Você está na página 1de 2

PROFESSOR: RAFAEL ANDRADE DE MEDEIROS LEIS ESPECIAIS

TURMA: CARREIRAS POLICIAIS EXERCÍCIOS

CRIMES HEDIONDOS (LEI Nº 8.072/90) 8. (DPF/2004) Adriano é chefe de uma quadrilha que se-
questrou um famoso artista e libertou-o vivo e sem qual-
1. (PC-SP/2012) Não é(são) considerado(s) crime(s) hedi- quer ferimento, após o pagamento do resgate. Na situa-
ondo(s): ção descrita, Adriano praticou crime hediondo, pois ex-
torsão mediante sequestro é crime hediondo mesmo
a) o genocídio consumado, o homicídio qualificado e o
quando não qualificada por lesão corporal ou morte do
estupro de vulnerável.
sequestrado.
b) a extorsão mediante sequestro, o estupro e o geno-
cídio tentado. TORTURA (LEI Nº 9.455/97)
c) o latrocínio, estupro de vulnerável e a omissão de
notificação de doença. 9. (MPE-GO/2014) A Lei n.º 9.455/97 determina a cha-
d) a extorsão qualificada pela morte, a alteração de mada extraterritorialidade condicionada e incondicio-
produtos destinados a fins medicinais e o estupro. nada, além de adotar o princípio da jurisdição cosmopo-
lita, quando disciplina ser aplicável a lei penal brasileira
e) a epidemia com resultado morte, o estupro e a ex-
torsão mediante sequestro. ainda quando o crime não tenha sido cometido em ter-
ritório nacional, sendo a vítima brasileira ou encon-
2. (PC-SP/2014) A Lei de Crimes Hediondos (Lei n.º trando-se o agente em local sob jurisdição brasileira.
8.072/90) dispõe que será de três a seis anos de reclu-
são a pena prevista no art. 288 do Código Penal (Associ- 10. (PC-GO/2016) Os crimes de tortura são todos classifica-
ação Criminosa), quando se tratar de crimes hediondos, dos como crimes próprios porque exigem, para a sua
prática da tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e dro- prática, a qualidade especial de os agentes serem agen-
gas afins ou terrorismo. Nessa hipótese, o participante e tes públicos.
o associado que denunciar à autoridade o bando ou qua- 11. (PRF/2013) Para que um cidadão seja processado e jul-
drilha, possibilitando seu desmantelamento, gado por crime de tortura, é prescindível que esse crime
a) deverá cumprir a pena em estabelecimento distinto deixe vestígios de ordem física.
dos demais participantes.
b) deixará de responder pelo referido crime. 12. (PC-GO/2016) O delegado que se omite em relação à
conduta de agente que lhe é subordinado, não impe-
c) terá a pena reduzida de um a dois terços.
dindo que este torture preso que esteja sob a sua
d) terá a pena anistiada pelo Presidente da República. guarda, incorre em pena mais branda do que a aplicável
e) terá sua pena convertida para prestação de serviços ao torturador.
à comunidade.
13. (MPE-GO/2014) No que tange aos crimes de tortura, ti-
3. (DEPEN/2013) Considere que um indivíduo, reinci- pificados na Lei n.º 9.455/97, é incorreto afirmar que se
dente, seja condenado, definitivamente, a quinze anos o crime é praticado mediante sequestro, incorre o autor
de reclusão em regime inicial fechado, devido à prática na prática do crime de tortura e, ainda, do crime de se-
de crime hediondo. Nessa situação, é correto afirmar questro previsto no Código Penal (art. 148).
que esse indivíduo somente progredirá de regime do
cumprimento da pena após cumprir nove anos de reclu- 14. (PC-GO/2016) O fato de o agente constranger um indi-
são. víduo mediante violência ou grave ameaça, em razão da
orientação sexual desse indivíduo, causando-lhe sofri-
4. (PC-AC/2017) No que concerne à Lei que trata dos cri- mento físico ou mental, caracteriza o crime de tortura
mes hediondos (Lei nº 8.072/1990 e suas alterações), é na modalidade discriminação.
correto se afirmar que o fato de o crime ser considerado
hediondo, por si só, não impede a concessão da liber- 15. (MPE-GO/2014) No crime de tortura será admissível a
dade provisória, de acordo com o entendimento dos Tri- tentativa e a desistência voluntária, quando, no último
bunais Superiores. caso, o agente interromper voluntariamente sua con-
duta, antes que a vítima tenha algum sofrimento físico
5. (FCC/2010) A Lei dos Crimes Hediondos (Lei nº ou psíquico. Nesse último caso, poderá subsistir a prá-
8.072/90) estabelece, além de outras hipóteses, que a tica de crime de constrangimento ilegal. Não é admissí-
prisão temporária nos crimes de terrorismo e tortura, vel no crime de tortura o arrependimento eficaz.
dentre outros, terá o prazo de 30 (trinta) dias, prorrogá-
vel por igual período em caso de extrema e comprovada ABUSO DE AUTORIDADE (LEI Nº 4.898/65)
necessidade.
16. (PC-PE/2016) Nessa lei, há condutas tipificadas que ca-
6. (DPF/2100) O homicídio qualificado-privilegiado é racterizam crimes próprios e crimes impróprios, admi-
crime hediondo. tindo-se as modalidades dolosa e culposa.
7. (PC-CE/2015) A Lei nº 8.072/90 (Crimes Hediondos) 17. (CESPE/2016) Constitui crime de abuso de autoridade
tem como fundamento o artigo 5º, inciso XLIII, da Cons- qualquer atentado à incolumidade física, psíquica e mo-
tituição Federal e tem no seu artigo 1º os crimes consi- ral do indivíduo.
derados hediondos pelo legislador, cujo rol é exemplifi-
cativo.

