Você está na página 1de 27

Livro Eletrônico

Aula 00

Conhecimentos Específicos p/ MAPA - Ministério da Agricultura (Engenheiro


Agrônomo)

Professor: Edmar Vinícius de Carvalho

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗ !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

AULA 00 - DEMONSTRATIVA
0

SUMÁRIO PÁGINA
1. Apresentação 02
2. Edital do último concurso 04
3. Análise das provas anteriores 06
4. Pragas Quarentenárias 08
5. Lista de questões 21
6. Gabarito 25

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

APRESENTAÇÃO

Futuro(a) Engenheiro(a) Agrônomo(a) do MAPA,

Seja bem-vindo(a) a este curso de CONHECIMENTOS


ESPECÍFICOS PARA ENG. AGRÔNOMO, focado na sua preparação para
o próximo concurso do Ministério da Agropecuária, Pecuária e
Abastecimento (MAPA). Vamos estudar o conteúdo programático de
conhecimentos específicos do último certame, que foi organizado pela
CONSULPLAN, com prova aplicada em Maio de 2014. Em síntese este
material consiste de:

- curso escrito (em PDF), formado por 11 aulas cujo objetivo é explicar
o conteúdo programático de conhecimentos específicos do último edital e
apresentar inúmeras questões resolvidas, com prioridade para aquelas
relacionadas ao cargo de Fiscal Federal Agropecuário (Formação:
Agronomia) do MAPA e;

- fórum de dúvidas, onde você pode entrar em contato direto conosco


quando julgar necessário.

A ideia é que você consiga economizar tempo, pois abordaremos


os tópicos exigidos no edital, de forma clara e objetiva, e nada além disso.
Você poderá estudar conforme a sua disponibilidade de tempo, em qualquer
ambiente onde você tenha acesso a um computador, tablet ou celular. Isso
é importante para todos os candidatos, mas é especialmente relevante
para aqueles que trabalham e estudam.

Para que me conheçam, vou resumir minhas experiências


profissionais. Sou Doutor em Produção Vegetal, com graduação em

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!2!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
Agronomia, pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Trabalhei por 3
anos como docente substituto na UFT lecionando disciplinas para cursos de
graduação na modalidade presencial e a distância (EaD). Possuo
experiência de mais de 10 anos em trabalhos com pesquisa com atuação
tanto na parte de campo quanto na de processamento e divulgação de
informações. Atualmente, faço parte de um grupo de pesquisa com a
função de coordenar e orientar alunos de graduação e pós-graduação, bem
como, gerenciar banco de dados.

Este curso foi planejado em função dos tópicos do conteúdo


programático de conhecimentos específicos do último edital (2014) e
organizado de acordo com a similaridade dos assuntos que serão abordados
nas próximas 10 aulas.

Nesta primeira aula (demonstrativa), vamos abordar rapidamente


um dos assuntos cobrados pelas bancas: pragas quarentenárias.
Primeiramente, vamos apresentar alguns conceitos importantes do assunto
e depois esquematizar pontos chaves procurando intercalar com resolução
de questões.

Como considero importante a avaliação dos cursos pelos alunos, vou


acompanhar as críticas no fórum, para estar sempre aperfeiçoando os
materiais. Quer tirar alguma dúvida antes de adquirir o curso? Deixo abaixo
meus contatos:

Facebook: edmarvinicius.decarvalho
e-mail: edmar987@gmail.com

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!3!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

EDITAL DO ÚLTIMO CONCURSO

Primeiramente, vamos ver na íntegra o conteúdo programático de


conhecimentos específicos exigido no último edital para o cargo de Fiscal
Agropecuário Federal (Formação: Agronomia) do Ministério da Agricultura,
Pecuária e Abastecimento. Cobriremos o seu conteúdo ao longo deste
curso:

“Fitopatologia. Entomologia. Pragas quarentenárias. Pragas não


quarentenárias regulamentadas. Manejo integrado de pragas. Pragas com
exigências fitossanitárias de países importadores. Análises de riscos. Uso
correto de agrotóxicos e afins. Quarentena vegetal. Tratamentos para fins
quarentenários. Áreas de baixa prevalência de pragas. Áreas livres de
pragas. Sistemas de manejo de riscos (Sistema Approach). Certificação
fitossanitária. Certificação fitossanitária de origem. Direitos de obtentores.
Legislação federal sobre: Defesa sanitária vegetal (Decreto nº 2.4114/34);
Padronização, classificação e fiscalização de produtos de vegetais, seus
produtos, subprodutos e resíduos de valor econômico (Lei nº 9.972/2000 -
Decreto nº 6.268/2007); Padronização, classificação, registro, inspeção e
fiscalização de bebidas em geral (Lei nº 8.918/94 - Decreto no 6.871/2009)
e de vinhos e derivados da uva e vinho (Lei nº 7.678/88 - Decreto no
9.9066/90); Fiscalização de insumos agrícolas: agrotóxicos - fertilizantes -
sementes e mudas (Lei nº 7.802/89 - Lei nº 1.0711/2003 - Lei nº 6.894/80
- Decreto nº 4.954/2004 - Decreto nº 4.074/2002 - Decreto nº 5.981/2006
- Decreto nº 5.153/2004); Proteção de Cultivares (Lei nº 9.456/97 -
Decreto nº 2.366/97); Organismos geneticamente modificados (Lei nº
11.105/2005 e Decreto nº 5.591/2005). Agricultura Orgânica: conceitos,
princípios e manejo da produção vegetal orgânica (Lei nº 10.831/2003 e
IN 46/2011). Armazenamento de produtos agropecuários (Lei nº
9.973/2000 - Decreto nº 3.855/2001). Conhecimentos básicos sobre
organismos internacionais e blocos econômicos regionais (OMC com foco
na agricultura (SPS - TBT), FAO, OMS, CIPV (Decreto nº 5.759/2006),
Codex Alimentarius, COSAVE, EU, Mercosul, OMPI, CDB, Tratado FAO para
Intercâmbio de Recursos Genéticos e UPOV). Economia Rural. Sociologia
Rural. Desenvolvimento territorial. Planejamento rural. Propriedade
intelectual. Lei da propriedade industrial (Biotecnologia, indicações
geográficas, marcas coletivas e marcas de certificação. Acesso, intercâmbio
e conservação de recursos genéticos). Código de Defesa do Consumidor.
Noções gerais de cooperativismo. Lei Federal nº 8.027, de 12 de abril de
1990, e Decreto Federal nº 1.171, de 22 de junho de 1994 - Código de
Ética dos Servidores Públicos”.

Neste curso não iremos abordar os trechos que estão em vermelho.


Porém, não se preocupe, este conteúdo será abordado em outro curso

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!4!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
específico sobre o tema que você encontrará no Estratégia. O restante
iremos estudar neste curso.

Posto isto, pode estar se perguntando: não são poucas aulas (11)
para abordar o conteúdo?

Ao final do curso veremos que não. Isso se dá pelo fato dos assuntos
serem complementares. Por exemplo, um tema ou outro poderá
aparecer em mais de uma aula, principalmente, os mais cobrados pelas
bancas.

Dessa forma, em função do último edital, nosso curso pode ser


resumido da seguinte forma:

- Conhecimentos básicos sobre entomologia e fitopatologia com


ênfase no manejo integrado de pragas; definições de pragas
quarentenárias e áreas livres de pragas e suas implicações;

- Legislação federal vigente relacionada as atividades do cargo de


Fiscal Federal Agropecuário (Formação: Agronomia) e;

- Conhecimentos básicos sobre organismos internacionais, blocos


regionais e economia rural.

Outro fato que irá perceber, no decorrer do curso, é que a maioria


das questões abordam a legislação federal relacionada as atividades
inerentes de Fiscal Federal Agropecuário. Veremos isto com mais
detalhes no tópico seguinte.

Vale dizer que nos últimos concursos (2001, 2004, 2006 e 2014),
para Eng. Agrônomo (Fiscal Federal Agropecuário – MAPA), conteúdo
similar desta disciplina foi cobrado. Apesar de que em cada ano uma banca
foi responsável pelo certame, o número de questões de conhecimento
específico foi o mesmo (20) e é provável que o próximo edital seja bem
similar aos anteriores.

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!5!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

ANÁLISE DAS PROVAS ANTERIORES

A análise baseada nas provas anteriores (apresentada na Tabela 1)


permite preparar um curso focado no que realmente interessa, isto é,
compreendendo bem as tendências das diferentes bancas que aplicaram as
provas.

Tabela 1. Quantidade de questões de cada tema nos últimos quatro


concursos para Fiscal Federal Agropecuário do MAPA
Tema 2014 2006 2004 2001
Leg. Federal 7 10 9 12
Entomologia / Fitopatologia 5 7 4 7
==0==

Org. Int. / Economia / Cooperativismo 5 3 3 1


CDC e Código de Ética 3 - - -
Outros - - 4 -
Total – Conhecimentos Específicos 20 20 20 20
Total – Concurso 50 60 60 40
2014 = CONSUPLAN; 2006 = FJPF; 2004 = UFRJ; 2001 = CESPE.
Leg. = legislação; Org. Int. = Organismos Internacionais; CDC = Código de Defesa do
Consumidor.

Todos os tópicos do último edital serão cobertos por este curso, mas
daremos maior ênfase naqueles temas que as bancas têm dado maior
atenção (legislação federal, entomologia e fitopatologia). Alguns
aspectos que merecem destaque na análise da Tabela 1 são:

- Em todos os certames, a quantidade de questões de conhecimentos


específicos foi de vinte (20), ou seja, 50% ou menos da prova em
função da banca, no entanto, com pesos maiores na nota final.

