Você está na página 1de 8

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESCOLAR

DISCIPLINA: Fundamentos de Análise Cognitiva de Política Pública: a Decisão,


Instrumentação e Regulação na Educação.
DOCENTE RESPONSÁVEL: Sebastião de Souza Lemes
CRÉDITOS: 06

EMENTA:

A partir dos conceitos e fundamentos da abordagem cognitiva das políticas públicas,


considerada como um processo social que se desenvolve num tempo determinado,
compreender e discutir sobre o conhecimento utilizado como fonte de legitimação científica,
a serviço de ideologia (s) que, ao mesmo tempo que despolitiza, age de maneira
antidemocrática restringindo ações e alternativas. Discute o quadro institucional que limita
do tipo e nível de recurso disponível por meio de esquemas interpretativos e de escolhas
impregnados de valores que percebem e definem a natureza dos problemas públicos e a
orientação das ações com vistas a solução. Ficam em voga os instrumentos de governança
e regulação e seus referenciais, os sistemas e componentes dinâmicos presentes nos
processos de decisão, a execução das politicas educativas pelo estado e o modo pelo qual
suas ações e seus agentes públicos se estabelecem, de forma contextualizada e
diversificada, nas mais diversas realidades existentes. A relação Conhecimento e Politica
pública é fundamental para a discussão nessa temática. O conhecimento disponível para os
diferentes decisores em diferentes momentos e contextos; o modo como a orientação e a
informação circula e é compreendida em diferentes momentos e por diferentes agentes
públicos; como os processos e instrumentos chegam no cotidiano concreto da sociedade.
Como tratar a crença de que as políticas públicas não são escolhas mas apenas
inevitabilidades técnicas, onde não há lugar para alternativas.

OBJETIVOS GERAIS

Conhecer e mobilizar o quadro teórico e os conceitos fundamentais operatórios da


análise cognitiva de políticas públicas na instrumentação para regulação da ação pública
em educação.

Refletir e analisar os instrumentos utilizados para regulação presentes nos processos de


produção e disseminação das informações sobre as ações públicas à luz da análise
cognitiva de política pública.

TÓPICOS DOS CONTEÚDOS

Política e Ciência Política, Política e Gestão/Administração Educacional.


Conceitos e Fundamentos da Análise Cognitiva de Política Pública.
A governança da educação: conceitos operatórios, tendências da evolução internacional
das políticas públicas estruturantes na atualidade e a peculiaridade complexa da
sociedade brasileira.

A gestão/administração da educação: conceitos fundamentais, evolução e tendências


recentes; a descentralização e o poder local (municipalização).

O quadro político da gestão/administração das escolas (a democratização institucional):


autonomia da gestão, responsabilização e prestação de contas, controle e participação
social, auto avaliação (avaliação endógena) e avaliação do desempenho profissional.

O papel central do conhecimento na regulação da provisão pública de educação.

O papel das supervisões no quadro das políticas de promoção da qualidade e regulação do


ensino, da avaliação externa das escolas e do desempenho profissional dos professores.

O papel dos órgãos executivos de governos (MEC, INEP, CAPES, Secretarias de Estados
e demais Órgãos Oficiais de Fomentos) e seus instrumentos reguladores na
construção/manutenção dos espaços de ação das políticas públicas de/para educação
centradas na regulação pelos resultados, num quadro de crescente pressão performativa
com base na competição, na prestação de contas e no controle social da provisão
educativa.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO

Os estudantes deverão, com base no material apresentado e discutido no curso, produzir,


até o final do semestre que o curso for oferecido, um “paper” para ser apresentado em
Seminário do Programa de Pós-Graduação ou outro evento de caráter científico. Poderá
ainda encaminhar para publicação em periódico da área qualificado até B2. Considerando
seus projetos e/ou propostas de pesquisas em andamento, poderão desenvolver uma
argumentação analítico-correlativa envolvendo conceitos e fundamentos desenvolvidos no
âmbito deste curso.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

AFONSO, Natércio e COSTA, Estela. (2009). Os instrumentos de regulação baseados no


conhecimento: o caso do programme for international student assessment (PISA). Dossiê
Conhecimento e Política. Educação e Sociedade, vol 30, Nº 109; Campinas, SP.

AFONSO, Natércio e COSTA, Estela. (2011). Avaliação externa das escolas: um instrumento
de regulação baseado no conhecimento. In João Barroso & Natércio Afonso (Org). As políticas
educativas em Portugal: mobilização de conhecimento e modos de regulação. Fundação
Manoel Leão.

