Você está na página 1de 102

Capítulo 11

Montagem de PCs
Hora de comprar as peças e montar o PC!
Você já sabe as peças necessárias à montagem de um PC. A configuração
escolhida dependerá da aplicação que terá o computador. Aqui vão algumas
dicas importantes.

Identifique para que o computador vai ser utilizado. Dependendo da


aplicação, poderá ser necessária uma configuração mais avançada. PCs para
aplicações simples como processamento de texto e acesso à Internet podem
utilizar vídeo onboard, terem processadores mais simples, uma modesta
quantidade de memória e um disco rígido de capacidade média. PCs
utilizados para aplicações profissionais devem ter uma placa de vídeo
melhor, de resolução mais alta, e com recursos 3D, caso sejam usados para
aplicações de engenharia, CAD e computação gráfica em geral. Esses PCs
também precisam de processadores velozes e generosas quantidades de
memória, bem como um disco rígido de alto desempenho. É fundamental o
uso de um dispositivo de backup, já que em uma aplicação profissional,
dados perdidos poderão representar um grande prejuízo. PCs para serem
utilizados com jogos 3D de última geração devem ter uma configuração
também avançada, parecida com a dos PCs para uso profissional, e
preferencialmente deve ter uma boa placa de som com áudio 3D.

Qualidade dos componentes


Outra questão importante é a qualidade dos componentes utilizados. Existem
no mercado brasileiro, componentes de alta qualidade e preços mais
elevados, e também componentes de qualidade inferior e preços mais
baixos. Se quiser mais detalhes sobre as melhores marcas e modelos,
consulte o nosso Guia do comprador de PCs, em www.laercio.com.br.
11-2 Como montar, configurar e expandir seu PC
Eletricidade estática
Por melhor que seja a qualidade dos componentes, tudo pode ser colocado a
perder se eles não forem manuseados corretamente. Todos os dias, milhares
de chips, placas, discos rígidos, memórias e outros componentes são
danificados por descargas eletrostáticas (ESD). Veremos portanto neste
capítulo, os cuidados que você deve tomar para não danificar as peças do
computador com a eletricidade estática.

Dificuldades mecânicas
Quem sabe montar um PC, a princípio sabe montar todos. Existem
pequenas diferenças em relação ao formato do gabinete. Encontramos
gabinetes horizontais e verticais (também chamados de desktop e torre,
respectivamente), existem diferenças nos métodos de fixação da placa de
CPU, na disposição interna dos drives. Felizmente a diversidade de gabinetes
não resulta em dificuldades muito grandes, e para a felicidade dos
montadores de PCs, a maioria das etapas da montagem são idênticas. De
qualquer forma, antes de detalhar a montagem de PCs, faremos uma
apresentação dos principais tipos de gabinetes, o que tornará a montagem
ainda mais fácil.

As etapas da montagem
Dividimos a montagem do PC em etapas independentes. São elas:

1) Preparação da placa de CPU, gabinete e drives


Nesta etapa vamos instalar as memórias, o processador e o cooler, além de
revisar os jumpers da placa de CPU. Desta forma não precisaremos fazer
alterações depois que a placa estiver instalada no gabinete.

2) Fixação da placa de CPU no gabinete


Veremos aqui os diferentes métodos usados para fixar a placa de CPU no
gabinete. Existem os espaçadores plásticos e os parafusos metálicos, existem
formas diferentes de posicionar a placa, dependendo do tamanho do
gabinete.

3) Fixação dos drives e do disco rígido


Drive de disquetes, disco rígido, drive de CD-ROM e até um ZIP Drive
interno, devem ser aparafusados ao gabinete. Todos esses drives possuem
furos laterais para a colocação dos parafusos que os prenderão ao gabinete.

4) Fixação das placas de expansão


Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-3
Esta é a hora de fixar a placa de vídeo, caso a placa de CPU não utilize
vídeo onboard. Certos conectores auxiliares que acompanham algumas
placas de CPU também devem ser instalados nesta etapa. Recomendamos
que placas de som, modem e rede sejam instaladas depois da instalação do
sistema operacional.

5) Conexão dos cabos


Cabos flat que interligam as diversas placas e drives, bem como os cabos de
alimentação e demais cabos envolvidos são ligados nesta etapa.

6) CMOS Setup
Aqui declaramos a data e a hora, os parâmetros do disco rígido e várias
opções de funcionamento do hardware.

7) Formatação do disco rígido


Somente depois de realizadas a partição e a formatação lógica o disco rígido
estará pronto para receber dados, inclusive para a instalação do sistema
operacional.

8) Ajustes finais
Esta é a hora de configurar o display digital, organizar os cabos e checar se
tudo está funcionando. O computador estará pronto para a instalação do
sistema operacional.

Logo começaremos a apresentação dessas etapas da montagem, mas antes


vamos aos tópicos preliminares, sem os quais toda a montagem pode ser
colocada a perder.

Cuidado com a eletricidade estática


O computador novinho em folha já veio com alguns problemas de mau
funcionamento. O outro, depois de alguns meses de uso, passou a apresentar
defeito na memória. Qual é o usuário que nunca viu essas coisas
acontecerem? Esses são apenas alguns exemplos de problemas inexplicáveis
existentes em PCs novos ou com poucos meses de uso. As descargas
eletrostáticas (ESD) que ocorreram quando os componentes foram tocados
com as mãos pelos vendedores, técnicos e usuários, foram as responsáveis
por esses defeitos. Tais problemas seriam evitados se essas pessoas tomassem
os devidos cuidados, o que por sinal não dá trabalho algum. Vejamos então
o que são as descargas eletrostáticas, os problemas que causam e como evitá-
las.
11-4 Como montar, configurar e expandir seu PC
Como ocorrem as descargas eletrostáticas
As descargas eletrostáticas ocorrem quando tocamos placas e chips com as
mãos. Quando o vendedor coloca uma placa na vitrine, ou quando cola e
escreve aquela etiqueta da garantia, ou quando ele retira ou coloca uma
placa, chip ou disco rígido na embalagem. Ocorre quando o técnico ou o
usuário segura as peças para fazer a instalação. Os vendedores e técnicos
deveriam tomar cuidado. Afinal as peças que estão manuseando não
pertencem a eles, e sim ao usuário que irá comprá-las.

O que são as descargas eletrostáticas


Todos se lembram de um belo dia, lá por volta da sexta série do primeiro
grau, quando na aula de ciências é apresentada uma experiência com
eletricidade estática. Esfregamos uma caneta nos cabelos ou no casaco,
tornando-a eletrificada. A caneta passa a atrair para si, pequenos pedacinhos
de papel. Os elétrons acumulados na caneta são os responsáveis por esta
atração. Quaisquer materiais, quando friccionados entre si, produzem
quantidades maiores ou menores de eletricidade estática. Ao se levantar de
uma cadeira forrada com material plástico, retirar um casaco de lã ou mesmo
ao andar por um carpete, o corpo humano acumula cargas suficientes para
gerar uma tensão de alguns milhares de volts. Certamente você já deve ter
tomado algum dia, um choque ao abrir a porta de um automóvel, ou mesmo
uma porta comum. Tensões estáticas superiores a 3000 volts são percebidas
por nós, na forma de um pequeno choque. Tensões mais baixas não chegam
a provocar choques, por isso tendemos a não acreditar nas descargas
eletrostáticas. Para danificar um chip de memória ou um processador,
bastam algumas dezenas de volts.

Os estragos causados pelas descargas eletrostáticas


Descargas eletrostáticas podem causar dois tipos de falhas: catastróficas e
latentes. As falhas catastróficas são as mais fáceis de serem percebidas. A
placa, chip ou disco rígido simplesmente não funcionam, mesmo quando
novos. O usuário compra um módulo de memória, o vendedor o toca com
as mãos. Talvez tenha queimado. O usuário vai instalar o módulo e a
memória não funciona. Sendo imediatamente percebida esta falha, o usuário
pode ir à loja e solicitar a troca (azar do dono da loja). As falhas latentes são
bem piores. O equipamento funciona aparentemente bem, mas depois de
alguns meses, semanas ou até dias, a falha é manifestada, de forma
permanente ou intermitente. Se ocorrer fora do período de garantia, o azar
será do usuário.

Os fabricantes avisam
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-5
Todos os chips, placas e discos rígidos possuem avisos dos seus fabricantes,
alertando sobre os perigos da eletricidade estática. Todos os fabricantes, sem
exceção, dão este aviso. Infelizmente 99% dos vendedores e usuários, além
da maioria dos técnicos, ignoram sumariamente esses avisos. A vida de um
componente eletrônico começa na fábrica com todos os cuidados, de onde
sai protegido por embalagens anti-estáticas. A seguir sofre inúmeras
descargas durante a venda e instalação, e se não tiver sorte, termina com
falhas catastróficas ou latentes, além de sofrer reclamações de usuários
devido a travamentos. Quem está errado? O fabricante? Ou aqueles que não
tomam cuidado? O usuário precisa conhecer os perigos da eletricidade
estática e cobrar aos técnicos e vendedores para que tenham cuidado.
Simplesmente não deveriam comprar em lojas nas quais os vendedores
ignoram a eletricidade estática. Cabe a você, um futuro produtor de PCs,
tomar os devidos cuidados com a eletricidade estática.

Figura 11.1
Etiquetas com advertências sobre a eletricidade
estática.

Influência da umidade relativa do ar


É errado pensar que as descargas eletrostáticas só ocorrem quando o clima é
seco. Andar em um carpete pode gerar tensões de 3500 volts se a umidade
relativa do ar estiver baixa, ou de apenas 1500 volts se a umidade estiver
alta. Esta tensão é mais que suficiente para danificar qualquer chip.

Porque não sentimos choque


Felizmente não sentimos choque na maior parte das descargas eletrostáticas.
Tendemos a não acreditar no perigo devido à ausência de choque. A
duração das descargas é tão pequena (bilionésimos de segundo) que não
11-6 Como montar, configurar e expandir seu PC
permite estabelecer uma corrente elevada, mesmo sendo a tensão tão alta.
Ainda assim é suficiente para danificar os minúsculos transistores que
formam os chips. Podemos entender isso através de uma analogia com o
fogo. Acenda uma vela e mova o dedo rapidamente sobre o fogo. Se
mantivéssemos o dedo parado sobre o fogo, sofreríamos uma queimadura,
mas se o passarmos por apenas uma fração de segundo, o calor não será
suficiente para causar qualquer sensação de dor. Faça agora a mesma coisa
com um fio de cabelo. Por mais rápido que você o passe sobre a chama, ele
sempre irá queimar. O mesmo ocorre com as descargas eletrostáticas: a sua
duração não é suficiente para causar choque mas dá e sobra para queimar os
transistores que formam os chips.

Como proteger os circuitos


É muito fácil evitar as descargas eletrostáticas. Não dá trabalho algum, é só
uma questão de cuidado. Vendedores devem manter os produtos dentro das
suas embalagens anti-estáticas. Ao retirá-los da embalagem, devem sempre
segurar as placas pelas bordas, sem tocar nos chips e conectores. Um disco
rígido deve ser segurado pela sua carcaça, e não pela placa de circuito.
Processadores devem ser seguros sem que toquemos nos contatos metálicos.
Quando um vendedor coloca aquela “etiqueta da garantia”, deve fazê-lo sem
tocar nos circuitos. Técnicos e usuários devem tomar os mesmos cuidados,
mas como manuseiam os componentes durante muito tempo, precisam ainda
realizar uma descarga de segurança. Para isso basta tocar com as duas mãos
um corpo metálico, como o gabinete ou a fonte do computador, antes de
realizar as instalações de hardware. Um bom laboratório de manutenção
deve ter pulseiras anti-estáticas para os seus técnicos.

Figura 11.2
Pulseira anti-estática e sua utilização.

O ideal é que você utilize a pulseira anti-estática ao manusear componentes


de hardware. Além disso, é preciso seguir as regras apresentadas aqui:
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-7

1) Antes de manusear os equipamentos, toque suas duas mãos em uma


janela metálica, não pintada. Se isto não for possível, toque com as duas
mãos a fonte de alimentação do computador. Se a fonte for pintada, toque
em outra parte do interior do gabinete que seja de metal, e não pintada
(figura 3). Repita esta descarga a cada 15 minutos.

Figura 11.3
Descarregando a eletricidade estática.

2) Segure as placas pelas suas bordas laterais. A figura 4 mostra a forma


correta e a forma errada de segurar uma placa. Um disco rígido deve ser
segurado pela sua carcaça metálica. A figura 5 mostra a forma correta e a
forma errada de segurar um disco rígido. Módulos de memória e
processadores também devem ser segurados pelas laterais, sem tocar nos
seus contatos metálicos.

Figura 11.4
Forma certa e errada de
segurar uma placa.
11-8 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.5
Forma certa e errada de
segurar um disco rígido.

Dicas sobre compras


Em várias lojas, grandes ou pequenas, oficiais ou informais, no Brasil ou no
exterior, você pode encontrar à venda as peças necessárias à montagem de
um PC. É preciso entretanto tomar cuidado para não cair em certas
armadilhas. Você precisa conhecer algumas dicas a respeito do fornecedor,
acessórios e procedência do material.

O fornecedor
Para ter maior segurança sobre o bom funcionamento das peças, é
recomendável que sejam compradas em um fornecedor local, de sua
confiança, ou sobre o qual você tenha boas referências. Muitos usuários são
tentados a abrir o jornal e telefonar para dezenas de fornecedores
desconhecidos, com o objetivo de comprar as peças mais baratas. Acabam
comprando placas, disco rígido, drives, gabinetes e memórias em diversos
fornecedores diferentes. Corre-se desta forma um certo risco de
incompatibilidades. Se o disco rígido apresentar algum defeito, o seu
fornecedor dirá que o disco está bom, e que o defeito está na sua interface,
localizada na placa de CPU. O fornecedor da placa de CPU dirá o contrário.
Este é um exemplo no qual “o barato sai caro”.’

Cheque também, antes da compra, se o seu fornecedor presta serviço de


suporte técnico em caso de dificuldades na montagem. Podemos dizer que
quando o usuário realiza a montagem cuidadosamente de acordo com as
instruções deste livro e todas as peças estão em perfeitas condições, a chance
de que tudo funcione bem é de quase 100%. Entretanto, não está totalmente
descartada a possibilidade de ocorrerem dúvidas e problemas durante a
montagem. Neste ponto, o papel do fornecedor é importantíssimo. Evite
comprar material em fornecedores leigos, que não têm condições de prestar
suporte em caso de problemas. Não basta dizer que realizará trocas em caso
de problemas, pois é possível que todas as peças estejam em boas condições
e mesmo assim o usuário tenha dúvidas. O melhor tipo de fornecedor neste
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-9
caso é aquele que, além de vender as peças separadamente, também faz a
montagem de micros, o que é uma demonstração de competência técnica.

Muitos são tentados a comprar peças diretamente no exterior, durante uma


viagem. É comum também o caso daqueles que pedem a um amigo que
viaja ao exterior para comprar algumas “pecinhas” para montar seu PC.
Aqui existem dois problemas em potencial. Se todas as peças forem
adquiridas corretamente e não apresentarem problemas, sem dúvida a
aquisição terá valido a pena, mas não é possível ter, a priori, certeza absoluta
de que não ocorrerão problemas. Se por exemplo, o disco rígido estiver
defeituoso, será um grande transtorno levá-lo de volta à loja onde foi com-
prado para realizar a troca. Muitos usuários acabam por perder desta forma
as peças baratas adquiridas nessas viagens.

Ao pedir a um amigo para que traga material do exterior, é muito comum a


compra de peças erradas e a falta de acessórios, como por exemplo, os
manuais que acompanham as placas. Para acomodar essas peças na ba-
gagem, muitos as retiram das suas caixas protetoras, que em geral ocupam
muito volume. Essas peças acabam sofrendo danos durante o transporte.

No Rio de Janeiro, um bom lugar para encontrar material de informática é


no Edifício Avenida Central. Em São Paulo, podemos citar as lojas da rua
Santa Ifigênia e imediações. Em outras cidades, podemos também encontrar
com facilidade tais revendas. Se você quer comprar através dos correios, ou
se está no Rio de Janeiro, recomendo a Computer Designers
(www.cdr.com.br). É uma empresa pequena mas competente, na qual tenho
comprado meus equipamentos nos últimos anos.

Manuais, disquetes e acessórios


Sem dúvida, esta é a principal fonte de insucesso. Todas as placas são
acompanhadas de manuais técnicos. Sem esses manuais, é até possível que o
usuário consiga montar o PC, mas no caso de futuras expansões, certamente
ocorrerão problemas.

Assim como ocorre com todas as placas, os discos rígidos também são
acompanhados de um pequeno manual, onde existem instruções para a sua
instalação. Muitas vezes esta instalação pode ser feita sem a presença do
manual, mas o usuário não poderá, por exemplo, realizar a futura instalação
de um segundo disco rígido, já que para isto será preciso alterar alguns
jumpers de configuração. Muitos modelos de disco rígido possuem
estampadas na sua própria carcaça (figura 6), um resumo das instruções do
seu manual, desta forma suprindo a sua falta, pelo menos em parte.
11-10 Como montar, configurar e expandir seu PC

Figura 11.6
Muitos discos rígidos possuem estampadas na sua
carcaça, as instruções sobre a programação dos
seus jumpers.

O gabinete também deve ser acompanhado de um manual, que consiste em


uma pequena folha. Com essas instruções é possível instalar e configurar os
números que serão mostrados no display digital.

