Você está na página 1de 4

s í s i f o / r e v i s t a d e c i ê n c i a s d a e d u c a ç ã o · n .

º   8 · j a n / a b r 0 9 issn 1646‑4990

Nota de apresentação
Formação de Professores

Maria Teresa Estrela


Isabel Freire

A educação escolar é, actualmente, um campo de de desenvolvimento profissional responsável e com‑


acção em constante mutação. Mudanças organiza‑ prometido, é crucial para a melhoria da qualidade
cionais, curriculares, extra-curriculares e outras, de‑ da educação e também da motivação e da realização
finidas no quadro de sucessivas reformas e políticas profissional dos docentes.
educativas, exigem dos professores novos papéis e Pensar a formação e a profissionalidade docente
novas competências. O próprio quadro legislativo da levanta-nos hoje em dia um conjunto vasto de in‑
formação inicial de professores, para responder às terrogações, que vão muito para além dos lugares
novas orientações impostas pela Declaração de Bo‑ comuns e dos grandes chavões da formação. Elas
lonha, foi profundamente alterado e os Centros de não podem deixar de passar pelos problemas do
Formação Contínua, em função do novo quadro or‑ desenvolvimento e da identidade profissional dos
ganizativo, foram objecto de grandes reformulações. professores, pela clarificação do próprio conceito
Se é certo que esta realidade interpela todos os de competências e de competência, pela diferente
professores, também as instituições formadoras e, natureza das competências requeridas pelo desem‑
obviamente, os investigadores são chamados a con‑ penho das suas funções na escola, com especial rele‑
tribuir para a busca de respostas a estes desafios. vo para competências geralmente menos abordadas
A Formação de Professores continua a ser, jus‑ na investigação e na formação, como as relacionais,
tificadamente, uma área importante da investigação éticas e estéticas.
educacional. É indubitável que muito se tem publi‑
cado neste domínio e que vamos conhecendo um Neste número da revista Sísifo, cuja temática eleita
pouco melhor o modo como os professores cons‑ é a da Formação de Professores, trazemos um con‑
troem o seu conhecimento profissional. No entanto, junto de artigos, com os quais pensamos contribuir
julgamos que para além do conhecimento de reali‑ para o aprofundamento destas questões. Preten‑
dades locais e da confirmação de quadros teóricos demos com estes textos proporcionar aos leitores
que têm orientado a investigação, esta é ainda muito acesso a alguns dos estudos realizados neste âmbito
dependente das grandes temáticas que se desenvol‑ por investigadores da Faculdade de Psicologia e de
vem a partir dos anos 80. Ciências da Educação. Porque investigação é aber‑
A aposta na qualidade da formação de profes‑ tura ao mundo e aos outros, quisemos trazer tam‑
sores continua a ser um objectivo central a atingir, bém o contributo de outros investigadores.
quer ao nível político, quer da investigação e das Assim, no primeiro texto, Carlos Marcelo apre‑
instituições formadoras, quer ainda ao nível das senta-nos uma visão geral e actualizada do desenvol‑
escolas e dos agrupamentos. Por isso, a questão da vimento profissional e da construção da identidade
competência docente, no quadro de um processo profissional, articulando a vertente mais pessoal

