Você está na página 1de 45

Física Geral II - Eletricidade

Eletrostática
Aula 1

Prof. Marcelo Musci. DSc.


aula@musci.info

Set/2018
Referências de Aula

▪ Googleclassroom
◼ https://classroom.google.com
◼ Código q6ry8b3

▪ Livros texto
◼ Young, Hugh D. Física 3, Sears e Zemansky:
eletromagnetismo -14. ed. - São Paulo: Pearson
Education
do Brasil, 2016.
◼ Halliday, D. Fundamentos de física, volume III :
eletromagnetismo - Rio de Janeiro : LTC, 2012.
2
Física Geral II - Eletricidade
▪ A Eletricidade pode ser dividida em três partes:
▪ Eletrostática: Refere-se ao comportamento das cargas
elétricas em repouso e seu estudo engloba os processos de
eletrização, campo elétrico, força eletrostática e potencial
elétrico.
▪ Eletrodinâmica: É a parte da Eletricidade responsável pelo
estudo das cargas elétricas em movimento. O foco dessa área
é a corrente elétrica e os componentes de circuitos elétricos,
como capacitores e resistores.
▪ Eletromagnetismo: Estuda a relação entre os fenômenos
elétricos e magnéticos, tais como campo magnético produzido
por cargas elétricas em movimento e campo elétrico
produzido pela variação de fluxo magnético.
3
Introdução

Eletrostática

▪O objetivo da eletrostática é estudar o


comportamento e propriedades de cargas elétricas.
Mais especificamente, suas características enquanto
em repouso.
▪ Em outras palavras, o objeto de estudo da
eletrostática é estudar aquilo que popularmente
chamamos de eletricidade estática.

4
Carga Elétrica

▪ A carga elétrica é uma propriedade intrínseca das


partículas que constituem a matéria e está presente
em todos os objetos.
▪ Objetos em geral contêm quantidades iguais de dois
tipos de carga: positiva e negativa. Tais objetos são
eletricamente neutros.

Atrito
Transferência de carga

5
Carga Elétrica

6
Carga Elétrica

▪ Propriedade que se manifesta nos prótons e elétrons.


▪ No modelo de átomo de Bohr:
◼ PROTÓNS – Possuem Cargas Positivas.
◼ ELÉTRONS – Possuem Cargas Negativas.
◼ NEUTRONS – Não Possuem Cargas Elétricas
◼ N° PROTÓNS = N° ELÉTRONS
◼ Excesso ou falta de elétrons→corpos eletrizados
▪ Um próton e um elétron têm valores absolutos iguais
embora tenham sinais opostos.
▪ O valor da carga de um próton ou de um elétron:
◼ carga elétrica elementar

7
Carga Elétrica

▪ A carga elétrica de um corpo é quantizada;


▪ É Igual a um número inteiro de cargas elementares
negativas ou positivas, sendo:

◼ Q = carga elétrica
◼ n = número de partículas elementares
◼ e = carga elementar

8
Princípios da Eletrostática
▪ Princípio das ações elétricas : cargas elétricas de sinais iguais
se repelem e de sinais contrários se atraem.

▪ Princípio da conservação das cargas: Num sistema isolado a


soma algébrica das cargas é constante.
◼ Q1+Q2 = Q’1+Q’2 = constante

A B A B
contato
Q1 =1 Q2 = 3 Q’1 = 2 Q’2= 2
9
Antes Depois
Condutores e Isolantes Elétricos
▪ Denominamos condutor elétrico todo meio material que
permite a movimentação de cargas elétricas no seu interior.
◼ Os condutores elétricos mais comuns são metais → grande
quantidade de elétrons-livres.
▪ Denominamos isolante elétrico todo meio material que não
permite a movimentação de cargas elétricas no seu interior.
◼ Não existe isolante perfeito, qualquer substância pode se
tornar condutora de eletricidade.

Camada
Eletrônica

10
Condutores Isolantes
Condutores e Isolantes Elétricos
▪ Condutores são materiais nos quais as cargas elétricas se movem com
facilidade, como os metais, o corpo humano e a água de torneira.
▪ Não condutores, também conhecidos como isolantes, são materiais nos
quais as cargas não se movem, como a borracha, os plásticos, o vidro e a
água destilada.
▪ Semicondutores são materiais que possuem propriedades elétricas
intermediárias entre as dos condutores e as dos não condutores, como o
silício e o germânio.
▪ Supercondutores são condutores perfeitos, materiais nos quais as cargas
se movem sem encontrar resistência.
▪ Quando os átomos de um material condutor se unem para formar um
sólido, alguns elétrons mais afastados do núcleo (submetidos a uma força
de atração menor) se tornam livres para vagar pelo material, deixando
para trás átomos positivamente carregados (íons positivos). Esses elétrons
móveis recebem o nome de elétrons de condução.
Os materiais não condutores não possuem elétrons de condução
11
Eletrização

▪ Eletrizar um corpo eletricamente neutro é tornar


diferente o número de cargas positivas do número de
cargas negativas.

12
Eletrização
▪ A eletrização de um corpo inicialmente neutro pode
ocorrer de três maneiras:
◼Atrito
◼Contato
◼Indução (metais)

13
Eletrização por Atrito

▪ Para realizar a eletrização por atrito devemos


observar se:
◼ os corpos têm substâncias diferentes.
◼ estão inicialmente neutros.
▪ Após eletrizados os corpos terão cargas de sinais
opostos.
▪ Para saber qual é positivo ou negativo, basta
consultar a série triboelétrica.

14
Eletrização por Atrito

▪ A série triboelétrica mostra alguns materiais em


ordem de eletro-afinidade crescente.

15
Eletrização por Contato

▪ Corpos adquirem cargas de mesmo sinal.