— “Empenhar-se ativamente para alcançar determinado objetivo dá à vida significado e substância. Quem quiser vencer deve
aprender a lutar, perseverar e sofrer.”. (Bruce Lee) 1

E 21. maior. E 24. mas crime único. em exame pericial. a Polícia Federal. C 20. (DPF/2014) Diante da ocorrência dos crimes de seques- mais requisitos legais. da ação penal. o subordinado deverá responder pelo crime de abuso de autoridade. desde que preenchidos os de. C 28. sem prejuízo das as suas modalidades. ofensivo. e atestada. C 8.”. C 16. (CESPE/2015) O crime de abuso de autoridade. pela abolitio criminis. C 19. E 23. (DPF/2013) Caso determinada contravenção penal te- nha repercussão interestadual. DO DESARMAMENTO (LEI Nº 10. em to. ada. E 17. 3. 5. passou a tipificar a conduta consistente em ven- der. acessório. que se caracteriza como delito de perigo abstrato cujo objeto jurídico tutelado não é a incolumidade física. temporariamente. 31. C 11. E  7. o crime de 19. pois a situação litar em serviço é da justiça militar estadual. 21. mas a segurança pública e a paz social. 26. derrogando disposição semelhante pre- vista na Lei n. C 15. (CESPE/2008) Caso cumpra ordem manifestamente ile. (PC-PE/2016) Segundo entendimento do STJ. E 14. (CESPE/2016) A apreensão de arma de fogo na posse do autor dias após o cometimento de crime de roubo não constitui crime autônomo. 32. nem mesmo trito. tendo sido encontradas com ele duas ar- mas de uso restrito e munições. a caso. (PC-GO/2017) O porte ou a posse simultânea de duas ou 20. A representação da vítima niciada. (CESPE/2008) A competência para processar e julgar o mais armas de fogo de uso restrito ou proibido não con- crime de abuso de autoridade praticado por policial mi. é infração de menor potencial da responsabilidade dos órgãos de segurança pública. perseverar e sofrer. (CESPE/2009) A lei de abuso de autoridade definiu. C 12. E abarcados. E 25. capaz. proceder à sua investigação. E 27. munição ou explosivo a criança ou adolescente. de Polícia Federal do Ministério da Justiça.826/03 (Lei do desarma- mento). as sanções de natureza administrativa. (CESPE/2016) O particular não pode responder pela de posse e porte de arma de fogo de uso permitido e res- prática do crime de abuso de autoridade. o Estatuto do Desarmamento criou situ. (TJ-PA/2016) A Lei n. E armas de fogo. (CESPE/2012) Suponha que Tobias. C 30. entregar ou fornecer. zadoras previstas na lei que dispõe sobre os juizados es- peciais cíveis e criminais. a posse e o porte ilegal de arma de fogo foram 1. EST. tro. tenha sido abordado por policiais militares quando trafegava em sua moto. 30. poderá o Departamento 22. C ção dos registros pelos proprietários e possuidores de 4. figura concurso formal. sujeitando-se seu autor às medidas despenali. E 13. C ação peculiar e temporária de atipicidade das condutas 6. configura crime o porte de arma de fogo desmunici. de perigo é uma só. devendo Tobias responder por crime único.826/03) sem prejuízo da responsabilidade dos órgãos de segu- rança pública arrolados pela CF. a impossibilidade de as armas efetuarem dispa- ros. determinação do ministro da Justiça. 2. independentemente de autorização ou STJ. ainda que comprovada a inaptidão por laudo ou do ofendido estabelece condição de procedibilidade pericial. (CESPE/2014) Segundo atual entendimento do STF e do essas infrações. caso haja repercussão interestadual. (PC-GO/2017) Ao estabelecer prazo para a regulariza. resta caracterizado o de- lito de porte de arma de uso restrito. 29. C 10. 27. C 31. Nessa situação hipotética. de acordo com a gravidade da violação co. C 28. arma de fogo.º 10. caso porte ilegal de arma de fogo é delito de perigo abstrato.446/02) gal.PROFESSOR: RAFAEL ANDRADE DE MEDEIROS LEIS ESPECIAIS TURMA: CARREIRAS POLICIAIS EXERCÍCIOS 18. considerando-se típica a conduta de porte de arma de nal aplicáveis. (Bruce Lee) 2 .069/90 (Estatuto da Criança e do Ado- lescente). poderá investigar todas 23. E 32. (CESPE/2013) Conforme jurisprudência sedimentada GABARITOS no STJ. REPRESSÃO UNIFORME (LEI Nº 10. sendo fato impunível. C 18. C 22. como partícipe. de cárcere privado e contra a economia popular. ainda que gratuitamente.º 8. 24. E 26. fogo completamente inapta a realizar disparos e desmu- metida pelo agente público. C 29. C 9. Quem quiser vencer deve aprender a lutar. civil e pe. 25. E 212585212 — “Empenhar-se ativamente para alcançar determinado objetivo dá à vida significado e substância.