Você está na página 1de 11

Ciclos Biogeoquímicos

Materialmente a Terra é um sistema quase fechado,muito pouca matéria entra ou sai,as


transformações sobre ou dentro dela precisam vir de combinações de matéria já existente.
Energeticamente, contudo, a Terra é um sistema aberto. Recebe energia constante do sol que precisa
re-irradiar de volta para o espaço a fim de manter uma temperatura controlada. A energia flui para a
terra e retorna para fora novamente. A matéria precisa fluir em ciclos.Os elementos necessários à
vida - água, carbono, oxigênio, nitrogênio, etc. - passam por ciclos biogeoquímicos que mantêm sua
pureza e a capacidade de serem aproveitados pelas coisas vivas.A biogeoquímica é o estudo das
trocas de materiais entre os componentes vivos (biótica) e não vivos (abiótica).Os principais ciclos
biogeoquímicos da natureza são:

Ciclo da água (H2O)

O ciclo da água é movido pela energia solar. Esta energia faz evaporar a água dos oceanos, dos
lagos, dos rios e das superfícies úmidas do solo e provoca transpiração das folhas e dos corpos de
outros organismos vivos.As moléculas de água vão da superfície terrestre para a atmosfera, onde,
junto com outros compostos moleculares, dão origem às nuvens. O retorno dessa água para a
superfície se dá na forma líquida (chuva) ou na forma sólida (neve, granizo).Quando a chuva ou a
neve atingem o chão, uma parte é absorvida pelo solo, onde forma os lençóis subterrâneos, ou é
absorvida pelas plantas. O restante forma a água de escoamento que se junta às nascentes e às fontes
de lençóis freáticos para formar os lagos e os rios que alimentam os oceanos, fechando assim o ciclo
da água.

ciclo do carbono (C)

O carbono é o elemento essencial na composição da matéria orgânica. Depois da água, é o elemento


que entra em maior quantidade na constituição dos organismos vivos. O ciclo do carbono envolve
um estágio sólido e um gasoso. O estágio sólido representa o carbono encerrado nas rochas (pedras
calcárias) e nos combustíveis fósseis, como hulha e petróleo, fixados pela fotossíntese durante
milhões de anos.Quando estes são queimados, ou através de atividades vulcânicas, o carbo, sob a
forma de CO2 (dióxido de carbono), é transferido para a atmosfera. A respiração dos organismos
vivos, a decomposição de organismos mortos, a queima de combustíveis dos veículos automotivos e
das máquinas a motor também contribuem com CO2 para a atmosfera. Nos vegetais, o carbono
entra na forma de CO2 pelas folhas, através dos estômatos, no processo fotossintético. Também na
forma de CO2 sai pela respiração dos vegetais, dos animais e dos decompositores.

ciclo do nitrogênio (N2)

O nitrogênio constitui aproximadamente 79% de nossa atmosfera.Os organismos vivos, excetuando-


se algumas bactérias e algas, não conseguem fixá-lo diretamente na forma como o encontram no ar.
Através de fenômenos eletroquímicos (raios) e fotoquímicos (sol), o N2 combina-se com o oxigênio
e a água da atmosfera, formando os nitratos (NO3) - forma mais utilizada pelas plantas - que se
precipitam para o solo.As plantas dependem do nitrato contido no solo para seu crescimento. Essa
forma de nitrogênio inorgânico transfere-se para o organismo animal pela alimentação.O nitrogênio
é um dos elementos mais importantes para a constituição das células e, portanto, de todos os seres
vivos. Participa obrigatoriamente das moléculas de proteínas e de outros compostos orgânicos
essenciais à vida.Durante suas vidas, as aves os répteis e os insetos eliminam resíduos nitrogenados
na forma de ácido úrico. Os mamíferos excretam os restos nitrogenados na forma de uréia. Com a
morte desses seres, os compostos nitrogenados são decompostos em substâncias simples por
organismos que habitam o solo. AS bactérias decompositoras agem, liberando o nitrogênio na forma
de amônia (NH3) que se transforma em nitritos (NO2) e estes em nitratos (NO3), que podem ser
reaproveitados pelos vegetais ou, sob a ação de outras bactérias, são transformados em N2 livre,
retornando à atmosfera e fechando assim o ciclo.

