Você está na página 1de 30

Fascículo 3

Edição revisada 2016 Unidades 5 e 6


GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Governador Vice-Governador
Luiz Fernando de Souza Pezão Francisco Oswaldo Neves Dornelles

SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Secretário de Estado
Gustavo Reis Ferreira

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

Secretário de Estado
Antônio José Vieira de Paiva Neto

FUNDAÇÃO CECIERJ

Presidente
Carlos Eduardo Bielschowsky

PRODUÇÃO DO MATERIAL CEJA (CECIERJ)

Diretoria Adjunta de Material Didático Coordenação de Produção


Cristine Costa Barreto Fábio Rapello Alencar
Elaboração de Geografia Projeto Gráfico e Capa
Fernando Sobrinho Andreia Villar
Rejane Rodrigues
Robson Novaes da Silva Imagem da Capa e da Abertura
das Unidades
Atividade Extra de Geografia Andreia Villar
João Alexandre dos Santos Felix
Marcos Antonio Teixeira Ramos Diagramação
Maria Aparecida Bastos Correia da Silva Guerra Alessandra Nogueira
Teresa Telles Bianca Lima
Zoraia Santos da Costa Rocha Juliana Fernandes
Juliana Vieira
Desenvolvimento Instrucional Patrícia Seabra
Elaine Perdigão Ronaldo d' Aguiar Silva
Heitor Soares de Farias
Rômulo Batista Ilustração
Marcelo Franco Lustosa Clara Gomes
Fernando Romeiro
Revisão de Língua Portuguesa Jefferson Caçador
Paulo Cesar Alves Sami Souza
Coordenação de Produção Gráfica
Desenvolvimento Instrucional Verônica Paranhos
Flávia Busnardo
Paulo Vasques de Miranda
Sumário
Unidade 5 | A distribuição desigual dos indicadores
de qualidade de vida no espaço brasileiro e mundial 5

Unidade 6 | Mobilidade Humana – As motivações


da mobilidade humana, tipos de migrações.
A busca por melhores condições de vida 31
Prezado(a) Aluno(a),

Seja bem-vindo a uma nova etapa da sua formação. Estamos aqui para auxiliá-lo numa jornada rumo ao

aprendizado e conhecimento.

Você está recebendo o material didático impresso para acompanhamento de seus estudos, contendo as

informações necessárias para seu aprendizado e avaliação, exercício de desenvolvimento e fixação dos conteúdos.

Além dele, disponibilizamos também, na sala de disciplina do CEJA Virtual, outros materiais que podem

auxiliar na sua aprendizagem.

O CEJA Virtual é o Ambiente virtual de aprendizagem (AVA) do CEJA. É um espaço disponibilizado em um

site da internet onde é possível encontrar diversos tipos de materiais como vídeos, animações, textos, listas de

exercício, exercícios interativos, simuladores, etc. Além disso, também existem algumas ferramentas de comunica-

ção como chats, fóruns.

Você também pode postar as suas dúvidas nos fóruns de dúvida. Lembre-se que o fórum não é uma ferra-

menta síncrona, ou seja, seu professor pode não estar online no momento em que você postar seu questionamen-

to, mas assim que possível irá retornar com uma resposta para você.

Para acessar o CEJA Virtual da sua unidade, basta digitar no seu navegador de internet o seguinte endereço:

http://cejarj.cecierj.edu.br/ava

Utilize o seu número de matrícula da carteirinha do sistema de controle acadêmico para entrar no ambiente.

Basta digitá-lo nos campos “nome de usuário” e “senha”.

Feito isso, clique no botão “Acesso”. Então, escolha a sala da disciplina que você está estudando. Atenção!

Para algumas disciplinas, você precisará verificar o número do fascículo que tem em mãos e acessar a sala corres-

pondente a ele.

Bons estudos!
A distribuição desigual dos
indicadores de qualidade
de vida no espaço brasileiro
e mundial

Fascículo 3
Unidade 5
A distribuição
desigual dos
indicadores de
qualidade de
vida no espaço
brasileiro e
mundial
Para início de conversa...

Você já recebeu a visita de um recenseador na sua casa? Que perguntas fo-

ram feitas? Com elas, será possível avaliarmos a qualidade de vida do brasileiro?

A cada dez anos, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística) realiza o

Censo Demográfico, através do qual faz o levantamento e divulga informações sobre

a população do país. Por meio das informações que compõem os questionários dos

Censos, os principais institutos de pesquisa, as universidades e os poderes públicos

(municipal, estadual e federal) podem traçar um perfil da vida da população brasileira

e indicar uma agenda para a implementação de políticas públicas.