- As questões sobre legislação federal são as que predominam,


independente da banca. Algumas bancas cobram de forma explícita
o texto da legislação e outras os conceitos contidos em cada uma
(veremos isto durante o nosso curso);

- Mesmo dividindo a prova em temas, o que foi realizado para


preparar este curso, as questões exigem tanto o conhecimento
técnico em agronomia quanto da interpretação da legislação.

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!6!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗ !
0

! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
No concurso de 2014, cada questão de conhecimento específico valia
1,5 ponto (maior peso entre as disciplinas da prova) e o candidato
precisava acertar no mínimo 1 questão de cada disciplina e ter 50%
aproveitamento de pontos totais da prova objetiva de múltipla escolha.
Caso contrário, seria eliminado.

Ao esmiuçar as notas dos candidatos que tiveram suas provas


discursivas corrigidas, pode-se concluir que poucos candidatos acertaram
todas as 20 questões de conhecimentos específicos (ao menos erraram
uma questão de conhecimento específico).

Outro ponto que podemos destacar, observando as notas de corte, é


de que sua chance de sucesso no certame será maior se conseguir: ao
menos 80% da pontuação da prova objetiva (considerando todas as
disciplinas); 100% da pontuação em conhecimentos específicos e 60%
nas demais ou; 85% e 73% respectivamente1.

Destaco que todas as questões aplicadas de conhecimentos


específicos, nos concursos anteriores para o cargo de Fiscal Federal
Agropecuário do MAPA e que fazem parte dos assuntos deste curso, serão
abordadas. Vamos explorar, também, questões de concursos para
outros órgãos e ver diversas formas de cobrar um mesmo assunto
numa prova. Em cima disto, vamos focar na resolução de questões para
explicar o conteúdo programático do último edital.

Sem mais, vamos abordar um dos primeiros conteúdos e resolver


algumas questões cobradas em provas anteriores sobre o tema!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

!#∃%&∋()!∗+∋,−&!.∗)/%0−12(&!3+(!4∗5()!.6(7−,!−∗!)(&)∗!,(&+8∋−5∗9!

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!7!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

PRAGAS QUARENTENÁRIAS

Nesta aula daremos início ao estudo sobre pragas quarentenárias,


assunto que certamente será abordado no seu concurso. Neste primeiro
momento, veremos conceitos básicos sobre este assunto, que terá seu
estudo aprofundado em nossa primeira aula do curso.

Como escrito anteriormente, vamos começar com um resumo teórico


apresentando conceitos importantes sobre o tema. Neste sentido, diversas
publicações da EMBRAPA2 relatam que praga quarentenária é “todo
organismo de natureza animal e/ou vegetal, que estando presente em
outros países ou regiões, mesmo sob controle permanente, constitui
ameaça à economia agrícola do país ou região importadora exposta".

Desta forma, considerando o Brasil, podemos dizer que qualquer praga


que tenha potencial de causar danos a economia agrícola brasileira pode
ser classificada como praga quarentenária

Diversos autores relatam, ainda, que estas pragas são, em geral,


exóticas e que sua entrada num país é auxiliada pela locomoção do
homem quando traz consigo plantas, animais, frutos ou sementes
infestadas por tais pragas.

As pragas quarentenárias são agrupadas em duas categorias


denominadas de A1 e A2 que, respectivamente, representam: pragas
exóticas não presentes no país (por exemplo o Brasil) e; pragas3 que
quando presentes apresentam distribuição localizada e possuem
controle oficial normatizado.

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
:
!;)−!5−&!4+/8%.−12(&!<=!>?≅>ΑΒ?Χ!∆9!≅9Ε!Φ?≅?ΓΗΑΒΧ!>9!?9!Ι9!9∋()(%!:.(∋∃−&∃−;∋∗(%#!?7ϑ0.%−!5(!Κ0Λ∗,)−1Μ∗!
#)/,−4−9! Ν%&4∗0ΟΠ(8! ()=! Θ6∋∋4=ΡΡΣΣΣ9−7(0.%−9.04∋%−9()/,−4−9/,Ρ?7(0.%−::Ρ?ΤΥ∀Ρ−,Π∗,(Ρ?ΤΥ∀ς∀∀Ως:Ξ∀∀:!
ΥΥΨ∀∀Ψ::Ψ96∋)8Ζ9!?.(&&∗!()=!ΥΞ!)−,9!:Υ∀[9!

! ?3+(8−&! 3+(! −4,(&(0∋−)! %)4∗,∋]0.%−! (.∗0⊥)%.−! 4∗∋(0.%−8Χ! ∗+! &(_−Χ! &Μ∗! .−4−(&! 5(! 4,∗)∗Π(,! 5−0∗&!
(.∗0⊥)%.∗&!−!5(∋(,)%0−5−!.+8∋+,−!α(&4<.%(!Π(7(∋−8β9!

