Você está na página 1de 44

Lógica informal

Conteúdo
7.1 Concepções da lógica informal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 373
7.2 O movimento Lógica informal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376
7.3 Contribuições de Blair e Johnson à lógica informal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 381
7.4 Abordagem histórica e empírica da Finocchiaro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387
7.5 Análise Crítica do Govier de questões-chave em lógica informal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390
7,6 Abordagens Epistemological. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 394
7,7 Freeman na estrutura de argumentos e Aceitabilidade argumento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399
7,8 Walton em Argumentação Esquemas e Tipos de Diálogo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 403
7.9 Hansen na Teoria Falácia, métodos e conceitos-chave. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 408
7.10 Contribuições de Hitchcock à lógica informal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 410
7,11 Abordagem retórica de Tindale. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 413 Referências. . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 416

7.1 Concepções da lógica informal

No final de 1970, na América do Norte, um grupo de filósofos que se dizem


lógicos informais começou um movimento em direção ao estudo normativo do argumento de um ponto de
vista diferente daquele dos lógicos formais. Embora houvesse alguns precursores do movimento lógica
informal, os trabalhos de formação sobre o assunto foram publicados por Michael Scriven, Trudy Govier,
David Hitchcock, Perry Weddle (1939-2006), John Woods, Ralph H. Johnson, e J. Anthony Blair . Desses
estudiosos, Johnson e Blair na Universidade de Windsor, no Canadá contribuíram as condições
institucionais para o estabelecimento da lógica informal como um eld fi de pesquisa: uma conferência no
início de 1978, um boletim informativo, uma segunda conferência, um jornal, e uma terceira conferência .

Em um artigo de visão geral publicado em 2000, Johnson e Blair dar a seguinte definição de lógica
informal: “A lógica informal designa o ramo da lógica cuja tarefa é desenvolver não-formal 2 normas,
critérios, procedimentos para a análise,

FH van Eemeren et al., Manual de Teoria da Argumentação, 373


DOI 10,1007 / 978-90-481-9473-5_7,
# Springer Science + Business Media Dordrecht 2014
374 7 Lógica informal

interpretação, avaliação, crítica e construção de argumentação na linguagem cotidiana”(p. 94). Usando


não-formal do termo 2, emprestado de Barth e Krabbe do ( 1982 ) Distinção entre três diferentes sentidos
de Formato ( Vejo Seita. 6.1
deste volume), Johnson e Blair quero deixar claro que ser não-formal não significa que a lógica informal
não faz uso de quaisquer normas, critérios ou procedimentos:

Queremos enfatizar que a lógica informal não é de forma incompatível com os procedimentos, a aplicação de critérios,
ou rigor. É uma questão de quais os critérios e lógica aqui informal é informal porque rejeita o ponto de vista logicista que
forma lógica (a` la Russell) é a chave para compreender a estrutura de todos os argumentos; e também a visão de que a
validade é um padrão adequado à demanda de todos os argumentos. ( 2000 , P. 102).

Embora a concepção da lógica informal de Johnson e Blair é mais ou menos compartilhada pelos lógicos
mais informais, não é universalmente acordados. 1 Alguns lógicos informais têm um diferente, em alguns
casos mais ampla ou mais limitada, a concepção da lógica informal. 2 Outros entendem a lógica informal
simplesmente como o tratamento não-formal de lógica dedutiva elementar, sem o uso de qualquer aparelho
formal ou simbólica. Para efeitos do presente capítulo, tomaremos de Johnson e Blair de definição da lógica
informal como o nosso ponto de partida.

O termo lógica informal não se refere a uma abordagem bem delineados. É sim refere-se a um conjunto
de tentativas de desenvolver e teoricamente justificar um método para a análise e avaliação de argumentos
de linguagem natural em diferentes contextos de uso, que é uma alternativa à lógica formal. Por esta razão,
a melhor maneira de caracterizar o movimento lógica informal é, na nossa opinião para discutir as várias
contribuições feitas pelos lógicos informais mais proeminentes e estudiosos intimamente associados com a
lógica informal para o desenvolvimento deste ramo da teoria da argumentação.

Primeiro em Seita. 7,2 , Vamos dar uma breve caracterização da lógica informal
movimento esboçando seus antecedentes históricos e fornecendo uma visão geral das principais
questões que têm sido objecto de investigação. Então, nas seções restantes do capítulo, discutiremos
as principais contribuições dos principais expoentes da lógica informal.

Em Seita. 7.3 , Vamos discutir alguns insights teóricos importantes apresentadas no


publicações por Johnson e Blair. Entre as publicações que servem como nossas fontes é Johnson e
Blair ( 2006 ) Influente livro Lógico Autodefesa
publicada pela primeira vez em 1977 , Em que introduzir três critérios de avaliação (lógico) de
argumentos. Outro ponto importante de referência é Johnson ( 2000 )

1 Ryle ( 1954 ), Por exemplo, usa o termo lógica informal para se referir às implicações de conceitos substantivos (tal como Tempo)
cuja lógica é “informal”. Johnson e Blair ( 2000 ) Fornecer uma visão geral do que eles consideram como os equívocos mais
importantes e concepções concorrentes da lógica informal.

2 Devido ao fato de que se aplica a lógica informal é frequentemente usada no ensino de habilidades de pensamento crítico, a lógica informal é

muitas vezes identi fi cados com o pensamento crítico. A lógica informal também é usado como um rótulo geral para o estudo da informal falácias

(Carney e Sheer 1964 ; Kahane 1971 ).


7.1 Concepções da lógica informal 375

A racionalidade manifesta, em que o critério dialético adicional é introduzido que um argumentador deve lidar
com objeções para que o seu argumento para ser racionalmente convincente.

Em Seita. 7,4 , Descrevemos as principais características de Maurice Finocchiaro de


abordagem histórica e empírica para argumentos. Finocchiaro é um dos estudiosos primeiros para analisar
e avaliar casos reais de argumento natural a partir de um ponto de lógica informal de vista. Mais em
particular, ele forneceu extensas análises de cientí fi cos controvérsias, especialmente aqueles em torno
defesa da visão de mundo de Copérnico de Galileu Galilei. Em nossa discussão da obra de Finocchiaro,
vamos concentrar-se em suas re fl exões teórica quanto ao método utilizado na análise de tais cientí fi
controvérsias C.

Em 1987, publicou Trudy Govier Problemas na Argumento Análise e Avaliação, um livro importante
em que ela explora uma série de questões-chave teóricas decorrentes da abordagem não-formal à
análise e avaliação de argumentos em linguagem natural. Govier tenta explicitar as implicações teóricas
das várias orientações práticas lógicos informais proporcionam em seus livros. Em Seita.

7,5 , Vamos discutir a visão de Govier sobre as diferenças entre a lógica formal e informal, bem como sua
análise crítica de algumas das questões-chave na lógica informal: os tipos de argumento, dependências
implícitas e falácias.
Alguns autores que se consideram os lógicos informais privilegiar uma abordagem epistemológica ou
mesmo igualar lógica informal com a epistemologia aplicada. O mais proeminente entre eles são Mark
Battersby, MarkWeinstein, John Biro e Harvey Siegel, Robert Pinto, Christoph Lumer, e, com base em
parte de seu trabalho, James Freeman. Em Seita. 7,6 , Vamos dar uma exposição do ponto de partida
geral de tais abordagens epistemológicas a lógica informal, discutir os vários tipos de critérios para bom
argumento que são propostas, descrever as características gerais de uma teoria epistemológica de
falácias, e fornecer uma breve visão geral de Pinto de na abordagem influentes.

Uma das questões mais discutidas na lógica informal é como analisar e diagramar a estrutura de
argumentos complexos. Uma importante contribuição para esta discussão é James Freeman Dialética e
da macroestrutura da Argumentos
( 1991 ), Que combina uma versão revisada do modelo de Toulmin com uma perspectiva dialética. Em
2011, Freeman publicou uma segunda monografia sobre o assunto,
Estrutura argumento: Representação e Teoria. Em Seita. 7.7 , Vamos dar uma caracterização da sua
abordagem à “estrutura de argumento”, seguido por uma discussão de seu trabalho sobre a aceitabilidade
argumento, especialmente quando tratada na monografia
Aceitável instalações: Uma Abordagem Epistemic a um problema de lógica informal ( 2005a ). No final de
1980 e início de 1990, Douglas Walton, um dos teóricos argumentação fi cos mais Proli associados com a
lógica informal, juntamente com Erik CW Krabbe, desenvolveu uma teoria centrado em torno de “tipos de
diálogo” (Walton e Krabbe
1995 ) Que mais tarde chamou a nova dialética. Nesta abordagem, diálogos são concebidos como actividades
conjuntas convencionalizados entre dois discussants que podem ser caracterizadas por o fi c tipo específico
de compromissos, pontos de partida, e meta dialógica envolvido. Fallacies pode ocorrer quando há uma
mudança de um tipo de diálogo para outro. Vamos discutir teoria diálogo de Walton em Seita. 7,8 . Também
nesse
376 7 Lógica informal

seção, discutimos o trabalho de Walton on padrões cotidianos de argumento. Estes esquemas de argumentos
muitas vezes tomam a forma de regras semiformais de inferência e têm associado a questões críticas.

Concluímos o capítulo com uma discussão de algumas outras importantes contribuições para a lógica
informal. Em Seita. 7,9 , Que deve apresentar uma descrição das contribuições de Hans Hansen teoria das
falácias e o desenvolvimento da lógica informal. Em seguida, descrevemos o trabalho de David Hitchcock na
lógica informal, “mandado”, e bom raciocínio em Seita. 7.10 . Finalmente, em Seita. 7,11 , Vamos discutir
abordagem retórica um pouco desviante de Christopher Tindale a argumentação.

7,2 O Movimento Lógica Informal

As características atuais da lógica informal pode ser explicada em grande medida pela maneira em que
o movimento lógica informal desenvolvido. Nós, portanto, começar a nossa discussão da lógica informal
com um esboço de sua história. Nosso esboço histórico é amplamente baseado em várias publicações
fundadores da lógica informal, Johnson e Blair, dedicados ao seu desenvolvimento e as características
resultantes. 3

A lógica informal desenvolvido na década de 1970 como um movimento de reforma educacional que
cresceu a partir da insatisfação com os cursos introdutórios e livros didáticos utilizados nos anos 1950 e 1960
para ensinar alunos de graduação como analisar e avaliar argumentos em discurso público todos os dias. Os
filósofos que iniciaram o movimento de reforma, alguns deles lógicos si, que já não consideram a lógica
dedutiva formal para ser o instrumento adequado para esta finalidade. Como uma alternativa para os livros
didáticos lógica formal introdutórios criticado, vários instrutores já tinha desenvolvido seus próprios livros
didáticos para o ensino de cursos de graduação em analisar e avaliar argumentos. 4 De acordo com Blair, as
origens pedagógicas do movimento deixam claro por que a lógica informal não é uma teoria:

O termo 'lógica informal' não citar uma teoria. Era o nome que começou a ser usado, no final de 1970, para uma série de
inovações curriculares desenvolvido para cursos universitários ou classes projetados para ensinar aos alunos
habilidades de pensamento crítico (por ensinar habilidades na gestão de argumentos) que começou vários anos antes,
no início da década de 1970, e que viu a luz do dia nos livros didáticos. ( 2011b , P. 5).

No início, o termo lógica informal foi usado primeiramente como um meio de declarar a lógica informal
uma abordagem distinta para análise e avaliação argumento,

3 Desde o início do movimento lógica informal, Johnson e Blair, em conjunto, bem como individualmente, têm publicado

artigos em que delineiam o desenvolvimento da lógica informal (Blair e Johnson


1987 ; Johnson e Blair 2000 ; Blair 2009 , 2011b ; Johnson 2006 ).
4 Três livros liderou o desenvolvimento da lógica informal: Lógica e Retórica contemporânea: o uso da razão na vida

cotidiana por Kahane (1 ed., 1971 ), Raciocínio prático em Língua Natural por Thomas (1ª ed., 1973 ), E Raciocínio por
Scriven ( 1976 ).
7.2 O movimento Lógica informal 377

independente da lógica formal, daí a inclusão da negação em- na nomeação. Blair diz que o nome -
principalmente escolhido para o propósito de afastar a abordagem da lógica formal - explica porque a
lógica informal não é uma teoria consistente:

Em minha opinião, é signi fi hipocrisia que 'lógica informal' foi adotado como o nome de uma crítica de certas aplicações da
lógica formal. Não era o nome de uma nova teoria ou abordagem para a análise e avaliação de argumentos, exceto na
medida em que identificou tal teoria ou abordagem negativa - em termos do que não era. Como resultado, uma variedade de
instrumentos e critérios foram agrupados sob a rubrica de 'lógica informal', que não são necessariamente consistentes e são
muitas vezes redundantes (isto é, eles realizaram o mesmo papel de diferentes maneiras). ( 2009 , P. 50).

Na mesma linha, Johnson ( 2006 ) Faz a seguinte observação sobre o


abordagem lógica informal: “Porque ele claramente se refere a uma variedade de bastante diferentes
abordagens, o termo não pode ser dito para designar qualquer coisa como uma escola” (p 246).. Outra
razão para a heterogeneidade das concepções de lógica informal é, de acordo com Johnson ( 2006 ), Essa
prática deu origem à teoria, de modo que “como se poderia conceber a lógica informal dependia até certo
ponto em que aspecto da prática argumentativa do autor individual pensamento necessário atenção” (p.
250).

O movimento lógica informal foi precedida pelo aparecimento de uma série de manuais de lógica
introdutórios que rejeitaram a lógica formal como um instrumento adequado para a análise e avaliação de
argumentos em linguagem natural. A lógica informal começou a ser reconhecido como um sub campo
separado da filosofia quando o simpósio internacional primeira na lógica informal, organizada por Blair e
Johnson, teve lugar na Universidade de Windsor, Ontário, em 1978. Em seguida, Blair e Johnson começou O
Boletim Lógica Informal, que se tornou em 1983 a revista arbitrada Lógica informal.

A principal razão pela qual os lógicos informais concluiu que a lógica formal não era um modelo
adequado para a avaliação de argumentação era que eles consideravam a conta lógica dedutiva formal,
segundo a qual o critério para um bom argumento é solidez - ou seja, a exigência de que o argumento
deve ser válido e tem premissas verdadeiras - como problemáticos para a avaliação de argumentos reais.
De acordo com os lógicos informais, validade dedutiva não é nem necessária nem um critério su fi ciente
para um argumento convincente, e, no caso de argumentos diárias, a verdade das premissas se está
lidando com muitas vezes não é conhecido. Ao expressar estas críticas, os lógicos informais foram
chamando a atenção para o mesmo tipo de problemas como Toulmin em 1958 apontou em Os usos do
argumento ( Toulmin

2003 ) E também Perelman e Olbrechts-Tyteca em 1958 na nova retórica (Perelman e Olbrechts-Tyteca 1969
):

Trabalho em lógica informal pode ser visto como uma tentativa de conceituar argumentação e libertá-la do seu apego
histórica para o que Toulmin e Perelman chamado o modelo geométrico ou matemática. Isto significa, entre outras coisas,
o fim do dedutivismo - a ideia de que todas as implicações são ou dedutivo ou com defeito; o fim da noção de que o
argumento deve ser concebida como prova; e o fim das divisões de classe entre os tipos de crenças - crenças de elite
sendo ou verdades ou verdades que seguem necessariamente a partir de premissas conhecidas para ser verdade
necessárias, enquanto a segunda melhor são crenças justificadas por algum cálculo de probabilidades e todo o resto são
intocáveis, a aceitação não justificando por uma pessoa razoável. (Johnson e Blair 2000 , Pp. 101-102).
378 7 Lógica informal

Por causa de sua insatisfação com as normas do bom argumento usado na lógica formal, tornou-se
alvo dos lógicos informais para desenvolver padrões alternativos para a avaliação de argumentos. Os
primeiros livros publicados pelos lógicos informais, como Johnson e Blair ( 1977 ) Lógico Autodefesa foram
escritos para este fim. Outra característica distintiva destes livros era que os exemplos oficiais arti fi
habituais nos textos de lógica introdutórios foram nos livros de lógica informal substituídas por exemplos
naturais provenientes de fontes tais como jornais, anúncios e campanhas políticas.

mais orientados teoricamente publicações lógicos informais começaram a aparecer, de 1979 em


diante. Eles são dedicados à análise e sistematização dos conceitos e princípios utilizados na
interpretação argumento e avaliação. Entre os mais em exemplos influentes de tais publicações estão
Govier de ( 1987 ) Problemas na Argumento Análise e Avaliação, Blair e Johnson ( 1987 ) “Argumentação
como dialético”, Walton ( 1989 ) Lógica Informal, Freeman ( 1991 ) Dialética e da macroestrutura do
argumento, Hansen e Pinto (Eds., 1995 ) falácias, e Johnson ( 2000 ) Racionalidade manifesto. 5

Na década de 1980, o movimento lógica informal tornou-se fortemente associada com a


pensamento crítico movimento. 6 O pensamento crítico havia surgido na década de 1970 como parte de um movimento de
reforma educacional mais geral em certas partes dos Estados Unidos. 7 Seu objetivo era o desenvolvimento de uma re fl
atitude ective, crítica de espírito entre os estudantes. Ao contrário da lógica informal, o pensamento crítico refere-se a um
complexo de habilidades avançadas, em vez de uma disciplina particular, mas não houve, no entanto, uma tendência para
tratar os termos pensamento crítico e lógica informal como co-extensivo. Isso ocorre porque a perspectiva e os métodos da
lógica informal eram - e são - entre as ferramentas utilizadas para alcançar as metas de pensamento crítico. No entanto,
como Govier ( 1987 ) Argumentou, o pensamento crítico tem um âmbito mais alargado: Pode-se pensar criticamente sobre
todos os tipos de coisas, e não apenas argumentos, e o produto de análise crítica de uma pessoa nem sempre é um
argumento. 8

No meio da década de 1980, a in fl uência na lógica informal de outras abordagens de lógica formal
torna-se evidente, também de fora da América do Norte, como em particular pragma-dialética:

Em meados dos anos 80 que se tornou cada vez mais conscientes das muitas iniciativas diferentes fora da lógica,
entre eles a abordagem pragma-dialética à argumentação ea ampla

5 Veja também Johnson ( 1996 ), A ascensão da lógica informal, e Levi ( 2000 ), Em defesa da lógica informal.

6 Em 1983, a Associação para Lógica Informal e Pensamento Crítico (AILACT) foi fundada, que visa promover a

investigação e ensino no campo da lógica informal e pensamento crítico.