Além dos manuais, alguns módulos são acompanhados de CDs ou disquetes


contendo drivers e utilitários. Por exemplo, as placas de vídeo são
acompanhadas dos drivers de vídeo, DirectX e utilitários. Em alguns casos
são também acompanhadas de jogos. Modems são acompanhados de drivers
e programas de comunicação, como por exemplo, software para transmissão
e recepção de fax. Placas de som são acompanhadas de drivers e diversos
aplicativos, como programas para reprodução de CDs, editores de som, etc.
De um modo geral, todas as placas são acompanhadas de drivers, mas isto
não ocorre apenas com as placas. Impressoras, scanners, joysticks e até
monitores são acompanhados de drivers.

A procedência do material
Antigamente, produto importado era sinônimo de “produto caro e de altís-
sima qualidade”. Hoje não podemos afirmar a mesma coisa. Existem produ-
tos importados da Ásia com baixíssimos preços e baixíssima qualidade. Em
parte, isto ocorre com algumas peças para computador. A princípio, a mai-
oria das peças para computador vindas do Japão, Korea, Cingapura, Tai-
lândia, Taiwan, China continental e demais países da Ásia são de boa qua-
lidade, mas existem muitas de qualidade inferior. As peças, placas e equi-
pamentos produzidos nos Estados Unidos são de melhor qualidade. Entre-
tanto, muitos fabricantes americanos possuem fábricas na Ásia, o que mostra
que também lá existem produtos de alta qualidade. Não é desabonador o
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-11
fato de um equipamento ter sido produzido na Ásia, e também não é ne-
cessário procurar desesperadamente por peças “Made in USA”. O problema
é que existem as peças de qualidade inferior. São peças não aprovadas no
controle de qualidade, ou peças recondicionadas, ou que são fabricadas por
empresas que não as desenvolveram, e simplesmente copiaram a partir de
produtos de outros fabricantes. Não existe uma regra geral para diferenciar
um componente bom de um ruim. O que existe são pistas que devem ser
seguidas:

1) Em geral, todos os equipamentos produzidos nos Estados Unidos, ou


mesmo produzidos na Ásia por empresas americanas, são de qualidade
superior.

2) As melhores placas de CPU são as fabricadas pela Intel, Supermicro, FIC,


Asus, Soyo, MSI, A-trend, Open e Tyan. Abit e Gigabyte também são
consideradas aceitáveis, apesar de muitos usuários já terem passado por
problemas com certos modelos. Placas de fabricação da PC Chips e Tomato
são de má reputação, apesar de serem muito utilizadas no Brasil, devido aos
seus baixos preços.

3) Quanto aos discos rígidos, é difícil falar em melhores e piores.


Freqüentemente fabricantes de boa reputação produzem modelos
problemáticos que deixam bastante a desejar. A Seagate sempre foi um
grande fabricante, mas já passou por fases problemáticas. O mesmo ocorreu
com a Western Digital, que sempre foi de primeira linha, mas passou por
sérios problemas com seus modelos entre 4 GB e 10 GB, muitos deles
apresentando defeitos. Quantum e Maxtor (recentemente esses dois
fabricantes se uniram) têm passado por uma boa fase. Por outro lado, certos
fabricantes não têm conseguido manter um padrão de qualidade e
confiabilidade. É o caso da Fujitsu e da Samsung.

4) Uma grande confusão ocorreu no mercado de placas de vídeo, a partir de


1999. A Diamond, considerada por muitos como a melhor fabricante de
placas de vídeo, foi comprada pela S3, produtora de chips gráficos. Isso fez
cair bastante a sua competência. Antes a Diamond utilizava chips gráficos de
vários fabricantes, como Nvidia, 3DFx e S3. Passou então a produzir apenas
placas com chips da S3. Os resultados não foram bons, e a S3 acabou
sucateando a antiga Diamond, ficando apenas com algumas de suas linhas
de produtos. A 3DFx, grande fabricante de chips gráficos 3D de alto
desempenho, tornou-se também uma fabricante de placas, mas teve grandes
prejuízos e acabou sendo parcialmente adquirira pela sua maior concorrente,
a Nvidia. Este sim é o fabricante que tem tido mais sucesso recentemente.
11-12 Como montar, configurar e expandir seu PC
Seus chips gráficos têm excelente desempenho e seus preços são acessíveis.
Têm sido utilizados por diversos fabricantes de placas de vídeo.

5) Os monitores Samsung e LG, muito comuns no Brasil, são de boa


qualidade. Também são os fabricados pela Sony, NEC, Philips, Viewsonic
entre outros.

6) Impressoras produzidas pela Epson, HP, Canon e Lexmark, muito comuns


no Brasil, são de boa qualidade.

7) Kits multimídia produzidos pela Creative Labs (Sound Blaster) são os mais
recomendáveis. Você também pode comprar separadamente a placa de som
e o drive de CD-ROM. Drives da Creative, LG, Sony e Teac são de boa
qualidade.

8) As placas fax/modem da US Robotics e 3COM são muito bem


conceituadas. Se você comprar um modem com DSP (processador de sinais
digitais), essas são as marcas mais confiáveis. Se optar por um Winmodem,
optar por um modelo da US Robotics não é garantia de bons resultados. Em
outras palavras, um Winmodem da US Robotics é tão limitado e deficiente
quanto os de outros fabricantes. Entre os limitados e baratos Winmodems, os
da Lucent têm apresentado bons resultados. Modems da PCTel são muito
baratos, mas são os que recebem mais queixas dos seus usuários.

Calma e atenção
Não monte o computador com pressa e nem com ansiedade. Não faça como
o sujeito que chegou em casa às 11 horas da noite com as peças tão espe-
radas e começou a montar o PC madrugada a dentro. Este montador ansioso
nem quis jantar. Teve dificuldades e acabou indo dormir às 4 horas da
manhã sem ter conseguido montar o computador. No dia seguinte, fez tudo
novamente, com a calma e atenção necessárias e finalmente conseguiu
montar seu PC.

Tenha calma e atenção, e evite a pressa e a ansiedade. Reserve um horário


tranqüilo, em um bom espaço, e sem crianças por perto. Confira se todas as
peças estão corretas, separe todos os cabos, manuais, parafusos, ferramentas
e tudo o que você precisar para montar o PC. Se você não tiver calma e
atenção, poderá fazer alguma ligação errada, o que pode até mesmo causar
dano às peças.

O que acompanha cada peça


Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-13
Ao comprar as diversas peças envolvidas na montagem de um PC, é preciso
exigir os seus manuais, disquetes, cabos e demais acessórios. Este material
será necessário para obter sucesso na montagem. Mesmo micros que são
vendidos prontos devem ser acompanhados dos manuais e disquetes de suas
placas. Vejamos então o que deve acompanhar cada módulo.

Placa de CPU
Este é o módulo que possui o maior número de acompanhantes. São eles:

 Manual da placa de CPU


 2 cabos flat IDE
 Cabo flat para drives
 Cabos das interfaces seriais e paralelas (nas placas padrão AT)
 Conectores VGA (em placas AT com vídeo onboard)
 Conectores de som (em placas AT com som onboard)
 CD com software de apoio e drivers da placa de CPU
 Mecanismos de fixação do processador

O manual da placa de CPU traz todas as informações necessárias à sua


montagem, instalação de memórias, instalação de um novo processador e
como realizar o CMOS Setup. São ainda fornecidos os cabos flat para dar
acesso às interfaces IDE e interface de drives. Placas padrão ATX possuem
as interfaces seriais e paralelas acessíveis por conectores na sua parte traseira,
mas as do padrão AT possuem conectores auxiliares para essas interfaces.

Placas de CPU ATX com vídeo onboard possuem um conector VGA (DB-
15) localizado na sua parte traseira. Já as placas AT com vídeo onboard
utilizam uma extensão VGA. Da mesma forma, placas ATX com som
onboard possuem na sua parte traseira as conexões de áudio e do joystick.
As placas de CPU AT, quando possuem som onboard, são acompanhadas
de um conector de som, como o mostrado na figura 7.
11-14 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.7
Conectores para som, que
acompanham placas de CPU AT com
som onboard.

As placas de CPU modernas são ainda acompanhadas de um CD-ROM com


software de apoio. Podemos encontrar diversos tipos de software:

 Drivers de vídeo para Windows e outros sistemas operacionais, no


caso de placas de CPU com vídeo onboard.
 Drivers de som, para placas de CPU com som onboard.
 Drivers de rede, para placas de CPU com “rede onboard”
 Drivers de modem, para placas de CPU com modem onboard
 Driver Ultra DMA
 AGP Miniport Driver
 Drivers do chipset
 Software para monitoração de temperatura e voltagem.

Assim como ocorre com qualquer placa de vídeo e placa de som, as placas
de CPU que englobam circuitos de vídeo e som necessitam de drivers
apropriados para que esses circuitos funcionem.

As placas de CPU cujas interfaces IDE são capazes de operar nos modos
ATA-33, ATA-66 e ATA-100 são acompanhadas de um driver que ativa
esses modos de operação. As versões mais recentes do Windows possuem
drivers similares, mas quando a placa de CPU possui um chipset mais novo,
não suportado pelo Windows, é preciso utilizar o driver que o fabricante
fornece neste CD.

Muitas placas são acompanhadas de um software de monitoração, através do


qual vários itens do seu funcionamento são checados: temperatura do
processador, temperatura do interior do gabinete, velocidade de rotação dos
coolers, quantidade de memória livre, espaço em disco, tensões geradas pela
fonte, tensões que alimentam o processador, etc. Quando são detectadas
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-15
condições críticas, este software informa ao usuário, que pode providenciar o
fechamento dos programas em execução antes que o problema se torne mais
sério, ou até mesmo desligar o computador. Desta forma é reduzida a chance
de perda de dados.

Placa de vídeo
Esta placa em geral é acompanhada do seguinte material:

 Manual da placa
 CD-ROM com drivers SVGA e utilitários
 Algumas são acompanhadas de jogos e outros softwares

Nem sempre o manual é necessário para a montagem do computador, mas


sempre existem informações técnicas valiosas. Por exemplo, certas placas
permitem a instalação de mais memória de vídeo. Podem ser expandidas de
1 MB para 2 ou 4 MB. As instruções para esta expansão estão explicadas no
seu manual. Existem também tabelas que mostram os modos gráficos que a
placa pode utilizar. Tais informações podem ser úteis para regular o
funcionamento da placa, com o objetivo de aproveitar melhor os recursos do
monitor.

No CD-ROM que acompanha a placa de vídeo, é possível encontrar, além


de utilitários que permitem o seu controle, drivers para habilitar o seu funcio-
namento em vários sistemas operacionais.
Disco rígido
O disco rígido é em geral acompanhado de:

 Manual
 Disquete com driver LBA

O manual é sempre muito importante. Certos modelos de disco rígido pos-


suem estampadas na sua carcaça um resumo das informações mais impor-
tantes do seu manual. O disquete com o driver LBA é necessário apenas
para fazer a instalação em PCs com BIOS antigos. As antigas versões de
BIOS disponíveis não eram capazes de operar diretamente com discos
rígidos com capacidades acima de 504 MB. Os fabricantes de discos rígidos
passaram então a fornecer um disquete com um software que adiciona a
função LBA (Logical Block Address), permitindo o uso de discos IDE com
até 8,4 GB. As atuais placas de CPU já possuem no BIOS a função LBA, e
portanto podem acessar discos IDE acima de 504 MB, sem a necessidade do
11-16 Como montar, configurar e expandir seu PC
uso deste driver. Por isso, muitos fabricantes deixaram de fornecer este
disquete, mas oferecem este software através da Internet.

Depois que a função LBA foi implantada, os BIOS dos PCs passaram a
permitir acessos a discos rígidos de até 2 GB. Logo surgiram discos com
capacidades acima de 1 GB, e a nova barreira ficou próxima. Novas
alterações na função LBA tornaram o BIOS capaz de acessar discos com
capacidades maiores que 2 GB, podendo chegar até 8,4 GB. Surgiram então
discos com 2,5 GB, 3 GB, 4 GB. Já no início de 1998, discos de 4 GB eram
comuns, e começavam a chegar ao mercado, modelos de 6 GB e 8 GB,
aproximando-se então da barreira dos 8,4 GB. Os BIOS das placas de CPU
desta época já incluíam suporte para discos rígidos com capacidades acima
de 8,4 GB. Por outro lado, se for necessário utilizar um disco com capaci-
dade maior que esta, em PCs com BIOS que só permitem chegar a 8,4 GB,
será preciso instalar um software de apoio que acompanha o disco rígido.
São programas como o Disk Manager e o EZ Drive, os mesmos que no final
de 1994 permitiam aos PCs com BIOS antigos, ultrapassar a barreira dos 504
MB. Se a sua placa de CPU é nova (posterior a jan/1998), certamente o seu
BIOS já permite acessar discos com mais de 8,4 GB, e você não precisará
utilizar o disquete que o acompanha, ou então fazer uma atualização de
BIOS.

OBS.: Os fabricantes de placas de CPU oferecem atualizações de BIOS, através da Internet.


As memórias ROM que são usadas nas placas de CPU modernas são do tipo Flash ROM, ou
seja, podem ser reprogramadas eletricamente pelo próprio usuário, através de software
apropriado, fornecido pelo seu fabricante. Se você conhece o endereço do site na Internet do
fabricante da sua placa de CPU, pode fazer o download da nova versão de BIOS para a sua
placa. Sua placa de CPU passará então a contar com novos recursos, como por exemplo, o
suporte a discos IDE com mais de 8,4 GB.

Drive de CD-ROM
Praticamente todos os drives de CD-ROM são acompanhados de um
manual, além de um disquete com drivers que permitem o seu
funcionamento no modo MS-DOS. Este é um erro freqüentemente cometido
por quem instala um drive de CD-ROM pela primeira vez. Não é preciso, e
nem é recomendável utilizar o driver existente neste disquete, pois o
Windows já possui seus drivers nativos para controlar o drive de CD-ROM.
Confira então o material que acompanha o seu drive:

 Manual
 Disquete com driver para MS-DOS
 Cabo de áudio
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-17

 Cabo flat IDE


 Parafusos de fixação

Monitor
Junto com o monitor é fornecido um manual com características técnicas.
Em geral o monitor não requer nenhum tipo especial de configuração. Basta
conectá-lo à placa SVGA e estará pronto para funcionar. Entretanto, as
informações do seu manual são extremamente úteis. Por exemplo, existem
indicações sobre as suas freqüências horizontais e verticais de funcionamento,
o que facilita a regulagem da placa SVGA para obter a melhor imagem
possível no monitor.

Os monitores modernos são Plug-and-Play. São detectados pelo Windows, e


a seguir seus drivers são instalados. O que esses drivers fazem é basicamente
informar ao Windows as freqüências e resoluções suportadas, bem como o
funcionamento dos modos de economia de energia. Alguns monitores são
acompanhados de um disquete com seus drivers. Se o Windows não tiver
drivers para o seu monitor, você pode usar os existentes neste disquete.

Mouse
Para funcionar em ambiente Windows, o mouse não requer, em geral, ne-
nhum software especial. Mesmo assim, algumas vezes o mouse é acom-
panhado de um disquete com um software que permite o uso de seus três
botões, já que os drivers para Windows em geral dão acesso a apenas dois
botões. Também é fornecido neste disquete um “driver de mouse para
DOS”. Ele é necessário para fazer com que possa ser usado sob o MS-DOS,
sem a presença do Windows, como por exemplo, em jogos antigos.

Gabinete
Muitos gabinetes possuem na sua parte frontal, um display digital para
indicar o clock do processador. O valor mostrado neste display deve ser
programado pelo próprio usuário, através de instruções existentes no manual
do gabinete. Normalmente este manual consiste em uma única folha com as
instruções para a ligação do display na fonte de alimentação, na placa de
CPU, e para a programação de seus números.

Drive de disquete
Drivers de disquete não são acompanhados de manual algum. Não
necessitam de configurações especiais, nem drivers. Basta conecta-los no
computador e declara-los no CMOS Setup, e estarão prontos para funcionar.
11-18 Como montar, configurar e expandir seu PC
Também não são fornecidos com parafusos ou cabos. Os parafusos
acompanham o gabinete, e o cabo flat acompanha a placa de CPU.

Teclado
Teclados também não são acompanhados de manuais ou drivers, mas
existem algumas exceções. Os chamados teclados multimídia são fornecidos
com um CD-ROM contendo um software que habilita o funcionamento dos
seus botões especiais (Play, Stop, Volume, etc.).

Modem, placa de rede, placa de som


Todas essas placas são fornecidas com manual e um CD ou disquete com
drivers e utilitários. Além do driver, o modem é acompanhado de programas
de comunicação. Um cabo telefônico padrão RJ-11 também acompanha o
modem. Placas de rede são acompanhadas de drivers e em alguns casos,
programas de gerenciamento e diagnóstico de rede. Placas de som são
acompanhadas de drivers, aplicativos sonoros e em alguns casos, jogos.
Algumas placas de som são também acompanhadas de um cabo de áudio
para ligação com o drive de CD-ROM.

Conexão das partes


A conexão das partes que formam um PC é bastante simples, seja no caso
de placas de CPU AT, seja no caso de placas de CPU ATX, seja em
gabinetes horizontais ou verticais, grandes ou pequenos. Vamos inicialmente
mostrar como as diversas peças são interligadas, e na próxima seção veremos
como ficam posicionadas no gabinete.

Conexão das partes em um sistema padrão AT


Podemos ver as conexões na figura 8. Nesta figura estamos representando
um PC completo, com exceção do gabinete. No centro de tudo está a placa
de CPU. Nela estão ligados diversos dispositivos:

 Teclado
 Mouse - na interface COM1
 Impressora - na interface paralela
 Drive de disquetes
 Disco rígido
 Drive de CD-ROM
 Painel frontal do gabinete
 Fonte de alimentação
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-19

Figura 11.8
Ligações em uma placa de CPU AT

O teclado é ligado diretamente no conector existente na parte traseira da


placa de CPU. O mouse é ligado em uma das interfaces seriais existentes na
placa de CPU (COM1 e COM2), sendo que normalmente é ligado na
COM1. A impressora é ligada na LPT1, a interface paralela existente na
placa de CPU. Tanto o drive para disquetes como o disco rígido e o drive de
CD-ROM são ligados nas respectivas interfaces existentes na placa de CPU,
através de cabos flat apropriados. O ideal é ligar o disco rígido na interface
IDE primária, e o drive de CD-ROM na interface IDE secundária.

