Você está na página 1de 233

~1~

Cora Reilly
#4 Bound by Temptation

Série Born in Blood Mafia Chronicles

Bound by Temptation Copyright © 2015 Cora Reilly

~2~
SINOPSE

Liliana Scuderi se apaixonou por Romero desde o momento em


que ela o viu pela primeira vez. Depois de suas irmãs se casaram por
razões táticas, ela espera ser autorizada a escolher um marido, mas
quando seu pai lhe promete a um homem com mais do que o dobro de
sua idade, essa esperança é esmagada. Não importa quanto ela peça,
não é possível fazê-lo mudar de ideia.

Romero sempre ignorou o flerte de Lily. A idade dela e seu estado


a fizeram fora dos limites, mas mesmo alguém tão obediente como ele
só tem um certo tanto de controle. Desejá-la quando ela deveria se
casar com outro homem poderia significar guerra entre Nova York e o
Chicago Outfit e Romero sempre colocou a Cosa Nostra em primeiro
lugar.

Lily suspeita que suas irmãs e Romero arriscariam tudo por ela,
mas sua felicidade vale muito a pena? E o amor vale a pena uma guerra
entre Cosa Nostra e a Outfit?

~3~
A SÉRIE

Série Born in Blood Mafia Chronicles

Cora Reilly

~4~
Prólogo
LILIANA
Eu sabia que era errado. Se alguém descobrisse, se o meu pai
descobrisse, ele nunca me deixaria ir a Chicago novamente. Ele nem
sequer me deixaria sair de casa mais. Era muito inadequado e
impróprio para uma dama. As pessoas ainda estavam falando mal de
Gianna depois de todo esse tempo. Eles não hesitariam à chance de
encontrar uma nova vítima, e o que poderia ser melhor do que outra
irmã Scuderi sendo pega no ato?

E no fundo, eu sabia que eu era exatamente como Gianna quando


se tratava de resistir à tentação. Eu simplesmente não podia. A porta de
Romero não estava trancada. Eu escorreguei em seu quarto na ponta
dos pés, segurando a minha respiração. Ele não estava lá, mas eu podia
ouvir a água correndo no banheiro. Me arrastei nessa direção. A porta
estava entreaberta. Eu olhei pela fresta.

Nos últimos dias eu aprendi que Romero era uma criatura de


hábitos, então eu o encontrei no chuveiro, como esperado. Mas do meu
ponto de vista eu não podia ver muito. Abri a porta e entrei.

Minha respiração ficou presa na visão dele. Ele estava de costas


viradas para mim e era uma imagem gloriosa. Os músculos de seus
ombros e costas estavam flexionados enquanto ele lavava o cabelo
castanho. Naturalmente, meus olhos mergulharam mais abaixo pelas
costas, e ele estava perfeitamente em forma. Eu nunca tinha visto um
homem desse jeito, mas eu não podia imaginar alguém que pudesse se
comparar a Romero.

Ele começou a se virar. Eu deveria sair. Mas eu olhava admirada


para o seu corpo. Ele estava excitado? Ele ficou tenso quando me viu.
Seus olhos capturaram o meu olhar antes que eles deslizassem sobre a
minha camisola e pernas nuas. E então eu encontrei a resposta para a
minha pergunta. Ele realmente não estava excitado antes. Oh, inferno.

~5~
Minhas bochechas se aqueceram enquanto eu o via crescer mais
duro. Fiz tudo o que pude para não cruzar a distância entre nós e tocar
nele. Romero desligou o chuveiro com movimentos vagarosos e enrolou
uma toalha na cintura. Então ele saiu. O cheiro do seu shampoo
flutuou até meu nariz. Lentamente, ele avançou para mim. — Você
sabe, — ele disse em uma voz estranha. — Se alguém nos encontrasse
assim, poderia ter uma ideia errada. Uma ideia que poderia custar a
minha vida, e a sua reputação.

Eu ainda não podia me mover. Era como se eu fosse feita de


pedra, mas meu interior parecia queimar como lava incandescente. Eu
não conseguia desviar o olhar. Eu não queria.

Meus olhos pousaram na borda da toalha, sobre a linha fina de


cabelos escuros que desapareciam sob ela, o delicioso V de seus
quadris. Com vontade própria, minha mão se moveu, alcançando o
peito de Romero, precisando sentir a sua pele sob os meus dedos.