7 Um pioneiro do movimento pensamento crítico nos Estados Unidos é Ennis ( 1962 , 1989 ). Outros teóricos de pensamento
crítico são McPeck ( 1981 , 1990 ), Paulo ( 1982 , 1989 , 1990 ; Elder e Paul 2009 ), Nosich ( 1982 , 2012 ), E Hoaglund ( 2004 ).

8O pensamento crítico requer habilidades adicionais, tais como obter e avaliar informações e esclarecer significados (Johnson 2006
, P. 250). Além disso, de acordo com alguns autores, o pensamento crítico requer fi específica c disposições (Ennis 1987 ) - ou um
específico outlook fi c. Siegel (1988 , P. 39) refere-se a essa perspectiva como “o espírito crítico.”
7.2 O movimento Lógica informal 379

comunidade internacional e multidisciplinar trabalhando em teoria da argumentação. Como este último consciência
nos afetou talvez possa ser visto em nosso papel 1987 “Argumentação como dialético.” (Johnson 2003 , P. 42).

Na década de 1990 e nos anos mais recentes, o desenvolvimento em direção a uma abordagem
multidisciplinar continuou. Walton, em colaboração com Krabbe, desenvolveu uma nova abordagem
dialética à argumentação (Walton e Krabbe 1995 ). Outra renovação é a proposta de Tindale para
incorporar a retórica tradicional na teoria da lógica informal ( 1999 , 2004 , 2010 ). Insights da lógica informal
também têm sido combinado com a pesquisa na área de inteligência artificial e aplicações computacionais
(Verheij 1999 ; cana 1997 ; Reed e Norman 2003 ). Contrariamente a estas extensões, no entanto, Hansen
propôs recentemente para diminuir a lógica informal de tal forma que ele só está preocupado com
questões relacionadas com a avaliação da relação premiseconclusion ( questões Ilativo) em um argumento
ou inferência:

[. . .] Pelo estreitamento lógica informal de lidar apenas com questões Ilativo não só temos o benefício de nos
distanciarmos de uma variedade de abordagens de avaliação argumento (abordagens retóricas e dialéticas, por
exemplo) e a criação de uma única área de estudo, também se preparar o terreno para uma comparação com a lógica
formal que coloca ambas as partes em pé de igualdade. (Hansen 2011a , P. 3).

Como o panorama histórico apresentado apenas deixou claro, uma questão importante nas
discussões entre os lógicos informais tem sido exatamente o que o assunto da lógica informal deve ser
e qual abordagem ou a combinação de abordagens poderia melhor servir como uma alternativa à lógica
formal para lidar com os problemas de análise e avaliação de argumentos naturais. Ao lado de
discussões sobre a definição de lógica informal e o tipo de abordagem que deve ser tomada, houve
também discussões conceituais sobre a natureza da discussão e argumentação. 9

Entre as principais questões discutidas são os seguintes: O que de fi nição de argumento


e argumentação deve ser utilizado (Blair 1987 ; Gilbert 1997 )? Como argumentos podem ser distinguidos
de outros tipos de raciocínio, como explicações (Johnson e Blair 1977 ; Govier 1987 )? Que outras
funções que persuasão fazer argumentos têm (Blair 2004 )? Pode não-verbal (isto é, visuais) mensagens
contêm um argumento (Birdsell e Groarke 1996 ; Blair 1996 )? São argumentos sempre ou dedutivo ou
indutivo ou existem outros tipos de argumento bem (como argumentos condutores ou plausíveis)
(Weddle 1979 ; Govier 1980 , 1987 ; Hitchcock 1980a ; Walton 1992 ; Johnson 2000 ; Goddu 2001 ; Blair e
Johnson 2011 )?

Um grande conjunto de problemas teóricos que os lógicos informais lidar com estão relacionados com a
análise de argumentação. Eles incluem questões relativas à interpretação dos argumentos, tais como como
argumentos podem ser identificadas e que uma interpretação de caridade equivale a (Scriven 1976 ; Johnson 1981
; Govier 1987 ). Outra questão muito debatida diz respeito à adição de elementos implícitos, tais como
instalações não expressas, conclusões ou suposições. Como deve ser decidida quando os elementos
implícitos estão a ser adicionado, e como ele pode ser determinada a forma que a

9 Em sua bibliografia lógica informal, Hansen ( 1990 ) Fornece uma visão geral dos principais temas de interesse para os lógicos

informais.
380 7 Lógica informal

adições deve tomar (Ennis 1982 ; Hitchcock 1985 ; Goagh e Tindale 1985 ; Govier 1987 ; Groarke 1992 ;
Grennan 1994 ; Godden 2005 )? A terceira questão é como analisar a estrutura de argumentos ou casos
estendidos. Que tipos de estruturas de argumentação deve ser diferenciada?

Ao lidar com a estrutura de argumentação, Beardsley do ( 1950 ) distinção


entre convergente argumentos (várias razões independentes apoiar uma conclusão), divergente argumentos
(pela mesma razão suporta mais de uma conclusão), e serial argumentos (um argumento é em si
apoiado por um outro argumento) foi tomado por muitos lógicos informais. Além disso, Stephen N.
Thomas ( 1973 ) distinto ligado argumentos: “quando um passo de raciocínio envolve a combinação
lógica de dois ou mais motivos” (p. 36). 10 Como ligada e argumentos convergentes podem ser
distinguidos e se for de todo possível fazê-lo de forma satisfatória tem sido o assunto de muito debate
(Conway 1991 ; Yanal 1991 ; Vorobej 1995 ; Goddu 2003 ). Em sua monografia Dialética e da
macroestrutura de argumentos, Freeman ( 1991 ) Fez uma análise dialética das relações estruturais entre
as instalações, modalidades, refutações e conclusões. Ao dar dialéticas definições de fi de argumentos
ligados e convergentes, ele também pretende fornecer uma maior clarificação da distinção entre estes
dois tipos de estrutura de argumentação. Relacionados com o problema da análise da estrutura de
argumentação são questões como a forma de analisar os argumentos em que contra-argumentos são
mencionados ou desmentiam (Scriven 1976 ; Johnson e Blair

1977 ; Govier 1985 ) E como retratar os argumentos em que o raciocínio hipotético é usado (Fisher 1988 ;
Brandon 1992 ).
Outro conjunto de problemas teóricos lógicos informais têm tentado resolver as preocupações da
avaliação da argumentação. Como uma alternativa para os critérios utilizados na lógica formal, várias
propostas de padrões de avaliação foram feitas. Um tipo de abordagem tem sido a de usar a teoria falácia
como um padrão: Um bom argumento é, então, um argumento não-falacioso. A série de análises de
enganos individuais proposto por Woods e Walton ( 1989 ), Em que eles respondem a Hamblin de ( 1970 )
Crítica do estado da arte em teoria engano, têm sido uma inspiração a lógicos informais (a abordagem
Woods-Walton a enganos é discutido em Seita. 6,7 ). A pesquisa sobre falácias realizados pelos lógicos
informais não levou a uma teoria ed fi uni de falácias, mas para uma discussão de muitas falácias
individuais, tais como ad hominem, ad verecundiam, e implorando a pergunta. Na década de 1990, Walton
desenvolvido em conjunto com Krabbe uma abordagem dialética, na qual falácias - como no
pragma-dialética - são vistos como violações de regras dialéticas. De acordo com Walton e Krabbe ( 1995 ),
As regras que são violados pertencem a específica tipos de trocas dialógicas (ver também Walton 2007 ).

Uma alternativa ao uso teoria das falácias como base para a avaliação de argumentação foi
proposta por Johnson e Blair ( 2006 ). Em seu livro eles explicam que um argumento deve satisfazer três
critérios: relevância, suficiência, e aceitabilidade.

10 Para uma visão geral das diferentes abordagens à argumentação estrutura em lógica informal, ver Snoeck Henkemans ( 2001 ).

Veja também Seita. 1.3 deste volume.


7.3 Contribuições de Blair e Johnson à lógica informal 381

argumentos falaciosos são argumentos em que um ou mais destes critérios foram violados. 11 Uma abordagem
relacionada em lógica informal concentra-se em esquemas de argumento como formas de argumento que são,
em princípio, legítima e têm os seus próprios critérios de avaliação c especi fi. Falácias são então vistos como
casos de argumentação que não satisfazem estes critérios (Walton 1996a ; Walton et ai. 2008 ; Groarke e Tindale

2012 ). Os critérios são - como no pragma-dialética - tipicamente formulado como questões críticas. 12

Há também um grupo considerável de lógicos informais que fazem em seu uso abordagem da
noção Toulminian de dependência fi eld. Eles costumam se conectar com a epistemologia e consideram
que as normas para a avaliação de um argumento deve ser fornecido pela epistemologia do campo ao
qual pertence o argumento (McPeck 1981 ; Battersby 1989 ; Weinstein 1990 ; malhado 1994 ; homem livre 2005a
, b ).

7.3 Contribuições de Blair e Johnson à lógica informal

Em seu livro Self-Defense (Logical 2006 , Publicada pela primeira vez em 1977 , segunda edição
1983 ), Ralph H. Johnson e J. Anthony Blair introduzir três critérios um argumento deve satisfazer para
ser considerado um bom argumento: relevância (R), aceitabilidade (A), e suficiência (S). De acordo com
Johnson e Blair ( 1983 , P. 34), os chamados
critérios RAS 13 de fi ne “um logicamente bom argumento” e “qualquer argumento que deixa de satisfazer uma
(ou mais) desses requisitos é um argumento falacioso” Blair resume os critérios de qualidade do argumento da
seguinte forma:

[. . .] Um argumento é uma boa se suas terras ou instalações são isoladamente ou em combinação relevante como
suporte para o pedido em questão, individualmente aceitável, e juntos (se relevante e aceitável) su fi ciente para
apoiar a alegação em nome do qual eles foram oferecidos . ( 2011a , P. 87).

Os critérios RAS foram concebidos como um substituto para o critério lógico-epistemológico da


solidez. 14 Para Johnson e Blair, a vantagem de estes critérios em relação ao critério de solidez é que
eles não só descarta argumentos da petição de princípio (a premissa de tais argumentos não seria
aceitável), mas também torná-lo possível contar “forte defeasible, plausível, ou argumentos presumíveis
como bons argumentos”(Blair 2011a , P. 88).

11 Esta abordagem também foi levado por Freeman ( 1988 ), Little et ai. ( 1989 ), E Seech ( 1993 ).
12 Uma das idéias resultantes de olhar para falácias desta maneira é que nem todos os argumentos que partilham algumas características

formais de uma falácia são realmente falacioso. Um ataque pessoal, por exemplo, não é falaciosa se for feita para lançar dúvidas sobre a

credibilidade de uma testemunha em um processo judicial.


13 Eles também são chamados a condições Arg ( grounds “G” para (su fi ciente)).

14 Na lógica formal, o conceito de relevância também é usado, mas a definição de deste conceito é um pouco
diferente da dos lógicos informais. Ela é aplicada à relação entre o antecedente e consequente de implicações.
382 7 Lógica informal

Johnson e critérios de Blair, que são adotadas por muitos outros, são por vezes considerado como o
fi ning característica de da abordagem lógica informal com a argumentação. No entanto, os critérios
também foram criticadas, por Johnson e Blair si mesmos e pelos outros. De acordo com Blair, um
problema geral é que os critérios são muito limitados para permitir uma avaliação completa dos
argumentos diárias:

A suposição de fundo, que é su fi ciente para avaliar os argumentos encontrados nos contextos que tivemos em mente
a partir de um ponto de vista lógico (para nós considerado o RAS como critérios da lógica dos argumentos), ignorando
as suas propriedades dialéticas e retóricas, tem mais nos anos seguintes foram muito posta em causa. ( 2011a , P. 88).

Cada um dos três critérios individualmente também tem sido alvo de críticas. Um problema com o
critério de relevância é, de acordo com Biro e Siegel ( 1992 ), Que é supérfluo, uma vez que já é
pressuposta pelo critério da suficiência: 15

O segundo critério, relevância, parece ser simplesmente um caso especial do terceiro critério, pois se uma premissa
é irrelevante oferece nenhum apoio, e se for relevante, a questão crucial da força de apoio que proporciona a
conclusão ainda deve ser abordada. (P. 98).

Blair ( 2011a ) Admite que as instalações irrelevantes, uma vez que fornecem suporte zero,
na verdade não são premissas em tudo, para que eles não precisam ser avaliados. Ele acredita que o principal
papel de relevância está no processo de interpretação: para tomar decisões sobre quais partes do discurso deve
ser visto como argumentos. No entanto, ele afirma que, na avaliação dos casos em que o discurso e contexto
tornam claro que um autor pretendia uma proposta para contar como uma razão, o critério de relevância ainda
tem um papel a desempenhar, embora a proposição em questão acaba por ter qualquer influência probatório
sobre a alegação (Blair 2011a , Pp. 92-93). Usando o critério de aceitabilidade em vez do critério lógico de
verdade das premissas, Johnson e Blair têm como objectivo fazer justiça a Hamblin de ( 1970 ) As críticas de que
o critério de verdade não é nem su fi ciente nem necessário. O critério não é suficiente, porque mesmo quando a
premissa é verdadeira, não pode convencer, se não se sabe para ser verdade, e não é necessário, porque para
convencer aceitabilidade é suficiente. 16 Johnson ( 1990 , 2000 , Pp. 197-199) depois defende o critério de verdade
e propõe a adicioná-lo aos critérios RAS. 17 Um de seus principais argumentos é que “os teóricos que têm
oficialmente descarregada a exigência de verdade [. . .] Continuar a contar com [ele] “, por exemplo, quando

15 Outra crítica do critério de relevância é que o conceito de relevância é demasiado vago e sem explicação satisfatória

deste conceito tem sido dada (madeiras 1994 ).


16 Outra razão para Hamblin para rejeitar a verdade como critério é que ele é um “conceito espectadores” e ‘pressupõe uma visão do

olho de Deus da arena’ ( 1970 , P. 242).


17 em Johnson (2000 , Pp. 336-340), o problema de possíveis tensões entre aplicando tanto uma verdade e um critério de
aceitabilidade na avaliação dos argumentos é discutido. Aplicação dos dois critérios pode levar a con fl resultados icting:
instalações pode ser falsa, mas aceitável, ou verdade, mas inaceitável.
7.3 Contribuições de Blair e Johnson à lógica informal 383

apontando inconsistências em um argumento ( 2000 , P. 197). Van Rees ( 2001 ) Argumentou que este
argumento não é relevante:

Alguém que quer manter, como esses teóricos fazer, que os argumentos não devem ser inconsistente [. . .] Não é
certamente assim, necessariamente comprometidos com a visão de que as instalações precisam ser verdade. (P. 236).

Na mesma linha como van Rees, Blair ( 2011a , P. 94) transmite o seguinte julgamento
na defesa da exigência de verdade de Johnson: “decorre nenhum de seus argumentos que, para um
argumento para contar como uma boa, suas instalações deve ser verdade.”
Outra questão que é levantada em relação ao critério de aceitação é se ele deve ser visto como
idêntico ao critério de aceitação de Hamblin (ou seja, uma premissa é aceitável se o destinatário do
argumento aceita). Esta interpretação do critério de aceitabilidade foi criticado pelo fato de que a
qualidade das instalações, então, seria em relação ao público-alvo a quem o argumento é apresentado,
de modo que não é garantido que os argumentos que são aceitos são de fato “digno de aceitação
”(Blair 2011a , P. 94). 18

De acordo com Blair, subjacente à questão de saber se verdade ou aceitação


deve ser visto como o critério certo para bons argumentos é um desacordo sobre que fim se pensa
argumentos devem servir:

No caso de aceitação, o uso que o argumento está sendo colocado faz a diferença. Com argumentos usados ​para
convencer, nas instalações das partes aceitará será, assim, aceitável. Com argumentos usados ​para justificar, o teste
geral é que a premissa de ser razoável aceitar. Instalações conhecidas para ser verdade conhecer claramente que o
teste, mas assim que instalações que são provável ou plausível sob certas condições. ( 2011a , P. 99).

que Blair não vê a necessidade de escolher entre estes dois usos do argumento, porque ambos os usos ocorrer
e pode ser visto como legítimo ( 2011a , P. 94).
Quanto ao terceiro critério de suficiência, o principal problema é como determinar o que deve contar como
evidência su fi ciente. 19 Suficiência é uma questão de grau, o que significa, de acordo com Johnson, que o que é
suficiente em um conjunto de circunstâncias pode não ser suficiente em outros ( 2000 , P. 205). Dependendo, por
exemplo, de quanto está em jogo, as normas podem ser mais rigorosas numa situação do que na outra. Assim, a fim
de desenvolver

18 Blair e Johnson (1987 , Pp. 50-53) tentou resolver este problema do relativismo epistemológico, exigindo que os
argumentadores não aborda apenas o indivíduo de outros mas uma comunidade de interlocutores que têm crenças bem
informados sobre o assunto em discussão e que apresentam certos traços de razoabilidade. A noção de uma comunidade
de interlocutores modelo tem estreita semelhança com Perelman e noção de de Olbrechts-Tyteca público universal. De
acordo com Tindale, no entanto, o fato de que, ao contrário da abordagem de Perelman, na proposta de Blair e Johnson não
há nenhuma conexão entre o público ideal ea audiência imediata “faz com que seja uma proposta atraente para uma
abordagem retórica à argumentação” ( 1999 , P. 117).

19 Na edição de seu livro de 1994 Lógico Autodefesa, Johnson e Blair especificar três maneiras em que um argumento pode
carecem de suficiência, que implicam os critérios de suficiência: instalações, em conjunto, não são su fi ciente para apoiar a
conclusão se eles não fornecem provas que tem sido recolhida de forma sistemática por um método apropriado, se eles não
fornecer uma amostra su fi ciente dos vários tipos de provas pertinentes, ou se eles ignoram a presença de, ou a possibilidade
de, evidências em contrário (Johnson e Blair 1994 , P. 72).
384 7 Lógica informal

padrões de suficiência, Johnson argumenta, deve ser estabelecido que circunstâncias ou quais os elementos
do contexto em influenciar o peso da evidência que é necessário: “A questão difícil para a lógica informal e a
teoria do argumento é como a de contexto fi ne para fins de avaliação e criticando os argumentos”( 2000 , P.
205). Blair acredita que, assim como os de aceitabilidade, os padrões de suficiência pode ser diferente para
argumentos persuasivos do que para os argumentos usados ​para justificar:

Nos argumentos fi catory justi pode ser muito importante para ser tão con dente fi possível que a evidência adicional é
verdade, e se assim for, fortalecendo o argumento pode exigir, além das instalações adicionais, também em cada caso,
as razões para pensar que elas são verdadeiras. Em argumentos persuasivos com um público não-interagindo, o
argumentador deve tentar julgar quanta evidência o público terá de ser convencido. ( 2011a , P. 96).