Na placa de CPU é feita a conexão da placa SVGA, na qual é ligado o


monitor. Quando a placa de CPU tem vídeo onboard, é usado um conector
auxiliar para ligar a saída de vídeo da placa de CPU até um conector DB-15,
a ser instalado na parte traseira do gabinete.

A fonte de alimentação é ligada à tomada da rede elétrica, e possui uma


saída para a ligação da tomada do monitor. Existem saídas para fornecer
corrente para a placa de CPU, os drives e o disco rígido.
11-20 Como montar, configurar e expandir seu PC

Conexão das partes em um sistema padrão ATX


Podemos ver as conexões na figura 9. Observe que as conexões são muito
parecidas com as de um sistema AT, exceto pelo formato da placa de CPU,
e pelas conexões existentes na sua parte traseira.

No centro de tudo está a placa de CPU. Nela estão ligados diversos dispo-
sitivos:

 Teclado
 Mouse
 Impressora
 Drive de disquetes
 Disco rígido
 Painel frontal do gabinete
 Fonte de alimentação

Figura 11.9
Ligações em uma placa de CPU ATX.

O teclado é ligado diretamente no conector existente na parte traseira da


placa de CPU. Neste tipo de placa, é usado um conector de teclado padrão
PS/2. O mouse é ligado em uma das interfaces seriais existentes na placa de
CPU (COM1 e COM2), ou então na interface para mouse padrão PS/2. A
impressora é ligada na LPT1, a interface paralela existente na placa de CPU.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-21
Tanto o drive para disquetes de 3½” como o disco rígido e o drive de CD-
ROM são ligados nas respectivas interfaces existentes na placa de CPU,
através de cabos flat apropriados.

Ainda na placa de CPU é feita a conexão da placa SVGA, na qual é ligado o


monitor. Esta placa poderá ser do tipo PCI ou AGP, mas preferencialmente
AGP nos sistemas em que é necessário um bom desempenho 3D. Quando a
placa de CPU possui vídeo onboard, o monitor é ligado no conector VGA
existente na parte traseira da placa de CPU, junto aos demais conectores.

A fonte de alimentação é ligada à tomada da rede elétrica, e possui uma


saída para a ligação da tomada do monitor. Existem saídas para fornecer
corrente para a placa de CPU, os drives e o disco rígido.

Etapa 1:
Preparação da placa de CPU, gabinete e drives
Começamos agora a montagem propriamente dita. Esta é uma etapa mais de
preparação do que de montagem. Mãos à obra!

1) Abra o gabinete, o que normalmente é feito pela remoção de parafusos


localizados na sua parte traseira.

Figura 11.10
Abrindo o gabinete.

2) Conecte a fonte de alimentação na chave liga-desliga (nos gabinetes AT).


Normalmente esta conexão já vem feita de fábrica, mas caso não esteja feita,
use as instruções existentes na etiqueta da fonte de alimentação para ligar os
4 fios da chave liga-desliga.
11-22 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.11
Ligando a fonte de alimentação AT na
chave liga-desliga do gabinete. Na fonte
de alimentação existe uma etiqueta com
as instruções.

3) Conecte o display do gabinete na fonte de alimentação.

Figura 11.12
Ligação do display na fonte de
alimentação.

4) Identifique os conectores do painel do gabinete: Reset, Speaker, etc.


Normalmente os nomes estão indicados no conector interno, mas caso não
estejam, será preciso seguir os fios até o painel para descobrir qual é o Reset,
qual é o Speaker, etc.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-23
Figura 11.13
Identificando os conectores do painel.

5) Separe os manuais das placas, do gabinete e do disco rígido.

6) Identifique no manual da placa de CPU onde estão explicadas as cone-


xões do painel frontal do gabinete. Identifique na própria placa de CPU
quais são esses pontos de conexão.

Figura 11.14
Instruções para conectar o painel do
gabinete na placa de CPU.

7) Identifique no manual da placa de CPU onde está explicado o CMOS


Setup.

8) Separe os parafusos que acompanham o gabinete. A maioria deles recai


em duas categorias distintas, que aqui chamamos de Classe 1 e Classe 2.
11-24 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.15
Parafusos do gabinete.

9) Correlacione os furos existentes no gabinete com os furos existentes na


placa de CPU. Identifique quais furos usarão parafusos hexagonais e quais
usarão espaçadores plásticos. Coloque espaçadores plásticos nos furos
apropriados da placa de CPU. Note que existem alguns espaçadores plásticos
que possuem rosca na parte inferior, como se fossem parafusos de plásticos.
Esses espaçadores devem ser instalados no gabinete, e a placa de CPU será
posteriormente encaixada sobre eles.

Figura 11.16
Furos do gabinete.

10) Prenda no gabinete os parafusos hexagonais que irão fixar a placa de


CPU.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-25
Figura 11.17
Fixando os parafusos hexagonais.

11) Retire todas as 8 lâminas que tampam as fendas da parte traseira do


gabinete, para que possam ser alojadas as placas de expansão. Em alguns
casos, esta providência pode não ser necessária, pois alguns fabricantes
fornecem as lâminas em separado, dentro da caixa onde ficam os parafusos e
demais acessórios.

Figura 11.18
Retirando as lâminas traseiras do gabinete.

12) Com a ajuda de uma chave de fenda, abra as fendas localizadas na parte
traseira do gabinete, próprias para a fixação dos conectores das interfaces
seriais e da paralela (nos gabinetes AT).
11-26 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.19
Fendas para os conectores das portas seriais e
paralelas.

13) Configure os jumpers da placa de CPU que definem o clock interno e


externo, e a voltagem do processador. Cheque se os demais jumpers da
placa precisam ser reconfigurados. Habilite o jumper que ativa o
fornecimento de corrente da bateria para o CMOS.

Figura
11.20
Configure os jumpers
da placa de CPU.

14) No caso de placas de CPU para processadores em forma de cartucho


(Slot 1 ou Slot A), faça a montagem das bases de sustentação do processador
e do dissipador.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-27
Figura 11.21
Mecanismo de sustentação do
cartucho.

15) Instale o processador no seu soquete.

Figura 11.22
Instalando o processador.

16) Acople o cooler no processador. Aplique um pouco de pasta térmica


entre o processador e o cooler.
11-28 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.23
Cooler acoplado no processador.

17) Identifique no manual da placa de CPU onde é explicada a instalação de


memórias. Instale as memórias na placa, de acordo com as instruções do seu
manual. Preencha inicialmente o banco 0, normalmente indicado como
DIMM-0 no manual da placa de CPU.

Figura 11.24
Instale as memórias.

18) Identifique na placa de CPU os conectores nos quais serão encaixados


cabos flat. São os conectores das interfaces IDE e da interface de drives. No
caso de placas de CPU padrão AT, existem ainda os conectores da interface
paralela e das seriais. Observe que existem dois conectores IDE, e caso você
utilize apenas uma das interfaces IDE existentes na placa de CPU, deve ser
dada preferência à interface primária. Em todos os conectores que receberão
cabos flat, identifique a posição do pino 1, através de inspeção visual direta
ou através do diagrama desenhado no manual da placa de CPU.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-29
Figura 11.25
Conectores IDE e do drive de disquetes.

19) Identifique os cabos flat que você irá usar: o da interface IDE, o da inter-
face de drives, das seriais e da paralela. Observe o fio vermelho de cada um
desses cabos, que deverão corresponder ao pino 1 dos respectivos
conectores.

Figura 11.26
Cabos flat IDE.

20) Identifique no drive de disquetes, no disco rígido e no drive de CD-


ROM, a posição do pino 1 de seus conectores. Isto pode ser feito por
inspeção visual direta. No caso do disco rígido, podemos ainda consultar o
seu manual, onde normalmente existe um desenho que traz, entre outras
informações, a localização do pino 1.
11-30 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.27
Verifique a posição do pino 1.

21) Teste os parafusos que serão usados para fixar o drive de disquetes, o
disco rígido e o drive de CD-ROM. Basta colocar os parafusos nas suas
partes laterais. Feito isto, separe esses parafusos para que sejam usados no
momento da fixação.

Figura 11.28
Teste os parafusos.

22) Teste os parafusos que serão usados para fixar as placas de expansão.
Basta colocá-los nos seus locais e depois retirá-los. Separe-os para que sejam
usados no momento oportuno.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-31
Figura 11.29
Teste os parafusos para fixar as placas de
expansão.

23) Identifique os conectores que partem da fonte de alimentação. Observe


que existem conectores de 4 pinos para alimentar os drives e o disco rígido.
No caso de fontes AT, existem dois conectores de 6 pinos para alimentar a
placa de CPU. No caso de fontes ATX, a placa de CPU é alimentada por
um conector de 20 pinos. As fontes ATX12V possuem ainda dois conectores
adicionais, um para 12V e outro para as tensões de +5V e +3,3V. Este tipo
de fonte é mais usada em PCs equipados com o Pentium 4, mas estão se
tornando bastante comuns e usadas também em outras plataformas.

Figura 11.30
Conectores da fonte de
alimentação.

24) Cuidado para não cortar as mãos nas arestas metálicas do interior do
gabinete.

25) Muitas fontes de alimentação possuem na sua parte traseira uma chave
seletora 110 volts / 220 volts. Posicione esta chave de acordo com a voltagem
da sua rede elétrica. Se você esquecer este detalhe poderá perder muito
11-32 Como montar, configurar e expandir seu PC
tempo quebrando a cabeça, ou na pior das hipóteses pode queimar a fonte e
as placas do computador.

Figura 11.31
Chave 110/220.

26) Em muitos gabinetes existe um display digital que serve para indicar o
clock do processador. Entretanto, este display não é um medidor de clock,
ou seja, não mostra de forma automática o clock. O que o display faz é
exibir números fixos. Cabe ao montador do PC, a responsabilidade de
programar os números que serão exibidos no display. Esta tarefa é um pouco
complicada e demorada, por isto, podemos a princípio deixar o display com
os números vindos de fábrica, e programá-lo depois que tudo estiver
funcionando. Não se preocupe, pois a exibição de números errados no
display não irá afetar em nada o funcionamento do computador, já que o
display é apenas um enfeite. No final deste capítulo daremos exemplos de
programação de displays.

27) Será preciso abrir caminho para introduzir a placa de CPU. Em gabinetes
horizontais, podemos em geral colocá-la no lugar sem obstrução de partes do
gabinete. Em gabinetes tipo mini-torre, em geral será preciso retirar uma das
tampas da sua parte inferior, através da remoção de parafusos (figura 32). Em
certos modelos de gabinete, a tampa inferior é fixa, mas a peça onde são
alojados o disco rígido e o drive de disquetes é removível, através de um
parafuso (figura 33). Finalmente, existem gabinetes torre que possuem uma
tampa lateral removível. Esta tampa é removida para permitir a fixação da
placa de CPU (figura 34). Uma vez fixada a placa de CPU, esta tampa é
aparafusada novamente ao gabinete. Existem ainda casos de gabinetes muito
espaçosos que não requerem nenhum tipo de remoção para dar passagem à
placa de CPU. Você deverá observar o seu gabinete e verificar se a placa de
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-33
CPU pode ser introduzida diretamente ou se é preciso abrir caminho através
de um dos métodos mostrados aqui.

Figura 11.32
Retirando a tampa inferior do gabinete
torre para dar espaço à introdução da
placa de CPU.

Figura 11.33
Removendo o painel interno
dos drives de 3½” para dar
espaço à introdução da placa
de CPU.

Figura 11.34
Gabinete torre com tampa lateral
removível.
11-34 Como montar, configurar e expandir seu PC

28) No caso de gabinetes AT, ligue o display na fonte de alimentação. Feito


isto, você poderá ligar a fonte na rede elétrica e ligar o gabinete. Verifique se
o display digital está aceso. Não se preocupe com o número que for
mostrado. Caso o display acenda, significa que tanto o display como a chave
liga-desliga estão corretamente acoplados à fonte. Feito este teste, desligue o
gabinete e desconecte a fonte da rede elétrica.

29) É muito importante lembrar que a montagem deve ser feita com o
computador desligado da tomada. A tomada deve ser ligada na rede elétrica
apenas ao término da montagem. Se for necessário alterar alguma conexão,
devemos, antes de mais nada, desligar o computador através da chave liga-
desliga. Para uma segurança ainda maior, podemos desligar a tomada da
rede elétrica. Qualquer conexão ou remoção de placas, cabos e chips deve
ser realizada com o computador desligado.

Interior dos gabinetes


Nesta primeira etapa da montagem, você já estará lidando com o gabinete.
Existem gabinetes de vários tipos e tamanhos. Essas diferenças são um
pequeno obstáculo para quem quer aprender a montar um computador, mas
não chega a ser uma dificuldade séria. Apesar de todas as diferenças, os
diversos modelos de gabinetes são bastante parecidos. Os principais tipos de
gabinetes são:

AT horizontal
AT mini-torre
AT midi-torre
AT torre grande
ATX horizontal
ATX mini-torre
ATX midi-torre
ATX torre grande

Quando um gabinete é muito compacto, a montagem não chega a ficar


difícil, porém é mais trabalhosa. Ficamos com menos espaço para trabalhar,
e freqüentemente precisamos retirar peças para ter acesso às placas e
conectores. Por exemplo, em certos gabinetes é preciso retirar a fonte de
alimentação para ter acesso ao processador.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-35

Figura 11.35
Diferenças entre um gabinete horizontal e um vertical.

A figura 35 mostra a diferença básica entre um gabinete horizontal e um


vertical. Quando o gabinete vertical é colocado na posição deitada, ele fica
com uma disposição muito semelhante à do modelo horizontal. Em ambos
os casos, a parte esquerda é usada para alojar a placa de CPU e as placas de
expansão. Na parte direita temos a fonte de alimentação (parte traseira) e os
locais para a instalação do drive de CD-ROM, drive de disquetes e disco
rígido (parte frontal).

Figura 11.36
Diferenças entre modelos AT e ATX

Também bastante sutis são as diferenças entre gabinetes AT e ATX. A figura


36 mostra dois modelos bastante parecidos. Observe que o modelo ATX
possui uma fenda na sua parte traseira, na qual será encaixado o bloco de
conectores existente na placa de CPU ATX. Também são diferentes as
formas de ligar a fonte de alimentação AT e a fonte ATX. A fonte AT é
11-36 Como montar, configurar e expandir seu PC
ligada através de uma chave liga-desliga da qual partem 4 fios que vão
diretamente à fonte. A fonte ATX é ligada através de uma chave de baixa
corrente, da qual partem dois fios com um pequeno conector que é ligado na
placa de CPU. Você poderá ainda ficar surpreso ao encontrar uma
combinação bastante estranha, a princípio: gabinete AT com fonte ATX.
Eles são destinados a placas de CPU padrão AT que possuem dois
conectores de alimentação, sendo um AT e outro ATX. Este tipo de placa
pode portanto ser alimentada por uma fonte ATX, mesmo sendo instalada
em um gabinete AT.

Figura 11.37
Conectores de alimentação AT e ATX na
mesma placa de CPU.

Muitas vezes os gabinetes compactos oferecem dificuldades para a instalação


da placa de CPU. Em alguns modelos mini-torre é preciso remover uma
tampa inferior. Em outros casos é preciso retirar a bandeja na qual são fixos
o drive de disquetes e o disco rígido. Em outros casos é preciso remover a
chapa lateral do gabinete, na qual é montada a placa de CPU. Esses três
casos foram mostrados nas figuras 32, 33 e 34 da seção anterior.

A figura 38 mostra um outro caso. Trata-se de um gabinete mini-torre ATX,


muito baixo para comportar ao mesmo tempo a placa de CPU e a fonte lado
a lado. Para que ficasse bem compacto, seu fabricante optou por colocar a
fonte sobreposta à placa de CPU. Desta forma é preciso retirar a fonte de
alimentação para ter acesso ao processador e às memórias.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-37
Figura 11.38
Neste gabinete é preciso retirar a fonte
de alimentação para ter acesos ao
processador.

Gabinetes verticais são produzidos com diversas alturas. A diferença entre


eles é bastante sutil. O compartimento para a instalação das placas é o
mesmo. O que varia é o número de locais para a instalação de drives. Nos
gabinetes maiores, os drives e a fonte de alimentação podem ficar mais
afastados da placa de CPU. A figura 39 mostra um gabinete torre tamanho
grande (full tower). Além de apresentar maior espaço interno, este gabinete
possui locais para instalação de vários drives, além de locais para instalação
de ventiladores adicionais.
11-38 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.39
Gabinete torre grande.

Como vemos, existem muito mais semelhanças que diferenças entre os vários
modelos de gabinetes. Por isso quem está acostumado a montar PCs com um
tipo de gabinete, certamente terá facilidade para fazer o mesmo com outros
tipos de gabinetes. Mesmo assim, não se preocupe. Neste capítulo
mostraremos as etapas da montagem ilustrando as diversas situações, em
função das pequenas diferenças entre os gabinetes.

Etapa 2:
Montagem da placa de CPU
Neste ponto a placa de CPU já estará com o processador e o cooler
instalados (exceto no caso do Pentium 4, que deve ser instalado depois que a
placa de CPU já está fixa ao gabinete). As memórias já estão instaladas e os
jumpers estão corretamente configurados.

