Você está na página 1de 22

Farmácia na cozinha

a utilização das ervas e especiarias na culinária terapêutica ayurvédica

Introdução

Em sua essência as plantas assim como os seres humanos também tem sua origem nos
cinco elementos fundamentais e influenciam o corpo humano profundamente. Para a
ayurveda as ervas e as especiarias culinárias não servem unicamente para conferir
aroma e sabor aos alimentos. Cada tempero tem uma qualidade especial que ajuda o
corpo a se equilibrar. Além das propriedades medicinais estudadas pelo modelo
científico ocidental (médico e farmacêutico), eles funcionam como antídotos quando
ingerimos alimentos que não estão de acordo com a nossa natureza, em combinações
alimentares incompatíveis, além de estimular o fogo digestivo, ajudar a eliminar gases e
neutralizar o efeito de alimentos pesados para a digestão. Quando nos habituamos a
utilizar ervas na alimentação estamos realizando uma prática de prevenção a
desequilíbrios que podem resultar de uma alimentação inapropriada, por isso é tão
importantes utilizá-las diariamente para evitar que o corpo produza toxinas.

Saúde começa na cozinha e temperar é como fazer uma poção mágica, por isso, inspire-
se e prepare sua farmácia com especiarias e ervas, elas tratam e auxiliam inúmeros
males comuns. Cada ingrediente leva uma energia sutil – você pode chamar também de
princípio ativo, que age na mente, nas emoções e no corpo físico. Por isso, uso de ervas
e especiarias são indispensáveis na rotina diária de saúde.
Farmácia na cozinha - parte I

a utilização das especiarias na culinária terapêutica ayurvédica


raízes, resinas, cascas e bulbos

Alho (allium sativum L.): o alho é quente e


predominantemente picante. Nele podemos encontrar todos os sabores, com
exceção do ácido. É uma erva muito útil para pessoas que tendem a acumular
gases – vata. Auxilia no tratamento de infecções e infestações de parasitas
(verminoses), reduz a pressão arterial e estimula o sistema imunológico. Por ser
considerado de energia rajásica - estimulante, é evitado por pessoas que querem
intensificar exercícios meditativos pois esta característica energética tende a
perturbar a mente e dificultar durante a meditação
Propriedades: antibiótico, antiséptico, diaforético, antiespasmódico,
antirobótico, antifúngico, antioxidante, ardioprotetor, hepatoprotetor,
hipoglicemiante, antitumoral (particularmente em casos de câncer de cólon),
hipotensor. Existem também registros de atividades analg'sicas nos casos de
neralgias e antiviral contra herpes simples tipo 1 e 2.
Bom para: vata+++ kapha++
Utilize: na preparação de feijões, lentilhas, legumes e em saladas frias.
Outros: gripes recorrentes, candidíase (banho de acento), amigdalites
bacteriana.
Assafétida: (hing) quente e picante, esta resina tem o cheiro da Índia e lembra
um pouco o alho, compartilhando muitas de suas propriedades. É uma das
principais especiarias anti-vata. Propriedades: carminativa, estimulante, anti-
espasmódica. Pode ser utilizada no tratamento de asma, candidíase, ansiedade e
nervosismo, enxaquecas e perturbações mentais diversas.
Bom para: vata+++ kapha+
Utilize: na preparação de feijões, lentilhas, legumes e em saladas frias.

Cálamo (achorus calamus): esta raiz é picante e amarga, sendo que seu uso
principal é em procedimentos de massagem como o udwartna, mas também
pode ser utilizado na cozinha.
Propriedades: estimulante, expectorante e estomáquico. É uma planta muito
sátwica e sua utilização é indicada para desobstruir e sutilizar os sentidos e
clarear a mente pois limpa os nadis (canais energéticos) da cabeça. Devido a
este efeito, o vachá, como também é chamado, auxilia no tratamento de
desequilíbrios mentais, tremores e convulsões.
Bom para: vata++ kapha+++
Utilize: ½ colher diluído em mel para estimular a digestão ou 1/2 colher de
café do pó aspirado em cada narina (nasya). Pode ser acrescentado em pratos
que contenham laticínios ou sorvetes e cremes.

