Você está na página 1de 13

1.

Quando se deve usar bloco para uma estaca, e explique como deve
ser dimensionado o bloco.

Os blocos sobre estacas podem ser para 1, 2, 3... e teoricamente para n estacas,
dependendo principalmente da capacidade da estaca e das características do solo.
Blocos sobre uma ou duas estacas são mais comuns em construções de pequeno
porte, como residências térreas e de dois pavimentos (sobrado), galpões, etc., onde
a carga vertical proveniente do pilar é geralmente de baixa intensidade. Nos edifícios
de vários pavimentos, como as cargas podem ser altas (ou muito altas), a
quantidade de estacas é geralmente superior a duas. Há também o caso de bloco
assente sobre um tubulão2, quando o bloco atua como elemento de transição de
carga entre o pilar e o fuste do tubulão.

BLOCO SOBRE UMA ESTACA


No caso de pilares com dimensões próximas à dimensão da estaca, o bloco atua
como em um elemento de transferência de carga, necessário por razões
construtivas, para a locação correta dos pilares, chumbadores, correção de
pequenas excentricidades da estaca, uniformização da carga sobre a estaca, etc.
São colocados estribos horizontais fechados para o esforço de fendilhamento e
estribos verticais construtivos.

Geralmente, por simplicidade, adotam-se para os estribos verticais, nas duas


direções do bloco, áreas iguais à armadura principal As (estribos horizontais). Para
edifícios de pavimentos, onde a carga sobre o bloco não é baixa, a dimensão A do
bloco pode ser tomada como: A = ϕe + 2 ∙ 10 cm, ou 15 cm ao invés de 10 cm,
dependendo da carga vertical, diâmetro e capacidade da estaca, etc.
Sendo a estaca circular o bloco resulta quadrado em planta, com B = A. Para
construções de pequeno porte, com cargas baixas sobre o bloco (casas, sobrados,
galpões, etc.): A = ϕe + 2 ∙ 5 cm. Exemplo: pilarete de sobrado, ϕe = 20 cm, resulta
o bloco 30 x 30 cm de dimensões em planta.
Neste caso, o pilarete sobre o bloco deve ter dimensão máxima ≤ 25 cm. Para
pilaretes com dimensões maiores, deve-se aumentar as dimensões do bloco. A
altura d do bloco pode ser estimada entre ϕe e 1,2ϕe. Para o exemplo resulta:
1,2ϕe = 1,2 . 20 = 24 cm, e h = 24 + 5 = 29 cm, podendo adotar h = 30 cm.

2. Quando se deve usar bloco para uma de uma estaca, e explique


como dever ser dimensionado o bloco.
3. Descreva sobre estaca Strauss.

As estacas Strauss podem ser utilizadas em diferentes tipos de solo, são


estacas muito flexíveis e que alcança uma ótima capacidade de carga.
O diferencial deste tipo de estaca é o processo executivo. São estacas
moldadas no local. A escavação é realizada por meio de uma sonda metálica e toda
a superfície é protegida por meio de revestimento metálicos que são introduzidos
até a profundidade final da estaca.
A concretagem é realizada com o lançamento e apiloamento do concreto. À
medida que a estaca é concretada o revestimento metálico é retirado.

Estaca Strauss é uma estaca escavada pois para ser inserida no terreno é
necessária remoção prévia do solo. A estaca tipo Strauss se caracteriza por ser
moldada in loco e são executadas enchendo-se de concreto as perfurações que
foram escavadas.
As estacas Strauss surgiram com o intuito de substituir as estacas pré
moldadas cravadas no solo por percussão devido à grande vibração e ocorrência
de ruídos causados pelo processo de cravação.
A estaca Strauss é um tipo de estaca de fundação profunda executada com
auxílio de um equipamento conhecido como bate-estaca Strauss que consiste de
um guincho, tripé, pilão, tubos guia e sonda.

Características da Estaca Strauss


 É uma estaca escavada. Em relação às estacas pré moldadas, sofre
desvantagem pois por ser uma estaca escavada apresenta um empuxo ativo
ocasionando menor atrito lateral entre a estaca e o solo.
 A estaca tipo Strauss é uma estaca moldada in loco. Em relação as estacas
pré moldadas é considerado uma vantagem pois o concreto irá preencher todos os
espaços vazios entre a estaca e o solo aumentando o atrito lateral, o que não ocorre
com as estacas pré moldadas.
 Na maioria dos casos a estaca do tipo Strauss não é armada. A armadura
utilizada serve somente para arranque ou ancoragem.
 A estaca Strauss não tem base alargada.