Preparação prévia do gabinete


Você também já preparou o gabinete para receber a placa de CPU. Podem
ter ocorrido diversas situações, dependendo do formato e do tamanho do
gabinete:

1) Remoção da bandeja que aloja o disco rígido e o drive de disquetes


2) Remoção do fundo do gabinete
3) Remoção da chapa onde a placa de CPU será fixada
4) Remoção da fonte para abrir caminho para a placa de CPU
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-39
Figura
11.40
Abrindo caminho
para a placa de CPU.
O processo a ser
usado depende do
tipo e do tamanho
do gabinete.

Existem gabinetes que são tão espaçosos que não precisam de providências
especiais para a colocação da placa de CPU. É o caso dos gabinetes torre
tamanho grande (full tower ou “torrão”), de alguns gabinetes torre tamanho
médio, e alguns gabinetes horizontais.

O gabinete neste ponto já deverá estar com os parafusos hexagonais


instalados. Alguns gabinetes são acompanhados de parafusos plásticos. Esses
parafusos devem ser fixados no gabinete, e a seguir a placa de CPU é
encaixada sobre os mesmos.
11-40 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.41
Parafusos metálicos hexagonais e
parafusos plásticos.

Fixação da placa de CPU


Finalmente fixamos a placa de CPU ao gabinete. Normalmente nos modelos
ATX, basta apoiar a placa sobre os parafusos metálicos hexagonais e se for o
caso, encaixá-la nos parafusos plásticos. Em alguns gabinetes são usados
espaçadores plásticos, que devem ser encaixados na placa de CPU e a seguir
introduzidos em fendas existentes no gabinete. Use a seguir parafusos com
arruelas isolantes para fixar a placa de CPU. Devem ser aparafusados sobre
os parafusos metálicos hexagonais.

Figura 11.42
Espaçadores plásticos devem ser
encaixados na placa de CPU e depois
introduzidos nas fendas do gabinete.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-41

Figura 11.43
Parafusos com arruelas isolantes devem ser fixados sobre os parafusos hexagonais.

Colocação do painel dos conectores ATX


Placas de CPU ATX possuem na sua traseira, um bloco de conectores. Esses
conectores devem ser adaptados a uma chapa metálica, contendo encaixes
para os mesmos. Em alguns gabinetes, esta chapa metálica é fixa, mas este
procedimento é raro, já que podem existir diferentes configurações de
conectores. Muitos gabinetes são acompanhados de uma, duas e até três
chapas com diferentes furações, visando compatibilidade com as diversas
configurações de conectores. Finalmente, muitas placas de CPU são
acompanhadas de uma chapa com a furação exata para os seus conectores.
Este é o tipo mais indicado a ser instalado.

Ao fixar a placa de CPU no gabinete, temos antes que verificar como este
painel será montado. Em alguns casos, o painel deve ser colocado no
gabinete pela sua parte interna, antes de ser instalada a placa de CPU. Em
outros casos o painel é montado e aparafusado pela parte traseira externa do
gabinete, o que deve ser feito depois que a placa de CPU já está montada.

Figura 11.44
A chapa metálica que cobrirá os
conectores de uma placa ATX pode,
dependendo do caso, ser montada
internamente ou externamente.

Caminho para fixar os drives


Os drives de disquetes, disco rígido e drive de CD-ROM serão colocados na
etapa seguinte, depois que a placa de CPU já está fixa ao gabinete.
11-42 Como montar, configurar e expandir seu PC
Entretanto existem alguns casos em que os drives precisam ser instalados
antes da placa de CPU. É quando o gabinete é muito compacto e a placa de
CPU é muito comprida. Isto ocorre especificamente em gabinetes torre. A
placa de CPU pode obstruir uma das partes laterais dos drives, tornando
impossível aparafusá-los adequadamente. Muitos montadores de PCs só
percebem isso depois que a placa de CPU já está fixa ao gabinete, e por
preguiça, acabam aparafusando os drives apenas de um dos lados. O
procedimento correto é aparafusar os drives de ambos os lados. Portanto,
antes de instalar a placa de CPU no gabinete, verifique se depois que ela
estiver fixa será possível acessar ambas as partes laterais de todos os drives.
Se você concluir que uma das partes laterais vai ficar inacessível, então
instale os drives antes da placa de CPU.

Figura
11.45
Às vezes a placa de CPU
pode obstruir a parte
lateral dos drives. Neste
caso os drives devem ser
instalados antes da placa
de CPU.

Fixação do Pentium 4
O processador Pentium 4, seu mecanismo de retenção e seu cooler devem
ser instaldos depois que a placa de CPU está fixada no gabinete. Antes da
placa ser instalada, devem ser colocados os 4 parafusos hexagonais
mostrados na figura 46.

Figura 11.46
Os parafusos hexagonais nos quais serão presos o cooler e o mecanismo
de fixação do Pentium 4.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-43
Depois que a placa está no seu lugar, instalamos o mecanismo de retenção e
o cooler, como mostra a figura 47.

Figura
11.47
Fixando o Pentium 4
e o seu cooler.

Conexões na placa de CPU


Se você precisou retirar a fonte para instalar a placa de CPU, pode
aparafusar a fonte de alimentação no seu local definitivo. Conecte a fonte de
alimentação na placa de CPU. A figura 48 mostra esta conexão. No caso de
fontes ATX, não há perigo de inversão, pois o conector só encaixa da forma
correta. No caso de fontes AT, é preciso tomar cuidado para não errar a
posição. Ligue os dois conectores de 6 vias que partem da fonte AT ao
conector de 12 vias existente da placa de CPU. Faça a ligação de forma que
os 4 fios pretos fiquem juntos na parte central do conector.

Figura 11.48
Conectando a fonte de
alimentação na placa de CPU.

Faça a conexão do RESET e do SPEAKER na placa de CPU. Nos modelos


ATX, ligue também o conector Power Switch. Não precisa ligar agora as
demais conexões, mas se quiser pode ligá-las também: Power LED, IDE LED
e Keylock.
11-44 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.49
Ligações para o Painel frontal do gabinete.

Ligue o cooler frontal do gabinete. Este é um cooler adicional que deve ser
usado com os processadores que esquentam muito, tipicamente aqueles que
dissipam mais de 30 watts. Todas as placas de CPU modernas possuem uma
conexão Chassis FAN, que deve ser usada para este propósito. Não
confunda com o conector CPU FAN, que deve ser usado para o cooler do
processador.

Figura 11.50
Ligação do cooler frontal do
gabinete.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-45

Figura 11.51
Tipos de conexões para o cooler do processador.

A figura 51 mostra na parte (A), a conexão de um cooler para processador,


ligado na placa de CPU. Todos os modelos modernos são deste tipo. Em (B)
vemos um modelo de cooler antigo, que era ligado na fonte de alimentação.

Rápida checagem e ligação do computador


O computador já pode ser ligado pela primeira vez. Ele ainda não vai
funcionar, mas você já poderá ver os ventiladores girando, e a seguir o
SPEAKER emitirá beeps, indicando a ausência de placa de vídeo. Antes de
liga-lo, verifique mais uma vez:

 Fonte de alimentação com a chave 110/220 na posição correta


 Fonte de alimentação ligada na placa de CPU
 Conectores Speaker, Reset e Power Switch ligados corretamente
 Processador instalado e cooler acoplado ao processador
 Cooler ligado no conector CPU FAN da placa de CPU
 Coolers de modelos antigos devem ser ligados na fonte de
alimentação
 Módulos de memória corretamente instalados

Feitas essas checagens, o computador pode ser conectado à rede elétrica e


ligado. Os coolers irão funcionar e ouviremos um BEEP vindo do PC
Speaker. Este BEEP é um código de erro que indica que “a placa de vídeo
não está funcionando”. Se a placa de CPU tiver vídeo onboard, outro tipo de
erro pode ser apresentado, através de uma seqüência de beeps, indicando
“teclado não conectado” ou “erro no acesso a disco”. Seja qual for o tipo de
erro, é normal neste ponto. O erro reportado através de BEEPS pelo PC
Speaker indica que a placa de CPU está funcionado. Desligue o computador
e desconecte-o da rede elétrica.
11-46 Como montar, configurar e expandir seu PC

Etapa 3:
Montagem dos drives
Esta etapa não depende do fato do gabinete ser AT ou ATX. As pequenas
diferenças dependem muito mais do fato do gabinete ser horizontal e
vertical. Mesmo considerando gabinetes do mesmo tipo (horizontal e
vertical), pequenas diferenças ainda podem ocorrer, como mostraremos aqui.

Gabinetes espaçosos possuem vários locais para a instalação de drives.


Gabinetes muito compactos possuem apenas um local para instalar o disco
rígido, um para o drive de disquetes e um para o drive de CD-ROM.
Escolha os locais corretos, levando em conta a melhor disposição de cabos e
a melhor dissipação de calor. Por exemplo, se você utilizar um gabinete
espaçoso, deixe um espaço livre entre o disco rígido e o drive de disquetes.
Isto facilitará a geração do calor gerado pelo disco rígido. Se o gabinete for
muito compacto, provavelmente você não terá escolha. O aquecimento
poderá ser maior que o ideal.

Nos gabinetes torre, o drive de disquetes e o drive de CD-ROM são


introduzidos pela parte frontal, e a seguir aparafusados pelos seus furos
laterais. A figura 52 mostra a montagem de um drive de CD-ROM em um
gabinete torre. Lembre-se que o drive de CD-ROM utiliza três cabos: cabo
de alimentação, cabo flat e cabo de áudio. Se quiser pode conectar o cabo
flat IDE e o cabo de áudio na parte traseira do drive de CD-ROM, antes de
colocá-lo no gabinete.

Figura 11.52
Fixando o drive de CD-ROM em um gabinete torre.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-47
A figura 53 mostra a instalação do drive de disquetes em um gabinete torre.
Assim como ocorre com o drive de CD-ROM, o drive de disquetes deve ser
introduzido pela parte frontal e aparafusado por seus furos laterais. Se achar
conveniente pode conectar o cabo flat no drive de disquetes antes de
introduzi-lo no gabinete.

Figura 11.53
Montando o drive de disquetes.

A figura 54 mostra a montagem do disco rígido em um gabinete torre. O


disco é introduzido pela parte interna e a seguir aparafusado pelas laterais.
Tanto para o disco rígido como para o drive de disquete e drive de CD-
ROM, devemos utilizar dois parafusos de cada lado para a fixação.

Figura 11.54
Montando o disco rígido em um gabinete torre.

O processo de montagem em gabinetes torre pode ter pequenas variações.


Em certos gabinetes torre muito compactos, é preciso retirar a bandeja na
qual são montados o drive de disquetes e o drive de CD-ROM, para dar
11-48 Como montar, configurar e expandir seu PC
acesso à placa de CPU. Esses drives podem ser montados na bandeja, e
depois de aparafusados, podemos fixar a bandeja ao gabinete.

Figura 11.55
Fixando o drive de disquetes e o disco rígido na
bandeja removível.

O processo de fixação dos drives em um gabiente horizontal também pode


apresentar pequenas variações. Muitas vezes quando fixamos um dos drives,
obstruímos o acesso aos parafusos laterais de fixação para os outros drives. É
preciso portanto, antes de fixar o disco rígido, o drive de CD-ROM e o drive
de disquetes, verificar qual é a melhor ordem para fazê-lo. A figura 56 mostra
a montagem de um drive de CD-ROM em um gabinete horizontal. Assim
como nos outros casos, usamos dois parafusos de cada lado.

Figura 11.56
Montando o drive de CD-ROM em um gabinete horizontal.

Na figura 57 vemos a montagem de um drive de disquetes em um gabinete


horizontal. Note que neste exemplo, quando o drive de disquetes é instalado,
os parafusos laterais do drive de CD-ROM (veja a figura 56) ficam
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-49
inacessíveis. Neste caso devemos instalar primeiro o drive de CD-ROM,
depois o drive de disquetes.

Figura 11.57
Montando o drive de disquetes em um gabinete horizontal.

Alguns gabinetes horizontais possuem um local para a instalação do disco


rígido, debaixo da fonte de alimentação. Não é uma boa idéia instalar o
disco rígido neste local, pois há muita interferência eletromagnética da fonte
para o disco rígido, o que pode causar problemas no seu funcionamento.
Além disso, o ventilador existente na fonte pode produzir vibrações
mecânicas que afetam o funcionamento do disco rígido.

Figura 11.58
Montando o disco rígido sob a fonte de alimentação.

Se o gabinete tiver espaço, dê preferência para montar o disco rígido em


outro local. Muitos gabinetes possuem mais de um lugar para instalar um
disco rígido. Em alguns casos existe um segundo local para instalação de
drives de CD-ROM. Você pode então montar o disco rígido em um
adaptador de 3 ½” para 5 1/4" (figura 59) e montá-lo em um local destinado
a drives de CD-ROM e outros tipos de drives de 5 1/4".
11-50 Como montar, configurar e expandir seu PC

Figura 11.59
Disco rígido montado em
adaptador para 5 ¼”.

Existem ainda gabinetes que possuem uma bandeja para a montagem do


drive de disquetes e do disco rígido. Monte ambos nesta bandeja (figura 60),
para depois fixá-la ao gabinete.

Figura 11.60
Bandeja para fixar o drive de disquetes e
o disco rígido.

Etapa 4:
Montagem das placas de expansão
Esta é mais uma etapa que independe do fato do gabinete ser horizontal ou
vertical, AT ou ATX, grande ou pequeno. Em todos os modelos a posição
relativa entre a placa de CPU, as placas de expansão e os pontos de fixação
no gabinete são semelhantes.

As principais placas de expansão que um computador pode ter são:

 Placa de vídeo
 Placa de som
 Placa de interface de rede
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-51

 Placa fax/modem
 Placa controladora SCSI

Todas as placas são instaladas fisicamente de forma semelhante. Devem ser


encaixadas no slot apropriado e a seguir aparafusadas ao gabinete. A figura
61 mostra o encaixe de uma placa de expansão, e a figura 62 mostra a
mesma placa sendo aparafusada ao gabinete.

Figura 11.61
Encaixando uma placa de expansão em
um slot.

Figura 11.62
Aparafusando uma placa de expansão no gabinete.

Neste momento devemos também instalar dispositivos que não são


exatamente placas de expansão, mas também são fixados na parte traseira
do gabinete. Por exemplo, muitas placas de CPU com dispositivos onboard
11-52 Como montar, configurar e expandir seu PC
são acompanhados de conectores auxiliares que dão acesso às suas
interfaces. Podem ser simples conectores, mas em alguns casos são pequenas
placas ligadas a um pequeno cabo flat que deve ser encaixado no ponto
apropriado da placa de CPU. Siga as instruções do manual para fazer esta
conexão corretamente.

Figura 11.63
Conectores auxiliares de
interfaces onboard.

No caso das placas de CPU padrão AT, instale ainda os conectores das
interfaces seriais e paralelas. Esses conectores podem ser aparafusados
diretamente ao gabinete, nos pontos onde se fixam placas de expansão, ou
então podem ser desmontados e instalados em fendas existentes na parte
traseira do gabinete.

Figura 11.64
Instale os conectores das interfaces
seriais e paralela, se estiver usando uma
placa de CPU AT.

Distribuição das placas pelos slots


A escolha dos slots a serem usados é um ponto importante. Para placas
AGP, não existe escolha, pois as placas de CPU possuem um único slot
AGP. Já os slots PCI são em maior número. Devemos tentar deixar livre o
primeiro slot PCI localizado ao lado da placa AGP, se isto for possível. As
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-53
placas 3D modernas esquentam muito, e deixar uma posição livre ajudará a
melhorar a dissipação do calor gerado por este chip.

Feche as fendas sem uso


Utilize as tampas metálicas que acompanham o gabinete para fechar as
fendas traseiras que não estiverem em uso. Se as fendas sem uso ficarem
abertas, o fluxo de ar no interior do gabinete, fundamental para a sua boa
refrigeração, será prejudicado.

Figura 11.65
Use as tampas metálicas para fechar as
fendas sem uso no gabinete.

Mais um teste rápido


Neste ponto o computador estará com todas as placas de expansão
encaixadas nos seus slots.
11-54 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.66
As placas de expansão estão
instaladas nos seus slots.

Podemos agora realizar um teste rápido. Ligue o monitor no conector DB-15


da placa de vídeo. Conecte o computador na rede elétrica e ligue-o.
Aparecerá na tela inicialmente uma mensagem do BIOS da placa de vídeo,
indicando a sua marca e modelo. A seguir aparecerão mensagens do BIOS
da placa de CPU, com a indicação do processador, sua quantidade de
memória e outras informações de configuração. Neste ponto ocorrerão vários
erros, já que o computador não está pronto. Este teste serve apenas para
checar o funcionamento da placa de vídeo, do processador e da memória.
Desligue o computador e desconecte-o da rede elétrica.

Etapa 5:
Conexão dos cabos
Neste ponto o computador está com todas as placas em seus lugares. Estão
fixados ao gabinete o disco rígido, o drive de CD-ROM e o drive de
disquetes. A placa de CPU já está conectada na fonte de alimentação. O
computador já foi ligado e já apareceram mensagens do BIOS na tela do
monitor. Vamos agora fazer todas as conexões de cabos.

Ligações do painel do gabinete


Já ligamos o Reset, o Power Switch e o PC Speaker. Se ainda não tiverem
sido ligados os demais conectores, ligue-os agora:

 IDE LED
 Power LED
 Keylock, se existir
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-55

Use as instruções do manual da placa de CPU para fazer essas conexões.

Figura 11.67
Ligações do painel do gabinete na placa de CPU.

Ligações na fonte de alimentação


A fonte de alimentação já foi ligada na placa de CPU. Chegou a hora de ligá-
la também no disco rígido, no drive de disquetes e no drive de CD-ROM. Se
estiver utilizando outros tipos de drives (por exemplo, um gravador de CDs
ou um drive de DVD), ligue-os também na fonte.