Portanto, embora muita gente não se dê conta, o Censo é de extrema im-

portância para que sejam identificadas as características e dinâmicas de uma po-

pulação, podendo e devendo servir como instrumento para melhoria das condi-

ções de vida.

Você acompanhou na TV, no rádio ou nos jornais alguns dos resultados do

último Censo? Realizado, em 2010, pelo IBGE, foram pesquisados, dentre outras in-

formações, o número de cômodos e de banheiros, o destino do esgoto e do lixo,

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 7


o fornecimento de água e de energia elétrica, nível de escolaridade e de renda. Cada uma destas informações são

denominadas de indicadores. Através da análise do comportamento desses indicadores, os institutos de pesquisa e

os órgãos do governo obtêm um panorama das condições de vida dos brasileiros.

Veja alguns dos resultados publicados sobre o Censo 2010.

IBGE aponta aumento de brasileiros que se declaram pardos ou pretos


Soma de ambos os grupos representam 50,7% de toda população; brancos não são mais maioria.

(Estado de S. Paulo, 22 de julho de 2011)

Censo 2010: População diminuiu em apenas sete dos 92 municípios do Rio

O Censo 2010... revelou que a população diminuiu em apenas sete dos 92 municípios do Rio de Janeiro, em
comparação com os dados de 2000. São eles: Miracema, Itaocara, Cantagalo, Natividade, Cardoso Moreira,
Santa Maria Madalena e Laje do Muriaé.

(O Globo, 30/11/2010)

Censo 2010 aponta envelhecimento da população brasileira

Segundo os dados do Censo 2010, todas as faixas etárias até 25 anos têm peso menor na população do que
em 2000, ao passo que os demais grupos ampliaram sua participação.

(Folha de S. Paulo, 29/04/2011)

A leitura das manchetes mostra-nos a grande importância dos dados demográficos. Através deles, podemos

compreender como vive a população brasileira, quais as suas carências e necessidades. A leitura e compreensão dos da-
dos demográficos (natalidade, mortalidade, fecundidade, expectativa de vida etc.) e a identificação das variações entre

diferentes regiões, caracterizando as desigualdades presentes em nosso país é o objetivo desta unidade. Bons estudos!

Objetivos de aprendizagem

ƒƒ Compreender a importância dos recenseamentos demográficos, para a definição de políticas públicas.

ƒƒ Analisar dados dos Censos Demográficos do IBGE.

ƒƒ Identificar as disparidades socioespaciais no Brasil, através da análise de dados dos Censos.

8
Seção 1
A população brasileira no Censo 2010

Vamos analisar, agora, alguns dos principais resultados observados a partir do Censo sobre as características e

dinâmicas da população brasileira. A seguir, selecionamos alguns dados obtidos pelo Censo 2010 (Tabela 1).

Total de habitantes 190.755.799

Total de homens 93.406.990

Total de mulheres 97.348.809

Total de habitantes domicílio próprio 42.009.545

Total de habitantes domicílio alugado 10.503.498

Total de pessoas alfabetizadas 157.621.260

Tabela 1 – resultados do Censo 2010


Fonte: Censo IBGE, 2010

Da leitura da tabela, podemos observar que, em 2010, o Brasil possuía mais de 190 milhões de habitantes, dentre

os quais cerca de 93 milhões eram homens e 97 milhões eram mulheres. Outro dado apresentado na tabela revela que,

dos mais de 190 milhões de brasileiros, 42 milhões viviam em imóveis próprios, enquanto 10 milhões ocupavam domicí-

lios alugados. O Censo mostrou também, segundo a tabela, que temos cerca de 157 milhões de brasileiros alfabetizados.

Vejamos, agora, a representação do dado sobre população em um mapa do Brasil (Mapa 1). Lembre-se de que,

segundo os dados do Censo 2010, nosso país abriga hoje mais de 190 milhões de habitantes.

Figura 1: Mapa 1 - Volume de habitantes nos estados brasileiros – Brasil, 2010

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 9


O Mapa 1 representa a população residente no Brasil, ou seja, todos os habitantes do país. Para a represen-

tação do volume de habitantes em cada estado brasileiro, o IBGE utilizou cores. Na legenda, as cores mais claras

representam os estados com menores volumes de população (são os estados menos populosos), enquanto as cores

mais fortes representam os estados com maiores contingentes de habitantes (são os estados mais populosos). Se

substituirmos a cor por bonequinhos, teremos mais bonequinhos nos estados de cor escura e menos bonequinhos

nos estados de cor clara.

Assim, no Mapa 1, de acordo com a legenda, os estados do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro,

Minas Gerais, Bahia e Pernambuco, pintados com as cores mais fortes, concentram um volume maior de população.

Roraima, Amapá, Acre, Rondônia e Tocantins que aparecem pintados com cores mais claras, concentram os menores

contingentes de habitantes.