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!8!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
Segundo a Instrução Normativa n.º 52/2007/MAPA, estas duas
categorias (A1 e A2) são denominadas, respetivamente, de ausente e
presente com seus conceitos expressos no art. 3º da referida norma:

I - Praga Quarentenária Ausente: praga de importância econômica


potencial para uma área em perigo, porém não presente no
território nacional;
II - Praga Quarentenária Presente: praga de importância econômica
potencial para uma área em perigo, presente no país, porém não
amplamente distribuída e encontra-se sob controle oficial.

Antes de resolvermos algumas questões, veremos outro conceito: o


de praga não quarentenária regulamentada. Segundo a Convenção
Internacional para Proteção dos Vegetais4 esta praga possui a
seguinte terminologia:

Praga não quarentenária cuja presença em plantas para plantio


influi no seu uso proposto, com repercussões economicamente
inaceitáveis e que, portanto, está regulamentada no território da
parte contratante importadora.

Dito isso, vamos estudar algumas questões!

1. Adaptado de CESPE – MAPA (2001). O MAPA, por meio da Secretaria


de Defesa Agropecuária, publicou a Instrução Normativa nº 38/99, em 14
de outubro de 1999, que estabelece a lista das pragas quarentenárias A1,
A2 e não-quarentenárias regulamentadas (alerta máximo). Com respeito a
essas pragas e a essa instrução normativa, julgue os seguintes itens, se
estão certos (C) ou errados (E).

a)! As pragas quarentenárias A1 são aquelas não-presentes no país,


porém, se introduzidas, são potenciais causadoras de importantes
danos econômicos.

RESOLUÇÃO:

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Ξ
!Α!∋(∃∋∗!5(&∋−!.∗0Π(01Μ∗!Λ∗%!4,∗)+87−5∗!4(8∗!Ν(.,(∋∗!0χ!Ψ9[Ψδ!5(!∀[!5(!?/,%8!5(!:ΥΥΩ9!

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!<!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
Segundo a Instrução Normativa, pragas quarentenárias A1 são
consideradas ausentes. Ainda, falamos que mesmo estando fora do país a
praga deve ser considerada de importância econômica potencial para
uma área de perigo, em outras palavras, ter potencial de causar danos
econômicos se introduzidas no país. Ao lermos novamente o item a),
veremos que estes conceitos estão contemplados pelo que foi escrito.
Portanto, o item está certo.

RESPOSTA: Certo

b)! Entende-se por pragas não-quarentenárias regulamentadas,


aquelas pragas quarentenárias cuja presença em plantas, ou partes
destas, para plantio, influi no seu uso proposto com impactos
econômicos inaceitáveis.

RESOLUÇÃO:

Esta é uma questão que exige muita atenção do candidato ao ler, pois
uma rápida leitura poderá induzir a marcação de uma resposta incorreta
no gabarito5. Isto porque a alternativa omitiu o termo “não” na definição:
pragas não-quarentenárias regulamentadas, aquelas pragas NÃO
quarentenárias. Assim, ao lermos atentamente, fica fácil de perceber o
erro da questão. Por este motivo, julgamos o item como errado.

RESPOSTA: Errado.

c)! As pragas quarentenárias A2 são assim denominadas por


possuírem uma importância secundária, não estarem presentes no
Brasil e, nos países onde elas ocorrem, causarem danos moderados
às plantas cultivadas.

RESOLUÇÃO:

Para responder este item, vamos relembrar o que são pragas


quarentenárias A2. Primeiro, estão presentes no território de estudo (o
Brasil, por exemplo), porém, sem ampla distribuição; segundo, são

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Ψ
!Α!7−/−,%∋∗!5(Λ%0%∋%Π∗!5(&∋(!.∗0.+,&∗!%05%.−!3+(!6∗+Π(!−8∋(,−1Μ∗!5−!,(&4∗&∋−!5∗!%∋()!()!,(8−1Μ∗!−∗!7−/−,%∋∗!
4,∗Π%&ε,%∗Χ!.∗0Λ∗,)(!5%Π+87−5∗!4(8−!/−0.−!∗,7−0%−5∗,−!5(&∋(!.(,∋−)(!()!:ΥΥ∀!αφ#ΒΦ#β9!

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1=!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
consideradas de importância econômica potencial e; terceiro,
possuem controle oficial normatizado. Ao lermos novamente o item,
verificamos a contradição da redação com o que se entende por praga
quarentenária A2. Logo, o item está errado.

RESPOSTA: Errado.

d)! Estão relacionadas como pragas quarentenárias A1 apenas ácaros,


dípteros, hemípteros, hymenópteros, lepidópteros e nematóides,
não fazendo parte dessa relação, os procariontes, vírus, bactérias,
fungos e ervas daninhas.

RESOLUÇÃO:

Nesta questão você pode criticar o fato da banca ter cobrado o


conhecimento dos tipos de pragas quarentenárias A1 relacionadas na
Instrução Normativa citada na questão. No entanto, vamos relembrar que
pelas definições apresentadas qualquer organismo vegetal e/ou animal
pode ser classificado como praga quarentenária (desde que atenda aos
critérios expostos). Assim, quando o item traz que apenas alguns grupos
de indivíduos são considerados pragas quarentenárias A1 e outros não
(como fungos, vírus, bactérias e ervas daninhas), podemos supor que
o item esteja errado. Não podemos apenas supor, temos que ter certeza
de nossa resposta.

