Você está na página 1de 32

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL “MANOEL GUEDES”

Escola Técnica “Dr. Gualter Nunes”


Curso de Habilitação Profissional de Técnico em Farmácia

ANATOMIA E FISIOLOGIA
HUMANA

MÓDULO I

Tatuí-SP
2018
Introdução

Nosso corpo é a única coisa que carregamos do momento que nascemos até
nosso último respiro. O Conhecimento do corpo, sua estrutura (como é juntado) e sua
função representam algumas das informações mais práticas e úteis que uma pessoa
poderia ter.

A palavra fisiologia define a ciência que estuda o funcionamento de todas as


partes de um organismo vivo, e seu estudo é de grande importância para a explicação
da própria vida.

Cada um de nós é fisicamente único, desde a forma de nossa pele até o


tamanho e formato de nossos órgãos. O que temos em comum é um milagroso
conjuntos de Sistemas Internos, cada qual com sua própria e precisa regra de
funcionamento.

A Anatomia Humana é a ciência que estuda a constituição do organismo do


Homem.

Resumidamente, a Anatomia estuda a Forma e a Fisologia estuda o


Funcionamento do Corpo.

Conhecimento não é aquilo que você sabe, mas o que você faz com aquilo que você
sabe.

Aldous Huxley
1.Noções Gerais

O corpo humano divide-se basicamente em:

• Cabeça: compreende o crânio e a face;


• Tronco: compreende o pescoço, o tórax, o abdômen e a pelve;
• Dois membros inferiores;
• Dois membros superiores.

Os órgãos localizam-se no interior das seguintes cavidades do corpo:

Cavidade Conteúdo
Craniana Encéfalo
Vertebral Medula Espinhal
Torácica Coração e seus vasos sanguíneos
Abdominal Estômago, intestino, fígado vesícula biliar, pâncreas e rins.
Pélvica Reto, bexiga, órgãos genitais.

a-) Cavidade Craniana:Encéfalo

b-)Cavidade Vertebral: Medula Espinhal


c-) Cavidade Torácica:Coração e seus vasos sanguíneos

d-) Cavidade Abdominal: Estômago, intestino, fígado vesícula biliar, pâncreas e rins.
e-) Cavidade Pélvica: Reto, bexiga, órgãos genitais.

2. Constituição do Corpo Humano

O Corpo Humano é fundamentalmente composto por células, existindo cerca


de 75 trilhões delas em cada ser humano. O agrupamento de células com a mesma
propriedade irá formar o tecido. A reunião de vários tecidos forma um órgão e a
reunião de vários órgãos forma nosso organismo.

3. Noções Gerais de Citologia

A Citologia estuda as células, estruturas visíveis somente com o auxílio do


microscópio. São compostas por:

• Membrana Celular: é um envoltório externo.


• Citoplasma: delimitado pela membrana celular, sendo composto por água,
proteínas, lipídios, glicídios, etc.
• Núcleo : Contém as informações genéticas, as quais transmitem os caracteres
Hereditários.
Os seres vivos, dependendo de sua organização celular, podem ser
classificados em procariontes e eucariontes. As células procariontes são existentes em
bactérias, as células eucariontes, têm maior grau de organização e são presentes no
organismo do Homem. Na célula procarionte, ao contrario da célula eucarionte, não há
membrana separando o material genético do citoplasma.

Células Procariontes

Os antibióticos, por exemplo, são medicamentos que atuam sobre células


bacterianas, não atuando sobre células de vírus, nem fungos.
4-)SISTEMA CARDIOVASCULAR

O Sistema Circulatório é nossa super estrada. Este circuito fechado écomposto


de coração e vasos sanguíneos, (artérias, veias e capilares). O coração á uma bomba
propulsora que recebe sangue das veias e impulsiona através das artérias, suprindo o
organismo com sangue, fornecendo um suprimento sangüíneo adequado para manter
um ambiente ótimo para os tecidos orgânicos, ou seja, suprindo oxigênio e nutrientes
e removendo os produtos de degradação

O coração apresenta quatro cavidades: duas aurículas e dois ventrículos. Cada


lado funciona com um tipo de sangue: o direito com sangue venoso e o esquerdo com
sangue arterial. Não havendo mistura de sangue no coração.

De acordo com a função que desempenham, as cavidades do coração têm


espessuras diferentes. Os átrios que enviam sangue para os ventrículos, têm paredes
musculares finas. Os ventrículos, especialmente o esquerdo, que bombeiam sangue
para partes distantes, têm paredes grossas. Quando os ventrículos se contraem, o
aumento da pressão provoca o fechamentodas válvulas bicúspide (lado esquerdo) e
tricúspede (lado direito), que impedem o retorno do sangue nas aurículas.

Os vasos que chegam ao coração (pela aurícula direita) trazendo sangue, das
diversas partes do corpo encontram-se sob baixa pressão e são denominados veias.
Os vasos que saem do coração, conduzem sangue aos órgãos sob alta pressão e são
chamadas artérias.

As artérias coronárias, os primeiros ramos da aorta , carregam sangue


oxigenado para o músculo cardíaco assegurando que o coração receba sua “nutrição”
antes de qualquer outro órgão. Quando as artérias coronárias estão comprometidas, o
coração é afetado, ocasionando um ataque cardíaco.