Uma primeira conclusão que podemos obter da análise deste mapa é que, no que se refere à distribuição da

população pelo território, o Brasil não é um país homogêneo. Quer dizer, existem estados com maiores volumes e

densidades de população e outros com menores volumes e densidades de população.

O mesmo vale para outros dados, número de homens e de mulheres, de domicílios próprios e alugados, de

pessoas alfabetizadas, dentre outros dados divulgados pelos Censos.

Seção 2
Um Brasil de desigualdades

Como vimos, o Censo do IBGE apresenta um retrato do nosso país, mas não podemos esquecer que estes indi-

cadores variam. Eles podem variar entre estados, entre grupos da população e entre as regiões do país. Veja os dados

divulgados pelo IBGE na reportagem do jornal O Globo, de 29/04/2011.

O presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Pereira Nunes, divulgou...
os dados preliminares do Censo 2010... Quase metade dos domicílios brasileiros ainda não tem acesso à rede
de esgoto: 55,45% têm o serviço. Em 2000, 47,3% tinham acesso e, em 1991, 35,5%... Os números das regiões
mostram a desigualdade latente no Brasil. Enquanto no Sudeste, essa proporção atinge 81% dos lares; no Nor-
te, não chega a 13,9%. No Nordeste, também fica muito aquém da média nacional: 33,9%.

Cerca de 60% dos domicílios brasileiros têm renda domiciliar per capita de até 1 salário mínimo. Até 2
salários, a proporção sobe para 82,4%. No Nordeste, a situação é mais grave: são 80,3% dos lares com ganhos
de até um salário mínimo per capita. Já a taxa de analfabetismo é de 9,7% entre brasileiros com mais de 15 anos.
Para especialistas, o avanço foi pequeno, de quatro pontos percentuais. Ainda há 132 mil domicílios, chefiados
por crianças de 10 a 14 anos.

10
Por causa dessas desigualdades entre as regiões brasileiras, o economista Edmar Bacha utilizou, nos anos 1970,

o termo Belíndia. Ele servia para caracterizar a heterogeneidade do Brasil. Em algumas regiões, nosso país se parece-

ria com a Bélgica, um país desenvolvido; noutras, o Brasil aproximava-se da Índia, cuja população encontrava-se em

condições de extrema pobreza.

Desde então, muitas coisas mudaram no Brasil, na Bélgica e na Índia, mas as desigualdades espaciais em nosso

país parecem se manter. Leia o ensaio de Claudio Moura e Castro, publicado na revista Veja, de 03/12/1997.

No início dos anos 1970, Edmar Bacha inven- Examinemos agora os menos desenvolvidos.
ta o termo Belíndia para denominar este nosso país O Nordeste tem índices baixíssimos. (...)
heterogêneo que conteria uma Bélgica rica e uma
Comparando o índice da Paraíba com os
Índia miserável.(...)
do PNUD, encontramos que está praticamente no
Podemos inicialmente comparar as Bélgicas mesmo nível da Índia, que está dentre os quarenta
(excluindo as capitais). No Brasil, o Rio Grande do mais pobres do mundo, próximo da Costa do Mar-
Sul aparece claramente à frente de todos os outros fim, Bolívia e Egito.
estados. Santa Catarina vem em terceiro lugar e São
Em suma, não chegamos à Bélgica(...) Mas no
Paulo em quarto. (...) É verdade, o Rio Grande do Sul
extremo inferior estamos praticamente empatados
não atinge a Bélgica, mas chega ao respeitável nível
com a Índia. (...) Muito literalmente, são “dois Brasis”.
da Coreia (próximo de Costa Rica, Uruguai e Chile).
São Paulo, a “locomotiva” do país, compara-se com Convivem no mesmo território estados es-
a Rússia e com a Polônia. candalosamente diferenciados.

Como vimos, apesar de os dados demográficos apresentarem um retrato homogêneo do Brasil, nosso país é

marcado por profundas diferenças que os aproximam ora a países mais ricos ora àqueles mais pobres e com maiores

problemas sociais. Por isso, é importante que não percamos de vista que os indicadores refletem, no mais das vezes,

médias do comportamento de determinado aspecto da sociedade.

Seção 3
O Índice de Desenvolvimento Humano - IDH

Você notou uma coisa? No seu artigo, o colunista Claudio Moura Castro utilizou um indicador, denominado

Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, para identificar as desigualdades sociais. Você conhece esse indicador, sabe

o que ele significa?

Em primeiro lugar, devemos ter em mente que os indicadores socioeconômicos são utilizados para a identifi-

cação e análise das condições sociais e econômicas de uma população de um estado, região ou país. Eles servem para

orientar os governos nas tomadas de decisão e definições de políticas públicas.