Etapas de execução da Estaca Strauss


A escavação da estaca Strauss não é feita por trado, como muitas vezes se
pensa. O equipamento para a colocação da estaca Strauss é conhecido como
bate-estaca Strauss e consiste basicamente de um guincho, um tripé com uma
roldana fixada no topo, tubos guia, pilão e sonda. A escavação é feita através de
um tubo que pesa em torno de 700 kg com um diâmetro um pouco menor do que o
tubo de revestimento.
Para o início da escavação abre-se um furo no terreno com um soquete para
colocação do primeiro tubo. Aprofunda-se o furo com golpes de sonda de percussão.
Conforme a descida do tubo, rosqueia-se o tubo seguinte até a escavação atingir a
profundidade determinada.
Atingida a cota prevista no projeto de fundação da edificação, o operador do
bate estacas Strauss faz a checagem se a piteira já não entra tanto no solo. Isso
ocorre quando atinge-se um nível em que o SPT é 20. Se isto acontecer, autoriza-
se a concretagem.
O concreto é, então, lançado no tubo e apiloa-se o material com o soquete na
base da estaca. Para formar o fuste o concreto é lançado na tubulação e apiloado,
enquanto que as camisas metálicas são retiradas com guincho manual.
Melhores tipos de solos para Estaca Strauss
As situações e os tipos de solos adequados para execução de estaca Strauss
são:
 Terrenos planos;
 Solos colapsivos;
 Solos de baixa resistência;
 Locais confinados;
 Terrenos acidentados.

Piores tipos de solos para Estaca Strauss


Os tipos de solos não adequados para execução de estaca tipo Strauss são:
 Solos com lençol freático alto;
 Areia saturada e argila muito mole;
 Solos de alta resistência;
 Matacão;
 Rochas;
 Argilas Rijas;
 Entre outros solos com alta resistência.

Vantagens da Estaca Strauss


 Fator custo/benefício favorável.
 Não gera vibrações no solo suficientes para danificar edificações vizinhas.
No entanto, é sempre recomendado realizar laudo pericial em todas as edificações
no entorno da obra para evitar futuras reclamações sem fundamentos de vizinhos
que querem se aproveitar da situação.

Desvantagens da Estaca Strauss


 Geralmente produz muita lama. O cliente as vezes se sente desconfortável
no aspecto visual da lama.
 Capacidade de carga baixa. Uma estaca Strauss pode ter até metade da
capacidade de carga de uma estaca pré moldada.
 Apresenta dificuldade para escavar solo mole de areia fofa por causa do
estrangulamento do fuste.
 A estaca strauss é uma estaca de concreto moldada in loco, executada
através da escavação, mediante emprego de uma sonda (também denominada
piteira), com a simultânea introdução de revestimento metálico em segmentos
rosqueados, até que se atinja a profundidade projetada. A concretagem é realizada
lançando-se o concreto e retirando-se gradativamente o revestimento com o
simultâneo apiloamento do concreto. O revestimento integral assegura a
estabilidade da perfuração e garante as condições para que não ocorra a mistura
do concreto com o solo ou o estrangulamento do fuste da estaca. No caso de
estacas armadas, a armadura é inserida antes dos procedimentos de concretagem.
 Esse tipo de estaca possui diversas vantagens em relação às demais, das
quais destaca-se a leveza e simplicidade do equipamento que emprega. Por isso,
pode ser aplicada em terrenos acidentados, em locais confinados ou ainda no
interior de construções existentes com pé-direito reduzido. Possui aplicações
interessantes por não causar vibrações, podendo ser executada próximo a
estruturas existentes.
A estaca strauss é uma estaca de concreto moldada in loco, executada
através da escavação, mediante emprego de uma sonda (também denominada
piteira), com a simultânea introdução de revestimento metálico em segmentos
rosqueados, até que se atinja a profundidade projetada. A concretagem é realizada
lançando-se o concreto e retirando-se gradativamente o revestimento com o
simultâneo apiloamento do concreto. O revestimento integral assegura a
estabilidade da perfuração e garante as condições para que não ocorra a mistura
do concreto com o solo ou o estrangulamento do fuste da estaca. No caso de
estacas armadas, a armadura é inserida antes dos procedimentos de concretagem.
Esse tipo de estaca possui diversas vantagens em relação às demais, das
quais destaca-se a leveza e simplicidade do equipamento que emprega. Por isso,
pode ser aplicada em terrenos acidentados, em locais confinados ou ainda no
interior de construções existentes com pé-direito reduzido. Possui aplicações
interessantes por não causar vibrações, podendo ser executada próximo a
estruturas existentes.