O som que se ouve quando o coração bate não vem de um movimento do


coração, é o som das válvulas cardíacas se fechando.
A circulação do sangue se faz da seguinte maneira:

• O Sangue venoso (rico em CO 2 ), proveniente dos tecidos, entra no átrio


direito, de onde é impulsionado para o ventrículo direito.
• Do Ventrículo direito ele é conduzido para os pulmões, através da
artéria pulmonar, que se ramifica em direita e esquerda, indo cada uma
delas respectivamente para o pulmão direito e esquerdo. Ocorrendo a
troca de gás carbônico por oxigênio, nos capilares que envolvem os
alvéolos pulmonares.
• Do pulmão o sangue retorna (oxigenado) e entra no átrio esquerdo.
• Do átrio esquerdo, passa para o ventrículo esquerdo, de onde é
bombeado para todo o corpo, através da artéria aorta.

A primeira causa de óbito no mundo são as doenças cardio-vasculares


(Hipertensão arterial, Acidente Vascular Cerebral, IsquemiasCardíacas:Angina,
Infarto).
5-)SISTEMA URINÁRIO

O Sistema Urinário é formado por dois rins, ureter, bexiga e uretra. Cada rim
tem um ureter – conduto que leva á bexiga urinária. Os ureteres conduzem a urina até
a bexiga por meio de contrações musculares A unidade funcional do rim é o néfron.
Nos dois rins de um ser humano, existem cerca de 2 milhões de néfrons.. Os rins são
os principais órgãos do sistema urinário e podem filtrar em torno de 1,5 litros de
sangue por minuto. No decorrer da vida fabrica-se em torno de 45 mil litros de urina.
A função básica dos néfrons é de limpar ou “aclarar” o plasma sanguíneo, dele
retirando as substâncias indesejáveis ao mesmo tempo em que retém as substâncias
que ainda são necessárias ao corpo, ou seja, basicamente sua função é remover os
produtos finais do metabolismo e controlar as concentrações de substâncias como
sódio, potássio, etc., Desta forma, a teoria da função renal é a de filtrar grandes
quantidades de líquidos, reabsorvendo constituintes necessários e eliminando os que
não são necessários. A função renal comprometida pode provocar graves toxicidades.

Os rins, apesar de serem protegidos pelas costelas podem ser facilmente


deslocados por um golpe direto. A bexiga, cercada pelos ossos pélvicos, pode
armazenar mais de 600 mililitros de urina até se esvaziar.

Uma das condições fundamentais para a sobrevivência de um organismo é a


capacidade de manter a composição de seus líquidos biológicos.

Devido à ingestão de alimentos, sais minerais são acrescentados aos líquidos


podendo estar temporariamente em excesso. Ao contrário, eles podem estar em
concentração abaixo da normal, se forem perdidos exageradamente pelo suor ou
pelas fezes.
Apesar dessas múltiplas influências sobre os fluídos biológicos, eles mantêm
sua composição de forma notavelmente estável.

É a excreção que permite a remoção das substâncias em excesso, ou sua


economia se estiver faltando. Trata-se então de um excelente exemplo de equilíbrio.

De forma resumida, podemos admitir então duas funções do sistema urinário:

• Eliminação de substâncias tóxicas.


• Regulação do equilíbrio hidrossalino (água e sal).
Os rins são órgãos pares, localizados na região dorsal, na linha da cintura, um de cada
lado da coluna vertebral, e têm o aspecto de grão de feijão. Na parte superior, situa-se
a glândula supra renal, pertencente ao sistema endócrino.

A observação grosseira de um rim em corte frontal permite reconhecer


internamente uma zona cortical (córtex), onde ficam os glomérulos, e uma zona
medular (medula), onde se dispõem os túbulos. O conjunto glomérulo – túbulos forma
o néfron, unidade funcional do rim.

O ureter, é definido como um tubo muscular que une o rim à bexiga. A bexiga é uma
bolsa que funciona como reservatório da urina. O fluxo contínuo de urina que chega
pelos ureters é transformado em micção. A capacidade máxima da bexiga é de
aproximadamente 480 ml. Com a metade deste volume já há condução de impulsos
nervosos ao cérebro fazendo com que tenhamos vontade de urinar. A uretra constitui
o último segmento das vias urinárias. Ela difere nos dois sexos, mas em ambos é um
tubo mediano que estabelece a comunicação entre a bexiga urinária e o meio exterior.
No homem ela mede mais ou menos 20 cm e é uma via comum para a micção e
ejaculação. Na mulher ela mede mais ou menos 5 cm e serve apenas à excreção da
urina.

O néfron:
Unidade funcional dos rins. É dentro do néfron que acontece a filtração do sangue
para que ocorra a formação de urina.
Os Rins e a Saúde

Os rins são órgãos de extrema importância na homeostase do organismo.


