Você está na página 1de 99

O3

Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de
Planilhas Eletrônicas

Leandro Silveira
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

Instrutor Principal:

Leandro José da Silveira

Gestor Governamental (Planejamento, Orçamento e Gestão)


Gerente da Rede Pernambucana de Pesquisa e Educação (REPEPE) / SECTI

Especialização em Gestão da Manutenção (UPE).


MBA em Administração Pública e Gerenciamento de Cidades (UNINTER).
Bacharelado em Engenharia Elétrica e Telecomunicações (INATEL-MG).
Certificação GREEN BELT (INDG – FALCONI)
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

Instrutor Secundário:

Hugo Augusto Vasconcelos Medeiros

Gestor Governamental (Planejamento, Orçamento e Gestão)


Coordenador do Núcleo de Ciência de Dados (NCD) / SEPLAG.

Doutor em Educação (UFPE).


MBA em Administração Pública e Gerenciamento de Cidades (UNINTER).
Licenciado em História (UFPE).
Graduando em Sistemas da Informação (ESTÁCIO).
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

1- Introdução

 Fundamentos da Gestão do Conhecimento.


 Principais conceitos básicos de Banco de Dados.
 Tipos e modelos de Banco de Dados.
 Componentes e termos comuns de Banco de Dados.
 Estrutura de Banco de Dados.
 O que é Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD).
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

2- Banco de Dados Relacional

 Tabelas (ou relações, ou entidades)


 Registros (ou tuplas)
 Colunas (atributos)
 Tipos de Dados (Número, texto, data/hora)
 Chave
 Relacionamentos
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

3- Banco de Dados Multidimensional

 Sistemas Transacionais X Sistemas Analíticos;


 Data Warehouses e Data Marts;
 Dimensões;
 Dimensão Tempo;
 Medidas;
 Fatos;
 Agregações;
 Modelo Estrela.
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

4- Estruturando um Banco de Dados a partir de Bases de Dados em planilhas


eletrônicas

 Organizar as informações na planilha.


 Aplicar a estrutura de Banco de Dados na planilha.
 Formatar os campos do Banco de Dados na planilha.
 Importar arquivos de Base de Dados externos usando planilhas eletrônicas.
 Tratar arquivos de Base de Dados externos usando planilhas eletrônicas.
 Exportar a planilha eletrônica estruturada em Banco de Dados para SGBD ou
ferramentas de BI (Business Intelligence).
Criação e Estruturação de
Banco de Dados com usos de Planilhas Eletrônicas

1- Introdução

 Fundamentos da Gestão do Conhecimento.


 Principais conceitos básicos de Banco de Dados.
 Tipos e modelos de Banco de Dados.
 Componentes e termos comuns de Banco de Dados.
 Estrutura de Banco de Dados.
 O que é Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD).
Dado x Informação

Muitas vezes, utiliza-se de forma incorreta os termos “Dados” e


“Informação”, quando na realidade são conceitos distintos.
Dado

 Dados são fatos isolados.


 Dados são descrições de atividades.
 Os Dados sozinhos não conseguem representar um significado
completo, ou seja, não tem significado próprio isoladamente.

Exemplos:

 A idade
 O número de 8 dígitos
 Uma temperatura
Informação

 A Informação é um conjunto de dados organizados que gera uma


mensagem sobre um determinado evento ou assunto.
 A Informação é um recurso que atribui significado à realidade.
 A Informação possui um contexto e um propósito.
 A Informação é o resultado da aplicação de um conjunto de
operações sobre os dados.

Dados Processamento Informação

Observação importante:
 A Informação tem caráter subjetivo.

 Aquilo que para uma pessoa/grupo poderá ser uma informação,


para outra poderá não ser.
Conhecimento

O Conhecimento é a
compreensão dos dados e Conhecimento
informações com o propósito de
tomada de decisão. É um
As informações quando
processo inerente à mente
Processamento organizadas e processadas
humana e seu saber.
geram Conhecimento.

Informação

O Dados quando organizados e


Processamento
processados geram Informação.
/

Dados
Sabedoria

Sabedoria é o uso do conhecimento com


responsabilidade, dentro de princípios e
Sabedoria valores éticos e morais.