Em sua monografia A racionalidade manifesta, Johnson ( 2000 ) Propôs que na


Além dos critérios de RAS (ao qual acrescenta o critério da verdade), que são necessários para avaliar o
núcleo inferencial de um argumento (a estrutura premissa-conclusão), critérios dialéticos devem ser utilizados
para avaliar a extensão na qual um argumento Lida convenientemente com visões alternativas e objeções.
De acordo com Johnson, é demasiado limitada para restringir-se a um estrutural vista de argumentos, isto é, a
ver argumentos apenas como um texto ou discurso que tem a estrutura de uma reivindicação apoiada por
razões:

[. . .] Argumento tem sua estrutura (razões a favor de uma tese ou instalações além de conclusão) por causa do
propósito que serve - persuasão racional. Uma limitação significativa da vista estrutural é que ele ignora este
aspecto importante - efeito ou função. ( 2000 , P. 148).

Para superar as limitações da visão estrutural, Johnson propõe uma alternativa, concepção
pragmática de argumento, que se concentra no que ele considera como o objetivo principal de
argumentação, persuasão racional. Ele dá a seguinte definição de persuasão racional:

Pela persuasão racional, quero dizer que o argumentador deseja persuadir o outro a aceitar a conclusão sobre a base das
razões e considerações citadas, e aqueles sozinho. Em entrar no reino de argumentação, o argumentador se compromete a
renegar todos os outros métodos que podem ser usados ​para alcançar este objectivo: força, fl attery, truques e assim por diante.
( 2000 , P. 150).

De acordo com Johnson, as pessoas envolvidas na prática da argumentação não apenas abraçar a
racionalidade, mas eles “exibem o que é ser racional” (p 162). “O argumentador reconhece que há objeções
e problemas com a posição (. . .). O crítico reconhece que há racionalidade na posição do argumentador.
Assim, eu poderia pensar de argumentação como uma exposição de prêmio de racionalidade”( 2000 , P. 163).
Na visão de Johnson, é a exigência da “racionalidade manifesto” que distingue a argumentação da própria
racionalidade não é suficiente para diferenciar os dois, ele acredita que, uma vez que a racionalidade é
interno para e constitutiva de ambas as práticas “retórica”.:

O que separa a retórica da argumentação é que este último é obrigado pela exigência de racionalidade
manifesta. O argumentador não pode ignorar objeções ao seu argumento, mesmo que não se sabe como
prevenir-los, porque não parece ser racional e por isso violaria a exigência de racionalidade manifesta. O
rhetor está sob nenhuma restrição: Se ignorar a objeção vai levar a uma comunicação mais eficaz, e se isso
é racional, então a objeção pode ser ignorado. (P. 163).
7.3 Contribuições de Blair e Johnson à lógica informal 385

Tendo em vista o seu propósito de persuasão racional, Johnson afirma que a argumentação não só exige uma
estrutura especi fi c, o núcleo inferencial, mas também um conjunto dialético. Considerando que o nível primeiro, o
núcleo inferencial, é “a intenção de iniciar o processo de conversão Outros, vencendo-os para a posição do
argumentador,” a camada dialética é necessária para persuadir o oponente racionalmente por lidar com objeções e
críticas (p. 160) : 20

O núcleo inferencial não é suficiente para um argumento. Devido à natureza dialética de argumentação, o
elevador de argumentação precisa subir mais alto. Que há um argumento no lugar primeiro significa que a
conclusão é, pelo menos potencialmente controversa. Há uma mistura de opinião, um fundo de experiência,
informação e conhecimento sobre esta questão. Há aqueles que têm uma visão diferente; há pontos de vista do
adversário; há objecções tipicamente bem conhecidos. Um argumento que não leva em conta estas realidades
dialéticos é em algum sentido importante incompleta. Não apenas pobres, mas incompleto. Falta-lhe o liame
dialético. ( 2000 , P. 206).

Distinguindo ao lado do núcleo inferencial uma camada dialético separado significa que também há uma
distinção a ser feita entre dois tipos de critérios para a argumentação. Além dos critérios de relevância,
aceitabilidade, suficiência, e verdade, que são para ser aplicada na avaliação do núcleo inferencial, Johnson,
por conseguinte, também formula critérios para a camada dialético. De acordo com Johnson (2000 ., Pp
207-208), ao avaliar o nível dialético de uma discussão, as seguintes questões devem ser levantadas:

1. Como está o argumentador capaz de lidar com as objeções padrão e crítica?


2. Até que ponto o argumento em si abordar a posições alternativas?
3. Como bem o negócio argumento com consequências / implicações? A última pergunta é relevante se o
argumentador responde à crítica de que a posição que ele ou ela defende leva a consequências
insustentáveis ​ou tem implicações inaceitáveis.

Johnson admite que os critérios para a camada dialética ainda estão em aspectos importantes claro:
“se o argumentador é exigido pela natureza do argumento para lidar com objeções e críticas, como
devemos especificar qual ones” Ele propõe exigir que o argumentador lida com “as objeções padrão”,
as “objeções salientes normalmente ou freqüentemente encontrados na vizinhança da questão” ( 2000 ,

p. 332). Além disso, Johnson pensa que o argumentador é “obrigado a lidar com quaisquer objeções que o
argumentador conhece o público vai esperar que ele ou ela lidar com [. . .] E também essas objecções
acredita que o argumentador sua posição pode lidar”(p. 332). No entanto, Johnson não está muito feliz
com a ideia de que as expectativas do público deve ser decisivo para obrigações dialéticas do
argumentador, já que o público pode ser heterogêneo, e também pode haver objeções que valem a pena

20 Em “Argumentação como dialético”, Blair e Johnson ( 1987 ) Já defendia uma abordagem dialética à argumentação. Eles,
então, esboçou os contornos de uma conta dialético de suficiência que leva forte semelhança com noção posterior de
Johnson de liame dialético (pp. 50-53). No entanto, em Johnson ( 2000 ) Vista, as obrigações dialéticas o argumentador
deve FUL fi ll em seu liame dialético não se destinam a substituir a conta original de suficiência, mas formar um critério
adicional de avaliação.
386 7 Lógica informal

que eles não estão cientes de (p. 333). Sua conclusão é, portanto, que “toda a questão de como especificar
obrigações dialéticas do argumentador merece um estudo mais aprofundado” (p. 333).

Em resposta às críticas que, em Racionalidade manifesto os critérios para a adequação dialética ainda não
foram especificados, Johnson (2003 , P. 49) propõe três critérios para a camada dialético: “adequação, precisão
e adequação.” 21 De acordo com Johnson, adequação dialético é conseguido, desde que: (a) As promoções
argumentador de forma justa, de forma precisa com cada objecção. (B) A resposta do arguer para a excepção é
adequada. (C) O argumentador lida com as objeções apropriadas.

A idéia de Johnson que os argumentos exigem um liame dialético tem levantado muita discussão. Uma
objeção importante, apresentada pelo Govier, é que a proposta é inviável, uma vez que leva a um infinito
regress:

O problema regressão parece surgir por conta de Johnson por causa de sua afirmação de que cada argumento é
incompleta sem um liame dialético. Na minha terminologia, isso significa que cada argumentador tem a obrigação
dialético para reforçar seu argumento principal com argumentos suplementares que respondem a posições alternativas
e objeções. argumentos suplementares são também argumentos. Assim, eles também parecem exigir argumentos
complementares que abordam as alternativas e objeções. Estes argumentos complementares-to-the-suplementar,
sendo novamente argumentos, vai exigir o mesmo. E esta linha de raciocínio pode ser claramente continuou. Assim, a
visão de Johnson parece implicar um em regressão infinita. ( 1999 , Pp. 232-233).

Em resposta à objecção da Govier, Johnson indicou que a sua proposta em


Racionalidade manifesto Não era que todos os argumentos requer um liame dialético, mas apenas que o caso
paradigmático de argumento deve exibir esta estrutura ( 2003 , P. 45). Michael Leff (1941-2010) criticou noção
de nível dialético de Johnson por sua falta de “lastro situacional” e argumenta que Johnson estabeleceu-se
uma tarefa impossível: “Johnson quer construir um sistema dialético autônomo que pode abranger todas as
instâncias do argumento, e para alcançar este fim, ele deve conhecer os critérios para adequação dialético
antes de qualquer caso particular do argumento dialético”( 2000 ,

p. 251). De acordo com Leff, conhecimentos retóricos podem ajudar a chegar a um juízo fundamentado
sobre o adequação dialético equivale a em uma situação fi c específica. Se o argumento racional é para
significar algo na prática, ele afirma, “deve ser concebida em relação às controvérsias e divergências que
entram em nossa experiência do mundo real, e é precisamente aí que o argumento se torna dialético” (p.
252). 22

21 Na reacção com os critérios quanto à sua adequação dialético apresentados num artigo anterior por Johnson ( 1996 , Pp. 264-266, a

republicação de Johnson, 1992), Govier havia argumentado que estes critérios são, na verdade nenhum critério, uma vez que eles não oferecem

nenhuma orientação sobre como se pode estabelecer se o argumentador tem adequadamente tratadas com objeções, posições alternativas, e

consequências ( 1999 , P. 215).


22 Em pragma-dialética, idéias pragmáticas desempenhar o papel contextualização que Leff atribui a retórica insights. Ao
fazer uso de insights da teoria dos atos de fala, torna-se possível estabelecer que “o espaço desacordo” está envolvido na
argumentação e, portanto, para especificar o que está em jogo no discurso argumentativo (ver Seita. 10.3 deste volume).
7.4 Histórico de Finocchiaro e abordagem empírica 387

Uma série de críticas dizem respeito ao estatuto da teoria, como é apresentado na Johnson Racionalidade
manifesto. Embora Johnson chama sua abordagem pragmático,
van Rees ( 2001 , P. 234) argumentou que sua concepção de dialética não pode realmente ser visto como
pragmático. Desde Johnson tenta estabelecer com antecedência o que os critérios para a adequação dialética
são, as obrigações dialéticas preocupação “objeções em abstracto, não as objeções reais que fazem parte da
controvérsia real”, e isso não é compatível com uma noção pragmática da dialética: 23

Em uma concepção verdadeiramente pragmática da dialética, o que o argumentador precisa responder são nada mais
(mas também nada menos) do que as objeções reais ou potenciais do adversário que ele tenta convencer. [. . .] Em uma
concepção verdadeiramente pragmática, todo o problema da in fi regress nite nunca iria surgir, porque uma tal concepção
faria justiça ao fato de que os argumentos são trazidos para a frente contra e basear-se em um fundo dos pontos de
partida comuns. O que pertence ao conjunto dos pontos de partida compartilhados por definição não carece de mais apoio
para a duração dessa discussão particular. ( 2001 , P. 234).

Hansen ( 2002a , Pp. 273-274) argumentou que, embora Johnson apresenta sua
teoria como dialética, o padrão de racionalidade manifesto que ele introduziu, ou seja, a exigência de
que a argumentação deve ser claramente e abertamente racional “, parece ser um requisito retórica,
porque tem a ver com a apresentação de raciocínio, não com a qualidade do raciocinando em si.”Além
disso, o fato de que‘a persuasão racional deve tratar até mesmo as objeções equivocadas a seu ver
mostra que a persuasão deve ser adaptado ao seu público-alvo, e que é uma retórica em vez de uma
demanda lógica ou dialética.’

7,4 Abordagem histórica e empírica da Finocchiaro

Em linha com o objetivo central do movimento lógica informal, Maurice


A. Finocchiaro fez uma contribuição substancial para a análise e avaliação de argumentos reais. Mais
especificamente, ele é um dos estudiosos primeiros a usar a lógica informal para a interpretação dos cientí
fi controvérsias C.
A abordagem da Finocchiaro aos argumentos em cientí fi cos controvérsias podem ser caracterizadas
como histórico e empírico. A primeira característica manifesta-se na forma como ele descreve o assunto de
sua pesquisa. Finocchiaro dá uma historiografia meticulosa do cientí fi c controvérsia em questão,
fornecendo as informações relevantes sobre os cientistas envolvidos, os debates realizados, os
argumentos apresentados, e o contexto histórico em que a controvérsia evoluiu. A segunda característica é
manifesto na forma Finocchiaro avalia os aspectos argumentativos da controvérsia em questão. Ao invés
de desenvolver critérios para bons argumentos do ponto de vista, a priori, como a da lógica formal, ele
sustenta que tais critérios podem e devem

23 De acordo com van Rees, o relato de Johnson não é verdadeiramente dialética, quer, desde Johnson vê produzindo motivos e

descarregar um de obrigações dialéticas como coisas diferentes, enquanto que em uma conta verdadeiramente dialética, o

argumento por si só seria visto como uma tentativa de tirar objeções (antecipados) e duvido ( 2001 , P. 233).
388 7 Lógica informal

ser encontrada dentro do próprio discurso empírica: Os padrões para bons argumentos são exempli fi
cados na argumentação apresentada pelos cientistas envolvidos na controvérsia.

Em uma coleção de artigos escritos durante um período de três décadas, Finocchiaro ( 2005a ),
Teoricamente, reflete sobre a sua abordagem histórica e empírica para análise de argumentos e avaliação como
empregados em seus trabalhos sobre cientí fi controvérsias C. Abaixo, vamos primeiro indicam como ele foi
situado si mesmo dentro do movimento lógica informal. Então, vamos elucidar as principais características de
sua abordagem. 24

Como muitos outros lógicos informais, Finocchiaro foi inspirado por críticas de Toulmin em relação à
abordagem lógica formal a argumentação:

[. . .] Eu adotado de Toulmin o que parecia ser a sua solução do problema da epistemologia da ciência da lógica
e da argumentação. Ele parecia estar sugerindo uma crítica da lógica formal ou simbólica como sendo insu fi
cientemente em causa com o raciocínio humano real, com argumentos nondeductive, como são comuns em lei,
com a argumentação em linguagem natural, e com aplicações práticas; e ele parecia estar fazendo um apelo
por uma teoria lógica que era mais empírica, mais geral, mais natural, mais prático e mais histórica. ( 2005a , P.
7).

No entanto, ao contrário da maioria dos outros lógicos informais, Finocchiaro propõe conceber a
lógica informal como a teoria do raciocínio em vez da teoria da argumentação. Ele descreve esta teoria
de raciocínio como “a tentativa de formular, para testar, para esclarecer e sistematizar conceitos e
princípios para a interpretação, a avaliação ea prática som de raciocínio” e afirma que sua abordagem
“corresponde ao teórico central preocupações daqueles que têm explicitamente identi fi si ed com o
campo da lógica informal”( 2005a , P. 22). Finocchiaro enfatiza que, ao utilizar o termo raciocínio, ele não
significa adotar uma abordagem lógica formal, mas sim uma empírico:

A ênfase no raciocínio também se entende como um lembrete de que o que está sendo estudado aqui é uma
atividade mental que realmente ocorre no mundo e que deixa traços empíricos (normalmente na forma de discurso
escrito ou oral). Isto por sua vez significa que a teoria de raciocínio tem uma orientação empírica e não é uma
disciplina puramente formal ou abstrata. ( 2005a , P. 22).

Por esta razão, Finocchiaro, por vezes, refere-se a sua abordagem como lógica empírica,
ao mesmo tempo enfatizando que “o empírico é contrastada principalmente ao a priori, e não, por
exemplo, para o normativo ou o teórico” ( 2005a , P. 47). abordagem histórica e empírica da Finocchiaro
aos argumentos é exempli fi cado em seu extenso trabalho sobre controvérsias científicas,
especialmente as relativas à defesa de Copérnico de Galileu. 25 Como ele explica, a sua abordagem é
baseada em quatro

24 Ao compor esta seção, temos feito uso de Pinto ( 2007 ), Madeiras ( 2008 ), E Wagemans ( 2011a ).

25 Entre suas publicações sobre o Galileo são Finocchiaro ( 1980 , 1989 , 2005b e 2010 ). Além de Galileo, a pesquisa de
Finocchiaro em cientí fi c raciocínio inclui também outras figuras importantes fi na história da ciência, como Huygens,
Newton, Lavoisier, Einstein, e Boltzmann.
7.4 Histórico de Finocchiaro e abordagem empírica 389

princípios metodológicos: Pode ser caracterizadas como histórico-textual, dialético, interpretativa, e auto-referencial.
Vamos brevemente y elucidar esses princípios abaixo.
O princípio primeiro está relacionado com a natureza do objeto de pesquisa. Dada a importância de
uma troca crítica de argumentos em trazer cientí fi c progresso, em suas historiografias de cientí
controvérsias fi cos, Finocchiaro concentra-se em uma interpretação muito detalhada e reconstrução
dos argumentos envolvidos eo contexto histórico e textual em que são apresentadas. Neste sentido,
sua abordagem pode ser caracterizado como histórico-textual.

O segundo princípio está relacionado com o foco da Finocchiaro sobre os aspectos argumentativos de
cientí fi controvérsias C. Ao caracterizar sua abordagem como dialético,
Finocchiaro indica que na reconstrução do discurso, ele tende “para salientar contra-argumentos,
acusações, críticas, avaliação, potencial diálogo (e não necessariamente real), e o fi cação clari (em vez
da resolução) de diferenças de opinião” ( 2005a , P. 14).

O terceiro princípio refere-se a pontos de partida teóricos de Finocchiaro sobre o papel dos argumentos
cientí fi controvérsias C. Para que um argumento para ser quali fi cado como um bom argumento, ele precisa
em sua opinião, não necessariamente ser um instrumento para a resolução de uma diferença de opinião.
Argumentos podem também ser quali fi cado como tal quando eles contribuem para o esclarecimento da
controvérsia em que os debatedores estão envolvidos. Por esta razão, Finocchiaro caracteriza sua
abordagem como interpretativa: “Salienta a compreensão e reconstrução de argumentos (distinta da sua
avaliação e crítica) a um grau muito maior do que é comumente o caso” ( 2005a , P. 14).

A quarta e fi característica metodológica nal da abordagem de Finocchiaro é auto-referencialidade. O


termo expressa a intenção de aplicar os princípios acima referidos não só para a análise dos científica
controvérsias, mas também quando se trata de contribuições de seus pares acadêmicos em lógica informal
e a teoria da argumentação. Este princípio é exempli fi cado em interpretações das contribuições de muitos
estudiosos importantes o campo de Finocchiaro. 26

O recente livro de Finocchiaro sobre as controvérsias em torno da defesa de pontos de vista de Copérnico
de Galileu de que a Terra se move por girando em seu eixo (a tese Geokinetics Inc), bem como ao redor do Sol
(a tese heliocêntrica) mostra os princípios metodológicos acima mencionadas no trabalho. Mas há uma
percepção de chegar mais longe. De acordo com Finocchiaro, a interpretação e avaliação das controvérsias
em questão assumem a forma de uma defesa do que ele chama:

[. . .] Um em particular e ainda tese abrangente: que hoje, no contexto do caso Galileu e as controvérsias
sobre a relação entre ciência e religião e entre a autoridade institucional e liberdade individual, a defesa
adequada do Galileo deveria ter o, crítico de caráter, de mente aberta e imparcial que sua própria defesa de
Copérnico tinha fundamentado. ( 2010 , P. x, itálico original).