ciclo do oxigênio (O2)

O oxigênio representa cerca de 21% do ar atmosférico, sendo de vital importância para os seres
vivos, quer usado nos processos energéticos, quer nos processos respiratórios.As únicas fontes que
convertem o CO2 em O2 (oxigênio) são os vegetais clorofilados realizadores de fotossíntese.Desse
O2 livre produzido, uma parte é absorvida pelos seres vivos através do processo da respiração e
devolvida à atmosfera sob a forma de CO2 e H2O, isto é, oxigênio combinado. Outra parte é
dissolvida nas águas que também possuem O2 livre proveniente da atividade fotossintetizadora de
algas e de outros vegetais aquáticos. Quando a temperatura da água se eleva ou ocorre saturação de
O2, ela começa desprendê-lo, retornando à atmosfera parte desse oxigênio dissolvido.

ciclo do fósforo (P)

O fósforo constitui um importante componente da substância viva, além de estar ligado ao


metabolismo respiratório e fotossintético. Daí seu uso com adubo.Na natureza é um elemento
encontrado em pequena quantidade em relação às necessidades dos seres vivos e seu grande
reservatório são as rochas fosfatadas.A erosão do solo pelas águas ou pelos ventos desagrega essas
rochas e esses fósforo mineral é levado para os oceanos. Uma grande parte é sedimentada nas
profundezas e não será aproveitada. A pequena parte aproveitada pelos seres marinhos, entre eles
certas aves marinhas, é restituída ao solo, de onde pode novamente ser retirado pela plantas.O
organismo animal entra no ciclo ao se alimentar desses vegetais. Após sua morte ou por excreções
(fezes, urina) lançadas por esses organismos durante sua vida, os compostos contendo fósforo
retornam ao solo onde são decompostos por bactérias e fungos, fechando assim seu ciclo.

ciclo do enxofre (S)

É um ciclo que envolve um estágio sólido e um gasoso onde os organismos (especialmente os


microorganismos), que obtêm energia a partir da oxidação química de compostos inorgânicos,
exercem papéis fundamentais. Processos geoquímicos e metereológicos tais como erosão, lixiviação
(arraste por lençóis freáticos) e ação da chuva são importantes na recuperação do enxofre dos
sedimentos mais profundos.Quando as plantas e os animais mortos são decompostos pelos
microorganismos saprófitos aeróbios e anaeróbios, destes últimos desprende-se gás sulfídrico
(H2S). Parte desse gás é reconvertidaem sulfato por bactérias sulfurosas especializadas. A outra
parte é transformada em enxofre (S) por certas bactérias que obtêm sua energia a partir dessa
transformação química.Assim, os ciclos biogeoquímicos combinam-se para formar um mecanismo
de controle complexo que mantém condições favoráveis à vida.
Desequilíbrios Ambientais

Quando um único ecossistema se desequilibra, rompe-se todo o equilíbrio do planeta. As sucessivas


agressões ambientais praticadas pelo ser humano colocam o planeta em brutal desequilíbrio e sob
séria ameaça. Desde a origem da vida até os dias de hoje, nenhuma outra espécie interferiu tanto
nos destinos da Terra. A humanidade é a única que pode sonhar, planejar e executar um mundo
equilibrado ou não.

Equilíbrio X Desequilíbrio

Ao imaginar a Terra como um gigantesco ser vivo, com mecanismos próprios de controle e
organização, pensando seus ecossistemas como órgãos, quando um deles adoece, o equilíbrio do
todo está ameaçado. Assim têm acontecido: rios doentes, florestas desmatadas, desertos avançando,
espécies sendo extintas, petróleo derramado nas águas dos mares, veneno na agricultura, chuva
ácida, lixo tóxico, fumaça, barulho, resíduos radioativos...Frequentemente os desequilíbrios
ambientais estão associados a algum tipo de poluição, causada por um ou mais poluentes.

