Você está na página 1de 64

RENATO PASTENE PIRES

GERAÇÃO
ELIAS
E O ESPÍRITO PROFÉTICO
©2010 Editora Semente
Direitos desta edição reservados. Nenhuma parte desta obra pode
ser apropriada e estocada em sistema de banco de dados ou
processo similar, em qualquer forma ou meio, seja eletrônico, de
fotocópia, gravação, etc., sem a permissão da editora e/ou autor.

PREPARAÇÃO E REVISÃO DE TEXTO


Nicole Guim

CAPA
Laís Foratto

PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO


Leda Maria Santos

1ª Edição: Novembro de 2010

P667 Pires, Renato Pastene.


Geração Elias e o espírito profético / Renato Pastene Pires -
Editora Semente 2010.

64 p. c/ Bibliografia.

ISBN: 978-85-62023-00-2

1. Cristianismo. 2. Igreja. 3. Espírito Profético. I. Pires, Renato


Pastene. II. Título.

CDD: 230
Dedicatória

Dedico este livro a todos os amantes do aviva-


mento. Pessoas que esperam a manifestação do Se-
nhor Jesus com profundidade, transformando a vida
de pessoas, cidades e nações. Bem-aventurados são
vocês pois o melhor vinho ainda será servido.
Agradecimentos

Agradeço primeiramente a Deus, que tem preparado minha


vida de maneira graciosa e feliz. A profundidade do Seu amor é a
única explicação para esse chamado e unção para escrever. Muito
obrigado Senhor, eu Te adoro. Desejo agradecer meu pai Roberto
e minha mãe Rosângela, que dedicaram-se arduamente em meu fa-
vor. Eles me ajudaram, especificamente, no processo de formação
deste livro. Agradeço minha noiva Carol, a tão nobre companheira
que o Pai me deu, por todo apoio e carinho.
Agradeço também ao amigo pastor Marcos Albuquerque – pio-
neiro em muitos caminhos do Reino de Deus – pela dedicação em
revisar o conteúdo do livro e me auxiliar em seu acabamento, além
de desenvolver a apresentação do mesmo com tanto cuidado e ex-
celência. Agradeço ao pastor Marcelo de Souza Costa, pois sempre
vislumbrou a bondade de Deus a meu respeito. Com muita alegria
ele se comprometeu a fazer a sinopse deste livro. Continue humilde
e cheio de amor querido amigo. Agradeço ao amigo João Favor (o
nome exprime seu coração), que preparou o inspirado prefácio deste
livro, e sua esposa Daiane – um casal que anda com o Pai.
Obrigado a todos os amigos, por enriquecerem minha caminha-
da cristã com as suas vidas. Obrigado a todos que de alguma maneira
– por seus ensinos, orações, imposição de mãos, palavras proféticas,
exortações e conselhos – me ajudaram a andar no Espírito Profético
de Elias. Admiro cada um que escolheu ouvir a voz de Deus e obede-
cer. Deus seja louvado pela referência que vocês deixaram..
Apresentação

Este livro trata da preparação da Igreja para a última


hora, e dos ministérios que Deus está levantando para sur-
preender o mundo, e cumprir o Seu propósito nesta geração.
Sem dúvida, este é um livro instigante, que desafiará
você a ter uma vida mais próxima do coração e dos pés do
Senhor Jesus.
O profeta Elias foi uma das pessoas mais fortes e próxi-
mas de Deus no Velho Testamento. Ao mesmo tempo, ele se
mostrou frágil como qualquer um de nós.
Isto prova que Deus pode usar qualquer um que de-
penda profundamente Dele. Deus quer mostrar a Sua Noiva
para o mundo.
No Reino de Deus, a glória da segunda casa é maior do
que a primeira; os trabalhadores da última hora ganharão
o mesmo dos que se fatigaram durante todo o dia; o vinho
melhor fica para o fim da festa.
A última chuva trará os frutos esperado por muitas
gerações.
Vivemos em tempos especiais diante do Senhor. Olhe-
mos para o alto, e estejamos preparados, com as nossas lâm-
padas cheias, esperando e apressando a volta de nosso Se-
nhor, Salvador e Rei - o Amado de nossas vidas.