AFONSO, Natércio. (2012). As metas da aprendizagem: Fundamentos e Características de


um instrumento de Regulação nas políticas educativas. (p.75-87). In FIALHO, Isabel e
VERDASCA, José (Orgs.). (2012) Turma Mais e Sucesso escolar – Fragmentos de um
percurso. CIEP/EU, Universidade de Évora, Portugal.

ARRETCHE, Marta. (2003). DOSSIÊ AGENDA DE PESQUISA EM POLÍTICAS PÚBLICAS*

Revista Brasleira de Ciências Socias Vol. 18 nº. 51 fevereiro.

BARROSO, João; CARVALHO, Luís Miguel; FONTOURA, Madalena & AFONSO, Natércio
(2007). “As políticas educativas como objecto de estudo e de formação em Administração
Educacional”. Sísifo, 4.

BARROSO, João (2011). Conhecimento e ação Publica: as políticas sobre a gestão e a


autonomia das escolas em Portugal (1986-2008). In João Barroso & Natércio Afonso(Org).
As políticas educativas em Portugal: mobilização de conhecimento e modos de
regulação.Fundação Manoel Leão, Pp 27-58.

LASCOUMES, Pierre et LE GALES, Patrick. (2004). Gouverner par les instruments. sous la
dir. Presses de Sciences Po, Collection académique, 370p.
LEMES, Sebastião de Souza. (2016). Indagações sobre as políticas educacionais e reflexões sobre
demandas percebidas pelo estado brasileiro: tópicos para análise circunstanciada de seus instrumentos
de ação. In Revista Ibero-americana de estudos em educação. v.11, número especial 3. Dossiê:
Investigadores brasileiros em Portugal: pensando a educação para o futuro.

MELO, M. A. (1999). Estado, governo e políticas públicas. In: MICELI, S. (org.). O que ler na
ciência social brasileira (1970-1995). [vol. 3: Ciência política], São Paulo/Brasília:
Sumaré/Anpocs/Capes, p. 59-100.

MULLER, Pierre. (2011). Les politiques publiques.Presses Universitaires de France, 9ª


Edition, Paris. MULLER, Pierre e SUREL, Yves. (2002). A ANÁLISE DAS POLÍTICAS
PÚBLICAS Tradução de

Agemir Bavaresco e Alceu R. Ferraro. Col. Desenvolvimento Social, EDUCAT, Pelotas,


RGS.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR.

Afonso, N. (2002) Avaliação e desenvolvimento organizacional da escola, In J. A.Costa, A.


Neto- Mendes e A. Ventura (org.). Avaliação de Organizações Educativas, Aveiro,
Universidade de Aveiro

. Disponível em
http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/viewFile/40/19

Afonso, N. (2004). A globalização, o Estado e a escola pública. In Administração


Educacional , nº 4

Afonso, N. (2012a). Políticas promotoras do sucesso escolar. In Alves, J.M. & Moreira,
L. Projeto Fénix; as artes do voo e as ciências da navegação. Porto, Universidade
Católica.

Afonso, N. (2014). Políticas de governação e liderança das escolas. In Machado, J. e


Alves, J., Coordenação, supervisão e liderança – Escola, projetos e aprendizagem.
Porto, Universidade Católica Editora

Afonso, N. e Costa, E. (2009). A influência do Programme for International Student


Assessment (PISA) na decisão política em Portugal. O caso das políticas educativas do
XVII Governo Constitucional Português. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 10,
(pp. 53-64). Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Afonso, N. e Costa, E. (2011a). A circulação e uso do PISA em Portugal: o que dizem os


políticos. In L. M. Carvalho, O espelho do perito; inquéritos internacionais, conhecimento
e política – o caso do PISA. Vila Nova de Gaia, fundação Manuel Leão.

Afonso, N. e Costa, E. (2012). La politique d'évaluation institutionnel d’écoles au


Portugal : un instrument d’action publique basé sur la connaissance. Recherches
sociologiques et anthropologiques, 2, 39-52.

Afonso, N., e Costa, E. (2015). Knowledge moves: Transition and fluidity in the policy
process. In

R. Freeman & S. Sturdy, (Orgs.), Knowledge in Policy: embodied, inscribed, enacted.


Studies of health and education in Europe. UK: Policy Press.