Conhecimento

Informação
/

Dados
Fundamentos da Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento NÃO é:


• Sistema de informação;
• Compartilhar informação; Fazem parte da
• Banco de dados; Gestão do
• Gestão de processos;
Conhecimento
• Sistema de gestão de metas;
• Gestão por resultados.
Fundamentos da Gestão do Conhecimento

A Gestão do Conhecimento é um processo sistemático, articulado e intencional,


apoiado na geração, codificação, disseminação e apropriação de conhecimentos
com o propósito de atingir excelência organizacional.

A Gestão do Conhecimento é um conjunto de técnicas e ferramentas usadas


para identificar e utilizar os ativos de informação e de conhecimento da
organização com o objetivo de aumentar o seu desempenho.
Fundamentos da Gestão do Conhecimento

O que acontece quando a organização não utiliza a Gestão do


Conhecimento da melhor forma?

 Repetição de erros;
 Retrabalhos;
 Trabalhos ou funções duplicadas;
 Dificuldades na relação com clientes e fornecedores;
 As boas ideias não são compartilhadas;
 A organização não consegue acompanhar os líderes de mercado;
 Dependência de indivíduos chaves;
 Lentidão para lançar novos serviços ou produtos;
 Dificuldade na troca de experiências com o mercado.
O que é Banco de Dados?

 Coleção de dados que se relacionam de forma a dar um sentido.

 Segundo Henry F. Korth, um banco de dados é “Coleção de dados


inter-relacionados, representando informações sobre um domínio
específico”.

 Conjunto de dados estruturados, que são confiáveis, coerentes e


compartilhados por usuários que têm necessidade de informações
diferentes.

 É uma estrutura organizada na qual se pode armazenar dados, de


forma estruturada/organizada, podendo ser facilmente consultada
a qualquer momento, por um programa ou pessoa, permitindo
extrair informações.
Exemplos de Banco de Dados
Exemplos de Banco de Dados
Exemplos de Banco de Dados
Componentes e Termos comuns em um Sistema de Banco de Dados

Os componentes básicos de um sistema de Banco de Dados:

1 – Dados 3 – Software
2 – Hardware 4 – Usuários

Os objetivos de um sistema de banco


de dados são o de isolar o usuário dos
detalhes internos do banco de dados
e promover a independência dos
dados em relação às aplicações, ou
seja, tornar independentes da
aplicação a estratégia de acesso e a
forma de armazenamento.
SGBD – Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

 O que é SGBD?
 É um software que possui recursos capazes de manipular as informações do
banco de dados e interagir com o usuário.
 É o software responsável pelo gerenciamento (armazenamento e recuperação)
dos dados no Banco de Dados.
 Coleção de programas que permite ao usuário criar e manter um BD.
 A integração entre BD físico e os usuários se dá por meio de um software, o
SGBD.
SGBD – Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

SGBDs existentes (mais comuns)

• Access
• PostgreSQL
• Oracle
• DBase
• IBM DB2 Universal Database
• Microsoft SQL Server
SGBD – Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

Access
SGBD – Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

MySQL
Banco de Dados? Base de Dados?
Banco de Dados ou Base de Dados?

Costumamos chamar de
Banco de Dados,
mas o correto seria SGBD

Banco de Dados

• Programadores
• Administrador do BD
• Usuário final do BD
Banco de Dados ou Base de Dados?

Base de Dados

• Base de Dados é aquilo que o


SGBD produz para ser manipulado
por ele ou por outros softwares.
• A Base de Dados tem as mesmas
características que o Banco de
Dados.
• A Base de Dados é parte do Banco
de Dados.
Sistema de Banco de Dados com geração de Informação
Base de Dados

INFORMAÇÃO
Sistema de Banco de Dados usando o Excel
Base de Dados

Arquivos
Software Excel Planilhas
(abas)

INFORMAÇÃO

Arquivos Excel *.xlsx


Sistema de Banco de Dados usando o Excel

Macro fluxo dos arquivos usados na geração da


apresentação semanal do PPV

QlikView atual do PPV


Componentes e Termos comuns em um Sistema de Banco de Dados

 Campo ...

... é a unidade básica de uma tabela. Possui um nome, tipo e


tamanho.

Ex.: Nome, Telefone, Salário....