26 Nos capítulos contendo ensaios críticos, Finocchiaro ( 2005a ) Discute a obra de Perkins, Massey, Siegel, Cohen,
Gramsci, Barth e Krabbe, Freeman, Arnauld e Nicole, da Escola de Amesterdão, Walton, Johnstone, Goldman,
Johnson, Hamblin, Shapere, e Popper.
390 7 Lógica informal

Assim Finocchiaro subscreve uma ética de reciprocidade - a máxima de que as pessoas devem ser
tratadas da mesma maneira como eles trataram outras - como a tese fundamental da sua obra sobre o
Galileo. Desta forma, ele também mostra como o princípio normativo subjacente ao caráter
interpretativo da sua lógica informal (ou empírica
lógico) método de análise e avaliação científica c
controvérsias podem ser articulados: A avaliação do histórico cientí fi cos controvérsias não deve
ocorrer através da aplicação de uma padrões priori, mas usando padrões que são empírica no sentido
de que eles podem ser deduzida a partir do raciocínio dos cientistas envolvidos.

7.5 Análise Crítica do Govier de questões-chave em lógica informal

Em nossa visão geral sobre o contexto histórico do movimento lógica informal e as principais questões
investigadas por seus estudiosos contribuem em Seita. 7,2 deste volume, mencionamos dois aspectos
importantes em que a lógica informal difere da lógica formal. Primeiro, os lógicos informais não visualizar
o padrão lógico de validade dedutiva como o único padrão para a avaliação de argumentos, mas
procurar desenvolver padrões alternativos. Em segundo lugar, em vez de se concentrar em produtos
abstratos de processos de raciocínio, os lógicos informais visam dar uma análise fi ed teoricamente justi
e avaliação de argumentação como ocorre em contextos da vida real. Nesta seção vamos discutir o
trabalho de Trudy Govier, cujas contribuições para o movimento lógica informal substancial re claramente
refletem essas duas características.

Em seus ensaios, Govier criticou várias formas do que ela considera como
dedutivismo e fez propostas para analisar e avaliar os tipos de argumento com base em outras normas
que (os relacionados com a) validade formal. Além disso, ela abordou um grande número de problemas
associados com a análise e avaliação de argumentos de linguagem natural e escreveu um influente livro
(Govier 1985 ) Sobre a reconstrução e avaliação do discurso argumentativo em uma ampla variedade de
contextos. 27

Ao discutir o trabalho de Govier na lógica informal, que primeiro se concentrar em seus pontos de vista sobre
as diferenças entre a lógica formal e informal. Em seguida, apresentamos sua análise crítica de algumas das
questões-chave na lógica informal: os tipos de argumento, dependências implícitas e falácias. Por último, damos
uma breve caracterização da natureza geral de suas contribuições para a lógica informal. 28

críticas da lógica formal da Govier são semelhantes aos de Toulmin e outros. Ela argumenta que, quando se
trata da análise e avaliação dos argumentos em linguagem natural, as ferramentas fornecidas pela lógica formal não
são perfeitamente adaptado para fazer o trabalho.

27 Além de suas contribuições para a lógica informal, Govier tem escrito sobre uma série de temas de filosofia social,
incluindo a confiança, o perdão ea reconciliação. Não vamos abordar esses escritos aqui.

28 Ao compor esta seção, temos feito uso de Allen ( 1990 ) E Blair ( 2013 ).
7.5 Análise Crítica do Govier de questões-chave em lógica informal 391

Além disso, ela lamenta que muitos lógicos estão cegos pelo paradigma que a validade formal é o
padrão final para avaliação argumento:

Formalmente argumentos válidos parecem estar funcionando como uma espécie de paradigma. Este paradigmworks tão
fortemente em lógicos e filósofos que eles são incapazes de ter em conta o óbvio formalmente treinados. O óbvio é que o
rigor ea realidade são companheiros inquietos, que a verdadeira argumentação não é fácil ou utilmente passível de
tratamento formal, e que há muitas perguntas não formais interessantes sobre argumentos que clamam por atenção. (Govier 1987
, P. 10).

Mais especificamente, Govier critica a ideia de que os argumentos devem ser dedutivamente válido para ser
bons argumentos. Ela faz uma distinção entre cético dedutivistas, que observam que a maioria dos argumentos de
linguagem natural são inválidas e manter-se da opinião de que “todos os argumentos inválidos são igualmente e
totalmente fl admirados”, e
nonskeptical dedutivistas, que reconhecem que tais argumentos são inválidos, mas considerá-los “como
incompleta [. . .] Vê-los como tendo premissas tácitas não enunciados pelo argumentador”( 1987 , P. 25).

De acordo com Govier, a lógica formal não é apenas uma base inadequada para a análise e avaliação de
argumentos de linguagem natural, mas também incapaz de abordar algumas das questões-chave no estudo da
argumentação:

[. . .] Perguntas como 'Quantos tipos diferentes de argumentação estão lá?', 'Quando e por que devemos considerar um
argumento como tendo instalações não declaradas em falta ou?', E 'é a verdade das premissas muito fortes uma condição à
demanda por solidez da argumentação?', não pode ser respondida por meio de técnicas formais. ( 1987 , P. 13).

Estas perguntas referem-se às principais questões de tipos de argumento, de instalações não declaradas,
e da avaliação da argumentação. Abaixo discutimos exões críticos re fl do Govier sobre estas três questões.

Quanto à questão primeira da série de diferentes tipos de argumentos, Govier sustenta que a divisão
entre argumentos dedutivos e indutivos comumente aceitos por filósofos positivistas não é defensável: “A
grande divisão entre argumentos dedutivos e indutivos é espúria e teoricamente perigoso, porque faz -lo
muito fácil ignorar os muitos argumentos nondeductive que não são classicamente indutivo”( 1987 , P. 53).
A fim de encher a lacuna, Govier chama a atenção para o trabalho de dois filósofos que apresentaram
opiniões divergentes interessantes sobre o raciocínio e argumento que pode fornecer um ponto de partida
para o desenvolvimento de uma forma mais adequada classificação dos tipos de argumentos.

O primeiro desses filósofos é John Wisdom, que em uma série de palestras realizadas em 1957 na
Universidade de Virginia (Sabedoria 1991 ) Estabeleceu um tipo de raciocínio que ele denominou caso-a-caso
raciocínio. Por isso ele quer dizer um tipo de raciocínio que não é nem dedutivo nem indutiva e no qual
inferências são desenhadas sobre um caso particular de uma espécie de analogia com casos semelhantes.
De acordo com Govier, é difícil dar uma regra geral pela qual os argumentos baseados no raciocínio caso a
caso pode ser avaliado: “Caso a caso raciocínio parece recalcitrante ao tratamento por regras gerais, porque
não podemos dizer em geral que casos vão ser semelhante e porquê”( 1987 , P. 64). No entanto, na prática,
este tipo de raciocínio ocorre com freqüência e debatedores podem encontrar uma maneira de avaliar os
argumentos envolvidos: “Embora as regras podem não existir para resolver disputas sobre os méritos destes
392 7 Lógica informal

argumentos analogia, ainda há espaço para o debate racional sobre questões pertinentes. Semelhanças e
diferenças pode ser apontado para fora, e a significância destes pode ser racionalmente discutido”( 1987 , P. 65).

A segunda filósofo Govier chama a atenção para é Charles Wellman, que argumenta em sua
monografia sobre raciocínio ético Desafio e Resposta ( Wellman
1971 ) Que há uma espécie de raciocínio ético que não é nem dedutivo nem indutivo. Ele chama esta
espécie raciocínio condutora:

Condução, um terceiro tipo de raciocínio, é distinto destes, sendo 'que tipo de raciocínio em que (1) a uma conclusão
sobre algum caso individual (2) é desenhado nonconclusively (3) a partir de um ou mais locais sobre o mesmo processo
(4 ), sem qualquer recurso a outros casos.' [. . .] Um argumento condutor, então, depende fundamentalmente sobre o
conceito de relevância. Ela difere de um argumento dedutivo porque os fatores citados não implicam, e não são
apresentadas como sendo su fi ciente para, a conclusão apresentada. Ela difere de um argumento indutivo em que não é
um caso de confirmando ou hipóteses discon fi rming por instâncias e em que (geralmente) razões separadamente
relevantes são citados em apoio a uma conclusão normativa, conceitual ou filosófica. (Govier 1987 , P. 66).

De acordo com Govier, raciocínio condutora de Wellman poderia muito bem ter uma contrapartida na
argumentação, o que resultaria em adicionar argumentos condutores como uma terceira categoria, além de
argumentos dedutivos e indutivos.
Govier aborda a questão fundamental dos tipos de argumentos, não só em seu trabalho teórico, mas
também em seu livro amplamente utilizado (Govier 1985 , 7ª edição
2010 ), No qual ela elabora sobre os problemas práticos pode-se encontrar em analisar e avaliar
argumentos em linguagem natural. Ao discutir as características de outros tipos de argumentos, ela
explica os de argumentos baseados no raciocínio de caso para caso (Govier 1985 , CH. 9), bem como
argumentos condutoras (Govier 1987 , CH. 10) e fornece um grande número de reconstruções instrutivos
e avaliações de exemplos reais.

Quanto à segunda questão-chave das instalações implícitas ou não declaradas, Govier adota idéia geral
de Scriven sobre o uso do princípio da caridade na reconstrução de argumentos. Ela articula ainda mais
esta ideia, afirmando que, ao interpretar as contribuições de outras pessoas para discurso argumentativo,
devemos adotar uma princípio da caridade moderado. Por isso, ela significa que não devemos “interpretar
outros como tendo feito reivindicações implausíveis ou inferências defeituosas a menos que haja uma boa
razão empírica para fazê-lo”, e também que no caso da evidência empírica não nos permite decidir
claramente a favor de um dos interpretações possíveis, devemos “adotar essa interpretação segundo a qual
as reivindicações feitas são mais plausível e as inferências mais razoável” ( 1987 , P. 152). A justificativa para
aplicar este princípio da caridade moderada reside no fato de que podemos presumir que as pessoas
quando contribuem para o discurso argumentativo estão se comportando de acordo com a função normal de
argumentação como prática social e racional:

Nós presumimos, outras coisas sendo iguais, que os outros estão a participar na prática social da argumentação
racional. Ou seja, eles estão tentando dar boas razões para reivindicações que eles realmente acreditam, e eles
estão abertos a críticas sobre os méritos de suas crenças e seu raciocínio. Eles estão operando dentro do
propósito da troca, isto é, é o seu propósito de comunicar informações, opiniões aceitáveis ​e crenças razoáveis, e
para fornecer
7.5 Análise Crítica do Govier de questões-chave em lógica informal 393

boas razões para algumas dessas opiniões e crenças, oferecendo bons argumentos. Se assumirmos isso, então se
há uma ambigüidade no discurso, e podemos interpretá-lo seja como mal ou tão mal fundamentado, vamos optar
pela interpretação mais sensata. (Govier 1987 ,
p. 150, itálico original).

Como um caso em apreço, Govier mostra como o princípio da caridade pode ser usado para preencher em
uma premissa que falta no argumento. Segundo ela, instalações falta são um subconjunto das suposições não
declaradas que ir com todos os argumentos. Em que ela chama de uma política “dedutivista” nas instalações
falta, o argumento é completada pela adição da condicional associado, ou seja, uma declaração condicional que
tem o conjunto de instalações do argumento como seu antecedente e a conclusão do argumento como sua
consequente. Esta política, entretanto, resulta em uma “adição redundante e inútil”, porque “simplesmente reitera
o argumento original” ( 1987 , P. 86). A fim de fi ll nas instalações falta de um argumento, devemos julgar o
argumento como sendo uma instanciação inferencialmente doentia de um específico tipo fi c do argumento de
que “seria inferencialmente som se de um conjunto candidato de instalações suplementares foram adicionados” ( 1987
, P. 102). Então, com base no princípio de caridade modesta, bem como outras considerações interpretativas,
vamos selecionar o melhor candidato como premissa desaparecida.

Tal como acontece com os tipos de argumentos discutidos anteriormente, Govier traduz suas
considerações teóricas sobre o problema das instalações em seu livro faltando na análise e avaliação de
argumentos reais em orientações práticas, tais como “ sem suplementação sem justificativa ”( 1985 , P. 33,
itálico original). Ela aplica estas diretrizes para a reconstrução de exemplos reais de argumentos que
contêm premissas falta ou não declaradas.

Quanto à terceira e fi nal questão-chave da avaliação da argumentação, Govier, como Hamblin e


outros, é de opinião que a invalidez dedutivo é necessária nem uma condição su fi ciente para falácia
dos argumentos. Não é uma condição necessária, porque, por exemplo, argumentos que exemplificam o
homem de palha não necessariamente tem que ser inválido desde a deturpação da posição que está
sendo criticado pode ser encontrado em uma premissa. E não é um fi condição ciente suf também,
porque há argumentos não-falaciosos que não são dedutivamente válido (Govier 1987 , Pp. 186-187). Em
seu livro, Govier ( 1985 ) Fornece um grande número de avaliações de exemplos de

argumentos em linguagem natural em que uma falácia é cometido. Todas as falácias são explicados como
uma espécie de desvio dos critérios RAS afirmando que para um argumento para ser convincente, suas
instalações deve ser aceitável (A), relevantes para a conclusão (R), bem como fornecendo motivos su fi
cientes (S). Embora Govier afirma que todas as falácias exemplificar alguns partida (ou saídas) a partir desses
padrões, ela não significa afirma que todas as partidas exemplificar falácias. Ao invés de apresentar uma
teoria geral de falácias, ela explica cuidadosamente em cada caso em que normas de boa argumento aplicar e
por que essas normas tenham sido violados no exemplo em questão.

Em geral, então, as contribuições teóricas de Govier a lógica informal mostram um grande interesse nos
pressupostos estudiosos fazem quando desenvolvimento de métodos para análise de argumento e padrões para
avaliação argumento. Ela adota criticamente tais métodos
394 7 Lógica informal

e transforma e re fi nes-los com base em conhecimentos pragmáticos e linguísticas para torná-los


otimamente adequada para a realização da tarefa para a qual foram concebidos. Além de ter contribuído
para o desenvolvimento de instrumentos teóricos para a análise e avaliação dos argumentos em
linguagem natural, Govier também mostrou de forma clara e instrutiva como tais instrumentos podem ser
utilizados. 29 Ao fazê-lo, ela enfatizou a ligação entre o movimento lógica informal eo movimento
pensamento crítico que apontou em nossa visão geral do desenvolvimento histórico da lógica informal em Seita.
7,2 . Sua orientação prática sobre a aplicação dos conhecimentos teóricos desenvolvidos dentro da lógica
informal para a avaliação prática de argumentos reais é um exemplo paradigmático de como fomentar o
desenvolvimento de habilidades de pensamento crítico das pessoas.

7,6 Abordagens epistemológicas

Um dos objectivos centrais de estudiosos pertencentes ao movimento lógica informal é desenvolver


normas, padrões ou critérios para avaliar argumentos em linguagem natural. Ao desenvolver essas
normas, alguns estudiosos tirar sua inspiração de um ramo da filosofia chamado epistemologia, ou seja,
a teoria do conhecimento e crença fi ed justi. A idéia básica por trás de uma abordagem epistemológica
para a lógica informal é que as trocas argumentativas deve conduzir a uma melhoria da estado
epistêmico ou situação epistêmica das pessoas envolvidas. Isto significa que, no final da troca
argumentativa, eles devem ter adquirido novos conhecimentos ou ser capaz de justificar melhor as
crenças que eles já tiveram. Idealmente, as suas crenças terá sido trazido de acordo com - ou um
passo mais perto - a verdade.

A ideia de que as trocas argumentativas deve levar a epistêmica melhorias é semelhante à idéia
básica por trás do movimento de pensamento crítico que as pessoas devem aprender a julgar criticamente
as opiniões que são apresentados com. Estudiosos como Battersby ( 1989 ) E Weinstein ( 1994 )
Estabeleceu uma conexão entre a abordagem epistemológica e pensamento crítico, definindo pensamento
crítico Como
epistemologia aplicada. Nesta seção, vamos abster-se de discutir o uso de insights epistemológicas para o
reforço das capacidades de pensamento crítico, mas apresentar uma visão geral dos critérios
epistemológicos para a avaliação da argumentação. Em primeiro lugar, devemos prestar atenção ao ponto
de partida geral de abordagens epistemológicas à lógica informal. Então, vamos discutir os vários tipos de
critérios para bons argumentos que os estudiosos que tomam este ponto de partida foram propostos, bem
como as características gerais de uma teoria epistemológica de falácias.

29 Além das questões fundamentais discutidas nesta seção, Govier ( 1985 ) Aborda em seu livro também as questões de
como distinguir argumentação da explicação, como de definir uma estrutura de argumento (ção), como avaliar os
argumentos com base nos critérios RAS, como diagrama argumentos, como usar insights de formais lógica, e como
aplicar métodos de avaliação argumento dentro dos contextos das ciências sociais e da vida social.
7,6 Abordagens Epistemological 395

Finalmente, devemos fornecer uma breve visão geral da abordagem epistemológica de Robert C. Pinto à lógica
informal. 30

De acordo com Christoph Lumer, a abordagem epistemológica parte do pressuposto de que a “saída
padrão de argumentação é o conhecimento ou crença fi ed justi” ( 2005 , P. 190). 31 Lumer elucida esse ponto
de partida, contrastando-a com o ponto de estudiosos de partida ele toma para representar um retórico abordagem
à argumentação, tais como Perelman e Olbrechts-Tyteca em sua proposta de uma nova retórica, e aqueles
que ele leva para representar um consenso abordagem, tais como van Eemeren e Grootendorst

na sua proposta de pragma-dialética teoria da


argumentação. 32
De acordo com Lumer, a abordagem retórica leva a saída padrão de processos argumentativos ser persuasão
no sentido do estabelecimento ou ampli fi cação da crença do público no ponto de vista defendido pelo
alto-falante. Ele critica a abordagem para conduzir a maus resultados: “Uma vez que a retórica não se
esforça de verdade e conhecimento, muitas vezes, levar a falsas crenças, ou seja, desorientação sobre
como o mundo é, e, portanto, a falsas decisões com consequências tremendamente negativas” ( 2005a ,
P. 190).