Quando por qualquer razão, 2/3 do número total de néfrons são destruídos, a pessoa
passa a apresentar um quadro de insuficiência renal
A hemodiálise é um tratamento no qual o sangue do paciente circula por um aparelho,
na realidade um grande filtro.
Os transplantes de rins foram os primeiros a serem efetuados com sucesso, e tornam
possível a recuperação completa de pacientes às vezes já sem qualquer perspectiva
de vida. Basta um rim para cada um desses paciente salvá-los.
Pois além de eliminarem excretas, regulam o volume total de água no corpo e as taxas
de soluto minerais e orgânicos dos fluidos corporais, que devem ser isotônico em
relação à célula. Sendo os néfrons estruturas muito delicadas, os rins são
particularmente sensíveis a infecções, toxinas, grandes variações de pressão arterial e
disfunções hormonais. Tais fatores podem provocar problemas relacionados ao
sistema excretor, sendo mais comuns as infecções da uretra (uretrite), da bexiga
(cistite), e dos néfrons (glomérulonefrite), causadas por bactérias, com excesso de
uréia no sangue (uremia), edemas, desequilíbrio de íons, falha cardíaca e até coma.
Nos casos mais graves, a solução é o paciente submeter-se à hemodiálise enquanto
aguarda o transplante de rim,
capaz de reter uma boa taxa de uréia desse sangue. Ao longo da “serpentina”, as
substâncias que estão em alta concentração no plasma sangüíneo (uréia, sais e
toxinas) passam para a solução exterior. A hemodiálise dura em média 4 a 6 horas.

6-)SISTEMA ENDÓCRINO

Dá-se o nome de sistema endócrino ao conjunto de glândulas que apresentam


como atividade característica a produção de secreções denominadas hormônios
(mensageiros).Tanto o sistema hormonal (conjunto de glândulas endócrinas), quanto o
sistema nervoso são responsáveis pelo controle ou coordenação de todas as funções
que o organismo desempenha.
No controle nervoso, a ação é mais imediata e quando o estímulo cessa,
cessa também a resposta. Quando queimamos a mão, por exemplo, ocorre, uma
única resposta reflexa, que determina sua retirada pela contração de músculos do
braço; as sensações desagradáveis da queimadura podem continuar, mas a resposta
é uma só. No controle hormonal a ação é mais lenta, pois depende de pequenas
doses de substâncias chamadas hormônios, que são produzidos pelas glândulas
endócrinas (glândulas de secreção interna) e liberadas na corrente sanguínea, cujo
fluxo é menos veloz que os impulsos nervosos. Quando o estímulo que desencadeou
a ação cessa, a resposta persiste, até que o hormônio seja eliminado, desaparecendo
da corrente sanguínea. Se você se assusta, por exemplo, um hormônio chamado
adrenalina provocará taquicardia e palidez, que persistem por certo tempo mesmo que
o agente determinante do susto tenha desaparecido. O Homem apresenta em seu
organismo várias glândulas endócrinas.
As principais glândulas são:
• Pâncreas
• Supra-renais ou Adrenal
• Hipófise
• Tireóide
• Testículos
• Ovário
• Etc
Algumas patologias estão relacionadas com alterações na produção de
hormônios, como hipotireoidismo, hipertireoidismo, diabetes mellitus, deficiência de
hormônios sexuais (dificuldade para engravidar), deficiência de hormônio do
crescimento, etc. A ação hormonal pode tanto estimular como inibir funções orgânicas,
tais como crescimento, metabolismo, reprodução, etc.
6.1) Pâncreas (Insulina).

A glicose é um açúcar simples, utilizado pelo organismo para gerar energia. O


diabetes é uma condição, na qual o corpo não pode utilizar a glicose apropriadamente.
A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas. O pâncreas libera a insulina na
corrente sangüínea quando a glicose do sangue aumenta após as refeições. A insulina
ajuda a glicose a passar do sangue para as células do corpo, onde é usada como
energia ou armazenada para seu uso futuro. Sem a insulina adequada, a glicose no
sangue aumenta acima do normal porque não consegue entrar nas células dos
tecidos, aparecendo na urina quando os níveis de glicose no sangue atingem 170
mg/100ml.
O aumento do volume urinário (poliúria) ocorre quando o corpo tenta eliminar o
excesso de açúcar. A água é retirada dos tecidos para formar mais urina. A sede
excessiva (polidipsia) ocorre quando o corpo tenta repor a água que está sendo
eliminada. Fadiga, fraqueza e perda de peso ocorrem porque o corpo é incapaz de
usar ou armazenar glicose. O apetite aumenta (polifagia) numa tentativa de fornecer
ao corpo mais alimento para gerar energia. Outros sintomas podem incluir infecções,
cicatrização lenta, prurido, dormência, dor ou formigamento nas mãos ou nos pés e
alteração na visão, entre outros. Os sintomas do diabete podem ser controlados com
tratamento adequado.

O diabete se desenvolve mais freqüentemente em indivíduos acima de


quarenta anos. Em tais pacientes, o pâncreas geralmente produz insulina, mas esta
não é suficientemente ativa ao nível das células dos tecidos. Este diabetes é o
chamado “tipo 2”, embora alguns pacientes necessitem adicionar insulina ao
tratamento para um controle adequado. O diabete tipo1, geralmente se desenvolve em
indivíduos jovens. O pâncreas produz pouca ou nenhuma insulina, e a aplicação diária
de injeções de insulina se faz necessária. O diabetes aumenta a vasoconstrição, por
isso está diretamente associada com disfunção erétil e hipertensão.
Os hipoglicemiantes orais são eficazes somente se o pâncreas for capaz de
produzir insulina (tipo 2).