Nome Telefone Salário


Componentes e Termos comuns em um Sistema de Banco de Dados

 Dado...

... é o valor do campo quando armazenado no Banco de Dados.

Campos Nome Telefone Salário


João 98888-9999 R$ 2.000

Dados
Componentes e Termos comuns em um Sistema de Banco de Dados

No exemplo:
Qual é o número de alunos da Escola Eduardo Campos matriculados na
disciplina de inglês no primeiro semestre 2014 ?
Resposta: 153 alunos

Qual é o dado no exemplo?


153 alunos

Quais são os elementos de dados?


Disciplina: inglês
Período: primeiro semestre 2014
Matriculados: 153
Local: Escola Eduardo Campos
Município: Recife
Nível: Médio
Componentes e Termos comuns em um Sistema de Banco de Dados

 Registro...

... é um conjunto de dados de uma tabela. Nada mais é que uma


linha da tabela.

Nome Telefone Salário


Registro João 98888-9999 R$ 2.000
Maria 97777-7777 R$ 3.000
Componentes e Termos comuns em um Sistema de Banco de Dados

 Tabela...

... é a união de linhas e colunas para armazenamento de dados.

Nome Telefone Salário


João 98888-9999 R$ 2.000
Maria 97777-7777 R$ 3.000

Tabela é a estrutura de todo e qualquer Banco de Dados


(Tabelas/colunas/linhas)
Tipos/Modelos de Banco de Dados

 O que são Modelos de Banco de Dados?


São formas de representação que servem para descrever as estruturas
das informações contidas em um BD.

 Quais são o Modelos de Bancos de Dados?

1. Hierárquico
2. Rede
3. Relacional
4. Estrela
Modelo Hierárquico

 Um modelo hierárquico representa dados como uma estrutura em árvore,


composto de uma hierarquia de registros de dados.

 Os primeiros bancos de dados foram baseados nesta abordagem.

 Um banco de dados hierárquico, compõe-se de um conjunto ordenado de


árvores – mais precisamente, de um conjunto ordenado de ocorrências
múltiplas de um tipo único de árvore.
Exemplo de um Modelo Hierárquico

Filial 01 – São Paulo

Departamento

01 - Financeiro 02 - Adm 03 - Industrial

Funcionário

001 - João 002 - Pedro 003 - Paulo 004 - Maria


Exemplo de um Modelo Hierárquico

Filial Departamento Funcionário


São Paulo Financeiro João
São Paulo Financeiro Pedro
São Paulo Industrial Maria
São Paulo Adm Paulo
Exemplo de um Modelo Hierárquico

Filial 01 – São Paulo

Departamento

01 - Financeiro 02 - Adm 03 - Industrial

Funcionário

001 - João 002 - Pedro 003 - Paulo 004 - Maria

005 - Ana
Exemplo de um Modelo Hierárquico

Filial Departamento Funcionário Filial Departamento Funcionário


São Paulo Financeiro João São Paulo Financeiro João
São Paulo Financeiro Pedro São Paulo Financeiro Pedro
São Paulo Industrial Maria São Paulo Industrial Maria
São Paulo Adm Paulo São Paulo Adm Paulo
São Paulo Adm Ana
Exemplo de um Modelo Hierárquico

Banco 01 – Banco ABC

Cliente

Maria Rua 1 Recife Pedro Rua 5 Olinda

Conta
2101-0 R$ 5000 3101-4 R$ 10000
Exemplo de um Modelo Hierárquico

Banco Cliente Conta


Banco Nome Rua Cidade CC Saldo
Banco ABC Maria Rua 1 Recife 2101-0 R$ 5.000
Banco ABC Pedro Rua 5 Olinda 3101-4 R$ 10.000
Modelo em Rede

 Representa os dados como registros vinculados uns aos outros formando


conjuntos comuns de dados.

 Existe uma similaridade muito grande entre o modelo hierárquico e o


modelo em rede. Pode-se entender o modelo em rede como uma extensão
do modelo hierárquico.

 Em um BD estruturado como um modelo em rede há frequentemente mais


de um caminho para acessar um determinado elemento de dado.

