Você está na página 1de 6

FACULDADES CLARETIANAS – RIO CLARO

CURSO DE FILOSOFIA – EAD

ROTEIRO PARA ACOMPANHAMENTO DE AULA


NIETZSCHE E A GENEALOGIA DA MORAL

Disciplina: Filosofia
Professora: Celina
Estagiário: José Ravanelli Neto

PIRACICABA –SP
2012

1
Friedrich Wilhelm Nietzsche

Nasceu em 15 de outubro de 1844, perdeu o pai com cinco anos de idade, e irmão
caçula. Nietzsche tinha problemas com a saúde – dores de cabeça e dificuldade de
visão – desde a infância. Matriculou-se em teologia (o pai era pastor), mas formou-
se em filologia (estudo da linguagem). Conhece a filosofia pela leitura de
Schopenhauer, que exerceu sobre ele uma influência marcante. Prestou
voluntariamente o serviço militar, foi para a guerra como enfermeiro e aos 25 anos
de idade vai dar aula na Universidade da Basiléia.
Nietzsche conhece o músico Richard Wagner e participa dos projetos artísticos de
Wagner. Em 1872 publica sua primeira obra: ‘O nascimento da tragédia’ mal
aceita pela academia que lhe fecha as portas a novos trabalhos. Sua saúde piora, e
Nietzsche pede sucessivas licenças e viaja para lugares de clima melhor, levando
uma vida errante e solitária. Se afasta de Wagner por divergências filosóficas e
pessoais e escreve outros livros: Humano demasiado humano, Aurora, A Gaia
Ciência. Recebe pensão vitalícia da universidade e conhece Lou Salomé, a qual
pede em casamento e esta a recusa. Publicou ainda Assim falou Zaratustra, seu
livro mais conhecido e Para além do bem e do mal e Genealogia da moral (1887).

Genealogia da moral:

É um livro em que Nietzsche aprofunda sua crítica da moral. Nesta obra o autor se
pergunta sobre o próprio valor dos valores e avalia a moral tradicional. Em que
circunstâncias surgiram os valores? Para o filósofo alemão o valor surgia do
empenho da própria palavra: A capacidade de prometer. O sintoma maior da
capacidade de fazer promessas é a moral, cujo efeito é envenenara o coração em
prol de um outro mundo, tido como melhor.
Ao descrever a genealogia da moral ocidental, Nietzsche descreve também a
consciência moral e o ressentimento.

Conceitos básicos:
- consciência moral - ressentimento

Nietzsche parte da idéia de que: ‘todos os instintos que não se descarregam para
fora voltam-se para dentro – é isso que eu denomino interiorização do homem: é
somente com isso que cresce no homem aquilo que mais tarde se denomina sua
“alma” ‘.
O homem está doente para Nietzsche. Um sintoma específico do homem decadente
é o niilismo, ou seja, um sentimento opressivo e difuso, em que se vivência a perda
de valores superiores de nossa cultura. O homem não encontra mais sentido na
religião, no sócio-político, e mesmo na educação quando está voltada a perpetuar
um ideal de homem completamente adaptado aos modos de produção e reprodução
de uma sociedade de massas. O resultado é um tipo patológico, individualista, onde
falta o projeto ético comum.
O diagnóstico de Nietzsche é a condição enferma da Europa, pelo processo
acelerado de mediocrização da humanidade e banalização da existência.
É preciso para Nietzsche que surjam novos filósofos capazes de esculpir a figura
futura do humano, para isso é preciso auto-superação, coragem e romper com as

2
amarras do moralismo e criar novos valores. Um novo homem necessita também
de novos valores.
Escola APAF - Aula de filosofia: 31/05/ 2012
Esquema Genealógico: se necessário copiar da lousa

Perguntas:

1) O que você pode descobrir ou conhecer sobre Nietzsche e sua filosofia?