Para nos ajudar, vamos ler algumas informações que foram divulgadas
meses antes dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (2016): “existem mais
de 500 espécies de pragas quarentenárias, sendo que 221 já ocorrem em
pelo menos um país do continente sul-americano”.

Diante disso, temos um questionamento: será que dentro destas 500


espécies nenhuma delas é classificada como coleóptero, vírus,
bactéria, fungo ou erva daninha? Assim, ao associar o conhecimento
sobre entomologia e fitopatologia com o de pragas quarentenárias
juntamente com a presença da expressão apenas, podemos julgar o item
como errado.

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!11!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
RESPOSTA: Errado.

2. UFRJ – 2004 (MAPA). As Pragas Quarentenárias A1, Pragas


Quarentenárias A2 e Pragas não Quarentenárias Regulamentadas podem
ser definidas, respectivamente, como sendo:

a)! aquelas não presentes no País e que podem causar danos severos,
se introduzidas; aquelas de importância econômica potencial, já
presentes no País, porém com distribuição restrita e programa
oficial de controle; pragas não quarentenárias cuja presença em
plantas ou em partes de plantas usadas para plantio pode resultar
em impactos econômicos inaceitáveis;
b)! aquelas não presentes no País; aquelas já presentes no País, porém
de importância secundária; pragas cuja presença está restrita a
regiões sem tradição agrícola;
c)! aquelas não presentes no País; pragas cuja presença está restrita
a regiões sem tradição agrícola; aquelas já presentes no País,
porém de importância secundária;
d)! aquelas não presentes no País e que podem causar danos severos,
se introduzidas; aquelas não presentes no País, porém de
importância secundária; pragas quarentenárias cuja presença em
plantas ou em partes de plantas usadas para plantio pode resultar
em impactos econômicos inaceitáveis;
e)! aquelas não presentes no País e que podem causar danos severos,
se introduzidas; aquelas de importância econômica já presentes no
País, e com programa oficial de controle; pragas não
quarentenárias cuja presença em plantas ou em partes de plantas
usadas para plantio pode resultar em impactos econômicos
inaceitáveis.

RESOLUÇÃO:

Esta é mais uma questão que cobra os conceitos sobre pragas


quarentenárias. Ao lermos cada item, podemos observar que os itens b),
c) e d) trazem conceitos incorretos sobre pragas quarentenárias A2.
Assim, ficamos na dúvida entre os itens a) e e). No entanto, o conceito de
pragas quarentarias A2 está correto no item a), pois o item e) não traz a
restrição da distribuição da praga como descrito no primeiro item, que

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!12!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
nos leva a entender que a praga ocorre amplamente no país. Assim,
podemos marcar o item a) como nossa resposta.

RESPOSTA: Item a).

Para que possamos fixar o conteúdo apresentado e discutido, vejamos


o seguinte esquema6:

!∀#∃#%&∋%()∗+∀,−./(#%∋/+.0)(/#%∗+,∋./(#12

.3+

4()

!∀∋4∋.,∋%.+%∗#542

.3+ !∀#∃#%&∋#∀()∗()+∀,#%−.

4()

6(4,∀(785&#% #)∗1#)∋.,∋2

4()

.3+

!+448(%/+.,∀+1∋% +9(/(#12

4() !∀#∃#%&∋#∀()∗()+∀,#%−/

.3+

Para demonstrar as diferentes formas de cobrar um mesmo assunto,


vamos resolver mais duas questões sobre pragas quarentenárias de outros
concursos.

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

!≅(.+,&∗&!&%)%8−,(&!&(,Μ∗!+∋%8%−5∗&!5+,−0∋(!0∗&&∗!.+,&∗9!

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!13!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
3. IF Farroupilha – 2013 (IF Farroupilha). O método legislativo através
do serviço quarentenário tem por objetivo evitar a entrada de pragas
exóticas e impedir sua disseminação. Um inseto-praga, que é considerado
de importância econômica potencial para a área de risco e onde ainda não
se encontra presente, é classificado em:

a)! praga quarentenária A2.


b)! praga quarentenária A1.
c)! praga quarentenária regional A1.
d)! praga quarentenária regional A2.
e)! praga quarentenária regional A3.

RESOLUÇÃO:

Para responder esta questão, vamos relembrar que as pragas


quarentenárias são classificadas em dois grupos, quais sejam, A1 e A2 que
resumidamente se referem as que estão ausentes ou presentes,
respectivamente. Ainda, as pragas quarentenárias A1 são aquelas
consideradas de importância econômica potencial para um país. Com esses
comentários, temos embasamento suficiente para marcar o item b) como
a nossa resposta correta.