 A principal diferença entre a abordagem hierárquica e a em rede é que um


registro-filho tem exatamente um pai na abordagem hierárquica, enquanto
na estrutura de rede um registro-filho pode ter qualquer número de pais.
Exemplo de um Modelo em Rede

001 - João
01 - Comercial
01 - Recife 002 - Pedro

02 - Adm
003 - Paulo
02 – João Pessoa
03 - Industrial
004 - Maria
Exemplo de um Modelo em Rede

Filial Departamento Funcionário


Recife Comercial João
Recife Comercial Pedro
Recife Administrativo Paulo
Recife Industrial Maria
João Pessoa Comercial João
João Pessoa Comercial Pedro
João Pessoa Administrativo Paulo
João Pessoa Industrial Maria
Exemplo de um Modelo em Rede

001 - João
01 - Comercial
01 - Recife 002 - Pedro

02 - Adm
003 - Paulo
02 – João Pessoa
03 - Industrial
004 - Maria

005 - Ana
Exemplo de um Modelo em Rede

Filial Departamento Funcionário Filial Departamento Funcionário


Recife Comercial João Recife Comercial João
Recife Comercial Pedro Recife Comercial Pedro
Recife Administrativo Paulo Recife Administrativo Paulo
Recife Industrial Maria Recife Industrial Maria
João Pessoa Comercial João João Pessoa Comercial João
João Pessoa Comercial Pedro João Pessoa Comercial Pedro
João Pessoa Administrativo Paulo João Pessoa Administrativo Paulo
João Pessoa Industrial Maria João Pessoa Industrial Maria
Recife Industrial Ana
João Pessoa Industrial Ana
Modelo Relacional

 É o modelo mais usado em bancos de dados.

 Representa os dados como uma simples coleção de linhas e colunas


em tabelas bidimensionais, porém, elas se relacionam entre si e,
dependendo desse relacionamento, carregam dados de outras
tabelas consigo como referência à tabela que se relaciona.
Modelo Relacional

 É o modelo mais usado em bancos de dados.

 Representa os dados como uma simples coleção de linhas e colunas


em tabelas bidimensionais, porém, elas se relacionam entre si e,
dependendo desse relacionamento, carregam dados de outras
tabelas consigo como referência à tabela que se relaciona.
Modelo Relacional

Exemplo:
VEÍCULO
PLACA FABRICANTE MARCA ANO COR CODCLIENTE
ISSO-0078 RENAULT SANDERO 2009 VERMELHO 1
ITO - 1314 VOLKSVAGEM FOX 2010 AZUL 2
IJM-1453 HYUNDAI 130 2014 PEROLA 3
IVA-2018 CHEVROLET ONIX 2015 VBRANCO 2
MAI-1852 CITROEN C3 2013 PRETO 3

CLIENTE
CODCLIENTE NOME IDADE TELEFONE
1 Paulo 23 5184259863
2 Pâmela 35 5196698752
3 Rogério 30 5598633248
Modelo Relacional

Exemplo:
VEÍCULO
PLACA FABRICANTE MARCA ANO COR CODCLIENTE
ISSO-0078 RENAULT SANDERO 2009 VERMELHO 1
ITO - 1314 VOLKSVAGEM FOX 2010 AZUL 2
IJM-1453 HYUNDAI 130 2014 PEROLA 3
IVA-2018 CHEVROLET ONIX 2015 VBRANCO 2
MAI-1852 CITROEN C3 2013 PRETO 3

CLIENTE
CODCLIENTE NOME IDADE TELEFONE
1 Paulo 23 5184259863
2 Pâmela 35 5196698752
3 Rogério 30 5598633248
Modelo Relacional

Exemplo:
VEÍCULO
PLACA FABRICANTE MARCA ANO COR CODCLIENTE
ISSO-0078 RENAULT SANDERO 2009 VERMELHO 1
ITO - 1314 VOLKSVAGEM FOX 2010 AZUL 2
IJM-1453 HYUNDAI 130 2014 PEROLA 3
IVA-2018 CHEVROLET ONIX 2015 VBRANCO 2
MAI-1852 CITROEN C3 2013 PRETO 3

CLIENTE
CODCLIENTE NOME IDADE TELEFONE
1 Paulo 23 5184259863
2 Pâmela 35 5196698752
3 Rogério 30 5598633248
Modelo Relacional