4. Defina estacas de madeira.

As estacas de madeira não são tão comuns atualmente, mas esta foi um dos
primeiros tipos de estacas utilizados como elemento de fundação.
Estas estacas são troncos retilíneos de madeira de boa resistência. As
principais madeiras utilizadas são o ipê, a peroba e a aroeira. Em fundações
provisórias também é utilizado o eucalipto.
Elas fazem parte das estacas de deslocamento, pois são executadas sem a
necessidade de escavar o solo. Os troncos de madeira são cravados no solo como
uma estaca pré-moldada de concreto.
Este tipo de estaca funciona bem em situações submersas. Em locais onde há
grande variação do nível da água é indicado evita-la, pois, a estaca poderá
apodrecer nestas condições.

5. Descreva sobre estacas metálicas.

As estacas metálicas são constituídas de perfis metálicos, tubos de chapa


dobrada ou trilhos metálicos também utilizados nas ferrovias.
A execução destas estacas é muito simples e consiste na cravação dos
elementos por meio de um bate-estaca. É importante estar atento ao tipo de solo
onde estas estacas serão executadas, pois são inviáveis em solos muito duros ou
com presença de muitos matacões.
Este tipo de estaca possui ótimo comportamento tanto à tração como
compressão, além disso durante a execução produzem pouca vibração.
Estacas de madeira em toras
A opção por estacas de madeira em toras se dá quando: • Na região há
abundância de árvores longilineas, com diâmetro mínimo de 22cm, das espécies,
aroeira, eucalipto, maçaranduda, peroba ou qualquer outra que resista a impacto. •
No local onde serão cravadas as estacas, o nível d’água do lençol freático
possibilitará às estacas imersão completa e permanente. • Via de regra obra a ser
fundada é de pequeno porte, porém não é impossível sua aplicação em obras de
grande porte. • A obra é de uso provisório. O topo das estacas deve ser protegido
por cepos ou capacetes menos rígidos para minimizar danos durante a cravação.
Vantagens no o emprego de estacas de madeira:
• o fácil manuseio e a fácil cravação. Desvantagens no o emprego de estacas
de madeira:
• a pequena capacidade de carga (25 t),
• o comprimento máximo de 12 m,
• a necessidade da completa imersão em água, para evitar ataques de cupins
ou de fungos se a estaca estiver na zona de variação do nível d’água.
Estacas de madeira de seção quadrada. As estacas de madeira com seções
quadradas ou retangulares são utilizadas quando se dispõe de madeira de primeira
(boa qualidade), o que permite o descarte da casca e o seu falquejamento,
abandonando-se, portanto o “branco“ das toras, o que faculta tão somente o
aproveitamento do cerne, ou seja, a parte mais resistente da madeira, isto faz com
que estas estacas apresentem uma maior capacidade de carga.

6. Quando devemos usar estacas profundas?

Segundo a NBR 6122/1996, define-se como fundação profunda aquela que


transmite a carga proveniente da superestrutura ao terreno pela base (resistência
de ponta), por sua superfície lateral (resistência de fuste), ou pela combinação das
duas. Além disto, segundo este referida norma, nas fundações profundas a
profundidade de assentamento deve ser maior que o dobro da menor dimensão em
planta do elemento de fundação.
De acordo com a NBR 6122/1996, se enquadram na definição apresentada
acima os seguintes elementos:
Estacas: elemento de fundação profunda executado com o auxílio de
ferramentas ou equipamentos sem que haja descida de operário em qualquer fase
de execução (cravação a percussão, prensagem, vibração, ou por escavação, etc),
podendo ser constituído de madeira, aço, concreto, etc;
Tubulões: elemento cilíndrico de fundação profunda que, em pelo menos na
sua fase final, ocorre descida de operário, podendo ser executado a céu aberto ou
a ar comprimido, e ter ou não, a base alargada;
Caixões: elemento de fundação de forma prismática, concretado na superfície
do terreno, e instalado por escavação interna, podendo-se ainda na sua instalação
usar, ou não, ar comprimido, e ter, ou não, a sua base alargada.
As fundações profundas são normalmente utilizadas quando os solos
superficiais não apresentam capacidade de suportar elevadas cargas, ou estão
sujeitos a processos erosivos, e também, quando existe a possibilidade da
realização de uma escavação futura nas proximidades da obra.
Neste caso, o comprimento é preponderante à seção. As fundações profundas
podem ser ESTACAS ou TUBULÕES. E têm a função de transmitir as cargas da
fundação para as camadas mais profundas do solo. Duas são as razões que levam
ao seu emprego: técnicas e econômicas. É preferido o uso de estacas, por exemplo,
quando a taxa admissível do terreno for inferior ao carregamento transmitido pela
estrutura e quando a fundação direta ficar sujeita ao recalque incompatível com a
estrutura a ser construída.