Romero pegou meu pulso antes que eu pudesse tocá-lo, seu


aperto quase doloroso. Meu olhar se levantou, meio envergonhado e
meio surpreso. O que eu vi no rosto de Romero me fez estremecer.

Ele se inclinou para frente, chegando cada vez mais perto. Meus
olhos se fecharam, mas o beijo que eu queria nunca veio. Em vez disso,
ouvi o ranger da porta. Levantei o olhar para Romero. Ele apenas abriu
a porta do banheiro. Foi por isso que ele se aproximou, não para me
beijar. Constrangimento tomou conta de mim. Como eu poderia ter
pensado que ele estava interessado em mim?

— Você precisa ir embora, — ele murmurou enquanto se


endireitava. Seus dedos ainda estavam enrolados em volta do meu
pulso.

— Então me deixe ir.

Ele fez isso de imediato, e deu um passo para trás. Eu fiquei onde
estava. Eu queria tocá-lo, eu queria que ele me tocasse, também. Ele
amaldiçoou e, em seguida, ele estava em cima de mim, uma mão
segurando a parte de trás da minha cabeça, outra no meu quadril. Eu
quase podia saborear os seus lábios que estavam tão perto. Seu toque
me fazia se sentir mais viva do que qualquer outra coisa.

— Saia, — ele murmurou. — Saia antes que eu quebre o meu


juramento — ele disse isso meio como apelo, meio como ordem.

~6~
Capítulo Um
LILIANA
Eu ainda me arrepiava quando pensava em minha primeira
tentativa embaraçosa de flertar com Romero. Minha mãe e minha irmã
Aria sempre me avisaram para não provocar os homens, e eu nunca
tinha sido tão ousada com alguém como eu fui com Romero naquele
dia. Ele parecia tão confiante, como se não houvesse nenhuma maneira
dele me machucar, não importava a provocação. Eu era jovem e
estúpida, apenas quatorze anos e já convencida de que sabia tudo que
havia para saber sobre os homens, amor e tudo mais.

Foi apenas alguns dias antes do casamento de Aria com Luca, e


ele enviou Romero para proteger a minha irmã. Era um grande negócio
ser escolhido guarda-costas de uma futura esposa; era algo que
somente quem fosse merecedor de confiança absoluta conseguiria, mas
não era isso que me fazia confiar em Romero.

Ele estava absolutamente lindo em sua camisa branca, calça


preta e colete que escondia o coldre da sua arma. E por alguma razão,
seus olhos castanhos pareciam mais amáveis do que eu estava
acostumada a ver nos homens em nosso mundo. Eu não conseguia
desviar o meu olhar dele. Eu não tinha certeza do que estava pensando,
ou o que esperava alcançar, mas no momento em que Romero se
sentou, eu me sentei em seu colo. Ele ficou tenso debaixo de mim, mas
algo em seus olhos fez com que eu me apaixonasse por ele naquele dia.
Muitas vezes no passado, quando eu flertava com soldados do meu pai,
eu vi em seus olhos que, se não fosse por causa do homem de quem eu
era filha, eles não hesitariam em ficar comigo. Mas com Romero, eu
sabia que nunca iria ter que me preocupar dele tomar mais do que eu
estava disposta a dar. Pelo menos foi assim que eu me senti naquele
dia. Ele parecia um cara legal, como os caras que eu já tinha admirado
de longe, porque você não os encontra na máfia. Como um cavaleiro
numa armadura brilhante, alguém com quem garotas estúpidas
sonham – garotas como eu.

~7~
Apenas alguns meses depois, eu descobri que Romero não era
quem eu pensava, quem eu queria que ele fosse e fiz de tudo para ser.
Esse dia ainda me assombra depois de todo esse tempo. Poderia ter sido
o momento em que a minha paixão por Romero desapareceu para
sempre.

Meus pais tinham levado Gianna, Fabiano e eu para Nova York


devido ao funeral de Salvatore Vitiello, mesmo que eu não conhecesse o
pai de Luca e Matteo. Eu estava tão animada para ver Aria novamente.
Mas essa viagem se transformou em um pesadelo, meu primeiro gosto
real do que significava ser parte do nosso mundo.