O teste de glicose na urina é a forma de se verificar o grau de eficácia com que


o diabetes está sendo controlado. Os rins constantemente filtram o sangue e
produzem urina. Quando a quantidade de glicose no sangue aumenta, parte dessa
glicose aparecerá na urina. Um teste de urina mostrando uma grande quantidade de
açúcar sugere um nível alto de glicose no sangue.

O objetivo do tratamento do diabetes é o controle da glicose no sangue. Os


sinais e sintomas de hiperglicemia são: Excesso de urina, sede, fraqueza e fadiga,
distúrbios visuais, teste de urina positivo para açúcar. A hiperglicemia freqüente ou
prolongada pode afetar de forma adversa, os nervos, vasos sangüíneos e outros
tecidos do corpo.

As duas complicações de emergência que podem ocorrer com o diabetes são:


Cetoacidose (coma diabético) e reação à insulina (hipoglicemia).

A cetoacidose ou coma diabético é causada por um suprimento inadequado de


insulina, que impede o organismo de usar a glicose no sangue para gerar energia. Em
lugar da glicose o organismo começa a queimar gordura, o que resulta na formação de
substâncias chamadas “cetonas”. A cetoacidose é tratada com insulina, a
hospitalização é necessária, a menos que a condição seja revertida. O indivíduo com
diabetes “tipo 2” normalmente não ocorre perigo de desenvolver cetoacidose.

Sinais e sintomas de cetoacidose: testes de urina constantemente positivos


para açúcar e cetonas, urina e sede excessivas, fraqueza, fadiga e perda de peso,
desidratação, dores abdominais, náuseas, vômitos, visão turva, respiração rápida,
profunda, hálito com odor de fruta, sonolência e inconsciência.

A reação à insulina (hipoglicemia), ocorre quando há insulina em excesso e


pouco açúcar no sangue, o tratamento consiste em reposição da glicose.

Sinais e sintomas de hipoglicemia: lentidão dos movimentos e raciocínio,


cefaléia, irritabilidade, choro, tremores, transpiração, desorientação, fome, mudança
de humor ou comportamento, dormência dos lábios ou língua, palidez, fraqueza, pele
úmida, tontura, perda da consciência, fala arrastada, confusão, inconsciência.

OBS: As duas situações emergênciais podem levar o indivíduo ao estado de


inconsciência, motivo pelo qual se recomenda o uso de cartão (ou chapa em corrente)
indicando ser indivíduo diabético.
6.2)Supra Renal ou Adrenal (Corticóides)

São hormônios sintetizados pela glândula supra-renal, localizada em cima dos rins.
Sintetiza os mineralocorticóides e os glicocorticóides, com propriedades
antiinflamatória, antialérgica potente e antiimunitário (em altas doses).

A) Mineralocorticóides: Agem no metabolismo mineral e aquoso, intensificam a


reabsorção de sódio, aumentando o volume líquido e consequentemente elevando o
peso corporal. São mais utilizados na terapia de reposição, por exemplo, na
insuficiência adrenal crônica.

B) Glicocorticóides: Agem no metabolismo dos carboidratos (glicose), aumentando a


reserva de glicose no fígado, provocando a gliconeogênese e consequentemente
aumentando a resistência à insulina.

6.3) Hipotálamo (Ocitocina)

A ocitocina é um hormônio produzido pelo hipotálamo, armazenada e liberada


pela hipófise, até que impulsos nervosos sejam transmitidos e a liberem para a
corrente sangüínea. É o principal hormônio estimulante da lactação e da contração
uterina, por isso, é um medicamento de escolha na indução do parto. É também
utilizada em caso de aborto incompleto, após a 20º semana de gestação, pois a
responsividade do miométrio à ocitocina inicia ao redor de 20 semanas de
gestação. É secretada em quantidades moderadas durante a parte final da gravidez
e, em quantidades especialmente grandes, no termo. Com a contração uterina
possibilita a expulsão do feto.
É fato bastante conhecido, que a mãe que tem seu mecanismo secretor de
Ocitocina debilitado, experimenta grandes dificuldades em dar a luz à seu filho.
6.4)Tireóide (T3, T4):

A Glândula Tireóide produz vários hormônios, dos quais os mais importantes


são a tiroxina e a tri-iodotironina. Se ela produz grandes quantidades de
hormônio, as atividades celulares se tornam mais rápidas (hipertireoidismo); se as
secreta em pequenas quantidades, elas se tornam mais lentas (hipotireoidismo). O
hipotireoidismo na infância provoca retardo físico mental e imaturidade sexual
(cretinismo).

A tireóide pode ter suas funções alteradas e hipertrofiar-se, isto é, formar bócio
ou papeira. A formação dos hormônios da tireóide depende do iodo disponível no
organismo, sendo uma das causas do bócio, a deficiência de iodo na alimentação.

