?id=4061. Acesso em: 9 maio 2015.

RINALDI, Alessandra de Andrade. A Sexualização do Crime no Brasil. Rio de


Janeiro: Mauad X, 2015.
SOUZA, Tatiana Machiavelli Carmo; SABINI, Kelen. Mas o que é o amor?
Representações sociais em mulheres em contexto de violência
doméstica. Perspectivas em Psicologia, Uberlândia, v. 19, n. 1, p.162-178, 2015.
Disponível em: http://bit.ly/1GNqAQ2. Acesso em: 18 out. 2015.
SOIHET, Rachel. Mulheres Pobres e Violência no Brasil Urbano. In: PRIORE, Mary
del; PINSKY, Carla Bassanezi. História das Mulheres no Brasil. São Paulo:
Contexto, 2013. p. 362-400.
TJRJ. TJRJ lança Observatório Judicial da Violência contra a Mulher. 2015.
Disponível em: http://bit.ly/1Rqo2iQ. Acesso em: 3 dez. 2015.
UNITED NATIONS. Resolution 34/180, de 18 de dezembro de 1979. The
Convention on the Elimination of all Forms of Discrimination Against Women.
Disponível em: http://bit.ly/1WiW8V0. Acesso em: 29 out. 2015.
UNITED NATIONS. The Committee on the Elimination of Discrimination
against Women. 1996. Disponível em: http://bit.ly/1jRCoML. Acesso em: 30 out.
2015.
WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência: Homicídio de Mulheres no Brasil.
Rio de Janeiro: Cebela; Flacso, 2012. Disponível em: http://bit.ly/1pRtVFh. Acesso
em: 5 maio 2015.
WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no
Brasil. Brasília: Flacso Brasil, 2015. Disponível em: http://bit.ly/1HDClsF. Acesso
em: 9 nov. 2015.
WOMANSTATS. The Womanstats Project. 2015. Disponível em:
http://womanstats.org/. Acesso em: 4 dez. 2015.