Você está na página 1de 11

Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM

Instituto de Ciências Tecnológicas e Exatas – ICTE

Carolina Silva Cerqueira


Ciro Henrique Barbieri Longhini
Júlio Augusto Vieira Gonçalves

PRÁTICA 1 – INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS

Docente- Eduardo Oliveira

Uberaba – MG
2019
SUMÁRIO

Conteúdo
1 INTRODUÇÃO..............................................................................................................................................3
2 OBJETIVOS...................................................................................................................................................5
3 MATERIAIS E PROCEDIMENTOS...................................................................................................................5
3.1 Materiais...............................................................................................................................................5
3.2 Procedimentos......................................................................................................................................5
4 RESULTADOS................................................................................................................................................8
5 CONCLUSÃO..............................................................................................................................................10
REFERÊNCIAS................................................................................................................................................11
1
0

1 INTRODUÇÃO
De acordo com Boylestad (2004, p.98), um circuito elétrico consiste de um número
qualquer de elementos elétricos unidos por seus terminais, estabelecendo pelo menos um caminho
fechado através no qual a carga possa fluir. Para obter as grandezas elétricas associadas a um
circuito, utilizam-se instrumentos de medidas como ohmímetro, amperímetro, voltímetro entre
outros.
O ohmímetro é o instrumento capaz de medir a resistência elétrica de um componente ou
de associações de elementos. A medição é feita conectando as pontas de prova do ohmímetro em
paralelo ao componente, como mostra a figura 1.

Figura 1 – Ohmímetro conectado para medir a resistência elétrica.

Fonte: Disponível em: <http://viasatelital.com/proyectos_electronicos/corriente_voltaje_resistencia.htm>.


Acesso em 9 de abril de 2019.

O voltímetro é o dispositivo responsável por medir a diferença de potencial (tensão) entre


dois pontos de um circuito. Assim como o ohmímetro, as pontas de prova devem ser conectadas
em paralelo para obter o valor da tensão nos pontos determinados, como mostra a figura 2.
Figura 2 – Voltímetro conectado para medir a tensão de um componente.

Fonte: Disponível em: <http://viasatelital.com/proyectos_electronicos/corriente_voltaje_resistencia.htm>.


Acesso em 9 de abril de 2019.

O amperímetro é o aparelho utilizado para medir o movimento de cargas (corrente elétrica)


através de um dispositivo ou elemento. Diferente dos medidores apresentados anteriormente, esse
deve ser conectado em série, fazendo com que a corrente elétrica passa por ele, diz-se que o
circuito deve ser aberto e assim colocar o amperímetro no ponto de medição, como mostrado na
figura 3.

Figura 3 – Amperímetro conectado para medir a corrente do circuito.


1
0

Fonte: Disponível em: <http://viasatelital.com/proyectos_electronicos/corriente_voltaje_resistencia.htm>.


Acesso em 9 de abril de 2019.

Determinados componentes eletrônicos possuem valores nominais tabelados, como é o


caso do resistor, cujo valor é especificado por faixas de cores e obtido pela relação mostrada na
figura 4.
Figura 4 – Tabela de cores e leitura do valor nominal de um resistor.

Fonte: Disponível em:< http://www.viasatelital.com/proyectos_electronicos/corriente_voltaje_resistencia.htm>.


Acesso em 9 de abril de 2019.

Para a análise de circuitos utiliza-se a Primeira Lei de Ohm (equação 1), que expressa a
relação entre tensão e corrente para um resistor:
U = R.I (Lei de Ohm) (1)
Onde:
U = tensão em volts;
R - resistência em Ohms; I = corrente em Àmperes.
1
2 OBJETIVOS 0
O intuito do experimento é entender o funcionamento do multímetro partir da leitura da
medida de resistores e, com os mesmos, verificar o valor através da tabela de cores. Depois disso,
comparar e calcular o nível de tolerância com base no erro percentual.

3 MATERIAIS E PROCEDIMENTOS

3.1 Materiais

● Tabela de cores;
● Resistores;
● Multímetro;
● Protoboard.

