Você está na página 1de 4

UFRJ – Faculdade de letras

Literatura Alemã - das origens ao século VIII Prof.: Álvaro Bragança

Alunxs: Juliana Barreto e Gabriel Santos

Segunda Avaliação

INTRODUÇÃO

No presente trabalho monográfico buscaremos abordar as semelhanças entre o


movimento barroco empreendido no Sacro império e o que ocorreu no Brasil, entre os
séculos XVII e o XVIII. O Brasil colonial recebeu uma série de influências da Europa,
influências que podemos perceber na forma de falar, agir, pensar e fazer poesia. Para
compreendermos melhor essa relação entre Europa, mais especificamente, Sacro
Império, e Brasil cotejaremos duas expressões artísticas barrocas: a poesia e a pintura.
Com esse intuito, analisaremos primeiro a pintura barroca. Examinaremos as pinturas
dos artistas germânicos Lucas Cranach der Ältere (1472- 1553) Albrecht Dürer (1471 -
1528). E para compreendermos o movimento brasileiro, analisaremos as obras Eusébio
de Matos (1629 - 1692) e Guerra e de José Joaquim da Rocha (1737 - 1807). Em
seguida cotejaremos dois poemas barrocos. A saber, o poema Francisci Petrachae, do
autor Martin Opitz (1597-1639) com o Inconstâncias dos bens no mundo, do autor
brasileiro Gregório de Matos Guerra (1636 - 1696). Após analisarmos os componentes
formais de cada poema, mapearemos as semelhanças entre ambas as obras. Na primeira
parte do trabalho, apresentaremos uma síntese das principais características da pintura
barroca no Sacro império, como também, no Brasil colonial. Na segunda parte,
examinaremos os poemas em quesitos formais e temáticos. Para realizar tal
comparação, faremos uma tradução literal do poema de Martin Opitz. Nosso objetivo é
compreender os traços barrocos europeus que cruzaram o Atlântico e desembarcaram
em solos brasileiros.

Pintura no Sacro império

O barroco nasce em um período conturbado tanto para Sacro Império, como


para Europa em geral. As cidades germânicas, no inicio do século XVII,
experimentam uma grande perda de importância econômica e social. Após a
expansão marítima de outros povos, a associação de comercio marítimo que
dará origem a liga hanseática experimenta a perda de sua hegemonia. Essa
perda econômica repercurte na queda do prestigio do sacro império.
Perceberemos que nesse período no exporta tanta , mas se abre para
influencias externas. Pereceberemos essas influencias em varias campos,
inclusive na pintura. alem disso vivencia-se nesse momento a contra reforma,
a respota da igreja calotica frente a Lutero e suas eregias. lutero é um marco
na historia alemã, sua tradução da bíblia como sua abertura para nova forma
de experienciar o transcedente marcaram a forma de vida homem medieval.
Elevando o papel do individuo e sua consciência. Traços que veremos ressoar
em todas as manifestações do homem humanista. Alem disso, as heresias de
lurtero motivou um movimento de contra ataque da igreja católica que
buscava recuperar sua influencia. O pendor religiosos marca fortemente a
pintura barroca. É o período também da emergência de grandes pensadores,
tais como Nicolai Maquiavel, que busca escrever um manual para a
intensificação e manutenção do poder. Inacio de Loyola jesuíta fundador da
Companhia de jusus meditações que influenciaram o metdodo de fazer
filosofia de renne descartes. Nesse período o homem se eocntra entre seu
passado medieval fortemente marcado pela peste negra, as guerras, a
hierarquia religiosa e feudal, sua submissão a uma terra e aum senhor. Como
também o incio do renascomento, do homem no centro do mundo, na crença
na ciência e no progresso. O barroco se encontra entre esses dois pólos, a
supertiçao e crença medieval X a ciência e racionalidade humanista, o
teocentrismoXantropocentrimo, o poessimism x otimismo. Encontraremos
essas antíteses tanto nas pinturas analisadas quanto nos poemas barrocs. Por
hpra um pendor regilosos, devemos olhara para o céu e a deus nossa pecadora
vida dedicar, por outra devemos viver o agora gozar o mundo.