3
com a colectiva, que envolve as experiências vividas a da formação de professores em contexto laboral,
em contexto laboral, com carácter formal e informal. por outro, a da formação através da investigação-
Nesta última vertente, o autor dá especial ênfase à acção em contextos colaborativos.
articulação do desenvolvimento profissional dos Porque a formação de professores tem como
professores com o desenvolvimento organizacional referente necessário os alunos, realidade que os
das escolas. escritos sobre a formação muitas vezes colocam en‑
No segundo texto, José Alberto Gonçalves ana‑ tre parêntesis, os dois textos seguintes abordam o
lisa, em particular, o conceito de carreira docente problema da formação relacional dos professores,
como um percurso relacional e contextualmente partindo de investigações realizadas sobre compor‑
construído. Detém-se depois na formação inicial e, tamentos relacionais dos alunos. O primeiro, da au‑
a partir de dois estudos realizados sob sua orienta‑ toria de João Amado e outros, partem de duas inves‑
ção na Universidade do Algarve, caracteriza práticas tigações centradas na afectividade na relação peda‑
de supervisão de alguns formadores relacionando- gógica, a partir das perspectivas de alunos. Combi‑
as com a fase da carreira em que se encontram. nando análises de natureza qualitativa e quantitativa
Manuela Esteves, no texto seguinte, analisa de‑ e cruzando-as com a revisão da literatura do tema,
talhadamente a polissemia do conceito de compe‑ os autores discutem os resultados destas investiga‑
tência, em diferentes campos científicos e dentro do ções e retiram algumas implicações para a formação
mesmo campo, para concluir sobre a necessidade de professores.
da construção de uma acepção específica de com‑ O texto de José Espírito Santo traz-nos os resul‑
petência em educação e formação de professores. tados de dois conjuntos de estudos realizados a par‑
Discute a seguir a construção e o desenvolvimento tir de duas abordagens diferentes à problemática da
das competências dos professores em programas indisciplina, uma inspirada pela corrente de organi‑
portugueses actuais de formação de professores, zação da sala de aula (classroom management), outra
destacando a importância dos modelos e das estra‑ assente na criação de dispositivos que promovam o
tégias relativamente à importância da estrutura. envolvimento do aluno na construção da disciplina.
O texto de Ana Paula Caetano e Lurdes Silva Das experiências formativas realizadas e do estudo
aborda a questão da ética profissional na docência, dos processos e dos resultados, o autor tece consi‑
apresentando os resultados da primeira etapa de derações acerca da formação de professores neste
uma investigação realizada no âmbito do projecto domínio.
“Pensamento e formação ético-deontológicos de O conjunto dos textos “fecha” com um artigo
professores”, financiado pela FCT. A partir da aná‑ de Sara Bahia, no qual a autora foca uma outra di‑
lise de conteúdo de entrevistas semi-directivas fei‑ mensão que se apresenta como central no traba‑
tas a professores de diferentes níveis de ensino, as lho dos professores e que Bahia equaciona como
autoras caracterizam as concepções éticas, pessoais crítica e a exigir reflexão na formação de professo‑
e profissionais dos professores e a sua atitude face à res – a generalidade e a especificidade do conhe‑
eventual existência de um código deontológico do‑ cimento veiculado e o modo como os professores
cente, e perspectivam algumas estratégias de forma‑ em formação dele se apropriam. O texto argumen‑
ção ética desejadas pelos professores. tativo, parte de um estudo de inquérito realizado
No quinto texto deste dossier temático, Ana com professores de humanidades e de artes que
Margarida Veiga Simão e outros, apresentam o frequentaram o Curso de Profissionalização em
projecto “Formação de Professores em Contextos Serviço da FPCE-UL.
Colaborativos”. Este projecto constitui uma parce‑ O dossier completa-se, ainda, com o texto da
ria entre investigadores da Universidade de Lisboa conferência “Formação e supervisão de professo‑
(FPCE), da Universidade do Minho e da Univer‑ res: uma nova abrangência”, proferida por Isabel
sidade Nova de Lisboa e nele participam, com os Alarcão, Professora Catedrática aposentada da Uni‑
seus projectos de doutoramento, dez doutorandas versidade de Aveiro, no dia 3 de Maio de 2007, in‑
de cursos destas universidades. É um projecto que tegrada num Ciclo de Conferências organizado pela
tem como grandes linhas orientadoras, por um lado, Unidade de Investigação e Desenvolvimento de Ci‑

4 sísifo 8 | nota de apresentação


ências da Educação e que se realizou na FPCE-UL. Finalmente, na rubrica recensões, Manuela
A autora alarga o conceito de supervisão à formação Esteves apresenta a obra Handbook of research on
contínua, situa-o na escola e liga-o ao próprio con‑ teacher education. Enduring questions in changing
ceito de desenvolvimento organizacional. contexts (2008).

sísifo 8 | nota de apresentação 5


6 sísifo 8 | nota de apresentação