Você está na página 1de 26

Etnógrafos têm sido gravação

casos de guerra, rixas, partidarismo,


e feitiçaria, mas atenção teórica para o desenvolvimento social
conflito é relativamente nova na antropologia.
trabalho teórico recente por antropólogos
sobre este assunto tem sido influenciada principalmente
pela teoria estrutural-funcional da social
sistemas e indiretamente pela psicanalítica
teoria da personalidade (incluindo a sua behaviorista
revisão na frustração-agressão
hipótese).
No presente escrito parece haver
duas escolas de pensamento antropológico sobre
o tema do conflito. Uma delas é que de Max
Gluckman e VW Turner, da Universidade
de Manchester, que vêem padrões da vida social
conflito como eufunctional para a manutenção
dos sistemas sociais. A abordagem "prata-revestimento"
de Gluckman é exemplificado pela
títulos de algumas de suas palestras BBC conhecidos
(6): "A Paz na Feud" e "O
Títulos no Cor-Bar. "O teórico
posição desta escola de pensamento é que os conflitos
dentro e entre as pequenas unidades sociais
promover a solidariedade de unidades sociais maiores
(Particularmente a sociedade como um todo), que
rebeliões contra os ocupantes de cargos políticos
servem para enfatizar o valor dos
posições para a sociedade, e que as expressões de
hostilidade em ritual servem reafirmações como simbólicas
da ordem moral incontestável dentro
que os rituais ocorrem. Partindo do pressuposto
que o estudo dos conflitos no seio das sociedades africanas
é o caminho mais direto para a compreensão
de suas forças de coesão, Turner
(24) desenvolveu o "drama social", uma casehistory
abordagem ao conflito comunidade como um
método de gravação e apresentação etnográfica.

A outra escola de pensamento é o de Bernard


J. Siegel e Alan R. Beals de Stanford
Universidade. Eles têm desafiado a teoria
que os padrões de conflito contínuo na não-letrado
sociedades são socialmente eufunctional:
É difícil interpretar o conflito deste tipo na
termos de um modelo de estrutura cristalina e
função. De facto, de modo duvidosa é a funcional
valor de tais comportamentos, que parece provável
que tais tipos de organização teria pouco
valor de sobrevivência em face da nova e crítica
e problemas de stress [21, p. 107].
Siegel e Beals estão preocupados principalmente
com as causas do conflito e não com
as suas funções. Eles vêem o conflito social como um
resultado má adaptação, produzido pela interacção
Os pontos de estirpes sensíveis de potencial
perturbação no sistema social e-
-tensões alteração na pressão externa para
o sistema. Estes últimos incluem aculturativo
pressões. Eles têm distinguido diferente
tipos de partidarismo, definidos como "evidente, não regulamentada
(Não resolvido) conflito que inter-
ROBERT A. Levine
feres com a realização dos objectivos de
o grupo ", (21, p. 108) e a tentativa
identificar as condições que conduzem a antecedentes
diferentes formas e intensidades de fracionista
disputa. A discussão da estirpe mostra a
influência das formulações psicanalíticas a respeito
agressão e sua inibição e deslocamento,
mas a ênfase está na estrutural
fatores como causas de tensão.
Em contraste com Gluckman e Turner, que
limitaram-se à análise de conflitos
nas sociedades africanas particulares, Siegel e
Beals ter tentado uma ampla cross-cultural
formulação aplicável a todos humanos
sociedades e testável em estudos de laboratório de
grupos, bem como no campo (22). Outro
principal diferença entre as duas escolas de
pensamento é que Siegel e Beals conflito estudo
como um produto de mudança de cultura, enquanto
Gluckman concentra-se em conflito como uma
aspectos dos sistemas sociais estáveis.
Com esta recente onda de antropológica
atividade na teoria do conflito, podemos razoavelmente
esperar avanços de um empírico e
natureza analítico para ser feita neste problema
área durante os próximos anos, de ambos os lados
do Atlântico. Independentemente do que se transforma
abordagens antropológicas para tomar conflito,
há certos aspectos da sua inter-cultural
variações que não pode ser ignorado, e um
tentativa foi feita para resumir estes
no seguinte quadro conceptual.
Níveis estruturais do conflito
Em qualquer estudo cross-cultural de conflito, a
nível ou níveis de estrutura social em análise
deve ser explicitado ainda que não realizada
constante. Existem, como Siegel e Beals (22)
têm apontado, os tipos de conflito que
se espalhou para vários níveis estruturais e que
pode ser pensado como "penetrante", mas é
necessário distinguir os níveis antes de um
pode determinar se ou não um tipo de conflito
é generalizada. A sequência estrutural
níveis pode ser pensado como aplicável aos
praticamente todas as sociedades.
1. intrafamiliar. conflito interpessoal dentro
o grupo familiar doméstico, incluindo irmão
rivalidade, conflitos entre gerações, marido-mulher
antagonismo, iria ser encontrado em
este nível.
2. intracomunitária. Uma vez que o local pequeno
comunidade é uma unidade territorial identificável
na maioria das sociedades não urbanas, é possível
fazer comparações a este nível. Intergrupo
conflitos no seio das comunidades locais como entre
facções com base na vizinhança, descida,
classe ou casta, ou vínculos associativos (ou algum
combinação dos mesmos) é incluído aqui como
bem como conflitos interpessoais que corta
através famílias, mas não envolve grupos.
3. intercomunitária. Isso abrange toda a
gama de níveis acima do único local,
comunidade, mas dentro de um etnolinguístico
entidade. O número de níveis e tamanho do
interagindo unidades são crossculturally extremamente variável,
e dependem da população total
tamanho e grau de centralização política.