RESPOSTA: Item b)

4. UFPI – 2010 (ADAPI). Até meados de 2009, a doença que ataca a


cana-de-açúcar, denominada de Ferrugem Alaranjada da cana, ainda não
havia sido identificada em canaviais brasileiros. No entanto, no final do
mesmo ano, esta foi identificada em canaviais no Estado de São Paulo.
Desta forma, de acordo com a legislação vigente, podemos afirmar que
esta doença:

a)! passou de não quarentenária para quarentenária A2;


b)! passou de quarentenária A1 para quarentenária A2;
c)! passou de quarentenária A1 para não quarentenária;

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!14!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
d)! passou para quarentenária A1;
e)! passou de quarentenária A2 para quarentenária A1.

RESOLUÇÃO:

Novamente, uma outra questão que cobra o conhecimento dos


conceitos de pragas quarentenárias A1 e A2. Vejamos de forma simples:

A1 ! ausente

A2 ! presente

O enunciado da questão relata que a doença não existia no Brasil,


passou existir e de forma localizada (sem ampla distribuição). Dessa
forma, seguindo a ordem cronológica temos:

Doença não existia no país ! Existe de forma localizada

Ou seja:

Era considerada praga quarentenária A1 e com sua identificação


numa determinada região sua classificação mudou para A2. Logo, dos itens
listados o correto é o item b).

RESPOSTA: Item b)

Esta última questão nos traz uma conclusão: um inseto, fungo, vírus,
bactéria, enfim, qualquer organismo que seja considerado uma praga pode
num determinado espaço de tempo ser considerado uma praga
quarentenária A1 e, depois, ser classificado como A2, ou até mesmo, como
praga não quarentenária regulamentada.

Por exemplo, até o início da década de 80 (séc. XX) o bicudo-do-


algodoeiro (Anthonomus grandis) não tinha sido identificado no Brasil, mas
após tal período esta praga, que é originária do México, já era encontrada
nas principais regiões produtoras de algodão e com o passar do tempo,

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!15!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
mudou toda a geografia do cultivo desta espécie, bem como o manejo
fitossanitário.

Há diversos outros exemplos que podem ser citados, sendo um dos


mais recentes a Helicoverpa armigera.

Diante disso, são divulgadas Instruções Normativas com a lista de


pragas quarentenárias A1 e A2 e não quarentenárias regulamentadas7 ou
com a exclusão de determinadas espécies da lista de pragas A1 ou A2.

A consulta das Instruções Normativas pode ser feita diretamente no


endereço eletrônico http://sistemasweb.agricultura.gov.br/sislegis, por
meio do módulo do cidadão que nos leva as seguintes telas, quando
inserimos o termo “praga quarentenária” e marcamos a opção “instrução
normativa”:

Ante o exposto, podemos compreender a necessidade de programas


de defesa sanitária vegetal rígidos, normatizados por meio de legislação

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
[
! ?! Κ0&∋,+1Μ∗! Γ∗,)−∋%Π−! 0χ! Ψδ! 5(! ∀γ! 5(! Ν(()/,∗! 5(! :Υ∀∴! 5∗! η%0%&∋<,%∗! 5−! ?7,%.+8∋+,−! Φ(.+ι,%−! (!
?/−&∋(.%)(0∋∗Χ!4∗,!(∃()48∗9!

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!16!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
específica, que visem a redução do risco de entrada de novas pragas no
país.

Neste contexto, vamos a mais três questões que estão relacionadas a


lista de pragas quarentenárias (A1 e A2) e não quarentenárias.

5. CONSULPLAN – MAPA (2014). As seguintes pragas quarentenárias


estão presentes na lista de pragas quarentenárias A1 em 13/02/2014:

• Diabrotica balteata;
• Anastrepha suspensa;
• Agrotis segetum;
• Frankliniella bispinosa.

Os insetos citados anteriormente pertencem, respectivamente, às ordens

a)! Diptera, Coleoptera, Lepidoptera e Thysanoptera.


b)! Coleoptera, Diptera, Thysanoptera e Lepidoptera.
c)! Coleoptera, Diptera, Lepidoptera e Thysanoptera.
d)! Thysanoptera, Lepidoptera, Diptera e Coleoptera.

RESOLUÇÃO:

O item correto desta questão pode ser encontrado pelo conhecimento


da ordem de três das quatro pragas. Podemos fazer isso associando o
gênero destas pragas ausentes (pragas quarentenárias A1) com pragas
conhecidas no Brasil.

Por exemplo, no gênero Diabrotica temos a larva-alfinete, inseto-


praga na cultura do milho, que representa a fase imatura de besouros
(coleópteros). Com isso, já eliminamos os itens a) e d). Por conseguinte,
as alternativas que sobraram b) e c), nos indicam que o gênero Anastrepha
pertence a ordem Diptera.