Canela (cinnamomum zeylanicum): a canela é doce e picante. Possui


propriedade analgésica, antifúngica, expectorante, levemente diurética,
carminativa, emenagoga e diaforética. Estimula a digestão, reduz cólicas
mentruais e aumenta a insulina plasmática.Tem ainda propriedades inseticidas.
Bom para: kapha+++ vata++
Externamente: na forma de óleo essencial diluído no óleo para massagem –
aquece e estimula a circulação sanguínea local.
Utilize: em pratos doces e/ou com laticínios, com frutas e sorvetes.
Cúrcuma: (curcuma longa) esta raiz de sabor amargo, adstringente e
levemente picante. É muito benéfica como depurativa do fígado e vesícula biliar.
Tem sido amplamente utilizada no tratamento de hepatite e coadjuvante em
diabetes. Outras indicações: inibe crescimento H-pilory, antialérgica,
antibacteriana, antioxidante, antinflamatória, imunoestimulante,
hipoglicemiante.
Bom para: pitta +++ e kapha++
Utilize: em pratos gordurosos, frituras, legumes e carnes (para quem não segue
uma dieta vegetariana).
Externamente: o pó de açafrão preparado em pasta (com água ou extrato de
aloe vera) pode ser utilizado para tratar ferimentos, acne e feridas.

Gengibre (zingiber officinale): esta raiz é muito especial na ayurveda, sendo


um ingrediente indispenssável em uma dieta e em um tratamento ayurvédico. O
gengibre é quente, picante, doce e muito sátwico.
Bom para: kapha+++ vata ++ (fresco) e para pitta em casos especiais utilizar o
pó.
Propriedades: muito estimulante, diaforético, carminativo e expectorante.
Por suas propriedades antieméticas comprovadas, o gengibre é indicadas para
enjôos matinais e enjôos gestacionais além de ser um formidável tônico
hepático, ajudando em casos de dores de cabeça de origem alimentar.
Indicações: gripes, dores de garganta, indigestão, constipação, retenção de
líquidos, dores de cabeça, dores e inflamações articulares , sinusites,
indisposição, letargia e todos os desequilíbrios de origem kapha.
Utilize: se você for kapha ou vata pode acrescentar na maioria dos pratos. Rale
e refogado em óleo como se faz com a cebola, na forma de chá decocto antes
e/ou após as refeições. Pode também aquecer e aromatizar sucos de frutas.
Farmácia na cozinha parte II

a utilização das especiarias na culinária terapêutica ayurvédica


Pimentas

Invariavelmente, todas as pimentas tem o sabor picante, mas em algumas podemos


ainda encontrar o sabor amago ou o doce, por exemplo. Podem ser acrescentadas na
maioria dos pratos culinários salgados ou mesmo em pratos doces. As pimentas
possuem a propriedade geral de esquentar, estimular o metabolismo, queimar toxinas
e, invariavelmente, são indicadas para o biotipo kapha, porém algumas podem ser
utilizadas em menor quantidade por outros biótipos, interno e externamente.
Pimenta malagueta, pimenta caiena, pimentas verdes, pimentas
vermelhas, (capsicum frutescens L.): estas variedades de pimentas são as mais
comuns na preparação culinária, sendo usadas quase sempre na forma fresca. Possuem
sabor e efeito pós digestivo picante.

Propriedades: Pode ser emprega externamente como rubefaciente muito ativo tendo
em vista suas propriedades medicinais provocarem, por contato, um forte estímulo da
circulação local, resultando numa sensação de calor e consequentemente a redução de
dores locais. Poderoso anti-inflamatório articular.

Princípio ativo principal: capsaína cuja raiz grega do nome vem de (capsicum)
kaptos que, significa morder

Ações: a capsaína é uma substância que provoca grande liberação de endorfinas,


analgésicos naturais produzidos pelo cérebro muito potentes, além de ser um potente
antioxidante.

Bom para: kapha+++ vata+

Utilize: Emplastos para o tratamento de dores reumáticas, torcicolos, luxações, dores


musculares, dores nas costas e artrites, na forma de massagem com o óleo medicado
com a plantas ou óleo essencial diluído a 1% para celulite, gorduras localizadas,
tendinites, fibromialgia, dores ciáticas, musculares ou artríticas. Pode ser utilizada na
preparação de bombons, chutneys, molhos para saladas, sorvetes e pratos que
contenham cremes e leite (pesaodos para a digestão).