7. Quais os principais tipos de estacas usados em fundações


profundas?
Tubulões; São fundações profundas a céu aberto, também chamado de
estacas de grandes diâmetros. O sistema de escavação pode ser manual ou
mecânico. Em ambos os casos, o poço é aberto até encontrar terreno firrme, onde,
então, a base é alargada para a concretagem da base do tubulão. A escolha do tipo
de tubulão é feita em função do tipo de terreno a ser penetrado, da posição do nível
d’água, do custo e do prazo disponível para a execução das fundações.
Tubulão a céu aberto – pode ser usado em terreno sufi cientemente coesivo e
acima do nível d’água, dispensando o escoramento. O diâmetro depende da carga
e do modo de execução, mas sendo aberto manualmente, o diâmetro mínimo é de
70 a 80 cm, a fi m de que, o poceiro possa trabalhar livremente.
Transferência do eixo do tubulão para o terreno;
• Marcação da circunferência que delimita o fuste;
• Escavação do fuste até a cota de apoio do tubulão (cota prevista) –
verificação permanente do prumo;
• Verificação se o solo na cota prevista é compatível com a capacidade de
carga do projeto;
• Liberação para a abertura da base ou continuação no avanço da escavação
até o solo compatível com a capacidade de carga do projeto; • Abertura da base do
tubulão;
• Liberação para a concretagem;
• Concretagem – observar cuidados com a concretagem do tubulão;
• Colocação da ferragem de espera para o bloco de transição; e
• Final da concretagem.
Tubulão tipo Chicago – o poço é aberto por etapas. Numa certa profundidade,
colocam-se pranchas de escoramento mantidas na posição por travamentos de
anéis metálicos. Escorado o novo trecho, escava-se o novo terreno escorando-se
como anteriormente, repetindo-se esta seqüência até atingir o terreno onde será
feita a base.
Tubulão pneumático – utilizados em terrenos com muita água, mantendo-a
afastada da câmara de trabalho por ar comprimido. A execução de um tubulão a ar
comprimido difere conforme se use o método clássico, com elementos de concreto
ou o equipamento benoto, com tubos de aço.

8. Quais os tipos de estacas?

Tipos de estacas
Podem ser divididas quanto ao material (madeira,aço, concreto ou mista) e por
categoria (estacas pré moldadas, estacas moldadas in loco e estacas mistas).
Características, vantagens e desvantagens das estacas
Estacas pré moldadas
Estacas de madeira: São utilizadas abaixo do nível d’água. O topo da estaca
de madeira deve ter diâmetro maior do que 25 cm e devem ser protegidos para não
sofrerem danos durante a cravação. Já a ponta da estaca de madeira deve ter
diâmetro maior do que 15 cm e devem ser protegidas com ponteira de aço quando
for necessário penetrar camadas resistentes do solo.
A cravação é geralmente executada com martelo de queda livre.
 Vantagens: As estacas de madeira podem ser facilmente
emendadas e tem duração prolongada quando utilizadas abaixo do nível d’água.
 Desvantagens: Este tipo de estaca, por ser de madeira, é mais
difícil de se encontrar e não podem ser utilizadas acima do NA por sofrerem ataque
de microorganismos.
Estacas metálicas: São constituídas de perfis laminados ou soldados, tubos
de chapas dobradas (seção circular, quadrada ou retangular) e trilhos.
As estacas de aço devem resistir à corrosão pela própria natureza do aço ou
por tratamento adequado porém dispensam tratamento se estiverem
inteiramente enterradas em terreno natural.
 Vantagens: As estacas metálicas são facilmente emendadas,
têm elevada resistência à tração e compressão, não fissuram, não trincam e não
quebram e possui pouca vibração durante sua cravação.
 Desvantagens: Alto custo se comparadas as estacas pré
moldadas, estacas Franki e estacas Strauss e poucos fornecedores.