Depois que os russos atacaram a mansão Vitiello, eu estava


sozinha com o meu irmão Fabi em um quarto para onde Romero tinha
nos levado, enquanto Luca vinha em nosso socorro. Alguém tinha dado
ao meu irmão um tranquilizante, porque ele tinha surtado
completamente depois de ver o nosso guarda-costas levar um tiro na
cabeça. Eu estava estranhamente calma, quase em transe, enquanto
amontoei ao lado dele na cama, olhando para o nada e ouvindo ruídos.
Toda vez que alguém passava pela gente eu ficava tensa, preparada
para outro ataque. Mas então Gianna mandou uma mensagem, me
perguntando onde eu estava. Eu nunca me virei tão rápido na minha
vida. Levei menos de dois segundos para saltar fora da cama, atravessar
o quarto e abrir a porta. Gianna estava no corredor, seu cabelo
vermelho todo bagunçado. No momento em que eu pulei em seus
braços, me senti melhor e mais segura. Desde que Aria havia se
mudado, Gianna tinha assumido o papel de mãe substituta, enquanto a
nossa própria mãe estava ocupada demais cuidando de suas
responsabilidades sociais e a serviço de todos os caprichos do meu pai.

Quando Gianna decidiu dar uma olhada no andar debaixo, o


pânico tomou conta de mim. Eu não queria ficar sozinha agora, e Fabi
realmente só acordaria em algumas horas, por isso, apesar do medo do
que iríamos encontrar no primeiro andar, segui a minha irmã. A
maioria dos móveis na sala estavam arruinados por causa da nossa
briga com os russos, e havia sangue por todos os lados. Eu nunca tive
muito nojo de sangue, ou qualquer coisa do tipo. Fabi sempre vinha
para me mostrar as suas feridas, especialmente quando havia pus
porque ele não as limpava direito. E mesmo agora, enquanto
andávamos em meio a todos aquele vermelho nos tapetes e sofás
brancos, não foi o sangue que fez meu estômago revirar. Foi a memória
do que aconteceu. Eu não podia mais sentir o cheiro de sangue, porque
o piso tinha sido limpo com algum tipo de desinfetante. Fiquei feliz
quando Gianna nos levou para outra parte da casa, mas então ouvi o

~8~
primeiro grito vindo do porão. Eu teria me virado e fingido que não
escutei nada. Mas Gianna pensava diferente.

Ela abriu a porta de aço que levava a um quarto abaixo do chão.


A escada estava escura, mas havia uma luz vindo de alguma parte das
profundezas do porão. Eu tremi. — Você não quer ir até lá, certo? — eu
sussurrei. Eu deveria saber a resposta. Essa era Gianna, afinal.

— Sim, mas você vai ficar na escada, — disse Gianna antes de


começar a descer. Eu hesitei apenas um segundo antes que eu fosse
atrás dela. Ninguém nunca tinha dito que eu era boa em seguir ordens.

Gianna me olhou. — Fique lá. Me prometa.

Eu queria discutir. Eu não era mais uma criança. Mas então


alguém gritou abaixo de nós, e os cabelos na parte de trás do meu
pescoço se levantaram. — Ok. Eu prometo, — eu disse rapidamente.
Gianna virou e desceu os degraus restantes. Ela congelou quando
alcançou o último degrau, antes que ela finalmente entrasse no porão.
Eu só podia ver parte de suas costas, mas pelo jeito que seus músculos
ficaram tensos eu sabia que algo estava errado. Houve um grito abafado
e Gianna se encolheu. Apesar do medo pulsando em minhas têmporas,
eu rastejei pelas escadas. Eu precisava saber o que minha irmã estava
vendo. Ela não era alguém que se assustava facilmente.

Eu sabia que ia me arrepender, mas não podia resistir. Eu estava


cansada de ser deixada de fora de tudo, ser sempre muito jovem, ser
lembrada todos os dias de que eu precisava me proteger de mim mesma
e de tudo ao meu redor.

No momento em que meus pés tocaram o piso do porão, meus


olhos pousaram no centro da sala. No início, eu não consegui
compreender o que estava acontecendo. Era como se o meu cérebro
estivesse me dando uma chance de ser esperta e sair daqui, mas em vez
de fugir daquela cena, eu fiquei e olhei. Minha mente entrou em
parafuso, imerso em cada detalhe, cada detalhe horrível à minha frente.
Detalhes que eu ainda me lembraria vividamente anos mais tarde.