Pr. Marcos Albuquerque


Prefácio

Tomara Deus, os nossos dias sejam marcados pelos pensa-


mentos Dele influenciando as pessoas, famílias e todas as áreas
da sociedade. Isso já ocorreu várias vezes na história da huma-
nidade. Os filhos de Issacar eram conhecedores da época e sa-
biam o que Israel devia fazer (1 Crônicas 12.32). Deus conhece
as épocas e gerações (Eclesiastes 1.4). Existem pessoas que se
gabam e nunca foram lavadas de suas iniquidades refere-nos a
Bíblia (Provérbios 30.12). O Senhor vê geração vindo e geração
indo. Então é urgente a necessidade de pessoas que vejam a
época, as localidades, as gerações da perspectiva de Deus.
Creio firmemente que esse conhecimento não envolve
simplesmente as notícias da televisão, as estatísticas e uma
interação pessoal com a cultura local. Cabe-nos perguntar
o que Deus está dizendo das nossas últimas manchetes, das
nossas leis, das tendências culturais e mais: dos desejos se-
cretos dos corações. Isso tudo somado, sobe diante de Deus.
Mostrando assim a verdadeira identidade de um povo. As
aspirações e hábitos secretos e coletivos de uma localidade
são a linguagem de quem é esse povo e onde ele está perante
o Senhor.
Sobre conhecer esse lugar espiritual, e a identidade de
um povo diante de Deus, é que a figura do profeta torna-se
grandemente necessária. Em nossa época, como em todas as
gerações na história, a busca pela verdade absoluta acompa-
nha o homem. É natural que em qualquer meio onde poucos
ventos de sinceridade soprem, venha nascer um desejo pela
verdade prima. Desde as escolas dos filósofos gregos anela-
se por essa esperada descoberta (Provérbios 25.2). E com o
temor de Deus percebemos que não está na força humana
o princípio para a sabedoria mais sublime (Provérbios 1.7).
Portanto, uma intervenção de Deus na nossa humanidade
não é opcional. Tendo em vista essa nossa grandíssima ca-
rência, como nos é bem vinda a imensa coragem da resposta:
“Eu sou a verdade”.
O Senhor faz coisas novas para completar a Sua perfei-
ta vontade na Terra, e na história, enviando o Seu Espírito
(Salmos 104.30). O profeta, pessoas que vivam com atitu-
des dependentes de Deus, comunidades que se exercitam em
unidade com o Senhor, recebem do mesmo Espírito de Deus.
Aquele que se aproxima de Deus é um só espírito com Ele.
(1 Coríntios 6.17). O Senhor nos dê espírito de revelação e
entendimento para entendermos as profundidades de Suas
riquezas e planos.
Oh! que Deus nos faça fracos o bastante para reconhe-
cermos quão insuficientes são nossas melhores qualidades.
Para suspirarmos pela Rocha mais alta. Pelo caminho sobre-
modo excelente (1 Coríntios 12.31). Por descobrir o segredo
de Deus (Salmo 25.14). Ah! Bendita Pessoa que brincava
com Deus antes da fundação do mundo! Em quem Deus ti-
nha todo o Seu prazer. (Provérbios 8.30). Oh! Maravilho-
sa Sabedoria por tanto esquecida, que constrói sua casa e
convida-nos pelas ruas (Provérbios 9.1-5). Oh! Primeira Pa-
lavra que foi ouvida no Universo, e doce voz que fez nascer
os mundos (Hebreus 11.3)! Deixa-nos Te conhecer. Porque
quando o Senhor envia a Sua Palavra grande é o número dos
que anunciam coisas novas (Salmo 68.11).
O Salmo 50.21 esclarece-nos que é possível o homem
ímpio agir durante sua vida, enquanto Deus fica em silêncio.
Essa pessoa pensa que Deus estando em silêncio demons-
tra concordância. Mas não, o Senhor colocará tudo diante
do homem em perfeita ordem. Sendo assim, percebemos a
valiosidade de ouvir a voz de Deus em realidade. E não sim-
plesmente estar informado do que Deus pensa. A necessida-
de de Deus é maior em nosso tempo. Ele procura servos e
amigos que não vão só entender Sua preferência, mas que
estão claramente posicionados do Seu lado (Isaías 58.2).
Os povos e gerações possuem um conjunto de caráteres,
preferências secretas e públicas, que os posicionam em um
lugar na arquibancada da vida. Essa arquibancada é vista por
todos, inclusive por Deus. E o Senhor tem um espaço nessa
plateia humana. E muitas vezes o lado Dele está muito vazio.
Com bilhões em massa de povos em lugares confortáveis nes-
sas torcidas, mas que estão contra Deus. Paulo um dia esteve,
Moisés também.
Quantos não pisaram nesses degraus contra Deus, a come-
çar por mim. Mas uma pessoa que usa um óculos que destaca
a luz dos olhos de Deus chamada profeta, conhecidos por Deus
como Seus servos, ministros, pedaços de fogo muitas vezes ti-
rados do meio das fogueiras de palha desse mundo. Essa pessoa
em várias situações se vê prazerosamente sozinha do outro lado
do estádio. Enquanto sente o hálito das muitas vozes do outro
lado, não se deixa intimidar diante de todos. Sabendo que no
meio da grande multidão existem reis, governantes, grandes e
pequenos. Ele não os vê assim com os seus títulos, pois simples-
mente eles estão do outro lado. Ele os vê igualmente do lado
contrário do Pai. E isso é suficiente para que aquelas lindas ca-
deiras cativas vagas - lá esperando por mais uma pessoa carente
de apoio de muitos amigos - não mexam com o interior desse
aparente isolado almejante das alturas.
Para se conhecer um povo não basta estar aonde ocorre
os maiores eventos e informações. É requisito ser de Deus,
estar do lado Dele. Ouvi-Lo e vê-Lo. E essas atitudes não são
ensinadas por métodos da Terra. Solicitam corações puros,
almas conquistadas pelo Amante Jesus. Águas do Espírito
descortinam, quando batem sobre a rocha, a beleza da verda-
de que está elevada além de todo conhecimento humano - o
Mistério de Deus que esteve oculto por todos os séculos e
por todas as gerações (Efésios 3.9).
Deus ama Sua Palavra. Ele nunca mentiu. Ele firma
o Universo com a autenticidade da Sua Pessoa. Ele separa
os que fazem aliança com Seus mandamentos, decretando:
Aquele que têm os meus mandamentos e os guardas, esse, é
o que me ama (João 14.21). Deus sabe do benefício que a
Sua Palavra pode fazer no ser humano. E o Senhor conhece
os que são Seus (2 Timóteo 2.19). Em Seu plano a ser con-
sumado entre os homens, Deus revela predileção pelos Seus
servos, quando Jesus disse na parábola do rico e do Lázaro:
“Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco se deixa-
rão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos”
( Lucas 16.31). Que maravilhoso! Ele eleva e firma a Sua
Palavra nos Céus. E conhecendo nossa estrutura, sabendo
que somos pó, chama e escolhe pessoas para anunciá-Lo.
Segredos que os anjos desejam perscrutar. Ele preferiu ho-
mens vivos (Salmos 6.5; 30.9), sujeitos às mesmas provas,
como você e Elias (Tiago 5.17) para serem os Seus amigos
mais próximos (João 15.15).
Que interessante! O Dono do Universo decidir não fazer
nada sem antes avisar os tão pequeninos: servos e profetas
(Amós 3.7). Você já sentiu uma pequena nuvem se aproxi-
mar, acompanhada com tempestades das respostas de Deus?
Ruídos de grandes e violentas águas dos derramamentos do
Altíssimo. Pois bem, um grande movimento de Deus na Terra
está relacionado ao levantamento de um exército descrito em
Joel. Os integrantes são guiados por Deus para cobrir o mun-
do com o conhecimento da Sua glória. Eles não tropeçam em
suas fileiras. Com trajetos e missões precisas dadas por Deus.
Correm sobre os montes e o sobre os muros, iluminados pela
luz da Sua Palavra e pela lâmpada das Suas ordens.
Pessoas que exerçam o que chamo de profetismo em
realidade são procuradas hoje por Aquele que habita nas al-
turas e se inclina para ver o que se passa no Céu e sobre a
Terra (Salmos 113.5,6). O verdadeiro profetismo é a vida
dos que vivem no Espírito. É a vereda diária dos que andam
no Espírito. São os que estão aspirando pela vida das alturas.
Inclinados e voltados para o Alto, desejam perder a vida para
serem revestidos com o novo homem que é gerado segundo
o querer de Deus.
Eu, conhecendo o autor desse livro, posso te dizer que
ele é um amigo que Deus nos apresentou um para o ou-
tro. Uma apresentação assim: paramos na frente um do ou-
tro e vimos Deus. Começamos conversar e compartilhar do
Amado Jesus e as sementes incorruptíveis que Ele coloca em
nossos corações para nos gerar, e logo percebemos que as
mesmas sementes estão em tantos outros corações que nos
identificam muito - a família, o rebanho, o aprisco, os ir-
mãos. De tantos encontros que se seguiram: vigílias, orações,
evangelismos, momentos de comunhão, resumidamente pos-
so declarar que temos um assunto só.
Te confidencio que o autor compreende aquelas páginas
de Eclesiastes que falam-nos que não há fim para escrever
livros. E que cientes estamos que não é só de mais um livro
que Deus precisa. Mas, mesmo sabendo que não há limite
para novos livros, gostaria de te perguntar: Você já folheou
algumas páginas que você sabe que Deus marcou a sua vida
através delas? Que você se sentiu com uma riqueza da hu-
manidade nas mãos e começou a planejar como você faria
para que todas as pessoas da Terra pudessem ler o que você
estava lendo? Eu já senti isso. Eu creio que mesmo havendo
tantas vozes e tantos livros... Deus inspira livros. E desejo e
oro de coração que Deus use essas páginas para apreçar a
Sua vinda. Para marcar corações como um relâmpago. Para
romancear-nos como a leveza do voo de uma borboleta.
Que o Senhor desperte o nosso Espírito com a força
das Suas manhãs. Para que algo novo se faça na Terra além
da pequenez dos nossos dias (1 Pedro 1.12). Para que toda
a família que toma o nome de Jesus, o Senhor, tanto no Céu
como na Terra, a grande nuvem de testemunhas, aqueles que
andaram por desertos e montes antes de nós, e não amaram
as suas vidas até a morte (Apocalipse 12), se alegrem ao ve-
rem que o aumento do Reino de Jesus tem lugar também
em nossos dias. E reconheçam que a paz sem fim está mais
perto pelo incremento do Reino e principado que está sobre
os ombros de Jesus (Isaías 9.6). E finalmente contemplemos
o sorriso mais lindo, que é nossa alegria e força. E tenhamos
o privilégio de como filhos que veem o Pai na mesa - no lugar
mais à vontade Dele, mostrar todo o Seu prazer.
Ah! Se nós soubermos que Ele, à mesa conosco, mostra-
nos toda a Sua satisfação!!! (Romanos 15.13).

Missionário João Favor


Índice

Introdução..............................................................17

Capítulo 1
Enviarei o profeta Elias.........................................19
Ele virá e restaurará todas as coisas.........................21
O Dia do Senhor.....................................................22
Capítulo 2
Realizando as obras de Elias.................................23
Filhos Espirituais de Elias........................................24
Filhos carregam o manto do pai..............................25
Capítulo 3
Onde está o Senhor, Deus de Elias?......................27
Autoridade ao se andar com Deus...........................29
Capítulo 4
Na Torrente de Querite..........................................33
Preparação pra vencer a manipulação......................34
Aquele que vencer reinará com Cristo......................36
Capítulo 5
Apresenta-te...........................................................39
Reconhecimento versus humilhação........................41
Capítulo 6
Perante a Face de Deus..........................................43
Abrindo os olhos do coração...................................44
Visão e o Espírito Profético .....................................45
Capítulo 7
Oração Contemplativa...........................................47
Profetas e místicos cristãos......................................49
Nicholas von Flue....................................................51
Hildegarda de Bingen..............................................52
Oração contemplativa e o espírito de Elias...............53
Capítulo 8
Um Chamado.........................................................55
The Call..................................................................56
Capítulo 9
Gerando Novos Tempos.........................................59
Gerando pela Intercessão........................................60
A Chuva..................................................................62

Bibliografia..............................................................63
Introdução

No decorrer dos anos o Senhor levantou alguns pro-


fetas. Estes foram amigos de Deus, homens e mulheres que
andaram na Sua presença, sentiram Suas dores, intercede-
ram, confrontaram o mal e anunciaram o Reino de Deus com
paixão e amor. O amor do Senhor pela humanidade fez com
que Ele enviasse estes amigos para falarem em Seu nome.
A pessoa mais antiga - que a Bíblia declara que pro-
fetizou - foi Enoque1. Depois dele vieram: Abraão, Moisés,
Samuel, Ezequiel, Daniel, Davi, Natã, Ido, Jeú, Asafe, Aías,
Semaías, Elias, Eliseu, Zacarias, Ágabo, Judas, Silas entre

1 Judas 14
INTRODUÇÃO

outros. Todos andaram com o Senhor e carregaram sobre si


o Espírito Profético. O manto profético que estava sobre eles
foi o diferencial em suas vidas. Este revestimento levou-os a
lugares celestiais de influência, para que transformassem os
Céus e a Terra.
O Senhor deseja levantar nos últimos tempos uma gera-
ção que andará no Espírito Profético. Esta Geração irá pre-
parar o Seu caminho. O Reino de Deus está próximo. Ele diz
“E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre
toda a carne; vossos filhos e filhas profetizarão, vossos velhos
sonharão, e vossos jovens terão visões”2. O exército profético
está surgindo! Prepare-se!
É a Geração Elias! Uma geração que andará no Espírito
Profético de Elias a semelhança de João Batista3. Eles derru-
barão estruturas malignas e carnais, preparando o caminho
para a manifestação do Reino de Deus. O Espírito do Se-
nhor encherá todos aqueles que disserem sim ao chamado. A
trombeta está tocando! Você pode ouvi-la?

