Você está na página 1de 8

1

ÍNDICE

PARTE 4 / Secção 43

[E]

43 PROTECÇÃO CONTRA AS SOBREINTENSIDADES

2

[E]

431 Generalidades

2

[E]

432 Natureza dos dispositivos de protecção

2

[E]

432.1 Dispositivos que garantem, simultaneamente, a protecção contra as sobrecargas e contra

os curtos-circuitos

2

[E]

432.2 Dispositivos que garantem apenas a protecção contra as sobrecargas

3

[E]

432.3 Dispositivos que garantem apenas a protecção contra os curtos-circuitos

3

[E]

432.4 Características dos dispositivos de protecção

3

[E]

433 Protecção contra as sobrecargas

3

[E]

433.1 Generalidades

3

[E]

433.2 Coordenação entre os condutores e os dispositivos de protecção

3

[E]

433.3 Protecção de condutores em paralelo

5

[E]

433.4 Protecção de circuitos terminais em anel

5

[E]

434 Protecção contra os curtos-circuitos

5

[E]

434.1 Generalidades

5

[E]

434.2 Determinação das correntes de curto-circuito presumidas

5

[E]

434.3 Características dos dispositivos de protecção contra os curtos-circuitos

6

[E]

434.4 Protecção contra os curtos-circuitos nos condutores em paralelo

8

[E]

435 Coordenação entre a protecção contra as sobrecargas e a protecção contra os curtos-circuitos

8

[E]

435.1 Protecções garantidas pelo mesmo dispositivo

8

[E]

435.2 Protecções garantidas por dispositivos distintos

8

[E]

436 Limitação das sobreintensidades pelas características da alimentação

8

PARTE 4 / Secção 43

2

[E] 43 PROTECÇÃO CONTRA AS SOBREINTENSIDADES

[E] 431 Generalidades

Nota: Os dispositivos de protecção dos circuitos da instalação não se destinam a garantir a protecção dos circuitos internos dos aparelhos de utilização.

Quando um dispositivo de protecção independente for previsto para garantir a protecção dos circuitos internos de um aparelho de utilização, as suas características devem ser indicadas pelo fabricante do aparelho a proteger.

[E] 431.1 Os condutores activos devem ser protegidos contra as sobrecargas (veja-se 433) e contra os curtos-circuitos (veja-se 434) por um ou mais dispositivos de corte automático, devendo a protecção contra as sobrecargas ser coordenada com a protecção contra os curtos-circuitos, de acordo com o indicado na secção 435 (1) .

Os cabos flexíveis dos equipamentos ligados às instalações fixas através de fichas e de tomadas não estão necessariamente protegidos contra as sobrecargas, estando em estudo a protecção destes cabos contra os curtos-circuitos.

[E] 432 Natureza dos dispositivos de protecção

Os dispositivos de protecção devem ser seleccionados entre os indicados nas secções 432.1 a

432.3.

Nota: Em alguns tipos de instalações (habitações e análogos, estabelecimentos agrícolas ou pecuários, etc.) não podem ser aplicados fusíveis na protecção de circuitos contra as sobreintensidades excepto na alimentação de quadros ou de equipamentos de elevada potência e na protecção de equipamentos de sinalização e de medição (vejam-se as Partes 7 e 8).

[E] 432.1 Dispositivos

que

garantem,

simultaneamente,

sobrecargas e contra os curtos-circuitos

a

protecção

contra

as

Os dispositivos de protecção devem poder interromper qualquer sobreintensidade de valor não inferior ao da corrente de curto-circuito presumida no ponto onde forem instalados. Esses dispositivos devem satisfazer às regras indicadas nas secções 433 e 434.3.1 e podem ser (2) :

a) disjuntores (com disparadores de sobrecarga e de máximo de corrente);

b) disjuntores associados a fusíveis;

c) fusíveis do tipo gG.

Nota: Os fusíveis do tipo gG devem satisfazer à Norma EN 60269.

Os disjuntores devem satisfazer às Normas EN 60898, EN 60947-1, EN 60947-2, EN 61009.

(1) - Os condutores activos protegidos contra as sobrecargas de acordo com o indicado na secção 433 são considerados como protegidos também contra os curtos-circuitos susceptíveis de produzirem correntes de defeito da ordem de grandeza das correntes de sobrecarga. Para as condições de aplicação, veja-se a secção 473. A protecção dos cabos flexíveis nas instalações fixas está incluída nas presentes regras.

(2) - O fusível é composto por todas as partes que formam o conjunto do dispositivo de protecção, nomeadamente, a base e o elemento de substituição.

A utilização de um dispositivo com um poder de corte inferior à corrente de curto-circuito presumida no ponto em que estiver instalado deve obedecer às regras indicadas na secção 434.3.1.