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 11


Dentre os indicadores socioeconômicos mais utilizados, podemos destacar o PIB (Produto Interno Bruto) , o

PIB per capita , as taxas de natalidade, mortalidade, fecundidade, a expectativa de vida, os índices de alfabeti-

zação, nível de escolaridade e evasão escolar, dentre outros. Vejamos o comportamento de alguns desses indica-

dores no período 2000-2010.

PIB
O PIB ou Produto Interno Bruto representa a soma de todos os bens e serviços finais, produzidos num
determinado país, estado ou região durante um período. É apresentado em valores monetários.

PIB per capita


O PIB per capita é obtido pela divisão do PIB pela total da população de um país. É apresentado,
também, em valores monetários. 

taxas de natalidade
A taxa de natalidade indica o percentual de crianças nascidas no total da população, durante um
ano. É representada por % (por cento).

mortalidade
A taxa de mortalidade informa quantas crianças, no período de um ano, num grupo de mil crian-
ças, morrem antes de completar um ano. É representada por %o (por mil)

fecundidade, a expectativa de vida


A esperança ou expectativa de vida indica quantos anos, em média, vivem as pessoas de um país,
estado ou região. É apresentada em anos.

os índices de alfabetização
A taxa de alfabetização indica a porcentagem de pessoas de um país, estado ou região, que são
capazes de ler e escrever. É representada por % (por cento).

nível de escolaridade
O grau de escolaridade indica o cumprimento, pela população, de um determinado ciclo de estu-
dos (fundamental ou médio ou superior...).

evasão escolar
A taxa de evasão escolar indica o percentual da população que abandonou a escola.

12
2000 2010
PIB (em trilhões) R$ 1.110.861,00 R$ 3.674.964,00
PIB per capita R$ 6.485,00 R$19.016,00
Taxa de natalidade 21,2% 16%
Taxa de mortalidade 6,9% 6%
Expectativa de vida 70,2 anos 72,9 anos
Taxa de alfabetização 90%
Grau de escolaridade 6 anos de estudos 7,2 anos de estudo
Taxa de evasão escolar 16,8% 13,2%
Tabela 2 - Indicadores socioeconômicos

Observe que alguns destes indicadores, como o PIB, são obtidos a partir de uma média. Isso significa que

apesar de apresentarem índices elevados, podem ocultar as precárias condições de vida de uma parte da população.

Por exemplo, há regiões no país que, em 2010, a taxa de alfabetização não chega a 90%; há regiões em que a taxa de

mortalidade infantil excede 6%.

Como se calcula uma média?


Vamos ver um exemplo, para você entender melhor. Numa turma de vinte alunos, na prova de Geografia
as notas foram assim distribuídas:

Notas obtidas na prova de Geografia Número de alunos


10,0 1
9,0 2
8,0 4
7,0 7
6,0 3
5,0 0
4,0 1
3,0 1
2,0 0
1,0 0
Média 7,0

De acordo com o quadro, a média da turma em Geografia foi 7,0. Com pudemos ver, isso não significa
que todos os alunos tiraram a nota 7,0, ao contrário, as notas variaram desde notas muito baixas até
notas muito altas. Se alguém souber da média 7,0 da turma, sem ter acesso à tabela, poderia dizer que
esta é uma turma de bons resultados em Geografia e o ano prosseguiria normalmente, sem nenhum
cuidado especial com os alunos que apresentaram dificuldades.

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 13


O mesmo acontece com alguns indicadores. O PIB também é um bom exemplo deste problema. Alguns países

que possuem PIB elevado têm graves problemas sociais. Esse é o caso da China que, segundo o IBGE, apresentava em

2009 um PIB de 4.984.426 milhões de dólares (entre os maiores do mundo), enquanto outros indicadores revelavam

as precárias condições de vida da população (apenas 55% da população contavam com acesso à rede sanitária).

Tentando contornar os limites de alguns indicadores, como o PIB, o economista paquistanês Mahbud ul Hag,

idealizou, em 1990, um indicador, denominado de Índice de Desenvolvimento Humano, o IDH.

O IDH deveria servir como contraponto às análises que se baseavam no PIB.

Segundo o PNUD (2010), na sua formulação, partiu-se da ideia de que “para aferir o avanço de uma
população não se deve considerar apenas a dimensão econômica, mas também outras características
sociais, culturais e políticas que influenciam a qualidade da vida humana”.

Figura 2: Qualidade de Vida como IDH.