Barroso J. (2009), Apresentação do Dossier ‘Conhecimento e Política’. Educação e


Sociedade, Campinas, 30, 109, 951-958. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Barroso, J. (2009a), A utilização do conhecimento em política: o caso da gestão escolar


em Portugal. Educação e Sociedade, Campinas, 30, 109, 987-1007. Disponível em

Barroso, J. (2009b), Da governação do sistema à governação das escolas. Cinco ideias


que dominaram as políticas educativas nos últimos vinte anos. In: Ferreira, H. et all
Investigar, Avaliar, Descentralizar. Atas do X Congresso da Sociedade Portuguesa de
Ciências da Educação. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança.

Barroso, J., Carvalho, L. M., Fontoura, M. e Afonso, N. (2007), As Políticas Educativas


como objeto de estudo e de formação em Administração Educacional, Sísifo, Revista de
ciências da educação, 4, 5-20. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Baxter, J. e Clarke, J. (2014) Knowledge, Authority and Judgement: The Changing


Practices of School Inspection in England. In Sisyphus, vol. 02, nº1 (pp.106-12)

Berenyi, E. e Neumann, E. (2009), Competir com o PISA. Recepção e tradução no


discurso político húngaro, Sisifo, Revista de Ciências da Educação, 10. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Boussaguet, L. e Ravinet, P. (2006). Dictionnaire des politiques publiques. Paris: Sciences


Po.

Carvalho, L. M. (2007), Acerca do papel do conhecimento nas políticas públicas de


educação: inquirindo instâncias e atores de mediação, Revista Contemporânea de
Educação, 2, 4. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Carvalho, L. M. (2009), Governando a educação pelo espelho do perito: uma análise do


PISA como instrumento de regulação, Educação e Sociedade, Campinas, 30, 109, 1009-
1036. Disponível em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Carvalho, L. M. (2009a), PISA: Movimentos e mudanças. Uma introdução a PISA e as


políticas públicas de educação, Sisifo, Revista de Ciências da Educação, 10.
Disponível em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Carvalho, L. M. (2011), Multiregulação, comparações internacionais e conhecimento


pericial, in Duarte Adriana & Oliveira Dalila Andrade (org), Políticas Públicas e
Educação: regulação e conhecimento, Fino Traço Editora, 183-206. (Abstract)

Carvalho, L. M. e Costa, E. (2011), Fabricando o Espelho do Perito: a construção de


conhecimento pericial no mundo PISA, in Carvalho Luís Miguel (Org.). O Espelho do
Perito: Inquéritos internacionais, conhecimento e política em educação – o caso do PISA,
Fundação Manuel Leão, 37- 72 (Abstract)

Carvalho, L. M. e Figueiredo, C. (2012), Configurações de conhecimento e política na


regulação da educação sexual em meio escolar, Educação, Sociedade & Culturas, nº 34,
67-88. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Carvalho, L. M., Costa, E. e Afonso, N. (2011). O PISA em seis contextos europeus:


difusão e indigenação. In L. M. Carvalho, O espelho do perito; inquéritos
internacionais, conhecimento e politica – o caso do PISA. Vila Nova de Gaia,
fundação Manuel Leão.

Carvalho, L. M., Costa, E. e Afonso, N. (2013). Espaces, acteurs et modalités de


l’hybridité politique. Le cas de la construction d’un modèle pour l’évaluation externe des
écoles au Portugal dans la première décennie du siècle. Dossier: Éducation et
mondialisation. Spirale – Revue de Recherches en Éducation, 51, 15-29.

Carvalho, L.M. (2011a) O espelho do perito; inquéritos internacionais, conhecimento e


política – o caso do PISA. Vila Nova de Gaia, fundação Manuel Leão.

Costa, E. (2007), Contributos para uma análise cognitiva da política de avaliação de


professores, Revista de ciências da educação, 4, 47-56. Disponível em

Costa, E. (2010), Em torno da receção de um instrumento de regulação baseado no


conhecimento - O que nos dizem os decisores políticos sobre o PISA, in Investigar, Avaliar,
Descentralizar – Actas do X Congresso da SPCE (CdRom): 6_Cmcs_AT2_Organização e
Administração Educação: Regulação

- Mesa nº19 - Comunicação nº118. Bragança: SPCE e ESE/IPB.

Costa, E. (2011), O PISA na literatura científica: um caso de propagação, recriação e


contestação de conhecimento, in Carvalho Luís Miguel (Org.), O Espelho do Perito.
Inquéritos internacionais, conhecimento e política em educação – o caso do PISA.
Fundação Manuel Leão, 73-102 (Abstract)

Costa, E. (2011a). The role of network-based knowledge in legitimating education policy


options and the policy debate in Portugal. Journal of US-China Public Administration, 8(12),
1393-1402.