3

PARTE 4 / Secção 43

[E]

432.2 Dispositivos que garantem apenas a protecção contra as sobrecargas

Estes dispositivos, que, em regra, têm uma característica de funcionamento de tempo inverso e que podem ter um poder de corte inferior à corrente de curto-circuito presumida no ponto onde forem instalados, devem satisfazer às regras indicadas na secção 433.

[E]

432.3 Dispositivos que garantem apenas a protecção contra os curtos-circuitos

Quando a protecção contra as sobrecargas for feita por outros meios ou, quando, na secção 473, se admitir a dispensa da protecção contra as sobrecargas, devem ser utilizados dispositivos de protecção que interrompam qualquer corrente de curto-circuito de valor não superior ao da corrente de curto-circuito presumida. Esses dispositivos de protecção, que devem satisfazer às regras indicadas na secção 434, podem ser:

a) disjuntores com disparador de máximo de corrente;

b) fusíveis dos tipos gG ou aM.

Nota: Os fusíveis do tipo aM não garantem a protecção contra as sobrecargas.

[E]

432.4 Características dos dispositivos de protecção

As características tempo/corrente dos dispositivos de protecção contra as sobreintensidades devem satisfazer às regras estabelecidas nas respectivas normas (3) .

Nota: Veja-se a Nota da secção 432.1.

[E]

433 Protecção contra as sobrecargas

[E]

433.1 Generalidades

Devem ser previstos dispositivos de protecção que interrompam as correntes de sobrecarga dos condutores dos circuitos antes que estas possam provocar aquecimentos prejudiciais ao isolamento, às ligações, às extremidades ou aos elementos colocados nas proximidades das canalizações.

Nota: Para a determinação das secções dos condutores e para a selecção dos dispositivos de protecção contra as sobrecargas, veja-se a secção 533.2.

[E]

433.2 Coordenação entre os condutores e os dispositivos de protecção

As características de funcionamento dos dispositivos de protecção das canalizações contra as sobrecargas devem satisfazer, simultaneamente, às duas condições seguintes (4) :

1)

2)

I

I

B

2

I

n

145

,

I

I

z

z

(3) - Isto não impede a utilização de outros dispositivos de protecção desde que as respectivas características tempo/corrente garantam um nível de protecção equivalente.

(4) - Em certos casos, esta regra não garante uma protecção completa (por exemplo, as sobreintensidades prolongadas inferiores a I 2 ) e não conduz necessariamente à solução mais económica, pelo que se pressupõe que o circuito seja concebido de modo a que as sobrecargas de reduzido valor e de longa duração não se produzam habitualmente.

PARTE 4 / Secção 43

em que:

4

I B é a corrente de serviço do circuito, em amperes;

I z é a corrente admissível na canalização (veja-se 523), em amperes;

I n é a corrente estipulada do dispositivo de protecção, em amperes (5) ;

I 2 é a corrente convencional de funcionamento, em amperes (veja-se 254.2A).

Na prática I 2 é igual:

- à corrente de funcionamento, no tempo convencional, para os disjuntores;

- à corrente de fusão, no tempo convencional, para os fusíveis do tipo gG.

Nota: A figura 43GA traduz, esquematicamente, as condições indicadas nesta regra.

Canalização:

Dispositivo

de protecção:

Corrente

de serviço

0

I B

Corrente

estipulada

Corrente

admissível

I n

I Z

I 2

Corrente convencional de funcionamento

1,45 I z

Z I 2 Corrente convencional de funcionamento 1,45 I z I Figura 43GA - Coordenação entre

I

Figura 43GA - Coordenação entre os condutores e os dispositivos de protecção

Para que um dispositivo de protecção garanta a protecção de uma canalização contra as sobrecargas é necessário verificarem-se as condições seguintes :

a)

b)

I

I

B

2

I I

n

1 , 45 I

z

z

k2.In 1,45 Iz

em que :

k3 In Iz

In Iz / k3

k 2 é a relação entre o valor da corrente I 2 que garante o funcionamento efectivo do dispositivo de protecção e a sua corrente estipulada I n (ou, para os disjuntores com regulação, o valor da corrente de regulação - I r )

k 3 = k 2 / 1,45

O valor de k 2 depende da natureza do dispositivo de protecção, assumindo, consoante se trate de disjuntores ou de fusíveis, os valores seguintes :

- para disjuntores:

k

2 = 1,45 para os disjuntores modulares (EN 60898)

k

2 = 1,30 para outros disjuntores

(5) - Para os dispositivos de protecção reguláveis, I n é a corrente de regulação seleccionada.