Figura 11.68
Ligando o disco rígido na fonte de
alimentação.
11-56 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura 11.69
Ligando o drive de CD-ROM na fonte de
alimentação.

Figura 11.70
Ligando o drive de disquetes na fonte de
alimentação.

Cabo de áudio do drive de CD-ROM


Além do cabo de alimentação e do cabo flat, o drive de CD-ROM precisa
ainda ser ligado através de um cabo de áudio até a placa de som (entrada
CD-IN). Este cabo transmitirá o som de CDs de áudio. Na maioria dos casos
este cabo transmite sons analógicos. Todos os drives de CD-ROM modernos
possuem na sua parte traseira, conectores para áudio analógico e áudio
digital. O cabo de áudio analógico é sempre fornecido juntamente com o
drive. Placas de som que possuem entrada para áudio de CD digital são
acompanhadas de um cabo de áudio apropriado que pode ser ligado na
saída de áudio digital do drive de CD-ROM.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-57
Figura
11.71
Ligando a saída de
áudio do drive de
CD-ROM na entrada
correspondente da
placa de som.

Obviamente no caso de placas de CPU com som onboard, o cabo de áudio


que parte do drive de CD-ROM deve ser ligado na entrada CD-IN da placa
de CPU.

Cabos flat
Uma vez tendo identificado a interface IDE primária, ligue-a ao disco rígido,
utilizando o cago IDE apropriado. Para o funcionamento nos modos ATA-66
e ATA-100, deve ser usado o cabo flat IDE de 80 vias. Para operar em ATA-
33, o cabo IDE de 40 fias pode ser usado, mas ele deve ter no máximo 45
centímetros. Se esta regra não for observada, poderão ocorrer erros de
acesso ao disco rígido, e mesmo ao drive de CD-ROM. O cabo flat IDE do
disco rígido deve ser ligado no conector apropriado do próprio disco, e
também na interface IDE primária da placa de CPU.

Figura 11.72
Conectando o disco rígido na sua interface.

A ligação do cabo flat IDE no drive de CD-ROM é feita da mesma forma.


Ligue o cabo flat no drive de CD-ROM e na interface IDE secundária, como
mostra a figura 68.
11-58 Como montar, configurar e expandir seu PC

Figura 11.73
Conectando o drive de CD-ROM na sua interface.

Lembre-se que cada interface IDE pode ser conectada a dois dispositivos.
Quando apenas um dispositivo é usado, devemos utilizar o conector
existente na extremidade do cabo. Se a extremidade de um cabo IDE ficar
sem conexão, poderão ocorrer erros no seu funcionamento. Quando dois
dispositivos IDE são ligados na mesma interface, utilizaremos os dois
conectores do cabo. O que definirá qual deles é o primeiro e qual deles é o
segundo (por exemplo, entre dois discos rígidos, qual será C e qual será D)
são os jumpers Master/Slave. A posição de cada disco no cabo não tem
influência sobre a letra ocupada.

Figura 11.74
Conectando o drive de disquetes na sua interface.

A conexão do drive de disquetes deve ser feita da mesma forma como


fizemos para o disco rígido e o drive de CD-ROM. Usamos o cabo flat IDE
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-59
de 34 vias, próprio para o drive de disquetes. O drive deve ser
obrigatoriamente ligado no conector da extremidade do cabo.

Teclado, mouse e monitor


O computador está quase pronto. Se ainda não tiver feito isso, ligue o
monitor no conector DB-15 da placa de vídeo.

Figura
11.75
Ligação do monitor
na placa de vídeo.

Ligue também o teclado e o mouse nos conectores apropriados. Lembre-se


que nas placas de CPU ATX existem dois conectores PS/2, sendo um para o
teclado (lilás) e um para o mouse (verde). Se a sua placa de CPU for antiga e
não utilizar este código de cores, consulte o seu manual para checar qual é o
conector do teclado e qual é o do mouse.

Figura
11.76
Ligação do teclado.

O mouse que possui conector DB-9 pode ser ligado em uma das duas
interfaces seriais da placa de CPU (COM1 ou COM2). Quanto ao teclado,
dependendo do tipo do seu conector e do tipo do conector existente na
placa de CPU (DIN ou PS/2), pode ser necessário usar um adaptador para
esta conexão.
11-60 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.77
Ligação do mouse.

Ligar para testar


Mais uma vez ligaremos o computador para testá-lo. Desta vez será possível
realizar o boot através de um disquete. Ao ser ligado, aparecerão na tela as
mensagens do BIOS da placa de vídeo e da placa de CPU, com a indicação
do processador, seu clock e a quantidade de memória. Será feito o boot
através de um disquete. Este disquete de boot pode ser gerado com o
comando FORMAT A: /S. Se preferir pode gerar um disquete de
inicialização a partir de um computador que já possua o Windows instalado.
Use o Painel de Controle, Adicionar e remover programas, Disco de
inicialização. Será feito o boot do sistema operacional Windows, no modo
MS-DOS. Ainda não será possível acessar o disco rígido, pois ele precisa ser
inicializado, como veremos mais adiante neste capítulo.

Figura
11.78
Exemplo de tela
apresentada ao
fazer um boot por
um disquete.

Verifique ainda se todos os LEDs do painel frontal do gabinete estão


funcionando. Se um LED não acender, será preciso inverter a polaridade da
sua ligação na placa de CPU. Antes de inverter a polaridade, desligue o
computador para evitar acidentes. Verifique se o botão RESET está
operando corretamente.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-61
Analisando a configuração de hardware

Nem todos os PCs apresentam telas como a da figura 78. Pequenas


diferenças podem surgir, portanto ao analisarmos o exemplo da figura 78
estaremos conhecendo a maior parte dos casos. As informações apresentadas
nesta tela dizem respeito aos dispositivos de hardware instalados e detectados
pelo BIOS, como o processador, memória, interfaces, discos e dispositivos
PCI. Vejamos o que significa cada um desses itens.

a) CPU Type: AMD Athlon (TM)


Aqui é indicado o processador instalado na placa de CPU. No nosso
exemplo trata-se de um AMD Athlon. Em geral o nome do processador
aparece aqui de forma correta, mas em alguns casos problemas podem
ocorrer. Quando o BIOS da placa de CPU é mais antigo que o processador
utilizado, a detecção do modelo do processador pode apresentar erro ou não
ser possível. Em alguns casos o processador é indicado como desconhecido.
Em outros é indicado como sendo um modelo mais antigo. Por exemplo,
algumas placas de CPU antigas indicam o K6-2 e o K6-III como sendo
simplesmente um K6, ou até mesmo um K5. Este tipo de problema pode ser
resolvido com a instalação de uma versão mais recente do BIOS da placa de
CPU.

b) CPU ID / ucode ID: 0642/00


Todo processador possui um número que identifica o modelo e a versão.
Este número é chamado de CPU ID. Algumas placas de CPU podem
apresentar esta informação na tela inicial do boot. No nosso exemplo é ainda
indicada a versão do microcódigo, ou seja, do “software” existente dentro do
processador.

c) CPU Clock: 900 MHz


Está aqui indicado o clock do processador. No nosso exemplo são 900 MHz.
Quando o BIOS da placa de CPU é mais antigo que o processador, este
clock pode ser indicado de forma errada. O processador não é capaz de
informar o seu clock para o BIOS. O valor deste clock é determinado por
métodos indiretos. Por exemplo, o BIOS pode realizar um grande número
de multiplicações, e de acordo com o tempo total na qual essas operações
foram realizadas, o clock do processador pode ser determinado. Se uma
placa foi produzida, digamos, para processadores até 1000 MHz, e depois de
algum tempo é instalado um processador de 1500 MHz, este processador
normalmente irá funcionar, mas seu clock pode ser indicado de forma errada
pelo BIOS. Isto não terá influência alguma sobre o funcionamento e a
11-62 Como montar, configurar e expandir seu PC
velocidade do processador. O que ocorre é simplesmente a indicação errada
do clock pelo BIOS na ocasião do boot.

d) Base Memory: 640k


Aqui é indicado o tamanho da memória convencional, também chamada de
memória base. São os primeiros 640 kB da memória, nos quais são execu-
tados a maioria dos programas em ambiente MS-DOS.

e) Extended Memory: 64512k


A memória estendida é toda aquela localizada acima de 1024 kB (ou 1 MB).
Nos nosso exemplo estamos usando 64 MB de memória, ou seja, 63 MB de
memória estendida (63x1024kB = 64.512 kB). Nas placas de CPU com vídeo
onboard, este valor poderá indicar a memória total, mas dependendo da
placa, poderá indicar a quantidade de memória que resta, depois de
descontada a memória de vídeo. Por exemplo, se são usados 8 MB como
memória de vídeo compartilhada, sobrarão dos 63 MB, apenas 55 MB.

f) Cache Memory: 256k


Aqui é indicada a quantidade de memória cache L2. Atualmente esta cache
fica localizada no próprio processador. Processadores antigos não tinham
cache L2, e esta era localizada na placa de CPU. Seja qual for o caso, aqui é
indicada a quantidade de cache L2, esteja ela no processador ou na placa de
CPU.

g) Diskette Drive A, B
Estão aqui indicados os tipos dos drives de disquete instalados. Ao término
da montagem, muitos BIOS programam esses valores como None, e o
usuário precisa indicar manualmente, através do CMOS Setup, qual é o tipo
de drives A e B instalados. Em outros BIOS, esta programação é feita por
default, levando com conta que o drive A é de 1.44 MB, e o drive B está
ausente. A maioria dos PCs estão configurados desta forma.

h) Primary Master Disk, Primary Slave Disk


Aqui são indicados os dispositivos IDE ligados na interface IDE primária. No
caso de discos rígidos, normalmente são apresentadas diversas informações,
como a capacidade, o número de cabeças, cilindros e setores, o modo LBA,
o modo PIO ou Ultra DMA usado na transferência de dados, etc. Outros
dispositivos IDE que não sejam discos rígidos podem ser indicados de
diversas formas. Muitos BIOS fazem indicações como CD-ROM, LS-120, etc.
Outros colocam a indicação None para dispositivos IDE que não sejam
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-63
discos rígidos. Alguns BIOS detectarão automaticamente os dispositivos IDE
presentes, outros apresentarão todos os dispositivos como None, e o usuário
precisa programá-los através do CMOS Setup.

i) Secondary Master Disk, Secondary Slave Disk


Mesma função dos itens Primary Master e Primary Slave, exceto que dizem
respeito à interface IDE secundária.

j) Display Type: EGA/VGA


É indicado o tipo de placa de vídeo instalada no computador. Certamente
estaremos usando uma placa Super VGA, mas em todos os Setups, essas pla-
cas serão sempre indicadas como VGA, ou então EGA/VGA.

k) Serial Port(s)
São indicados os endereços das portas seriais existentes na placa de CPU.
Normalmente essas portas são configuradas como COM1 e COM2, ocu-
pando respectivamente os endereços 3F8 e 2F8.

l) Parallel Port(s)
Aqui é indicado o endereço da porta paralela existente na placa de CPU.
Normalmente ocupa o endereço 378, mas podemos através do Setup alterar
este endereço para 278 ou 3BC.

m) SDRAM at Bank: 0
Aqui são indicados os bancos de memória nos quais foi detectada a presença
de módulos. A placa do nosso exemplo opera com memória SDRAM,
existem também placas que operam com DDR SDRAM, RDRAM (modelos
novos), e ainda os tipos EDO e FPM (modelos antigos).

n) PCI Device Listing


São apresentadas informações sobre os dispositivos que usam o barramento
PCI. Placas de vídeo PCI, por exemplo, recairão nesta categoria.
Curiosamente, placas de vídeo AGP também serão indicadas aqui. Na
verdade o barramento AGP é baseado no PCI, e as diferenças são a maior
velocidade e funções específicas para o vídeo. Também nesta lista
aparecerão as interfaces IDE e USB (ambas são ligadas internamente ao
barramento PCI), bem como todas as demais placas de expansão PCI
instaladas.

o) BIOS DATE
11-64 Como montar, configurar e expandir seu PC

No nosso exemplo este item não aparece, mas ele é bastante comum na
maioria das placas e CPU. Aqui é informada a data do BIOS, o que é uma
forma de indicar a sua versão. BIOS mais recentes estarão em geral
preparados para controlar os dispositivos mais modernos. Por exemplo, as
placas de CPU produzidas até meados de 1994 não eram capazes de acessar
diretamente discos rígidos com mais de 504 MB. As placas mais recentes
possuem em seu BIOS a função LBA, capaz de dar acesso a discos IDE com
até 8,4 GB. Placas ainda mais recentes permitem acessar discos IDE acima
de 8,4 GB. Em geral, uma placa de CPU recém-adquirida possui um BIOS
atualizado. De qualquer forma, a maioria dos fabricantes oferece atualizações
de BIOS, através da Internet.

Etapa 6:
CMOS Setup básico
Para que a placa de CPU funcione corretamente precisamos configurá-la.
Parte desta configuração é feita através de jumpers e dip switches. Opções
mais ligadas ao hardware são em geral programadas desta forma. Entretanto
a maioria das configurações da placa de CPU não são definidas desta forma,
e sim através de software. Este software é chamado CMOS Setup. Trata-se
de um programa de configuração, com o qual escolhemos entre as diversas
opções de funcionamento da placa de CPU.

O CMOS Setup fica armazenado na memória ROM da placa de CPU,


juntamente com o seu BIOS. Por isso muitos fazem confusão entre BIOS e
Setup. O BIOS é o programa que controla a maior parte dos dispositivos de
hardware. O CMOS Setup é o programa de configuração que informa ao
BIOS como ele deve operar.

BIOS, CMOS e CMOS Setup


Todas as placas de CPU possuem um circuito especial, conhecido como
CMOS. Nas placas de CPU produzidas até meados dos anos 90, o CMOS
era um chip autônomo. Atualmente, o CMOS faz parte de outro chip da
placa de CPU (VLSI). Pode estar localizado no chipset ou no chip conhecido
como Super I/O. Por isso, era muito comum usar o termo chip CMOS.
Atualmente, para sermos mais precisos, é melhor dizer apenas CMOS.

No CMOS existem dois circuitos independentes:

 Um relógio permanente
 Uma pequena quantidade de memória RAM
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-65

O CMOS é conectado a uma bateria que o mantém em funcionamento


mesmo quando o computador está desligado. Nele encontramos o relógio
permanente, um circuito que permanece o tempo todo contando as horas,
minutos, segundos, dias, meses e anos, mesmo quando o computador está
desligado.

No CMOS encontramos também uma pequena quantidade de memória


RAM. Sua quantidade é mesmo pequena, em geral apenas 64 bytes. Mesmo
pequena, esta área de memória é suficiente para armazenar informações
vitais ao funcionamento do computador. Essas informações são parâmetros
que indicam ao BIOS os modos de funcionamento de hardware a serem
empregados. Por exemplo, para poder controlar o disco rígido, o BIOS
precisa saber o seu número de cilindros, de setores e de cabeças, entre
outras informações.

Portanto, o BIOS precisa das informações existentes no CMOS para que


possa saber como deve funcionar. Mas como as informações vão parar no
CMOS? Cabe ao usuário, na ocasião em que monta o seu PC, preencher
essas informações. Isto é o que chamamos de fazer o Setup. Usuários que
compram micros prontos não precisam se preocupar com esta questão, pois
o Setup já foi realizado pelo fabricante do computador.

Como executar o CMOS Setup


Para executar o programa Setup, devemos pressionar o botão de Reset. Em
geral isto provocará uma contagem de memória, durante a qual é mostrada
na tela uma mensagem como “Press DEL to enter Setup”. Na figura 79, na
parte inferior da tela, vemos a indicação:

Press F1 to continue, <DEL> to enter Setup


11-66 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.79
Contagem de
memória e entrada
para o CMOS
Setup.

Ao pressionarmos DEL durante a contagem de memória, o programa Setup


é ativado, e coloca na tela as informações armazenadas no CMOS. Após
aceitar as modificações feitas pelo usuário, o programa Setup as grava
novamente no CMOS, e dá prosseguimento ao processo de boot.

Fazendo o Setup
Ao ser ativado, o Setup entra em operação e apresenta a sua tela de aber-
tura. Esta tela pode ter uma apresentação na forma de texto, como vemos na
figura 80, ou uma apresentação gráfica, como a da figura 81. O Setup na
forma de texto é comandado através do teclado, e o Setup gráfico aceita
comandos pelo teclado e pelo mouse. Não importa qual seja o caso, as
opções existentes no Setup são muito parecidas.

Figura
11.80
Setup com
apresentação em
modo texto.

O método geral para a realização do Setup é o seguinte:


Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-67
1) Usar a auto configuração default
2) Acertar a data e a hora
3) Indicar o tipo do drive de disquete instalado (1.44 MB, naturalmente)
4) Detectar os parâmetros do disco rígido
5) Salvar e sair

Figura
11.81
Setup com
apresentação
gráfica.

O programa Setup nada mais é que uma longa sucessão de perguntas de


“múltipla escolha”, para as quais devem ser fornecidas respostas. Apesar de
ser difícil responder corretamente essas perguntas, não somos obrigados a
enfrentar esta dificuldade. O fabricante da placa de CPU sempre oferece a
opção Auto Configuration, que permite o preenchimento automático de
todas as respostas (exceto as do Standard CMOS Setup) da melhor forma
possível. A auto configuração atende a maioria dos casos, e faz com que seja
obtido o melhor desempenho (ou quase tão bom quanto). Este comando
pode aparecer com diversos nomes:

 Auto Configuration with BIOS Defaults


 Load BIOS Defaults
 Optimal Defaults

Neste ponto, o Setup estará quase pronto, com a maior parte das suas opções
devidamente preenchidas. A figura 82 mostra um exemplo de uso da auto
configuração.
11-68 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.82
Usando a auto
configuração.