Mas vamos ver como se chegou a este indicador da qualidade de vida das populações. No cálculo do IDH, além

da renda (PIB per capita), consideram-se a longevidade (expectativa de vida ao nascer) e a educação (analfabetismo

14
e taxa de matrícula). Da média destes três índices se obtém o IDH, que varia de zero até um. Os níveis mais baixos de

desenvolvimento humano são os mais próximos do zero e os mais altos níveis são aqueles próximos a um.

Em 2010, através do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a ONU divulgou o ranking

do IDH 2010. Do total de 169 países e territórios, selecionamos os 4 primeiros colocados, além do Brasil, para cada

nível de IDH. Veja a tabela 3.

Posição País Valor do IDH 2010


Desenvolvimento humano muito alto
1 Noruega 0.938
2 Austrália 0.937
3 Nova Zelândia 0.907
4 Estados Unidos 0.902
Desenvolvimento humano alto
43 Bahamas 0.784
44 Lituânia 0.783
45 Chile 0.783
46 Argentina 0.775
73 Brasil 0.699
Desenvolvimento humano médio
86 Fiji 0.669
87 Turcomenistão 0.669
88 República Domenicana 0.663
89 China 0.663
Desenvolvimento humano baixo
128 Quênia 0.470
129 Bangladesh 0.469
130 Gana 0.467
131 Camarões 0.460
132 Mianmar 0.451
Tabela 3 – IDH 2010
Fonte: Ranking do IDH, PNUD 2010, http://www.pnud.org.br/pobreza_desigualdade/reportagens/index.php?id01=360 0&lay=pde

Observe que, no primeiro grupo, “Desenvolvimento humano muito alto”, os índices ficam em torno de 0,9, bem

próximo a 1. Neste grupo, encontramos os países com maiores PIB e melhores condições de vida. No segundo grupo,

de “Desenvolvimento humano alto”, os índices variam de 0,7 a 0,6. Enquanto nos níveis mais baixos, “Desenvolvimen-

to humano médio e baixo”, os índices ficam em torno de 0,6 e 0,4, respectivamente. Neste grupo, estão os países com

as piores condições de vida no mundo.

Vamos agora observar a representação do IDH dos países em um mapa. Observe atentamente o Mapa 2 e

compare os países, chamados de desenvolvidos, aos países classificados como subdesenvolvidos.

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 15


Figura 3: Mapa 2 – IDH no Mundo

Em qual grupo aparecem os maiores IDH? É possível pensarmos em um terceiro grupo de países, além dos

países desenvolvidos e subdesenvolvidos? As condições de vida da população em cada um desses países são distin-

tas entre os grupos sociais mais ricos e os mais pobres, entre homens e mulheres?

Será que a observação do comportamento do IDH reforça aquela visão da década de 1970 sobre os dois Brasis,

um mais e outro menos atrasado?

Para refletir sobre essas perguntas, vamos passar agora às atividades.

Os mapas a seguir representam alguns dos principais indicadores socioeconômicos.

Compare as condições de vida da população brasileira por grupos de estados, explicando

o comportamento de cada indicador, taxa de analfabetismo (Mapa 1), esperança de vida

ao nascer (Mapa 2) e Produto Interno Bruto (Mapa 3).

Mapa 1

Indique os estados onde aparecem os mais elevados níveis de analfabetismo.


Apresente os estados com menor percentual de adolescentes analfabetos.

16
Mapa 2

Indique os estados onde aparecem os menores níveis de expectativa de vida.


Apresente os estados com maiores índices de expectativa de vida.
Mapa 3

Indique os estados onde a renda per capita é mais baixa.

Apresente os estados com os maiores níveis de renda per capita.

Com base na análise feita sobre os mapas, analise a afirmação de Edmar Bacha e de

Claudio Moura e Castro sobre os “dois Brasis”.

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 17


Objetivos do Milênio - ONU
Tomando como objetivo a defesa da dignidade humana, da igualdade e da equidade, em nível mundial,
um grupo de países reunidos na Organização das Nações Unidas (ONU), em 2000, organizou um docu-
mento, denominado Declaração do Milênio. Neste documento, são definidos os Objetivos do Milênio.

Diante das dificuldades dos países mais pobres em fazer frente a problemas fundamentais, foram defini-
das linhas de política a serem adotadas em nível mundial, baseadas em valores fundamentais: liberdade,
igualdade, solidariedade, tolerância, respeito pela natureza e responsabilidade comum. Dentre essas li-
nhas destacam-se: 1) a erradicação da extrema pobreza e da fome; 2) a expansão do ensino básico univer-
sal; 3) a promoção da igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres; 4) a redução da mortalidade
infantil; 5) a melhoria da saúde materna; 6) o combate ao HIV/Aids, malária e outras doenças; a garantia
da sustentabilidade ambiental.

