Você está na página 1de 24

EFEITO

POTEN
FUNÇÃO E REQUISITOS DO PROCESSO MODO DE FALHA POTENCIAL
CIAL DE
FALHA

Possív
el
acident
e do
usuário
Ruptura nas soldas
;a
biciclet
a fica
inutiliz
ada

Proble
mas na
Quadro e garfo - servir de estrutura aparên
para a bicicleta cia,
Risco na pintura pode
desagr
adar
usuário
.

Dificult
ar
operaç
Ento Inutiliz
ão por
ação
parte
dodo
sistem
usuário
Inutiliz
a de
ação
freios
do e
Sistema de Freios - Utilizados para Ruptura dos cabos em seus pontos críticos possibi
sistem
desacelerar a bicicleta conforme a
liodade
a de
vontade do cliente Falta de atrito entre a borracha do freio e o pneu de e
freios
Pneu furar acident
possibi
Desalinhamento do pneu com a roda e
liodade
envolv
de
endo
acident
usuário
Rodae
fica
envolv
desbal
endo
ancead
usuário
Pneu e roda - utilizados para mover a Excentricidade no diâmetro da roda a,
bicicleta através da troca de forças dificult
gerada no atrito com o chão a
operaç
ão do
usuário

Aro romper
Braço do Pedal romper
Pisante do pedal romper
Braço do Pedal entortar
Pedal - serve para receber a força
gerada pelo usuário e transformá-la Pisante do pedal escapar
em torque A bicicleta perde

Ruptura de um elo da corrente


Escape da corrente com a coroa
ruído excessivo
Falta de lubrificação
fratura dos dentes
Coroas e Corrente - serve para desgaste dos dentes
transmitir o torque do pedal até a lubrificação inadequada
roda traseira. ruido excessivo
Selim
Guidão

Sistema de Freios

Componente Função que deve desempenhar Interface com outros

Quadro Servir de estrutura para a bicicleta.

Sistema de Freios Desacelerar a bicicleta conforme a vontade do cliente.

Mudar a direção da bicicleta e como apoio para o


Guidão
usuário.

Mover a bicicleta através da troca de forças gerada


Conjunto pneu, roda e aro
através do atrito com o chão

Receber a força gerada pelo usuário e transformá-la


Pedal
em torque.
Sistema de Transmissão (Coroas e
Transmitir o torque do pedal até a roda traseira.
Corrente)

Selim Alojar o usuário na bicicleta.


Guidão

A bicicleta perde
Conjunto pneu, roda e
aro

Pedal

Sistema de
Transmissão (Coroas e
Corrente)

Interface com outros componentes


Selim
ELABORADO POR: JOSÉ ASSUMPÇÃO RODRIGUES DE ALMEIDA
APROVADO POR:

Cliente / Refer. Aplicação


Data últ. ver. proj. Produto/Processo
Observações

Item Modo de Falha

Ruptura nas soldas do quadro


Quadro
Risco na pintura
Deformação do quadro

Ruptura dos cabos

Deformação do Cantilever
Sistema de Freios
Ruptura do Cantilever

Falta de atrito entre a borracha do freio e a roda

Rompimento do pneu
Vazamento de ar no pneu
Escape do pneu para fora da roda
Escape da roda para fora do conjunto
Pneus, rodas e aros Excentricidade radial da roda
Folga entre o garfo e a roda
Deformação de aros

Rompimento de aros

Braço do pedal romper

Pisante do pedal romper


Pedal

Braço do pedal deformar

Pisante do pedal escapar


Ruptura do elo da corrente

Escape da corrente para fora da coroa


Sistema de Esgotamento da lubrificação
Transmissão
(Coroas e Corrente)
Fratura dos dentes da coroa

Desgaste dos dentes da coroa

Deformação da borracha
Selim
Rotação do selim
Deslizamento do guidão com a mão
Deslizamento do guidão na rotação do eixo
Guidão
Ruptura do Guidão

Desparafusamento da estrutura do motor

Sobrecarga elétrica no motor


Desregulagem do motor
Sistema do motor
Quebra do eixo

Quebra da estrutura de suporte


Emissão excessiva de ruídos
Superaquecimento
Sobrecarga elétrica
Subcarga
Perda precoce de capacidade
Bateria
Deformação atráves de choques mecânicos
Curto-circuito
Vazamento
Explosão
Falha na lógica da programação

Curto-circuito
Microcontrolador

Quebra da placa

Ruptura dos cabos

Desacoplamento dos cabos


Controle do guidão
Controle do guidão
Quebra do controlador
Deformação do controlador
Curto-circuito do sistema de transmissão de dados
F.M.E.A
TÍTULO : Modelo de F

( X ) Projeto de Produto ( ) Revisão do Proj. de Produto ( ) Projeto

Efeito

Bicicleta fica inutilizada, possível acidente envolvendo usuário.