Cuidado! Se decidir fazer um emplasto, dilua a pimenta em óleo, argila ou gel e


aplique em quantidades pequenas, sob o risco de queimar a pele!
Pimenta do reino e pimenta branca – maricha (piper nigrum, piper trioicum): de
sabor picante e secundariamente amarga, a pimenta do reino ou pimenta negra e uma
especiaria quente, sendo muito indicada para pessoas de natureza kapha e para
queimar toxinas antigas (ama), sendo uma especiaria que estimula fortemente o agni
(fogo digestivo) e o metabolismo. A pimenta branca trata-se da mesma pimenta negra
mas cuja casca foi removida dos frutos frescos, possui as mesmas propriedades da
pomenta do reino mas em concentrações reduzidas, sendo mais leve também para o
paladar.

Bom para: kapha+++ vata+ (vata não deve fazer uso prolongado desta especiari)

Propriedades: acúmulo de toxinas em todo trato gastrointestinal, indigestão crônica,


febres do tipo Vata (intermitentes), obesidade, sinusite, intestino preso, verminoses,
hemorróidas, congestão nos seios da face, renites alérgicas, estimulante, expectorante.

Princípio ativo principal: piperina

Ações: aumenta as secreções gástricas e o fluxo biliar e estimula a diurese, atividade


antioxidante e antiinfecciosa. A piperina, susbstância presente na pimenta do reino
possui atividade antiinflamatória e estudos relatam sua capaciade em bloquear
impulsos de dor, produzindo alívio da dor. Outra ação descoberta é que a pimenta do
reino mostra-se promissora como auxiliar na interrupção do fumo e como veículo para
aumentar a biodisponibilidade farmacológica.

Utilize: esta pimenta combina com a maioria dos pratos, inclusive com frutas. Pode-se
também utiliza-la a longo prazo como fitoterápico na dosagem de 1 colher de cafezinho
diluída em mel 2 vezes ao dia por 40 dias. Pode ser acrescentada a bebidas de inverno
que contenham leite como chocolate quente e capuccino. Acrescente as sementes
inteiras no arroz e feijões durante o cozimento para um efeito mais aromático.

Cuidado: prefira pimenta do reino moída grossa se você tende a úlceras gástricas pois
o pó muito fino pode agravar ainda mais as feridas.
Pimenta Rosa (schinus terebinthifolius): a pimenta rora é o fruto da Aroeira, arvore
nativa do Brasil. É considerada uma iguaria em outros paises tendo em vista seu
paladar suave e aromático. A pimenta rosa é levemente picante e doce e umas das
pimentas indicadas para pessoas de natureza vata e pitta.

Ações: a pimenta rosa possui em seu óleo essencial poderosa ação antifúngica,
antimicrobiana a antibacteriana, com estudos farmacológicos comprovados contra
Pseudomonas aeruginosa e staphylococcus aureus. É ainda eficaz em distúrbios
respiratórios tendo em vista sua alta concentração de monoterpenos e útil em escarras,
queimaduras e problemas de pele devido a sua ação regeneradora.

Propriedades: hipotensora, estimulante do útero, purgativo, antifúngico,


antibacteriano, regeneradora, antioxidante, cardiotônico

Utilize: A pimenta rosa é geralmente utilizada em pratos refinados como tempero


único, para não perder suas características refinadas. Indico na preparação de molhos
leves de massas a base de óleo e especiarias, caldas para frutas ou mesmo moída e
polvilhada para decoração dos pratos.

Outros usos: Candidíase, protozoários intestinais, micoses, varicela, distúrbios


circulatórios, feblites, tromboses, fraqueza cardíaca, doenças infecciosas de pele
(máscara facial contendo a decocção da semente), infecções pulmonares freqüentes
(inalar o vapor do chá de semente de pimenta rosa), hemorróidas (uso interno).
Farmácia na cozinha parte III

a utilização das especiarias na culinária terapêutica ayurvédica


Sementes

Mostarda (brassica alba): a mostarda é picante, adstringente e quente. É uma das


principais especiarias anti-kapha, sendo seu óleo amplamente utilizado pela ayurveda
para o tratamento deste dosha.

Ações: devido a suas propriedades irritantes, a mostarda é rubefaciente quando


aplicada localmente. Atividade antilarvicida, anticarcinogênica, estimulante, analgésica
e expectorante.