Os seguintes são exemplos de níveis no
categoria para a qual os etnógrafos relataram
conflito: (a) as comunidades locais, cada um
operando de forma autônoma, em conflitos contra
um outro; (B) grupos aliados das comunidades locais;
(C) nonlocalized grupos sociais,
tais como linhagens, clãs e associações,
que são mobilizados para fins de conflito
de entre os moradores de várias comunidades locais;
(D) estados autônomos ou chiefdoms
de um único grupo etno, (e)
províncias ou chiefdoms dentro de um nacional
organização, em conflito uns contra os outros
ou contra o Estado central. Um único etnolinguístico
grupo pode ter conflitos em um número
de níveis intercomunitárias, com temporária
alianças entre os grupos e subgrupos.
O Nuer como descrito por Evans-Pritchard
(4) são um bom exemplo disso.
A grande variabilidade inter-cultural em sociopolítica
organização em supracommunity
RESOLUÇÃO DE CONFLITOS VOLUME V NÚMERO 1
4
Antropologia e ESTUDO DO CONFLITO
níveis levanta a questão de que tipos de
unidades devem ser usadas para comparação. o
respostas que os antropólogos têm dado aos
esta questão são tão variáveis quanto os fenômenos
em estudo. Fortes e Evans-Pritchard,
embora admitindo que "a designação de
grupos políticos autônomos é sempre
certa medida uma questão arbitrária, "(5, p. 22)
insistir na entidade etnolinguístico total,
a unidade de comparação. Murdock (16, p.
86) defendeu a utilização de unidades que são
mais ou menos semelhante em tamanho e dimensão, independentemente
de
que nível estrutural é escolhido. Schapera
(20, p. 8) não concorda com Murdock e
afirma que o que deve ser comparado é
a comunidade política, por que significa
o grupo autónomo auto-regulam, mesmo
embora isto possa ser uma banda de caça pequena em
uma sociedade e um grande reino em outro.
Leach (10) apresentou o caso contra
tratamento de grupos etnolinguísticos como isolado
unidades e argumentou para o estudo da mais ampla
ambiente intercultural. Esta grande gama
de pontos de vista entre antropólogos se resume
a um problema fundamental que deve ser
enfrentado por qualquer um que faz um transcultural sistemática
estudo de conflito: se a fazer
uma selecção arbitrária de uma a priori de um estrutural
unitária, tal como "a comunidade local" ou "
total do sistema social "e, em seguida, tentar encontrar a sua
equivalente mais próximo nas sociedades sendo
estudado ou para ajustar a perspectiva comparativa
para a estrutura das sociedades sendo
estudou. O último pode ser feito através da utilização
uma unidade funcional, por exemplo, o permanente processo de decisão
unidade de dimensão máxima, ou pela
a tentativa para capturar todo o relevante
meio interno e externo para os grupos
que está sendo examinado.
4. Intercultural. Este nível envolve a interação
entre grupos etnolinguísticos ou
seus membros. No caso das sociedades sem estado,
o grupo etno pode ser tão
vagamente organizado que seus segmentos de componentes
Nunca estão envolvidos na ação coletiva,
mas o fato de que é linguisticamente, culturalmente,
e territorialmente distinta da outra, tais
grupos justifica uma distinção em níveis entre
suas relações internas e externas.
O que é muitas vezes referida como o conflito intertribal
ocorre a este nível. Pode continuar a ser uma significativa
dimensão da clivagem mesmo quando um
autoridade política central é sobreposto
ao longo de vários grupos etnolinguísticos, e mesmo
quando perdem sua distinção territorial,
como em algumas das novas nações da África.
As seções que seguem preocupação cinco
aspectos de conflito em qualquer nível estrutural:
os padrões de cultura que podem ser vistos como
indicadores de conflito, seus concomitantes atitudinais,
suas fontes ou causas, formas de
valor funcional, e os padrões de cultura
envolvidos no controle e resolução de conflitos.
Um dos problemas centrais na
estudo transcultural de conflito é a quantidade
e tipo de variação nesses aspectos em diferentes
níveis estruturais dentro de um sistema social.
Enquanto isto ainda é algo de uma aberta
pergunta, podemos razoavelmente esperar para encontrar um
mais pesada dependência de mecanismos informais para
controle e resolução de conflitos com o menor
níveis estruturais (intrafamiliar e intracomunitária)
e um maior uso de político-jurídica
meios de resolução de conflitos na maior
níveis estruturais, se houver qualquer meio em tudo
(26). Esta variação justifica por si só distintiva
entre níveis estruturais no empírica
estudos de conflito.
Padrões de Cultura de indicação de conflito
Quais são as manifestações culturais evidentes
de conflito? A tese defendida aqui é que universal
ou formas institucionalizadas de agressivo
comportamento fornecer as categorias para comparação
sociedades em termos de conflitos. O significado
de agressão neste contexto é interpessoal
comportamento conscientemente dirigida para
ferir uma pessoa (ou grupos) ou interferindo
com a realização de metas. Enquanto o psicanalítica
noção de agressão como comportamento
5
ROBERT A. Levine
que pode ser dirigido contra o auto pode ser
um válido, leva a uma tão controversa
área de interpretação de padrões de cultura que
a omissão deste aspecto da agressão
discussão comparativa parece operacionalmente
útil neste momento. Os seguintes cinco categorias
são culturalmente modelado formas de
comportamento agressivo que pode ser tomado como
indicadores de conflito social, sem fazer
quaisquer suposições sobre o seu valor funcional.
1. Agressão física. Isto incluiria
guerra, ou seja, combate armado entre os grupos,
e brigando, uma forma altamente regulado, limitado
da guerra, no caso de relações intergrupais.
No nível interpessoal, homicídio, rixas,
e duelando (a socialmente aceitável e limitado
forma de combate interpessoal) são indicadores.
Embora homicídio e brigas podem
ser um comportamento desviante, não há razão para acreditar
que eles são culturalmente modelado (1)
e, portanto, são tão úteis quanto qualquer outro tipo
de agressão física como indicadores de conflito.
destruição de propriedade, como no incêndio, e roubo
de bens de valor, pode ser uma expressão física
de conflito entre pessoas ou grupos. culturas
pode ser comparado com respeito às diferenças
na frequência de um tipo de física
agressão e em sua intensidade (por exemplo, média
a gravidade das lesões, número de pessoas
morto, valor dos bens destruídos ou roubados).