Estacas pré-moldadas de concreto: Podem ser de concreto armado ou


protendido e concretadas em formas horizontais ou verticais. São cravadas no
solo através de bate estacas.
 Vantagens: As estacas pré moldadas de concreto têm boa
capacidade de carga e boa resistência de esforços de flexão e cisalhamento. Além
disso, por serem produzidas em fábricas apropriadas tem uma boa qualidade do
concreto e é controlada e fiscalizada por laboratórios
 Desvantagens: Por serem de concreto armado ou protendido,
têm alto peso próprio limitando as seções e comprimentos em função do transporte
e cortes e emendas são de difíceis execuções.
Estacas mega: São elementos de concreto pré-moldado que são cravados por
prensagem através de macaco hidráulico. São utilizados como reforços
de fundações ou substituições de fundações já existentes, usando como reação a
própria estrutura.
 Vantagens: São indicadas para recuperação de patologias
sem o uso de demolições.
 Desvantagens: Tem alto custo e longo tempo de cravação.
Estacas de concreto moldadas in loco
Como o próprio nome já diz, são estacas que são produzidas no mesmo local
em que serão aplicadas. São executadas enchendo-se de concreto, perfurações
previamente executadas no terreno, através de escavações ou cravações. Podem
ser: Estacas tipo broca, Estacas tipo Franki, Estacas tipo Strauss, Estacas Hélice
Contínua, Estacas tipo Raiz.
Atualmente é grande a variedade de estacas empregadas como elementos de
fundação nas obras civis correntes, diferindo-se entre si basicamente pelo método
executivo e materiais de que são constituídas. Vários são os critérios para a
classificação das estacas, dentre os quais se destacam: Efeito produzido no solo: o
Grande deslocamento; o Pequeno deslocamento; o Sem deslocamento;
Processo de execução:
o Estacas moldadas in loco: Estacas tipo Franki;
Estacas sem lama bentonítica: estacas tipo Strauss, estacas escavadas
mecanicamente com trado helicoidal, estacas tipo broca, etc;
Estacas tipo hélice contínua;
Estacas escavadas com lama bentonítica;
Estacas injetadas: microestacas e as estacas-raiz;
o Estacas pré-moldadas:
Estacas de concreto;
Estacas de madeira;
Estacas metálicas, etc.
Forma de funcionamento:
o Estacas de ponta: trabalham basicamente pela resistência de ponta;
o Estacas de atrito ou flutuante: trabalham somente por atrito lateral
desenvolvido no fuste;
o Estaca mista; Forma de carregamento:
o Estacas de compressão;
o Estacas de tração;
o Estacas de flexão;

Principais tipos de estacas de fundação


As principais diferenças entre cada tipo de estaca são referentes ao material
constituinte ou então ao processo executivo. Confira a seguir os principais tipos de
estacas:

As estacas escavadas são elementos de fundação muito utilizados na


construção civil brasileira, também é conhecida em algumas regiões como estaca
trado.
O processo executivo é muito simples, tem como etapas principais a
escavação, o posicionamento de armaduras e a concretagem. A escavação é
realizada com trado helicoidal.
Esta estaca pode ser utilizada em diferentes tipos de solo. Entretanto, em solos
com presença de nível de água ou que apresentam camadas susceptíveis à
desmoronamento devem ser tomados alguns cuidados especiais.
O diâmetro deste tipo de estaca pode variar muito, de 30 a 180 centímetros.
Estas estacas podem chegar a profundidades de até 70 metros.

As estacas Franki também são fundações moldadas no local. A grande


diferença entre este tipo de estaca e as escavadas é que o fuste é feito pelo
processo de cravação e não pelo processo de escavação.
Além disso, esta estaca se difere por possui em sua ponta um bulbo de
concreto.
Uma das grandes vantagens deste tipo de estaca é que ela pode ser
construída em diferentes tipos de solo, com presença ou não de água. O que faz
dela um dos tipos de estacas mais flexíveis.
Entretanto, seu uso em locais próximos a edificações existentes deve ser
avaliado criteriosamente, visto que a execução da estaca gera muita vibração do
solo, o que pode comprometer edificações vizinhas.

A estaca raiz é um tipo de fundação que pode ser utilizado em qualquer tipo
de solo. É uma estaca moldada no local, que possui uma variação de diâmetro de
10 a 50 centímetros, com profundidade de até 60 metros.
A escavação da estaca é feita por meio de perfuração rotativa ou roto-
percussiva. Durante toda a escavação é utilizado revestimento metálico.
Estas estacas são muito utilizadas em fundações que precisam perfurar rochas
ou solos com grande quantidade de matacões, pois seu sistema de escavação
consegue ultrapassar este tipo de material.
Também possui ótima resistência à tração e seu equipamento é relativamente
pequeno, o que possibilita seu uso em diversos tipos de situações.