Exemplo:

PLACA FABRICANTE MARCA ANO COR CODCLIENTE NOME IDADE TELEFONE


ISSO-0078 RENAULT SANDERO 2009 VERMELHO 1 Paulo 23 5184259863
ITO - 1314 VOLKSVAGEM FOX 2010 AZUL 2 Pâmela 35 5196698752
IJM-1453 HYUNDAI 130 2014 PEROLA 3 Rogério 30 5598633248
IVA-2018 CHEVROLET ONIX 2015 VBRANCO 2 Pâmela 35 5196698752
MAI-1852 CITROEN C3 2013 PRETO 3 Rogério 30 5598633248

PLACA FABRICANTE MARCA ANO COR CODCLIENTE CODCLIENTE NOME IDADE TELEFONE
ISSO-0078 RENAULT SANDERO 2009 VERMELHO 1
ITO - 1314 VOLKSVAGEM FOX 2010 AZUL 2 1 Paulo 23 5184259863
IJM-1453 HYUNDAI 130 2014 PEROLA 3 2 Pâmela 35 5196698752
IVA-2018 CHEVROLET ONIX 2015 VBRANCO 2
MAI-1852 CITROEN C3 2013 PRETO 3
3 Rogério 30 5598633248
Modelo Relacional

Exemplo de modelo relacional do fluxo de caixa dos bancos.

Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3


Banco Lançamentos Fluxo
Código_Banco Código Lançamento Data
Nome_Banco Descrição Código_Banco
Tipo Código_Lançamento
Sigla Valor
Modelo Relacional

Exemplo de modelo relacional do fluxo de caixa dos bancos.


Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3
Banco Lançamentos Fluxo
Código_Banco Código Lançamento Data
Nome_Banco Descrição Código_Banco
Tipo Código_Lançamento
Sigla Valor
RESULTADO
Data
Código_Banco
Código_Lançamento
Valor
Nome_Banco
Descrição
2- Banco de Dados Relacional

 Tabelas (ou relações, ou entidades).


 Registros (ou tuplas).
 Colunas (atributos).
 Tipos de Dados (Número, texto, data/hora).
 Chave.
 Relacionamentos.
 Como aplicar os relacionamentos em Excel.
Banco de Dados Relacional

Lembrando

 Um banco de dados relacional consiste em uma coleção de tabelas.

 Tabelas que se relacionam.


Banco de Dados Relacional
Estrutura da Tabela Relacional (Entidade, Atributo e Registro)

Tabela
Valor do atributo
Relação / Entidade: Funcionário
Coluna / Atributo Nome do atributo

Matrícula Nome_Funcionário Sexo Departamento


123-4 João M Comercial
122-5 Pedro M Comercial
Linha, 432-1 Paulo M Administrativo
Registro 567-8 Maria F Industrial
Tupla
345-6 Ana F RH
Tabelas (ou relação ou entidade)

Regras para criação de tabelas em BD relacionais:

1. Em um banco de dados relacional, as tabelas devem ter nomes


únicos. Não pode repetir o mesmo nome para tabelas
diferentes.

2. A tabela deve ter um nome que expresse exatamente o que ela


armazena.

Ex.: Veículo (placa, ano, modelo, cor)


Coluna / Atributo / Campo

Regras para criação de um atributo / campo:

1. Em uma tabela relacional, o nome do atributo deve ser único.

2. O atributo deve ter um nome que expresse exatamente o que ela


armazena.

3. O valor de um atributo não pode ser decomposto em mais de


uma coluna.

4. Os atributos não seguem um ordenamento específico.

5. Deve-se utilizar prefixos padronizados.


Exemplos: Cod-Dept, Nome-Funcionario, Qtde-Estoque, Nome_Func.
Linha / Registro / Tupla

Regras para os registros:

1. Cada registro na tabela deve ser único. Não devem existir


linhas duplicadas.

2. Os registros não seguem um ordenamento específico.

3. Como cada linha é única, deve existir um campo/atributo que


identifique cada linha na tabela. Esse atributo identificador é
chamado de chave primária.
Exemplo: Modelo Relacional em um Banco Dados

Exemplo de modelo relacional do fluxo de caixa dos bancos em um BD.

Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3


Banco Lançamentos Fluxo
Código_Banco Código Lançamento Data
Nome_Banco Descrição Código_Banco
Tipo Código_Lançamento
Sigla Valor
Modelagem Lógica de um Banco de Dados Relacional

Filial Fluxo
Código_Banco Data
Nome_Banco Código_Banco
Código_Lançamento
Valor
Lançamentos
Código Lançamento
Descrição
Tipo
Sigla
RESULTADO
Data
Código_Banco
Filial (Código_Banco; Nome_Banco)
Lançamento (Código_Lançamento; Descrição; Tipo; Sigla) Código_Lançamento
Fluxo (Data; Código_Banco; Código_Lançamento_Valor) Valor
RESULTADO (Data; Código_Banco; Código_Lançamento_Valor,
Nome_Banco, Descrição)
Nome_Banco
Descrição
Exemplo: Modelo Relacional em um Banco Dados

Exemplo de modelo relacional do fluxo de caixa dos bancos em um Excel


Cardinalidade

1 N
1. 1 para N Vendedor Atende Cliente

N 1
Funcionários Pertence Departamento
2. N para 1

1 1
Funcionário Gerencia Departamento
3. 1 para 1

N N
4. N para N Cliente Compra Produto
Chave Primária

O que é a chave primária?

 É um valor, um dado, que nunca se repete dentro da tabela.


 É um índice das linhas/registros de uma tabela.
 Não pode ter valores nulos ou vazios.

Chave Primária Simples – formada por um único campo da tabela

Chave Primária Composta – formada por mais de um campo da tabela

Qual o campo candidato a Chave Primária nos casos abaixo?


1- Tabela de funcionários 2- Tabela de candidatos a vaga de emprego
Funcionário Candidato
Nome Profissão Cod_Prof CPF Nome Profissão Cod_Prof CPF
Modelagem Lógica de um Banco de Dados Relacional

Identificação gráfica do campo/atributo chave primária


Tabela Relacional no Excel

Código Banco Código Lançamento Descrição Tipo Sigla


1 Banco do Brasil S.A. A1 Saque Saída S
3 Banco da Amazônia S.A. A2 Pagamento Boleto Saída S
4 Banco do Nordeste do Brasil S.A. A3 Pagamento Cheque Saída S
12 Banco Standard de Investimentos S.A. A4 Pagamento DOC Saída S
21 BANESTES S.A. Banco do Estado do Espírito Santo A5 Pagamento Salário Saída S
24 Banco de Pernambuco S.A. - BANDEPE B1 Depósito Dinheiro Entrada E
25 Banco Alfa S.A. B2 Depósito Cheque Entrada E
B3 Entrada TED Entrada E
B4 Entrada DOC Entrada E
B5 Liquidação Boleto Entrada E
PROCV
Data Código Lançamento Valor
25/06/2013 492 B1 -4.810,00
ÍNDICE(CORRESP)
28/06/2013 79 A3 3.640,00
17/06/2013 749 B1 -5.008,00
15/06/2013 746 B3 -8.098,00
21/06/2013 751 B4 -3.548,00
08/06/2013 233 B5 -1.383,00
23/06/2013 208 B3 -7.496,00
18/06/2013 409 B2 -3.103,00
17/06/2013 246 A2 4.953,00
08/06/2013 96 A3 8.593,00
02/07/2013 95 B2 -6.848,00
20/06/2013 72 B1 -8.656,00
06/06/2013 749 A4 7.906,00
07/07/2013 655 B2 -6.320,00
03/07/2013 356 A1 4.707,00
02/06/2013 740 B4 -5.634,00
08/07/2013 225 A3 6.203,00
08/06/2013 204 B1 -5.475,00
Tabela Relacional no Excel
Tabela Relacional no Excel
3- Banco de Dados Multidimensional

 Sistemas Transacionais X Sistemas Analíticos;

 Data Warehouses e Data Marts;

 Dimensões;

 Dimensão Tempo;

 Medidas;

 Fatos;

 Agregações;

 Modelo Estrela.
3- Banco de Dados Multidimensional
3- Banco de Dados Multidimensional
3- Banco de Dados Multidimensional
3- Banco de Dados Multidimensional
3- Banco de Dados Multidimensional
3- Sistemas Transacionais x Sistemas Analíticos