Em tempo, os Setups mostrados nas figuras 80 e 81 são produzidos


respectivamente pela Award e pela AMI, duas das maiores produtoras de
Setups e BIOS. A outra empresa que também produz os Setups de muitos
computadores é a Phoenix, que recentemente foi incorporada pela Award.

Devemos a seguir acertar a data e hora, definir os tipos dos drives A e B, e


indicar os parâmetros do disco rígido. Essas operações são feitas através de
uma área do Setup chamada Standard CMOS Setup. As figuras 83 e 84
mostram essas áreas, nos Setups da Award e da AMI (gráfico). Em ambos os
casos, o Standard CMOS Setup é ativado a partir da tela principal do Setup.

Figura
11.83
Standard CMOS
Setup da Award.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-69
Figura
11.84
Standard CMOS
Setup da AMI, em
modo gráfico.

O próximo passo é acertar a data e a hora. Quando uma placa de CPU é


nova, normalmente não está com a data e a hora corretas. O comando para
acertar a data e a hora está localizado no Standard CMOS Setup. No Setup
da Award, mostrado na figura 83, basta usar as setas para selecionar o
campo a ser mudado, e depois utilizar as teclas + e -, ou então Page Up e
Page Down para alterar o campo desejado. No Setup da AMI, clicamos
sobre o item Date/Time (figura 84), e será apresentado um outro quadro para
a correção da data e hora.

O Standard CMOS Setup possui ainda outros comandos, como aquele que
define o tipo dos drives de disquete instalados. As opções oferecidas são:

 None
 360 kB, 5 1/4”
 1.2 MB, 5 1/4”
 720 kB, 3½”
 1.44 MB, 3½”
 2.88 MB, 3½”

Certamente você está utilizando a seguinte configuração:

Drive A: 1.44 MB, 3½”


Drive B: None

Depois de indicar os drives de disquetes, o próximo passo é indicar os


parâmetros do disco rígido. Os principais deles são:

 Número de cilindros
11-70 Como montar, configurar e expandir seu PC

 Número de cabeças
 Número de setores
 LBA (Logical Block Addressing)

O número de cilindros, cabeças e setores são informados no manual do


disco rígido. Você em geral encontra também esses valores estampados na
sua carcaça externa. A função LBA deve estar ativada. Sem ela, a
capacidade máxima permitida para um disco rígido seria de apenas 504 MB.

Existe uma outra forma bem mais simples de preencher os parâmetros do


disco rígido. Basta usar o comando Auto Detect IDE. Este comando em
alguns casos é encontrado no menu principal do Setup, em outros casos é
obtido a partir do Standard CMOS Setup, quando escolhemos para o disco
rígido, a opção AUTO. Na figura 85 vemos uma das formas na qual este
comando pode ser encontrado.

Figura
11.85
Usando o
comando Auto
Detect IDE em um
Setup Award.

Depois de preenchidas essas opções no Setup, temos que gravá-las no


CMOS. Isto é obtido com o comando Save & Exit. No Setup Award, você
pode também salvar e sair usando a tecla F10. No Setup gráfico da AMI,
basta teclar ESC, e no menu apresentado, escolha a opção Save & Exit.
Setups da AMI em modo texto também aceitam a tecla F10 para esta
função.

OBS.: Em alguns Setups, certos itens poderão atrapalhar ou confundir o usuário durante o processo
de instalação do disco rígido. Um deles é a Seqüência de Boot (Boot Sequence). Normalmente é usado
como default, a seqüência A: C:, ou seja, é tentado o boot pelo drive A, e caso este não possua disquete
inserido, é tentado o boot pelo drive C. No processo de inicialização do disco rígido (explicado a seguir),
será preciso executar um boot pelo drive A. O problema é que, caso a seqüência de boot esteja
configurada como C: A:, o computador tentará executar o boot pelo drive C, o que ainda não será
possível. Dependendo da situação, a impossibilidade do boot pelo drive C fará com que seja
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-71
automaticamente executado um boot pelo drive A. Em certos casos, o BIOS pode continuar tentando o
boot pelo drive C, recusando-se a usar a segunda opção (A:). Para evitar este problema, devemos procurar
no CMOS Setup um item chamado “Boot Sequence”, e programá-lo como A: C:. Isto fará com que o
boot seja executado pelo drive A, conforme precisamos que seja feito.

OBS.: Outro item que pode causar confusão durante a inicialização do disco rígido é a proteção
contra vírus (Virus Protection). Muitos Setups possuem este comando, que faz simplesmente a monitoração
das operações de gravação no setor de boot e na tabela de partições, áreas visadas pela maioria dos vírus.
Ao detectar que um programa requisitou uma gravação em uma dessas áreas, o BIOS apresenta na tela
uma mensagem alertando o usuário sobre um possível ataque por vírus. Ocorre que os programas FDISK
e FORMAT (usados na inicialização do disco rígido), bem como o programa instalador do sistema
operacional, também fazem gravações nessas áreas, sendo portanto, confundidos com vírus. Para evitar
problemas, podemos desabilitar a proteção contra vírus no Setup, habilitando-a apenas depois da
instalação completa do sistema operacional. Devemos então procurar este comando e desabilitá-lo.
Normalmente aparece com nomes como “Virus Protection”, ou “Hard Disk Virus Protection”.

Etapa 7:
Formatação do disco rígido
Desde a versão 2.0 do MS-DOS, o processo de inicialização do disco rígido é
feito da mesma forma, através dos programas FDISK.EXE e
FORMAT.COM. O FDISK realiza uma etapa chamada particionamento. Ela
é necessária para que o sistema operacional reconheça o disco rígido como
sendo um drive C, ou ainda um grupo de drives (podemos usar o FDISK
para dividir o disco rígido em diversos drives lógicos, como mostraremos
mais adiante). Depois que o disco rígido é dividido em um ou mais drives
lógicos, é preciso realizar a formatação lógica de cada um desses drives. Esta
etapa é realizada pelo programa FORMAT. Antes de usar os programas
FDISK e FORMAT, o disco rígido existe apenas a nível de hardware (desde
que tenha sido corretamente declarado no CMOS Setup). Se neste momento
tentarmos executar um boot pelo disco rígido, será apresentada uma mensa-
gem de erro, como:

NO ROM BASIC, SYSTEM HALTED

ou então

PRESS ANY KEY TO REBOOT

ou ainda

Boot Failure
Insert BOOT diskette in A:
Press any key when ready
11-72 Como montar, configurar e expandir seu PC
Para usar os programas FDISK e FORMAT, precisamos providenciar um
disquete com o seguinte conteúdo:

O boot do sistema operacional


O programa FDISK.EXE
O programa FORMAT.COM

Você pode obter este disquete facilmente, a partir de um computador que já


tenha o sistema operacional instalado. No Windows 95, Windows 98 e
Windows ME, este disquete é gerado da mesma forma. Em um computador
que já esteja equipado com o Windows, execute o Prompt do MS-DOS sob
o Windows, coloque um disquete no drive A e use os comandos:

FORMAT A: /U /S
COPY C:\WINDOWS\COMMAND\FDISK.EXE A: /V
COPY C:\WINDOWS\COMMAND\FORMAT.COM A: /V

Utilize preferencialmente um computador com a mesma versão de sistema


operacional que você deseja instalar. Se isto não for possível, utilize ao
menos uma versão que tenha FAT32. As versões do Windows com FAT32
são:

 Windows 95 OSR2
 Windows 98
 Windows 98SE
 Windows ME e suas atualizações

Com a FAT32 podemos criar drives lógicos com mais de 2 GB, coisa que
não era possível no antigo sistema de arquivos, a FAT16.

OBS.: Se para inicializar o seu disco rígido você usar o disquete de inicialização que é fornecido junto
com o Windows, pressione a tecla SHIFT no início do boot, antes de aparecer a mensagem “Iniciando o
Windows...”. Isto fará com que sejam ignorados os arquivos CONFIG.SYS e AUTOEXEC.BAT. Será
apresentada a mensagem “O Windows está ignorando seus arquivos de inicialização”

OBS.: Pelo menos para usar o FDISK e o FORMAT, não instale neste disquete, outros programas
através do CONFIG.SYS e do AUTOEXEC.BAT. Se isto for feito, existirá menos memória convencional
disponível, e você poderá não conseguir usar o FORMAT.COM, por memória insuficiente.

Realize um boot com este disquete e só por curiosidade, tente acessar o


drive C, usando por exemplo, o comando “DIR C:”. Você poderá observar
que o drive C não estará acessível, e será apresentada a seguinte mensagem
de erro:
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-73

Especificação de unidade inválida

Isto significa que o disco rígido ainda não é reconhecido pelo sistema ope-
racional. O reconhecimento só será feito após o uso do programa FDISK.

Formatando o disco rígido com partição única


Veremos agora como usar os programas FDISK e FORMAT para preparar e
formatar o disco rígido, fazendo com que seja usado integralmente como um
único drive C. Isto é o que chamamos de partição única. Na próxima seção,
veremos como usar o FDISK e o FORMAT para particionar o disco rígido
em dois ou mais drives lógicos.

Nas telas que se seguem, tomamos como exemplo o FDISK e o FORMAT


do Windows Millennium Edition. Se você estiver usando uma versão mais
antiga do Windows, a operação do FDISK e FORMAT será idêntica.

Ao executarmos o FDISK será apresentada uma tela como a da figura 86.


Basicamente é perguntado se desejamos usar a FAT32. Respondemos que
SIM, o que é mais recomendável, para dar suporte a discos de maior
capacidade, sem necessidade de dividi-los em vários drives lógicos, e
também para reduzir o espaço desperdiçado devido a clusters grandes.
Depois disso, o FDISK passa à tela da figura 87.

Figura
11.86
O FDISK pergunta
se desejamos usar
a FAT32.

OBS.: Se as mensagens apresentadas na sua tela tiverem alguns caracteres estranhos ao invés de certos
caracteres acentuados da língua portuguesa, não se preocupe. Isto ocorre porque os programas e
mensagens do “modo MS-DOS” usado no Windows e mesmo das versões em português do MS-DOS,
fazem o uso da página de código 850 (internacional), que dá acesso aos caracteres acentuados. Esta página
de código é ativada por comandos apropriados nos arquivos CONFIG.SYS e AUTOEXEC.BAT. Como
nosso disquete não possui esses comandos, esses caracteres não aparecerão corretamente. O disco de
11-74 Como montar, configurar e expandir seu PC
inicialização do Windows possui esses comandos, por isso os caracteres aparecem corretamente. Não se
preocupe, pois isto é apenas um detalhe na exibição das mensagens, e não altera em nada a inicialização
que estamos realizando.

Figura
11.87
Tela principal do
FDISK.

Vejamos inicialmente o modo de operação mais simples, no qual o disco


rígido será inteiramente usado como sendo o drive C. Isto é o que chama-
mos de “partição única”. Para fazer a partição única, basta responder a todas
as perguntas do FDISK com ENTER. Por exemplo, no menu apresentado na
figura 87, ao respondermos ENTER, estaremos escolhendo a opção 1 (Criar
Partição do DOS ou Unidade Lógica do DOS). Nossa intenção é criar uma
única partição que ocupe o disco rígido inteiro. Como esta será a única
partição do disco, será chamada de Partição Primária. Quando o disco rígido
é dividido em vários drives, temos que criar uma partição primária (que será
usada como drive C) e uma partição estendida (que englobará os drives
lógicos restantes). Mais tarde veremos como fazê-lo. Ao responder à tela da
figura 87 com ENTER, será apresentada uma outra tela, mostrada na figura
88.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-75
Figura
11.88
Comandando a
criação de uma
partição primária.

Ao respondermos ENTER na tela da figura 88, estaremos escolhendo a


opção 1 (Criar Partição Primária do DOS). Será então apresentada a tela
indicada na figura 89.

Figura
11.89
Criando uma
partição primária
ocupando todo o
disco rígido.

É perguntado se desejamos utilizar o tamanho máximo disponível para a


partição primária, ou seja, o drive C. Ao teclar ENTER, estaremos
respondendo “Sim”, e estará pronta a partição. Será então mostrada a tela da
figura 90. Conforme a tela explica, é preciso reiniciar o computador para que
as alterações feitas pelo FDISK passem a ter efeito.
11-76 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.90
Terminado o
trabalho do FDISK

Depois de realizar um novo boot (obviamente através do nosso disquete de


inicialização, já que o disco rígido ainda não está totalmente preparado para
uso), podemos usar o programa FORMAT. Antes de usar o FORMAT, o
disco rígido ainda está inacessível. Observe na figura 91 o que acontece se
tentarmos acessar o drive C, usando o comando “DIR C:”.

Figura
11.91
O drive C ainda
não pode ser
acessado.

A mensagem de erro deve-se ao fato do drive C ainda não ter passado pela
formatação lógica. Para formatar o drive C, usamos o comando:

FORMAT C:

Será apresentada a seguinte mensagem:

AVISO:
TODOS OS DADOS NA UNIDADE NÃO-REMOVÍVEL C: SERÃO PERDIDOS!
Continuar com a formatação (S/N)?s
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-77

Respondemos “S”, e depois de alguns minutos, estará terminada a


formatação. Será apresentado um relatório como o da figura 92. Observe
que no nosso exemplo, usamos um disco rígido com cerca de 16 GB.

Figura
11.92
Terminada a
formatação do
disco rígido.

Depois desta etapa, o disco rígido estará pronto para uso. Você já poderá
fazer a instalação do sistema operacional.

Formatando o disco rígido com partições múltiplas


O FDISK pode ser usado para dividir um disco rígido (drive físico) em dois
ou mais drives lógicos. Em certas situações, esta divisão pode ser
interessante. Por exemplo, podemos usar o drive lógico C para armazenar
programas, e o drive lógico D para armazenar dados. Isto facilita bastante as
operações de backup, pois teremos que fazê-lo apenas no drive D. Alguns
usuários gostam de armazenar no drive C, os programas de trabalho, e no
drive D, jogos e outras amenidades. Existem casos de PCs que são usados
por duas pessoas. Poderia ser dividido, por exemplo, em C para programas,
D para os dados do primeiro usuário, e E para os dados do segundo usuário.
Vamos ver agora como dividir o nosso disco rígido de 16 GB em três drives
lógicos:

C: 8 GB
D: 6 GB
E: 2 GB (valores aproximados)
O método apresentado pode ser usado para criar quantos drives lógicos você
desejar, até acabar com as letras do alfabeto. Obviamente, como fica muito
11-78 Como montar, configurar e expandir seu PC
difícil gerenciar um número muito grande de drives, não é conveniente
exagerar neste recurso (o que foi mesmo que gravei no meu drive T: ?).
Esta divisão também é feita através do FDISK, mas só pode ser feita en-
quanto o disco rígido ainda não possui dados armazenados, pois sempre que
alteramos o seu particionamento, os dados são perdidos. Para fazer esta
divisão, temos que executar os seguintes comandos com o FDISK:

a) Criar uma partição primária com 8 GB, que será o drive C.


b) Criar uma partição estendida ocupando todo o restante do disco rígido.
c) Criar o drive lógico D, com 6 GB dentro da partição estendida.
d) Criar o drive lógico E, com 2 GB, dentro da partição estendida.
e) Tornar ATIVA a partição primária, como veremos adiante.

OBS.: Para que seja possível criar essas partições, é necessário que não tenha sido criada nenhuma outra partição. Na
verdade podemos fazê-lo, mas para isto será preciso deletar a partição já existente, através do comando 3 do FDISK (Deletar
partição). Isto fará com que todos os dados armazenados no drive lógico correspondente sejam perdidos.

Ao executarmos o FDISK e chegarmos à sua tela principal (figura 87),


escolhemos a opção 1, pois queremos criar uma partição. Será apresentada a
mesma tela da figura 88, na qual escolhemos a opção 1, para criar a partição
primária. Quando for apresentada a tela da figura 93, ao invés de
respondermos S, devemos responder N, ou seja, não desejamos usar o disco
inteiro como uma partição única.

Figura
11.93
Dizendo NÃO à
partição única.

Finalmente será apresentada a tela da figura 94, na qual é informada a


capacidade máxima do disco, e devemos preencher quantos megabytes
queremos usar para a partição primária.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-79
Figura
11.94
O FDISK pergunta
qual será o
tamanho da
partição primária.

Figura
11.95
Criando uma
partição primária
com 8000 MB.

Observe que é sugerido o tamanho máximo do disco rígido, que no nosso


exemplo é de 16.442 MB. Devemos digitar neste campo, o tamanho que
desejamos usar. Observe a figura 95, onde escolhemos o tamanho de 8000
MB.

Uma vez escolhido o tamanho da partição primária, o FDISK apresenta uma


tela de informações como a mostrada na figura 96. Devemos teclar ESC para
continuar, voltando ao menu principal do FDISK.
11-80 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.96
A partição primária
foi criada.

Voltando à tela principal do FDISK (figura 97), observamos que é informado


o seguinte:

AVISO! Nenhuma partição está ativada, o disco 1 não será inicializável


a não ser que uma partição seja definida como ativa

Mais adiante veremos como definir a partição ativa.

Figura
11.97
Na tela principal
do FDISK, é
informado que
precisamos definir
uma partição ativa.

Chegou a hora de criar uma segunda partição, chamada de partição


estendida, que deverá ocupar todo o espaço restante no disco rígido.
Quando dividimos um disco rígido em apenas C e D, o drive C será a parti-
ção primária, e o drive D será a partição estendida. Quando dividimos um
disco rígido em mais de um drive lógico, o drive C será a partição primária,
e todos os demais drives estarão na partição estendida. Para criar uma
partição estendida, escolhemos a opção 1 (criar partição) no menu principal
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-81
do FDISK. A seguir é apresentado um outro menu, no qual devemos
escolher a opção 2 (criar partição estendida).