2 Joel 2.28
3 Lucas 1.17

18
Capítulo 1

Enviarei
o profeta Elias
“Eis que eu vos enviarei o profeta Elias,
antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor” (Mal 4.5)

Misteriosamente, o Senhor termina os escritos do Velho


Testamento fazendo referência a vinda do profeta Elias. Este
texto é um dos mais intrigantes da Tanakh. Porém, mais do
que apenas intrigante, ele revela um dos acontecimentos mais
importantes e poderosos da história. Refere-se a própria atu-
ação de Deus, por meio do Espírito Profético, preparando o
mundo para Sua manifestação pessoal.
ENVIAREI O PROFETA ELIAS

Quatro séculos após a profecia de Malaquias 4.5 o anjo Ga-


briel comunica uma promessa, da parte de Deus, ao sacerdote
Zacarias. A promessa diz respeito ao filho que Zacarias teria com
sua esposa Izabel – João Batista. Este iria “adiante do Senhor no
espírito e poder de Elias4”. Tal promessa se cumpre e João torna-
se o profeta do deserto, pregando o batismo de arrependimento.
O Senhor Jesus declarou que João Batista era o “Elias”
que havia de vir5. Em outras palavras, Jesus estava afirmando
que João havia recebido o Espírito Profético que estava na
vida de Elias. Tal unção o capacitou a trazer arrependimento
e conversão a tantas pessoas.
A vida e ministério de João Batista é o cumprimento pri-
mário da profecia de Malaquias, contudo existe ainda um se-
gundo momento, quando a profecia se cumprirá plenamente.
Isto se dará antes da segunda vinda do Senhor Jesus – o
grande e terrível Dia do Senhor.
Em seu livro “A Unção Profética” Jonh Bevere6 ensina:
“João Batista cumpriu as profecias de Elias para os seus
dias antes da primeira vinda do Senhor Jesus. Todavia, Mala-
quias profetizou que esta unção seria enviada antes do grande
e terrível dia do Senhor. Isto significa que havia dois diferentes
cumprimentos da profecia”.
Bevere diz ainda: “Anterior à segunda vinda de Jesus
Cristo, uma vez mais Deus irá levantar uma unção proféti-
4 Lucas 1.17
5 Mateus 11.14
6 Jonh Bevere – fundador e líder do ministério Messenger International
juntamente com sua esposa Lisa.

20
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

ca. Todavia, dessa vez o manto não cairá sobre um homem


apenas, mas sobre, um grupo de profetas, homens e mulheres
ungidos no corpo de Cristo”
Assim, o cumprimento final da profecia de Malaquias
ainda está para acontecer. O espírito e poder de Elias7 virá
sobre homens e mulheres, para serem precursores da segun-
da vinda de Cristo.

Ele virá e restaurará todas as coisas

O Senhor Jesus afirmou: “De fato, Elias virá e restaura-


rá todas as coisas. Eu, porém, vos declaro que Elias já veio, e
não o reconheceram”8. É interessante observar nesta passa-
gem que o Senhor primeiramente afirma “Elias virá”, e de-
pois “Elias já veio”. Isto pode parecer contraditório, mas não
o é. Como então compreender esta aparente controvérsia?
A primeira parte da afirmação do Senhor - “Elias virá e
restaurará todas as coisas” - é semelhante a afirmação do
apóstolo Pedro em Atos 3.20-21, ele disse: “Jesus, ao qual é
necessário que o céu receba até aos tempos da restauração de
todas as coisas, de que Deus falou por boca dos seus santos pro-
fetas desde a antiguidade”. De acordo com Pedro a restauração
de todas as coisas teria desfecho na segunda vinda de Jesus.
Esta restauração, portanto, ainda não ocorreu. O Espí-
rito Profético de Elias virá para realizar esta obra que antece-
derá o retorno do Senhor.
7 Lucas 1.17
8 Mateus 17.11,12

21
ENVIAREI O PROFETA ELIAS

Jesus reconheceu que João Batista veio no espírito de


Elias. Da mesma forma, reconheceu também que Elias viria
e restauraria todas as coisas. As duas coisas são verdadeiras.
Assim como João Batista se moveu no espírito de Elias antes
da primeira vinda de Jesus, pessoas se moverão no Espírito
Profético de Elias antes do retorno do Senhor Jesus.

O Dia do Senhor

Haverá um “grande e terrível Dia”, quando Jesus virá no-


vamente julgar e estabelecer o Seu Reino. Será um Dia ines-
perado. O apóstolo Pedro diz que o Dia do Senhor virá “como
ladrão”9. Paulo faz afirmação semelhante, dizendo: “o Dia do
Senhor vem como ladrão de noite”10. Este Dia será precedido
por um tremendo movimento do Espírito Profético, restaurando
todas as coisas e preparando o caminho para a volta de Jesus.
É para este objetivo que o Senhor levantará uma geração
no Espírito Profético de Elias. Serão homens e mulheres com
zelo profético, conclamando todos ao arrependimento, profeti-
zando às nações e preparando a vinda do Rei e do Seu Reino.
O Rei está voltando e o caminho Dele já está sendo pre-
parado. Os “Elias” desta última hora restaurarão todas as
coisas no Espírito do Senhor. É hora de conhecer o Espírito
Profético e atender o Seu chamado.

9 2 Pedro 3.10
10 1 Tessalonicenses 5.2

22
Capítulo 2

Realizando
as obras de Elias

A humanidade vive os tempos do fim e em breve entra-


rá em dores mais profundas. O caos certamente se instalará
em todas as vidas e estruturas que permanecerem fora dos
propósitos do Senhor. Muitos estão sendo convocados a se
arrependerem e entrarem na vontade de Deus.
O Reino de Deus porém, continuará intocável e em pro-
gressivo crescimento. As portas deste Reino estão abertas a
todos que se arrependerem. Todas as pessoas, organizações,
nações e grupos étnicos devem servir aos verdadeiros pro-
pósitos do Criador. Aqueles que permanecerem na rebelião,
sofrerão as consequências.
REALIZANDO AS OBRAS DE ELIAS

Neste contexto está sendo levantada uma Geração Pro-


fética, convocando todos a retornarem ao Senhor. Serão
como João Batista - uma voz clamando: “Arrependei-vos, por-
que está próximo o reino dos céus”11. À semelhança de Elias
chamarão o povo a voltarem ao único Deus - YAHWEH!
Esta Geração Profética contará com pessoas de varia-
das regiões, idades, aparência e personalidade. “Crianças,
idosos, artistas, empreendedores, estudantes. Enfim, pessoas
com as mais diversificadas características formarão as fileiras
do Exército do Senhor. Eles não serão graduados pela expe-
riência ou conhecimento, e sim pelo amor que possuírem por
Jesus. O amor destas pessoas será o canal por meio do qual a
unção profética será derramada com autoridade! Aleluia!

Filhos Espirituais de Elias

A Bíblia demonstra que os filhos manifestam seu pai por


meio das obras que realizam. Jesus falou “amai os vossos ini-
migos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis
filhos do vosso Pai celeste”12. Aqueles discípulos se tornariam
verdadeiros filhos à medida que praticassem as obras do Pai.
Quando conversou com os judeus religiosos, o Senhor
disse: “Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão”13.
Jesus afirmou que na verdade eles não eram filhos de Abraão14-
11Mateus 3.2
12 Mateus 5.44-45
13 João 8.39
14 João 8.40-41

24
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

mesmo que fossem da descendência biológica dele - pois não


praticavam as obras de fé de Abraão. Paulo disse aos Romanos
que todos os que “andam nas pisadas da fé que teve Abraão”
são filhos de Abraão15. O ensino de Jesus e de Paulo demonstra
que a filiação espiritual é evidenciada pelas obras nas quais a
pessoa anda. Conforme Paulo aos Romanos 8.14, “todos os
que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus”.
Da mesma forma a “Geração Elias” é formada por pes-
soas que andam nas pisadas proféticas deste pai. Esta Gera-
ção deverá praticar as obras de Elias no Espírito Profético.
Elias abriu o caminho, Eliseu seguiu por ele, depois veio João
Batista. Hoje, eu e você somos chamados à carregar o bastão.
Vamos então realizar as obras do profeta Elias no Espírito
Profético do Senhor.