Poluição

Modificação desfavorável em um ambiente, resultante da introdução de substâncias prejudiciais ou


perigosas, decorrente no todo ou em parte de atividades humanas.A poluição pode ocorrer no ar,
água, solo e subsolo.

Poluição do Ar

É o fenômeno que ocorre quando o ar limpo e respirável, constituído de 78% de nitrogênio, 21% de
oxigênio e 0,3% de metano (além de quantidades minúsculas de outros gases), recebe substâncias
poluentes - em especial os compostos de enxofre, nitrogênio, hidrocarbonetos, óxidos de carbono e
os chamados particulados (poeira, fumaça e a fuligem). O monóxido de carbono é o contaminante
do ar mais abundante da camada inferior da atmosfera.

Efeito estufa: aquecimento da temperatura média na Terra; recebeu esse nome porque o processo é
semelhante ao produzido pela passagem da luz através do vidro de uma estufa, que não permite a
saída do calor. A radiação do sol entra facilmente na atmosfera, aquecendo a superfície da Terra e
provocando a emissão de radiação infravermelha. Gases como o dióxido de carbono (gás carbônico
-CO2), cuja concentração na atmosfera tem aumentado em conseqüência da poluição, absorvem a
radiação infravermelha e impedem que o calor deixe a Terra; a maior concentração de dióxido de
carbono na atmosfera se deve, principalmente, ao aumento do uso de combustíveis fósseis;
automóveis e usinas de energia contribuem com 75% do gás carbônico liberado em nações
industrializadas; a devastação e a queima de florestas tropicais também contribuem para a maior
emissão de dióxido de carbono.Inversão térmica: no inverno, em certas condições de incidência dos
raios solares ou do movimento das massas de ar, uma camada de ar quente pode ficar presa entre
camadas de ar frio. O ar quente, impedido nesta situação de subir, não dispersa os gases.
Geralmente o fenômeno da inversão térmica ocorre com tempo estável, sem chuvas e ventos.
Quanto mais baixa estiver a camada presa, pior será o efeito da inversão.

Chuva ácida: chuva, neve ou neblina, com pH mais baixo que o neutro e nível de acidez mais
elevado, por ação de resíduos provenientes principalmente da queima de carvão de derivados de
petróleo, ou gases de núcleos industriais poluidores acumulados na atmosfera. A água das chuvas
"lava" a atmosfera, os gases e produtos químicos entram no ciclo hidrológico e retornam a
superfície da terra. A quantidade de poluentes dissolvidos na chuva muda o pH da água e eleva seu
nível de acidez, provocando a corrosão em monumentos e edifícios, alterando o equilíbrio químico
de lagos e rios afetando vegetais e animais. É mais comum em regiões de clima temperado.
Compostos de enxofre e nitrogênio são os principais componentes desta chuva, que pode se
manifestar tanto no local de origem, como a centenas de quilômetros de distância.Redução da
Camada de Ozônio: O gás ozônio (O3), cuja molécula é composta de três átomos de oxigênio; é um
gás azulado, presente em toda a atmosfera. Porém cerca de 90%, está concentrado na estratosfera,
numa camada de aproximadamente 20 km de espessura e distante cerca de 25 km da Terra
formando uma espécie de capa protetora, capaz de filtrar os raios ultravioletas (UV), proveniente do
solSem a camada de ozônio, os raios ultravioletas atingem a superfície da Terra, causando sérios
problemas à saúde humana, como câncer de pele e doenças oculares. Os ecossistemas são também
abalados devido à alteração na cadeia alimentar, uma vez que algumas espécies de plantas e animais
são mais sensíveis à radiação ultravioleta.Por razões climatológicas peculiares ao Polo Sul, a
redução tem sido mais drástica sobre o continente antártico, mas atinge quase todo o planeta.

