Você está na página 1de 8

Aerador Mandalla

Equipamento simples e de fácil construção, feito com motor de geladeira usado, oxigena a água de
tanques de criação de peixes

Texto Gustavo Laredo


Ilustração Filipe Borin

O inventor Willy Pessoa estava incomodado com o acúmulo de


quinquilharias em seu armazém. Em 2004, quando começou uma
pequena criação de peixes, ele percebeu que os tanques-rede ficavam
com muita matéria orgânica acumulada na superfície e isso levava os
peixes à morte. Era preciso oxigenar a água para evitar prejuízos.

E foi justamente naquele monte de bugigangas sem uso em seu armazém


que Willy encontrou um motor velho de geladeira que já não tinha mais
serventia para ser usado na cozinha, mas que continuava liberando ar e
poderia ser uma peça de um aerador para os tanques-rede. Junto com
outros materiais, ele montou um equipamento que acabou com a matança
dos peixes e melhorou a produtividade em 40%.

Ao acionar o motor, o gás liberado é bombeado por uma pequena mangueira até uma garrafa PET com água que irá coletar o
óleo liberado pelo motor. Outra mangueira retira apenas o ar e o transporta até os tanques. Cada aerador pode ser utilizado
em até três pequenos tanques de 1,50 metro cúbico cada.

O equipamento foi logo batizado de Aerador Mandalla, pois pode ser colocado na fonte de água de uma mandala, sistema de
cultivo por meio de círculos concêntricos também criado por Willy Pessoa. Não há muito segredo em montar o aparelho: de
posse de todo o material é possível construí-lo em apenas uma hora. Além disso, o produtor gasta entre R$ 75 e R$ 85 para
fazê-lo. Segundo a Agência Mandalla, o gasto maior é com o motor de geladeira, que chega a custar R$ 50 em média.

A manutenção do equipamento também não é complicada. A água da garrafa PET pode ser trocada a cada mês, pelo menos,
e o motor, lubrificado a cada três meses. As mangueiras podem ser substituídas assim que tiverem algum sinal visível de
desgaste. Não há nenhuma restrição quanto a ligar o aerador durante o dia, mas não é tão necessário. A luz do sol, o vento e
a luminosidade diminuem a ação de micro-organismos na água. Por uma questão de prevenção e economia, recomenda-se
ligar o aerador em períodos de 30 minutos a uma hora pela manhã e à tarde. Durante a noite, é preciso deixá-lo ligado o
tempo todo.

Mãos à obra

Material
• 01 motor de geladeira usado
• 01 garrafa PET de dois litros
• 02 metros de mangueira-bomba para aquário
• 02 pedaços de caibro de 50 centímetros de comprimento e 10 centímetros de espessura cada
• 03 pedaços de ripa de 20 centímetros de comprimento e cinco centímetros de espessura cada
• 01 metro de fio duplo
• 01 tomada macho
• 01 litro de óleo de motor
• Mangueira de ar flexível com microfuros (o tamanho varia de acordo com a área que se deseja arear)
• Parafusos
• Pregos
• Silicone ou cola plástica
• Cal
• Pedras de carvão
• Pedra porosa pequena
Aeração – Aquicultura
A tecnologia ARMAX de aeração com membrana microperfurada, também chamada de ar difuso, capaz de conjugar baixo
custo, eficiência, durabilidade e economia de energia. O uso de aeração e da ração balanceada, são os principais fatores de
sucesso da atividade. Com a oxigenação melhora-se a qualidade da água, desaparecem as doenças, melhora a taxa de
conversão das rações e permite-se o adensamento da criação. Sampaio et alii. 1997, estudando Carpas Comuns em viveiros
com baixa renovação de água submetidos a diferentes condições de manejo, observou os seguintes incrementos de
biomassa.
1. 1) Adubação de tanque para fomento de fitoplancton;
2. 2) Adubação mais suplementação alimentar leve;
3. 3) Ração completa e;
4. 4) Ração Completa mais Aeração.

Note-se que no caso do fornecimento de ração mais aeração, a biomassa alcança 9 tons/ha, quase o dobro do tratamento
anterior, e continua a aumentar até ao 10° mês.Oxigenação Natural Um tanque ou lago natural desenvolve algas e bactérias
fotossintetizantes produtoras de oxigênio; em excesso durante o dia é, entretanto, consumido à noite no processo da
respiração destes mesmos microorganismos. Por isto, encontramos, pela manhã, os peixes tentando respirar na superfície. A
condição de transparência da água é importante pois limita o desenvolvimento destes microorganismos fotossintéticos; se a
transparência for de apenas 10- 20 cm, seu desenvolvimento se dará apenas numa faixa de 20- 40 cm, produzindo pouco
oxigênio para uma lotação mais elevada.

O gráfico ao lado mostra a produção de oxigênio e seu consumo durante a noite de um lago natural. Os níveis de 3 mg/l, pela
manhã, inviabilizariam a criação de algumas espécies aquáticas mais exigentes não permitindo um aumento de lotação de
peixes muito maior. A quantidade de oxigênio existente limita diretamente a capacidade de lotação do tanque.