Havia dois dos russos que tinham nos atacado, amarrados a


cadeiras, e então havia sangue. Matteo e outro homem estavam
batendo, cortando e os ferindo. Minha visão turvou, e o terror se
levantou em minha garganta. E então o meu olhar caiu sobre Romero,
seus olhos castanhos bondosos não estavam do jeito que eu me
lembrava deles. Suas mãos também estavam cobertas de sangue. O
bom rapaz e cavaleiro de armadura brilhante que eu fantasiava, aquele
homem não era ele. Um grito foi arrancado do meu corpo, mas eu só

~9~
podia afirmar isso pela pressão no meu peito e na garganta. Eu não
ouvia nada além do rugido em meus ouvidos. Todos olharam para mim,
como se eu fosse louca. Eu não tenho certeza do que aconteceu depois.
Só me lembrava de fragmentos. Mãos me agarrando, braços me
segurando firme. Palavras suaves que não tinham efeito nenhum. Me
lembrava de um peite quente contra as minhas costas e do cheiro de
sangue. Houve uma breve queimação quando Matteo me injetou algo
antes que o meu mundo ficasse em uma calma estranha. O terror ainda
estava lá, mas foi acobertado. Minha visão estava embaçada, mas eu
poderia dizer que Romero estava ajoelhado ao meu lado. Ele me pegou e
se levantou comigo em seus braços. A calma forçada venceu e eu relaxei
contra o seu peito. Bem na frente dos meus olhos uma mancha
vermelha aparecia em sua camisa branca. O sangue dos homens que
haviam sido torturados. Lentamente, o terror tentou passar através da
medicação, mas foi inútil e eu desisti da luta. Meus olhos se fecharam
enquanto eu aceitei o meu destino.

*****

ROMERO
Como Made Men1, era nossa tarefa manter seguros quem
jurávamos proteger: os fracos, as crianças e as mulheres. Eu, em
particular, tinha dedicado minha vida a este objetivo. Muitas tarefas em
meu trabalho envolviam machucar os outros, ser brutal e frio, mas
manter as pessoas seguras sempre me fez sentir como se não houvesse
nada mais para mim do que o mal. Não que isso importasse; se Luca
me pedisse, eu faria tudo de ruim que se podia imaginar. Era fácil
esquecer que, apesar de nossa ética e moral e códigos, nós, homens
iniciados, éramos o que a maioria das pessoas entendia como mal. Eu
me lembrei da nossa verdadeira natureza, da minha verdadeira
natureza, quando ouvi o grito de Liliana. Os gritos dos russos não
tinham me afetado. Eu já tinha ouvido gritos piores antes. Mas aquele
grito agudo, não terminado de uma menina que eu fui designado para
proteger, foi como uma porra de uma facada no estômago.

1
ERRATA: Nos livros anteriores usamos a tradução para se referir aos Made Men
(homem feito, homem iniciado). Porém percebemos que para melhor o entendimento
seria mais correto deixar o termo em inglês. Na Máfia americana, um ‘made men’ é um
membro totalmente iniciado da Máfia.

~ 10 ~
A expressão em seus olhos foi o pior; eles me mostraram
exatamente o que eu era. Talvez um bom homem tivesse jurado ser
melhor, mas eu era bom em meu trabalho. A maioria dos dias eu até
gostava dele. Mesmo o rosto aterrorizado de Liliana não me fez querer
ser outra coisa que não um mafioso. Naquela época eu não tinha
percebido que este vislumbre de brutalidade não era a pior maneira que
eu iria estragar a sua vida.

*****

LILIANA
Eu acordei com algo quente e macio debaixo do meu corpo. Minha
mente estava lenta, mas as lembranças eram claras, me foquei ao redor
quando finalmente ousei abrir os olhos. Um movimento no canto atraiu
a minha atenção. Romero se encostou na parede à minha frente. Eu
rapidamente fiz uma verificação no quarto em que estava. Era um
quarto de hóspedes, e eu estava sozinha com Romero, a porta estava
fechada. Sem os efeitos persistentes do que Matteo injetou em mim
mais cedo, eu teria começado a gritar outra vez. Em vez disso, assisti
em silêncio quando Romero andou em minha direção. Eu não estava
certa porque tinha pensado nele como inofensivo, agora cada
movimento dele gritava perigo. Quando ele quase chegou à cama, eu me
encolhi, me pressionando contra o travesseiro. Romero parou, seu olhar
escuro amoleceu, mas a sua bondade não podia mais me enganar, não
depois do que eu tinha visto. — Está tudo bem. Você está segura.