Bom para: kapha +++ e vata+

Utilize: sintomas de excesso de kapha como sinusite e renite, dores e inchaços


articulares, edema, gota, dor de cabeça, catarro e tosse crônica. Ela limpa a cabeça e
seios nasais, e é boa para constipações e tosse crônicas. O pó e o óleo podem ser
utilizados externamente e a semente previamente refogada em óleo na maioria de
pratos salgados.

Cuidado! Evite o contato do óleo com as mucosas.


Cardamomo (elattaria cardamomum): o cardamomo é uma especiaria doce, picante,
morna e muito perfumada. Possui aroma leve e penetrante e com propriedades
energéticas equilibrantes (sátwico).

Propriedades: estomáquico, carminativo, diaforético, expectorante, estimulante da


digestão, antiinflamatório, anti hemético.

Ações: atua em todos os sistemas do corpo, no sistema circulatório atua como


estimulante e contra edemas. No sistema muscular, auxilia para redução de espasmos
(antiespasmódico). No sistema respiratório é um poderoso expectorante, sendo
componente em receitas tradicionais de xaropes. No sistema digestivo, auxilia a regular
o metabolismo do açúcar tonificando o pâncreas, além de estimular as secreções
gástricas.

Princípio ativo principal: eugenol.

Utilize: para aliviar indigestão e flatulências. O cardamomo é perfeito para dar um


toque exótico á sobremesas, sendo muito útil em partos que contenham leite, é um
ótimo antídoto para os efeitos negativos do café, podendo ser passado juntamente com
o pó do café.
Coentro (coriandro sativum): o coentro é uma especiaria com energia fria, fresca,
tanto as folhas quanto as semantes. De sabor amargo e levemente picante, é uma
especiaria indicada para todos os biótipos.

Ações: hipoglicemiante, larvicida, antifúngico, antibacteriano, depurativo e


alcalinizante do sangue, estomáquico e diurético.

Princípio ativo principal: coriandrol

Bom para: pita +++ kapha++ vata+

Utilize: casos de hiperacidez no estômago, micção acompanhada de ardência (cistites),


diarréias de natureza pitta (chá), indigestão e gazes. Na culinária, ss folhas de coentros
são muito utilizadas para amenizar a sensação de queimação de pratos picantes, as
sementes devem ser previamente refogadas antes de serem acrescentada em pratos
como feijões, molhos e recheios de tortas salgadas.
Cominho ( cuminum cyminum): o cominhos é levemente picante, morno e amargo.
Existem dois tipos de cominho, o negro e o comum, e ambos estão senso estudados
farmacológicamente para o tratamento de infecções, principalmente do trato digestivo
e em casos de hipertiroidismo.

Ações: anti-oxidante, quimiopreventivo, analgésico da musculatura lisa,


antiinflamatório, sedativo, atiputrefativo, carminativo

Bom para: vata +++ kapha ++ e pitta ++,

Utilize: insônia (chá), prisão de ventre (pode-se inalar o óleo essencial para estimular
os movimentos peristálticos), gases. Na alimentação, pode-se refogar o cominho em um
pouco de óleo e temperar feijões, raizes, queijos e pães fermentados. Na culinária
ayurvédica, o cominho é utilizado na preparação de bebidas a base de iogurte, chamada
lassi.

Cravo (syzygium aromaticum, eugenia aromatica): o cravo é uma das especiarias


mais conhecidas popularmanet, é picante e de energia.

Bom para: vata +++ , kapha + e Pitta deve evitar o uso constante

Ações: carminativo, expectorante, descongestionante, analgésico, antifúngico,


antiséptico e afrodisíaco.

Princípio ativo principal: eugenol

Utilize: bom para dores de dente (mastigar uma semente), gases e náuseas, dores de
cabeça, tosses com catarro (xarope), espasmos gastro-intestinais, asmas e bronquites.
O óleo essencial é extremamente poderoso quando utilizado puro sobre micoses nas
unhas e diluídos em óleo para fungos de pele. Tendo em vista seu sabor intenso e
penetrante, na culinária não deve-se abusar do cravo com risco de estragar o prato,
uma ou duas sementes são sufivientes para conferir sabor e aroma a cremes a base de
leite ou mesmo a um mingau de aveia.

Noz-moscada ( myristica fragans): a noz-moscada é uma especiaria picante,


adstringente e de energia quente.

Ações: digestiva, analgésica, anestésica e alucinógena (comparada com LSD).

