Você está na página 1de 7

CENTRO UNIVERSITARIO NOVE DE JULHO

ARTIGO

SOBRE

BLACKBOX

Nome: Lucas Guimarães Aguiar Ra: 904201568


Nome: Marcio Bianchi de Meira Ra: 405202349
Introdução

Um dos grandes motivos do sucesso do Blackbox e de suas variações é o fato


dele ser uma interface completamente nova, diferente do Windows, MacOS, KDE
e Gnome. O Blackbox foi desenvolvido do zero, tendo em mente um ambiente
simples e rápido, mas ao mesmo tempo funcional. Se você realmente quer utilizar
um micro antigo com pouco recurso de memória e processamento e deseja usar
ambiente gráfico, isso é possível utilizando o BlackBox.

Apesar de sua aparência simples, o Blackbox tem todos os recursos necessários


para manipular as suas janelas, incluindo múltiplas áreas de trabalho, menus
configuráveis para acesso às aplicações, e uma barra de tarefas simplificada, que
indica o nome da área de trabalho ativa, da janela selecionada, informa a hora
certa e permite navegar, de forma simples, entre as aplicações correntemente em
execução.
O BlackBox é um gerenciador de janelas livre para sistemas Unix-like com X
Window System[4]. Se destaca pela leveza, sendo ideal para quem usa micro-
computadores com poucos recursos e não quer abrir mão de uma interface
gráfica. Um usuário conta que o Blackbox roda satisfatoriamente em um 486DX4
(66MHz) com 16MB de memória RAM[5]. Outras características são seu estilo
minimalista e a capacidade do usuário.

BlackBox é um gerenciador de janelas livre para sistemas Unix-like com X


Window System[4]. Se destaca pela leveza, sendo ideal para quem usa micro-
computadores com poucos recursos e não quer abrir mão de uma interface
gráfica. Um usuário conta que o Blackbox roda satisfatoriamente em um 486DX4
(66MHz) com 16MB de memória RAM[5]. Outras características são seu estilo
minimalista e a capacidade do usuário personalizar seu visual a partir de temas. O
BlackBox foi escrito em C++.

Instalação do BlackBox
Blackbox é um window manager que tem como principal característica o fato
de ser leve e simples, podendo ser instalado em qualquer versão linux via
source ou pacotes. Como de praxe irei utilizar o source para instalação,
lembrando que sempre se deve ter instalado diversos software ditos de
desenvolvimento instalados, tais como gcc, g++, glibc-devel, kernel-source,
kernel-headers, etc.

pegar o source:

$ - feito com user


# - feito com root

$ wget
http://aleron.dl.sourceforge.net/sourceforge/blackboxwm/blackbox-
0.65.0.tar.gz

descompactar:

$ tar xzvf blackbox-0.65.0.tar.gz


"entrar" no dir gerado:
$ cd blackbox-0.65.0
agora vamos compilar e instalar:
$ ./configure
$ make
# make install

com isto o blackbox ficara com o binario instalado em


/usr/local/bin
e com os styles (skin, themes) e o menu em
/usr/local/share/blackbox
se voce instalar atraves de pacotes .deb, .rpm eventualmente poderá ficar em
outro local os arquivos, para localizar use:

$ find /usr -iname "*lackbox*" -print

CONFIGURACAO

A configuração que usarei aqui e a mesma utilizada pelo site


themes.freshmeat.net,
que também utilizo para meu styles, primeiro vamos criar um dir dentro do $HOME
do seu
usuario, logado no sistema com o usuario que ira utilizar o blackbox execute:

$ cd ~/
Entenda que ~/ é igual ao $HOME do usuario no linux.
$ mkdir .blackbox
Repare que este é um dir oculto, todos diretorios e arquivos que tem nome
iniciando com ponto sao ocultos, agora:
$ cd ~/.blackbox
$ mkdir styles
$ mkdir backgrounds

vamos agora copiar os styles e menu que estao em /usr/local/share/blackbox para


este novo diretório:

1 - cp /usr/local/share/blackbox/styles/* ~/.blackbox/styles
2 - cp /usr/local/share/blackbox/menu ~/.blackbox

vamos agora mudar no menu o diretório padrão dos styles para refletir
a configuracão atual com os arquivos em ~/.blackbox/styles, abra em um editor
de texto o ~/.blackbox/menu e altere a linha:

[stylesdir] (/usr/local/share/blackbox/styles)
para:
[stylesdir] (~/.blackbox/styles)

vamos configurar para que o blackbox seja o window manager default:


$ echo blackbox > ~/.xinitrc

agora inicialize o X usando


# startx

Se tudo correr bem será criado um arquivo oculto de nome .blackboxrc, saia do X
clicando com o botal direito do mouse em uma área livre do desktop e escolhendo
no menu que ira aparecer a opção exit.