Filhos carregam o manto do pai

Elias havia subido aos céus em um redemoinho e como he-


rança “deixara cair” seu manto16. A única coisa que Elias deixou
para seu filho espiritual foi o manto. Porém aquele manto era
sua maior riqueza. Não o manto em si, mas o que ele represen-
tava. Aquele manto era símbolo da presença do Senhor na sua
vida e do Espírito Profético que estava sobre ele. Aleluia!
Elias havia conquistado esta riqueza por meio de sua
caminhada com Deus. Após ampla preparação, profundas

15 Romanos 4.11-12
16 2 Reis 2.11-13

25
REALIZANDO AS OBRAS DE ELIAS

transformações e diversas experiências com o Senhor, o Es-


pírito Profético repousava em Elias de forma singular.
O agir do Espírito do Senhor em sua vida era tão visível
que quando Elias disse:“Pede-me o que queres que eu te faça,
antes que seja tomado de ti” a resposta foi imediata, Eliseu
desejava a porção dobrada do espírito de Elias.17
Elias subiu ao céu e, quando seu manto caiu, Eliseu sa-
bia estar recebendo uma herança extraordinária. A porção
dobrada do espírito de Elias fora deixada para ele. Agora ele
era o profeta. Não teria mais seu pai ao lado, mas portaria o
manto e a unção dele. A porção dobrada era o que ele preci-
saria para realizar as obras de seu pai e obras ainda maiores.
A herança nos permite ir além do que aqueles que nos
precederam, é por esta razão que o Senhor Jesus afirmou:
“Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim
também fará as obras que eu faço. E as fará maiores do que
estas, porque eu vou para o Pai”18. Ele iria para o Pai, mas
deixaria Sua herança.
A Geração Elias, a exemplo de Eliseu, receberá o manto
de Elias. Como sucessores do trabalho iniciado por este pai
profético, eles terão uma herança. Não serão pobres ou fracos
espiritualmente, mas terão a unção poderosa de profetas e pro-
fetizas do Senhor. Poderão, por meio do “espírito e virtude de
Elias19”, realizar as obras dele e obras ainda maiores. Amém.

17 2 Reis 2.9
18 João 14.12
19 Lucas 1.17

26
Capítulo 3

Onde está o
Senhor, Deus de Elias?
“Tomou o manto que Elias lhe deixara cair, feriu as águas e disse:
Onde está o Senhor, Deus de Elias?” (2 Reis 2.14)

Elias não estava mais ali. Porém, para Eliseu, a questão


principal não era essa. O que mais importava para Eliseu não
era onde Elias estava, e sim onde estava o Deus de Elias. Isto
é excelente. O Senhor deseja pessoas cujo interesse maior
está em saber onde Ele está.
Honrar os pais espirituais é conhecer e amar o Deus
que eles serviram. É encontrar intimidade com a Fonte que
ONDE ESTÁ O SENHOR, DEUS DE ELIAS?

eles conheceram e prosseguir ousadamente na caminhada


que eles iniciaram. Os filhos espirituais de Elias precisam ir
até o Deus de Elias. Precisam almejar conhecer este Deus
profunda e pessoalmente. Ele é a Fonte do Espírito Profético
que repousou sobre Elias.
Eliseu sabia que poderia prosseguir sem Elias, mas não
sem o Deus de Elias. Ele sabia como era andar ao lado de um
homem que andava com Deus, agora precisaria acelerar o
passo para acompanhar o próprio Senhor.
É interessante que Eliseu desejou saber “Onde está o
Senhor”. Ele não procurou apenas saber onde o Senhor es-
tava geralmente, e sim onde Ele estava exatamente naquele
momento. Como ensina Rick Joyner20, para andar com Deus
é necessário segui-Lo no momento presente - não apenas
andar nos caminhos que o Senhor andou, mas andar “agora”
com Deus.
Quando o Senhor Jesus convidou Mateus para andar
com Ele, Mateus precisou abandonar imediatamente o que
estava fazendo e seguir a Jesus. Quando o Senhor o chamou,
Mateus “se levantou e o seguiu”21. Ele e os outros discípulos
tornaram-se amigos do Senhor porque O acompanharam
onde Ele estava. A amizade com Deus é adquirida quando
andamos com Ele.
Jesus falou aos discípulos: “tenho-vos chamado ami-
20 Rick Joyner – fundador e presidente do ministério profético MorningS-
tar na Carolina do Norte – EUA.
21 Mateus 9.9

28
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

gos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a
conhecer”22. Aqueles amigos de Jesus ouviram os segredos
do Pai porque andaram com o Senhor. Aqueles que andarem
com Deus saberão o que Ele está fazendo e ouvirão o que Ele
está falando.
Conforme ouvirmos as palavras do Senhor, profetizare-
mos. O profeta Amós indaga: “Rugiu o leão, quem não teme-
rá? Falou o Senhor Deus, quem não profetizará?”23. A palavra
do Senhor sairá de nossa boca como o rugido de um leão,
pois Aquele que é o Leão de Judá falará conosco intima e
soberanamente.
Assim será a Geração Elias. Composta de amigos do
Senhor, pessoas que andam com Ele, O conhecem e profe-
tizam.

Autoridade ao se andar com Deus

Quando os filhos dos profetas viram que o Deus de Elias


estava com Eliseu, eles “vieram-lhe ao encontro, e se prostra-
ram diante dele em terra”24. Aqueles homens estavam decidi-
dos a seguir a pessoa que portasse o Espírito Profético.
Ao contrário do que muitos pensam, estes grupos de
profetas eram formados por homens experimentados em re-
velações espirituais. O discernimento profético deles era tão
22 João 15.15
23 Amós 3.8
24 2 Reis 2.15

29
ONDE ESTÁ O SENHOR, DEUS DE ELIAS?

aguçado que quando Eliseu seguiu Elias em sua última jor-


nada, ao passarem por Betel e Jericó, as escolas de profetas
de tais cidades já sabiam (por revelação) que Elias seria leva-
do naquele mesmo dia por meio de um arrebatamento25. Di-
ficilmente uma pessoa ousaria dizer que determinada pessoa
seria arrebatada, sem que fosse experimentado em revelações
e discernimento espiritual, quanto mais dizer o dia exato des-
te arrebatamento.
Estes homens proféticos sabiam que aquele que rece-
besse o Espírito Profético estaria recebendo autoridade. Eles
não demoraram para reconhecer esta autoridade em Eliseu.
Da mesma maneira, aqueles que receberem o Espírito Profé-
tico de Elias receberão autoridade do Senhor. É autoridade
para mover nos Céus e na Terra!
Os filhos espirituais de Elias crescerão em autoridade à
medida que andarem com o Senhor. Todos que aprenderem
a penetrar a Presença do Senhor e andar com Ele receberão
autoridade espiritual da parte de Deus. Porém é necessário
aprender a permanecer Nele por meio do amor e da humilda-
de, para que esta autoridade não se torne maléfica.
Pessoas que recebem autoridade podem tirar sua aten-
ção do Senhor e olhar para a possibilidade de se promoverem
por meio da autoridade recebida. Tais pessoas correm o risco
de tornarem-se controladoras e orgulhosas, produzindo mais
divisão, discórdia e carnalidade do que o bem.
É por essa razão que todos que são chamados a receber
25 2 Reis 2.3,5

30
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

autoridade precisam do quebrantamento e treinamento do Se-


nhor. O rei Davi é um exemplo claro. Antes de assumir o reino
sobre a tribo de Judá e posteriormente sobre Israel e Judá26, ele
foi duramente treinado pelo Rei dos reis. Por meio de perse-
guições, rejeição, solidão e tristeza, foi preparado para a auto-
ridade tão sublime que recebeu. Ainda assim pecou e liberou
um grande mal, contudo o bem que produziu prevaleceu.
É pela graça do Senhor que se recebe o Espírito Profé-
tico, e o Senhor confiará tal graça aos humildes. Conforme
Tiago afirma: “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos
humildes”27. Andar com Deus fica impossível aos soberbos,
portanto a Geração Elias será chamada por Deus para a pre-
paração no deserto. É no lugar difícil e solitário que serão
preparados.
O deserto é o lugar certo para o fortalecimento espi-
ritual. A Bíblia diz que João Batista “crescia e se fortalecia
em espírito. E viveu nos desertos até ao dia em que havia de
manifestar-se a Israel”28. Era ali sozinho, no calor do deserto,
em meio aos perigos, que João tornou-se um poderoso pro-
feta no espírito de Elias. Assim será também com todos que
forem chamados a receberem o Espírito Profético de Elias!