Aparência comprometida.
Compromete equilíbrio, dificulta a operação do conjunto pelo usuário.

Usuário fica incapaz de freiar, possível acidente.

Frenagem dificultada.

Usuário fica incapaz de freiar, possível acidente.

Frenagem dificultada, possível acidente.

Bicicleta fica inutilizada, possível acidente.


Dificulta a operação do conjunto pelo usuário.
Bicicleta fica inutilizada, possível acidente envolvendo usuário.
Bicicleta fica inutilizada, possível acidente envolvendo usuário.
Tremor na bicicleta, dificulta a operação do usuário.
"Balanço" da roda, dificulta a operação do usuário e pode levar ao escape
da roda
Leva a deformação radial da roda até sua inutilização.
Pode levar à deformação drástica da roda, inutilizando-a e pode gerar um
acidente.

Incapacidade de pedalar, pode levar a acidentes.

Incapacidade de pedalar, pode levar a acidentes.

Perda de rendimento na geração de torque.

Incapacidade de pedalar.
Interrupção da transmissão, bicicleta fica inutilizada.

Interrupção da transmissão, bicicleta fica inutilizada.


Pode travar o sistema de transmissão e levar a fratura de dentes da coroa.

Interrupção da transmissão, bicicleta fica inutilizada.

Dificulta a transmissão, gera ruídos

Traz desconforto ao usuário e pode gerar problemas de saúde.


Pode fazer o usuário perder o equilíbrio, possível acidente.
Dificulta o controle da direção, possível acidente.
Dificulta a mudança da direção do conjunto, possível acidente.
Bicicleta fica inutilizada, possível acidente envolvendo usuário.

Sistema pára de funcionar, roda pode desacoplar e gerar risco ao usuário

Pode inutilizar o motor, o sistema pára de funcionar.


Sistema perde precisão, usuário perde controle parcial do sistema
Inutilização do motor e possível travamento da roda, gera risco ao usuário

Inutilização do sistema e possível quebra do cubo


Causa desconforto ao usuário
Possível inutilização do sistema
Pode estragar o motor, desperdício de energia
Potência descarregada no motor menor do que a exigida pelo usuário
Menor autonomia da bicicleta, sistema perde eficácia
Efeitos variados, desde aparência comprometida até inutilização da
bateria
Impossibilidade de alimentação do motor
Perda de eficiência do sistema, maior chance de explosão
Risco de dano ao usuário, inutilização do sistema
Imprevisível - desde pequena desregulagem à inutilização do sistema

Perda de controle sobre o motor

Perda de controle sobre o motor

Perda de controle do usuário sobre a potência do motor

Perda de controle do usuário sobre a potência do motor


Perda de controle do usuário sobre a potência do motor
Aparência comprometida, possível perda de controle na potência do motor
Perda de controle do usuário sobre a potência do motor
F.M.E.A - ANÁLISE DE MODOS DE FALHAS E SEUS E
TÍTULO : Modelo de Formulário para Preenchimento da Análise de Modos de Falh

F.M.E.A. - ANÁLISE DE MODOS DE FALHAS E SEUS DEFEITOS


( X ) Projeto de Produto ( ) Revisão do Proj. de Produto ( ) Projeto de Processo ( ) Revisão de Proj. de Processo
Áreas envolvidas
Fornecedor