O funcionamento da tireóide depende do funcionamento de outra glândula, a


hipófise. A hipófise tem o principal papel na regulação de todo o sistema
endócrino.
A hipófise controla a tireóide, liberando na corrente sanguínea um hormônio
estimulante da tireóide, a tirotrofina (TSH). Esse hormônio vai agir sobre ela,
estimulando-a para a produção de seus hormônios. Quando a quantidade de
tiroxina e tri iodotironina aumentam na corrente sanguínea, a produção de
tirotrofina pela hipófise é inibida.

7-)SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

O aparelho reprodutor feminino, basicamente, é formado pelos ovários (que


produzem os óvulos e os hormônios sexuais femininos: estrógeno e progesterona),
pelas tubas uterinas (que transportam os óvulos do ovário até o útero e são
responsáveis pela sua proteção), pelo útero (guardião do embrião que vai se
desenvolver caso haja fecundação), pela vagina e pela vulva.

Resumindo:

• Ovários: contêm os óvulos ou células reprodutoras femininas.


• Tubas Uterinas ou Trompas de Falópio:Transportam o óvulo do ovário para o
útero.
• Útero: O desenvolvimento embrionário acontece neste órgão muscular. Situado
acima da bexiga urinária, o útero não é muito maior que um punho, mas pode
aumentar de tamanho até mais de vinte vezes durante a gravidez.
• Colo do Útero: Extremidade inferior e estreita do útero previne a entrada de
bactérias no órgão.
• Vagina: Composta pó fibras musculares e elásticas, a vagina também se dilata
durante o parto.
• Genitália Externa: Camadas protetoras que recobrem a vagina.
As principais ações do aparelho reprodutor, como a produção dos óvulos e seu
deslocamento dos ovários para o útero, são determinadas por níveis hormonais.
Os ovários produzem os óvulos e os hormônios sexuais femininos: Estrogênio
e Progesterona.

7.1-)Estrogênio:

A produção de estrogênios começa na adolescência, sendo responsável pelo


aparecimento dos sinais sexuais na mulher e vai até a menopausa. A falta de
estrogênio é que provoca as ondas de calor, os fogachos na menopausa.

Funções:

• Desenvolve a musculatura uterina;


• Aumento da vagina;
• Desenvolvimento dos lábios vaginais;
• Crescimento de pelos no púbis;
• Desenvolvimento das mamas.
• Todas as características que distinguem a mulher do homem são devido ao
estrogênio.

7.2-)Progesterona:

É produzida a partir da puberdade, após o 14º dia do ciclo, a progesterona que


é que prepara a mulher para a amamentação e o aleitamento. É essencial na
manutenção da gravidez. O baixo nível de progesterona causa aborto recorrente, falha
na implantação do embrião e mulheres inférteis.

Funções:

• Garante que o embrião se fixe;


• Evita a descamação do endométrio.

8-)SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

O Sistema reprodutor masculino inclui o pênis, uma série de dutos e


glândulas, que transportam o espermatozóide e produzem sêmen e os testículos.
Os testículos produzem os espermatozóides, a célula reprodutora masculina e a
testosterona (hormônio sexual masculino). A testosterona aparece em abundância na
puberdade e provoca o crescimento dos órgãos sexuais, o fortalecimento de ossos e
músculos, o alargamento das cordas vocais (engrossamento da voz) e o surgimento
de pelos no corpo. São empregados em terapêutica de substituição em indivíduos com
hipogonadismo (deficiência dos testículos) ou castrados (sem os testículos). Também
podem ser usados como anabolizantes mantendo ou aumentando a massa
muscular.Altas taxas de Testosterona: Comportamento altamente agressivo, Aumento
da predisposição a ter relações sexuais, morte de neurônios.

Ostestículos, são dois órgãos ovais localizados no escroto, os testículos


produzem espermatozóides, a célula reprodutora masculina essencial para a
reprodução. Eles têm uma melhor produção de espermatozóides dois graus abaixo da
temperatura corporal.
O pênis tem três cilindros de tecido erétil esponjoso, que se enchem de sangue
quando os homens são estimulados. A uretra é um canal dentro do pênis que conduz
urina e fluidos seminais para fora do corpo.
8.1-)PRINCIPAIS MUDANÇAS NO CORPO MASCULINO

A testosterona, principal hormônio presente no organismo masculino,tem papel


determinante nas diferenças dos sexos,faz o desenvolvimento e manutenção das
características masculinas, influencia o comportamento, o desempenho sexual e
também algumas características físicas.

a-) AGRESSIVIDADE

Atestosterona pode provocar uma maior agressividade masculina quando está em


um nível acima do normal.

b-) CALVICIE

Existe o mito de que homens com mais testosterona têm maior queda de cabelose
se tornam calvos precocemente. Isso daria sentido à expressão popular "é dos carecas
que elas gostam mais", já que o alto nível de testosterona também está ligado ao
desempenho sexual masculino.

c-)PELOS

O crescimento de pelos em algumas áreas está diretamente ligado à produção de


testosterona, tanto nos homens quanto nas mulheres. É a partir do momento que esse
hormônio começa a ser produzido, por volta dos 12 anos de idade, que os pelos no rosto,
tronco, nádegas, virilha e monte púbico começam a crescer nos homens.