Costa, E. e Afonso, N. (2009), Os instrumentos de regulação baseados no


conhecimento: o caso do PISA, Educação e Sociedade, Campinas, 30, 109, 1037-1058.
Disponível em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Costa, E. e Afonso, N. (2011), A circulação e o uso do PISA em Portugal: o que dizem os


políticos, in Carvalho Luís Miguel (Org.), O Espelho do Perito. Inquéritos internacionais,
conhecimento e política em educação- o caso do PISA. Fundação Manuel Leão. pp. 103-
122 (Abstract)

Costa, E. e Pires, A. M. (2011). The Role of the European Inspections in the European
Educational Space - Echoes from Portugal Regarding the Assessment of Schools.
Research in Higher Education Journal, 13, 1-10.

Cruz, C. F. da (2007), Conselhos Municipais de Educação: política educativa e acção


pública, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 65-74. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Defargues, P. (2006). La Gouvernance. Paris: PUF.

Delvaux, B. (2009), Qual é o papel do conhecimento na ação pública?, Educação &


Sociedade, 30, 109, 951-958. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Figueiredo, C. C. (2007), Redes sociais e políticas: o papel dos pais na genealogia das
políticas públicas de educação sexual, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 93-
100 Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Gray, A.(2014). Supporting school improvement: the role of inspectorates across Europe.
Bruxelas, SICI.

Grek, S. (2014). Travelling Inspectors and the Making of Europe: Education Policy Learning
and the Case of the Scottish School Inspectorate. In Sisyphus, vol. 02, nº1 (pp. 40-61).

Grek, S., Lawn, M. e Ozga, J. (2009), O PISA e o debate das políticas na Escócia. As
narrativas políticas sobre a participação escocesa na comparação internacional, Sísifo,
Educational Sciences Journal, 10. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Kiss A., Fejes, I. e Biro, Z. A. (2009), Alguns aspectos e considerações sobre as


avaliações do PISA na Roménia, Sisifo, Revista de Ciências da Educação, 10. Disponível
em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Lawn, M (2014). Outsourcing the Governing of Education: The Contemporary


Inspection of Schooling in England. In Sisyphus, vol. 02, nº1 (pp. 88-105)

Lopes, J. H. (2007), As Autonomias Imaginadas: a Autonomia como referencial da acção


pública em educação, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 21-28. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Macedo, F. J. (2007), A Vez e a Voz dos Pais — O associativismo parental em


tempo de governança, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 85-92.
Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Mangez, E. e Cattonar, B. (2010), A posição do PISA na relação entre a sociedade civil


e o sector educativo na Bélgica francófona, Sisifo, Revista de Ciências da Educação,
10. Disponível em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265
Mons, N. e Pons, X. (2009), A recepção do PISA em França. Uma abordagem cognitiva do
debate institucional (2001 – 2008), Sisifo, Revista de Ciências da Educação, 10. Disponível
em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Muller, P.(2010). Les politiques publiques. Paris: PUF

OECD, (2013). Synergies for better learning: an international perspective on


evaluation and assessment. OECD.

Ozga, J. (2014). Knowledge, Inspection and the Work of Governing. In Sisyphus, vol. 02,
nº1 (pp. 16-38)

Ozga, J. e Lawn, M. (2014), Frameworks of regulation: evidence, knowledge and


judgement in inspection. In Sisyphus, vol 02, nº1 (pp. 7-15)

Pires, C. (2007), A Construção de Sentidos em Política Educativa: o caso da Escola a


Tempo Inteiro, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 75-84. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Pons, X. (2011). L’évaluation des politiques éducatives. Paris, PUF.

Ribeiro, J. C. de M. (2007), A construção do papel do Presidente da Escola na regulação


local das políticas públicas de educação, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 57-64.
Disponível em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Rufino, C. (2007), Avaliação interna das escolas e circulação de políticas públicas


num espaço educacional europeu, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 29-38.
Disponível em http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265

Santiago, P. Et al (2012). OECD reviews of evaluation and assessment in education:


Portugal. Paris: OEC

Simões, G. M. J. (2007), A Auto avaliação das escolas e a regulação da acção pública em


educação, Sísifo, Revista de ciências da educação, 4, 39-46. Disponível em
http://www.knowandpol.eu/Portugues,121.html?lang=en&rub_id=265