2. disputa verbal Pública. insulto público
e acusação de má conduta, contencioso,
debate, se enquadram nesta categoria. O uso de
esses padrões de comportamento como indicadores de conflito
pode necessitar de uma estimativa pelo investigador
da intenção agressiva e emocional
intensidade dos participantes. Contencioso, para
exemplo, pode representar um nonaggressive
alternativa ao ataque físico, mas nas sociedades
com altas taxas de litígio, o
processo judicial parece ser utilizada para
efeitos agressivos. Em certo sentido, qualquer cultura
padrão que coloca as pessoas contra
um ao outro como adversários com conflito
interesses pode ser visto como o conflito social,
embora possa ser um altamente eufunctional
forma de la. No contexto do comportamento agressivo,
no entanto, parece desejável ter
medidas independentes do grau em que
padrões de disputa verbal pública realmente fazer
envolvem intenção agressiva.
3. agressão verbal Covert. Isto cobre
maledicência, as suspeitas expressas privada
de bruxaria e feitiçaria, eo uso
magia do malévolo. Enquanto a magia não é
inteiramente verbal, envolve a manipulação
de símbolos verbais e não verbais, e faz
normalmente não envolvem combate face-a-face ou
encontro. A frequência destes padrões
de agressão verbal encoberto parece ser um
índice sensível do conflito na intrafamiliar
e níveis intracomunitárias em muitos não-letrado
sociedades (18). Nesta edição, ofertas Scotch
com a persistência desses padrões em um
situação urbana.
4. Violação de expectativa. A incapacidade de realizar
atos que são valiosas para outras pessoas
ou grupos e que têm vindo a
esperar como resultado do desempenho passado pode
ser uma forma de agressão. A recusa em participar
atividades de cooperação no intracomunitário
nível, descrito por Beals neste
questão, é um exemplo deste. Exemplos de outros
formas são recusa a obedecer comandos sociais
relações que envolvem a obediência e
retenção de mercadorias em transações econômicas.
Uma vez que as expectativas são envolvidos
muitas vezes tradicional, o comportamento deste tipo é comumente
encontrados em situações de mudança de cultura.
5. Prevenção e separação. Isto é diferente
de quebra de expectativa em que o contato
e comunicação entre conflitantes
pessoas ou grupos são cortadas em maior
grau e também em que a evasão e separação
são mais propensos a ser institucionalizado
em culturas relativamente estáveis. padrões culturais
nesta categoria podem ser encontrados em todos
nível estrutural. Eles incluem evitar
relações entre as categorias de parentesco (por exemplo,
o pai-filho evitar descrito por SkinCONFLICT
Resolução VOLUME V NÚMERO 1
6
Antropologia e ESTUDO DO CONFLITO
ner nesta edição), a construção de cercas ou
outras barreiras entre vizinhos, a emigração
de indivíduos ou grupos de uma comunidade ou
região, a segregação de grupos, secessão do
unidades políticas, e a ruptura das diplomática
relações. Deve ser enfatizado
mais uma vez que as consequências funcionais do
padrões culturais listados ou a medida em que
que são as alternativas menos perturbadora
disponíveis, não estão a ser avaliados neste
ponto. Sem considerar a função, parece
razoável supor que a evasão e
separação representar reações a agressiva
motivação ou incompatibilidade de interesses
(O que poderia levar à agressão) experimentou
pelos atores da situação social e
são, portanto, indicadores de conflito. Está dentro
Nesta categoria, no entanto, que nos deparamos
esses padrões de cultura que, embora indicativos
de conflito real ou potencial, pode ser tão
bem sucedida na prevenção mais perturbador
formas de ocorrência que devem ser considerados
sob o título de conflito controle
também.
Concomitantes atitudinais de Conflitos
conflito social parece ser regularmente
acompanhado por certos sentimentos e crenças
de indivíduos que estão participando do
conflito ou que são membros de participar
grupos. Embora estes sentimentos e crenças
são culturalmente modelado, eles podem ser medidos
de forma independente das manifestações evidentes
de conflito discutido acima e muitas vezes
deve ser medido de forma independente, porque
eles são menos propensos a ser gravado por etnógrafos
que não têm um interesse especializado
em conflito. Além disso, há uma
vantagem para a pesquisa em manter padrões evidentes
de conflito analiticamente distinta da
atitudes indivíduo, viz., a retenção de
liberdade para encontrar variações concomitantes entre
os dois conjuntos de variáveis. A entrevista
cronograma apresentado nesta edição por
Campbell e LeVine foi elaborado com
esta vantagem em mente.
Dois tipos de concomitantes atitudinais de
conflito são concebidos aqui: (a) A hostilidade,
ou seja, agressão, sob a forma de uma disposição latente
para tomar medidas agressivas ou sob a forma
de agressão fantasia. Em ambas as formas de hostilidade
é uma atividade simbólica do indivíduo e
podem ser medidos por recolha de uma amostra do
atividade simbólica relevante, como por meio de um
entrevista ou teste psicológico. Por exemplo,
um indivíduo responder a um tal instrumento
pode expressar o ódio dos outros, um desejo
para matar ou ferir-los, e uma descrição do
como ele iria fazê-lo se ele tivesse a chance,
apesar de seu comportamento manifesto não
apresentam essa tendência. (b) imagens negativas,
isto é, crenças sobre outras pessoas ou
grupos que envolvem uma avaliação desfavorável
deles. Tais imagens são susceptíveis de ser
agravado de percepções distorcidas de
-los e uma selecção de características desfavoráveis
Do meio de seus atributos reais. Onde
grupos relativamente estáveis estão em conflito a
imagens negativas podem tornar-se elaborado e
estereótipos bem organizados que condicionam
comportamento intergrupal. Isto é bem visível na
o nível intercultural, as diferenças culturais, onde
fornecer material para avaliação negativa,
mas, sem dúvida, se passa no outro
níveis também.