Será mostrada a tela da figura 98, na qual temos que indicar o tamanho da
partição estendida. O FDISK sugere usar todo o espaço restante no disco,
que no nosso exemplo é de 8440 MB. Basta responder com ENTER.
Observe que não importa se a partição estendida será toda usada como um
drive D, ou se será dividida em vários drives lógicos, nesta etapa sempre
especificamos todo o espaço restante no disco para ser usado como partição
estendida.

Figura
11.98
O FDISK pergunta
o tamanho da
partição
estendida.

Será apresentada a tela da figura 99, na qual o FDISK confirma a criação da


partição estendida. Devemos teclar ESC para continuar.

Figura
11.99
Criada a partição
estendida.
11-82 Como montar, configurar e expandir seu PC
O próximo passo é definir os drives lógicos da partição estendida. Isto não
dá nenhum trabalho, pois o próprio FDISK apresenta neste momento a tela
da figura 100, na qual temos que definir os drives lógicos da partição esten-
dida. Se quiséssemos criar apenas um drive D, bastará indicar o tamanho
máximo sugerido, teclando ENTER. No nosso caso, queremos criar um
drive D com 6000 MB e um drive E com o espaço restante, pouco mais de
2000 MB.

Figura
11.100
O FDISK pergunta
o tamanho do
drive lógico D.

Ao invés de teclar ENTER na tela da figura 100, vamos digitar o valor 6000,
para que seja criado o drive D com 6000 MB. Depois disso será mostrada
uma tela idêntica à da figura 100, mas desta vez mostrando o espaço restante,
uma vez que já foram abatidos 6000 MB. Ao teclar ENTER, usamos este
espaço restante para o drive E.

Figura
11.101
Todo o espaço
disponível na
partição estendida
foi destinado aos
drives lógicos D e
E.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-83
Será mostrado um relatório como vemos na figura 101. Devemos teclar ESC
para voltar ao menu principal do FDISK.

Não é necessário, mas se quisermos podemos usar a opção 4 do menu


principal do FDISK. Assim poderemos ver um relatório no qual são
mostradas as partições nas quais o disco rígido foi dividido.

Por último, temos que marcar a partição primária como sendo ATIVA.
Partição ativa é aquela pela qual será realizado o boot. Somente a partição
primária pode ser definida como ativa, mas esta definição não é automática.
Temos que definir a partição ativa usando o comando 2 do menu principal
do FDISK. Ao usarmos este comando, será apresentada a tela mostrada na
figura 102. Devemos digitar “1”, para que a partição primária passe a ser
ativa.

Figura
11.102
Definindo a
partição 1 como
ativa.

Figura
11.103
Término da
operação do
FDISK.
11-84 Como montar, configurar e expandir seu PC
Voltando à tela principal do FDISK, teclamos ESC para finalizar a sua ope-
ração. É apresentada a tela da figura 103. Devemos agora teclar ESC.
Voltaremos ao Prompt do MS-DOS, mas as informações definidas pelo
FDISK só estarão efetivadas a partir do próximo boot. Devemos então
executar um boot para dar prosseguimento ao processo de instalação.

Assim como ocorre no caso da partição única, quando dividimos um disco


rígido em vários drives lógicos, é preciso fazer a formatação lógica de cada
um deles. Um drive lógico que ainda não foi formatado não pode ser usado
para armazenar dados. Se tentarmos, neste momento, acessar o drive C (por
exemplo, pelo comando “DIR C:”), veremos a seguinte mensagem de erro:

Tipo de mídia inválido lendo unidade C


Anular, Repetir, Desistir?

Observe que o sistema operacional já reconhece a existência do drive C, mas


ainda não pode usá-lo. Seu uso só será permitido depois que for realizada a
formatação lógica. Para tal, usamos o programa FORMAT.COM, da
seguinte forma:

FORMAT C:

No nosso exemplo, criamos os drives lógicos D e E, e portanto, temos que


formatá-los também. Usamos então os comandos:

FORMAT D:
FORMAT E:

A figura 104 apresenta tudo o que aparece na tela durante a formatação do


drive C. Observe que nesta figura, estamos considerando que o nosso disco
rígido foi dividido em três drives lógicos, sendo que nosso drive C possui
cerca de 8000 MB.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-85
Figura
11.104
Término da
formatação do
drive C.

Ao término da formatação lógica, o drive C estará liberado para uso normal.


A figura 105 mostra o seu conteúdo logo após a formatação. Para listar este
conteúdo, usamos o comando:

DIR C: /A

OBS: No Windows 98SE e anteriores, podíamos usar o comando FORMAT C: /S, que fazia
a gravação do boot em modo MS-DOS no disco rígido. No Windows ME isto não pode ser
feito, ou seja, o boot só é feito no próprio ambiente Windows. Comandos como FORMAT C: /
S e SYS C: não funcionam no Windows ME.

Figura
11.105
Conteúdo do drive
C, recém
formatado.

A próxima etapa de software será a instalação do sistema operacional.


Entretanto o computador ainda não está pronto para isso. Convém fazer
antes alguns retoques finais, como fechar o gabinete e configurar o display
digital, por exemplo.
11-86 Como montar, configurar e expandir seu PC

Etapa 8:
Ajustes finais
Erros na montagem
Se você leu atentamente todos os capítulos deste livro anteriores à
montagem, provavelmente tudo correu bem e seu computador está em
perfeito funcionamento. Mesmo assim, existe a probabilidade do seu
computador não funcionar. As duas principais razões que podem levar a isto
são:

1) Erro em alguma das conexões realizadas


2) Peça defeituosa

Quase sempre temos uma pista que nos permite encontrar onde está a
conexão errada, ou qual a peça defeituosa. Por exemplo, suponha que
tenhamos encontrado, ao ligar o computador, a seguinte mensagem:

HDD Controller Failure

Ou seja, “Falha na controladora de disco rígido”. Este erro pode ocorrer por
defeito em uma das seguintes conexões:

 Conexão do cabo flat na interface IDE da placa de CPU


 Conexão do cabo flat no disco rígido
 Conexão da fonte de alimentação no disco rígido

Devemos checar essas conexões cuidadosamente. Um cabo flat mal en-


caixado, ou encaixado de forma invertida certamente resultará em erro.
Também convém verificar se realmente fizemos a conexão na interface IDE
primária, e não na secundária. O disco IDE também funciona ao ser ligado
na interface secundária, mas muitas vezes, esta pode estar desabilitada no
CMOS Setup, e este pode ser o motivo do problema. Mesmo quando todas
as conexões estão corretas, é possível que alguma peça esteja defeituosa:

 Disco rígido defeituoso


 Interface IDE da placa de CPU defeituosa
 Cabo flat defeituoso

É raro o aparecimento de defeitos, mas eles podem ocorrer. Por exemplo, o


disco rígido pode ter sido danificado durante o transporte.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-87
O pior tipo de erro é aquele em que não aparece imagem alguma no moni-
tor (supondo que o monitor esteja corretamente ligado), e nenhum som é
emitido pelo alto-falante. Quando este problema acontece, devemos des-
montar totalmente o computador e iniciar a montagem, passo a passo:

1) Instalar a placa de CPU, com o processador e as as memórias. Ligar o


conector (ou os conectores) da fonte de alimentação. Conectar na placa de
CPU no alto-falante e no botão de Reset. No caso de placas de CPU ATX,
devemos ligar também o conector Power Switch do painel frontal do
gabinete.

2) Neste ponto, ao ligarmos o computador, deverá ser obrigatoriamente emi-


tida uma seqüência de BEEPS pelo alto-falante. Normalmente os manuais
das placas de CPU possuem uma tabela chamada beep error code table.
Dependendo da seqüência emitida, estará sendo indicado um tipo diferente
de erro. Tais seqüências não são padronizadas. Isto significa que um BEEP
longo e contínuo poderá indicar, em uma determinada placa, um defeito na
memória DRAM, mas em outra placa poderá indicar um defeito no
processador ou no chipset. Você deverá consultar o manual da SUA placa
para identificar o defeito, em função do som emitido.

3) Todos os defeitos cuja causa suspeita seja a placa de CPU e seus compo-
nentes devem ser solucionados através da substituição da placa de CPU. A
substituição da memória pode solucionar erros relativos a esta memória.
Existem casos em que a memória não está defeituosa, e sim, mal encaixada,
ou apresentando mau contato. Uma limpeza com uma borracha nos contatos
do módulo de memória pode solucionar o problema.

4) Se o alto-falante não chega nem mesmo a emitir beeps, é possível que a


placa de CPU esteja defeituosa a ponto de não conseguir nem mesmo
executar o BIOS. Neste caso, devemos providenciar a substituição da placa
de CPU.

5) É bom lembrar também que uma fonte de alimentação defeituosa pode


causar o mau funcionamento da placa de CPU. Desde que este defeito na
fonte não seja uma sobretensão (quando a fonte gera uma voltagem acima
do normal), a placa de CPU não ficará danificada, e a substituição da fonte
resolverá o problema. Não esqueça ainda de verificar se a chave 110/220 da
fonte está na posição correta. Se estiver em 110 e for ligada em uma rede de
220 volts, a fonte queimará. Se estiver em 220 e for ligada em uma rede de
110 volts, o computador não funcionará, ou então poderá funcionar de forma
errática.
11-88 Como montar, configurar e expandir seu PC

6) Se a placa de CPU e as memórias estiverem em perfeitas condições, serão


emitidos vários beeps, que você poderá identificar (e confirmar na tabela de
beeps da sua placa de CPU) o erro como Display Memory Read/Write Error.
Este erro é causado pela ausência da placa de vídeo. Normalmente, este
erro deverá ser reportado por beeps, mas não outros erros relativos ao
microprocessador, chipset ou memória.

7) Supondo que foram emitidos beeps que indicam ausência da placa de


vídeo, podemos agora instalar a placa de vídeo e o teclado. Conectamos o
monitor na placa de vídeo. Ligamos o computador e observamos o que
ocorre na tela. Se nada aparecer, provavelmente deve existir um defeito na
placa de vídeo ou no monitor. Devemos tentar fazer a sua substituição.

8) Se existe imagem na tela, provavelmente será apresentada uma mensagem


de erro. Neste ponto, o normal é uma mensagem como “Drive Not Ready”,
pois não teremos ainda nem o disco rígido nem os drives instalados.
Tentamos entrar no CMOS Setup e usamos o comando “Auto Configuration
With BIOS Defaults”, ou então “Optimal Defaults”, ou similar. É também
possível que neste ponto sejam apresentados outros tipos de erros, através de
mensagens na tela. Muitos desses erros podem ser ainda causados por
defeitos na placa de CPU, nas memórias, na placa de vídeo e até mesmo na
fonte. Ou seja, o fato de termos chegado até aqui não nos garante que esses
módulos estejam perfeitos, apenas o BIOS não conseguiu detectar o
problema. As origens desses problemas podem ser muito variadas, e seria
muito difícil descrevê-las. Mesmo as mensagens de erro apresentadas pelo
BIOS não são padronizadas, o que torna a solução ainda mais difícil. Neste
ponto, existe uma solução muito simples, que é pedir ajuda ao suporte
técnico do seu fornecedor.

9) Se tudo correu bem até aqui, chegou a hora de conectar os drives de


disquete à placa de CPU, através do seu cabo flat. É também preciso ligá-los
na fonte de alimentação. Definimos no CMOS Setup o tipo dos drives de
disquete instalados e tentamos executar um boot através de um disquete.
Devemos ter a certeza absoluta de que este disquete realmente possui o boot,
para que não cheguemos a conclusões erradas. Se o boot não for realizado, é
possível que o problema esteja no próprio drive, no cabo flat, ou na interface
de drives da placa de CPU. A única forma de ter certeza é checando essas
conexões, e se não tivermos sucesso, trocando as peças com o fornecedor.
Experimente usar outro conector da fonte, pois é possível que um deles
esteja defeituoso. Não está descartada a possibilidade de um defeito na fonte
de alimentação.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-89

10) Se os drives de disquete estiverem funcionando, devemos instalar o disco


rígido, conectando-o na fonte de alimentação e na placa de CPU, através do
cabo flat apropriado. Usamos o comando DETECT IDE do CMOS Setup.
Neste ponto, se for exibida a mensagem HDD Controller Failure significa
que algo está errado. Ou o disco rígido está defeituoso, ou está mal
conectado na fonte, ou o cabo flat está defeituoso ou conectado de forma
errada, ou existe um defeito na interface IDE da placa de CPU. A única
forma de sair deste impasse é através de substituições.

11) Se o disco rígido estiver em perfeitas condições, pode ainda ser exibida
alguma mensagem de erro, não causada por defeito, mas pelo fato do disco
rígido não estar instalado a nível de software. Por exemplo, erros como
DRIVE NOT READY e NO ROM BASIC são normais quando o disco
rígido ainda não está totalmente instalado. Use os programas FDISK e
FORMAT para realizar a sua instalação.

É muito difícil apresentar um roteiro que permita identificar e solucionar


qualquer tipo de problema que possa ocorrer durante a montagem, apesar
dos problemas raramente ocorrerem. Se surgirem problemas, a melhor coisa
a fazer é contar com o suporte técnico do seu fornecedor.

Tabelas de códigos de erros


Como vimos, em situações de erro muito sérias, nas quais o BIOS não
consegue nem mesmo comunicar-se com a placa de vídeo, códigos de erro
são emitidos pelo alto-falante, através de uma seqüência de beeps. Você
deve tomar como base a tabela de beeps existente no manual da sua placa
de CPU. Apenas como referência, acrescentamos aqui a tabela usada pelo
BIOS AMI. Tome cuidado, pois modificações podem ser realizadas pela
própria AMI, e você deve tomar sempre como base a tabela existente no seu
manual. O BIOS AMI emite um certo número de beeps, faz uma pausa, e
repete o mesmo número de beeps, continuando indefinidamente até o
computador ser desligado. O número de beeps indicará um dos erros da
tabela abaixo.

Códigos de erro do BIOS AMI


Beeps Erro Descrição Causa provável
1 Refresh Failure (Falha no Refresh). O circuito de Refresh Placa de CPU ou me-
da placa de CPU apresenta falha. mória DRAM.
2 Parity Error Um erro de paridade foi detectado nos Placa de CPU ou me-
primeiros 64 kB de memória. mória DRAM.
3 Base 64 k Memo- Um erro ocorreu nos primeiros 64 kB de Placa de CPU ou me-
ry Failure memória. mória DRAM.
11-90 Como montar, configurar e expandir seu PC
4 Timer Not Opera- Uma falha de memória ocorreu nos Placa de CPU ou me-
tional primeiros 64 kB de memória, ou então o mória DRAM.
TIMER 1 não está operacional.
5 Processor Error O processador apresentou erro. Placa de CPU, prova-
velmente o processador.
6 8042 - Gate A20 O controlador de teclado (8042) gera o Placa de CPU.
Failure sinal A20, responsável pela entrada do
microprocessador em modo protegido.
Este erro significa que o BIOS não
consegue colocar o processador para
operar em modo protegido.
7 Processor O processador gerou uma interrupção de Placa de CPU ou
Exception exceção. processador.
Interrupt Error
8 Display Memory Ou a placa de vídeo está ausente, ou sua Placa de vídeo.
Read/Write Error memória de vídeo apresentou erro.
9 ROM Checksum Erro na memória ROM, provavelmente Memória ROM.
Error danificada.
10 CMOS Shutdown O chamado “Shutdown Register” CMOS.
Register (localizado no CMOS) apresentou erro.
Read/Write Error
11 Cache memory Falha na memória cache. Memória cache ou
bad - do not en- placa de CPU.
able cache

Nos erros com 1, 2 e 3 beeps, verifique se os módulos de memória estão


bem encaixados. Se continuarem, troque as memórias.

Para os erros com 4, 5, 7 e 10 beeps, a placa de CPU provavelmente está


defeituosa e deve ser devolvida para troca.

Para o erro de 6 beeps, encaixe melhor o chip 8042 (Keyboard controller /


Keyboard BIOS) no seu soquete. Este chip é encontrado nas placas de CPU
mais antigas. Experimente também usar outro teclado. Nas placas modernas,
ele está embutido no chipset, portanto será o caso de trocar a placa de CPU
em caso de problemas.

Para o erro de 8 beeps, troque a placa de vídeo. Em placas de CPU com


vídeo onboard e memória de vídeo compartilhada, troque os módulos de
memória.

O erro de 9 beeps indica defeito na ROM que armazena o BIOS. Será


preciso trocar a placa de CPU, já que não encontramos no Brasil, BIOS
avulsos.

O BIOS Award não opera com tantos códigos de erro. Utiliza apenas os
mostrados na tabela abaixo:
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-91
Código Significado
1 beep curto Sistema normal, sem erros.
Beeps longos e repetidos Memória RAM não foi detectada, pode estar
defeituosa ou mal encaixada
1 beep longo e 3 curtos Placa de vídeo não detectada, ou memória de vídeo
ruim.
Beeps agudos e irregulares Processador apresenta aquecimento excessivo. A
durante o uso normal do placa de CPU reduz a sua velocidade para reduzir
computador o aquecimento.

Os BIOS da Phoenix utilizam seqüências de beeps um pouco diferentes.