Algumas informações sobre os Objetivos do Milênio podem ser obtidas nos sites do PNUD () ou do IBGE
(http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/)

Seção 4
Desigualdades: condições de vida
no campo e na cidade

Como vimos no início desta unidade, nosso país é marcado por importantes desigualdades regionais. Além

das diferenças regionais, outra desigualdade comumente ressaltada em termos de condições de vida aparece entre

áreas urbanas e rurais. Fomos impregnados por uma visão espacial da desigualdade que dá primazia à cidade em sua

luta contra o campo e que corroborou para uma imagem retrógrada do campo. Segundo esta visão, “a cidade consti-

tui o espaço da concentração da população, dos instrumentos de produção, do capital, dos prazeres e das necessida-

des, ao passo que o campo evidencia o oposto, o isolamento e a dispersão” (JOÃO RUA, 2005).

Observe as fotos e diga se podemos considerar como regra esta oposição cidade/moderno x campo/atrasado.

18
Morador de rua de Belo Horizonte Fazenda em Jataí, Goiás

Nas últimas décadas, valores, atitudes e padrões de comportamento têm sido modificados, principalmente, a

partir das cidades, definindo um processo de recriação do rural, “um novo rural”. Rural e urbano integram-se, mas sem

se tornarem a mesma coisa, já que preservam suas especificidades.

Novas atividades e funções do rural (incluindo a função de residência – primeira ou segunda – para populações

urbanas), além do importante papel da aposentadoria rural ou o trabalho em domicílio, por exemplo, marcam estas

novas formas de integração rural-urbana.

Para se ter uma ideia das mudanças na relação rural-urbano, observe o gráfico a seguir.

Gráfico 1 - Evolução da População Economicamente Ativa Agrícola e Não Agrícola no Estado do Rio de Janeiro

Mas você sabia que o campo tem sido crescentemente utilizado por outras atividades humanas que não ape-

nas a agricultura?

Existe um consenso na literatura mundial e no Brasil de que a agricultura não é a atividade exclusiva e, em

muitos países, nem sequer dominante, nas áreas rurais. Há, como pode ser observado na passagem de 1996 a 2006,

uma mudança no perfil do espaço rural - o emprego rural é maior nas atividades não agrícolas.

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 19


Empresas e conglomerados industriais e agroindustriais instalam-se em áreas tipicamente rurais, visando redu-

zir custos de matéria-prima e de mão de obra, além de fugir dos problemas urbanos típicos das grandes metrópoles

(congestionamentos, violência, poluição etc.). Além disso, existe também a procura por atividades agregadas ao setor

de lazer. Neste caso, crescem as atividades ligadas ao complexo do turismo rural, aos pesque-pague, às pousadas e

restaurantes e aos sítios de final de semana.

As diferenças entre o rural e o urbano já não são mais as mesmas do “tempo da vovó”. Se em alguns casos, as

condições de vida no campo podem ser ruins, noutros as condições de vida nas cidades apresentam-se ainda piores,

ao menos para uma parcela da população.

(Questão PUC, 2009, adaptada) Moradores da histórica cidade de Glastonbury, na

Inglaterra, estão promovendo uma campanha contra a instalação de um sistema de Inter-

net sem fio na região. A alegação é que a rede Wi-Fi está afetando os chacras (pontos ener-

géticos do corpo) da população e causando doenças. A cidade, que é um centro impor-

tante para terapias alternativas e modalidades espiritualísticas, é a primeira na Inglaterra

a ter uma rede Wi-Fi grátis instalada em seu centro. Os manifestantes acusam o sistema de

causar males (...), sendo que a radiação causada pela tecnologia afeta a produção de mela-

tonina, hormônio relacionado ao sono. Natalie Fee, uma ex-professora de Yoga, afirma que

mudou-se da área de cobertura do Wi-Fi, com o objetivo de proteger o filho de 5 anos. “Eu

pensei que Glastonbury fosse uma área rural. Eu não quero que o meu filho fique exposto

a esse risco 24 horas por dia, incluindo a escola dele, que está na área da rede”. (...) Segundo

especialistas, não há evidências científicas de que a rede de Internet sem fio cause esses

males. (NoWires - Sua vida sem fios: população de cidade inglesa diz que não quer rede

Wi-Fi. Folha Online, 30/12/2008).

A partir do que foi exposto na reportagem, explique a concepção de área rural ex-

posta pela mãe da reportagem 1 e como tal visão é contraditória em relação ao processo

de urbanização do campo.

20
Como vimos, o Censo tem enorme importância para a vida de um país. Através desses levantamentos, podemos

conhecer como vive a população de um país e, assim, formular políticas públicas que tratem das necessidades e urgências

do conjunto da população. Vimos também que, apesar de o Brasil como um todo apresentar indicadores de qualidade de

vida razoavelmente elevados (IDH, expectativa de vida etc.), as condições de vida variam entre estados, regiões e entre os

espaços rural e urbano, evidenciando um dos principais problemas do nosso país, as enormes desigualdades sociais.