A tendência dos grupos de etnolingüísticas
desenvolver e manter imagens negativas de um
outra é discutido com mais detalhes no
os artigos de Swartz e Campbell e Levine
nesta edição.
Fontes de conflito social
Quais são as causas do conflito em humanos
sistemas sociais? Seja o que for, é seguro
supor que nem todos eles são peculiares
homo sapiens, já que o comportamento agressivo é
encontrado amplamente entre os vertebrados e é
presumivelmente adaptativa em uma ampla gama de
ambientes. Pode também ser dito que
7
ROBERT A. Levine
vida social humana implica inevitavelmente frustrações
e as incompatibilidades entre os indivíduos
que geram conflitos em todas as sociedades.
Não importa quão válida tais proposições universais
são, de uma perspectiva transcultural nos ordena
prestar atenção aos determinantes de diferenças
na quantidade e tipo de conflito entre
populações humanas. Enquanto podemos assumir
que todas as sociedades têm padrões de conflito social,
são as variações entre as sociedades (e
ao longo do tempo nas sociedades particulares) que nós
quero explicar e prever.
O tema dos determinantes do conflito social
tem sido tratado por Siegel e Beals
em suas discussões de tensões e pressões
(21, 22) e é tratado nesta edição por Gulliver,
Beals, e Skinner. Neste ponto, em seguida,
I indicará apenas três categorias de
fatores que parecem ser determinantes da
variações inter-culturais em conflito social.
1. Económica. Competição por recursos escassos
é muitas vezes referido como uma fonte de
conflito, e não pode haver nenhuma dúvida de que
o grau de escassez de bens valorizados varia
muito entre as sociedades e nas histórias
de sociedades particulares. Em alguns grupos, o conflito
surge sobre a terra, como Gulliver descreve em
esse assunto; em outros, há uma competição para
oportunidades de emprego e / ou para o
bens de prestígio, em vez de recursos de subsistência.
Concurso para cargos de estatuto
e autoridade, embora não seja estritamente econômico, é
de forma semelhante em competição económica. este
categoria de conflito pode ser determinante
encontrada em todos os structuralevels.
2. estrutural. Pelo menos dois tipos de variáveis
estão envolvidos aqui. (A) Demográfico
variáveis, tais como a proximidade que, através do aumento
a quantidade de contato entre competitivo
pessoas ou grupos, com outras coisas
sendo igual, aumenta a quantidade de conflito
entre eles. LeVine (12) encontrou uma
relação entre a proximidade de co-mulher
residência em famílias polígamas ea
frequência de bruxaria e feitiçaria acusações,
e argumentou que frequência de intrafamiliar
contacto deste tipo influencia a
nível de secreta, a agressão verbal. (B) O papel
ou ambiguidade estatuto que, por potencialmente
situações competitivas, permite a concorrência para
tornar-se tão intensa que os resultados de conflito. este
parece ser o caso em todos os níveis estruturais,
e, ao intercomunitária e intercultural
níveis, tende a ser correlacionada com uma falta de
meios de autoridade para resolver conflitos.
3. psicológico. Embora todos agressivo
comportamento pode ser ligada a motivação individual,
existem algumas variações transculturais
em conflito que não parece ser
adequadamente contabilizados em termos de desenvolvimento económico
e as hipóteses estruturais e que
exigem explicações psicológicas. Dois
tipos de variáveis psicológicas são relevantes
Aqui. (A) As condições ambientais na infância,
por exemplo, a formação por parte dos pais, que reforçam
padrões de comportamento agressivo ou que
criar conflitos intrapessoais que produzem
atitudes hostis no indivíduo. Por exemplo,
Em algumas sociedades, a agressão física
é incentivada na infância, enquanto em outros,
é desencorajado, e este parece ter
consequências importantes para a reacção em
idade adulta dos indivíduos que têm sido
formados de maneira diferente. (b) as tensões adultos e
outros do que os decorrentes de frustrações
competição por recursos escassos. Esses incluem
biopsicológicos variáveis que têm
sido hipoteticamente ligada a incrementos em
o comportamento agressivo de indivíduos, por exemplo,
deficiências nutricionais, tais como hipoglicemia,
e frustração sexual. também incluído
aqui estão os fenómenos de stress cultura
(18) e o stress psicológico resultante
de aculturação.
O valor funcional de Conflitos
São padrões agressivos de comportamento e
seus concomitantes atitudinais adaptativos (eufunctional)
ou mal-adaptativo (disfuncional)
para a sobrevivência e funcionamento de sysCONFLICT sociais
Resolução VOLUME V NÚMERO 1
8
Antropologia e ESTUDO DO CONFLITO
tems? É claro que a única resposta pode ser
dado que realizará para todos esses padrões em
todos os sistemas sociais. Em alguns contextos, o conflito
é perturbador, enquanto em outros parece
ter um efeito facilitador. O problema é a
avaliar as perturbações e facilitação de algum
forma relativamente objetiva.
