Você está na página 1de 4

Seminário de desenho (Operações de estampagem)

3.Estampagem:

Estampagem é o processo de transformação de uma chapa plana, através do corte ou


deformação, realizado geralmente à frio, de maneira que a chapa adquire uma nova forma
geométrica. Em outra definição, estampagem é o conjunto de processos com o qual uma chapa
plana é submetida com a finalidade de obter peças com geometrias próprias. O processo de
estampagem é uma deformação plástica do metal, ou seja, uma deformação definitiva.

Devido às suas características, esse processo é conveniente para produções em larga escala,
tendo-se como vantagem:

 Alta produção;
 Custo por peça reduzido;
 Acabamento bom, sem necessidade de processos posteriores;
 Maior resistência das peças devido à conformação (processo de compressão de metais
sólidos em moldes), que causa o encruamento (aumento da rigidez) do material;
 Baixo custo de controle de qualidade devido à uniformidade da produção e a facilidade
de se identificar desvios.

Entretanto, é possível destacar o alto custo das ferramentas necessárias para esse processo
como sua principal desvantagem, o qual só é amenizado com um número elevado de peças
produzidas.

Vários fatores podem afetar o processo de estampagem, sendo os principais deles:

 Blank: dimensões, posição da ferramenta, condição da borda, limpeza e planicidade.


 Lubrificação: tipo de óleo, espessura da película, distribuição sobre a chapa.
 Chapa de aço: espessura nominal, propriedades mecânicas, rugosidade, tipo de
revestimento, limpeza da superfície, perfil da chapa.
 Prensa: guias do punção, velocidade de repuxo, pressão no “prensa chapa” e sua
variação ao longo do perímetro de contato, pressão no contrabalanço (quando afeta a
carga da prensa), rigidez.
 Ferramenta: guias, alinhamento (na prensa), acabamento da superfície, tipo de material,
frisos, saliências ou reentrâncias (alteram o atrito), dureza superficial, raios do punção e
da matriz; revestimento de superfície (características químicas e mecânicas), folgas nas
buchas e facas, rigidez.
 Outras: temperatura da chapa, temperatura da ferramenta

Visto isso, existem três tipos de operações de estampagem: corte, dobramento ou


encurvamento e estampagem profunda ou repuxo.

3.1- Corte

Nesse processo de estampagem é utilizado um ferramental específico denominado estampo de


corte, por meio deste é possível separar de uma chapa, uma porção de material com o
contorno estabelecido previamente.

Experimentalmente, foi percebido que, para


um melhor acabamento da peça, a
espessura da chapa (s) deve ser menor que
o diâmetro do punção (d). Como possível
de se observar na Figure X, o processo de
corte se inicia com o punção pressionando

Figure 1: Imagem ilustrativa do processo de corte. a chapa, consequentemente o material começa


a se deformar até que o limite elástico seja
ultrapassado, então o material se deforma plasticamente e penetra a matriz, tendo como
resultado, o disco cortado.

SE POSSÍVEL FALAR DA REDUÇÃO DA FORÇA DE CORTE E O MELHOR LAYOUT DE


APROVEITAMENTO DA CHAPA

3.2- Dobramento ou encurvamento

Esse processo de estampagem consiste na deformação de uma placa no intuito de obter uma
ou mais curvaturas através da aplicação de esforços de flexão. Neste caso, diz-se que o
material está submetido a um estado duplo de tensão.

O que caracteriza o estado duplo de tensão é o fato


da chapa dobrada ser solicitada por tração na parte
externa e compressão na parte interna. Dessa forma,
as tensões são amortecidas em direção ao centro da
chapa, e como são opostas, há uma linha no centro
dessa em que as tensões se anulam e não há
Figure 2: Imagem ilustrativa do processo de alteração em seu comprimento, essa linha recebe o
dobramento.
nome de Linha Neutra (linha tracejada da figura a seguir).

Figure 3: Ilustração da distribuição das tensões na chapa durante o processo de dobramento.

3.3- Estampagem profunda ou repuxo

Os estampos de repuxo têm a finalidade de transformar chapas planas em perfis côncavos e


convexos profundos. A figura a seguir mostra estágios da estampagem profunda:

O intervalo admissível de repuxamento se


encontra entre o limite elástico e pouco antes do
limite de ruptura. Logo, quanto maior for a
Figure 4: Imagem ilustrativa do processo de estampagem diferença entre o limite elástico e o de ruptura,
profunda.
maiores serão as possibilidades de repuxar
determinado aço.

Nesta operação, ao contrário das anteriores, praticamente todo o volume da peça produzida
sofre tensões e é encruado, exceto o fundo da peça, que serve de apoio à face do punção.

De forma generalizada o encruamento melhora a qualidade da peça a ser fabricada,


aumentando a resistência à rupturas e deformações, entretanto, se feito em excesso, tornará a
peça mais frágil.

É possível identificar algumas variáveis que podem alterar o resultado desse processo, sendo
as principais delas:

 Geometria do produto: espessura do material, qualidade do material, profundidade do


repuxo e uniformidade da profundidade;
 Lubrificantes: tipo, viscosidade, quantidade e distribuição e temperatura;
 Chapa de aço: variação na espessura, variação na dureza, alongamento uniforme,
rugosidade da superfície e uniformidade da superfície nas duas faces;
 Blank: forma, planicidade, limpeza e temperatura;
 Ambiente: temperatura, limpeza e umidade do ar e vento;
Referências
http://cursos.unisanta.br/mecanica/ciclo8/transparenciascap5parte3.pdf

http://bmalbert.yolasite.com/resources/Estampagem.pdf

http://www3.fsa.br/mecanica/arquivos/03%20Conforma%C3%A7%C3%A3o%20II%20e%20Sint
eriza%C3%A7%C3%A3o.pdf

http://cad.cursosguru.com.br/novidades/estampos-de-repuxo-o-que-sao-para-que-servem-e-
quais-as-principais-operacoes/