A estaca hélice contínua é um dos principais tipos de estacas utilizados nos


grandes centros urbanos.
O grande diferencial desta estaca é o seu processo executivo. É uma estaca
moldada in loco, a escavação é feita por meio de um trado helicoidal que possui um
tubo acoplado ao longo do seu eixo.
Após a conclusão da escavação é feita a concretagem através do tubo
acoplado com simultânea retirada do trado helicoidal.
Esta estaca possui inúmeras vantagens como alta capacidade de carga, baixa
vibração do solo, alta produtividade, grande variação do diâmetro e monitoramento
eletrônico durante a execução.
As estacas prancha são utilizadas em estruturas de contenção. Na maioria dos
casos são executadas por perfis metálicos cravados justapostos.
Existem inúmeros tipos de estacas prancha no mercado, o que varia em cada
um dos modelos são os perfis metálicos utilizados.
Estas estacas possuem um ótimo desempenho em estruturas de contenção,
são comumente utilizadas em subsolos de edificações, construção de piers e cais,
calados de portos, contenções submersas, acesso de túneis e tantas outras opções.
O processo de cravação produz muito ruído e muita vibração e é feito com um
grande bate estaca. Este tipo de estaca não é indicado para solos muito duros, por
ser impossível a cravação dos perfis.

Tipos de estacas
Estacas pré-fabricadas
Podem ser fabricadas com diversos materiais, sendo as estacas metálicas e
as de concreto as mais usuais.
Caracterizam-se por serem cravadas no terreno, podendo-se utilizar os
seguintes métodos:
Percussão - É o método de cravação mais empregado, o qual utiliza-se pilões
de queda livre ou automáticos. Um dos principais inconvenientes desse sistema é o
barulho produzido.
Prensagem - Empregada onde há a necessidade de evitar barulhos e
vibrações, utiliza macacos hidráulicos que reagem contra uma plataforma com
sobrecarga ou contra a própria estrutura.
Vibração - Sistema que emprega um martelo dotado de garras (para fixar a
estaca), com massas excêntricas que giram com alta rotação, produzindo uma
vibração de alta freqüência à estaca.
Pode ser empregada tanto para cravação como para remoção de estacas,
tendo o inconveniente de transmitir vibrações para os arredores. A escolha do
equipamento deve ser feita de acordo com o tipo, dimensão da estaca, característica
do solo, condições de vizinhança, características do projeto e peculiaridades do
local.

9. Defina estaca tipo broca?

Usada em fundações de casas simples, em terrenos que


suportam pouco peso e quando a perfuração do solo é feita
manualmente, com o auxílio de um instrumento chamado
trado. A estaca do tipo broca é cravada em pequena
profundidade, no máximo até 4 metros, que serão
preenchidos com concreto.

É o tipo mais rudimentar de estaca moldada no local, são executadas sem molde,
por perfuração no terreno com o auxílio de um trado, sendo o furo posteriormente
preenchido com o concreto apiloado (FABIANI, s.d.).
O trado é composto por quatro facas que formam um recipiente (tubo acoplado a
tubos de aço galvanizado) com diâmetro de 10 a 30 cm, sendo o de 20 cm mais
utilizado. As lâminas das facas se encontram em níveis diferentes, poder escavar
reter a terra. Os tubos são divididos em partes e à medida que prossegue a
escavação eles vão sendo sucessivamente emendados.
MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA
1. Perfuração do solo:
• Feita por rotação/compressão do tubo;
2. Retirada da terra que se armazena dentro do tubo;
3. Atingida a cota de apoio, o concreto é lançado:
• Até cerca de 50 cm da cota de arrasamento da estaca;
4. Viga de ligação com o bloco ou com a viga baldrame.

CUIDADOS GERAIS NA EXECUÇÃO


1. Locação do centro das estacas;
2. Profundidade escavação;
3. Tipo de solo retirado como amostra;
4. Manter verticalidade;
5. Lançamento do concreto, para não se misturar com o solo.

PROPRIEDADES
1. Como não é feita nenhuma contenção nas paredes da perfuração nesse método,
o uso das brocas fica restrito aos terrenos coesivos acima do nível da água.
2. O concreto é de baixa qualidade, devido à absorção de água pelo solo. 3. Várias
restrições podem ser feitas a este tipo de estaca:
• Baixa capacidade de carga, geralmente entre 1 a 2 toneladas por metro de broca;
• Há perigo de entrar solo no concreto na etapa do enchimento e também de
estrangulamento do fuste;
• Não existe garantia de verticalidade;
• Só pode ser executada acima do lençol freático;
• Comprimento máximo de 8 metros;
• Trabalha apenas à compressão, sendo às vezes utilizada uma armadura para fazer
a ligação com outros elementos da construção.