Causas
Material do quadro inadequado
Especificação do cordão de solda inadequado (material, tipo, espessura)
Cálculos de resistências errados
Material e/ou espessura usada na pintura inadequados
Cálculos de resistências errados
Material inadequado
Material inadequado
Cálculos de resistências errados
Posicionamento dos cabos inadequado
Material inadequado
Projeto do cantilever mal-feito
Cálculos de resistências errados
Material inadequado
Projeto do cantilever mal-feito
Cálculos de resistências errados
Material da pastilha inadequado
Cálculo errado da elasticidade do cabo de freios
Posicionamento errado do cantilever
Material inadequado
Material inadequado
Dimensionamento errado da roda
Dimensionamento errado da roda
Atrito entre o pafafuso de posicionamento da roda com o garfo insuficiente
Material inadequado
Atrito entre o pafafuso de posicionamento da roda com o garfo insuficiente
Material inadequado
Cálculos de resistências errados
Material inadequado
Cálculos de resistências errados
Material inadequado, projeto mal feito ou cálculo de resistências errados
Projeto mal feito
Cálculos de resistências errados
Material inadequado, projeto mal feito ou cálculo de resistências errados
Projeto mal feito
Cálculos de resistências errados
Material inadequado, projeto mal feito ou cálculo de resistências errados
Projeto mal feito
Cálculos de resistências errados
Atrito entre pedal e pisante insuficiente.
Cálculos de resistências errados
Material Inadequado
Atrito excessivo com a corrente/coroa por erro de dimensionamento
Atrito excessivo com a corrente por falta de lubrificação
Erro de cálculo sobre posicionamento da coroa/corrente
Superdimensionamento da corrente
Material lubrificante inadequado
Cálculos de resistências errados
Material Inadequado
Atrito excessivo com a corrente/coroa por erro de dimensionamento
Atrito excessivo com a corrente por falta de lubrificação
Cálculos de resistências errados
Material Inadequado
Atrito excessivo com a corrente/coroa por erro de dimensionamento
Atrito excessivo com a corrente por falta de lubrificação
Material inadequado.
Atrito entre o eixo do selim e o selim insuficiente
Atrito entre a mão e o guidão insuficiente
Atrito entre o guidão e seu eixo insuficiente.
Material inadequado
Cálculos de resistências errados.
Escolha equivocada do sistema de atarrachamento.
Cálculos errados.
Material inadequado.
Dimensionamento errado da potência do motor.
Problemas de falta de resfriamento.
Uso exigente do usuário, sistema gasto, no final da vida
Material inadequado
Cálculos de resistência errados
Material inadequado
Escolha inadequada do sistema de fixação
Tolerância entre as partes mal especificada
Posicionamento das peças internas não permite resfriamento
Voltagem especificada ao motor inadequada
Má especificação da bateria
Má especificação da bateria
Má especificação da bateria
Isolamento inadequado
Material de isolamento inadequado
Posicionamento inadequado
Mal uso da bateria pelo operador
Isolamento inadequado
Isolamento inadequado aliado à aquecimento e uso perigoso por parte do usuário
Falha do programador
Voltagem mal especificada
Distância entre os circuitos inadequados
Placa mal projetada
Posicionamento inadequado
Isolamento inadequado
Especificações da placa inadequadas
Material Inadequado
Atrito excessivo entre os cabos
Cálculo de resistência errados
Sistema de fixação inadequado
Material inadequado
Cálculo de resistência errados
Material inadequado
Voltagem mal especificada
Placa mal projetada
DE MODOS DE FALHAS E SEUS EFEITOS
Preenchimento da Análise de Modos de Falhas e seus Defeitos
EMITIDO: 27/10/2005
No. XX_XX_XXXX

ão de Proj. de Processo

Controle Severidade

Seguir norma técnica de soldagem. Simulação de Vida. 10

Seguir norma técnica de pintura 1


Seguir norma técnica de resistência dos materiais. Protótipo com elementos finitos. 7

Teste de tração. 10

Seguir a norma técnica de resistência dos materiais 9

Seguir a norma técnica de resistência dos materiais 10

Nenhum. 9

Teste de pressão. 10
Nenhum. 4
Nenhum. 8
Protótipo físico. 10
Protótipo físico. 6
Protótipo físico. 9
Nenhum. 5

Seguir normas técnicas de elementos de bicicletas. 8

Seguir normas técnicas de elementos de bicicletas. Protótipo físico. Simulação de vida. 8

Seguir normas técnicas de elementos de bicicletas. Protótipo físico. 7

Seguir normas técnicas de elementos de bicicletas. Protótipo físico. 5

Protótipo físico. 8
Seguir normas técnicas de elementos de transmissão. Simulação e Protótipo 6