A abordagem consensual à argumentação, na visão de Lumer, toma a saída padrão de processos


argumentativos para ser um crença compartilhada no sentido de que o argumentador e o destinatário concordem
quanto à aceitabilidade da crença em questão na discussão. Segundo ele, esta abordagem sofre de um problema
semelhante como a abordagem retórica. Desde há critérios objectivos para a crença fi ed justi são fornecidos, a
abordagem consenso não é capaz de garantir que as crenças compartilhadas que são o resultado de processos
argumentativos qualificar crenças fi cados como justi: “A verdade de uma crença simplesmente não depender de
alguém está compartilhando essa crença , mas no fi ful enchendo as condições de verdade da proposição em
questão. Mesmo a idéia de teóricos consenso de que o caminho para o consenso tem de ser regulada por regras
que novamente são conjuntamente aceites não ajuda, desde que esse consentimento não se baseia em critérios
objectivos para a verdade e aceitação”( 2005a , P. 191). 33

O resultado dessas críticas é que o subjetivo ou intersubjetiva


padrões para bom argumento desenvolvidos dentro das abordagens à argumentação

30 Além disso, a contribuição de Adler deve ser mencionado (por exemplo, Adler 2013 ).

31 Na composição desta parte da seção, fizemos uso da visão geral de abordagens epistemológicas fornecidos pelo Lumer ( 2005
) Como a introdução do editor convidado para duas edições especiais consecutivos na abordagem epistemológica à
argumentação da revista Lógica Informal: 25 ( 3) e
26 ( 1).
32 Para uma descrição elaborada dessas abordagens, ver Rachar. 5, “A Nova Retórica” e Rachar.

10, “A Teoria Pragma-Dialética da Argumentação” , Respectivamente. Consultoria nesses capítulos também vai deixar claro que
as críticas feitas pelos representantes do endereço de abordagem epistemológica apenas uma pequena parte das ideias
desenvolvidas nessas abordagens.
33 Para mais especí fi cos críticas da “abordagem de consenso”, em particular de pragma-dialética, ver Siegel e Biro ( 1997 , 2008
, 2010 ) E Lumer ( 2010 , 2012 ). Para uma resposta a estas críticas, ver Garssen e van Laar ( 2010 ), Botting ( 2010 , 2012 ),
Van Eemeren ( 2012 ), e também Rachar. 10, “A Teoria Pragma-Dialética da Argumentação” deste volume.
396 7 Lógica informal

Lumer contrasta a abordagem epistemológica com são de má qualidade epistêmica e do âmbito de validade
limitado. Estudiosos tomam uma abordagem epistemológica objectivo desenvolver um conjunto de objetivo critérios
para bom argumento, ou seja, para decidir sempre que uma determinada crença de que funciona como um
ponto de vista ou como um argumento pode ser chamado de crença fi ed justi. Estes critérios objectivos são
baseados em idéias filosóficas sobre a aquisição de conhecimentos e o racional justi fi cação de crenças, e
que dizem respeito a vários fatores que são relevantes para o processo de melhoria do conhecimento. Os
estudiosos envolvidos distinguir quatro desses fatores e, assim, propor quatro tipos de critério: “gnóstica”,
“plausibilist”, “prosbatic” 34 e “responsibilist” queridos. Nós brevemente y discutir estes diferentes tipos de
critério.

Gnóstico critérios de fi ne justi fi crença ed em relação ao destinatário da argumentação. Um exemplo


de um conjunto de critérios gnósticos é o seguinte: “Um argumento é um bom argumento para pessoa S
se e somente se: (i) S é justi fi cado em crer que o conjunto de todas as instalações no argumento, (ii) S é
justificada em acreditar que as instalações são “devidamente conectado” à conclusão, e (iii) o argumento
não é derrotado por S.” 35

Plausibilist critérios de fi ne justi fi crenças ed em relação às instalações si mesmos, isto é, eles


descrevem a qualidade epistêmica do conteúdo e a relevância das instalações como tal. Por esta razão,
os critérios plausibilist às vezes são chamados estrutural critério. Exemplos deste tipo de critérios pode
ser encontrado em Siegel e Biro ( 1997 ) E Biro e Siegel ( 2006 ).

Prosbatic critérios de abordar ainda um outro fator relevante para alcançar uma melhoria do estado
epistêmico ou situação na mão, ou seja, a acessibilidade do conhecimento necessário para o destinatário a
acreditar que a verdade (ou aceitação) das instalações, bem como a sua relevância para acreditar na verdade
(ou aceitabilidade) da conclusão. critérios Prosbatic às vezes são chamados situacional critérios, porque eles
de fi ne justi fi crença ed em relação à situação em que a argumentação ocorre, ou seja, em relação ao
destinatário eo momento em que o pedido for feito. Em geral, “critérios prosbatic de fi ne 'uma boa
argumentação' como uma noção quadradic: 'para resolver argumento uma ( com banco de dados d) no tempo t para
pessoa s é uma boa argumentação', em que a referência ao banco de dados pode ser omitida no caso de
certos argumentos”(Lumer 2005 , P. 195). 36

34 A palavra “prosbatic” deriva do grego prosbatos ( acessível).


35 O exemplo como citado por Lumer ( 2005 , P. 198) decorre de Feldman (1994 , P. 179).
36 De acordo com Lumer, plausibilist e critérios prosbatic são necessárias, a fim de descrever o que faz um bom argumento:
“Os critérios estruturais, plausibilist pode ser considerado como definindo um instrumento, ou seja, o argumento, que em
princípio está apto a fi ful ll a função padrão de argumentação. Os critérios situacionais, prosbatic, por outro lado, pode ser
visto como regras para a utilização deste instrumento:? Em que (epistêmica) situação pode o instrumento ser usado para fi
realmente ful ll a função padrão”( 2005 , P. 196, itálico original). Estudiosos em favor de uma combinação dos dois tipos de
critérios incluem Lumer ( 1990 ) E Johnson ( 2000 ).
7,6 Abordagens Epistemological 397

Finalmente, responsibilist critérios de abordar a responsabilidade epistêmica do argumentador, ou


seja, o grau em que o argumentador de fato transfere o conhecimento de que ele ou ela possui ao
destinatário. Exemplos deste tipo de critérios pode ser encontrado em Goldman ( 1994 , 1999 ). Lumer ( 2005
) Explica a necessidade de critérios responsibilist no que respeita à avaliação do processo de
argumentação como uma “empresa interpessoal da melhoria do conhecimento” (p 198) da seguinte
forma:. “Se a argumentação de alguém (dirigida a outra pessoa) é, como o argumentador sabe, bom para
o destinatário (os critérios gnósticos ou plausibilist-prosbatic são ful encheram), mas não para o
argumentador (as condições responsibilist não são satisfeitas), então o argumentador deve ter alguma
informação relevante que o destinatário não tem. Para melhorar a situação epistêmica do destinatário, o
argumentador deve introduzir este pedaço de informação no discurso e, portanto, mudar seu
argumento”(p. 198).

Existem vários problemas relacionados com o estado, bem como o uso desses critérios para a
avaliação do discurso argumentativo. Em primeiro lugar, os critérios gnósticos e plausibilist dizem respeito
principalmente à argumentação como um produto, enquanto o prosbatic e critérios responsibilist
pertencem à argumentação como um processo. Em segundo lugar, não há um acordo entre os estudiosos
sobre o conteúdo dos critérios de um determinado tipo. E em terceiro lugar, não há consenso sobre qual
dos quatro tipos de critérios é para ser usado quando se avalia discurso argumentativo. Em vez de
fornecer um fl integral gumes teoria de como avaliar discurso argumentativo, estudiosos, que representam
a abordagem epistemológica propuseram critérios para a avaliação de tipos específicos de argumento.
Lumer ( 1990 ) E Feldman ( 1999 ) Proposto critérios epistemológicos para argumentos dedutivos; Lumer ( 1990
), Feldman ( 1999 ), E Goldman ( 1999 ) Para tipos específicos de argumentos probabilísticos; Feldman ( 1999
) Para a argumentação causal; e Lumer ( 1990 ) E Feldman ( 1999 ) Para a argumentação prática. De um
alcance um pouco mais amplo são obras de Weinstein ( 2002 , 2006 ) E Goldman ( 1999 ), Que propôs
critérios para a verdade das teorias cientí fi, e Freeman ( 2005a ), Que desenvolveu uma teoria
epistemológica de aceitabilidade premissa. Ao propor critérios de avaliação argumento, os estudiosos que
tomam uma abordagem epistemológica para a lógica informal fornecer ao mesmo tempo os blocos de
construção para uma teoria de falácias. Visto de uma forma muito geral, falácias são maus argumentos, e,
a fim de decidir, sempre que um argumento pode ser chamado de “mau argumento,” é preciso saber em
que condições um argumento pode ser chamado de “argumento bom.” Por isso, muitos abordagens
dentro do campo da teoria da argumentação de fi ne falácias como violações de determinadas normas,
regras, normas ou critérios para bom argumento, e a abordagem epistemológica não é excepção: “de
acordo com a abordagem epistemológica, teoria das falácias é apenas a contrapartida negativa da
positiva critérios para uma boa argumentação. Falácias, grosso modo, 2005 , P. 202).

Dado que, dentro da abordagem epistemológica foram desenvolvidos vários tipos diferentes de critérios
de um bom argumento, não é nenhuma surpresa que os de definições fi de falácias dadas dentro desta
abordagem variam de acordo. Refletindo a especificidade tipo fi c do critério propuseram, alguns
estudiosos fornecer uma gnóstico
de fi nição de falácias, outros um plausibilist de fi nição, e novamente outros um
398 7 Lógica informal

plausibilist-prosbatic 1. 37 De forma semelhante, quando iam sobre que diz respeito ao desenvolvimento
de critérios para a avaliação argumento, estudiosos prossecução de uma abordagem epistemológica
para a lógica informal têm descrito tipos específicos de falácias em vez de forneceu uma teoria falácia fl
gumes inteiro. Falácias que foram dadas atenção especial incluem a falácia de petição de princípio, o
argumentum ad hominem, o argumentum ad verecundiam, a falácia da af fi rming consequente, o
ignorantiam argumentum ad, eo populum argumentum ad. 38

Ao concentrar-se no desenvolvimento de critérios para bom argumento e descrições relacionadas de


falácias, a maioria dos estudiosos que trabalham dentro da abordagem epistemológica não presta muita
atenção para duas outras aplicações importantes da teoria da argumentação: o análise e a Produção do
discurso argumentativo. As ferramentas propostas pelo Feldman ( 1999 ) E Lumer ( 2003 ) Para a
preocupação análise a interpretação dos argumentos concretos em termos das ideais, em vez da
reconstrução das trocas argumentativas dentro específica domínios comunicativas. A mesma limitação se
aplica às contribuições deste fundo em relação à produção de discurso argumentativo. As instruções
propostas por Lumer ( 1988 ) E Goldman ( 1999 ) Dizem apenas respeito à conduta das discussões
encontrando de verdade. instruções epistemologicamente inspirados para a escrita de textos
argumentativos ou a realização de discussões com um objetivo diferente do que encontrando a verdade
ainda precisa ser desenvolvido.

Uma abordagem epistemológica distinto é definido no trabalho na lógica informal de Robert C. Pinto.
As publicações de Pinto podem ser classificados como pertencentes a epistemologia, filosofia da mente,
a lógica informal, e a teoria da argumentação. Sua abordagem é exempli fi cado em sua análise filosófica
de mandados como inferências materiais, ou seja, como inferências que não são válidas por sua forma
lógica (Pinto 2006 ). Pinto destaca três questões sobre garante que precisam ser respondidas:

1. Qual é a forma das declarações que expressam mandados?


2. Quais propriedades determinar a validade argumento?
3. Quais são as propriedades de indicações permitem que os tornam têm força normativa?

De acordo com Pinto, a virtude fundamental de argumentos válidos não é que eles são truthpreserving, mas
sim que eles são direito de preservação. Um argumento é quando é o caso de que se as premissas do
argumento pode ser razoavelmente assumido, segue-se que a conclusão pode ser razoavelmente assumido
que preserva o direito. Em seu tratamento de mandados, Pinto laços com Toulmin do ( 2003 ) Pontos de vista
sobre warrants e Hitchcock ( 1985 , 1998 ) pontos de vista sobre os argumentos entimemático e generalizações
que cobrem (ver também Seita. 4.8 deste volume).

37 De acordo com Lumer ( 2005 , Pp. 202-203), e Fogelin Duggan ( 1987 ), Bem como Goldman ( 1999 ) Propor um gnóstico de
definição de enganos, Siegel e Biro ( 1997 ) Um plausibilist de definição, e Lumer ( 2000 ) Um um plausibilist-prosbatic.

38 Veja Lumer ( 2005 , Pp. 203-204) para referências a obras dedicadas a essas falácias específicas.
7,7 Freeman na estrutura de argumentos e Aceitabilidade Argumento 399

Pinto publicou também sobre outros temas da lógica informal, como a força de razões (Pinto 2009 )
E o contexto comunicativo de argumentos (Pinto 2010 ). Juntamente com Hansen, editou um volume
contendo uma seleção de textos que documentam perspectivas antigos e modernos em falácias
(Hansen e Pinto 1995 ). Uma coleção de ensaios de Pinto foi publicado sob o título Argumento, Inferência
e Dialética ( malhado 2001 ).

7.7 Freeman na estrutura argumental e aceitabilidade Argumento

James B. Freeman realizou em pesquisa influente e ambicioso fl em lógica informal que gira em torno de dois temas.
Primeiro, vamos discutir seus pontos de vista sobre a estrutura da argumentação no nível macro. Em seguida, nós
fornecemos uma visão geral de seus pensamentos sobre a aceitabilidade argumento.

Em Dialética e da macroestrutura de argumentos, Freeman ( 1991 ) Propõe uma


teoria da estrutura argumento (como ele chama) que não se concentra sobre a estrutura das demonstrações
usados ​em argumentos, mas na maneira em que estas declarações combinam em argumentos maiores. Para a
estrutura anterior, refere-se como o Freeman
Microestrutura de argumentos e o último como o macroestrutura de argumentos. A microestrutura dos
argumentos é, por exemplo, estudou na lógica dedutiva. Um exemplo do valor das análises microestruturais é
que eles podem demonstrar a validade verofuncional de um argumento, mostrando que “segue” a regra de
modus ponens ou alguma outra regra formalmente válida de inferência. A macroestrutura de argumentos pode
ser retratado por meio de técnicas de diagramação como desenvolvido em lógica informal, utilizando, por
exemplo, árvores, caixas e setas. Freeman observa que o valor de análises macro-estruturais é que eles não
se aplicam apenas aos argumentos dedutivos, mas para todos os tipos de argumento. Na sua opinião,
análises macro-estruturais pode ser uma ferramenta útil para a avaliação de argumentos ( 1991 , Pp. Xii-xiii).
Uma característica da abordagem de Freeman é que ele examina a estrutura argumento em um ambiente
dialógico. Um argumento desenvolve-se gradualmente em um diálogo entre pessoas, em que as declarações
são feitas, as perguntas são feitas e tratadas, e evidências são fornecidos. Em vista de Freeman de
argumento como um processo dialético, a estrutura monológicos de um argumento pode ser considerado
como o produto de um diálogo argumentação.

A abordagem de Freeman é inspirado no modelo de Toulmin proposto em Os usos do argumento ( Vejo Rachar.
4, “Modelo de argumentação de Toulmin” deste volume, em especial Seita. 4.8 ). Na terminologia de Freeman, o
modelo de Toulmin é um exemplo de como a macroestrutura de argumentos podem ser analisados.
interpretação dialógica de Freeman naturalmente fi ts o contexto legal que inspirou Toulmin para desenvolver o
seu modelo.

Freeman apresenta a sua abordagem à macroestrutura argumento contrastando-o com três


abordagens rivais. A primeira delas é a modelo premissa-conclusão da macroestrutura argumento. O
modelo premissa-conclusão está associada com a macroestrutura de argumentos como é concebido na
lógica dedutiva. Visto de Freeman de
400 7 Lógica informal

perspectiva, este modelo lida principalmente com a microestrutura do argumento. Segundo ele, a utilidade
óbvia do argumento métodos de diagramação como eles são usados ​e re fi nida em lógica informal é um
sinal de que o modelo premissa conclusão não é toda a história. A segunda abordagem rival é o que
Freeman, referindo-se Beardsley ( 1950 ) E Thomas ( 1986 ), Chama a padrão de diagramação argumento
approachto. Ele menciona os quatro distinções macroestruturais feitas nesta abordagem: divergente, serial,
convergente e argumentos ligados (ver Seita. 7,2 ). O terceiro e fi nal rival abordagem é o proposto no
modelo Toulmin, que distingue os dados, reivindicação, contraprova, autorização, de suporte, e quali fi
cador como elementos macro-estruturais.

O principal objectivo do estudo de Freeman é desenvolver ainda mais a teoria macroestrutural do


argumento, dando-lhe um fi Römer base teórica, abordando o tema da estrutura argumento de uma
perspectiva dialética. De acordo com Freeman, sua abordagem pode levar a uma avaliação adequada
das abordagens concorrentes e uma fi cação clari das relações e distinções entre os elementos
macro-estruturais, em particular aquelas entre argumentos ligados e convergentes.

Freeman distingue entre uma “dialógica” e uma situação de “dialética”. Uma situação dialógica é um
cenário em que os participantes se envolver em algum tipo de diálogo com o outro para trocar os seus
pontos de vista sobre determinados assuntos ou para algum outro propósito. Uma situação dialógica só
é dialético quando certos requisitos adicionais sejam atendidas. Deve haver algum tipo de oposição
entre os participantes, a troca deve assumir a forma de perguntas e respostas, ea troca deve seguir
certas regras que definem as funções dos participantes e constranger o modo como o diálogo
prossegue. Nesses aspectos, a noção de um Freeman

situação dialética liga-se com a noção de um discussão crítica como desenvolvido por van Eemeren e
Grootendorst ( 1984 ). homem livre (1991 , Pp. 33-37) fi especi es vários desideratos para o argumento

técnicas de diagramação, bem como para uma teoria da macroestrutura argumento. Uma técnica de
diagramação devem ser aplicadas, diretamente aplicável, e espelhar a estrutura dos argumentos da
vida real. A teoria da macroestrutura argumento deve proporcionar uma base racional para reconhecer
os tipos de elementos distintos, que rationale deve ter uma base teórica e ser natural.