d-)MÚSCULOS

É fácil perceber a influência da testosterona nos músculos dos homens. Por volta
dos 12 anos, quando os testículos começam a produzir a testosterona, os meninos ficam
mais fortes

e-)SEXO

A libido e o desempenho na hora do ato sexual também estão ligados à


testosterona.Indivíduos com baixa taxa desse hormônio têm menor libido e,
conseqüentemente, pior desempenho sexual. Homens com essa característica também
têm maiores chances de sofrer com infertilidade.Além disso, se houver excesso desse
hormônio nos homens, pode ocorrer um atrofiamento dos testículos.Problema que diminui
as chances de ter uma vida sexual ativa.

f-)DEPRESSÃO

Em média, após 50 anos de idade, a produção de testosterona diminui nos


homens, provocando uma série de alterações tanto no corpo quanto na personalidade,os
baixos níveis desses hormônios estão entre as causas do aumento dos casos de
depressão masculina na terceira idade.Como a testosterona também age no sistema
nervoso, uma mudança em sua produção afeta o bem-estar e o humor dos homens,
explica Vânia dos Santos.
8.2-)EXCESSO DO HORMÔNIO

Um estudo feito pela Universidade de Yale, no Reino Unido, mostrou que o


excesso de testosterona pode provocar morte de células nervosas, o que leva a doenças
como Alzheimer.É comum vermos homens tomarem esteróides ricos em testosterona para
ter um crescimento nos músculos. Mas ingerir suplementos desse hormônio em excesso
pode causar aumento de pressão e colesterol, aumento das mamas e atrofia dos
testículos.

9-) SISTEMA RESPIRATÓRIO

O ar penetra nas narinas , atravessa as fossas nasais, a faringe, a laringe, a


traquéia, e chega aos pulmões percorrendo os brônquios. Cada brônquio se ramifica
em bronquíolos, que se abre em cavidades de paredes muito finas, os alvéolos, onde
ocorrem as trocas gasosas entre o ar e o sangue que circula por capilares finíssimos
que envolvem cada alvéolo. Basicamente, o sistema respiratório é um conjunto de
canais, cujas últimas ramificações, os bronquíolos, terminam em estruturas
microscópicas, os alvéolos. Tais estruturas ficam no interior dos pulmões. Os pulmões
são dois sacos róseos, infláveis, protegidos por membranas, as pleuras. A respiração
consiste essencialmente na absorção, pelo organismo, de oxigênio, e a eliminação do
gás carbônico, ou seja, o oxigênio do ar é filtrado nos alvéolos, absorvido e
transportado pelo sangue a todas as células do corpo e o gás carbônico é eliminado
por meio da expiração.

10-)APARELHO DIGESTÓRIO

Um tubo fibromuscular, com mais de 6,5 m de comprimento, vai desde a boca até
o ânus, o trato digestivo e seus órgãos transformam o que comemos e bebemos nos
nutrientes necessários à realização das funções vitais. Os órgãos do sistema digestivo
se situam na cavidade abdominal.
São eles: Boca, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, vesícula biliar, intestino
delgado, intestino grosso (cólon).
.

a-)Boca: A digestão começa na boca com os dentes e a língua Os dentes


rasgam, mordem e moem a comida, misturando-a com saliva. A língua move a
comida entre os dentes para ajudá-los a mastigar e deglutir.

b-)Esôfago: A comida da boca é enviada ao esôfago, onde é transportada até


o estômago por peristaltismo (movimentos musculares de contração e
relaxamento).

c-)Estômago: O estômago é formado por uma série de dobras (ou rugas) que
somem quando o órgão está cheio de comida para dar mais espaço á digestão.
Dentro dessas dobras se produz muco e suco gástrico. Nosso estômago varia
muito de tamanho e formato, conforme os hábitos alimentares e a dieta de cada
um.

d-)Pâncreas e Fígado: O fígado é o órgão mais pesado do corpo humano,


com algo em torno de 1,58 quilos. O fígado e o pâncreas produzem as enzimas que
ajudam a digerir a comida. O pâncreas também produz insulina, que ajuda a regular
o nível de glicose no sangue.

e-)Vesícula Biliar: Onde se armazena a bile, que é responsável pela digestão


eficaz de gordura.
f-)Intestino: É responsável por grande parte da digestão e absorção de
medicamentos e nutrientes no trato digestivo.

11-)Sistema Esquelético

O Sistema esquelético compreende os osso e cartilagens e suas uniões: as


articulações. O conjunto de ossos, cartilagens e articulações é denominado esqueleto,
arcabouço rijo, que serve para sustentação e conformação, além da proteção de
órgãos situados em cavidades por ele limitadas (coração, pulmão, S.N. C) e inserção
dos músculos.
O esqueleto é a estrutura anatômica com que estamos mais familiarizados. É
objeto de mitos e lendas, e sobrevive por muito tempo depois de nossos tecidos mais
frágeis já terem desaparecido, como uma espécie de lembrete visual de nossa
humanidade. Assim como a estrutura de uma casa, os esqueletos formam a
sustentação interna do nosso corpo, proporcionando resistência à força da gravidade,
liberdade de movimentos e uma maneira digna de carregar a pele.Eles são uma
combinação perfeita de forma e função: a espinha em formato de “S” mantém o corpo
ereto e sustenta a cabeça, enquanto a pelve equilibra o corpo sobre os pés.