Poluição da Água

Toda ação humana que direta ou indiretamente altera uma ou mais das propriedades naturais dos
ecossistemas aquáticos - rios, lagos, mares, oceanos e lençóis subterrâneos - constitui poluição.
As causas fundamentais da poluição das águas continentais são: a urbanização decorrente do
crescimento populacional e o aumento da industrialização. É, portanto, nas imediações das grandes
cidades e nas áreas mais industrializadas que os problemas de poluição hídrica são mais agudos;
porém atividades como mineração, agricultura e a silvicultura contribuem também para
comprometer a qualidade das águas.Para suprir necessidades domésticas e industriais, o homem
interfere no ciclo hidrológico de duas maneiras:quantitativamente, por represamento, regulação do
fluxo e desvios de cursos d'água; e qualitativamente pelo lançamento de partículas estranhas -
esgoto doméstico, despejos industriais, irrigação agrícola, etc. - alterando suas características
físicas, químicas ou biológicas.Além disso temos desperdiçado água de uma maneira perdulária. Há
desperdício no uso doméstico (lavar calçadas, carros, etc.), há desperdício nas redes de
abastecimento urbano, cujos vazamentos são responsáveis por perdas enormes, e há desperdício nos
processos industriais e no uso agrícola.

Poluição dos Mares e Oceanos

Uma das razões dessa poluição é a extração, o transporte e o processamento de petróleo. As regiões
litorâneas próximas aos terminais petrolíferos recebem constantemente dejetos do processamento de
petróleo e resíduos da lavagem dos tanques de navios petroleiros. Há também a ocorrência, não
rara, de vazamento de petróleo bruto ou derivados.Os acidentes em alto-mar provocam, por outro
lado, terríveis desastres ecológicos. Em consequência de naufrágios, colisões de navios
petroquímicos e acidentes em plataformas submarinas, são lançadas ao mar grandes quantidades de
petróleo, que prejudiquem o ecossistema marinho, em particular as algas e o plâncton.

Poluição do Solo

O solo é a camada fina da superfície terrestre, onde as raízes das plantas se fixam para buscar
alimento, ar e água. Essa camada é resultado da ação de milhões de anos da natureza e pode ser
destruído rapidamente pela sua utilização inadequada.Existe uma relação muito grande entre o solo,
a água, o clima e a vegetação; e sempre que o solo passa a ser manejado para qualquer finalidade
ocorrem desequilíbrios nessa relação, levando a instabilidade desse ecossistema.O lixo é uma das
formas mais comuns de poluição do solo, porém o uso intensivo de agrotóxicos é responsável pela
contaminação de grandes áreas.
Queimadas, desmatamentos e o mau uso do solo trazem consequências danosas às suas
propriedades físicas e químicas, refletindo diretamente na redução da fertilidade.

Erosão

O fenômeno da erosão consiste na ação combinada de um conjunto de fatores que provoca a


desagregação e o transporte de partículas do solo, e os principais agentes são as águas das chuvas e
os ventos.Porém, à medida que os solos ficam desprotegidos da cobertura vegetal, mais rapidamente
e em maior quantidade às partículas do solo ficam disponíveis para serem transportadas pelo
escoamento superficial.As atividades humanas constituem o principal fator na deflagração dos
processos erosivos, através das seguintes ações:

* desmatamento e retirada completa da vegetação, deixando o solo descoberto;


* plantio de forma incorreta;
* plantio de culturas não adaptadas às características da terra;
* pisoteio excessivo do gado em pastagens;
* queimadas;
* compactação do solo pelo movimento de máquinas e veículos;
* urbanização/impermeabilização do solo.

Entre os principais problemas causados pela erosão destacam-se:

* perda de solo pelo arraste de materiais devido às enxurradas, acarretando queda de


produtividade;
* assoreamento dos cursos d'água e reservatórios;
* aumento da ocorrência de enxurradas e enchentes;
* contaminação das águas por resíduos de agrotóxicos e fertilizantes químicos, arrastados
juntamente com as partículas do solo;
* escorregamento de encostas;
* redução das áreas disponíveis para agricultura e urbanização, etc.