Veja ainda

Filme

ƒƒ Era uma vez... O filme de Breno Silveira conta a história de amor de dois jovens que vivem realidades bem

distintas. Morador da favela do Cantagalo, em Ipanema, Dé foi abandonado pelo pai e criado pela mãe, uma

empregada doméstica. Jovem, ele assistiu à morte de um irmão e à prisão de outro. Apesar das diferenças,

Dé apaixona-se por Nina, uma jovem de classe média alta, moradora de um dos espaços mais valorizados

da Cidade do Rio de Janeiro. Considerado o Romeu e Julieta urbano, o filme utiliza a paixão dos jovens

como pano de fundo para apresentar importantes questões, relacionadas à segregação social na cidade.

ƒƒ Central do Brasil. O filme, dirigido por Walter Salles, retrata a vida de Dora, uma professora aposentada

que ganha a vida escrevendo cartas para analfabetos e Josué, um garoto pobre, que perdido da mãe no Rio

de Janeiro, sonha em ir ao Nordeste para conhecer o pai. A história dos dois irá se encontrar na principal

estação de trem do Rio de Janeiro, a Central do Brasil, levando Dora e Josué por uma viagem pelo sertão da

Bahia e de Pernambuco, profundamente marcados pela precariedade das condições de vida.

Site

ƒƒ Visite o site do IBGE para saber mais sobre a população brasileira, acessando os links: IBGE Teen - http://www.

ibge.gov.br/ibgeteen/ - e Censo 2010 – http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/de-

fault_sinopse.shtm ou você pode ir a uma das bibliotecas do IBGE espalhadas pelo Brasil (veja os endereços

no link Biblioteca Central do IBGE - http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/biblioteca/bibliotecas.html)

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 21


ƒƒ A página do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento também disponibiliza um link para você

baixar o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Basta acessar o link http://www.pnud.org.br/atlas/.

Este Atlas apresenta um conjunto de informações socioeconômicas sobre os 5.507 municípios do país, os

26 Estados e o Distrito Federal do Brasil, para o ano 2000.


Leia algumas reportagens sobre os resultados do Censo 2010, acessando as páginas dos principais jornais do Brasil:

ƒƒ http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/908789-brasil-ainda-sofre-com-falta-de-saneamento-basico-

-aponta-ibge.shtml

ƒƒ http://www.estadao.com.br/especiais/censo-2010-quantos-somos-e-quanto-crescemos,126097.htm

ƒƒ http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/11/30/censo-2010-brasileiros-sao-mais-de-190-milho-

es-345360.asp

Vamos Compreender o Brasil. IBGE, 2001 - Neste livro ilustrado, alguns dados do Censo 2000 são apresentados de

forma lúdica. O objetivo da publicação foi desmistificar o significado dos indicadores socioeconômicos, tornando-os

acessíveis ao conjunto da população.

Referências

Théry, Hérve e Mello, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinâmicas do território. São Paulo:

Edusp, 2005 – Apesar do nome, este livro não se limita a apresentação de mapas sobre indicadores socioeconômicos

do Brasil. Cada um deles é detalhadamente analisado e acompanhado por dados e mapas que apresentam um impor-

tante retrato do Brasil deste início de século.

Imagens

  •  Acervo pessoal  •  Andreia Villar

  •  IBGE, 2011

  •  http://www.sxc.hu/photo/75038

22
  •  http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Conjuntos_habitacionais_-_Favela_-_S%C3%A3o_Bernar

do_do_Campo.JPG?uselang=pt-br

  •  http://www.sxc.hu/photo/330294

  •  http://www.sxc.hu/photo/661064

  •  PNUD, 2010

  •  PNUD, 2010

  •  PNUD, 2010

  •  PNUD, 2010

  •  http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Moradorderua.jpg?uselang=pt-br

  •  http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Pulverizacao_em_fazanda_Jata%C3%AD.JPG?uselang=pt-br

  •  PNAD, 2006

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 23


Atividade 1

A leitura do Mapa 1 revela que os maiores percentuais de pessoas analfabetas, na

faixa dos 15 aos 17 anos de idade, concentram-se em estados da região Nordeste do Brasil:

Maranhão, Piauí, Paraíba, Pernambuco e Alagoas, além do Acre (na região Norte). Os estados

da região Sul (Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo), além do Distrito Fede-

ral, apresentam menores percentuais de analfabetismo, indicando que a educação nestes

estados deve estar em melhores condições.