Eu nunca me senti não segura em minha vida – até agora. Eu


queria a minha ignorância de volta. Eu não disse nada.

Romero pegou um copo de água da mesa de cabeceira e o


estendeu para mim. Meus olhos procuraram a pele de suas mãos para
ver o sangue, mas ele deve ter limpado completamente. Não havia o
menor sinal de vermelho, nem mesmo entre os dedos ou sob suas
unhas. Ele provavelmente tinha muita prática em limpar o sangue. A
bile subiu à minha garganta com o pensamento.

— Você precisa beber, criança.

Meus olhos voaram para o seu rosto. — Eu não sou uma criança.

~ 11 ~
O fantasma de um sorriso cruzou o rosto de Romero. — Claro que
não, Liliana.

Procurei em seus olhos a zombaria, tentando obter uma dica da


escuridão que tinha estado lá no porão, mas ele se parecia com o cara
bom que eu queria que ele fosse. Me sentei e peguei o copo dele. Minha
mão tremia, mas eu consegui não derramar água sobre mim. Depois de
dois goles eu entreguei o copo de volta a Romero.

— Você pode ir ver suas irmãs em breve, mas primeiro Luca quer
ter uma palavra sobre o que você viu hoje, — ele disse calmamente.

O medo me espetou como uma lâmina fria. Eu deslizei para fora


da cama quando alguém bateu, Luca entrou em seguida. Ele fechou a
porta. Meus olhos dispararam dele para Romero. Eu não queria
desmoronar como eu tinha feito antes, mas eu podia sentir outro
ataque de pânico empurrando através das drogas na minha corrente
sanguínea. Eu nunca tinha estado sozinha com eles, e após os
acontecimentos de hoje, era demais.

— Ninguém vai te machucar, — disse Luca em sua voz profunda.


Eu tentei acreditar nele. Aria parecia amá-lo, então ele não podia ser
ruim, e ele não estava no porão torturando os russos. Arrisquei outro
olhar para Romero, cujos olhos pousaram em mim.

Abaixei meu rosto. — Eu sei, — eu finalmente disse, o que


provavelmente soou como uma grande mentira. Eu respirei fundo e
nivelei o meu olhar no queixo de Luca. — Você queria falar comigo?

Luca assentiu. Ele não chegou mais perto, nem Romero. Talvez o
meu medo fosse claro como o dia para eles. — Você não pode dizer a
Aria sobre o que viu hoje. Ela vai ficar chateada.

— Eu não vou dizer a ela, — eu prometi rapidamente. Eu nunca


tive a intenção de falar com ela. Eu não queria recordar os
acontecimentos, muito menos contar a alguém sobre eles. Se eu
pudesse, eu limparia a minha memória instantaneamente.

Luca e Romero trocaram um olhar, então Luca abriu a porta. —


Você é muito mais razoável do que sua irmã Gianna. Você me faz
lembrar de Aria.

De alguma forma, suas palavras me fizeram sentir como uma


covarde. Não porque Aria era uma. Ela era tão corajosa quanto Gianna,
cada uma da sua maneira. Mas eu me senti uma covarde porque
concordei em manter silêncio por razões egoístas, porque eu queria

~ 12 ~
esquecer e não porque eu proteger Aria da verdade. Eu tinha certeza
que ela teria lidado com isso melhor do que eu.

— Você pode levar ela até Gianna, mas se certifique de que ela
não fique caminhado pela casa outra vez, — disse ele para Romero.

— E Aria? — eu soltei.

Luca ficou tenso. — Ela está dormindo. Você pode vê-la mais
tarde — com isso, ele saiu.

Eu passei meus braços em volta da minha cintura. — Os meus


pais sabem o que aconteceu?