La etapa del Renacimiento en Alemania, concretamente la pintura, posee una serie


de características propias que consisten en una mezcla de las características de
las obras italianas con la tradición gótica alemana, expresionista y patética. En la
entrada cuatrocento alemán podemos ver un esbozo de lo que fue la pintura en esta
etapa, dando paso al denominado Siglo de oro de la pintura alemana, donde habrá
artistas que sobresalgan como Alberto Durero, Lucas
Cranach, Mathias Grünewald, Baldung Grien o Holbein el Joven.
Estos pintores, que realizarán su trabajo durante el siglo XVI, reflejarán en su obra
los cambios que se producen en Alemania durante este siglo, y cada autor formará
parte de estos cambios adaptando una posición u otra, Holbein se marcha a
Inglaterra por las dificultades para trabajar en Basilea, Cranach se mantiene al
amparo del elector de Sajonia, al contrario que Grünewald, que decidió
embarcarse en las revueltas de los campesinos aún estando bajo la protección de
Alberto de Brandeburgo.
influencias do barroco europeu no fenômeno literário brasileiro

Mais especificamente, cotejaremos o poema Francisci Petrachae, do autor


Martin Opitz (1597-1639) com o poema Incostancias dos bens no mundo do
autor brasileiro Gregório de Matos Guerra (1636 - 1696). Mapearemos assim
as influencias do barroco europeu no fenômeno literário brasileiro. Na
primeira parte do trabalho, apresentaremos um sínteses e as principais
características do Sacro império, e em sehuida, do Brasil colonial. Em seguida
abordaremos a literatura que emerge nesse cenário. Após falaremos sobre os
autores cotejados.

A estrutura do trabalho final deve conter a seguinte estrutura, dividida em


capítulos:

I. INTRODUÇÃO
II. _______________ NO SACRO IMPÉRIO: UMA SÍNTESE
III. _______________ NO BRASIL: UMA SÍNTESE

IV. A LITERATURA BARROCA NO SACRO IMPÉRIO: ALGUMAS


PALAVRAS
IV. A LITERATURA BARROCA NO BRASIL: ALGUMAS
PALAVRAS VI. ______________: DADOS
BIOBIBLIOGRÁFICOS

VII. GREGÓRIO DE MATTOS: DADOS BIOBIBLIOGRÁFICOS

VIII. POEMA EM ALEMÃO: TRADUÇÃO E ANÁLISE

IX. POEMA EM PORTUGUÊS: ANÁLISE

X. POR UMA COMPARAÇÃO TEMÁTICA

XI. CONSIDERAÇÕES FINAIS

XII. BIBLIOGRAFIA

Francisci Petrarchae

Ist Liebe lauter nichts / wie dass sie mich entzündet?


Ist sie dann gleichwol was / wem ist ihr Thun bewust?
Ist sie auch gut und recht / wie bringt sie böse Lust?
Ist sie nicht gut / wie dass man Frewd’ aus ihr empfindet?

Lieb’ ich ohn allen Zwang / wie kan ich Schmertzen tragen?
Muss ich es thun / was hilfft’s dass ich solch Trawren führ’?
Heb’ich es ungern an / wer dann befihlt es mir?
Thue ich es aber gern’ / umb was hab’ ich zu klagen?

Ich wancke wie das Grass so von den kühlen Winden


Umb Vesperzeit bald hin geneiget wird / bald her:
Ich walle wie ein Schiff das durch das wilde Meer

Von Wellen umbgejagt nicht kan zu Rande finden.


Ich weis nicht was ich wil / ich wil nicht was ich weis:
Im Sommer ist mir kalt / im Winter ist mir heiss.

Tradução

É um poema de 12 silabas e separadas de 6 silabas formada por quratetos. Soneto.