Você está na página 1de 2

Pontificia Università Gregoriana – Facultà di Teologia

Seminario: In torno a Calcedonia


Nome: Adão Carlos Pereira da Fonseca
17/12/2018

Boaventura: O Verbo encarnado: Mediador da salvação

A salvação do homem é uma ação feita livremente por Deus. Segundo


Boaventura, ele poderia salvar o homem da forma que quisesse, mas
escolheu realizar essa salvação mediante a encarnação do seu Filho eterno.
A encarnação foi escolhida como modo de salvação porque é a forma mais
adequada e conveniente para reconduzir o homem à inocência e à amizade
com Deus, próprias do estado original humano. Deus assumiu a forma de
servo para resgatar o homem do pecado. Foi conveniente que a salvação
ocorresse através do mesmo Verbo com o qual todas as coisas foram criadas.
O Verbo encarnado é o mediador perfeito entre Deus e o homem, porque,
como Deus, pode oferecer uma perfeita satisfação, e como homem perfeito,
pode ser amigo verdadeiramente de Deus. Criado por meio do Verbo, o
homem se afastou dele com o pecado, e foi redimido justamente por meio
deste Verbo eterno que se fez carne. Era conveniente que o homem não fosse
salvo por um mero homem, pois se o fosse estaria sujeito a algo inferior a
seu criador, não sendo possível ser reconduzido à amizade com Deus.
A encarnação é obra da Santíssima Trindade, que produz a união da
divindade com a carne, com a humanidade plena, sensível e racional, corpo
e alma. O mesmo Deus que cria é o mesmo que produz a salvação e a
reconciliação do homem. A encarnação é a assunção de uma humanidade
plena, total, pois, o gênero humano caiu no pecado no corpo e na alma. A
assunção da humanidade plena por Deus é chamada de encarnação porque é
o ato de assumir a carne humana, não apenas uma parte. Se fosse apenas a
assunção do corpo seria apenas uma animação.
Como já havia sido dito por Anselmo, Boaventura afirma que o mediador
da salvação deveria ser ao mesmo tempo homem e Deus verdadeiro porque
o homem é que devia a Deus por causa do pecado e somente Deus poderia
realizar a verdadeira satisfação. Em Cristo, homem e Deus verdadeiro, a
verdadeira satisfação pode acontecer porque unindo em si humanidade e
divindade ele realiza a reparação humana. Deus, que pode salvar, mas não
pode sofrer, e a humanidade que deve a Deus, mas não pode pagar, unidos
na pessoa divina do Verbo, realizam a salvação mediante o perfeito
mediador.
Na encarnação, a unidade das naturezas se dá na pessoa do Verbo divino,
pois a natureza divina não pode existir em nenhum outro fundamento que
não seja a hipóstase divina. Quem assume a carne é a pessoa do Verbo divino
e o faz não de modo acidental nem através de uma mutação das naturezas,
mas através da união de sua pessoa. Boaventura retoma aqui aquilo que havia
sido definido por Calcedônia, a união das duas naturezas na pessoa do Verbo
divino, na hipóstase divina. Esta definição é explicada por Boaventura com
o argumento da conveniência. Foi conveniente que o Verbo por meio do qual
tudo foi criado, que revela o Pai, reconduzisse o homem ao conhecimento de
Deus. O mediador perfeito é a imagem do Pai, o Filho, o Verbo eterno gerado
por Deus que conduz o homem à filiação divina. Na encarnação se
identificam numa só pessoa o Filho de Deus e o filho do homem, com
exceção daquilo que é próprio de cada uma das naturezas. Há uma união das
naturezas em Cristo, não uma confusão, de modo que a comunicação dos
idiomas se refere à pessoa que possui a natureza. Por exemplo, diz-se que
Deus encarnou-se porque a pessoa divina do Verbo assumiu para si uma
natureza humana, não porque tenha transformado a sua natureza divina em
humana.
Cristo sofreu de modo generalíssimo porque sofreu no corpo e na alma;
de modo crudelíssimo porque sofreu pelos nossos pecados, sendo ele
inocente; de modo ignominiosíssimo porque recebeu a condenação
reservada aos piores criminosos e a cumpriu ao lado de dois ladrões; com
paixão mortal porque sofre a separação da alma e do corpo na morte. O
sofrimento de Cristo na cruz é o modo mais conveniente de resgatar o
homem da situação de pecado em que se encontrava e de oferece-lo o melhor
exemplo de obediência a Deus. A salvação do homem ocorre mediante a
resposta de humildade dada por Deus, que sofre de modo extremo, até a
morte, para repara a ofensa que o homem havia feito a Ele. A salvação é sinal
do amor de um Deus que é capaz de salvar o homem dando tudo, até seu
próprio Filho.