MATERIAIS UTILIZADOS
• Concreto (cimento, brita, areia, água, aditivos).

10. Descreva sobre as estacas pré-moldadas?

1-Características das estacas


As estacas pré-moldadas podem ser de concreto armado ou protendido,
vibrado ou centrifugado, e concretadas em fôrmas horizontais ou verticais. Devem
ser executadas com concreto adequado e submetidas à cura necessária para que
possuam resistência compatível com os esforços decorrentes do transporte,
manuseio e da instalação, bem como resistência a eventuais solos agressivos,
atendendo às normas NBR 6118 e NBR 9062. Em cada estaca deve constar a
identificação da data de sua moldagem.

2-Posicionamento
A estaca deve ser levantada e posicionada no piquete correspondente a seu
diâmetro. Nesse momento é inserido o capacete metálico na extremidade superior
da peça.

3-Prumo
O procedimento obedece à seguinte ordem: primeiro, a torre do bate-estacas
é aprumada, em seguida, apruma-se a estaca. Os prumos das faces frontal e lateral
devem ser verificados.

1-Marcas
Antes da cravação, realizar marcações distanciadas de 1 m em todo o
comprimento da peça. Dessa forma, pode-se acompanhar o número de golpes dado
pelo martelo a cada metro cravado. Essas informações são utilizadas para avaliação
do desempenho do elemento de fundação e para a comparação com os dados
obtidos nas sondagens.

2-Cravação
A energia de cravação depende do peso do martelo, do peso da estaca e da
altura de queda do martelo. No processo de cravação de uma estaca, os dois
primeiros fatores são constantes. A única variável, a altura de queda do martelo, não
deve ser inferior a 40 cm nem superior a 1,20 m.

3-Nega
Quando o elemento atinge a profundidade para a qual foi projetado, verifica-
se a nega da estaca. Trata-se da medição do deslocamento da peça durante três
séries de dez golpes de martelo. Com base nesses dados, o técnico responsável
poderá avaliar rapidamente se a estaca está atendendo à capacidade de carga de
trabalho necessária para o atendimento do projeto.

As estacas pré-moldadas de concreto possuem um grande diferencial em


relação às estacas moldadas no local, que é o controle de qualidade, por serem
elementos industrializados.
Estas estacas são peças de concreto pré-fabricadas que são cravadas no solo.
Estas peças podem ter diferentes formas geométricas, também podem ser maciças
ou vazadas.
É possível encontrar dois tipos de estacas pré-moldadas de concreto, as
estacas de concreto armado e as estacas de concreto protendido.
A cravação das estacas pode ser feita de três maneiras distintas, por meio
vibração, percussão ou prensagem.
Este tipo de estaca também pode ser utilizado em diferentes tipos de solo.
Mas, pode ser inviabilizado nos grandes centros urbanos pela vibração causada por
alguns elementos de cravação.

As estacas pré-moldadas enquadram-se na categoria das estacas de


deslocamento, caracterizadas por sua introdução no terreno através de processo
que não promova a retirada de solo. Elas podem ser constituídas por um único
elemento estrutural (madeira, aço, concreto armado ou protendido) ou pela
associação de dois desses elementos (e não mais do que dois), quando será
denominada “estaca mista”. No entanto, de todos os materiais de construção, o
concreto é um dos que melhor se presta à confecção de estacas e, em particular
das pré-moldadas, pelo controle da qualidade que se pode exercer tanto na
confecção quanto na cravação.
A cravação das estacas pode ser feita por percussão, prensagem ou vibração.
A escolha do equipamento deve ser feita de acordo com o tipo, dimensão da estaca,
características do solo, condições de vizinhança, características do projeto e
peculiaridades do local. A cravação por percussão é o processo mais utilizado,
utilizando-se para tanto pilões de queda-livre ou automáticos.
11. Por que devemos conhecer o N.A (nível de agua) do Solo?