No quadro teórico de Freeman, três tipos de perguntas podem ser feitas para “tirando um
argumento de um defensor” ( 1991 , P. 37). Perguntas do primeiro tipo de preocupação a aceitabilidade
do argumento: “Por que eu deveria acreditar que a premissa?” E “Como você sabe que isso é
verdade?” Perguntas do segundo tipo são questões que dizem respeito à relevância do argumento: “Por
é que a razão relevante para a afirmação?”e‘Como você chegar lá?’o último é a questão Toulmin usado
para adquirir o mandado de um argumento. Questões do terceiro tipo são questões de adequação do
solo: “Você pode me dar outra razão ?,” “Como certeza fazer suas razões fazê-lo da reivindicação ?,”
“Por que suas instalações torná-lo tão certo ?,” e “O que pode impedi-lo de chegar lá?” (Pp. 38-39).
Freeman conecta suas categorias de perguntas aos elementos macroestruturais. Por exemplo, a
questão relevância “Por que é que a razão relevante para a afirmação?” Está ligado à ligados
7,7 Freeman na estrutura de argumentos e Aceitabilidade Argumento 401

estrutura argumento. Freeman também faz comparações com as abordagens por Grice ( 1975 ) E
Rescher ( 1977 ). Ele traça um paralelo, por exemplo, com máximas de cooperação nas discussões
racionais e apresentação de questões que surgem na disputa formais de Rescher de Grice (ver Seita.
6,4 ).
Usando este quadro teórico, Freeman argumenta que garante de Toulmin não deve ocorrer em
diagramas de argumento. Quando defendendo esta posição, ele usa a distinção entre argumento como um
processo e argumento como um produto. Desde um mandado é uma resposta natural à pergunta “Como
você chegar lá ?,” ele tem um papel distinto quando todo o processo do diálogo argumentativo é
considerada. Mas quando o argumento é analisado como um produto, o papel distinto de uma autorização
torna-se menos evidente, uma vez que a análise então abstrai do questão geradoras mandado. Freeman
conclui que garante ter um lugar natural no processo de argumento, ou seja, o diálogo argumentação, mas
não no argumento como produto, isto é, não no diagrama de argumento.

A distinção feita na abordagem padrão que é especialmente problemático é, de acordo com Freeman,
aquele entre os argumentos ligados e convergentes. As definições fi de de essas noções são ou meramente
intuitivo ou vagas ou ambíguas ( 1991 , P. 97). Com base na sua estrutura teórica, Freeman afirma ter
encontrado uma distinção clara entre os dois. Um argumento tem uma estrutura ligada “quando dois (ou
mais) instalações devem ser tomados em conjunto [. . .] Para ver por isso que temos uma razão relevante para
a conclusão”(p. 97). Um argumento tem uma estrutura convergente “quando duas ou mais instalações são
cada um, independentemente, relevantes para a conclusão” (p. 97). Freeman considera a maneira como ele
usa a noção de relevância na distinção entre argumentos ligados e convergentes para ser melhor do que os
usos anteriores do

combinação lógica, fi tting juntos, e lacunas lógicas enchendo. Como um teste de sua proposta, ele discute a
análise de uma série de exemplos de argumentos que ele considera problemático para a abordagem
padrão.
Freeman também aborda as modalidades e refutações como elementos em macroestrutura de um
argumento. Ele trata modalidades como ers modi fi da alegação de que é suportado. Por exemplo, a
alegação de “John virá amanhã” pode ser modi fi cado usando a modalidade “provavelmente”, dando a
modi fi reivindicação ed “Provavelmente, John virá amanhã.” Freeman reconhece que refutações merece
seu lugar em um sistema de elementos macro-estruturais, também considerando o fato de que o número
de réplicas pode ser inde fi nite. Em contraste com Toulmin, Freeman discute a possibilidade de
counterrebuttals ( 1991 , Pp. 164-165). Ele conecta sua discussão sobre refutações para Hart de ( 1951 )
Noção de conceitos defeasible. Um exemplo de um conceito defeasible é a de um contrato legal. A
conexão com argumentos e sua macroestrutura é que, para o estabelecimento da existência de um
contrato legal, é necessário considerar os argumentos para a existência do contrato, mas também os
argumentos refutando desafiando tal existência.

Pragma-dialecticians (van Eemeren e Grootendorst 1992a ; Snoeck Henkemans 1992 ) E Walton ( 1996b
) Desenvolveram abordagens para a estrutura de argumentação que estão relacionados com a conta
dialético de Freeman da macroestrutura do argumento. Snoeck Henkemans ( 1992 ) Discutiu
criticamente anteriormente
402 7 Lógica informal

versões da abordagem de Freeman a macroestrutura de uma perspectiva pragma-dialética. Um ponto de


crítica expressa em uma resenha do livro de Freeman por SNOECK Henkemans ( 1994 ) É que a distinção
pouco clara entre os argumentos ligados e convergentes tornou-se ainda mais confuso na abordagem de
Freeman, uma vez que os argumentos agora pode ser modal vinculado e convergente, ao mesmo tempo
(pp. 320-321).

A abordagem de Freeman foi retomada por desenvolvedores de software de suporte argumentação,


especi fi camente por Reed e Rowe ( 2004 ). 39 Em 2011, Freeman publicou uma versão adaptada e
estendida de seus pontos de vista sobre a macroestrutura do argumento, que se coadunam com Wigmore
de ( 1931 ) Método argumento de diagramação e Pollock ( 1995 ) gráficos de inferência. 40 Outras adições
são que Freeman ( 2011 ) Aborda críticas feitas por SNOECK Henkemans ( 1994 ) Sobre a distinção entre
argumentos e críticas convergentes e ligados por Walton ( 1996b ) Sobre a necessidade de uma análise
mais aprofundada da noção de relevância.

Ao lado de seu trabalho sobre a estrutura da argumentação no nível macro, Freeman ( 2005a ) Também
publicada uma monografia intitulada Aceitável instalações: Uma Abordagem Epistemic a uma lógica Problema
Informal. O objetivo deste estudo é responder a pergunta quando instalações pode ser considerado aceitável, e
este assunto é tratado quase inteiramente independente da opinião das Freemans na macroestrutura
argumento. Freeman discute uma série de critérios populares para aceitabilidade premissa segundo a qual a
declaração é aceitável se e somente se ele é (a) verdadeiro, (b) conhecido para ser verdade, (c) aceite, (d)
acompanhada pelo argumento, ou ( e) provável (pp. 10 e ss). Cada um desses critérios é rejeitado por ele.
Inspirado por Cohen ( 1992 ) Idéia de que as presunções podem ser tomadas para concedido quando não há
razões contra a fazê-lo, Freeman ( 2005a , P. 21) propõe como critério de aceitabilidade que “uma declaração
[tais como premissa] é aceitável apenas quando existe uma presunção a seu favor.” Sua proposta está
estreitamente relacionada com a idéia de derrotabilidade argumento (ver também

Seita. 11.2 ).
Referindo-se Platinga ( 1993 ), Freeman ( 2005a , P. 44) discute como declaração
aceitabilidade e presunção depender de quatro condições: (1) o mecanismo de gerar a crença na
demonstração deve funcionar correctamente; (2) ele deve operar em um ambiente adequado; (3) deve ser
de um mecanismo que visa a verdade; e (4) que têm de ser fiáveis. Como uma condição adicional de
aceitabilidade declaração, Freeman (pp. 62-63) acrescenta uma versão NED re fi da condição pragmática
que deve haver um equilíbrio entre o custo de estar errado e o custo de obtenção de mais provas.

Freeman observa que a idéia da presunção é bem conhecida a partir da configuração tribunal, onde
a divisão fi c específica do ónus da prova determina que o partido deve defender que reivindicação.
Semelhante a sua abordagem da estrutura argumento é que ele descreve presunção contra um fundo
dialético. Freeman distingue declarações de acordo com o seu ser “logicamente determinado,”
“descritiva”, “interpretativa”, ou “avaliativo”. Ele se conecta essas distinções ao pessoal

39 Para a resposta de Freeman para Toulmin, consulte Seitas. 11.4 e 11.10 deste volume.

40 Veja também Seita. 11.2 deste volume em invalidadores subcotação e refutar de Pollock.
7,8 Walton em Esquemas argumentação e Tipos de Diálogo 403

mecanismos crença de geração: a intuição priori leva a declarações logicamente determinado; percepção,
introspecção, e chumbo memória para descrições; física, pessoal e institucional resultado intuição em
interpretações (por exemplo, declarações causais, atribuições de crença ou intenção, regras semânticas);
e intuição moral resulta em avaliações. Testemunho é discutida como um mecanismo de geração de
crença interpessoal.

Em seu artigo “Sistematização Warrants de Toulmin: Uma Abordagem epistêmica”, Freeman ( 2005b )
Refere-se a vista em mandados para que nas instalações aceitáveis. Distinguindo warrants sobre a base
da maneira em que eles são descobertos e justificada, ele chega a um fi classi quádrupla cação. Este fi
cação classi se parece muito com o sistema fi cação classi ele usou em seu trabalho nas instalações
aceitáveis: Warrants pode ser a priori, empírica, institucional, ou avaliativo.

Uma revisão extensa e cuidadosa do livro de Freeman na aceitabilidade premissa foi dada pelo Krabbe ( 2007
). Ele se conecta a abordagem de Freeman para a posição de Hamblin que uma declaração é aceitável se e
somente se ele é aceito e à idéia pragma-dialética que os debatedores concordam com as premissas básicas
na fase de uma discussão de abertura. Ele também explica por que o epistemológico, objetivos normativos
do projeto de Freeman são relevantes para os teóricos de argumentação: Quando a teoria da argumentação
é aplicado à avaliação ou a construção de um argumento fi c específica, um julgamento sobre a aceitação
geral de instalações do argumento é importante, e tal julgamento é apoiada por uma boa compreensão dos
fundamentos normativos (Krabbe 2007 , P. 109).

7,8 Walton em Esquemas argumentação e Tipos de Diálogo

Douglas N. Walton é um fi c autor excepcionalmente Proli que foi o autor de um grande número de livros e papéis.
Seus estudos teóricos iniciais sobre as falácias realizados em colaboração com John Woods foram publicados em
1989 como Falácias: trabalhos selecionados 1972-1982. Gradualmente perspectiva teórica de Walton desenvolvido
a partir de uma principalmente lógico para uma dialética e em certa medida também perspectiva pragmática. O
foco de sua pesquisa concentrou-se ao longo do tempo fortemente em dois temas: sistemas de argumentação
(como ele chama) (por exemplo, Walton 1996a ; Walton, Reed e Macagno

2008 ) E tipos de diálogo (por exemplo, Walton e Krabbe 1995 ; Walton 1998 ). Walton também publicou um livro sobre
a lógica informal (Walton 1989 , 2008a ). Além disso, ele tem escrito estudos sobre estrutura de argumentação (Walton 1996b
) E tipos específicos de argumento, como apelo à opinião de especialistas (Walton 1997 ). Mais recentemente, Walton
se tornou cada vez mais conectado com o campo da Inteligência Arti fi cial, especialmente em suas aplicações à lei
(por exemplo, Walton 2008b ; Gordon et al. 2007 ). 41 Nesta seção, vamos primeiro discutir o trabalho de Walton sobre os
regimes de argumentação e, em seguida, descrever a sua abordagem aos tipos de diálogo.

41 Veja também Rachar. 11, “Inteligência Argumentação e Arti fi cial” , em particular Seitas. 11,5 e

11,6 , Deste volume.


404 7 Lógica informal

De acordo com Walton, Reed, e Macagno ( 2008 ) em Esquemas de argumentação,


“Esquemas de argumentação são formas de argumento (estruturas de inferência) que representam estruturas de
tipos comuns de argumentos usados ​no discurso cotidiano, bem como em contextos especiais, como os de
argumentação jurídica e científica c argumentação” (p. 1). Entre os esquemas que lista são as formas familiares
dedutivos e indutivos de argumento, mas também defeasible, presuntivo, e formas abdutivas que não são nem
dedutivo nem indutivo. Os autores explicam que tais formas argumento utilizado para ser visto como falaciosa,
mas agora pode ser tratada como formas razoáveis ​de argumento que pode ser derrotado em face da
contra-argumento. Tais contra-argumentos, muitas vezes surgem em considerar as questões críticas associadas
com o esquema de argumentação em questão. A reivindicação, por exemplo, que John estava na cena do crime
pode ser apoiada pelo testemunho de Maria que ela o viu lá. Tal argumento é defeasible, já que Mary pode ser
confundido ou falsas. A tarefa para os teóricos de argumentação é determinar a forma de tais argumentos, neste
caso, argumentos usando depoimento de uma testemunha, e listar as questões críticas associadas a ele.

Menos de 60 posições, Walton, Reed, e Macagno (2008 , Cap. 9) apresentar uma lista de
esquemas de argumentação, quase todos eles recolhidos a partir da literatura existente. 42
Segundo os autores, reconhecendo a importância e legitimidade da argumentação defeasible levou a uma
mudança de paradigma na lógica, arti fi cial inteligência e ciência cognitiva ( 2008 , P. 2). Em vez de considerar os
argumentos defeasible como inerentemente falaciosa, houve uma crescente compreensão de que precisamos de
tais argumentos e que depende das circunstâncias se a sua utilização está no lugar ou não. As questões críticas
associadas com um esquema de argumentação são uma ferramenta importante para testar o apoio defeasible
fornecidos por determinado argumento, em que é aplicado o esquema.

O método de estudar esquemas de argumentação defeasible com um conjunto combinado de questões


críticas Walton, Reed, e Macagno atribuir a Hastings de ( 1963 ) Dissertação. No método, a ideia subjacente à
avaliação de um argumento é que um argumento pode ser derrotado quando seu proponente não responder
perguntas críticas do adversário. Depois de algum tempo, a comunidade argumentação começou a tomar-se
esta abordagem (por exemplo, Kienpointner 1992 ; Grennan 1997 ; ver também Garssen 2001 ). Em um capítulo
histórico, Walton, Reed, e Macagno discutir conexões com a noção de um de Aristóteles tópico e (brie fl y)
com Perelman e noção de de Olbrechts-Tyteca

esquemas argumentativos, noção de um Toulmin fi eld, ea noção pragma-dialética de tipos de argumentação ( referindo-se
a van Eemeren e Kruiger 1987 ). Como um exemplo de um esquema de argumentação, tomamos o esquema
de primeira listada na Walton, Reed, e “compêndio de esquemas” de Macagno chamado argumento de
posição para saber ( 2008 , P. 309, ver também pp. 13ss). Os autores explicam que um argumento de posição
para saber se baseia na situação comum que alguém tem informação ou conhecimento que é útil para
alguém, por exemplo, quando o outro pede o caminho para a estação quando ele está perdido. No entanto,
quando perguntando o caminho para a

42 A lista baseia-se na lista apresentada no Cap. 3 de Walton ( 1996a ) Esquemas de argumentação para presuntivo, Argumentação que

conta 25 títulos, e menciona referências para cada sistema (a maioria deles para outras publicações por Walton, alguns para

trabalhar por outros pesquisadores).


7,8 Walton em Esquemas argumentação e Tipos de Diálogo 405

estação, presume-se que a pessoa consultada faz saber o caminho para a estação, que pode ser um
pressuposto errado. Walton, Reed, e Macagno apresentar o seguinte esquema para o argumento de
posição para saber (referindo-se Walton 2002b , P. 46):

Argumento da posição de saber


premissa maior Fonte uma está na posição de saber sobre as coisas em um certo domínio assunto S contendo
proposição UMA
premissa menor uma afirma que UMA é verdade (false)

Conclusão UMA é verdade (false)

questão crítica 1 É uma em posição de saber se UMA é verdade (false)?


questão crítica 2 É uma um honesto (e confiável confiável) fonte?
questão crítica 3 fez uma afirmam que UMA é verdade (false)?

A principal premissa expressa a situação de fundo que alguém, a fonte


uma, está em uma posição relevante saber. A premissa menor expressa que a fonte realmente afirma
conhecimento relevante, por exemplo, que UMA é verdade. A conclusão defeasible É então que UMA É verdade.
As questões críticas listar possíveis situações em que essa conclusão pode ser drawnmistakenly: quando a fonte
não pode ser realmente em uma posição relevante saber, pode ser desonesto, ou não pode ter feito a afirmação
em tudo.
O padrão da maioria dos esquemas de argumentação é semelhante ao do modus ponens, “com algo
defeasible atuando como premissa maior” (Walton et al. 2008 , P. 16). No exemplo que é fornecido, a fonte
está na posição de saber, mas ainda pode fazer uma afirmação errada. premissa maior e menor devem ser
considerados como premissas ligadas, não instalações convergentes.

esquemas de argumentação também são úteis como ferramenta pedagógica para a formação de habilidades
críticas. Os esquemas e as questões críticas associadas podem ser de ajuda para identificar e avaliar os argumentos
(Walton et al. 2008 , P. 21). A flexibilidade dos esquemas em oposição às ferramentas da lógica formal vem a calhar.
Em um contexto de ensino, é também útil que os regimes de argumentação pode ser associada a técnicas de
diagramação e ferramentas de software associados (ver também Seita. 11.10 deste volume).

Walton, Reed, e Macagno também mencionar alguns problemas da abordagem esquemas de argumentação ( 2008 , P.
31). Entre as questões que eles observados são a normatividade e integridade dos esquemas: Como está ligando um
esquema, se em tudo? Quando é um esquema de completar? Pode questões mais críticas será solicitado que não aqueles
listados? 43

Walton, Reed, e Macagno (2008 , P. 309) observam que a contagem de argumentação


esquemas é um tanto arbitrária. Esta arbitrariedade é ilustrada pelo facto de que, na sua introdução, eles
anunciar tendo 65 esquemas (p. 4), enquanto que o seu compêndio utiliza 60 posições. Eles também dizem
que Walton ( 1996a ) Dá 26 esquemas (2008 , P. 3), enquanto a lista em seu livro utiliza 25 títulos. Como
reconhecido pelos autores, as diferenças no número parece ser um efeito colateral da falta de fi xedness das
unidades que são contados. Alguns esquemas, por exemplo, tem várias variações ou sub-regimes. Quando
deve variações ou sub-sistemas ser contado como regimes distintos? Walton, Reed, e Macagno resposta é
que o número de esquemas não importa tanto quanto o

43 Foram feitas tentativas de sistematizar ainda mais a lista de esquemas de argumentação e as questões críticas
associadas, por exemplo, no campo da Inteligência Arti fi cial (ver Seita. 11,5 deste volume) e de forma pragma-dialética
(Wagemans 2011b ).
406 7 Lógica informal

classi fi cação projeto em si (p. 309). Eles propõem (em Rachar. 10, “A Teoria da Argumentação
PragmaDialectical” ) Um sistema de classi fi cação usando três grandes rubricas: raciocínio, argumentos
baseados em origem, e que apliquem regras para casos. Cada título ampla tem uma série de
subcategorias, que por sua vez têm os próprios esquemas como membros. A ampla título “raciocínio”, por
exemplo, tem entre outras “raciocínio dedutivo”, “raciocínio indutivo,” e “raciocínio causal” como
subcategorias, com os esquemas de “argumento da causa para o efeito” e “argumento da correlação de
causar” como membros para a última subcategoria. Os autores conectar seu trabalho fortemente com a
evolução da Inteligência Arti fi cial, especialmente no que diz respeito à formalização de esquemas (na sua Rachar.
11, “Inteligência Argumentação e Arti fi cial” ) E o uso de esquemas em sistemas de computador (na sua Rachar.
12, “Investigação em disciplinas relacionadas e não-anglófonos Áreas” ). 44

O segundo tema principal no programa de pesquisa de Walton a ser discutido diz respeito aos tipos de
diálogo. Em Lógica Informal, Walton ( 1989 ) Propõe uma lista de tipos de diálogo (com base em pesquisas com
Krabbe), caracterizando-os por sua inicial situação, método e objetivo. A lista é composta por nove tipos: discussão,
debate, persuasão
( discussão crítica), negociação, informações de procura, a ação, buscando, e educacional ( p. 10). Um diálogo
inquérito, por exemplo, tem uma falta de prova quanto a sua situação inicial, usa argumentação baseada no
conhecimento como um método, e tem o estabelecimento da prova como meta. Mais tarde, Walton e Krabbe (1995
, Cap. 3, levantamento sobre p. 66) publicou a versão original da sua tipologia de diálogos que consistem em seis
tipos principais ( persuasão, negociação, inquérito, deliberação, busca de informações, e

eristics) e alguns tipos mistos ( debate, reuniao do Comite, diálogo socrático).