— Sim. Seu pai vem buscar vocês assim que terminar seus
negócios, e então vocês voltarão para Chicago. Provavelmente na parte
da manhã — Romero esperou, mas eu não me mexi. Por alguma razão o
meu corpo se irritou com a ideia de ir para mais perto dele, o que era
ridículo, considerando que não muito tempo atrás eu tinha fantasiado
sobre beijá-lo.

Ele abriu a porta e deu um passo atrás. — Tenho certeza que sua
irmã Gianna está ansiosa para ver você.

Respirando fundo, eu me forcei a caminhar em sua direção. Seu


corpo estava relaxado e seu rosto amável, e apesar do terror e medo
ainda fervendo no fundo do meu corpo, meu estômago vibrou levemente
quando eu passei por ele. Talvez fosse choque. Eu não poderia
continuar a ter uma queda por ele depois de hoje.

~ 13 ~
Capítulo Dois
LILIANA

Sempre que eu pensava que eu tinha superado o que aconteceu


em setembro passado, alguma coisa me lembrava daquele dia e meu
estômago dava um nó apertado novamente. Como hoje, quando Gianna
e eu fomos até Matteo, Aria e Luca. Meu pai tinha finalmente cedido e
permitiu que eu e minha irmã fôssemos visitar Nova York para celebrar
o meu aniversário de quinze anos.

— Você está bem? — perguntou Gianna baixinho, me assustando


em meu nervosismo. Só de estar de volta em Nova York e ver Matteo e
Luca novamente era o suficiente para encher o meu nariz com o cheiro
doce de sangue fresco.

— Sim, — eu disse rapidamente. Eu não era mais uma garotinha


que precisava de suas irmãs mais velhas para protegê-la. — Estou bem.

Aria correu em nossa direção quando quase os tínhamos


alcançado, e jogou seus braços ao redor de nós duas. — Eu senti tanta
falta de vocês.

Estar junto com minhas irmãs era incrível, e eu não pude deixar
de sorrir. Eu mesma teria andado direto para aquele porão, se isso
significava que eu poderia ver elas novamente.

Aria me abraçou uma vez mais. — Você está tão alta quanto eu
agora. Ainda me lembro quando você não queria ir a lugar nenhum sem
segurar a minha mão.

Eu olhei rapidamente em volta, mas felizmente não havia


ninguém por perto para ouvir o que ela disse. — Não diga isso quando
Romero estiver por perto. Onde está ele, de qualquer maneira? —
percebi um momento depois e tarde demais como soei idiota, e corei.

~ 14 ~
Aria riu. — Ele provavelmente está em seu apartamento.

Dei de ombros, mas não havia mais como disfarçar. Não era
porque eu tinha esquecido o sangue nas mãos de Romero, mas por
alguma razão eu não estava com tanto medo dele como eu estava de
Matteo, ou mesmo de Luca. E eu só percebi o quanto quando fomos em
direção a eles. Meu coração acelerou e eu podia sentir um ataque de
pânico subindo. Eu não tinha tido um em semanas, então lutei
desesperadamente.

— A aniversariante, — Matteo disse com um sorriso. Como


poderia aquele cara charmoso ser a mesma pessoa que eu tinha visto
coberta de sangue no porão?

— Ainda não, — eu disse. Eu podia sentir o meu pânico sumindo.


Na vida real Matteo não era tão assustador quanto nas minhas
lembranças. — A menos que você tenha um presente antecipado para
mim.

— Eu gosto da maneira como você pensa, — disse Matteo com


uma piscadela. Ele pegou a minha mala, e então estendeu seu braço.
Olhei para Gianna. — Você não vai levar a bagagem de Gianna? — eu
não queria que Gianna pensasse que eu estava flertando com seu noivo,
embora ela não parecesse gostar muito dele a maior parte do tempo.

— Luca pode cuidar dela, — disse Matteo.

Gianna olhou para ele antes de me dar um sorriso. — Vá em


frente.

Eu aceitei o braço de Matteo. Eu não tinha certeza do por que


Gianna o desprezava tanto. E isso tinha começado antes do porão,
então não era isso. Mas não era da minha conta, e Gianna não iria falar
sobre seus sentimentos comigo de qualquer maneira. Isso era com Aria.
Na cabeça delas, eu sempre fui muito jovem para entender. Mas eu
sabia mais do que elas pensavam.

