Você está na página 1de 2

A NATUREZA

DO UNIVERSO

Ligações

Químicas

Embora

apenas

111

elementos

sejam

conhecidos,

milhões

de

substâncias

químicas

são

encontradas

 

na

natureza

ou

sintetizadas.

Trata-se

de

compostos

 

químicos

específicos,

formados

pela

combinação

de dois

ou

mais

elementos

através

de

uma

reação

química.

A "cola"

química

que

une

os

átomos

destes

compostos

é conhecida

como

ligação

química.

 

Alguns compostos são altamente reativos, outros, iner- tes; alguns são sólidos de alto ponto de fusão, outros são gases. Suas propriedades geralmente diferem das de seus elementos constituintes, o que pode ser compreendido através dos diversos tipos de ligação química.

.

298

Ligação

iônica

Os átomos do elemento neônio têm sua camada ex-

terna de elétrons completa (configuração eletrônica 2,8). Esta configuração é muito estável e não se tem

conhecimento

nenhum outro elemento. ° átomo do elemento sódio (Na) possui um elétron a mais que o neônio (2,8, I) e o átomo de flúor (F), um elétron a menos (2,7). Trans- ferindo-se um elétron do átomo de sódio para o áto- mo de flúor, formam-se duas espécies com a mesma configuração do neônio. Ao contrário do neônio, as espécies possuem carga elétrica e são conhecidas como íons. ° átomo de sód~ que perde um elétron (partícula de carga negativa), toma-se positivamente carregado e se transforma num cátion (Na+); o áto- mo de flúor, que recebe um elétron, passa a ter carga global negativa, transformando-se num ânion (F).

de que forme ligações químicas

com

~~

~

@@

COMPOSTOS IÔNICOS

a.-AIIIJ>-

~'SC-

0

--'"i8}:

-.:-

~--

ooo

I"

~\J--I

o

oo

:-rr"i!~

°0

J~.H~

10

00'

.

I

'-,'~~-H-+

~~t~~

'';''---~

I

Emum cristal de cloreta de potássio (KClj, cada íon K+(representado aqui pela esfe- ra roxa) encontra-se envolvido por tantos

íons CI- (esferas verdes) quantas cabem à

000

sua

volta

- seis,

no

caso;

da

mesma

ma-

neira, cada íon CI- é envolvido por seis íons K+.Os íons são compactados de modo

regular e periódico e, assim, apesar de o menor cristal de KCIconter muitas mílhões

de íons - sua conformação

cúbica será a

mesma

do modelo

que contém apenas

27

íons.

'-

enxofre,

aIotr6picas

do enxofre.

Urntipodecris1a1de

conhecidocomoenxofrerômbico,contémanéis de

oito átomos

(em cima).

Ao ser

derretido

e derramado

sobre

a água,

origem

ao

enxofre

plástico,

que

contém

cadeias

longas

e emaranhadas

em zigue-zague,

formadas

por

átomos

de

enxofre

ligados

covalentemente

(em baixo).

(CD)

Quando íons de cargas opostas, como o Na+ e o F,

são aproximados, ocorre uma forte atração entre eles e grande quantidade de energia é liberada - em quan- tidade igual à necessária para separar os dois íons. Esta força de atração é chamada de ligação iônica.

A energia

envolvida

com folga a energia

liberada

compensa

na transferência

do elétron do átomo de

sódio para o átomo de flúor. No total, ocorre uma liberação líquida de energia e a formação de um com- posto cristalino - fluoreto de sódio (NaF).

Os átomos que têm dois elétrons a mais que o gás nobre mais próximo (como o magnésio, 2,8,2) ou dois a menos (como o oxigênio, 2,6) também for- mam íons com a configuração do gás nobre por trans- ferência de elétrons - neste caso Mg2+e OZ-.° com- posto iônico óxido de magnésio (MgO) tem a mes-

de íons que o N aF, mas, como os íons

ma disposição

do MgO possuem carga maior, a força entre eles tam- bém é maior. Portanto, mais energia precisa ser

fomecida para vencer a força de atração entre os dois

do

NaF. Embora os íons permaneçam fixos no cristal sólido, movem-se livremente no sólido fundido. Na forma líquida, o composto toma-se então eletrolítico (capaz de conduzir eletricidade).

e o ponto

de fusão

do MgO

é mais

alto

que

o

Muitas outras estruturas iônicas mais complexas são

conhecidas. A fórmula de um composto iônico pode

ser determinada pelo equilíbrio das cargas de seus íons. Por exemplo, Mg2+ e F formam MgF2, en- quanto Na+ e 02- formam NazO.