Duas maneiras de avaliar o valor funcional
de conflito social sugerem-se. Um é
nos termos dos efeitos do conflito na
a solidariedade de grupos em vários estrutural
níveis. Comportamento que reduz a solidariedade de grupo
é disfuncional, que promove
é eufunctional. Embora possa parecer
que o conflito nunca poderia promover a solidariedade de grupo,
é preciso levar em conta os efeitos no
diferentes níveis estruturais. Tem sido frequentemente
destacou nas discussões sociológicas que
conflito aberto entre os grupos de ajuda o interno
a coesão dos grupos, e isto é ilustrado
por Lewis em sua descrição da interclan
rivalizar em Marrocos nesta edição. a observação
Esse ódio e desfavoráveis estereótipos
de outgroups ajudar a manter os sentimentos de
solidariedade no seio da ingroup é comum
nas discussões sobre o etnocentrismo. No outro
lado, tem sido um grande ponto de Gluckman
e Turner que cisma, cisão no
nível local pode promover a coesão em uma ampla
sistema de relações sociais. Todas essas proposições
pode ser formulado como interculturalmente
hipóteses testáveis se de coesão ou solidariedade
a um certo nível é medida pela ausência
ou menor grau de conflito nesse nível. o
primeira generalização acima gerariam
tornar-se: a forma mais frequente ou intenso
Teste padrão de cultura no intercultural indicando conflito
ou níveis intercomunitárias, a menos
frequente ou intenso será uma indicação de conflito
Teste padrão de cultura em um intercomunitário menor
nível em um dos dois intracomunitário
níveis. Uma formulação possível para paralelo é
os concomitantes de atitude de conflito. o
segunda generalização pode ser reformulada
para testes de cross-cultural como: o mais frequente
ou intensa uma cultura de conflito indicando
padrão em um intracomunitário ou baixa intercomunitário
nível, a menos frequente ou intenso
vai ser em um structuralevel superior. colocando
as duas hipóteses em conjunto, seria de esperar
para encontrar uma relação inversa entre
variáveis de conflito em diferentes níveis estruturais.

Uma segunda maneira de avaliar a funcional


valor do conflito social é pelo desenvolvimento
de um ranking transcultural do grau de desorganização
dos diferentes indicando-conflito
padrões de cultura. Se fosse possível estabelecer
de alguma maneira intersubjetivamente plausível
que, por exemplo, certos padrões de física
agressão, violação de expectativa, e evitação
e separação são mais perturbador do que
certos padrões de disputa verbal pública e
agressão verbal encobertos ou que alguns padrões
de agressão física são mais perturbador
do que os outros, então seria possível
sociedades de classificação ao longo de uma dimensão da desorganização
dos padrões de conflito que
eles exibem a um determinado nível estrutural. UMA
exemplo hipotético seria um ranking de
sociedades em termos de frequência de litígios
ou acusações de feitiçaria na intracomunitário
nível e outro ranking da
mesmas sociedades no que diz respeito à frequência
de homicídio intracomunitário. Se isso fosse
concordou que o litígio e Bruxaria acusações
são menos agitada do que o homicídio, em seguida,
uma hipótese funcional, ou seja, uma hipótese
que vê uma forma de conflito como uma funcional
alternativa para outro que seria
as duas séries de classificações estão inversamente relacionadas.
Ao organizar os dados cross-culturais em
Desta forma, seria possível descobrir se
diferentes padrões de cultura-conflito, indicando
variando em a desorganização num dado
nível estrutural, são substitutos funcionais para
um outro. Se for descoberto que eles são,
em seguida, pode-se comparar as sociedades em termos de
a desorganização relativa (dysfunctional-
9
ROBERT A. Levine
dade) da sua solução para o mesmo funcional
problema.
Padrões de Controle de Conflitos
e resolução
Em sociedades com especializada centro político
estruturas, mecanismos de resolução
e controlo de conflitos internos tendem a ser
visivelmente identificada com o explícito
funções dos cargos políticos. Contudo,
Entre as contribuições empíricas que a antropologia
fez para o estudo da política
organização, nenhum é de maior importância
do que a descoberta de que não são viáveis e
sociedades estáveis que não têm tanto do governo central
e papéis políticos especializados. o
problema de como o conflito é controlado e resolvido
nessas sociedades sem Estado, análoga
em muitos aspectos para os problemas da International
regulação, tem sido objecto de considerável
atenção dos antropólogos sociais
durante os vinte anos desde a publicação
de Fortes e Políticos Africano de Evans-Pritchard
Sistemas (5). A discussão a seguir
continua esta concentração em sociedades sem Estado,
em uma revisão dos mecanismos de
resolução de conflitos, que têm sido encontrados em
pesquisa antropológica.
A maioria das análises teóricas da política apátrida
sistemas têm sido principalmente preocupado
com níveis estruturais intercomunitárias dentro
grupos etnolinguísticos; a autoridade interna
sistema da comunidade local recebeu
menos atenção do que merece. Isto é um infortúnio,
porque a evidência disponível sugere
que os mecanismos de resolução de conflitos
dentro pequeno, grupos face-a-face é
bastante diferentes dos que operam entre
grupos, apenas a resolução de conflitos dentro
organizada estados nacionais é diferente de
que encontra no internacional uncentralized
nível. Nesta discussão, os padrões de conflito
resolução no seio das comunidades locais serão
tomado em primeiro lugar e, em seguida, aqueles que operam em
níveis intercomunitárias. Deve-se notar
que "a comunidade local" é uma abstração
que não é aproximada como uma distinta,
entidade estável, coeso e num número de
sociedades sem estado. No entanto, se pensava
como uma unidade territorial maior que a nacional
família, por exemplo, uma vila, aldeia ou bairro,
com não mais de 1.500 pessoas (16)
e com pelo menos alguma actividade colectiva
casos de conflito interno ou externo, é
aplicável à grande maioria das sociedades
em apreço.
Em tais comunidades, a violência intestina
tende a ser rara e, quando ocorre, é
rapidamente terminada. Vários fatores-social,
económico, psicológico e político-são
envolvida no controlo e de resolução
conflito físico na comunidade local.
Em primeiro lugar, há a interdependência económica
de seus moradores. Uma vez que a comunidade é
muitas vezes uma unidade de subsistência importante, necessitando
a cooperação de seus membros para a sua
sobrevivência conjunta, eles são altamente motivados para
entrar e conter seus impulsos agressivos
uma para a outra. Uma hipótese envolvido
aqui é que a frequência da violência intestina
irá variar inversamente com a necessidade de
cooperação económica.