Transacional: Online Transaction Processing Analítico: Online Analytical Processing


(OLTP): Sistema em que as transações (OLAP): Sistema que permite analisar grande
(operações) da organização são realizadas. volume de dados, coletados por outro
sistema ou outras fontes de dados.
MANTER AS TRANSAÇÕES, AS OPERAÇÕES
DA ORGANIZAÇÃO – PROCESSO. APOIAR A DECISÃO DA ORGANIZAÇÃO
ATRAVÉS DE ANÁLISE DOS DADOS –
FUNCIONAMENTO CRUD (Criar, Ler, Atualizar NEGÓCIO.
e Deletar informações).
FUCNIONAMENTO COM CONSULTA (e, bem
SEM HISTÓRICO. menos, inclusão).

REDUNDÂNCIA MÍNIMA OU NULA. MANTÉM HISTÓRICO.

INTEGRIDADE. REDUNDÂNCIA ALTA.

QUALIDADE.
3- Data Warehouses e Data Marts

Data Warehouse (DW), ou Armazém de Dados, é um local que armazena dados de várias
fontes diferentes.

Data Marts (DM) é um partição do DW, que armazena dados relativos a uma parte do
negócio, como um departamento.

Os dados são armazenados em modelos dimensionais, e não em modelos relacionais.

Os dados são armazenados desnormalizados, de modo a otimizar consultas.

Os dados são armazenados sempre com a dimensão tempo, de modo a manter histórico.

Os dados são agrupados de acordo com determinado grão, gerando informações


gerenciáveis.
Grão = nível de detalhe da informação, considerando o tamanho do DW e o nível
de análise e apoio à decisão necessários.
3- Data Warehouses e Data Marts (BOTELHO, RAZZOLINI FILHO, 2014)

ETL é o
processo de
Extração,
Tratamento
e Leitura dos
dados
3- Data Warehouses e Data Marts (BOTELHO, RAZZOLINI FILHO, 2014)

O processo de Extração, Tratamento e Leitura (ETL) envolve adequar os dados de


diferentes fontes para as regras de análise do negócio.

A extração é o processo de capturar os dados em uma fonte e trazê-los para uma


tabela intermediária, que alimentará o DW ou o DM. Assim, é necessário
compreender a estrutura de dados da origem.

O tratamento envolve processo de agrupar os dados de acordo com valores e


atributos, de modificar valores e atributos para refletir as regras do negócio, retirar
preenchimentos que não são de interesse para a análise do negócio, etc.
Nesta fase também são colocadas as chaves substitutas (surrogate keys –
SK), que individualizam as repetições de dados no modelo dimensional.

A leitura é definida como o processo de importar os dados para o DW ou o DM,


após a extração e o tratamento, na tabela intermediária.
3- Dimensões

A principal característica desses modelos de dados é a multidimensionalidade, que


permite observar os dados dinamicamente, com as informações (atributos e
valores) reagindo à(s) dimensão(dimensões) selecionadas.

As dimensões são os atributos dos dados, as visões que se pode analisar os dados;
os cálculos são medidas; e o agrupamento dos dados de acordo com o mesmo fato,
que é a área do negócio analisada.

Normalmente, os cubos ou os painéis de análise são organizados dentro de um


mesmo fato, trazendo dimensões de interesses e as medidas resultantes de um
determinado agrupamento de medidas.

A organização das medidas pode ser hierárquica, como movimento de subida (drill-
up), de descida (drill-down), ou cíclica com movimento ao longo dos dados (across)
ou de filtro, com modificação na visão dos dados (slice).
3- Dimensão Tempo

Uma das principais dimensões é a dimensão tempo, que permite analisar a


trajetória dos outros atributos e das medidas.

A dimensão tempo pode ter diferentes granularidades, de acordo com o interesse


da análise, podendo ir, por exemplo, de hh:mm:ss até ano, década, etc.

Assim, por exemplo, os dados da educação são dimensionalizados por bimestre,


semestre e ano; enquanto os dados da segurança são dimensionalizados por
hh:mm, para criar mapas temporais de calor, até anos e quadriênios, para ver
tendências e resultados de longo prazo.
3- Medidas
As medidas são os valores e cálculos de interesse do fato, de acordo com a seleção
de dimensões e os agrupamentos escolhidos.