26 2 Samuel 5.3-5
27 Tiago 4.6 - Provérbios 3.34
28 Lucas 1.80

31
Capítulo 4

Na Torrente de Querite
“Veio-lhe a palavra do Senhor, dizendo: Retira-te daqui,
vai para o lado oriental e esconde-te junto à torrente de Querite,
fronteira ao Jordão” (1 Reis 17. 2 – 3)

O chamado de Deus para o riacho de Querite era o


convite à solidão. Elias ficaria excluído da vida pública, sem
possibilidade de interagir com outro ser humano. O profeta
estava sendo conduzido por Deus para um período difícil, no
qual seria preservado e preparado em meio à solidão.
Elias seria protegido da perseguição do rei Acabe29 e
preparado para sua missão de confrontar os profetas e ado-

29 1 Reis 18.10
NA TORRENTE DE QUERITE

radores de Baal, bem como a manipulação de Jezabel. O


riacho de Querite seria a oficina onde Deus deixaria Elias
pronto. A raiz da palavra hebraica, transliterada em nos-
so idioma como “Querite”, é “karat”. Esta palavra significa
“cortar fora” e, dependendo do contexto, pode referir-se a
expulsão da comunidade30. Naquele lugar, longe da comuni-
dade (fora do convívio social normal), Elias seria “cortado”
e “lapidado” pelo Senhor. Daquele riacho sairia um homem
no tamanho exato para o cumprimento do seu chamado.
Na torrente de Querite Elias veria sua dependência no
Senhor crescer, sua intimidade com Ele aumentar, e sua es-
trutura emocional e espiritual ser fortalecida!
Toda pessoa profética será igualmente chamada por
Deus para períodos de solidão. O próprio Senhor Jesus foi
conduzido pelo Espírito do Senhor para o deserto, onde per-
maneceu sozinho, e jejuou por quarenta dias31. A Geração
Elias será conduzida a períodos de solidão, para permanecer
diante de Deus e aprender a exclusiva suficiência da graça de
Deus em suas vidas.

Preparação pra vencer a manipulação

Na oficina da “solidão com Deus” o profeta será pre-


parado para vencer um dos inimigos principais da voz pro-
30 Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, organiza-
do por R. Laird Harris – Editora Vida Nova, 1998
31 Lucas 4.1-2

34
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

fética: a manipulação. A manipulação encontra espaço nas


carências emocionais do ser humano. O medo de ser re-
jeitado, excluído e inferiorizado pode subjugar pessoas à
manipulação de outras. O profeta não poderá ser manipu-
lado nem manipular, do contrário estará indo contra seu
objetivo: levar pessoas à liberdade da obediência ao Espírito
de Deus!
A rainha Jezabel tinha a necessidade de dominar todos
- seu marido, os profetas de Baal e a nação de Israel. Seu
desejo de controle e necessidade de dominar a introduziu na
feitiçaria. Neste estágio poderes demoníacos tornavam sua
influência sobre os outros ainda maior.
Sua insegurança e maldade a levaram a matar os profe-
tas do Senhor32. Os profetas eram seu alvo, porque eles não
se deixavam manipular facilmente. Ao invés de se dobrarem
a suas seduções e propostas eles continuavam a confrontar o
seu pecado.
Todo pessoa com um chamado profético será treinado
por Deus para não ser manipulável. Sua obediência ao Se-
nhor deverá estar acima de tudo - mesmo que todos o rejei-
tem. Eles aprenderão a se mover apenas na genuína autori-
dade, rejeitando a tentação de influenciar outras pessoas pela
força da carne. Sua fonte de influência será apenas o Senhor,
aquele que é Poderoso para supri-los completamente, mesmo
que permaneçam solitários.
32 1 Reis 18.4,13

35
NA TORRENTE DE QUERITE

Na torrente de Querite a Geração Elias receberá a água


e a carne de Deus, que os deixarão fortes e resistentes contra
toda manipulação, seja humana ou espiritual. Amém.

Aquele que vencer reinará com Cristo

No livro de Apocalipse, o Senhor Jesus repreende a igreja


de Tiatira por tolerar Jezabel33. Aquela igreja estava permitin-
do que uma falsa profetiza ensinasse e seduzisse os servos de
Deus a prostituição. Faltava o pulso firme para aquela lide-
rança. Eles estavam se deixando manipular por esta mulher e
pela força espiritual da maldade que atuava por detrás dela.
É importante destacar aqui que tanto homens como
mulheres podem ter o mesmo perfil e caráter que Jezabel,
esposa de Acabe, apresentava. Homens também podem estar
sendo usados por demônios para seduzir os servos de Deus
por meio de manipulação. A igreja de Tiatira precisava se
arrepender por tolerar esta manipulação.
Uma vez que a igreja em Tiatira vencesse a influência
de Jezabel, receberia influência sobre as nações. A promessa
do Senhor para eles era: “Ao vencedor, que guardar até ao
fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações,
e com cetro de ferro as regerá e as reduzirá a pedaços como
se fossem objetos de barro; assim como também eu recebi de
meu Pai, dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã”34. Vencer a
33 Apocalipse 2.20
34 Apocalipse 2.26-28

36
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

Jezabel e guardar as obras de Jesus seria a tarefa que “reve-


laria” a Deus que aquela igreja estava pronta para receber
autoridade.
John Paul Jackson35 afirma em seu livro “Desmasca-
rando o Espírito de Jezabel” - após citar o texto bíblico de
Apocalipse 2.26-28 – que aqueles que vencerem o espírito
de Jezabel: “receberão maior autoridade espiritual sobre os
principados, potestades e dominadores espirituais nas regiões
celestes, agora e no porvir”.
Assim como foi prometido aos crentes naquela cidade, o
Senhor Jesus confiará autoridade sobre as nações para aque-
les que não são manipulados por nada, mas conduzidos por
Ele em Suas obras. O Senhor reina com imparcialidade36, e
aqueles que aprenderem a imparcialidade genuína receberão
autoridade para governar com Ele.
Deus levantará profetas no Espírito de Elias para con-
frontar a manipulação e o controle na Casa do Senhor. O
Espírito Profético de Elias quebrará o poder das trevas e con-
frontará pessoas que procuram prender os filhos e filhas de
Deus em religiosidade e engano, para que estes adorem ao
Pai em espírito e verdade.
A promessa que o Pai fez ao Filho - “Pede-me, e eu te
darei as nações por herança e as extremidades da terra por
tua possessão. Com vara de ferro as regerás e as despedaçarás

35 John Paul Jackson - fundador e presidente do Ministério Internacional


Streams, um ministério de ensino profético.
36 Salmo 45.6

37
NA TORRENTE DE QUERITE

como um vaso de oleiro”37 - é estendida, em Apocalipse, aos


filhos e filhas que vencerem. Esta igreja livre - que adora o
Rei dos Reis como filhos e filhas do Pai celestial - receberão
as nações por herança e, sobre elas, reinarão com Cristo!
Aleluia!

37 Salmo 2. 8-9

38
Capítulo 5

Apresenta-te
“Muito tempo depois, veio a palavra do Senhor a Elias,
no terceiro ano, dizendo: Vai, apresenta-te a Acabe,
porque darei chuva sobre a terra” (1 Reis 18.1)

Assim como foi importante para Elias obedecer ao Se-


nhor na ordem “esconde-te”38, era agora fundamental aten-
der ao novo chamado de Deus:“apresenta-te”. Para o profeta,
compreender o tempo de esconder-se e o tempo de apre-
sentar-se era essencial, se ele realmente desejava cumprir os
propósitos do Senhor.

38 I Reis 17.3
APRESENTA-TE

O período de preparação e o período de atuação minis-


terial não eram escolha de Elias e sim de Deus. O papel do
profeta era atender a ordem do Senhor. Para andar com Ele
era necessário flexibilidade, assim como o é hoje. Ele não age
apenas de uma maneira ou tem um único método. Ele faz
coisas que nós nunca imaginaríamos e se move das maneiras
mais distintas.
A vida de Jesus mostra bem esta realidade. O Senhor mani-
festou-se de maneiras inesperadas. Em um momento calou-se39,
em outro expulsou os cambistas do templo40. Foi misericordioso
com alguns e severo com outros. Ordenou que não revelassem
quem Ele era41, contudo fez afirmações ousadas acerca de Si
mesmo. Foi visto como Cordeiro e também como Leão42.
Para estar em conexão com o Senhor é preciso se mover
conforme Ele esteja se movendo. Para andar como Ele anda
é necessário flexibilidade. Não se pode oferecer misericórdia,
quando Ele está julgando. Nem julgar, quando Ele está per-
doando. Esta flexibilidade será desenvolvida ao se andar com
Ele e aprender Seus caminhos.
Somente porque Elias conhecia o tempo e o propósito
de Deus para sua época é que ele orou para que não choves-
se43. O natural em tempos de seca seria clamar por chuva,
contudo Elias estava além do natural. Ele estava agindo em
39 Mateus 27.12
40 João 2.14-17
41 Mateus 16.20
42 Apocalipse 5.5-6
43 Tiago 5.17

40
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

concordância com a vontade soberana de Deus, mediante o


discernimento profético que possuía.
A Geração Elias não seguirá a cartilha. Mas seguirá o
Rei em Sua vontade soberana. Não serão paralisados ou co-
agidos a se moverem, mas como filhos e filhas no Espírito
Profético, andarão conforme a direção de Deus. Aleluia!