▪ Se os corpos tiverem mesma forma e mesmas
dimensões, a carga final será igual para os dois e
dada pela média aritmética das cargas iniciais.

Antes do contato Durante o contato Depois do contato

16
Eletrização por Indução

▪ É o fenômeno pelo qual um condutor neutro se


eletriza pela simples aproximação de um outro já
eletrizado, sem haver contato entre eles.
▪ No processo da indução eletrostática, o corpo
induzido será eletrizado sempre com cargas de sinal
contrário ao das cargas do indutor.

17
Lei de Coulomb
▪ Físico francês Charles Coulomb.
◼ Balança de torção.
▪ A Força que age entre corpos
eletricamente carregados é
diretamente proporcional ao
produto das cargas, e
inversamente ao quadrado da
distância que as separam.

18
Lei de Coulomb

▪ F = força elétrica (N)


▪ Q1 e Q2 carga elétrica (C)
▪ d = distância (m)
▪ k = constante eletrostática do meio
▪ Cargas em valor absoluto
◼ Sinais indicam se é de atração ou repulsão

19
Lei de Coulomb

▪ A unidade de carga é o Coulomb, que não é uma


unidade fundamental.
▪ O Coulomb é definido no SI como sendo a carga
transportada por uma corrente de 1 A que atravessa
a seção reta de um fio durante 1 segundo.
▪ No SI a constante eletrostática k é dada por:

▪ A permissividade do vácuo 0 é dada por:

20
Lei de Coulomb
▪ Para um sistema de n cargas podemos determinar a força
resultante que atua sobre uma das cargas;

▪ As forças elétricas obedecem ao princípio da sobreposição:

Onde:

21
Lei de Coulomb

▪ Exemplo:
Dados:
q1 = 1.5x10-3 C rB
q2 = -0.5x10-3 C
q3 = 0.2x10-3 C
rA = 1.2 m e rB = 0.5m rA

Determine a força resultante sobre a carga q3.

22
Estratégia na solução de problemas
PREPARAR o problema usando as seguintes etapas:
1. Faça um desenho indicando as localizações das partículas carregadas e classifique
cada partícula conforme a respectiva carga.
2. Se as cargas não estiverem localizadas na mesma linha, monte um sistema de
coordenadas xy.
3. O problema pedirá que se encontre a força elétrica que atua sobre uma ou mais
partículas. Identifique essa(s) partícula(s).
EXECUTAR a solução da seguinte forma:
1. Calcule o módulo da força que cada partícula exerce sobre uma partícula de
interesse.
2. Use esses módulos para montar um diagrama do corpo livre mostrando os vetores
da força elétrica que atuam sobre cada partícula de interesse. A força exercida pela
partícula 1 sobre a partícula 2 aponta da partícula 2 para a partícula 1, caso as duas
cargas tenham sinais opostos, mas aponta da partícula 2 para o lado oposto ao da
partícula 1 caso as cargas tenham o mesmo sinal.
3. Use o princípio da superposição para calcular a força elétrica total - uma soma
vetorial - sobre cada partícula de interesse.
4. Use unidades consistentes; unidades do SI são completamente consistentes. As
distâncias devem ser expressas em metros, as cargas, em coulombs e as forças, em
23 newtons.
24
25
26
Exemplo
Força total exercida por várias partículas

27
28
29
30
31
Campo elétrico

▪ Um corpo eletrizado, devido à sua carga elétrica, cria


ao seu redor um campo elétrico.
◼ Em cada ponto surge um vetor campo elétrico.
▪ O campo elétrico é a região influenciada pela carga
Q, em que qualquer carga de prova q nela colocada
estará sob a ação de uma força de origem elétrica.

O campo elétrico não depende


da carga de prova q para sua
existência.

32
Campo elétrico

▪ Intensidade: unidade N/C (SI)

▪ Direção: o vetor E têm a mesma direção do vetor F


▪ Sentido: depende da carga de prova

Carga prova negativa

Carga prova positiva

33
Campo elétrico

▪ Campo elétrico criado por uma carga puntiforme q0


no ponto P ( posição da carga de prova q0) é:

q0

Usando Coulomb

34
Campo elétrico

▪ O campo elétrico devido a uma distribuição discreta


de cargas q1, q2,..., qn em um dado ponto é dado por:

Esse resultado é chamado de princípio da superposição dos campos elétricos.

35 Lei de Coulomb
36
37
38
39
6,93𝑄
𝐸= 2
𝑖Ƹ
4𝜋 ∈0 𝑑

40
Linhas de Campo Elétrico
▪ O campo elétrico E é sempre tangente à linha de campo.
▪ A densidade de linhas é proporcional à intensidade do campo.
▪ As linhas saem das cargas positivas e chegam nas negativas.

Duas linhas de
campo nunca
se cruzam

41
Distribuição Contínua de Cargas
▪ Muitas cargas agrupadas.

42
Campo em um Anel de Carga
Dividimos o anel em segmentos infinitesimais de comprimento ds.
Carga dq → comprimento infinitesimal ds:
Carga pontual gera um campo infinitesimal dE
Coulomb

Contribuição de todos os elementos infinitesimais


Campo no eixo z
Componentes
perpendiculares anuladas
(simetria)

Carga total do anel

Usando temos:
Se

43
Carga puntiforme
Campo em um Disco

▪ Disco de raio R uniformemente carregado com


densidade superficial de carga σ.
◼ Campo // eixo
◼ Disco →conjunto de anéis concêntricos

Campo do anel

dq = dA

ou
44
Plano infinito
Campo em uma linha reta carregada
Uma carga elétrica positiva Q está distribuída uniformemente ao longo do eixo y
entre y = -a e y = +a. Determine o campo elétrico em um ponto P situado sobre o
eixo x a uma distância x da origem.

45