O esqueleto do homem é muito parecido com o da mulher, mas o feminino


geralmente é mais leve e menor, além de ter uma pelve mais larga para facilitar o
parto.

Aparentemente delicados, os ossos são na verdade, quatro a cinco vezes mais


fortes que o aço.

Composto por aproximadamente 206 ossos, nosso esqueleto tem múltiplas


funções:

• Proteger os órgãos internos;


• Servir de apoio para os músculos;
• Armazenar Cálcio e minerais (elementos necessários para seu próprio
funcionamento)..
Alguns ossos, possuem no seu interior, na medula óssea, centros
hematopoéticos, isto é, centros formadores de sangue.No indivíduo adulto, idade na
qual se considera completado o desenvolvimento orgânico, o número de ossos é 206.
Os ossos unem-se uns aos outros para constituir o esqueleto. Esta união não tem a
finalidade exclusiva de colocar os ossos em contato, mas também a de permitir a
mobilidade. Para designar a conexão existente entre quaisquer partes rígidas do
esqueleto, empregamos o termo articulação.
Além de muitas outras doenças que acometem os ossos, a osteoporose e a
osteoartrite são as mais comuns. A deficiência de vitamina D na infância pode levar à
osteomalacia. Como prevenção desse quadro, associa-se Vitamina D e banho de sol.
A Osteoporose (ossos porosos)consiste no adelgamento do osso normal
com o avanço da idade, mas pode ser acelerada por uma perda da função ovariana
prematura normal ou cirúrgica (estrogênio- inibe a perda óssea), medicamentos
(glicocorticóides) ou estilo de vida (alcoolismo, tabagismo).
A osteoporose é uma doença comum em mulheres e pode resultar em
fraturas do antebraço, quadril e espinha dorsal. A massa óssea aumenta a partir do
nascimento até os 30 anos de idade em homens e mulheres, e então declina
lentamente, com um declínio mais acentuado nas mulheres nos anos inicias pós
menopausa.
AOsteoartriteé uma doença crônica que causa a deterioração das
articulações, a osteoartrite geralmente afeta as articulações do corpo que ajudam a
suportar peso, assim como as articulações das mãos. Os efeitos da osteoartrite-
inchaço, dor e perda da mobilidade são irreversíveis. Os sintomas podem ser aliviados
com antiinflamatórios, fisioterapia e perda de peso. Em alguns casos, a osteoartrite
leva á perda quase total da cartilagem das articulações dos dedos, resultando em
exposição dos ossos, dor e deformação.

12-)MUSCULATURA ESQUELÉTICA

Músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por contração. São
elementos ativos do movimento, enquanto os ossos são elementos passivos do
movimento. Porém a musculatura não assegura só a dinâmica, mas também a estática
do corpo, ou seja, não torna possível só o movimento, como também mantém unidas
as peças ósseas determinando a posição e a posturado esqueleto.
Os músculos esqueléticos cobrem a maior parte do corpo e são grandes
responsáveis pó nossa forma física.
O Corpo Humano tem mais de 600 músculos esqueléticos, responsáveis por
quase metade do peso do corpo. Além disso, os músculos esqueléticos proporcionam:

• Movimento e Postura. Por meio de contrações, os músculos movem nosso


corpo. O tônus muscular- um estado constante de tensão muscular- nos
mantém eretos seja qual for a gravidade.
• Proteção. Os órgãos internos da cavidade abdominal estão firmes e protegidos
por quatro camadas de músculos conectadas ás costelas e aos ossos pélvicos.
• Temperatura Corporal. Por meio das contrações os músculos fazem a
manutenção da temperatura corporal em torno de 37º. Se o controlador de
energia situado no cérebro (hipotálamo) detecta uma queda na temperatura
corporal, manda um impulso (mensagem) para os músculos e nós sentimos
arrepio. Esse aumento na atividade muscular produz calor, aumentado a
temperatura corporal.
O Corpo Humano é composto por músculos voluntários e involuntários.

Os músculos voluntários (estriados),estão sob o seu controle e podem ser


movimentados conforme sua vontade. Contraindo o músculo glúteo percebe-se o
quanto somos capazes de controlar um músculo voluntário.
Os involuntários (músculos lisos, músculo cardíaco), por sua vez, trabalham sem
nosso comando e cumprem funções vitais no Sistema Respiratório, Digestivo e
Cardio-Vascular, como os batimentos cardíacos e os movimentos feitos durante a
trajetória da comida pelo trato digestivo.
Se todos os músculos do nosso corpo trabalhassem juntos e ao mesmo tempo,
teriam o poder de levantar mais de dez toneladas.
Os músculos que envolvem a espinha são alguns dos mais poderosos do corpo-
eles nos deixam eretos e fornecem a força para empurrar e levantar objetos.