Situação semelhante aparece no Mapa 2, com os menores índices de expectativa de

vida nos estados do Nordeste (Maranhão, Piauí, Paraíba, Alagoas e Sergipe) e os maiores nos

estados do Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina) e Sudeste (São Paulo, Mato Grosso do Sul

e Minas Gerais).

No Mapa 3, os menores valores de renda per capita também se concentram em estados

da região Nordeste (Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba e Alagoas) e os maiores em estados das

regiões Sul (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná) e Sudeste (São Paulo e Rio de Janeiro).

A comparação dos três mapas permite-nos afirmar que o Brasil é um país marcado

por profunda desigualdade social, indicando que nos aproximamos das metáforas apresen-

tadas por Edmar Bacha e Claudio Moura.

Atividade 2

A mãe concebe o espaço rural como uma paisagem intocada, ou seja, um espaço da

natureza, idílico, não moderno, rústico, difuso pela falta das construções humanas, marcado

por uma vida mais distante das tecnologias e mais próxima da natureza e, portanto, sau-

dável, onde os seus habitantes inscrevem-se localmente e participam da vida comunitária.

Para esses espaços migram hoje, dentro da Europa, milhares de famílias em busca de melhor

qualidade de vida, assim como para educar os seus filhos, o que vem urbanizando o campo

rapidamente, notadamente nos países de industrialização antiga. Assim sendo, o campo

ganha novas funcionalidades com o surgimento de alternativas de trabalho nos setores de

prestação de serviços, construção civil, comércio e área social, o que tem contribuído para

reter o seu morador e atrair os das cidades. A quantidade dos novos empregos não agríco-

24
las reflete os negócios ligados ao turismo e ao lazer, além da ótima opção de fuga de algumas

indústrias dos altos custos de instalação e manutenção existentes nas cidades. Turismo rural,

hotéis-fazenda, restaurantes, pesqueiros, criação de aves raras ou animais de caça e aumento

da produção de alimentos, como doces e queijos finos, são algumas das atividades de pe-

queno e médio porte responsáveis pelo surgimento das oportunidades no campo.

Ciências Humanas e suas Tecnologias  •  Geografia 25


Atividade extra
A distribuição desigual dos indicadores de qualidade de
vida no espaço brasileiro e mundial
Questão 1

Observe o gráfico abaixo e escreva um texto sobre a evolução do IDH brasileiro, de 1980 a 2012.

Fonte: http://www.pnud.org.br/Noticia.aspx?id=2583

Ciências Humanas e suas Tecnologias · Geografia 27


Questão 2

Os dados abaixo, os indicadores sociais brasileiros, foram divulgados no relatório de 2012 do desenvolvimento

humano do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), órgão da ONU, responsável pelo IDH (Ín-

dice de Desenvolvimento Humano).

a) Construa uma tabela com os números dos indicadores socioeconômicos.

b) O Brasil está na 85ª posição no ranking do IDH. Pesquise e em seguida marque com um (X) a alternativa que

corresponde ao grupo que o Brasil pertence.

(  ) Desenvolvimento humano muito alto

(  ) Desenvolvimento humano alto

(  ) Desenvolvimento humano médio

(  ) Desenvolvimento humano baixo

28
Questão 3

Leia o texto do seu material impresso sobre o termo BELÍNDIA e relacione-o com a figura abaixo.

Fonte: http://site.jorgequadros.com.br/para-a-%E2%80%9Cbelindia%E2%80%9D-do-brasil/

Questão 4

Observe os dados da tabela abaixo e em seguida construa uma linha do tempo do Valor do IDH brasileiro,

colocando os anos e os valores do IDH.

Indicadores Sociais do Brasil


Fonte: http://www.pnud.org.br/Noticia.aspx?id=2583

Ciências Humanas e suas Tecnologias · Geografia 29


Gabarito

Questão 1

O aluno irá concluir que tem havido aumento do IDH no Brasil desde 1980. Em alguns períodos o aumen-

to foi maior, 1980 para 1990, de 1990 para 2000 e entre os períodos seguintes o aumento foi menor.

Questão 2

a) O aluno deverá fazer uma tabela com 5 linhas e completar com as informações dos indicadores socioeco-

nômicos do Brasil. Não entrará a informação da posição do Brasil no ranking de IDH.

b) (  ) Desenvolvimento humano alto

Questão 3

A imagem divide o Brasil em 2 espaços distintos: a Bélgica do lado direito onde a população tem ótima

qualidade de vida e porção Índia que está do lado esquerdo de quem olha, onde a população tem péssimas

condições de vida.

Questão 4

O aluno deverá fazer a linha do tempo do IDH brasileiro iniciando com o ano 1980 e assim sucessivamen-

te até o ano de 2011 e em cada ano, deverá colocar o valor do IDH.

30