3.2 Procedimentos

O procedimento experimental, consistiu-se na determinação da resistência nominal e a


medida pelo multímetro em cada um dos quatro resistores apresentados na atividade prática.
Inicialmente, obteve-se a resistência nominal através da identificação das faixas de cores de cada
resistor (Figuras 5 a 8) e, utilizando-se o algarismo correspondente à Figura 4, foram determinadas
as resistências nominais através de cálculo. Analisando as informações da tabela, a primeira faixa
apesenta cor correspondente ao valor do primeiro dígito do resistor e a segunda faixa ao valor do
segundo dígito. Já a terceira faixa corresponde ao fator multiplicador, o produto do primeiro e
segundo digito e do multiplicador é equivalente ao valor do resistor. A quarta faixa, por sua vez,
apresenta o limite de tolerância.
Posteriormente, procedeu-se na determinação da resistência medida pelo aparelho. Nesta
etapa os resistores foram instalados no protoboard e, em seguida, conectados ao multímetro, sendo
assim anotadas as resistências apresentadas pelo multímetro (Figura 9).
1
0
Figura 5 - Resistor utilizado no experimento.

Fonte: Autores, 2019.

Figura 6 - Resistor utilizado no experimento.

Fonte: Autores, 2019.


1
Figura 7 - Resistor utilizado no experimento. 0

Fonte: Autores, 2019.

Figura 8 – Resistor utilizado no experimento.

Fonte: Autores, 2019.


1
Figura 9 – Determinação da resistência com o multímetro. 0

Fonte: Autores, 2019.

Após a mensura com o multímetro, calculou-se o erro para verificar se o valor lido
(nominal) e o valor medido estavam dentro da tolerância permitida pelo resistor por meio da
equação abaixo:

│ Rnominal −R medido │
¿
R medido (2)
¿
E=¿

4 RESULTADOS
Os valores para a determinação do valor nominal do resistor foram encontrados de acordo
com os dados da Tabela 1.
Tabela 1 - Resultados aferidos através da leitura visual dos resistores.
Resistores 1º anel 1º anel 1º anel Anel distante
1 Vermelho Vermelho Laranja Ouro
2 Vermelho Preto Marrom Ouro
3 Vermelho Vermelho Vermelho Ouro
4 Marrom Preto Marrom Ouro
Fonte: Autores, 2019.

A partir da identificação dos dados da tabela acima, combinados com a tabela de cores
(figura 4), chegou-se aos seguintes valores nominais apresentados na Tabela 2.
1
Tabela 2 - Resultados encontrados através da leitura visual dos resistores. 0

Resistores Resultados nominais (Ω) Tolerância


1 22 ∙ 103 ± 5%
2 20 ∙ 101 ± 5%
3 22 ∙ 102 ± 5%
4 10 ∙ 101 ± 5%
Fonte: Autores, 2019.

Utilizando dos valores nominais apresentados na Tabela 2 e os valores aferidos através do


multímetro, calculou-se o erro percentual e verificou-se se encontram-se em seu intervalo de
tolerância (5%). O erro foi calculado por meio da equação (2). Os resultados obtidos estão
apresentados na Tabela 3.
Tabela 3 - Valores nominais e medidos de cada resistor e o respectivo erro encontrado.
Resist Valor Valor Erro
or Nominal Medido (%)
1 22000 Ω 21,92 ∙ 103 0,36
2 200 Ω 201,8 0,89
3 2200 Ω 2213 0,59
4 100 Ω 100,7 0,69
Fonte: Dos Autores, 2019.
1
5 CONCLUSÃO 0
No presente experimento foram utilizados para a determinação dos valores de resistências
dois métodos, um com base na correspondência das cores dos corpos de cada resistor e outro com
o auxílio de um multímetro.
Observou-se que o segundo método se mostrou mais eficaz, uma vez que o resultado
aferido se aproxima mais da realidade. Em contra partida, deve-se ter cautela com o erro
encontrado, pois o mesmo pode apontar algum erro de operação ou instrumental e, até mesmo, do
objeto analisado.
Após o erro percentual calculado de cada resistor, analisou-se que a resistência encontrada
está dentro da tolerância permitida (5%) para todos eles.
REFERÊNCIAS

BOYLESTAD, ROBERT. Introdução à Análise de Circuitos. 10° ed. São Paulo: Pearson,
2004.Acessado em 8 abril 2019.

La Corriente Electrica. Disponível em:


<http://www.viasatelital.com/proyectos_electronicos/corriente_voltaje_resistencia.htm>. Acessado
em 8 abril 2019.

FIGURA 4 - Código de cores dos resistores. Disponível em:


http://www.viasatelital.com/proyectos_electronicos/corriente_voltaje_resistencia.htm.
Acessado em 8 abril 2019.