- para fusíveis:

k

2 = 1,6 para I n 16 A

k

2 = 1,9 para 4 A < I n < 16 A

k

2 = 2,1 para I n 4A

5

Na prática é necessário verificar o seguinte :

- para disjuntores :

I

B

I I

n

z

- para fusíveis :

I

B

I

n

I 1 , 45 I

2

z ou I n

I

z

/ k 3

PARTE 4 / Secção 43

em que, para os fusíveis do tipo gG, k 3 assume os valores seguintes:

k3 = 1,10 para In 16 A

k3 = 1,31 para 4 A < In < 16 A

k3 = 1,45 para In 4A

[E]

433.3 Protecção de condutores em paralelo

Quando um dispositivo de protecção proteger vários condutores em paralelo, o valor de I z a considerar é a soma das correntes admissíveis nos diferentes condutores, desde que a corrente transportada por cada um deles seja sensivelmente a mesma (6) .

[E]

433.4 Protecção de circuitos terminais em anel

(Em estudo).

[E]

434 Protecção contra os curtos-circuitos (7)

[E]

434.1 Generalidades

Devem ser previstos dispositivos de protecção que interrompam as correntes de curto-circuito antes que estas se possam tornar perigosas em virtude dos efeitos térmicos e mecânicos que se produzam nos condutores e nas ligações.

[E]

434.2 Determinação das correntes de curto-circuito presumidas

As correntes de curto-circuito presumidas devem ser determinadas, por cálculo ou por medição, em todos os pontos das instalações julgados necessários.

(6) - Na prática, esta medida só é aceitável se as canalizações tiverem as mesmas características eléctricas (natureza, modo de colocação, comprimento e secção) e não tiverem qualquer derivação ao longo de todo o seu percurso. No entanto, pode ser conveniente fazer-se uma verificação.

(7) - Consideram-se apenas os curtos-circuitos entre condutores de um mesmo circuito.

PARTE 4 / Secção 43

6

Nota: As correntes de curto-circuito assumem valores diferentes consoante afectem duas fases, três fases ou uma fase e o neutro, devendo o poder de corte dos dispositivos de protecção ser garantido para cada um desses valores.

Os valores das correntes de curto-circuito podem ser determinados por um dos meios seguintes:

a) método de cálculo apropriado;

b) estudo sobre um modelo da rede;

c) medições feitas na instalação;

d) informações fornecidas pelo distribuidor de energia eléctrica.

[E] 434.3 Características dos dispositivos de protecção contra os curtos-circuitos

Todos os dispositivos que garantam a protecção contra os curtos-circuitos devem satisfazer, simultaneamente, às condições indicadas nas secções 434.3.1 e 434.3.2.

[E] 434.3.1 O poder de corte não deve ser inferior à corrente de curto-circuito presumida no ponto em que o dispositivo for instalado, excepto se existir, a montante, um dispositivo com um poder de corte apropriado. Neste caso, as características dos dois dispositivos devem ser coordenadas por forma a que a energia que o dispositivo situado a montante deixa passar não seja superior às energias suportáveis pelo dispositivo situado a jusante e pelas canalizações protegidas (8) .

Nota: Quando não existirem regras sobre a correspondência entre dispositivos de protecção diferentes, devem ser solicitadas aos fabricantes destes dispositivos as indicações necessárias.

[E] 434.3.2 O tempo de corte da corrente resultante de um curto-circuito que se produza em qualquer ponto do circuito não deve ser superior ao tempo necessário para elevar a temperatura dos condutores até ao seu limite admissível.

Para os curtos-circuitos de duração não superior a 5 s, o tempo necessário para que uma corrente de curto-circuito eleve a temperatura dos condutores da temperatura máxima admissível em serviço normal até ao valor limite pode ser calculado, numa primeira aproximação, através da fórmula seguinte (9) :

(8) - Em certos casos especiais, pode ser necessário considerar outras características para os dispositivos situados a jusante (tais como os esforços electrodinâmicos e a energia do arco), para o que devem ser obtidas as informações necessárias junto dos fabricantes.

(9) - Para tempos muito curtos (t < 1 s), em que a assimetria é importante, e para os dispositivos de limitação de corrente, o valor de k²S² deve ser superior ao valor da energia (I²t) que o dispositivo de protecção deixa passar (indicado pelo fabricante). Estão em estudo outros valores de k para:

- condutores de pequena secção (nomeadamente, para secções inferiores a 10 mm 2 );

- tempos de curto-circuito superiores a 5 s;

- outros tipos de ligações nos condutores;

- condutores nus;

- condutores blindados com isolamento mineral.