Para marcar o item correto, temos que saber a qual ordem pertence o
gênero Agrotis ou Frankliniella. Para tanto, vamos considerar o gênero
Agrotis. A largata-rosca, pertencente a este gênero, é inseto-praga de

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!17!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
grande gravidade em diversas regiões em função dos extensos danos que
podem promover com o adulto sendo uma mariposa (ou seja, lepidóptero).

Desta forma, por mais que o enunciado da questão traga o termo


pragas quarentenárias A1 (que não existem no Brasil), podemos encontrar
o item correto fazendo uma associação a nível de gênero que nos leva a
assinalar o item c).

RESPOSTA: Item c)

6. UFRJ – 2004 (MAPA). Considerando a importância econômica da


cultura da batata e o poder de destruição da “requeima”, causada por
Phytophthora infestans, e o fato de o patógeno ser transmitido pela batata-
semente, a classificação correta desta praga, tendo como base a
Convenção Internacional de Proteção Fitossanitária, é:

a)! praga quarentenária regulamentada;


b)! praga não quarentenária regulamentada;
c)! praga exótica regulamentada;
d)! praga quarentenária A2;
e)! praga quarentenária A1.

RESOLUÇÃO:

Esta pode ser uma questão difícil de responder, no entanto, podemos


eliminar alguns itens rapidamente e aumentar nossa chance de sucesso.
Lembra dos conceitos de pragas quarentenárias e não quarentenárias?
Então, a partir deles podemos eliminar os itens a) e c) que trazem termos
distintos ao já apresentados e que, também, não constam na referida
Convenção. Feito isto, nos restam três opções que podemos reescrever de
forma resumida da seguinte forma:

b) quando presente em plantas causa danos inaceitáveis

d) presente no país, porém, com distribuição localizada;

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!18!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
e) ausente no país;

A “requeima” é relatada por alguns autores como uma das principais


doenças causadas por fungos na cultura da batata, além de outras culturas.
Logo, podemos eliminar o item e), pois entendemos que o fungo está
presente no país.

Por fim, a questão nos informa que a doença tem poder de


destruição, que podemos dizer que é diferente de potencial e concluir
que o item b) é a alternativa correta.

RESPOSTA: Item b) 0

7. UFPI – 2010 (ADAPI). A mosca-das-frutas (Anastrepha ludens) é uma


praga que ocorre em várias regiões produtoras de frutas no Brasil e no
mundo. Esta praga, de acordo com Legislação em vigor é considerada:

a)! quarentenária A1;


b)! praga doméstica;
c)! quarentenária;
d)! não quarentenária;
e)! quarentenária A2.

RESOLUÇÃO:

A resolução desta questão pode ser feita da mesma maneira da


anterior e com maior facilidade, pois o enunciado da questão já nos informa
que a praga (mosca-das-frutas) ocorre em várias regiões do Brasil e no
Mundo. Isso nos faz eliminar os itens a), b), c) e e), e assinalar o item d)
(praga não quarentenária) como alternativa correta.

RESPOSTA: Item d)

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!1<!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

Pessoal, a aula de hoje foi um esquenta para o nosso curso. O tópico


que iniciamos neste encontro será abordado novamente na aula 01, ok?
Porém, todos os assuntos do Edital estão interligados e podemos relembrar
algum conceito ou aplicação em aulas futuras.

Bons estudos e até o nosso próximo encontro!

Abraço,
Prof. Edmar Vinícius de Carvalho
Facebook: edmarvinicius.decarvalho
e-mail: edmar987@gmail.com

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!2=!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

1. Adaptado de CESPE – MAPA (2001). O MAPA, por meio da Secretaria


de Defesa Agropecuária, publicou a Instrução Normativa nº 38/99, em 14
de outubro de 1999, que estabelece a lista das pragas quarentenárias A1,
A2 e não-quarentenárias regulamentadas (alerta máximo). Com respeito a
essas pragas e a essa instrução normativa, julgue os seguintes itens, se
estão certos (C) ou errados (E).

a)! As pragas quarentenárias A1 são aquelas não-presentes no país,


porém, se introduzidas, são potenciais causadoras de importantes
danos econômicos.
b)! Entende-se por pragas não-quarentenárias regulamentadas,
aquelas pragas quarentenárias cuja presença em plantas, ou partes
destas, para plantio, influi no seu uso proposto com impactos
econômicos inaceitáveis.
c)! As pragas quarentenárias A2 são assim denominadas por
possuírem uma importância secundária, não estarem presentes no
Brasil e, nos países onde elas ocorrem, causarem danos moderados
às plantas cultivadas.
d)! Estão relacionadas como pragas quarentenárias A1 apenas ácaros,
dípteros, hemípteros, hymenópteros, lepidópteros e nematóides,
não fazendo parte dessa relação, os procariontes, vírus, bactérias,
fungos e ervas daninhas.

