Você está na página 1de 2

Apoio Social e Reganho de Peso Pós-Cirurgia Bariátrica: Estudo de Caso

Sobre Intervenção com Cuidador

A obesidade epidêmica é considerada pela Organização Mundial de


Saúde (OMS), um dos principais problemas de saúde do mundo. Está incluso
nestes dados, o Brasil, que segundo os estudos em 2010, 14,8% da população
se encontrava obesa.

O tratamento para esta condição médica crônica requer vários tipos de


abordagens. Além dos exercícios físicos e dieta é necessário também um
tratamento farmacológico e acompanhamento psicológico, por ser considerada
de etiologia multifatorial.

A cirurgia bariátrica é um tratamento bastante utilizado quando esses


métodos tradicionais falham. No entanto, há critérios para tal. O procedimento
é realizado em pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 30 e 35
kg/m² associado a algumas doenças graves quando classificadas por
especialistas e principalmente um endocrinologista.

O grande êxito neste procedimento cirúrgico consiste no estilo de vida


que o paciente adquire após a cirurgia, principalmente em relação à
alimentação. Porém, neste processo, também se faz necessário o
acompanhamento de um profissional da psicologia com o paciente, para
acompanhá-lo em sua trajetória, oferecendo-lhe preparação psicológica, para
que alcance suas expectativas e objetivos, assim como os de seu médico e da
equipe. (p. 1006)

Geralmente para quem se submete a esse procedimento é gerado uma


expectativa de cura. No entanto, caso não aconteça os devidos cuidados no
pós-operatório não há garantia de sucesso. O número de pacientes com
reganho de peso é elevado, isto por não conseguir modificar o estilo de vida
em longo prazo. Uma mudança é determinante para alcançar o objetivo.

Alguns autores realizaram estudos para verificar os preditores de


reganho dos pacientes submetidos à técnica denominada Bypass em Y de
Roux. O resultado foi que 79% relataram reganho. Entre os principais fatores
estão a falta de controle alimentar, falta de apoio familiar e uso de álcool. (p.
1006).

Outro fator que deve ser levado em consideração neste período é o


beliscar, que consiste em consumir alimentos entre uma refeição e outra,
gerando excesso energético, resultando no reganho de peso.

Estudos também comprovaram que o apoio social é um fator que ajuda


no processo, “a presença de suporte social prevê uma melhor adesão a
comportamentos de saúde (...), promovendo, assim, a melhora da saúde e da
qualidade de vida desses pacientes”. (p. 1006)

A partir deste entendimento foi realizado o estudo de caso com uma


paciente de 20 anos, residente com sua mãe e apresentando reganho de peso.
Foram utilizadas entrevistas semi-estruturadas e uma escala validada para
verificar o suporte social.

Constatou-se aumento na frequência de fornecimento de apoio social


por parte do cuidador nas quatro categorias comportamentais trabalhadas:
adesão à dieta, uso de suplementação alimentar, prática de atividade física e
controle de estresse, ao longo de três semanas da intervenção.

O resultado apresentou a importância do apoio social e a satisfação no


resultado. A partir disto, surge a necessidade do comprometimento do paciente
e também da família quanto às recomendações médicas em nutricionais.

É de suma importância o paciente ser ativo ao longo do prazo do pós-


operatório e do apoio social. Isso resultara em uma eficácia do tratamento.

REFERENCIA BIBLIOGRAFICA

ABREU-RODRIGUES, M.; SEIDL, E. M. F. Apoio social e reganho de peso


pós-cirurgia bariátrica: estudo de caso sobre intervenção com cuidador,
2015.