Princípio ativo principal: miristicina

Propriedades: antidiarréica, nervina, redução de níveis totais de colesterol,


estimulante, carminativa e adstringente, sedativa. A homeopatia indica esta planta para
casos de depressão.

Bom para: vata +++ kapha +

Utilize: em casos de dismenorréia, insônia ( ½ colher de café do pó diluída em mel ou


chá), dores abdominais, nervosismo e ansiedade. Uma ótima receita para insônia é
ferver junto com leite e açúcar maskavo 1 colher de café do pó e beber meia hora antes
de se deitar. A noz-moscada pode ser acrescentada em bebidas doces e quentes, a
recheios de massas e pastes e em molhos.
Feno greco (trigonella loenumgraeceu): feno greco é amargo, levemente picante e
morno. É uma especiaria pouco utilizada devido a seu forte sabor amargo, muitas vezes
desagradável na culinária. Na ayurveda, o feno greco é promotor de longevidade e
força.

Ações: hipocolesterolêmica, hipoglicemiante, cardiotônico, antiviral, diurético, anti


hipertensivo.

Utilize: em pequenas quantidades em pó ou em grãos acrescentados em legumes, no


arroz e feijões. Terapeuticamente em casos de constipação, anorexia, gastrites e
externamente em casos de ulcerações de pele, gota, ferimentos e linfadenite.

Funcho ( foeniculum vulgare), erva-doce e anis (pimpinella anisium): Estas três


especiarias possuem características e atividades muito semelhantes. São picantes,
doces e levemente quentes. São é famosas entre as mamães por suas propriedades
lactoestimulantes e por reduzir cólicas em bebês. Ayurvédicamente, a erva-doce é
considerada muito especial, pois tem a habilidade de aumentar o agni sem prejudicar o
dosha Pitta.

Ações: carminativo, digestivo, antiespasmódico, anticonvulsivante, lactagogo e tônico


para o útero.

Utilize: em casos de dores abdominais decorrentes de gazes intestinais, cólicas de


desconfortos menstruais, como facilitador do fluxo menstrual, cólicas em bebês e
crianças, tosse e náuseas matinais. Na culinária é geralmente utilizada na forma de chá,
que pode ser utilizado para cozinhar um arroz por exemplo, conferindo aroma
delicioso.
Farmácia na cozinha - parte IV

a utilização das especiarias na culinária terapêutica ayurvédica


Ervas

Hortelã (mentha x villosa): esta erva é fresca e ao mesmo tempo picante. É indicada
pela ayurveda para pessoas Pitta, mas equilibra os três humores.

Ações: espasmolítica, anti-helmíntica, anti-séptica, carminativa, estomáquica e


antivomitiva.

Propriedades: a hortelã é muito utilizada para o tratamento de ameba, giárdia e


tricomonas, sendo que sua ação contra microparasitas intestinais é utilizada desde a
antiguidade pela medicina tradicional e validada pela farmacologia. É útil também para
náuseas matinais e cólicas infantis.

Utilize: fresca na forma de chá quente ou gelado, batido com sucos de frutas ácidas e
frias, como tempero de salada ou para dar um toque em tortas de forno como as de
triguilho para quibe, ou ainda em massas e pães.
Manjerona (origanum majorona): a manjerona é uma erva quente, picante
levemente doce. muito aromática e lembra o orégano. É boa para pessoas de
constituição vata e kapha e não deve ser utilizada excessivamente por indivíduos pitta.

Ações: diaforética, expectorante, estimulante, antiviral e antibacteriana.

Propriedades: Os efeitos psico-emocionais de seu aroma causam a diminuição da


libido masculina. O óleo essencial é muito indicado na forma de inalação em casos de
asmas. A manjerora é útil para gripes, constipações, gripes, náuseas e indigestão,
insônia, cefaléia e para diminuir flatulências.

Utilize: cozinhar o arroz branco com o chá ou mesmo acrescentar a planta fresca após
o cozimento confere aroma maravilhoso. A planta seca cai muito bem com legumes e
sopas.
Sálvia (salvia officinalis): a sálvia é quente, adstringente, penetrante, picante e
amarga. Seu uso culinário e terapêutico tem origem na idade média.

Bom para: kapha+++ , vata +

Ações: diaforética, diurética, antibacteriana, anseolítica, nervina

Propriedades: suas inflorescências são empregadas para problemas no fégado,


contra lactação, salivação e suor excessivos. Contra depressão ansiedade e
desequilíbrios da menopausa. Contra sudorese excessiva nas mão, pés e axilas e para
ulcerações na boca e aftas.