Nas condições deste tanque, a aeração de “emergência”, no período noturno, suprirá a pouca falta de oxigênio do sistema.
Em tanques de alta lotação, entretanto, sem microorganismos fotossintéticos, faz-se necessária uma aeração constante. A
necessidade de oxigênio dissolvido na água depende da espécie: a Tilápia e a Carpa, por ex., tem necessidades de 4 -5 mg/l,
sobrevivendo a teores mais baixos (até 2 mg/l), por um determinado período; no caso do camarão, são necessários no
mínimo 3 mg/l, o Salmão e a Truta, mais exigentes, entre 7 e 10 mg/l.

Aerador T (%) E** (KwH/KgO2)

Mecânico de Superfície

Baixa Velocidade 0,44 - 0,66

Alta Velocidade 0,55 - 0,82

Turbina 14 - 18 0,55 - 0,82

Microbolha (Difusores)

Recobrimento de piso 20 – 32 0,22 - 0,33


Colocação lateral (parede) 15 – 26 0,44 - 0,62

Aeradores a Jato 15 – 26 0,44 - 0,62

Bolha Grossa (Macro)

Estáticos 10 – 16 0,51 - 0,71

Aeração Dupla 10 – 13 0,51 - 0,71

Aeração Simples 8 – 10 0,60 - 0,71

T* - Transferência de O2 em água limpa (Quantidade transferida/Quantidade fornecida).


E** - Energia Necessária
Vários tipos de aeradores existem no mercado: pás, injetores, agitadores e outros propelentes de superfície. Um segundo
tipo, não mecânico, produtor de microbolhas ou ar difuso, consagrado no tratamento de efluentes, se coloca entre os
mais eficientes segundo a agência americana EPA (Environment Protection Agency), órgão governamental para o
meio ambiente. Este sistema apresenta algumas vantagens em relação aos aeradores tradicionais, principalmente em
relação ao consumo de energia. Resultado de estudos e avanços tecnológicos recentes nos EUA e Europa, estes
equipamentos são colocados sob a superfície e apresentam os seguintes índices de consumo de energia e eficiência:
Aeradores: Resumo da Energia Necessária (KWhora/kg de O2 dissolvido)
Aparelho de Aeração KWh/Kg
Aerador Mecânico 0,64
Aerador Por Ar Difuso 0,41

Fonte: (EPA-600/2-82-003) Exemplos de Aeradores Mecânicos de Superfície


Ar Difuso
Desenvolvido na década de 80 para tratamento de águas municipais e efluentes industriais encontrou automaticamente uso
na aqüicultura, no transporte de carga viva, criação de salmonídeos e lagostas, sistemas de tanques rede para depuração de
salmões, criação de trutas em tanques, “raceways”, desestratificação de lagos, criação de camarões, berçários etc.
Vantagens do processo

• ausência de turbulência e danos aos animais;


• silencioso; oxigena rapidamente todo o perfil;
• pode ser automatizado para situações de emergência, como das 4 às 6 da manhã;
• permite multiplicar a produção dos tanques;
• neutraliza e homogeneíza o pH,
• acaba com a acidez do fundo e odores;
• reduz a ocorrência de bactérias patogênicas anaeróbicas e algas indesejáveis;
• faz precipitar o Ferro e o Manganês, reduzindo a cor vermelha ou negra da água.
Dimensionamento dos Equipamentos: O sistema de aeração é dimensionado em função do tipo de animal, da lotação
desejada, idade, temperatura da água, altitude, tamanho e forma dos lago/tanque.

HP
½ CV
1 CV
Área(m2)
até 5 000
até 10 000
Biomassa
de 2-4 tons
até 10 tons

Esquema para Tanques-Rede: para aplicação em tanques-rede, pode-se utilizar um ou dois aeradores, permitindo o
desenvolvimento dos peixes mesmo em condições de baixa movimentação de água.
Compressores do tipo centrífugos, de ½; 1; 3; 5 e 7 CV. Para dimensionamento e cálculo de custo de sua propriedade
informar:
• Desenho esquemático dos tanques com as dimensões (largura, comprimento e profundidade média); • Distância entre
tanques;

• Espécies predominantes em cada lago/tanque;


• Finalidade: piscicultura intensiva, lazer, pesque-pague, outro;
• Lotação atual (kg/tanque; kg/ha ) e desejada;
• Situação geral da água: transparência, cor, lama de fundo (se existe ou não) e presença de algas.

Outros Produtos Oferecidos pela SNatural:

Flotadores
Clorador de Pastilhas

Misturadores Estáticos

Estação de Tratamento
de Esgoto - ETE

ETE - Compacta

Estação de Tratamento
de Água - ETA

Injetores

Ultravioleta

Biosol
Filtro de Troca
Iônica

Sacos para Filtração


de Lodo

Separador
Água/Óleo

Ozonizador

Difusor Tubular

Aerador de Fluxo
Dirigido

Difusor Tipo Prato

Interesses relacionados