A sondagem de solo consiste na investigação ou prospecção do subsolo de


um determinado terreno. O projeto de fundação de uma obra não pode ser
concebido da maneira correta sem que haja um procedimento de sondagem para
determinar as propriedades físicas do solo.
Os ensaios de sondagem devem ser realizadas tanto em obras de grande
porte como de pequeno porte. É comum que em obras de pequeno porte, como as
edificações térreas, os ensaios geotécnicos não sejam realizados pelos
responsáveis da obra sendo realizadas apenas avaliações visuais do solo. Essa
prática está errada! Antes do início de qualquer obra, deve-se ser feito o estudo do
solo através da sondagem de forma a garantir segurança e economia de materiais,
evitando-se que retrabalhos precisem de serem executados no futuro.
A sondagem de solo consiste na investigação ou prospecção do subsolo de
um determinado terreno. O projeto de fundação de uma obra não pode ser
concebido da maneira correta sem que haja um procedimento de sondagem para
determinar as propriedades físicas do solo.
Os ensaios de sondagem devem ser realizadas tanto em obras de grande
porte como de pequeno porte. É comum que em obras de pequeno porte, como as
edificações térreas, os ensaios geotécnicos não sejam realizados pelos
responsáveis da obra sendo realizadas apenas avaliações visuais do solo. Essa
prática está errada! Antes do início de qualquer obra, deve-se ser feito o estudo do
solo através da sondagem de forma a garantir segurança e economia de materiais,
evitando-se que retrabalhos precisem de serem executados no futuro.
Uma sondagem deve fornecer informações do subsolo como:
 Espessura e dimensão de cada camada do solo até a profundidade desejada;
 Existência de água com a posição do nível de água encontrado durante a
investigação do solo;
 Profundidade da camada rochosa ou do material impenetrável ao
amostrador;
 As propriedades do solo ou da rocha como permeabilidade,
compressibilidade e resistência ao cisalhamento.
Sondagens à Trado os trados pode ser manuais ou mecanizados.
Existem dois tipos de trado mais utilizados: concha ou cavadeira e helicoidal e com
menor emprego, os trados torcidos e espiral.
Os trados cavadeira tem cerca de 5, 10, 15 cm de diâmetro e são usados para
estudos de ocorrências de materiais para terraplanagem e pavimentação,
barragens, nos estudos de subleito rodoviários e ainda para avanço da perfuração
nas sondagens até que se encontre o nível de água ou até o seu limite de utilização.
Os trados helicoidais, torcido ou espiral são empregados no interior do
revestimento de sondagens a percussão, podendo ser utilizados nos solos argilosos,
mesmo abaixo do nível de água.

É um processo mais simples, rápido e econômico para as investigações do


solo. A sondagem à trado manual geralmente penetra somente nas camadas de
solo com baixa resistência e acima do nível d’água.
A perfuração do solo geralmente é realizada com os operadores girando uma
barra horizontal acoplada a hastes verticais, onde se encontram as brocas. A cada
5 ou 6 rotações é necessário retirar a broca para remover o material acumulado.
A amostragem geralmente é feita a cada metro, anotando-se as profundidades
em que ocorrem mudanças do material.
Este tipo de sondagem é muito utilizado para a determinação do nível do
lençol freático. As amostras retiradas pelo trado manual são sempre deformadas, ou
seja, o solo não mantém suas características físicas quando retirado da natureza.
Os resultados da sondagem são apresentados através de perfis individuais ou
tabelas e são traçados perfis gerais do subsolo.

O trados mecanizado é o processo de fundação profunda mais barato em


relação aos custos relacionados a perfuração e a quantidade de concreto.
É uma opção muito utilizada nos canteiros de obra pois é um processo limpo
que não produz lama, é fácil de ser transportado e mobilizado dentro da obra, requer
um número pequeno de operadores e é de execução relativamente rápida.
Além disso, a realização da sondagem por trado mecânico se caracteriza
pela não produção de vibrações durante a perfuração e a perfuração em solos de
resistência elevada.

Sondagens à percussão SPT Conhecida como sondagem SPT (Standard


Penetration Test) ou teste de penetração padrão ou simples reconhecimento, esse
é um processo muito usual para conhecer o tipo de solo fornecendo informações
importantes para a escolha do tipo de fundação.
Por meio da sondagem à percussão tipo SPT é possível determinar o tipo de
solo atravessado pelo amostrador padrão, a resistência (N) oferecida pelo solo a
cravação do amostrador e a posição do nível de água se encontrada água durante
a perfuração.

A sondagem rotativa permite a investigação e reconhecimento de rochas e


solos permitindo a retirada de amostras da rocha atravessada, podendo atingir
grandes profundidades.
Os resultados das sondagens são apresentados em relatório, com planta do
local e indicação dos pontos perfurados, perfis geológicos geotécnicos de cada
sondagem, contendo as informações da obra, número, inclinação e rumo da
sondagem, data de início e término, cota do furo e nível d’água quando encontrado,
profundidade e cotas na vertical, diâmetros de sondagem e profundidade dos
revestimentos, comprimento de cada manobra, número de golpes SPT ( quando
solo ), recuperação dos testemunhos, alteração, coerência, fraturamento, RQD,
descontinuidades, classificação e interpretação geológica.