Normalmente, estarão presentes na tabela fato, e não nas tabelas dimensionais,


uma vez que cada fato possui as suas medidas.

Os cálculos podem ser na fase de apresentação ou de ETL.

As medidas podem envolver cálculos complexos, cálculo não dimensionados,


seleções ad hoc e outras formas de agrupamento diferente do naturalmente
realizado pela seleção de dimensões.

As medidas podem ser:


Aditivas: suportam operação matemática (quantidade de CVLI)
Não aditivas (ou categóricas): não podem ser operadas matematicamente
(contagem de quantas cidades estão com CVLI zerado)
Semi-aditivas: suportam operação matemática, mas de maneira diferente
da naturalmente suportada pelas dimensões.
3- Fatos

As medidas e dimensões são organizadas de acordo com os fatos, que são as áreas
do negócio.

Há dimensões que são comuns a vários fatos, como a de tempo e várias de


localização.

Algumas dimensões são específicas de determinado fato, como o objeto utilizado


para cometer um homicídio, o objeto de um roubo ou o lote de uma carga
apropriada indebitamente.
3- Modelo Estrela
3- Modelo Floco de Neve
4- Estruturando um Banco a partir de Planilhas

 Organizar as informações na planilha.

 Aplicar a estrutura de Banco de Dados na planilha.

 Formatar os campos do Banco de Dados na planilha.

 Importar arquivos de Base de Dados externos usando


planilhas eletrônicas.

 Tratar arquivos de Base de Dados externos.


Estruturando um Banco a partir de Planilhas

 Antes de criar, montar ou estruturar um Banco de Dados, você deve


responder a algumas perguntas:

1. Qual a finalidade do Banco de Dados?

2. Quem irá utilizá-lo?

3. Quais tabelas de dados esse BD deverá conter?

4. Quais as informações poderão ser extraídas?

5. De quais consultas e relatórios os usuários precisam?

Ex.: arquivo PO PC 2017


Estruturando um Banco a partir de Planilhas

 Organizar as informações nas planilhas


• Organizar o layout da planilha/s.
• Verificar se existem células ou colunas mescladas.
• Verificar se possuem a mesma quantidade colunas.
• Não tendo a mesma quantidade, fazer a união das tabelas.
• Verificar se as colunas possuem as mesmas informações.
• Verificar se possuem os mesmos cabeçalhos/campos/atributos.

 Aplicar a estrutura de Banco de Dados na planilha


• Criar a tabela contendo Linhas e Colunas / Registros e Atributos.
• Se necessário, criar tabelas que possam ser relacionadas.
• Incluir ou excluir Colunas/Campos/Atributos que atendam
necessidades de análises futuras.

 Formatar os campos do Banco de Dados na planilha


• Formatar as células de acordo com as informações do
Campo/Atributos (Formatação da célula texto/data/número).
Estruturando um Banco a partir de Planilhas

 Importar e tratar arquivos de Base de Dados externos


 Importar arquivo de texto.
 Importar arquivo de CSV.
 Importar arquivo de outro Excel.
 Criar conexão com arquivos txt/csv/xlsx.
Estruturando um Banco a partir de Planilhas

Atividade prática:

1. Consolidar as bases por conexão de fonte de dados do excel:


a) PO PM
b) PO PC
c) Criar painel de informações sobre armas
d) Salvar a BD como CSV
e) Salvar a BD como txt

2. Criar conexões com arquivos


#Obter dados Externos Do Microsoft Query

a) CSV – arquivo “Base_CVLI_Atual.csv”


b) XLS – “Consolidada PM 2017.xlsm”
Estruturando um Banco a partir de Planilhas

Atividade prática:

3. Consolidar as bases do POA SECTI por conexão de fonte de dados


a) GEAFO
b) GECOM
c) GEDEP
Criando um único banco de dados
Contatos

Leandro Silveira
leandrojs.seplag@gmail.com
81 988116311
31835590

Hugo Medeiros
hugomedeiros.seplag@gmail.com
31833924
Obrigado pela participação!