Na tabela 7.1 , Uma versão recente da tipologia é reproduzido (Walton 2010 ). A lista é composta por
sete tipos, desde um tipo de diálogo chamada descoberta, atribuída a McBurney e Parsons ( 2001 ), É
adicionado aos seis tipos mencionados. Walton ( 1998 ) Define um diálogo como “quadro normativo em
que há uma
troca de argumentos entre dois parceiros fala raciocinando juntos em sequência de tirar sua vez dirigida a um
objetivo coletivo”(p. 30). Na sua opinião, os argumentos pode corresponder a apropriar-se move-se em um
diálogo. Há uma meta principal, o objetivo do diálogo, e há metas dos participantes. Os dois tipos de objetivos
pode ou não pode corresponder. Diálogos podem ter efeitos colaterais e benefícios. Na tipologia 1995 por
Walton e Krabbe, por exemplo, bene lado fi ts incluem o desenvolvimento e revelador de posições, a adição de
prestígio, e a ventilação de emoções. Existem subtipos da tipologia diálogo: Inquérito, por exemplo, pode ser um
processo de cientí fi c ou de investigação pública (Walton e Krabbe 1995 , P. 73), e as informações de procura
pode ocorrer em um diálogo didático, uma consulta a um especialista, uma entrevista, ou um interrogatório (pp.
75-76).

Um tema especial associada com a tipologia é o estudo de turnos dialógicas, que ocorrem quando um
diálogo se move a partir de um tipo (ou subtipo) de diálogo para outro. Diálogos podem ser genuinamente
mista, quando erística é misturado, por exemplo, com o diálogo deliberativo, como em uma discussão briguento
sobre onde ir de férias, mas há

44 Veja também Rachar. 11, “Inteligência Argumentação e Arti fi cial” , em particular Seitas. 11,5 e

11.10 deste volume.


7,8 Walton em Esquemas argumentação e Tipos de Diálogo 407

Tabela 7.1 Tipologia dos diálogos argumentativos

Tipo de
diálogo Situação inicial objetivo dos participantes Objetivo de diálogo

Persuasão Conflito de opiniões Persuadir outra parte Resolver ou esclarecer questão

inquérito Precisa ter a prova Localizar e verificar evidências Prove (refutar)


hipótese
Descoberta Precisa de encontrar uma Localizar e defender uma Escolha melhor hipótese para testes
explicação dos fatos hipótese adequada

Negociação Conflito de interesses Pegue o que você mais quer solução razoável tanto
pode viver com

Busca de Necessidade de informação Adquirir ou dar troca de informações


informações informações
Deliberação Dilema ou prático Coordenar metas e ações Decida melhor curso de
escolha ação disponível

erístico con pessoal TIC fl Verbalmente bateu para fora Revelar base mais profunda de con

em oponente fl ito

é também a possibilidade de uma mudança genuína, quando um tipo de diálogo termina e outro começa, como
quando, alimentando-se de idade con fl itos pessoal, uma discussão normal, sobre onde ir de férias muda para uma
briga. turnos de diálogo estão ligados a falácias, desde mudanças de diálogo pode ser “lícito” ou “ilícita” (legítima ou
não). Uma mudança lícito ocorre, por exemplo, quando um diálogo deliberativo sobre onde ir em turnos de férias
para um diálogo em busca de informações sobre as condições do tempo em um determinado país e depois voltar
para o diálogo deliberação.

Para Walton, sua nova dialética está intimamente relacionado com o problema da avaliação argumento
eo estudo de falácias informais. Já mencionamos a conexão entre os turnos de diálogo e falácias. em
Walton (1998 , Pp. 249-252), um método de quatro passos para avaliação argumento é proposto que liga a
tipologia dos diálogos com esquemas de argumentação. O objetivo do themethod é tomake possível
estabelecer se um argumento é usado razoavelmente ou não. No passo 1, o argumento é identificado.
Este é o lugar onde premissas e conclusões são determinados - aqui os esquemas de argumentação são
úteis. No passo 2, o contexto de diálogo é identificado. Trata-se da tipologia diálogo: “Qual é a situação
inicial” e “Qual é o objetivo?” Passo 3 diz respeito ao ónus da prova: “Qual é o ónus da prova?” E “Será
que o argumento dedutivo, indutivo, ou presuntivo ?”Na etapa 4, específico críticas são avaliadas, tais
como problemas de relevância e uso questionável de apelos emocionais.

De acordo com Walton e Krabbe (1995 , P. 174), a sua abordagem ajuda na


abordando um grande problema na avaliação lógica de argumentação na conversa linguagem natural: que os
sistemas de lógica estão em contraste com a “permissiva, livre fluxo de conversa normal”, rigoroso e preciso.
Walton e Krabbe apontar para um caminho do meio, em que a modelagem diálogo é central. Eles apontam
para sistemas com quatro características desejáveis: sistemas de diálogo deve ser (1) realista, (2) ter uma
mordida normativo, (3) ser rigorosamente formulado, e (4) ser fácil de aplicar em contextos comuns ( 1995 , P.
175). Como Walton e Krabbe observar, (2) e (3) se afasta a partir da situação de linguagem natural, ao passo
que (1) e (4) puxa para ele.
408 7 Lógica informal

7.9 Hansen na Teoria Falácia, métodos e conceitos chave

Hans V. Hansen é um especialista em lógica informal cuja pesquisa concentrou-se em dois temas principais:
(a história de) teoria das falácias e o estudo de métodos e conceitos-chave da lógica informal. 45

Uma importante contribuição para o estudo das falácias é o influente Falácias: Leituras clássica e
contemporânea, co-editado por Hansen e Pinto ( 1995 ). Em sua introdução para as seleções históricas
(Parte I do livro), Hansen e Pinto esboçar grande parte da história da teoria falácia. O volume também
contém uma bibliografia select, que lista artigos importantes e livros sobre a teoria falácias e falácia
publicada entre o início dos anos 1960 e meados dos anos 1990. Além deste livro editado, Hansen tem
(co) autor de uma série de artigos sobre abordagens históricas e de definições fi de falácias. vista de
Aristóteles sobre as falácias têm o seu interesse especial.

Em um artigo escrito em conjunto com John Woods, Hansen critica proposta de interpretar a teoria
falácia de Aristóteles, à luz de uma teoria interrogativa de raciocínio (Woods e Hansen de Jaakko
Hintikka 1997 ). 46 Woods e Hansen ( 1997 ) Afirmam que “a abordagem de Hintikka às falácias
aristotélicas como encontrado em De sophisticis elenchis não consegue captar não só a motivação de
Aristóteles, mas também o caráter essencial da visão de Aristóteles”(p. 217). Segundo eles, Hintikka
minimiza o caráter lógico do conceito de falácias de Aristóteles:

[. . .] De acordo com Hintikka há um sentido em que "todas as falácias aristotélicas são essencialmente erros
em jogos questionando, enquanto alguns deles são acidentalmente erros na dedutivo (mais geralmente,
lógico) raciocínio. (Hintikka 1987 , 213) Nós mantemos a visão oposta: falácias tudo de Aristóteles são erros
essencialmente lógicos, e apenas acidentalmente erros de questionamento. Considerando Hintikka enfatiza a
importância de questionar em jogos dialéticos, e, portanto, tenta compreender as falácias de tal quadro, a
nossa interpretação é que o quadro para a análise das falácias é mais estreitamente relacionado a uma
teoria particular de refutação do que é um general teoria de questionamento; e, uma vez que os elementos
da teoria da refutação são primários lógico, que as falácias são de caráter essencialmente lógico. (Woods e
Hansen 1997 , Pp. 217-218).

Em outro artigo sobre a teoria das falácias, Hansen ( 2002b ) Investiga se


não há nenhum suporte para a visão de Hamblin que o “padrão de definição de falácia” é que uma falácia
é um argumento que parece válido, mas não é. 47 Tendo explorado alguns dos mais importantes
concepções históricas de falácias, como os de Aristóteles, Whately, Mill, e De Morgan, Hansen conclui que
“não há praticamente qualquer

45 Hansen também tem desempenhado um papel editorial e organizacional importante no movimento lógica informal. Além
de ter publicado uma bibliografia de lógica informal ( 1990 ), Ele é um dos editores da revista Lógica informal e
co-organizou nove conferências da Sociedade Ontário para o Estudo da Argumentação (OSSA).

46 Para uma exposição da teoria das falácias de Aristóteles, ver Seita. 2.4 deste volume.

47 Para uma explicação de Hamblin está em vista influentes em falácias, consulte Seita. 3,6 deste volume.
7,9 Hansen em Teoria Falácia 409

apoio à visão de Hamblin que este particular definição de 'falácia' foi amplamente difundida”( 2002b , P.
133).
visualizações de Whately em argumentos de autoridade são o tema de um artigo de Hansen a partir de
2006. No papel, Hansen tenta achar uma explicação para o fato de que o tratamento de argumentos que
envolvem autoridade (o argumentum ad verecundiam) é tão diferente em Whately de Elementos de Lógica e
ele Elementos da retórica. Uma explicação possível, de acordo com Hansen, é que Whately pensou que a
argumentação autoridade ea de Anúncios- argumentos em geral eram menos interessante do ponto de vista da
lógica:

Whately parece ter pensado que a importância dos conceitos de autoridade, presunção e deferência são
mais útil trazido pela teoria retórica do que pela lógica, e que a análise das falácias pertence mais à lógica
do que à retórica. ( 2006 ,
p. 337).

Um segundo ramo da pesquisa de Hansen consiste em contribuições para as discussões sobre


questões-chave na lógica informal. Um caso em questão é Hansen ( 2002a ) A exploração das várias definições fi
de da noção de argumento que pode ser encontrado nas obras de lógicos informais e teóricos argumentação e
sua comparação destas definições de fi com a definição de argumento apresentado em Johnson ( 2000 ) Racionalidade
manifesto.
Outro exemplo da contribuição de Hansen às discussões conceituais dentro da lógica informal é a sua
opinião sobre um determinado tipo de condutor argumento: o
balança de conta argumento (Hansen 2011b ). Este tipo de argumento tipicamente consiste de uma
combinação de pró e con-argumentos, e Hansen analisa o estado da counterconsiderations. Ele acha que
counterconsiderations não deve ser visto como instalações, mas requerem a adição de uma “premissa
on-equilíbrio”, em que disse que estão a ser compensados ​(p. 40).

Na primeira parte do vigésimo primeiro século fi, Hansen dedicou um número de publicações para a questão
de quais métodos estão disponíveis para os lógicos informais para a avaliação de argumentos de linguagem
natural (Hansen 2011a , 2011c ). Em Hansen ( 2011a ), Ele desenvolve um quadro que pode ser usado para
estabelecer que (formal ou informal) método de avaliação pode ser melhor usado para ensinar os novatos
lógicas como avaliar argumentos em linguagem natural. Em Hansen ( 2011c ) Ele discute a utilidade de Walton ( 1996a
, 2006 ) “Método esquema de argumentação” para a avaliação de argumentos de linguagem natural (ver Seita.
7,8 deste volume para uma discussão de pontos de vista de Walton em esquemas de argumentação).

De acordo com Hansen ( 2011c ), Ao contrário de outros métodos de avaliação, o argumen-


Método esquema tação tem as seguintes três características: Permite uma avaliação directa ( uma
avaliação que não requer uma comparação com outro argumento), é bipolar ( tanto pode produzir o
resultado que o argumento é forte e que é fraco), e pode ser usado para dar juízos de resistência
intermédia ( p. 744). Hansen crê, no entanto, que no seu estado actual, o método esquema
argumentação proposto por Walton é “severamente limitada no seu âmbito” (p. 745). Isto porque, na
abordagem de Walton, são disse que os padrões para a avaliação de argumentação para dependem do
tipo de diálogo em que o argumento é apresentado, sem fornecer uma fi cação especí desses diferentes
padrões de avaliação. As únicas normas que foram
410 7 Lógica informal

apresentadas até agora são aqueles para o diálogo persuasão. Um segundo problema Hansen menciona é
que a exposição de esquemas de argumentação de Walton é ainda não é consistente. Por exemplo, nem
todos os regimes contenham uma generalização presuntivo. Por razões como essas, Hansen considera o
método esquema de argumentação para avaliar argumentos “um método ainda em construção” (p. 748).
Juntamente com Walton, ele começou um projeto no qual os tipos de argumentos usados ​por políticos em pé
para de fi ce nas eleições canadenses são estudados (Hansen e Walton 2013 ).

7.10 Contribuições de Hitchcock de Lógica Informal

Em seus estudos, David Hitchcock tem tratado uma diversidade de tópicos em lógica informal, cada estudo sendo
caracterizado por precisão, erudição e pensamento cuidadoso. Nós primeiro discutir sua perspectiva geral sobre a
lógica informal como um campo. Em seguida, nós fornecemos uma visão geral de suas opiniões sobre a noção de
mandado de Toulmin, na avaliação argumento, e em reivindicações de inferência. Concluímos com uma descrição
das tentativas de Hitchcock de usar meios empíricos em abordar questões de lógica informal e de suas
contribuições para a redução do fosso entre as abordagens informais e abordagens formais ou computacionais
para argumento.

Em um capítulo de um manual sobre lógica filosófica, Hitchcock ( 2006b ) identifica


o campo da lógica informal como o objetivo de identificar, analisar, avaliar, criticar e construir
argumentos. Argumento identificação, análise, avaliação e crítica foram os temas propostos por
Johnson e Blair ( 2000 ) Como distinguir o campo. Hitchcock acrescenta o tema da construção
argumento. Segundo ele, o termo lógica informal é um pouco lamentável, porque, uma vez que para
“lógica” muitos implica algo “formal”, a vontade prazo para eles constituem uma contradição em termos.
Embora a tensão envolvida no termo pode estar contribuindo para o seu valor recurso e de marketing
intuitivo, Hitchcock enfatiza que não se deve pensar que a lógica informal pretende excluir métodos
formais, tais como os fornecidos pela lógica formal. O contraste com a lógica formal deriva dos
diferentes temas que são abordados pela lógica informal. Como um termo melhor Hitchcock sugere teoria
da argumentação.

Em Hitchcock ( 2006b ) O foco está no argumento como discurso em que um ponto de


visão é apoiada através da oferta de um ou vários motivos. Ao dizer que os argumentos são convites
para fazer uma inferência, Hitchcock refere-se a Pinto. Por meio de um argumento, o destinatário do
argumento é convidado a aceitar a conclusão por causa das instalações. argumentos elementares têm
uma estrutura de instalações-ilativo-conclusão, o ilativo sendo uma expressão tal como “modo” ou “uma
vez” que indica a conclusão ou a razão ou razões. O ilativo “so” é do tipo conclusionindicating, enquanto
o ilativo “uma vez que” é um indicador premissa. Usando classi fi cação dos atos de fala de Searle, de
acordo com Hitchcock, instalações podem ser analisados ​como assertivas e conclusões como
assertivas, directivas, ou possivelmente até mesmo outros tipos de atos de fala. No método de
diagramação de Hitchcock, argumentos complexos são construídos a partir queridos elementares,
7.10 Contribuições de Hitchcock de Lógica Informal 411

é, por exemplo, necessário para reductio ad absurdum. Insinuation é um exemplo de uma forma de
comunicação que, de acordo com o tratamento de Hitchcock, não é argumento. Em uma situação de
insinuação, o destinatário é convidado a tirar uma conclusão, mas não na base das próprias palavras que
são proferidas. Uma insinuação é talvez mais uma sugestão para tornar o destinatário construir um
argumento, sem apresentar o argumento em si.

Um tópico fi c especi pesquisa de Hitchcock se concentra em é noção de de Toulmin “mandado”. Hitchcock ( 2003 )
Defende a ideia de que um mandado não está a ser considerada como uma premissa de um c tipo fi específica, mas
como uma licença de inferência (ver também Seita. 4.8 deste volume). Segundo ele, a noção de mandado de Toulmin
tem paralelos com o que
CS Peirce chamou de “princípios norteadores” de uma classe de raciocínio, com “esquemas de razão” de JL Pollock (ver
lista de classes de especificações razões fi c dado pelo de Pollock Seita. 11.3
deste volume), e com o conceito de “esquemas de argumentação”, que Hitchcock atribui a Perelman e
Olbrechts-Tyteca ( 1969 ) (Veja também Seita. 7,8 deste volume). De acordo com Hitchcock, há uma série de
equívocos comuns da noção de um mandado de Toulmin. Em sua interpretação, um mandado não deve ser
visto como uma espécie de premissa, nem mesmo como uma premissa implícita, e nem como um
ungeneralized condicional indicativo.

Hitchcock assume uma posição na discussão de objeções à noção de um mandado que foi levantada na
literatura. Por exemplo, van Eemeren, Grootendorst e Kruiger (1984 , P. 205) argumentam que ele pode ser
difícil na prática para distinguir dados de warrants. supostamente questão mandado de geração de Toulmin
“Como você chegar lá?” às vezes também pode ser respondida por uma declaração singular de dados
semelhante, enquanto a questão de geração de dados “O que você tem de ir em frente?” ocasionalmente pode
levar a uma resposta que toma a forma de uma declaração geral mandado-like. Uma objeção relacionada foi
feita por Freeman ( 1991 ) Sobre condicionais generalizadas em uma posição premissa semelhante (ver Seita.
7.7 ). Hitchcock utiliza uma amostra de 50 argumentos para determinar se a mesma é, na prática, difíceis de
distinguir os dados de justificar, encontrando que em apenas um dos argumentos 50 seleccionados
aleatoriamente, era difícil fazer essa distinção (Hitchcock 2003 , P. 74).