2. UFRJ – 2004 (MAPA). As Pragas Quarentenárias A1, Pragas


Quarentenárias A2 e Pragas não Quarentenárias Regulamentadas podem
ser definidas, respectivamente, como sendo:

a)! aquelas não presentes no País e que podem causar danos severos,
se introduzidas; aquelas de importância econômica potencial, já
presentes no País, porém com distribuição restrita e programa
oficial de controle; pragas não quarentenárias cuja presença em

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!21!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
plantas ou em partes de plantas usadas para plantio pode resultar
em impactos econômicos inaceitáveis;
b)! aquelas não presentes no País; aquelas já presentes no País, porém
de importância secundária; pragas cuja presença está restrita a
regiões sem tradição agrícola;
c)! aquelas não presentes no País; pragas cuja presença está restrita
a regiões sem tradição agrícola; aquelas já presentes no País,
porém de importância secundária;
d)! aquelas não presentes no País e que podem causar danos severos,
se introduzidas; aquelas não presentes no País, porém de
importância secundária; pragas quarentenárias cuja presença em
plantas ou em partes de plantas usadas para plantio pode resultar
em impactos econômicos inaceitáveis;
e)! aquelas não presentes no País e que podem causar danos severos,
se introduzidas; aquelas de importância econômica já presentes no
País, e com programa oficial de controle; pragas não
quarentenárias cuja presença em plantas ou em partes de plantas
usadas para plantio pode resultar em impactos econômicos
inaceitáveis.

3. IF Farroupilha – 2013 (IF Farroupilha). O método legislativo através


do serviço quarentenário tem por objetivo evitar a entrada de pragas
exóticas e impedir sua disseminação. Um inseto-praga, que é considerado
de importância econômica potencial para a área de risco e onde ainda não
se encontra presente, é classificado em:

a)! praga quarentenária A2.


b)! praga quarentenária A1.
c)! praga quarentenária regional A1.
d)! praga quarentenária regional A2.
e)! praga quarentenária regional A3.

4. UFPI – 2010 (ADAPI). Até meados de 2009, a doença que ataca a


cana-de-açúcar, denominada de Ferrugem Alaranjada da cana, ainda não
havia sido identificada em canaviais brasileiros. No entanto, no final do
mesmo ano, esta foi identificada em canaviais no estado de São Paulo.
Desta forma, de acordo com a legislação vigente, podemos afirmar que
esta doença:

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!22!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
a)! passou de não quarentenária para quarentenária A2;
b)! passou de quarentenária A1 para quarentenária A2;
c)! passou de quarentenária A1 para não quarentenária;
d)! passou para quarentenária A1;
e)! passou de quarentenária A2 para quarentenária A1.

5. CONSULPLAN – MAPA (2014). As seguintes pragas quarentenárias


estão presentes na lista de pragas quarentenárias A1 em 13/02/2014:

• Diabrotica balteata;
• Anastrepha suspensa;
• Agrotis segetum;
• Frankliniella bispinosa.

Os insetos citados anteriormente pertencem, respectivamente, às ordens:

a)! Diptera, Coleoptera, Lepidoptera e Thysanoptera.


b)! Coleoptera, Diptera, Thysanoptera e Lepidoptera.
c)! Coleoptera, Diptera, Lepidoptera e Thysanoptera.
d)! Thysanoptera, Lepidoptera, Diptera e Coleoptera.

6. UFRJ – 2004 (MAPA). Considerando a importância econômica da


cultura da batata e o poder de destruição da “requeima”, causada por
Phytophthora infestans, e o fato de o patógeno ser transmitido pela batata-
semente, a classificação correta desta praga, tendo como base a
Convenção Internacional de Proteção Fitossanitária, é:

a)! praga quarentenária regulamentada;


b)! praga não quarentenária regulamentada;
c)! praga exótica regulamentada;
d)! praga quarentenária A2;
e)! praga quarentenária A1.

7. UFPI – 2010 (ADAPI). A mosca-das-frutas (Anastrepha ludens) é uma


praga que ocorre em várias regiões produtoras de frutas no Brasil e no
mundo. Esta praga, de acordo com Legislação em vigor é considerada:

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!23!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !
a)! quarentenária A1;
b)! praga doméstica;
c)! quarentenária;
d)! não quarentenária;
e)! quarentenária A2.

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!24!

00000000000 - DEMO
!∀#∃%!&∋%#(∀)∗%)+%!,−&!∀)∗+.∗%#/0∗1/23#∀∋∀∗4∗∋1+1∗
! ! (%∀2&1∗%∗56%)(7%)∗!∀∋%#(181)∗
0 !
! +9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>ΗΙ:∗ϑ∗1∆Η>∗ΚΚ
! !

Questão Resposta correta

1a. C

1b. E

1.c E

1.d E

2. A

3. B

4. B

5. C

6. B

7. D

+9:;0∗%<=>9∗?≅ΑΒΧ≅∆Ε∗<Φ∗!>9Γ>Ι:∗∗∗∗∗∗∀∀∀#∃%&∋(&∃)∗(+,−+.∋%,%#+,/#0∋!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!25!

00000000000 - DEMO