Cada série é composta de 4 mini-seqüências. Por exemplo, a série 1-2-2-3
consiste em um beep, uma pausa, dois beeps, uma pausa, dois beeps, uma
pausa, três beeps e uma pausa mais longa. A seguir estão as séries usadas:

Série Descrição da Phoenix Causa provável


1-2-2-3 BIOS ROM checksum Defeito na ROM
1-3-1-1 Test DRAM refresh Defeito na DRAM ou no chipset
1-3-1-3 Test 8742 Keyboard Controller Defeito na interface de teclado
1-3-4-1 RAM failure on address line xxxx DRAM
1-3-4-3 RAM failure on data bits xxxx DRAM
1-4-1-1 RAM failure on data bits xxxx DRAM
2-1-2-3 Check ROM copyright notice Defeito na ROM, ou ROM adulterada
2-2-3-1 Test for unexpected interrupts Defeito no chipset ou em interfaces
1-2 Search for option ROMs. One long, Defeito em ROMs de placas de expansão
two short beeps on checksum failure

Por mais que se esforcem, essas tabelas de códigos de erros não informam
com precisão a causa do erro. Devem ser consideradas apenas como pistas
para o solucionamento de problemas. Na prática, o troca-troca de peças é o
que mais ajuda a detectar um defeito.

Placa de diagnóstico
Para quem trabalha profissionalmente, vale a pena adquirir uma placa de
diagnóstico. Esta placa é conectada a um slot da placa de CPU, e informa
em um display, um código de dois dígitos. Este código indica qual é a
operação que o BIOS está prestes a realizar. Quando o PC trava no início do
boot, antes mesmo de apresentar mensagens no monitor ou na
impossibilidade de emitir beeps, o código apresentado neste display dá uma
idéia da operação na qual ocorreu o erro. Por exemplo, se o display indica
“vou testar a memória” e a seguir trava, significa que o problema está
provavelmente na memória. Não é justificável comprar uma placa de
diagnóstico se você pretende montar apenas o seu próprio PC. Mas vale
muito a pena para quem trabalha com manutenção e para quem vai
produzir muitos PCs.
11-92 Como montar, configurar e expandir seu PC

Figura 11.106
Uma placa de diagnóstico para teste de fonte.

Existem ainda placas de diagnóstico que testam a fonte de alimentação. Elas


mostram no seu display digital, os valores de tensão gerados pela fonte, bem
como os níveis de oscilação existentes nessas tensões. Defeitos na fonte
podem ser diagnosticados com este tipo de placa. Tanto as placas para teste
de fonte como as usadas na exibição de códigos de erro podem ser
encontradas em versões ISA e PCI. Você encontrará em
www.laercio.com.br/livro26.htm, artigo com detalhes sobre essas placas.

Configurando o display digital do gabinete


Há alguns anos atrás podíamos afirmar que todos os gabinetes possuíam um
display digital para indicação do clock do processador. Esses displays são na
verdade enfeites. Eles não medem o clock do processador, e sim, são
programados para apresentar um número fixo. Ao longo dos anos foram
usados os seguintes tipos de displays nos gabinetes dos PCs:

2 dígitos: Padrão 88, mostra números de 00 a 99


2 ½ dígitos: Padrão 188, mostra números de 000 a 199
3 dígitos: Padrão 888, mostra números de 000 a 999

Entre 1985, época em que os displays começaram a ser usados, e 1995,


quando os computadores ainda não haviam chegado aos 100 MHz, era
suficiente utilizar displays de 2 dígitos. Com a chegada do 486DX4-100 e do
Pentium-100, foi preciso utilizar mais um dígito. Para reduzir o custo, os
fabricantes usaram o que chamamos de “display de 2 dígitos e meio”. Ele
possui algarismos das unidades e dezenas normais, mas o algarismo das
centenas é fixo em 1. Era adequado aos PCs de 100, 120, 133, 150, 166 e 180
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-93
MHz. Com a chegada dos modelos de 200 MHz, tornou-se necessário o uso
dos displays de 3 dígitos, que podem representar números até 999. Com a
chegada do Pentium III e Athlon de 1000 MHz, seria necessário adotar
displays de 3 ½ ou 4 dígitos. Curiosamente não foi isso o que ocorreu.
Parece que o display saiu da moda. Os gabinetes modernos têm outros
atrativos visuais, como partes coloridas, translúcidas e até prateadas. O
próprio design do gabinete tem ficado mais bonito, não é mais simplesmente
uma caixa de metal. Em função do novo design dos gabinetes modernos, o
display digital realmente caiu em desuso. Ainda assim você pode precisar
configurar um gabinete antigo, ou então pode encontrar algum modelo novo
mas equipado com display. Nesse caso é bom que seja programado o valor
correto, mesmo que isto não influencie no funcionamento do computador.
Para essa tarefa é indispensável o manual do gabinete.

Mostraremos aqui alguns exemplos de configurações de displays. Através do


entendimento desses exemplos, o leitor terá uma chance muito maior de
entender o seu display em particular.

Exemplo 1
A figura 107 mostra um exemplo de display de dois dígitos. Os dois dígitos
são chamados de “dígito 2” (dezenas) e “dígito 1” (unidades). Cada dígito é
formado por 7 segmentos, chamados de A, B, C, D, E, F, G. Este display
possui 14 grupos de pinos de seleção para controlar individualmente cada
um dos 7 segmentos dos seus dois dígitos.

Figura
11.107
Exemplo de conexões de um
típico display de 2 dígitos.

A figura 107 mostra com mais detalhes, na sua parte direita, um desses 14
grupos de pinos de seleção. Existe um pino no meio e mais três pinos,
chamados no caso de A, B e C. Um jumper deve ser colocado ligando o
11-94 Como montar, configurar e expandir seu PC
pino do meio ao pino A, B ou C, dependendo dos valores a serem indicados
na velocidade alta e na baixa. O significado das ligações é descrito na tabela
seguinte:

Ligação Funcionamento
Meio ligado em A Segmento acende apenas na velocidade baixa
Meio ligado em B Segmento acende nas velocidades alta e baixa
Meio ligado em C Segmento acende apenas na velocidade alta
Sem ligação Segmento fica apagado em ambas as velocidades

No caso da figura 107, um jumper está ligando o pino do meio ao pino "A".
Significa que o segmento controlado por esse grupo de pinos ficará aceso
quando o computador estiver em velocidade baixa e apagado quando em
velocidade alta.

Note que a existência de duas velocidades, “alta” e “baixa” também caiu em


desuso nos computadores modernos, o que também contribui para reduzir a
utilidade dos displays digitais. Certos programas antigos não funcionavam
corretamente em PCs muito velozes. Os computadores utilizavam um botão
TURBO para controlar a velocidade do processador. Reduzindo a
velocidade, os programas problemáticos poderiam funcionar. O display era
muito importante para indicar a velocidade em uso (por exemplo, 16 MHz /
33 MHz). Programas atuais não têm dificuldade alguma para funcionar em
PCs velozes, e o uso de velocidades alta/baixa caiu em desuso, assim como o
botão TURBO. Mesmo assim muitos displays ainda aceitam ser
programados com dois valores diferentes, correspondentes a uma velocidade
alta (“turbo”) e uma baixa (“normal”).

Para configurar um display com essas características deve ser determinado


que segmentos ficarão acesos ou apagados em velocidade alta e em
velocidade baixa. Suponha que uma placa de CPU possui as seguintes
velocidades:

Alta: 75 MHz
Baixa: 16 MHz

Desenham-se os números 75 e 16, conforme indicado na figura 108. Deve ser


observado o nome que recebe cada segmento (1A, 2B, etc). A partir desses
valores é construída uma tabela que mostra como cada segmento deve ficar
em velocidade alta e em baixa, e determina-se como cada grupo de pinos
indicados na figura 2 deve ser configurado. A figura 3 mostra esses dois
valores. Observe os nomes que são dados aos segmentos do display. Os
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-95
segmentos de um dígito de um display são sempre nomeados com as letras
“A” até “G”, seguindo a ordem:

O manual do display do nosso exemplo chamou o dígito das dezenas de “2”,


e o das unidades de “1”. Portanto, os segmentos dos dois dígitos recebem os
seguintes nomes:

Levando em conta os nomes desses segmentos, e levando em conta que


desejamos que sejam apresentados os números 75 e 16, chegamos à figura
108.

Figura 11.108
Valores a serem apresentados pelo display.

De posse desta figura, observamos cada um dos segmentos e determinamos


como cada um deles deve se comportar nas velocidades alta e baixa. Alguns
deles ficam apagados em ambas as velocidades, como o 2G. Outros ficam
11-96 Como montar, configurar e expandir seu PC
acesos em ambas as velocidades, como o 1A. Existem os que acenderão
apenas na velocidade alta, como o 2A, e os que acenderão apenas na
velocidade baixa, como o 1E. Podemos então construir a seguinte tabela:

Segmento Alta Baixa Jumper


1A aceso aceso Meio ligado em B
1B apagado apagado Sem ligação
1C aceso aceso Meio ligado em B
1D aceso aceso Meio ligado em B
1E apagado aceso Meio ligado em A
1F aceso aceso Meio ligado em B
1G aceso aceso Meio ligado em B
2A aceso apagado Meio ligado em C
2B aceso aceso Meio ligado em B
2C aceso aceso Meio ligado em B
2D apagado apagado Sem ligação
2E apagado apagado Sem ligação
2F apagado apagado Sem ligação
2G apagado apagado Sem ligação

Levando em conta essas ligações, os jumpers do displays devem ser insta-


lados da forma como mostra a figura 109.

Figura 11.109
Display do exemplo 1 com os jumpers configurados para
exibir os números 75 e 16.

Exemplo 2
Vemos nas figuras 110 e 111 um outro exemplo de manual de gabinete.
Desta vez, estamos apresentando um display de “dois dígitos e meio” (1XX),
que pode apresentar valores até 199 MHz. Na figura 110 vemos que existe
um conjunto de jumpers que define os valores apresentados pelo dígito das
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-97
unidades (one’s place) nos modos Turbo e Normal. Outro bloco de jumpers
define os valores que serão apresentados pelo dígito das dezenas (ten’s place)
no modo Turbo e no modo Normal. A ligação H-2, quando realizada,
acenderá o dígito 1 das centenas quando em modo Turbo. A ligação H-1
acenderá o dígito 1 das centenas em modo Normal (o que em geral não
ocorre, pois a velocidade baixa é sempre inferior a 100 MHz). Caso o com-
putador não chegue a ultrapassar os 100 MHz, o dígito das centenas deve
permanecer sempre apagado, tanto em Turbo como em Normal. Nesse caso,
basta não realizar as ligações H-1 nem H-2.

Figura 11.110
Exemplo de manual de um display -
diagrama de jumpers.

A tabela da figura 111 possui linhas que definem o dígito desejado em modo
Turbo, e as colunas definem o dígito desejado em modo normal. Considere
por exemplo que o computador opera em 120 MHz quando em Turbo, e
em 16 MHz quando em modo Normal. Comecemos pelo dígito das
unidades. Queremos que sejam exibidos “0” em Turbo e “6” em Normal.
Fazendo o cruzamento da linha “0” com a coluna “6”, encontramos a
indicação das ligações que devem ser feitas no “one’s place”:

3A, 2B, 3C, 3D, 3E, 3F e 1G.


11-98 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.111
Exemplo de manual de um
display - tabela de ligações.

Da mesma forma, o dígito das dezenas deve apresentar “2” quando em


Turbo e “1” quando em Normal. Cruzando a linha “2” com a coluna “1”,
chegamos às ligações que devem ser realizadas no “ten’s place”:

2A, 3B, 1C, 2D, 2E e 2G.

Com esses valores, instalamos os jumpers conforme mostra a figura 110. Na


verdade esta figura, além de identificar os pinos A, B, C, etc, também traz
indicadas as ligações que devem ser feitas para que sejam representados os
números do exemplo (120 e 16).

Existem diversos displays de dois dígitos (XX) que utilizam um sistema


idêntico ao deste exemplo. A diferença principal é a inexistência das ligações
H-1 e H-2.

Exemplo 3
Finalmente apresentamos nas figuras 112 e 113, o manual de um display de
três dígitos (XXX), capaz de representar valores até 999 MHz. Observe como
é grande a semelhança com o display do exemplo 2. A principal diferença é
que neste existem três grupos de jumpers, para a definição do dígito das
unidades (one’s), dezenas (ten’s) e centenas (hun’s).
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-99
A tabela da figura 113 mostra as ligações que devem ser feitas em cada bloco
para que sejam representados os valores desejados em modo Turbo e em
modo Normal. As linhas representam os valores desejados em modo Turbo,
e as colunas mostram os valores desejados em modo Normal. Suponha que
queremos, como exemplifica a figura, programar os valores 220 (Turbo) e
116 (Normal). Devemos utilizar a tabela três vezes, uma para cada dígito
(unidades, dezenas e centenas).

Figura 11.112
Exemplo de manual de um display -
diagrama de jumpers.

O dígito das unidades deve representar os valores “0” em Turbo e “6” em


Normal. Fazemos então o cruzamento da linha “0” com a coluna “6”, e ob-
temos assim as ligações que devem ser feitas no one’s place:

3A, 2B, 3C, 3D, 3E, 3F, 1G.

O dígito das dezenas deve representar os valores “2” em Turbo e “1” em


Normal. Fazemos então o cruzamento da linha “2” com a coluna “1”, e ob-
temos assim as ligações que devem ser feitas no ten’s place:

2A, 3B, 1C, 2D, 2E, 2G.

Finalmente, o dígito das centenas deve representar os valores “2” em Turbo


e “1” em Normal. Fazemos então o cruzamento da linha “2” com a coluna
“1”, e obtemos assim as ligações que devem ser feitas no hun’s place:

2A, 3B, 1C, 2D, 2E, 2G.


11-100 Como montar, configurar e expandir seu PC
Figura
11.113
Exemplo de manual de um
display - tabela de ligações.

De posse dessas informações, programamos os três grupos de jumpers, como


vemos na própria figura 112.

Turbo Low e Turbo High


Aqui está uma questão que gera dúvidas quando fazemos a configuração de
um display. Veja por exemplo o display da figura 112, e observe que existem
duas opções para a ligação do display na saída “Turbo LED” da placa de
CPU:

S+ Ligar na conexão para o anodo do Turbo LED na placa de CPU


S- Ligar na conexão para o catodo do Turbo LED na placa de CPU

Dos dois terminais de um LED, chamamos de anodo aquele por onde a


corrente elétrica entra no LED, e chamamos de catodo aquele por onde a
corrente elétrica sai do LED. Existem duas formas de implementar os dois
terminais do conector para o Turbo LED na placa de CPU:

1) Deixar um terminal ligado em uma tensão fixa de 5 volts, e pelo outro


terminal, “puxar” corrente para que o LED acenda. No primeiro terminal,
deve ser ligado o anodo do Turbo LED, e no outro é ligado o catodo do
Turbo LED. Este método é chamado de TURBO LOW.
Capítulo 11 – Montagem de PCs 11-101
2) Deixar um terminal ligado em uma tensão fixa de 0 volts, e pelo outro
terminal, “empurrar” corrente para que o LED acenda. No primeiro
terminal, deve ser ligado o catodo do LED, e no outro deve ser ligado o
anodo. Este método é chamado de TURBO HIGH.

Em ambos os casos, um terminal do conector Turbo LED da placa de CPU


permanece com uma tensão fixa, seja ela de 0 ou 5 volts. Este terminal de
tensão fixa não pode controlar o display, exatamente porque sua tensão é
constante, não importa se a placa de CPU está em velocidade Turbo ou
Normal. O outro terminal é o que deve ser usado, mas a princípio não sa-
bemos se ele irá “empurrar” ou “puxar” corrente quando for ativado o modo
Turbo. Por esta razão, certos displays possuem dois pontos de conexão,
como o exemplificado na figura 112. O ponto S+ é usado para placas de
CPU que operam em modo TURBO HIGH, e o ponto S- é usado para
conexão com placas de CPU que operam em TURBO LOW.

Check-up de hardware
Se você acaba de montar o computador e não encontrou problemas,
provavelmente todo o seu hardware está em perfeitas condições. Mais certo
ainda deste perfeito funcionamento você estará se instalar o sistema
operacional e tudo continuar normal, sem defeitos aparentes. A chance de
ocorrer algum problema é muito remota. Se o computador é para seu uso
pessoal, você pode começar a instalar programas e usá-los, ou seja, o
computador estará liberado para uso normal. Se um dia ocorrer algum
problema você poderá investigar, mas não vale a pena perder muito tempo,
depois da montagem e da instalação do sistema operacional, testando
exaustivamente um computador que aparentemente funciona bem.

O mesmo não podemos dizer se este computador vai ser vendido. Aquele
que monta um computador para uso próprio está preparado para resolver
eventuais futuros problemas, afinal ele é o “pai da criança”. Já o usuário que
compra um computador pronto não quer saber de problemas. Ele quer um
computador infalível, e ficará muito decepcionado se ocorrerem problemas.
Por isso, aqueles que montam computadores para vender devem testá-lo
exaustivamente antes que sejam entregues ao seu cliente.

Para realizar esses testes existem os chamados Softwares de Diagnóstico. São


programas que podem ser utilizados antes da instalação do sistema
operacional, e testam a placa de CPU, o processador, as memórias, os discos
e demais dispositivos instalados no computador. Os testes realizados por
esses programas são muito mais rigorosos (e demorados) que os efetuados
pelo BIOS, e têm condições melhores de encontrar problemas não
11-102 Como montar, configurar e expandir seu PC
percebidos. Apesar de não serem totalmente infalíveis, os fabricantes de
computadores que trabalham de forma séria devem sempre realizar um
check-up de hardware usando programas de diagnóstico.

Existem vários programas de diagnóstico disponíveis no mercado. Alguns


custam caro, outros são mais baratos. Alguns podem ser encontrado nos CDs
vendidos em revistas especializadas, outros podem até ser obtidos
gratuitamente em versão demo, pela Internet. Os mais famosos programas de
diagnóstico são o AMI Diag, o Norton Diagnostics e o PC-Ckeck. Você
encontrará em www.laercio.com.br/livro26.htm, informações sobre como
obter e tutoriais sobre o uso desses programas.

Figura
11.114
PC-Check, um
excelente programa
para fazer check-up
de hardware.

////////////////////////////////////