Outra objeção por Freeman é de Hitchcock levado para ser forte: Warrants não fazem parte de
argumentos como produtos, portanto, não uma parte dos argumentos diagramado. Em um diagrama, o
mandado é implícito. Hitchcock também enfatiza o ponto de Freeman que um pensador não precisa
conscientemente conhecer as regras usadas em seu raciocínio. Outra objeção aceita por Hitchcock é o ponto
de Johnson ( 1996 ) Que garante nem sempre pertencem claramente a um campo. Como resultado, seria
justo dar-se forte tese fi eld-dependência de Toulmin.

Usando o modelo de Toulmin como um fundo, Hitchcock ( 2005a ) Aborda a questão


de bom raciocínio. Ele distingue quatro condições que, juntos, determinam se o raciocínio é bom:

1. Motivos do raciocínio são justificados.


2. O terreno do raciocínio são adequadas.
3. mandado do raciocínio é justificada.
4. O reasoner é justificada em assumindo que não há invalidadores aplicar.
412 7 Lógica informal

Quanto à condição (1), Hitchcock distingue sete categorias que ele considera mais confiável como fontes de fundamentos ed justi fi:

observação direta, registros escritos de observação direta, a memória do que se tem observado anteriormente ou experiente, testemunho

pessoal, bom raciocínio ou argumento anterior, opinião de especialistas, e apelo a uma fonte de referência de autoridade. Na condição (2),

a adequação da fundamentação do raciocínio significa que toda a informação boa, relevante que é praticamente obtida é levada em conta.

Em relação à condição (3), Hitchcock segue Toulmin. Ele considera mandados de ser geral, mas não precisa ser universal, pois

possibilitam modais cátions quali fi e os argumentos com base neles pode ser anulável. Quando um mandado é usado no raciocínio, deve

ser aplicável, que pode ser determinada considerando-se o antecedente da condicional associado a um mandado. O mandado deve

também ser justificada, por ter um suporte. Finalmente, a condição (4) para uma boa razão é que o MI deve ser justificada em assumindo

que não há invalidadores aplicar. De modo mais geral, é preciso saber de nenhuma exceção ao mandado. Além disso, se a pessoa não

sabe de tal reserva, deve-se tomar os esforços razoáveis ​para achar um. De acordo com Hitchcock, “se alguém sabe de nenhuma

exceção e uma de investigação pragmaticamente justificada não descobriu uma exceção, pode-se tirar uma conclusão de é preciso saber

de nenhuma exceção ao mandado. Além disso, se a pessoa não sabe de tal reserva, deve-se tomar os esforços razoáveis ​para achar um.

De acordo com Hitchcock, “se alguém sabe de nenhuma exceção e uma de investigação pragmaticamente justificada não descobriu uma

exceção, pode-se tirar uma conclusão de é preciso saber de nenhuma exceção ao mandado. Além disso, se a pessoa não sabe de tal

reserva, deve-se tomar os esforços razoáveis ​para achar um. De acordo com Hitchcock, “se alguém sabe de nenhuma exceção e uma de

investigação pragmaticamente justificada não descobriu uma exceção, pode-se tirar uma conclusão de Até parece não há exceção”( 2005a ,

p. 388, itálico original).


O interesse de Hitchcock em warrants como licenças de inferência está ligado a sua posição sobre a natureza das
reivindicações de inferência. Ele rejeita a visão, associada a lógica formal clássica, de reivindicações de inferência como
sendo baseada exclusivamente em formalmente necessária preservação da verdade (Hitchcock 2011b ). Hitchcock
interpreta uma abordagem que faz justiça a duas objeções a este ponto de vista formal: (1) reivindicações de inferência não
pode ser bom simplesmente na base de uma propriedade formal das instalações (descartando que eles são todos
verdadeiro) ou na base de um compromisso formal propriedade da conclusão (descartando que é falso), e (2) existem
reivindicações de inferência que são boas por causa de propriedades que não são puramente formal. A abordagem que ele
propõe é baseada em generalizações que cobrem uma reivindicação de inferência.

Um aspecto interessante da obra de Hitchcock é que ele tomou medidas sérias para dar suas
posições teóricas uma base empírica. Sua classi fi cação de sete fontes de fi cado motivos justi, por
exemplo, foi em parte derivado de seu estudo de como os argumentos são usados ​no discurso médico
(Jenicek e Hitchcock 2005 ; ver também Jenicek et al. 2011 ). Além disso, ele tentou uma metodologia
empírica inovadora para a recolha de um conjunto objetivo de argumentos. 48 A citação seguinte dá uma
impressão de seu método:

Nós selecionados aleatoriamente um ponto de partida dentro do primeiros 50 linhas de cada um dos primeiro 500 páginas
dos livros de língua Inglês catalogados nas bibliotecas da Universidade McMaster. A base de dados informatizada de
acervo da biblioteca da universidade contida no início da

48 O interesse de Hitchcock na argumentação é claramente não só acadêmico, mas também inspirado por valores sociais e
políticos: “livre e aberta discussão racional, acolhendo críticas e disposto a mudar à luz do que a crítica, é o caminho mais
seguro para corrigir pontos de vista e políticas sábias ”( 2002b , P. 298).
7,11 Abordagem retórica de Tindale 413

projectar 1,204,802 entradas numerados sequencialmente. Um gerador de número aleatório foi utilizada para gerar os
números entre 1 e 1.204.802, que foram utilizados para identificar o trabalho a partir do qual uma selecção devia ser
feita. Foi então usado para gerar um número aleatório entre 1 e 500, para a página de partida, e, em seguida, um
número aleatório entre 1 e 50, para a linha de partida. [. . .] Se em qualquer um desses três estágios de seleção de um
item inaceitável ou não existente foi selecionado, então a pesquisa foi interrompida neste ponto e o próximo número
perseguido. A busca parou na primeira etapa se o trabalho selecionado não foi uma publicação em língua Inglês ou foi
um periódico. Ele parou na segunda fase, se o número da página selecionada foi maior do que o número da última
página do trabalho. Ele parou na terceira fase, se o número da linha selecionada foi maior do que o número da última
linha na página. (Hitchcock

2002c , Pp. 1-2).

O resultado da aplicação deste método é uma amostra de argumentos objetivamente e aleatoriamente


selecionados que podem ser consideradas como uma amostra representativa dos argumentos que aparecem no
idioma Inglês livros da biblioteca da universidade. Hitchcock usou a amostra para testar certas hipóteses sobre
argumentos. Uma de suas descobertas, que os argumentos formalmente válidos são bastante raras, fornece uma
sustentação empírica para uma das intuições fundamentais subjacentes o campo da lógica informal. Outra nding fi,
também fi tting o programa da lógica informal, é que a avaliação de um argumento frequentemente requer perícia
substantivo relacionado com o contexto em que o argumento parece.

Hitchcock também contribuiu para o estabelecimento de ligações entre abordagens informais e abordagens
formais / computacionais para argumento (ver também Rachar. 11, “ção Argumenta e Inteligência Arti fi cial” ).
Em colaboração com outros, ele tem, por exemplo, com foco no apoio à decisão para raciocinar sobre o que
fazer (Girle et al. 2004 ) E desenvolvido um modelo formalizada de diálogo ponderação (McBurney et al. 2007 ).

7,11 Abordagem retórica de Tindale

Desde o final da década de 1990, Christopher W. Tindale tem vindo a defender uma abordagem retórica
para argumentação. Em 1999, ele publicou a monografia Atos de Argumentando: Um modelo retórico de
argumentação, seguido em 2004 por Argumentação retórica: Princípios de teoria e prática. 49 Tindale
acredita que a perspectiva retórica na argumentação foi o ângulo mais negligenciado na teoria da
argumentação moderna. Na sua opinião, esta perspectiva deve ser sintetizado com perspectivas lógicas
e dialéticos ( 1999 , P. 207). Desde que ele considera a perspectiva retórica como o mais fundamental,
Tindale defende o ponto de vista de que a síntese das três perspectivas deve ser fundamentada na
perspectiva retórica:

A tese a ser elaborada e defendida é que a síntese mais apropriada dos principais perspectivas na teoria da
argumentação é um fundamentada na retórica. [. . .] A abordagem retórica evita as deficiências da lógica e da
dialética. Mas em seu próprio direito, com seu foco sobre os contextos em que a argumentação ocorre e as
personalidades de

49 A publicação mais recente é Escuras dos Campeões da razão: Estratégias construtivo da argumentação sofista, em que

Tindale ( 2010 a) analisa estratégias de argumentação dos sofistas.


414 7 Lógica informal

aqueles que defendem e consumir argumentos, um modelo retórico de argumentação oferece a conta mais
completa e satisfatória do que discutir é, do que é ser envolvido na argumentação, a ser discutido para, e
avaliar argumentos. ( 1999 , Pp. 6-7).

Em uma tentativa de chegar a uma conta que permite uma abordagem contextualizada,
audienceoriented à argumentação, que, ao mesmo tempo evita um relativismo profundo, Tindale (1999 ,
P. 17) propõe um maior desenvolvimento e adaptação de uma série de noções centrais de Perelman e
nova retórica de Olbrecht-Tyteca (ver
Rachar. 5, “A Nova Retórica” ).
Característica de abordagens retóricas como de Perelman e OlbrechtsTyteca nova retórica é o
papel central atribuído para o público. Tindale ( 1999 ) Pensa que existem também outros componentes
contextuais importantes que devem ser tidos em conta na perspectiva retórico (p. 75). Um tal
componente é
localidade: “O tempo eo lugar em que o argumento está localizado” (p. 75). Outra é fundo: “Os eventos
que incidem sobre a argumentação em questão” (p. 76). Um terceiro componente é o contextual argumentador,
a fonte da argumentação (p. 77). E um quarto componente contextual Tindale distingue é expressão: o
modo pelo qual o argumento é expresso (p. 80).

De acordo com Tindale ( 2006 ), Em muitos (retórica e dialética) abordagens para


argumentação, o argumentador é considerado o mais importante para a forma como a argumentação é
entendida, em vez do público. Para fazer justiça ao papel fundamental do público na argumentação, ele
propõe uma análise do discurso argumentativo em termos de Bakhtin ( 1981 , 1986 ) noção de addressivity: “As
formas em que as palavras usadas em enunciados, em sua própria estrutura, tanto endereço de e antecipar
uma resposta” (Tindale 2006 , P. 454) 50 :

O desequilíbrio argumentador / público que favorece o argumentador, de muitas formas (como o controlador de intenções,
como participante ativo para a passividade do público) é mostrado para o que é: equivocada e incorreta. Compreender
qualquer argumentação, incluindo as intenções envolvidos, deve começar tanto com o público quanto o argumentador. ( 2006
, P. 454).

Tindale, como Perelman e Olbrechts-Tyteca, acha que o público é decisiva não apenas para a análise
de argumentação, mas também para a sua avaliação. Ele propõe uma versão adaptada da noção de de
Perelman e Olbrechts-Tyteca público universal
como o padrão para a razoabilidade da argumentação. noção de público universal de Perelman e
OlbrechtTyteca tem sido criticado por ser simplesmente uma idealização sem aplicação concreta. Para
lidar com esse tipo de crítica, Tindale ( 1999 ) Propõe a desenvolver o conceito, dando uma análise de
como os públicos universais e particulares estão relacionadas.

De acordo com Tindale, as audiências universais “pode ser construído a partir de alguns em particular
pela universalização técnicas que imaginativamente expandir o público através das culturas e tempo e
aplicar noções como competência e racionalidade” ( 1999 , P. 90). Em sua interpretação de Perelman e
Olbrechts-Tyteca, “o público universal é a universalização do particular em seu contexto ”(p. 101, grifo
original).

50 em Tindale (2004 , Pp. 89-114) uma análise detalhada da idéia de Bakthin de dialogismo é apresentado.
7,11 Abordagem retórica de Tindale 415

tentativas razoáveis ​e em ganhar a adesão do público terá, portanto, ser aceitável para o particular e os
públicos universais:

Para ganhar a adesão de uma audiência em um razoável caminho [. . .], A argumentação deve ser contextualmente relevante
(isto é, relevantes para o público no seu contexto particular) e compreendem instalações que são aceitáveis ​para o público
específico e para o público universal formada a partir dele. ( 1999 , P. 95, itálico original).

Um elemento importante de relevância contextual (a pré-condição para a aceitação da


argumentação) é relevância ao público, “a relação do informationcontent de um argumento, afirmou e
assumiu, ao quadro de crenças e compromissos que são susceptíveis de ser realizada pelo público
para o qual se destina”(p. 102). Para sua caracterização de relevância ao público, Tindale faz uso de
Sperber e Wilson ( 1986 ) Noção teórica de “ambiente cognitivo.” Uma vez que, de acordo com Sperber e
Wilson, cognição humana é orientada relevância, qualquer pessoa que conheça o ambiente cognitivo
de um indivíduo pode-se inferir que é provável que o indivíduo a ter em conta (Sperber e Wilson 1986 ,
Pp. 46-50). Quando as pessoas compartilham um ambiente cognitivo com os outros, eles sabem que
suposições são mutuamente manifesto a todos. Tais ambientes cognitivos compartilhados “não nos
dizem nada sobre o que as pessoas sabem ou assumir, mas sobre o que poderia ser esperado saber
ou assumir” (Tindale 1999 , Pp. 106-107). Na visão de Tindale, relevância ao público exige que uma
premissa ou argumento ser relacionado com o que um ambiente cognitivo do grupo do indivíduo ou
torna manifesto (p. 112).

Embora a relevância da argumentação para o público é uma condição necessária para ganhar a
adesão do público para a tese de que é defendida, não é uma condição su fi ciente:

argumentação relevante pode deixar de ganhar aderência para uma tese porque as instruções, digamos, valores
expressos reconhecido pelo público, mas não totalmente endossado por eles, ou eles são suportados pelas autoridades
que o público não reconhece. (Tindale 1999 , P. 113).

A noção de ambiente cognitivo pode, na visão de Tindale também ser fundamental para determinar o
que um determinado público vai aceitar: “apelando para o ambiente cognitivo do público nos permite olhar
[. . .] No que pode ser esperado Para saber dada a informação e as idéias que estão prontamente
disponíveis para eles”( 1999 ,
p. 113, itálico original).
Aplicação de normas da audiência de aceitação na tentativa de ganhar a adesão de uma tese pode
resultar em relativismo: O que é razoável depende do público que está sendo tratado. Com a ajuda de
sua noção adaptada do público universal Tindale acredita que este problema pode ser resolvido:

O público universal não é um modelo de competência ideal introduzido na situação argumentativa do lado de
fora. É desenvolvido fora de a audiência particular, e assim está essencialmente ligado a ele. [. . .] Na construção
do público universal para um argumento, nós não desista eficácia. Por outro lado, o público universal, como
uma representação de razoabilidade no contexto, não pode valorizar a eficácia ao longo razoabilidade. Desta
forma manipulação é descartada. Onde escrutínio descobre que, na perspectiva do público universal rejeita, e o
argumentador que pensa nestes termos não vai usá-lo. ( 1999 , P. 117, itálico original).
416 7 Lógica informal

Tindale (2004 , Pp. 128-129) também afirma que as críticas do tipo dublado por van
Eemeren e Grootendorst ( 1995 ) Que, mesmo com a introdução da noção de público universal o padrão de
razoabilidade é extremamente relativo são injustificável fi ed. Van Eemeren e Grootendorst argumentou que
o público universal é uma construção do argumentador e que, consequentemente, não pode haver tantas
definições fi de de razoabilidade, pois haverá argumentadores. Tindale responde da seguinte maneira contra
a acusação de relativismo:

Não é uma questão de cada argumentador decidir o público universal, de alguma forma arbitrária, de modo que há tantos
públicos universais como existem argumentadores. É uma questão de contexto argumentativo ditando para o
argumentador como o público universal pode ser concebida, e o entrevistado ou público específico a desempenhar um
papel co-autoria nessa decisão. O contexto argumentativo impõe restrições claras sobre a liberdade do argumentador. ( 2004
, P. 129).

De acordo com Schulz ( 2006 ), Defesa de seu critério de razoabilidade de Tindale


contra a acusação de relativismo só pode ser bem sucedido se um conceito fraco de razoabilidade é
empregado, em que razoabilidade é vista como decorrente das práticas de raciocinadores reais. Um
forte conceito de razoabilidade, no entanto:

estabelece [. . .] Pretensão de universalidade: implica que certos padrões de comprovação pode ser justificada de forma
independente de qualquer audiência. Em relação argumentos, isso significaria que existem normas, metas ou valores que podem
ser justificados de forma independente de uma determinada c público especi fi que está sendo tratado. (Schulz 2006 , P. 470).

Por esta razão, Schulz não vê como tendo o público fi c específica em consideração poderia afastar
as críticas ao caráter relativista do critério retórica de razoabilidade no sentido forte (p. 471). 51

Referências

Adler, J. (2013). São argumentos condutores possível? Argumentação, 27 ( 3), 245-257. Allen, D. (1990). Estudo crítico.
problemas de Trudy Govier em análise e avaliação argumento.
Lógica informal, 12 ( 1), 43-62.
Bakhtine, MM (1981). A imaginação dialógica. Quatro ensaios ( ed .: Holquist, M .; trans. Emerson,
C., & Holquist, M.). Austin, TX: University of Texas Press.
Bakhtine, MM (1986). gêneros do discurso e outros ensaios tardios ( ed .: Emerson, C., & Holquist, M .;
trans: McGee, VW). Austin, TX: University of Texas Press. Barth, EM, e Krabbe, ECW (1982). De axioma ao
diálogo. Um estudo filosófico da lógica
e argumentação. Berlin-New York: Walter de Gruyter.
Battersby, ME (1989). O pensamento crítico como epistemologia aplicada. Deslocalização pensamento crítico em
a paisagem filosófica. Informal Logic, 11, 91-100. Beardsley, MC (1950). lógica prática. Englewood Cliffs, NJ:
Prentice-Hall. Birdsell, DS, & Groarke, L. (1996). Em direção a uma teoria da argumentação visual. argumentação e

A defesa, 33 ( 1), 1-10.

51 Uma observação semelhante é feita por Blair ( 2000 , P. 200) em sua revisão de Tindale ( 1999 ): “Eu tenho dificuldade para
entender como o público universal construído a partir da audiência particular acrescenta nada além do próprio sentido do que
seria razoável para esse público a aceitar nesse ambiente cognitivo do argumentador.”