*****

Cinquenta minutos depois, chegamos ao prédio de Luca e Aria.


Eu chequei o meu reflexo nos espelhos do elevador, me certificando de
que a minha maquiagem estava no lugar e eu não tinha nada entre os
dentes. Fazia meses desde que eu tinha visto Romero pela última vez e

~ 15 ~
queria causar uma boa impressão. Mas quando entramos no
apartamento, ele ainda não estava lá. Meus olhos dispararam ao redor
e, eventualmente, Aria se inclinou para mim, sussurrando. — Romero
não está por perto porque Matteo e Luca estão aqui para nos proteger.

— Eu não estava procurando por ele, — eu disse rapidamente,


mas ela não acreditou. Eu olhei para longe antes que ela pudesse ver o
meu rubor.

— Claro, — Aria disse com um sorriso. — Ele vai vir mais tarde,
quando Matteo e Luca saírem para os negócios.

Uma excitação borbulhou dentro de mim, mas era misturada com


enjoo e nervosismo também. Eu tinha pesadelos ocasionais sobre
aquela noite no porão, não sobre Romero em particular, mas eu me
perguntava se um encontro ao vivo traria à tona mais dessas coisas
ruins. Mas essa não era a principal razão pela qual eu estava nervosa.
Até agora Romero tinha sempre me ignorado, bem, não eu, mas a
minha paquera. Ele me tratava como uma criança. Talvez ele finalmente
mostrasse mais interesse, ou algum interesse. Afinal, eu estava fazendo
quinze anos e não era como se eu não tivesse pegado muitos dos
soldados do meu pai de olho em mim. Talvez eu não fosse o tipo de
Romero, não importava a minha idade. Eu nem sequer sabia se ele
estava namorando ou era prometido a alguém.

Durante o jantar, eu podia dizer que Aria e Gianna estavam


trocando olhares furtivos. Eu não sabia o que isso significava. Elas
estavam falando de mim?

O elevador apitou e iniciou a sua descida para quem o tivesse


chamado.

— É Romero, — disse Aria. Luca me deu um olhar estranho, mas


eu não reagi, apenas balancei a cabeça como se eu não me importasse,
mas fiquei feliz com o aviso de Aria.

— Eu preciso ir ao banheiro, — eu disse, tentando parecer casual.


Gianna revirou os olhos. Peguei minha bolsa do chão e corri para o
banheiro das visitas. Quando fechei a porta, ouvi as portas do elevador
sendo abertas. Um momento depois, a voz de Romero tocou meus
ouvidos. Era profunda, mas não áspera. Eu amava o som dela.

Eu enfrentei o espelho e rapidamente retoquei a minha


maquiagem e arrumei o meu cabelo loiro curto. Não era tão brilhante e
bonito como o de Aria e não era atraente como o cabelo ruivo de
Gianna, mas poderia ser pior. Os outros iriam perceber que eu tinha ido

~ 16 ~
ao banheiro me fazer mais apresentável, pelo menos minhas irmãs com
certeza notariam, mas eu não me importava. Eu queria ficar bonita
para Romero. Tentando parecer tranquila, saí do banheiro. Romero
tomou assento na mesa e estava servindo um prato com o que sobrou
da nossa sobremesa: Tiramisu e Panna Cotta. Ele estava sentado na
cadeira ao meu lado. Olhei para Aria me perguntando se ela tinha algo
a ver com isso. Ela simplesmente sorriu para mim, mas Gianna nem se
incomodou em esconder a sua diversão. Eu realmente esperava que ela
não fosse me envergonhar na frente de todos. Eu caminhei até a minha
cadeira, esperando que eu parecesse crescida e descontraída, mas além
de um sorriso rápido, Romero não me deu qualquer atenção. Decepção
se abateu pesadamente no meu estômago. Me sentei ao lado dele e
tomei um gole da minha água, mais para ter algo para fazer do por
estar realmente com sede.

Se eu pensei que o desinteresse óbvio de Romero por mim tinha


sido a completa extensão da minha vergonha, eu estava redondamente
enganada. Uma vez que Matteo e Luca tinham saído para algum tipo de
reunião de negócios, ficou óbvio que Gianna e Aria estavam procurando
uma chance de ficarem sozinhas. Elas poderiam ter apenas me pedido
para sair, mas aparentemente elas também precisavam se livrar de
Romero. Aria se inclinou para sussurrar no meu ouvido. — Você pode
distrair Romero por um tempo? É importante — eu não tive a chance de
recusar ou fazer qualquer pergunta.