Em segundo lugar, há a aceitação por parte da comunidade
moradores de um sistema interno para o
tomada de decisões comunitárias sobre
econômica, judicial, militar e religiosa
romances. Entre as decisões que chegaram
este processo socialmente aceito são as que envolvem
a aplicação de sanções aos indivíduos
que quebrar a paz do grupo.
As sanções incluem: o infligir de lesão,
banimento, a retaliação autorizada, o pagamento
de compensação, o ridículo, expressão de desaprovação,
e maldição sobrenatural. o
agências que podem legitimamente aplicar
sanções podem ser formal, por exemplo, um conselho,
chefe hereditário, ou mágico-religiosa
praticante, ou eles podem ser informal, por exemplo,
uma assembleia de anciãos ou os machos adultos ou mesmo
a comunidade não montado, com os seus elementos.
RESOLUÇÃO DE CONFLITOS VOLUME V NÚMERO 1
10
Antropologia e ESTUDO DO CONFLITO
O grau em que o poder de sanção
concentrada nas mãos de uns poucos ricos,
sábio ou envelhecida indivíduos ou difundido entre
a massa de moradores da comunidade também é
variável de uma sociedade para outra. Independentemente
da sua estrutura particular, este sistema de
sanções tende a manter a ordem no
grupo, estimulando no grupo membros antecipação
de consequências dolorosas ou ansiedade-despertando
por atos agressivos graves.
Em terceiro lugar, muitas vezes há um conjunto relacionado de
sobrenatural
sanções contra o conflito violento
dentro da comunidade. particularmente quando
a comunidade é coincidente com uma localizada
grupo descida, não é provável que seja um
a crença em espíritos ancestrais ou fantasmas que automaticamente
punir assassinos através de doença
independentemente de agências comunitárias
tomar qualquer ação. Sob tais circunstâncias,
o uso de categorias de parentesco classificatórios
equivale assassinato de um membro do local,
grupo de descendência com fratricídio ou parricídio,
que é acreditado para merecer sobrenatural
intervenção. A crença no castigo sobrenatural
por homicídio intracomunitário, na medida
porque alivia agentes humanos da tarefa de
aplicação de sanções, ajuda a evitar a perpetuação
de conflito que pode ocorrer quando
moradores da comunidade pronunciar o veredicto
e executar o castigo si. Dentro
muitas sociedades sistemas de crenças sobrenaturais
desempenham um papel importante na manutenção de
ordem na comunidade.
Em quarto lugar, há a inibição indivíduo
de agressão e a conformidade com cultural
regras que resultam da socialização da
a criança. Isto é o que Radcliffe-Brown referido
no seu prefácio para Africano Político
Sistemas (5, pp. 15-16), quando afirmou,
"Dentro de pequenas comunidades pode haver
pouca ou nenhuma necessidade de sanções penais. Boa
comportamento pode ser, em grande medida o resultado
do hábito, do condicionamento do indivíduo
por seu início de up-trazendo. "
Em quinto lugar, há emigração do local,
comunidade como alternativa ao conflito violento
dentro dele. Nas sociedades nômades e
grupos agrícolas com terras abundantes, locais
comunidades, muitas vezes perdem as membros dissidentes,
que simplesmente se juntar a outra comunidade de
a mesma sociedade. Esta solução é geralmente
satisfatória para todas as partes envolvidas, embora seja possível,
mas deve escassez de terra desenvolver e
a emigração tornar-se impossível, a comunidade
pode não ter desenvolvido adequadamente
mecanismos internos de resolução de conflitos,
com um aumento resultante da violência intestina.
Tal processo está em andamento em muitas sociedades
com o rápido aumento da densidade populacional.
Estes, então, são os fatores que agem para
prevenir a violência perturbadora dentro do local,
comunidades de sociedades sem Estado: a económica
interdependência, um sistema de decisão legítima
capaz de aplicar sanções, sobrenatural
sanções, socialização eficaz, e
a emigração de dissidentes. Nem todo o
factores são encontrados em todas as sociedades e são
combinados e invocado em graus variados
em diferentes partes do mundo, mas alguns
-los será encontrada para estar operando em qualquer
situação particular.
A manutenção da ordem intercomunitário
nas sociedades sem Estado, envolvendo como faz o
interação de unidades politicamente integrados, presentes
um conjunto diferente de problemas do
manutenção da ordem interna nas comunidades locais.
No nível intercomunitário não
é uma gama muito maior cross-cultural de
variação na quantidade de ordem realmente
conseguida. Em uma extremidade do continuum lá
são comunidades locais contíguos que têm
um sistema de decisão militar-judicial comum
sob um único chefe ou conselho, onde o
probabilidade de violência intercomunitária organizado
é praticamente nulo. Eles constituem o que
Deutsch (3) chama de politicamente amalgamados
comunidade de segurança. Na outra extremidade do
contínuo são as comunidades locais que se dedicam
em violência esporádica e prolongado
disputas uns contra os outros e em que existem
11
ROBERT A. Levine
uma condição de hostilidade mútua e tensão.
Sob tais condições, a unidade cada vez mais
é conseguida sob a forma de militar temporária
alianças para combater grupos de aldeias em
outra área. Entre estes dois tipos
existem muitas formas intermediárias de interacção
com diferentes probabilidades de intercomunitário
violência.
Ao delinear alguns padrões de controle de conflitos
entre as comunidades locais, darei
atenção primária para os fatores que comunidade
decisores deve levar em consideração
quando tentado envolver o seu
grupo na atividade militar contra outros locais
comunidades. Os padrões de controle e decisão
factores são como se segue:
1. dissuasão militar mútuo. Este tem
foi sublinhado por Fortes e Evans-Pritchard
(5) que vêem certos sistemas apátridas africanos
como estando em um estado de equilíbrio que
serve para manter um mínimo de ordem ( "ordenou
anarquia ") na ausência de um centro
governo. O equilíbrio é conseguido através de um
equilíbrio de poder entre segmentos territoriais
da mesma ordem, e por temporária
alianças militares entre esses segmentos para
batalhas contra segmentos da próxima maior
ordem. Essas alianças têm sido referidos
como "fusão", mas deve ser entendido que
a fusão é militar e não envolve
amálgama político da temporariamente
segmentos afins. Neste "oposição equilibrada
de segmentos de "retaliação militar é um primário
mecanismo para o controlo de conflito aberto.