Reconhecimento versus humilhação

Assim como Elias precisou ser flexivo com relação a escon-


der-se ou apresentar-se, necessitou também conviver com a du-
alidade da honra e da humilhação. Alguns o honraram de forma
maravilhosa, outros contudo o desprezaram e o perseguiram.
Foi honrado, por exemplo, pelas escolas de profetas da
época e por pessoas que temiam a Deus. Um exemplo claro
disto é a honra que Obadias - homem temente a Deus 44
-
demonstra ao reconhecer Elias. Obadias “prostrou-se com o
rosto em terra e disse: És tu meu senhor Elias?”45. Em con-
trapartida, Elias foi humilhado pelo rei e por muitos outros.
Conviver com essa dualidade pode ser incomodo, mas é es-
sencial na vida de um profeta.
O apóstolo Paulo disse que havia aprendido a conviver
tanto com a honra quanto com a humilhação46. A capacida-
de de Paulo lidar com estas duas realidades foi fundamental
44 1 Reis 18.3
45 Reis 18.7
46 Filipenses 4.12

41
APRESENTA-TE

para que ele completasse seu ministério de maneira digna.


Quando recebeu seu chamado para seguir Jesus, o apóstolo
foi chamado para segui-Lo tanto em Suas honras como em
Seus desprezos. Para permanecer Nele precisou se submeter
ao Senhor na honra e na humilhação.
Nem todos reconheceram a autoridade apostólica de
Paulo ou gostaram dele, contudo o Senhor não o chamara
para receber tal admiração, e sim – como Deus disse - para
conhecer o “quanto lhe importa sofrer pelo meu nome”47. A
ele foi dada a honra de sofrer por amor de Jesus.
A mesma honra será também dada a todos os profetas e
profetizas desta geração. Jesus disse: “Bem-aventurados sois
quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem,
e, mentindo, disserem todo o mal contra vós. Regozijai-vos e
exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim
perseguiram aos profetas que vieram antes de vós”48.

47 Atos 9.16
48 Mateus 5.11-12

42
Capítulo 6

Perante a Face de Deus


“Perante cuja face estou” (1 Reis 17.1)

O profeta Elias possuía um grande segredo: ele apren-


dera a permanecer perante a face do Senhor. O Espírito Pro-
fético havia aberto os olhos espirituais de Elias a ponto de ele
contemplar a face do Senhor. Desta forma o profeta poderia
perceber o que Deus estava sentindo e fazendo em sua ge-
ração. Este conhecimento foi o alicerce que sustentou Elias
contra toda opinião e posição contrária ao que realmente o
Senhor estava fazendo.
O Senhor Jesus disse que não poderia fazer nada por Si
mesmo, mas somente aquilo que visse o Pai fazer49. Ele acres-
49 João 5.19
PERANTE A FACE DE DEUS

centa ainda dizendo que o Pai lhe mostraria obras maiores,


para que as pessoas se maravilhassem50. Era a capacidade de
ver o Pai e imitá-Lo em Suas obras que alimentava o ministério
de Jesus. Da mesma maneira, todo filho e filha precisa apren-
der a ver o Senhor, precisa ter os olhos espirituais abertos para
realizar apenas as obras que estejam sendo realizadas pelo Pai.
Não devemos fazer nada que nosso Pai não esteja fazendo.

Abrindo os olhos do coração

A oração do apóstolo Paulo pelos efésios era para que os


olhos do seu coração fossem abertos mediante o derramar do
espírito de sabedoria e revelação: “não cesso de dar graças por
vós, fazendo menção de vós nas minhas orações, para que o
Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda
espírito de sabedoria e revelação no pleno conhecimento dele,
iluminados os olhos do vosso coração” (Efésios 1.16 – 18a)
Paulo sabia a importância de ter os olhos interiores ilu-
minados, bem como da necessidade do Espírito para que isso
fosse possível. O caminho para aqueles que desejam ver a
Deus como o profeta Elias, é ter os olhos do interior abertos,
mediante o derramar do Espírito de Deus em sabedoria e
revelação Dele.
O Senhor Jesus disse: “Bem-aventurados os limpos de
coração, porque verão a Deus”51. Mais uma vez, neste texto,
50 João 5.20
51 Mateus 5.8

44
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

podemos perceber como a visão de Deus está relacionada


com o coração. Ter o coração limpo, aberto, iluminado, é
essencial para ver a Deus.
O autor de Hebreus diz: “Segui a paz com todos e a san-
tificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”52. O caminho
interior que abre nossos olhos espirituais está cheio de paz
e santidade. Em Jesus, devemos trilhar este caminho para
sermos cheios do conhecimento e da verdade de Deus. Um
coração rixoso e corrompido naturalmente não será capaz de
ver o Senhor, nem de se submeter a Sua vontade. A purifi-
cação precisa tomar conta de nosso ser para O vermos como
Ele realmente é.

Visão e o Espírito Profético

O Espírito Profético do Senhor havia iluminado os


olhos do coração de Elias. Ele permanecia em contemplação
e percepção da realidade de Deus. Quando a unção profética
veio sobre seu sucessor Eliseu, a mesma capacidade visioná-
ria também penetrou na vida do seu discípulo. A visão deles
estava relacionada com o Espírito Profético.
O Espírito Profético, além de capacitar para a profecia,
nos capacita para a visão. O profeta Joel fala que quando o
Espírito fosse derramado, não apenas os filhos e filhas profeti-
zariam, mas que os velhos teriam sonhos e os jovens visões.53
52 Hebreus 12.14
53 Joel 2.28

45
PERANTE A FACE DE DEUS

O profeta Eliseu, assim como seu pai espiritual Elias,


aprendera a ter os olhos do seu espírito abertos por meio do
Espírito do Senhor. Tal capacidade é bem demonstrada em 2
Reis 6.8-23. O exército sírio havia cercado a cidade onde esta-
vam Eliseu e seu servo. O servo de Eliseu se desesperou e ficou
com muito medo. Eliseu então fez a seguinte oração: “Senhor,
peço-te que lhe abras os olhos para que veja”54. O Senhor abriu
então os olhos daquele rapaz, o qual passou a ver: o monte
estava cheio de cavalos e carros de fogo a volta de Eliseu.
A herança espiritual de Elias inclui visão da realidade
espiritual. Seus filhos e filhas no espírito poderão ver a re-
alidade espiritual de regiões por meio do Espírito Profético.
Porém, melhor do que tudo isso, poderão andar perante a
face de Deus. Contemplar Sua face será o seu prazer. Aban-
donarão a tudo para obter a visão da face do Senhor.

54 2 Reis 6.17

46
Capítulo 7

Oração Contemplativa

A oração contemplativa é a espécie de oração que está


fundada na percepção e revelação do Senhor por meio dos
olhos espirituais. Nela o cristão vê o Senhor com os olhos do
coração, podendo crescer no conhecimento Dele e desfrutar
de Sua intimidade. Tal prática está sendo restaurada para os
filhos e filhas de Deus.
Jim Goll55, no livro “O Poder Profético da Visão”, de-
fine: “A oração contemplativa diz respeito à busca por inti-
midade com Deus”. E diz: “Falamos aqui sobre uma prática
cristã antiga que não é muito conhecida nem muito prati-
55 Jim Goll - mestre profético da atualidade. Fundador do Heart of David
Correspondence School e co-fundador do Encounters Network.
ORAÇÃO CONTEMPLATIVA

cada na maioria das fileiras evangélicas e carismáticas de


hoje, mas que o Espírito de Deus está restaurando para todo
o corpo de Cristo”.
Nas Sagradas Escrituras podemos observar algumas
pessoas que praticaram a oração contemplativa. Dentro da
Antiga Aliança, uma pessoa que avançou grandemente nes-
ta prática foi Moisés. Ele permanecia diante do Senhor e
contemplava Sua glória de maneira tal que “a pele do seu
rosto resplandecia56” e os filhos de Israel “temeram chegar-
se a ele”57.
Nós cristãos - que pertencemos a Nova Aliança - somos
chamados a coisas ainda mais profundas, pois estamos no
“ministério do Espírito”. Nas palavras do apóstolo Paulo: “...
se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se
revestiu de glória, a ponto de os filhos de Israel não poderem
fitar a face de Moisés, por causa da glória do seu rosto, ainda
que desvanecente, como não será de maior glória o ministério
do Espírito!”58.
Dentro da Nova Aliança podemos contemplar a gló-
ria de Deus na face de Cristo. Em 2 Coríntios 4.6, lemos:
“Porque Deus, que disse: Das trevas resplandecerá a luz, ele
mesmo resplandeceu em nosso coração, para iluminação do
conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo”. Por meio
do Espírito temos os olhos do nosso coração abertos para o
56 Êxodo 34.29
57 Êxodo 34.30
58 2 Coríntios 3.7 e 8

48
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

“mistério de Deus, Cristo, em quem todos os tesouros da sabe-


doria e do conhecimento estão ocultos”59.
Eu e você somos chamados pelo Pai a praticar a ora-
ção contemplativa. É um chamado para a intimidade com o
coração de Jesus. Abra sua vida, para descobrir as riquezas
do amor do Pai na pessoa de Jesus Cristo, nosso Senhor e
Salvador.