A ligação

covalente

Se aproximarmos dois átomos de flúor, cada um com sete elétrons na última camada, a formação de dois

íons com a configuração

rência de elétrons não será possível.

compartilharem um par de elétrons, um de cada áto-

mo, os dois irão adquirir a configuração

bre e ocorrerá a formação

do gás no-

do gás nobre via transfe-

Se, no entanto,

de uma molécula

estável:

(~l~)

-

Há uma força de atração entre o par de elétrons com-

cova-

lente. Quanto mais forte a atração exercida pelos núcleos sobre os elétrons, mais forte será a ligação.

partilhados e os dois núcleos positivos -ligação

o átomo de oxigênio, com dois elétrons a menos

que o neônio, precisa formar duas ligações covalentes para obter configuração de oito elétrons. Uma molé-

cula de água (HP), que consiste de dois átomos de hidrogênio (H) e um de oxigênio (O), tem duas liga- ções O-H covalentes. O oxigênio pode também ad- quirir a configuração estável do gás nobre formando duas ligações com o mesmo átomo - dois átomos de

oxigênio ligam-se covalentemente

tilhando dois pares de elétrons -ligação dupla.

entre si compar-

O enxofre (S) também possui seis elétrons na última

camada e precisa formar duas ligações para ficar com oito elétrons. Há dois modos de os átomos de enxo-

fre se unirem -:-em anéis de oito átomos (S8) ou em cadeias longas de muitos átomos interligados. As formas diferentes pelas quais o enxofre elementar ocorre são conhecidas como formas alotrópicas; ou- tros elementos encontrados nesta forma são o car-

bono (grafite, diamante

to fulereno) e o oxigênio (oxigênio e ozônio).

e o recentemente

descober-

Os átomos de nitrogênio (N), com cinco elétrons na última camada, precisam formar três ligações cova- lentes para adquirir a estabilidade com oito elétrons. Isto é possível através de uma ligação com cada um dos três átomos de hidrogênio, o que dá origem à amô- nia CNI\), ou formando as três ligações com um se- gundo átomo de nitrogênio, o que produz a molécula de nitrogênio (N), que contém uma ligação tripla.

O átomo de carbono (C), que possui quatro elé- trons na última camada, precisa formar quatro li- gações para adquirir a configuração do gás nobre. Assim sendo, liga-se a quatro átomos de hidrogê- nio, formando o metano (CH4).Embora não se te- nha conhecimento de que o carbono forme liga- ções quádruplascom outros átomosde carbono, este tipo de ligação ocorre entre átomos de outros ele- mentos, como o metal pesado rênio.

Moléculas gigantes

Embora dois átomos de carbono não formem uma

ligação quádrupla entre si, podem combinar-se e for- mar uma rede cristalina gigantesca, na qual cada áto- mo de carbono se liga a quatro outros através de li- gações covalentes simples. Trata-se da estrutura do diamante, uma das formas alotrópicas do carbono. Muitos outros elementos e compostos ocorrem como redes cristalinas covalentes enormes, como o quart- zo, que é uma forma de dióxido de silício (Si02). Os cristais destas substâncias contêm muitos milhões de átomos unidos por fortes ligações covalentes que exi- gem grande quantidade de energia para serem rom- pidas. Estas substâncias, conseqüentemente, possu- em pontos de fusão altos e são sólidos muito duros.

Forças

intermoleculares

Apesar de dois átomos de neônio não formarem liga-

ções covalentes, existem forças fracas de atração entre

eles. Ao ser comprimido

ba por se transformar

são fracamente atraídos entre si. Estas forças fracas são chamadas de forças de van der Waals e sua in- tensidade depende do tamanho da molécula.

ou resfriado, o neônio aca-

em líquido, no qual os átomos

O bromo (Br) é feito de moléculas ligadas covalen-

temente e com forças de van der Waals muito mais intensaS entre si que aquela entre átomos de neônio. Em temperatura ambiente, ocorre como mistura de lí-

quido e vapor. Contudo, as forças de van der Waals

entre as moléculas de bromo são muito mais fracas que

as ligações covalentes que unem seus átomos, assim,

embora seja fácil separar as moléculas e vaporizar o líquido, a energia necessária para separar os átomos atra- vés do rompimento das ligações covalentes é enorme.

Ligações

intermoleculares

de hidrogênio

Algumas

ebulição muito mais altos do que seu tamanho leva-

ria

ou menos

mas ponto de fusão muito mais alto. Devem existir, portanto, forças intermoleculares anormalmente in- tensas entre as moléculas de água. Embora os áto- mos de oxigênio e de hidrogênio compartilhem um par de elétrons numa ligação covalente, o átomo de oxigênio exerce "atração" mais forte sobre estes elé- trons, tomando-se rico em elétrons e deixando o áto-

têm pontos de fusão e

moléculas pequenas

É o caso a mesma

a crer.

da água (RP), que possui mais massa que um átomo de neônio,

mo de hidrogênio pobre em elétrons. O resultado é a ocorrência de uma força de atração eletrostática en-

tre átomos de hidrogênio e oxigênio

las vizinhas -ligações de hidrogênio intermoleculares.

sobre as molécu-

Além de responsáveis pelo ponto de fusão surpreen- dentemente alto da água, deve-se também às liga- ções de hidrogênio intermoleculares a estrutura aber- ta rígida dos cristais de gelo; a elas é ainda atribuída grande importância pela influência que exercem so- bre as estruturas e propriedades de moléculas bioló- gicas. Apesar de serem mais fortes que as forças de van der Waals, são muito mais fracas que as liga- ções covalentes normais.

-

"

,~

~ .,

\

"1

Cristais

vistos

microscópio

polarizada.

de

mentol,

de

luz

através

de

Os componentes

(ótomos

cristois

ou

são

moléculas)

unidos

dos

por fortes

ligações covalentes. (SPL)

/

/

I

'