Em Resumo:

Os músculos podem ser classificados em:

• Estriados (voluntário:ato de vontade). Apresentam estriações transversais, são


esqueléticos (fixados ao esqueleto pelos tendões).
• Lisos (involuntários: não tem controle). Encontrados nas paredes das vísceras
ocas ocas e tubulares de diversos sistemas do organismo (útero, intestino,
estômago, vaso sanguíneo, etc).
• Cardíaco (involuntário) é o músculo do coração.

A atividade muscular é controlada pelo Sistema Nervoso Central. Nenhum músculo


pode contrair se não receber estímulo através de um nervo. Se acaso o nervo for
seccionado, o músculo deixa de funcionar e por esta razão entra em atrofia. Para
executar seu trabalho mecânico, os músculos necessitam de considerável quantidade
de energia. Em vista disso, os músculos recebem eficiente suprimento sanguíneo
através de uma ou mais artérias, que neles penetram e se ramificam intensamente.
Nervos e artérias penetram sempre pela face profunda do músculo, pois assim estão
mais bem protegidos.

13-)CARTILAGENS

Cartilagem é um tecido resistente e flexível que permite que os ossos deslizem uns
sobre os outros nas articulações, reduzindo o atrito e evitando danos. Um rompimento
da cartilagem do joelho certamente causaria muita dor e algum tipo de dano aos
ossos. Na coluna, se a cartilagem de alguma das vértebras estiver enfraquecida pode
haver o deslocamento ou esmagamento do disco vertebral.
Mais leve e flexível que os ossos, a cartilagem fortalece partes do corpo incapazes
de agüentar peso, como o nariz e as orelhas.
Curvando a orelha, por exemplo, em direção ao rosto perceberemos que ao soltá-
la, ela voltará a sua forma original. Isso só é possível devido á elasticidade da
cartilagem.
14-)SISTEMA HEMATOPOÉTICO

Sistema hematopoético é o Sistema que produz as células do sangue. Esse


mecanismo depende de elementos nutricionais como: Minerais (ferro e cobre) e
Vitaminas.

Ex:

• Ácido fólico: Folacin®,Folin® ;


• Cianocobalamina:Vitamina B 12;
• Piridoxina: Vitmina B 6;
• Ácido Ascórbico : Vitamina C
• Riboflavina: Vitamina B 2;

Esse processo oferece diariamente ao nosso corpo cerca de 10 milhões de


hemácias e 1 bilhão de leucócitos, reagindo prontamente a situações de estresse,
como infecções, hemorragias, etc.
15-)SISTEMA NERVOSO CENTRAL

O Sistema Nervoso Central é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal.


Todos os outros nervos que se ramificam a partir do encéfalo e da medula espinhal e
se espalham pelo corpo formam o Sistema Nervoso Periférico. O Sistema Nervoso
Periférico mantém o Sistema Nervoso Central continuamente atualizado. Como
principal condutor e informação entre o cérebro e o corpo, a medula espinhal transmite
milhões de impulsos nervosos por segundo, a uma velocidade de 434,52 km/h.
Nossa medula espinhal tem aproximadamente 43 cm e pára de crescer quando
atingimos cinco anos de idade. Como nós e nossos ossos continuam crescendo, a
medula espinhal não se estende por toda nossa coluna, termina algumas vértebras
acima do quadril.
O Cérebro é o misterioso órgão central do Sistema Nervoso. Ele é essencial
para a realização de todas as funções vitais e contém bilhões de neurônios que estão
em constante comunicação entre si e com o corpo Alguns neurônios fazem conexões
com mais de dez mil outros neurônios em uma fração de segundo.
O cérebro pesa por volta de apenas 1,3 kg, mas apesar disso, exige mais de
20% do suprimento total de sangue do nosso corpo. Se esse suprimento é
interrompido por um período de tempo, tecidos cerebraismorrem como acontece no
derrame cerebral. O derrame é causado por um bloqueio ou ruptura de um ou mais
vasos sanguíneos cerebrais. Um vaso rompido deixa escapar sangue para o cérebro,
aumentando a pressão e levando à morte do tecido. Pessoas com pressão alta sofrem
maior risco de ter um derrame. Alguns dos sintomas do derrame cerebral são a
paralisia e a dificuldade para falar e enxergar.
16-)Pele e Mucosas

A pele é o maior e mais pesado órgão, ela nos protege de variações de


temperatura e de microorganismos invasores.É uma camada de revestimento e
proteção de todo o corpo, correspondendo a mais ou menos 15 – 16% do nosso peso,
o que significa cerca de 10 – 11 Kg para uma pessoa de 70 Kg.

Asmucosas são tecidos que revestem cavidades, divide-se em:

• Mucosa Sub-Lingual;

• Mucosa Retal;
• Mucosa Pulmonar;

• Mucosa Nasal;

• Mucosa Conjuntival;

• Mucosa Vaginal;
Bibliografia:

• COHEN, R.; Corpo Humano Real e Fascinante, Atlanta, Geórgia 30326,


Judith B. Geller, 2007.
• KAWAMOTO;E; Anatomia e Fisiologia Humana, 2ºed. São Paulo: EPU,2003.
• GUYTON; Fisiologia Humana, 6ºed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan,1998
• http://sistemareprodutor.blog-br.com
• http://portal.saude.gov.br