Profetas e místicos cristãos

Na história cristã existiram pessoas que dedicaram suas


vidas a conhecer a Deus por meio da oração contemplativa.
Essas pessoas abraçaram períodos de solidão e silêncio, para
diante de Deus aquietarem suas almas e abrirem-se para as
realidades espirituais.
Dentre estes, alguns foram chamados de místicos. Esse
é um termo um tanto inusitado para muitos hoje, contudo foi
bem conhecido no passado – principalmente na Idade Mé-
dia. Referia-se a pessoas que experimentavam experiências
“místicas” (sobrenaturais) com Deus. Temos muito o que
aprender com alguns deles.
Jim Goll, um mestre profético da atualidade, passou
por algumas experiências que julgo ser importante relatar
aqui. Ele diz: “Certa noite, em 1991, tive um sonho que não
compreendi (acontecimento que não é, de forma alguma,
incomum em minha vida). A voz do Senhor disse-me: Eu

59 Colossenses 2.2-3

49
ORAÇÃO CONTEMPLATIVA

revelarei para você as correntes secretas do profético […]


Quando compartilhei com Marcus60 meu sonho, bem como
minha interpretação do sentido desse sonho, ele disse: “Não,
seu sonho não foi sobre isso. O Senhor revelará para você as
correntes secretas do profético por meio dos pais do deserto e
dos místicos cristãos”.
Jim Goll diz ainda: “Em uma ocasião similar, estava dei-
tado no chão, passando algum tempo sobre o carpete depois
que Mahesh61 Chavda orava por mim. Enquanto estava ali dei-
tado, tive a visão de um barril de madeira pequeno. Ao olhar
para essa imagem no espírito, pensei: “Isso não pode ser prove-
niente de Deus”. A seguir, enquanto continuava a olhar, percebi
que o barril estava sob o pescoço de um cão enorme – um São
Bernardo, na verdade. À medida que continuava a olhar essa
visão interativa, o cão enorme chegou bem próximo de mim e
fixou os olhos em minha face. Pensei: “O que é isso?”. Nesse
exato momento, as palavras entraram em minha mente: “Eu
o apresentarei à vida de Bernardo de Claraval”. Jamais ouvira
falar nessa personagem. Só mais tarde fiquei sabendo que se
tratava de um monge do século 12 bastante familiarizado com
as formas da oração contemplativa que caminhava com Deus e
desfrutava de grande intimidade com o Senhor”
Gostaria agora de citar alguns destes místicos cristãos, para
nos inspirar a vida de devoção e intimidade com o Amado Jesus.
60 Um amigo do autor.
61 Mahesh Chavda – líder do ministério apostólico Chavda Ministries In-
ternacional.

50
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

Nicholas von Flue

Também conhecido como irmão Klaus, foi destacada-


mente dedicado à busca de Deus. Desde jovem, desenvolveu
uma vida de intimidade com o Senhor. Dedicava-se à oração
contemplativa e demostrou haver recebido de Deus um po-
deroso dom profético.
Sobre seu chamado profético, fala Rick Joyner: “O Irmão
Klaus tinha dom tal de palavra de conhecimento que pessoas
de toda a Europa central faziam peregrinações para visitá-lo
para conselho, inclusive papas. Frequentemente ele sabia que
alguém estava vindo e enviava uma palavra via mensageiro
para lhes dar a resposta que estavam procurando, poupando-
lhes da difícil jornada pelas montanhas para chegar a ele. Isso
foi nos anos 1400s, e até hoje a sua pequena casa é visitada
por um fluxo contínuo de peregrinos, o que inclui quase todos
os papas. Ele era iletrado e viveu em um tempo em que até ser
pego com uma Bíblia poderia levar à execução. Ainda assim,
tinha uma noção incrível dos ensinamentos da Bíblia e conhe-
cia os caminhos de Deus, maior parte dos quais aparentemen-
te recebendo durante seus longos períodos de isolamento para
buscar ao Senhor62
A vida de Nicholas continua nos desafiando. A intensi-
dade de sua devoção a Jesus Cristo é um convite à profundi-
dade espíritual”.
62 Palavra para a semana: Preparados para os tempos, parte 13. Tradu-
zido por Felipe Rudiuk e postado no endereço: http://portoesdacidade.
blogspot.com

51
ORAÇÃO CONTEMPLATIVA

Hildegarda de Bingen

Conta-se que desde muito cedo Hildegarda tinha visões.


Na sua infância e adolescência experimentava frequentes re-
velações do Senhor. Nos anos seguintes seu ministério pro-
fético iria desenvolver-se amplamente, sendo requisitada por
muitos líderes e profetizando para papas, bispos e imperado-
res. Veja as próprias palavras de Hildegarda, sobre algumas
de suas visões:

“sucedeu [...] quando eu tinha quarenta e dois anos e


sete meses, que os céus se abriram e uma luz ofuscante
de excepcional fulgor fluiu para dentro de meu cérebro.
E então ela incendiou todo o meu coração e peito como
uma chama, não queimando, mas aquecendo... 63”

“Ao vê-lo [Jesus] senti todo meu ser infuso de um per-


fume balsâmico. Então exultei com alegria imensa, e desejei
permanecer na sua contemplação para sempre”64. (Em negri-
to, acréscimo explicativo do autor).
Explicando suas experiências, ela falou: “Não tive as
visões em estado de sonolência, nem dormindo, nem em êx-
tase, nem por meus olhos corporais ou por meus ouvidos hu-
manos exteriores; eu não as percebi em lugares escondidos,
mas é estando acordada que eu as vejo com meus olhos e
com minhas orelhas humanas, interiormente; simplesmente,
63 Passagem do livro Scivias de Hildegarda de Bingen.
64 Citação encontrada no livro “Women Writers of the Middle ages” de
Peter Dronke.

52
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

em espírito, eu as recebo em lugares abertos, segundo a von-


tade de Deus”65.
Hildegarda escreveu muitas obras. Entre elas existem
três obras teológicas, ensinos sobre ciências naturais, músi-
cas e poesias, além de centenas de cartas. Há amplo relato de
suas visões e experiências registrado. Contudo, de fato, seus
escritos não são conhecidos do público em geral. Sem dúvida
seria ótimo que pesquisadores e estudantes examinassem e
utilizassem suas obras, devido ao poderoso cunho profético
encontrado nelas.

Oração contemplativa e o espírito de Elias

Propositadamente citei aqui duas pessoas com dons


proféticos excepcionais, para enfatizar a relação que a oração
contemplativa e a visão têm com o Espírito Profético. Aque-
les que se moverem no Espírito Profético verão e compreen-
derão realidades que estão encobertas para a mente natural,
por mais que esta seja dotada de eximia inteligência.
Contudo, o interesse maior dos filhos e filhas do Pai ce-
lestial não estará naquilo que se poderá aprender da sabe-
doria de Deus, mas principalmente em conhecê-Lo íntima
e profundamente. O alvo será a face e a pessoa de Jesus, no
qual estão escondidos “todos os tesouros da sabedoria e do
conhecimento”66.

65 Passagem do livro Scivias de Hildegarda de Bingen.


66 Colossenses 2.3

53
ORAÇÃO CONTEMPLATIVA

O profeta Elias, como foi falado, desbravou de tal ma-


neira a visão da realidade espiritual que podia dizer com au-
toridade que estava perante a face do Senhor67. Aqueles que
se moverem no espírito de Elias igualmente verão a glória de
Deus e aprenderão os caminhos da contemplação espiritual.

67 1 Reis 17.1

54
Capítulo 8

Um Chamado

No dia 23 de novembro de 2008, enquanto visitava al-


guns amigos, tive uma experiência profética. Fui levado a um
quarto no qual vi o Senhor. Era um quarto de dormir, a luz
estava apagada, havia alguns lençóis brancos e percebi a soli-
dão do Senhor. Ali naquele quarto escuro Ele encontrava-se
só e expunha Seu coração com lágrimas. Meu coração come-
çou a partilhar da dor Dele. Suas lágrimas corriam continua-
mente como um rio. Foi uma visão contundente.
Ali, naquele quarto escuro, eu sabia o que Ele sentia e
via como Ele estava em Sua intimidade. Não queria de forma
alguma sair dali. O Senhor estava me chamando para fazer
companhia a Ele. Era ali, ao lado Dele, que eu deveria apren-
UM CHAMADO

der a viver, partilhando de Seus sofrimentos, bem como de


todos os outros sentimentos do Seu coração. Era algo eleva-
do demais, e havia temor no meu coração. Eu sabia que não
seria mais o mesmo. Naquele dia Ele estava convidando meu
coração a vigiar perante Ele em amor e humildade.
No texto de Jeremias 13.17 o Senhor diz “se isto não
ouvirdes, a minha alma chorará em segredo por causa da vos-
sa soberba; chorarão os meus olhos amargamente e se desfa-
rão em lágrimas, porquanto o rebanho do Senhor foi levado
cativo”. Deus disse que “choraria em segredo” se o povo dele
não ouvisse Sua voz. Naquele dia, Ele estava fazendo o que
disse. E, mesmo que eu não merecesse, Ele fazia questão de
me mostrar Sua dor. Glória ao Amado Senhor!

