Você está na página 1de 25

24/02/2017

Controlador Lógico Programável

Prof. Stefano

Definição IEC 1131-3

• É um equipamento de controle composto de


componentes eletrônicos e memória
programável que contém dados e programas
com a finalidade de ler e executar instruções,
interagindo com um sistema ou
processo, através de entradas e saídas digitais ou
analógicas.

1
24/02/2017

Histórico
• O Controlador Lógico Programável ( C.L.P. ) nasceu
dentro da indústria automobilística americana, na
General Motors , em 1968, devido a grande
dificuldade de mudar a lógica de controle de painéis
de comando a cada mudança na linha de montagem.

Características de um CLP

• Fonte - fornece energia para o sistema;

• CPU - controla o funcionamento de todo o sistema, armazena


e executa o programa e envia sinais para os módulos I/O.

• Módulos I/O - são módulos de saída (Output) e entrada


(Input) utilizados para receber informações da máquina e
atuar dispositivos conforme programa armazenado na CPU
4

2
24/02/2017

Características de um CLP

Exemplo de circuito de entrada

3
24/02/2017

Exemplo de saída a transistor

CPU

4
24/02/2017

Memória
• Memória: É na memória que o CLP armazena todas as
informações necessárias e ela pode ser dividida em
diferentes áreas.
– Memória do fabricante : reservada para conter o programa
desenvolvida pelo fabricante que responsável pelo
funcionamento do CLP;
– Memória do usuário : programa desenvolvido pelo usuário de
acordo com as suas necessidades;
– PII : é chamada de imagem do processo de entrada (Process
Image Input), onde o clp armazena as informações relativas a
leitura do estado das entradas em cada ciclo de leitura do clp.
– PIO : é chamada de imagem do processo de saída (Process
Image Output), onde o clp armazena as informações relativas
ao estado das saídas atualizadas no final de cada ciclo do clp.
9

Especificação de uma CPU


• Capacidade de memória: para Programa de Aplicação e para
Tabela de Dados ou variáveis
• Tipo de memória: forma de armazenamento (RAM, ROM,
EEPROM, Flash EEPROM);
• Pontos de I/O total: quantidade máxima de I/O que a CPU pode
controlar - ex. 640 pontos (320 I 320 O)
• Tempo de processamento(execução): tempo necessário para
CPU executar uma instrução booleana (contato ou bobina) -
expresso em 1k de instruções booleanas;
• Linguagem de programação: LAD, STL e FBD;
• Recursos gerais: operação com ponto flutuante, rotinas internas
para controle PID, diagnósticos, scan cíclico, entradas rápidas, etc
• Portas de comunicação: RS-232, 422, 485, protocolos
suportados.
10

5
24/02/2017

Família S7 200

= 4 CLPs

= 8 CLPs

S7 200 - Características

6
24/02/2017

S7 200 - Características

S7 200 - CPUs

7
24/02/2017

S7 200 – CPU 224XP

Módulos de Expansão

Conexão com Flat Cable

8
24/02/2017

Módulos de Expansão

Comunicação

9
24/02/2017

Ciclo de SCAN da CPU

PII

Ordem de Execução das


Linhas do Programa:
Esquerda para a Direita
De cima para Baixo

PIO

19

Endereçamento no CLP

• TIPOS DE ENDEREÇOS
– I = DIGITAL INPUT
– Q = DIGITAL OUTPUT (QUIT)
– AIW = ANALOG INPUT
– AQW = ANALOG OUTPUT (QUIT)
– V = VARIABLE (FLAG)
– M = MEMORY
– C = COUNTER
– T = TIMER
– ...

20

10
24/02/2017

Endereçamento no CLP

• .

21

Endereçamento no CLP

11
24/02/2017

Endereçamento no CLP

• O endereçamento deve ser feito na seguinte disposição:

I 0.0
Bit de
Símbolo indicando Endereçamento
o tipo da variável (0..7)

Byte de
endereçamento

23

Endereçamento no CLP S7-200

SAÍDAS
DIGITAIS
ANALÓGICAS
ANALÓGICA

ENTRADAS

ENTRADAS
DIGITAIS
SAÍDA

24

12
24/02/2017

Endereçamento no CLP S7-200

• .

Q0.0 a
Q 1.1
AIW0 e AIW2

I 0.0 a
I 1.5
AQW0

25

Programação
• Step7 MicroWin
– Programação do CLP
– Monitoração do Programa
– Configuração da CPU e Expansões
– Documentação do Projeto
– Manutenção e Comissionamento
– Programação em LAD, STL e FBD (IEC 1131-3)

13
24/02/2017

Linguagens - LAD

Linguagens - STL

14
24/02/2017

Linguagens - FBD

Linguagem Ladder
• Principais símbolos:

30

15
24/02/2017

Linguagem Ladder
• Para acionar uma Lâmpada:

31

Instruções Binárias

Função AND

Função OR

32

16
24/02/2017

Exercício - Selo

• Colocando uma peça na


posição do sensor S1 na
esteira deverá ligar o
motor M1;
• Quando a peça chegar em
S2, desligar o motor M1.

33

Exercício

Elabore um programa para um CLP que


para o portão:
• Quando o botão B1 é apertado o motor M1
ligado, abrindo o portão conforme indica a
seta;
• Quando o portão atingir o sensor S1 o motor
M1 será desligado;
• Com o sensor S1 ativado, o portão é fechado
através da inversão do sentido de giro do
motor, ligando-se o motor M2;
• O motor M2 fica ligado até que o portão feche,
indicado pelo sensor S2.
• Obs. Enquanto o botão B1 estiver sendo
pressionado, como medida de segurança, a saída
M2 não poderá ser ativada, ficando o portão aberto.

34

17
24/02/2017

Exercício

Elabore um programa para um CLP que


para o reservatório:
• Controle o acionamento da bomba
B1 enquanto a chave CH1 estiver
pressionada;
• Quando o nível estiver abaixo do
sensor S2 a bomba B1 deverá ser
ligada;
• Quando o nível chegar até o sensor
S1 a bomba deverá ser desligada.

35

Instruções Binárias

18
24/02/2017

Temporizadores

TON

19
24/02/2017

TONR

TOF

20
24/02/2017

TON => CLOCK

Contadores

21
24/02/2017

Comparadores

Contador e Comparador

22
24/02/2017

Temporizador e Comparador

Contador e Comparador

23
24/02/2017

Conversão de Variáveis

Conversões Numéricas:

São instruções que convertem um valor de entrada IN


para um formato específico e armazenam o valor do
resultado na memória especificada em OUT.

Byte para Inteiro (BTI),


Inteiro para Byte (ITB),
Inteiro para Duplo Inteiro (ITD),
Duplo Inteiro para Inteiro (DTI),
Duplo Inteiro para Real (DTR),
BCD to Inteiro (BCDI),
Byte (B) Inteiro para BCD (IBCD)
Inteiro (W)
Duplo Inteiro (D)

Exemplos de conversões

24
24/02/2017

Operações Matemáticas

Referências Bibliográficas

• Notas de aula do Prof. Jeferson;


• Notas de aula do Prof. Stefano;
• Apostila CLP, Lab. de Eng. Elétrica – UERJ;

50

25