Utilize: para marinar legumes, em patês e cremes que contenham queijos e leite.
Procure sempre que utilizar a salvia, faze-lo como tempero único, pois ela tende a se
sobre sair em relação a outros temperos.
Orégano (origanum vulgare): quente, picante e estimulante. O orégano é um dos
tempero mais utilizados na culinária, principalmente pela popularidade na pizza. Sua
utilização tem origem na culinária italiana e seu uso terapêutico é descrito por muitas
culturas na literatura etnofarmacológica.

Bom para: kapha +++, vata ++

Ações: forte ação analgésica, espasmolítico, sodorífero, antiséptico,

Propriedades: esta planta é muito boa para tratar gripes e resfriados, flatulência,
estimulante do sistema nervoso e da digestão. É um leve espectorante e pode ser
empregado contra bronquite, asmas, cólicas menstruais, artrite e dores musculares.

Utilize: como sou fã de orégano acredito que ele caia bem com a maioria dos pratos,
com exceção aos doces. Para quem tem o hábito de comer polenta, prato elaborado a
partir da farinha de milho, indico acrescentar durante o cozimento com algumas
colheres de nata fesca. O orégano fica delicioso também em pratos que contenham
queijo, além de ajudar a digerir-los.
Alecrim (rosmarinus officinalis): o alecrim é picante, amargo e morno. É uma planta
boa para os três doshas, especialmente para kapha.

Ações: cardiotônico, espasmolítica sobre sobre vesícula e duodeno, antitumoral,


antiséptico, antimicrobiano, colagogo, colerético, diurético, antiinflamatório intestinal,
cicatrizante.

Propriedades: desintoxica e protege o fígado, trata dores de cabeça de origem


alimentar, cisttite, enterocolites e hemorróidas inflamadas e sintomas de reumatismo.
A medicina tradicional indica ainda, o alecrim em casos de fraqueza, memória fraca,
dismenoréia, má digestão e caspa. Energeticamente, traz alegria e acalento ao coração.

Utilize: o chá para tomar banhos restaurativos e dar brilho aos cabelos. Pode-se
refogar as folhas de alecrim juntamente com alho ou cebola, para a preparação de
tempero de massas e feijões. Fica delicioso quando acrescentado no caldo de grão de
bico.
Manjericão (ocimum ssp.): O manjericão é planta consagrada ao Deus indiano
Krishna, sendo chamado na Índia de Tulsi (ocimum sanctum). De sabor picante e
energia quente e penetrante é considerado uma das ervas alimentícias mais sátwicas
(potencial equilibrante). Esta erva aromática pode ser utilizada pelos três humores,
sendo que pitta deve evitar seu uso excessivo devido a suas qualidades quentes.

OM Tulsayei Vidmahe

Vishnu Priyayei Dhimahi

Tanno Vrinda Prachodayat

Propriedades: alivia febres baixas e intermitentes (de origem vata), melhora a


digestão, alivia espasmos e é efetiva em infecções bacterianas e parasitas intestinais.

Bom para: kapha+++ , vata++ e pitta +

Ações: carminativo, nervino, diaforético, febrífugo, estimulante e antiespasmódico


gástrico.

Utilize: Fresco para temperar saladas e sanduíches, ou seco ao cozinhar legumes, no


arroz, cremes de frutas. Fica delicioso quando batido no liquidificador com sucos, em
especial de frutas de energia kapha com melancia e melão. O óleo essencial de
manjericão pode ser usado para inalações em casos de sinusite. O chá pode ser
empregado por mulheres em casos de menstruação difícil. Uma receita muito
conhecida e deliciosa é o molho pesto, a base de muito manjericão oliva e castanhas.
Tomilho (thymus vulgaris): tomilho é picante, levemente amargo, quente e tem
aroma canforáceo. É muito utilizado não apenas pela culinária, mas também pela
indústria de perfumes e como aromatizante de bebidas.
Bom para: kapha +++, vata +
Ações: diaforético, anti-séptico, antifúngico, antitussígeno, expectorante.
Propriedades: O chá pode ser utilizado para fortalecer os cabelos, para banhos de
assento em casos de candidíase e infecções urinárias e para dosobstrução das vias
respiratórias.