The Call

Interessante que no dia anterior a visão, houve uma


assembléia solene de jejum e arrependimento na cidade de
Curitiba. O nome do encontro era “The Call” - um movi-
mento maravilhoso, inspirado na convocação do profeta Joel
(Joel 2.15-17). Este evento ocorre em várias regiões do mun-
do, tendo como líder o irmão Lou Engle.
Alguns representantes da International House of Prayer
(Casa Internacional de Oração) vieram a Curitiba, para parti-
ciparem e promoverem este jejum. Toda Igreja do Senhor em
Curitiba estava convocada para a oração e arrependimento
diante Dele. Houveram frutos maravilhosos deste encontro.

56
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

Contudo, a Igreja em Curitiba ainda dormia e não compreen-


deu a seriedade do que aconteceu naqueles dias.
No momento que vi o Senhor naquele quarto, percebi
Ele falando-me: Filho, o encontro The Call acabou, alguns
vieram, mas eu ainda me sinto só”. Mesmo com aquele gran-
de encontro, o Senhor ainda não tinha muitas pessoas que
O compreendiam, que O acompanhasse em Seus caminhos.
Precisamos entender que devemos ocupar nossa posição pe-
rante o Senhor.
Em Isaías 62.6-7, lemos: “Sobre os teus muros, ó Je-
rusalém, pus guardas, que todo dia e toda a noite jamais se
calarão; vós, os que fareis lembrado o Senhor, não descanseis,
nem deis a ele descanso até que restabeleça Jerusalém e a po-
nha por objeto de louvor na terra”. Nosso Pai preparou luga-
res estratégicos na realidade espiritual para cada um de Seus
filhos. É hora da Igreja assumir sua posição de adoradora e
intercessora diante do Senhor.
A Igreja deve continuamente apresentar adoração e ora-
ções para que Ele traga salvação, cura e avivamento sobre to-
das as nações. O Corpo de Cristo precisa se mobilizar e não
dar a Ele descanso, até que Ele traga Seu Reino. Movimentos
de oração estão surgindo em muitos lugares do mundo. Per-
ceba o que o Senhor está fazendo e entre no Rio de Vida que
não cessa.
Os anjos clamam de dia e de noite perante Sua face:
“Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso,

57
UM CHAMADO

aquele que era, que é e que há de vir68”. Este espírito de ado-


ração deve invadir a Terra, bem como um grande despertar
de oração precisa ocorrer antes do retorno do Rei Jesus, o
Messias de Israel.

68 Apocalipse 4.8

58
Capítulo 9

Gerando Novos Tempos


“Muito tempo depois, veio a palavra do Senhor a Elias,
no terceiro ano, dizendo: Vai, apresenta-te a Acabe,
porque darei chuva sobre a terra” (1 Reis 18.1)

Após três anos e seis meses69, o Senhor convoca Elias para


entrar em cena novamente. O tempo de seca para Israel havia
acabado, o juízo da seca havia se completado e viria a chuva
sobre a terra. Como havia sido porta-voz da seca, o profeta
agora seria porta-voz da chuva. Elias antecipava as mudanças
de épocas, e preparava o caminho para novos tempos.
O ministério profético se move no limiar de novas rea-
lidades. É nas fronteiras entre uma realidade e outra que os
69 Tiago 5.17
GERANDO NOVOS TEMPOS

profetas executam seu ministério. Portanto, sempre que uma


pessoa está se movendo no Espírito Profético podemos es-
perar que coisas estão se movimentando nos céus e na terra,
mudanças virão.
João Batista trabalhou no limiar entre a Antiga Aliança e
o estabelecimento do Reino de Deus na pessoa do Messias. Ele
anunciou um novo período para os povos, quando o Messias ba-
tizaria com o Espírito Santo e com Fogo. Após a prisão do profe-
ta, um novo tempo de revelação, milagres, curas, sinais e prodí-
gios foi liberado pelo ministério de Jesus. O Messias foi à cruz e
ressuscitou para a salvação de toda a humanidade. Aleluia.
O profeta Jeremias, atuou nos momentos que precede-
ram o cativeiro na Babilônia. O juízo viria sobre a nação, e
Deus levantou um profeta “contra todo o país, contra os reis
de Judá, contra os seus príncipes, contra os seus sacerdotes
e contra o povo”70. Jeremias estava lá para anunciar o novo
tempo de cativeiro para a nação.
O Espírito Profético se move na fronteira das épocas, no
anúncio e preparação para novos tempos. Exatamente por isso
que o derramar do Espírito Profético será intenso e abundante
nos dias que virão. O Reino de Deus está próximo. Prepare-se.

Gerando pela Intercessão

“Então, disse Elias a Acabe: Sobe, come e bebe, porque já


se ouve ruído de abundante chuva. Subiu Acabe a comer e be-

70 Jeremias 1.18

60
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

ber; Elias, porém, subiu ao cimo do Carmelo, e, encurvado para


a terra, meteu o rosto entre os joelhos” (1 Reis 18.41-42).
Após a profecia de chuva, Elias subiu ao cimo do monte
e orou. Elias não estava apenas anunciando o que Deus faria,
ele estava participando ativamente daquilo que estava ocor-
rendo no mundo espiritual. Ele já havia participado por meio
da intercessão no período de seca - o apóstolo Tiago afirma
que Elias “orou, com instância, para que não chovesse sobre
a terra, e, por três anos e seis meses, não choveu”71. Agora
o profeta estava se movendo intercessoriamente para que a
chuva viesse.
O profeta subiu ao cimo do monte. Ou seja, Elias tomou
um lugar alto no mundo espiritual – de acordo com a vonta-
de de Deus – para interceder pela chuva. Ali no lugar alto, o
profeta está governando os acontecimentos em submissão a
Deus – Aquele que tudo controla e a tudo submete.
Em segundo momento, Elias se ajoelha e coloca a cabe-
ça entre os joelhos. Nesta posição o profeta gera a vontade de
Deus, por meio da autoridade recebida Dele. De fato, o Se-
nhor moveu na natureza, em resposta ao Seu intercessor que
assumiu a posição de autoridade necessária. Outros exem-
plos semelhantes são encontrados nas Escrituras.
A intercessão profética responde o mover de Deus, que
por Sua vez responde a intercessão do homem. Neste tra-
balho em conjunto os Céus e a Terra são movidos e a nova
realidade vem à existência. No caso - a chuva.
71 Tiago 5.17

61
GERANDO NOVOS TEMPOS

A Chuva

“A sétima vez disse: Eis que se levanta do mar uma nuvem


pequena como a palma da mão do homem. Então, disse ele:
Sobe e dize a Acabe: Aparelha teu carro e desce, para que a chu-
va não te detenha. Dentro em pouco, os céus se enegreceram,
com nuvens e vento, e caiu grande chuva” (1 Reis 18.44-45)
A chuva estava chegando. Vinha do mar uma nuvem
pequena, era o sinal de que a chuva viria. A intercessão de
Elias produziu o resultado desejado e agora o Senhor envia-
ria grande chuva.
O Espírito Profético deseja se mover em nossos dias,
por meio de filhos e filhas de Deus, que compreendam o que
está acontecendo nas regiões celestiais e gerem aquilo que o
Senhor está para trazer à Terra.
Um grande derramar do Senhor está por vir, um novo
tempo está às portas! Você se moverá no Espírito Profético?
Você irá tomar os lugares altos e interceder em concordância
com o Senhor? Você preparará o caminho para o retorno do
Senhor?
O Deus de Elias está chamando cada um a assumir sua
posição profética, preparando o caminho para que Ele venha.
Ouça Sua voz e atenda ao chamado.

62
GERAÇÃO ELIAS E O ESPÍRITO PROFÉTICO

Bibliografia

BEVERE, Jonh. A Unção Profética. Belo Horizonte: Editora


Atos.
DRONKE, Peter. Women Writers of the Middles Age. Nova
York: Cambridge University Press, 1984.
FLANAGAN, Sabina. Hildegard of Bingen - a visionary life.
Londres e Nova York: Routledge, 1989.
GOLL, Jim W. O Poder Profético da Visão: Sonhos e Outros
Domínios. São Paulo: Editora Vida, 2007.
HARRIS, Laird R. Dicionário Internacional de Teologia do
Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998.
JACKSON, Jonh Paul. Desmascarando o Espírito de Jezabel.
Rio de Janeiro: Danprewan, 2003.
PERNOUD, Régine. Hildegard de Bingen - a consciência
inspirada do século XII. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.
ROHRBACHER, Padre. A Vida dos Santos. Editora das
Américas, 1959.

63
Caro Leitor,

Esperamos que este livro


tenha abençoado a sua vida.

Compartilhe conosco suas dúvidas


e sugestões escrevendo para:

editorasemente@hotmail.com