A corrente estipulada do dispositivo de protecção contra os curtos-circuitos pode ser superior à corrente admissível nos condutores do circuito.

em que:

t é o tempo, em segundos;

 7  t = k
 7 
t
= k

S

I cc

PARTE 4 / Secção 43

S é a secção dos condutores, em milímetros quadrados;

I cc é a corrente de curto-circuito efectiva (valor eficaz), em amperes, isto é, a corrente de um curto-circuito franco verificado no ponto mais afastado do circuito considerado;

k é uma constante, cujo valor é igual a:

115

para os condutores de cobre isolados a policloreto de vinilo;

134

para os condutores de cobre isolados a borracha para uso geral ou a borracha butílica;

143 para os condutores de cobre isolados a polietileno reticulado ou a etileno- propileno;

76

para os condutores de alumínio isolados a policloreto de vinilo;

89

para os condutores de alumínio isolados a borracha butílica;

94 para os condutores de alumínio isolados a polietileno reticulado ou a etileno- propileno;

115 para as ligações soldadas a estanho aos condutores de cobre (correspondendo a uma temperatura de 160° C).

Nota: A fórmula que relaciona o tempo de corte, a corrente de curto-circuito e a secção dos condutores pressupõe que, durante o tempo de passagem da corrente de curto-circuito, o aquecimento dos condutores é adiabático, isto é, que a energia dissipada por efeito Joule apenas aquece os condutores, não havendo dissipação de calor.

Os valores da constante k são válidos para as temperaturas máximas em curto-circuito seguintes :

160° C para os isolamentos a policloreto de vinilo;

220° C para os isolamentos a borracha butílica;

250° C para os isolamentos a polietileno reticulado ou a etileno-propileno.

Para os condutores nus, as temperaturas máximas em curto-circuito são definidas tendo em conta as características mecânicas dos condutores (para evitar, por exemplo, o recozimento do metal) e a natureza dos isolantes próximos.

Em certos casos especiais, pode ser necessário reduzir as temperaturas máximas tendo em conta as características mecânicas dos condutores e dos cabos (como, por exemplo, para os cabos auto-suportados).

PARTE 4 / Secção 43

8

[E]

434.4 Protecção contra os curtos-circuitos nos condutores em paralelo

Um mesmo dispositivo de protecção pode proteger contra os curtos-circuitos vários condutores em paralelo, desde que as características de funcionamento do dispositivo e o modo de colocação dos condutores em paralelo sejam coordenados (10) (para a selecção do dispositivo de protecção, veja-se a secção 53).

[E]

435 Coordenação entre a protecção contra as sobrecargas e a protecção contra os curtos-circuitos

[E]

435.1 Protecções garantidas pelo mesmo dispositivo

Se o dispositivo de protecção contra as sobrecargas obedecer ao indicado na secção 433 e tiver um poder de corte não inferior à corrente de curto-circuito presumida no ponto de instalação, considera-se que este dispositivo garante, também, a protecção contra os curtos- circuitos da canalização situada a jusante desse ponto (11) .

[E]

435.2 Protecções garantidas por dispositivos distintos

As regras aplicáveis aos dispositivos de protecção contra sobrecargas são as indicadas na secção 433 e as relativas aos dispositivos de protecção contra os curtos-circuitos são as indicadas na secção 434.

As características destes dispositivos devem ser coordenadas por forma a que a energia que o dispositivo de protecção contra os curtos-circuitos deixa passar não seja superior à que o dispositivo de protecção contra as sobrecargas pode suportar, sem se danificar (12) .

[E]

436 Limitação das sobreintensidades pelas características da alimentação

Os condutores alimentados por uma rede de impedância tal que a corrente máxima fornecida não possa ser superior à corrente admissível nos condutores (por exemplo, de certos transformadores de campainha, de certos transformadores de soldadura e de certos geradores accionados por motor térmico) são considerados como protegidos contra qualquer sobreintensidade.

Nota: Os transformadores de segurança e os transformadores de separação (que devem satisfazer à

Norma EN 60742) e que sejam resistentes, por construção ou por dispositivo incorporado, aos curtos-circuitos e

às sobrecargas susceptíveis de se produzirem em serviço normal, não necessitam de qualquer dispositivo de

protecção contra as sobrecargas e contra os curtos-circuitos que ocorram a jusante destes transformadores (se

estes transformadores não forem resistentes aos curtos-circuitos, é necessário instalar dispositivos de protecção contra as sobrecargas e contra os curtos-circuitos).

O circuito de alimentação do transformador deve ser protegido contra os curtos-circuitos e, se necessário,

contra as sobrecargas, de acordo com as presentes Regras Técnicas.

(10) - Devem-se ter em conta as condições susceptíveis de se produzirem num curto-circuito que não afecte todos os condutores (estão em estudo regras pormenorizadas).

(11) - Para certos tipos de disjuntores (nomeadamente, para os que não limitam a corrente), esta regra pode não ser aplicável em toda a gama das correntes de curto-circuito, sendo a verificação feita de acordo com o indicado na secção 434.3.

(12) - Esta regra não exclui os tipos de coordenação especificados na Norma EN 60947-4-1.