Vamos editar o ultimo arquivo, abra o ~/.blackboxrc em um editor de texto e mude


a linha:
session.menuFile: /usr/local/share/blackbox/menu
para:
session.menuFile: ~/.blackbox/menu

agora é só inicializar o X novamente e escolher na opção styles do menu aquele


que mais lhe agradar.

OBSERVAÇÕES

1) É bom observar que nem todas as pessoas que desenvolvem themes pra
blackbox
utilizam os parâmetros da themes.freshmeat sendo assim com estes themes
poderá
ser necessário algum ajuste (até mesmo alguns themes na themes.freshmeat às
vezes
contém alguma pequena variação deste esquema, usando o dir styles como sendo
Styles
e em vez de background usam Backgrounds, ou seja substituição de letras
minúsculas
por maiusculas em parte ou no todo).

2) O menu pode ser facilmente alterado/personalizado


segundo as necessidades e gostos de cada pessoa so abrir
em um editor de texto e alterar conforme os exemplos la expostos.

3) Ha vários "apetrechos" feitos para trabalhar com o blackbox, tais


como bbkeys, bbpager, bbconf , veja no sites relativos a blackbox
sobre isto (tais como o meu, bbtools)

4) O bsetbg é um script que é instalado junto com o blackbox que serve para
alterar
o background utilizando-se de binarios de algum software que "trabalhe" com
imagens, tais como o xv, qiv, Esetroot, xsetbg, wmsetbg, xli.
Caso ao utilizar ele (bsetbg) não obtenha sucesso, verifique se você tem
um dos binarios acima citados (xv, qiv, etc).

O BlackBox pode ser incrementado com algumas ferramentas:


Bbtools - é um conjunto de Applets que mostram o estado de vários componentes
do sistema, permitem montar e desmontar disquetes e CD-ROM entre vários
outros recursos
Bbconf - é uma ferramenta de configuração que substitui a edição manual dos
arquivos. Ele permite configurar as cores e papel de parede, atalhos de teclados e
as entradas no iniciar
Bbkeys - para utilizar os atalhos de teclado

Uma das razões para a maior economia de memória oferecida pelo Blackbox é
que ele não tem suporte a carregamento de imagens. Isso significa que, ao
contrário de outros gerenciadores de janelas como o IceWM e o WindowMaker,
não é possível definir um belo pixmap para ser usado como padrão de
preenchimento dos menus e barras de título das janelas - é necessário se
contentar com os preenchimentos baseados em gradientes.

Prós:
O Blackbox é uma ótima opção para que tem um computador limitado, com pouco
recurso de memória, cpu, HD. Etc.

Contras:
Sua instalação/configuração requer conhecimentos avançados.

Conclusão

A opção de utilizar o BlackBox é interessante para um usuário que possui um


micro defasado ou quer agilidade para usar parte gráfica no dia dia.

O estudo sobre o BlackBox não é comparar com outras interface gráficas como
KDE ou GNOME mas sim demonstrar que é possível interagir com sistema
gráfico, dentro de suas limitações de hardware.

O estudo aqui abordado não encerra a discussão sobre as vantagens de cada


gerenciador de janelas ou ambiente gráfico.
Como um complemento a este artigo foi realizado um rápido teste de ocupação de
memória usando as configurações padrão de cinco populares ambientes. Não foi
tomada nenhuma precaução científica, exceto a manutenção das mesmas
condições de ambiente em todas as tomadas de tempo, mas mesmo assim é
possível demonstrar, grosso modo, como pode valer a pena usar gerenciadores
mais leves. Veja na tabela

Os testes foram realizados em um equipamento Pentium com 64MB de memória,


rodando as configurações padrão distribuídas com o SuSE Linux 6.2.

Gerenciador Memória livre (Kbytes)


Modo texto 30764
BlackBox 0.40.9 23540
IceWM 0.9.42 23416
WindowMaker 0.60.0 20904
KDE 1.1.1 8376
GNOME 1.0.7 4660

Pesquisa realizada nos seguintes Links.

http://brlinux.linuxsecurity.com.br/artigos/xwin_blackice.htm
http://www.guiadohardware.net/termos/blackbox
http://pt.wikipedia.org/wiki/BlackBox
http://www.linuxnarede.com.br/artigos/fullnews.php?id=194