Embora a eficácia da presente
mecanismo pode ter sido exagerada,
não pode haver dúvida de que militar mútua
dissuasão funciona entre grupos locais
nas sociedades sem estado, particularmente no
ausência de mecanismos que integram fortes.
Onde as comunidades são praticamente equivalentes
em tamanho e poder, os decisores têm de
considerar a possibilidade de que seu ataque vai
trazer em contra-ataques por forças de igual
ou a força ligeiramente superior e criar uma situação
de tensão prolongada e indeciso
entre as comunidades.
2. A inclusão de outras comunidades em
o grupo de descendência primária. onde locais
comunidades são coincidentes com localizada
grupos de descendência, particularmente patrilinhagens, que
é frequentemente o caso que os membros masculinos
comunidades contíguas reconhecer um comum
ancestral e aplicar parentesco classificatório
termos um ao outro. Isto envolve uma extensão
de integrar mecanismos dentro do
comunidade para outras comunidades, mas em
forma diluída. Desde pessoas em outras comunidades
encontram-se perto de linhagem companheiros, matando de
um deles é equivalente ao fratricídio ou parricídio
e é punível com o ancestral
espíritos, se as reparações não são pagos. Judicial
agências internas para cada comunidade pode
função em conjunto na ocasião para fazer cumprir a
pagamento de uma compensação. Quanto maior for o
distância entre as comunidades, a menos
é provável que esta ocorrer. Organizado, mas atenuada
violência pode ocorrer entre as comunidades
cujos membros estão tão ligadas, por exemplo, os participantes
pode reconhecer uma regra de utilização de clubes
ao invés de lanças. Nas sociedades africanas
que tem este tipo de sistema, um número de
comunidades podem ser ligadas por esta extensão
localizada regulamentos de linhagem. Além de
perímetro do aglomerado de comunidades reconhecendo
tais títulos são outros tais grupos
ligado com o primeiro de um semelhante, mas mesmo
forma mais ténue. conexões genealógicas
Entre os agrupamentos podem ser rastreados, mas
termos de parentesco não são usados e sobrenatural
as sanções não operatório. Conflito com lanças
entre os clusters é perfeitamente possível e ocorre
com bastante frequência. Dentro dessa unidade territorial,
No entanto, reconhece-se que o conflito violento
pode ser rescindido mediante o pagamento de uma compensação
por homicídio. Na realidade, compensações
pode raramente ser pagos, mas é reconhecido
como o procedimento adequado para o manuseio
homicídio e conflito entre os clusters.
Middleton e Tait (14, p. 9) chamar este maxCONFLICT
Resolução VOLUME V NÚMERO 1
12
Antropologia e ESTUDO DO CONFLITO
unidade de imal em que a compensação pode ser
pago a comunidade jural, e referem-se a
hostilidades armadas que são exercidas nos
-lo como a disputa como distinguido de guerra,
que não pode ser denunciado por compensação
e é realizada entre as comunidades jural.
A comunidade jural nem sempre é uma territorial
unidade, mas ela tende a estar nas sociedades
que têm a disputa. Em tais sociedades for
ser uma unidade territorial que abrange a todos quantos
65.000 residentes. Além de suas fronteiras sem
existem laços de integração permanentes.
Quando um sistema como o descrito
acima existir, os tomadores de decisão da Comunidade,
antes de se comprometerem a militar
medidas em resposta à provocação por outra
comunidade, deve-se considerar (a) a linhagem
relação entre os dois grupos, (b)
sanções sobrenaturais que poderiam resultar
da ação, e (c) a distância espacial
entre os dois grupos. tais considerações
na maioria das vezes agir para mitigar hostilidades
entre grupos locais que estão mais próximos em
espaço ou descida, ou ambos, e para perpetuar
conflito aberto com os grupos que são
mais distante. Nesta situação, a integração
e a manutenção da ordem na intercomunitário
nível tende a ser um reflexo ou
extensão do sistema interno da comunidade
-se, e sua eficácia cai
drasticamente à medida que a distância dos aumentos da comunidade.

3. Lealdade a descida e outros grupos


fora da comunidade local. Em contraste com
a situação da balança de poder, Colson (2, p.
210) sugeriu que as lealdades divididas de
indivíduos entre territorial e de parentesco
grupos pode ser um factor na manutenção
da ordem nas sociedades de linhagem segmentares;
Gluckman (6, pp. 10-20) elaborou este
ponto e analisados controle social Nuer na
termos do mesmo. O último enfatiza a pacificadora
efeitos de dispersão dos parentes patrilinear
grupo.
Agora, se o grupo vingança é dispersa for
Quer dizer, especialmente nos distritos menores, que o
demanda por solidariedade comunitária exige que um
Homem mobilizar com os inimigos de seus agnados.
E na situação oposta um emigrante tais
membro do grupo que matou pode ser
vivendo entre os vingadores, e ser susceptível de ter
vingança executada sobre ele. Eu sugiro que
sua exposição a morte exerce alguma pressão sobre o seu
parentes para comprometer o caso .... Por outro lado, se um
homem do grupo exigindo reside vingança
entre os assassinos, ele tem interesse em garantir
que seus parentes aceitar compensação em vez de insistir
no sangue por sangue [1955: pp. 11-12].
Deve-se notar que tanto Fortes e
Evans-Pritchard reconheceu o potencial
pacificadoras laços de dispersão grupo de parentesco e cognatic
relações ocasionadas pela exogamia,
mas considerou-os menos importantes do que segmentar
oposição para a manutenção da
ordem. Independentemente de qual ponto de vista tem maior
validade empírica, o conceito Colson-Gluckman
de lealdades divididas deve tomar seu lugar
ao lado da balança Fortes-Evans-Pritchard de
noção de poder como uma posição teórica sobre a
resolução de conflito no "anarquias encomendados."