Nenhum. 5
Nenhum. 3

Seguir normas técnicas de engrenagens. Simulação e protótipo. 6

Seguir normas técnicas de engrenagens. Simulação e protótipo. 3

Protótipo físico. 2
Protótipo físico. 6
Nenhum. 6
Protótipo físico. 8
Seguir normas técnicas de resistência dos materiais. Protótipo em elementos finitos. 10

Seguir normas técnicas e protótipo. 9

Teste de vida, controle de qualidade na recepção da peça. 7


Teste de vida. 3
Seguir normas técnicas. Simulação e protótipo. 9

Simulação e protótipo. 8
Nenhum 1
Teste de vida. 6
Prototipagem física. 5
Prototipagem física. 4
Seguir dados normalizados para garantir a capacidade da bateria. 5

Nenhum 2
Nenhum 6
Isolamento da bateria reforçado 8
Nenhum 10
Simulação 7

Protótipo físico 7

Nenhum 7

Seguir normas técnicas de resistência dos materiais. Protótipo em elementos finitos. 6

Prototipagem física. 6
Seguir normas técnicas de resistência dos materiais. Protótipo em elementos finitos. 6
Nenhum 2
Nenhum 6
O: 27/10/2005
XX_XX_XXXX

Ocorrência Detecção Índice de Risco

2 6 120

6 8 48
2 2 28

3 8 240

3 8 216

2 9 180

5 6 270

4 9 360
10 2 80
2 9 144
3 7 210
5 4 120
3 4 108
5 4 100

3 9 216

1 5 40

3 6 126

2 2 20

4 7 224
3 8 144

6 9 270
9 8 216

5 8 240

8 7 168

2 1 4
7 5 210
7 2 84
2 8 128
2 7 140

4 8 288

4 5 140
8 3 72
2 7 126

2 4 64
5 5 25
4 4 96
6 5 150
6 7 168
4 4 80

4 2 16
5 7 210
3 4 96
2 5 100
1 7 49

2 9 126

4 7 196

3 7 126

4 5 120
3 6 108
6 2 24
1 7 42
FOLHA: 1 de X
REVISÃO: 0
Divisão
Folha
Data da Elaboração
Data da Próxima Revisão

Ações Recomendadas

Fazer simulações e ensaios para verificar Resistência das soldas a ruptura

Realização de Experimentos e simulações para verificar a resistência dos cabos para cada tipo de
posicionamento dos cabos

Fazer ensaios para verificar a resistência do cantilever a deformação

Fazer ensaios para verificar a resistência do cantilever a ruptura

Fazer experimentos com protótipo para verificar o melhor posicionamento do cantilever calculando a
desaceleração e vida da pasitlha
Simular protótipo e verificar a resistência do pneu; fazer testes com pneus de diferentes materiais

Fazer testes para verificar a robustez do conjunto garfo-parafuso-roda

Simular protótipo e verificar a resistência do aro; se necessário, fazer testes com aros de diferentes
materiais

Fazer experimentos para diferentes tipos de encaixe pisante-pedal


Fazer experimentos para calcular a resistencia da corrente envolvendo as seguintes variáveis: nível
de lubrificação; diâmentro da coroa; diâmetro da correntes; material da corrente.

Fazer testes para calcular a quantidade de escapes da corrente em função da variável diâmetro da
corrente
Fazer testes para calcular a vida do lubrificante, variando o tipo de lubrificante

Fazer experimentos para calcular a vida da coroa em função do nível de lubrificação; diâmetro da
corrente;diâmetro da coroa; material da coroa

Fazer experimentos para calcular o esforço necessário para rotacionar o selim

Fazer simulações e, se necessários testes com diferentes tipos de materiais, para calcular o esforço
necessário para a ruptura do guidão

Além de prototipagem, passar a fazer simulação e teste de vida.

Fazer ensaios para verificar a resistência do eixo à ruptura

Tornar a emissão de ruídos um requisito a ser avaliado ao especificar as tolerâncias


Realizar estudo para assegurar que o local de operação do motor permita à refrigeração

Reforçar isolamento
Criar avisos para o usuário quanto às consequencias do mal uso e isolar bem a bateria
Testar o microcontrolador através de vários softwares, pedir a análise de outros programadores

Isola bem a placa para que fique isenta de choques mecânicos


Criar um design para o controle que o torne mais resistente a choques mecânicos