2) Fale um pouco sobre o método genealógico de Nietsche (Genealogia da


moral)

Bibliografia:

Nietzsche, F. Genealogia da moral, 2009, São Paulo, Companhia de Bolso

3
Nietzsche, F. Para a genealogia da moral, adaptação Osvaldo Giacoia Jr., 2002, São
Paulo editora Scipione

Falar sobre o FUNDEB (Fundo de manutenção e desenvolvimento d

a educação básica e de valorização dos profissionais da educação) é refletir


diretamente sobre como está disposto o compromisso do Governo, em suas
diferentes esferas, ante os mecanismos de financiamento que promova a inclusão
sócio-educativa no âmbito de toda a educação Básica.
Este conjunto de fundos contábeis formados pelas esferas Federal (quando
necessário), Estadual e Municipal visa promover o financiamento de toda a
educação básica pública. Assim, os estados e municípios irão contribuir com 20%
de sua receita e a distribuição de acordo com o número de alunos da Educação
Básica, feito pelo censo escolar. Tem validade por até 14 anos, ou seja, criado em
2007, expira em 2020.
Os repasses são automáticos (banco do Brasil), sendo que os recursos giram em
torno de 60% na remuneração dos profissionais do Magistério em efetivo exercício
na Educação Básica e 40% em outras ações de manutenção e Desenvolvimento do
Ensino.

Neste trabalho vamos apresentar alguns dos principais parâmetros e mecanismos


operacionais que são definidos em legislação específica – Lei 11.949/2007

A lei do FUNDEB, como é conhecida explicita sobre:

1) Planos de carreira do magistério, competências do Estado, Município e


Distrito Federal.

Vejamos: Profissionais do Magistério são o grupo de profissionais que oferecem


suporte pedagógico à atividade docente, incluídas as de direção ou adm. escolar,
planejamento, inspeção, supervisão, orientação educacional e coordenação
pedagógica. Os planos de carreira são definidos pela carga horária de 20 horas
semanais, 80% de hora aula e 20 de hora atividade, destinadas de acordo com a
proposta pedagógica da escola. Receberá gratificação de 5% de seu salário, e
demais benefícios estão vinculados ao Município onde ingressa via concurso
público.

4
2) A quem se destinam os recursos do FUNDEB?
Os recursos do FUNDEB se destinam a rede de educação básica pública presencial
que incluam O Ensino fundamental e regular e especial, a Educação Infantil,
Ensino médio e EJA.

3) Cite 3 atribuições que cabem ao Ministério da educação em relação a


aplicação do FUNDEB.
Dentre as atribuições do Ministério da educação em relação ao FUNDEB
destacamos: as regulamentares, as de competência das instâncias e de
acompanhamento da educação básica. Cuida de maneira geral do orçamento e
aplicação dos recursos. E a avaliação destas instituições.
4) Em que situação é permitida a utilização dos recursos da FUNDEB por
instituições confessionais, filantrópicas e comunitárias?
A utilização dos recursos do FUNDEB é previsto para instituições desde que
ofereçam: creche, pré-escola (período de 4 anos) e educação especial.

5) No âmbito federal, quem são os representantes dos Estados, Municípios e


dos trabalhadores da educação que tem assento no conselho responsável pela
fiscalização dos recursos da FUNDEB?
Fazem parte do conselho;
01 representante do Conselho Tutelar
01 representante do Conselho Municipal de Educação
01 representante dos professores de escolas públicas municipais
01 representante de diretores de escolas públicas municipais
02 representantes do Poder executivo municipal, sendo um vinculado ao SMED
02 representantes dos estudantes da educação pública municipal
01 representante dos servidores técnico-adm. das escolas públicas municipais

6) A quem cabe a competência de realizar, anualmente, o censo escolar?


O censo escolar fica a cargo das prefeituras Municipais locais e DF.

7) Em que situações é proibida a utilização de recursos da FUNDEB?


Estão em desacordo os integrantes do magistério em outro nível de ensino, os
inativos, pessoal de educação não integrante do magistério, desvio de função, os
que estão atuando em instituições privadas de ensino

8) Além da EI, EF, EM, quais outras modalidades de ensino são atendidas pelo
FUNDEB?
As outras modalidades atendidas pelo FUNDEB são: despesas com aquisição de
material, com aulas de dança, língua estrangeira, informática, jogos, artes
plásticas, canto e música, dentro das diretrizes e parâmetros curriculares. Inclui
ainda despesas de pagamento de professor que atua no PETI, voltados a alunos da
educação básica.

9) De acordo com a lei da FUNDEB, quais são as categorias são consideradas


profissionais do magistério da educação
São grupo de profissionais e professores que oferecem suporte pedagógico a
atividade docente, incluindo direção, adm., inspeção, supervisão, orinetação e
coordenação pedagógica.

5
6