Assim, o casamento entre as comunidades locais
e dispersão dos grupos de parentesco entre
eles podem, em determinadas circunstâncias,
estabelecer conexões duradouras que tendem a
prevenir conflitos entre eles. Em geral,
tais laços transversais parecem ser mais
eficazmente pacificação em situações onde os homens
mudaram a sua residência (em uxorilocal ou
casamento neolocal, a emigração não-marital)
longe das localidades em que seus parentes
grupos predominam, do que são quando
mulheres são arrancadas pelo casamento virilocal.
Murphy formulou esta, em geral,
termos:
Eu proporia como uma hipótese estatisticamente testáveis
que as sociedades matrilocais deve reprimir aberta
agressão a fim de assegurar a coesão e continuidade.
Se tomarmos qualquer matrilocal e matrilinear
ou a sociedade bilateral como nosso modelo, o sistema
de residência tende a dispersar pelo menos machos
toda a comunidade local. Assim, qualquer macho
13
ROBERT A. Levine
terá estreitos laços de parentesco e de interdependência económica
com seus colegas de casa, sua casa natal,
as famílias de seus tios maternos, e
as famílias de seus irmãos. O mesmo é verdade
sociedades de patrilocais do ponto de vista da
mulheres, mas os homens são a principal política
papel-jogadores em todas as sociedades humanas. qualquer conflito
envolvendo homens, portanto, torna-se uma questão de
preocupação da comunidade profunda .... Em suma, quando o
grupos de residência e de parentes do sexo masculino não
coincidem, ele adquire vários compromissos que
podem entrar em conflito [17, p. 1033].
Murphy relata que entre os Mundurucui
do Brasil, os homens são membros de patrilinear
grupos de descendência, mas o casamento é matrilocal assim
que eles deixam suas comunidades de origem e
fixar residência nas de suas esposas.
Sob estas condições, os guerreiros casados
de qualquer aldeia são confrontados com o facto de uma
ataque a outra aldeia lhes traria
em conflito armado com os homens da mesma
filiação patrilinear. estes extracommunity
laços são tão dispersa que a Mundurucui são
capaz de manter o Deutsch (3, p. 41)
chamaria de uma "comunidade de segurança pluralista"
em que as expectativas estáveis de entre unidades
paz são mantidas na ausência de política
amalgamação. Em contraste, outro brasileiro
tribos praticam a descida patrilocal são
relatado por Murphy ter considerável
violência intestina.
Outros exemplos de laços transversais em
sociedades sem estado resultantes da dispersão
parente mais membros do grupo são dadas por
Goody (7) para o LoDagaba, Morgan (15)
para o Iroquois, Warner (25) para o Mumgin,
e Colson (2) para o Plateau Tonga,
para mencionar apenas alguns. Evans-Pritchard (19,
pp. 27-28) tem apontado a pacificadora
efeitos de regimentos, clãs e etários conjuntos
quais localidades cortes transversais e uns aos outros
Entre o Kipsigis. As consequências unificadores
de cross-pressões e grupo múltipla
filiações foram reconhecidos por numerosos
sociólogos e cientistas políticos em
suas análises de sociedades complexas (13, 23).
Estes três padrões de intercomunitário
controle da violência são apenas uma amostragem
de entre os muitos que existem no sem estado
sociedades. lealdades Extracommunity de
os machos podem basear-se em organizações de grupos etários
e militar regimentos, bem como sobre
grupos de descendência e podem formar pacificar redes
de laços transversais. conexões rituais
e as relações comerciais entre as comunidades locais
ou grupos de comunidades podem também
servem para reduzir a probabilidade de intestina
violência na estrutura social total. Nisso
problema, Kopytoff descreve um padrão incomum
de resolução de conflitos intercomunitário que
é novo na literatura etnográfica sobre o
assunto, e podemos esperar que outros padrões, como
ainda desconhecido para a antropologia, para transformar-se como
investigações empíricas neste progresso área.
Uma análise mais comparativa é necessária
antes de se compreender a eficácia relativa
de vários mecanismos para controlar
conflito intercomunitário na ausência de
amálgama político. Pode revelar-se útil
a pensar em termos de "comunidades de segurança"
e ter em mente o paralelo entre
intenation relações e a interacção de
politicamente unidades integradas em qualquer nível. Hoebel
(8, p. 331) reconhecido este paralelo em
afirmando: "O direito internacional, assim chamada, é apenas
direito primitivo em nível mundial ". Keesing
(9, p. 18) usou o conceito de "segurança
comunidade ", desenvolvido pela Deutsch (3) para
o estudo das relações internacionais, na sua
análise da organização política central instável
de Samoa. Aplicações de tais
conceitos para as sociedades sem estado também pode ser
útil na análise comparativa futuro.
Esta edição do The Journal of Conflict Resolution,
e este artigo, que serve para introduzir
ele, têm a intenção de apresentar a gama de
abordagens e materiais que empíricos
antropólogos dar para o estudo da
conflito social e etnocentrismo. Sem unificada
orientação teórica ou metodológica
emerge; por exemplo, alguns dos artigos são críticos
RESOLUÇÃO DE CONFLITOS VOLUME V NÚMERO 1
14
Antropologia e ESTUDO DO CON
da posição teórica da Gluckman, enquanto
outros estão de acordo com todo o coração
isto. Esta diversidade representa a expansão de
atividade em uma área relativamente nova teórica.
Apesar da diversidade de abordagens, os
estudo de conflito é um assunto sobre o qual
antropólogos sociais de diferentes orientações
e os interesses são convergentes. esta introdução
e a proposta no final do
questão são dirigidas para o futuro desta convergência,
na esperança que mais sistemático
investigações interculturais de conflito
ser levada a cabo.