— Romero, por que você não joga Scrabble2 com Lily? Ela parece
estar incrivelmente entediada, e eu e Aria precisamos conversar um
momento, — disse Gianna incisivamente.

Meu rosto queimou com vergonha. Gianna geralmente sabia como


me constranger assim. Ela fazia soar como se Romero precisasse cuidar
das crianças enquanto ela e Aria discutiam coisas importantes.

Romero saiu da cozinha, onde ele estava verificando seu celular, e


parou ao meu lado na mesa da sala de jantar. Eu mal conseguia olhar
para ele. O que ele pensava de mim agora? Olhei para cima através dos
meus cílios. Ele não parecia irritado, mas isso não significava que ele
realmente queria passar sua noite me entretendo. Ele era um guarda-
costas, e não uma babá. — Minha irmã parece que prefere passar o
tempo dela com você, — disse Gianna. Em seguida, seus olhos
castanhos desceram em mim. — Você tem certeza que quer jogar

2
Scrablle é um jogo onde as pessoas ganham letras (cada letra tem uma pontuação,
as vogais valem menos e as consoantes, mais) e devem formar palavras. Quanto maior
a palavra e mais consoantes usar, mais pontua. Ganha quem fizer mais pontos.

~ 17 ~
Scrabble comigo? — ele perguntou, e eu não pude deixar de sorrir.
Poucas pessoas já pararam para me perguntar o que eu queria, e até
mesmo as minhas irmãs, ocasionalmente, esqueciam que eu era uma
pessoa com as minhas próprias opiniões e desejos.

Aria e Gianna me deram um olhar significativo. Eu precisava


convencer Romero de que eu queria ficar com ele ou eu estragaria as
coisas para elas. — Sim, eu realmente quero jogar Scrabble com você.
Eu adoro esse jogo, por favor? — eu disse com um sorriso brilhante. Eu
nem sequer me lembrava quando tinha jogado pela última vez. Nossa
família nunca jogava jogos de tabuleiro.

Romero olhou para minhas irmãs. Havia um indício de suspeita


em seu rosto. — Vocês poderiam se juntar a nós, — disse ele.

— Eu prefiro jogar sozinha com você, — eu disse em um tom de


flerte. Gianna piscou para mim quando Romero não estava olhando. —
Minhas irmãs odeiam Scrabble, assim como todo mundo que eu
conheço. Você é minha única esperança.

Um sorriso puxou os lábios de Romero e ele concordou. — Tudo


bem, mas seja paciente. Faz um tempo desde que eu joguei pela última
vez.

Jogar Scrabble com Romero foi realmente muito divertido. Era a


primeira vez que passávamos um tempo de verdade só nós dois,
sozinhos. Eu levantei o olhar da palavra que eu tinha acabado de
formar, debatendo se eu deveria fazer a pergunta que estava queimando
um buraco no meu estômago. Romero estava ocupado tentando
descobrir sua próxima palavra. Suas sobrancelhas escuras estavam
arqueadas juntas de uma maneira adorável. Eu queria me inclinar e
beijar ele. — Você tem namorada? — eu soltei quando não consegui
mais segurar. E então eu queria morrer ali mesmo. Aparentemente, eu
não precisava das minhas irmãs para me envergonhar. Eu estava indo
muito bem por conta própria.

Romero olhou para cima. Havia surpresa e diversão em seu rosto.


Eu podia sentir um rubor viajando até o meu pescoço. Muito bem, Lily.
Eu tinha soado como uma idiota. — É essa a sua maneira de me
distrair do jogo para que você possa ganhar?

Eu ri, feliz que ele não estivesse com raiva de mim por fazer uma
pergunta tão pessoal. Ele voltou sua atenção para as letras na sua
frente, e minha diversão desapareceu quando percebi que ele não tinha
respondido à minha pergunta. Isso significava que ele tinha uma

~ 18 ~
namorada? Eu não poderia perguntar novamente sem soar
desesperada.

Eu afundei ainda mais na minha cadeira, irritada. Meus olhos


dispararam em direção ao terraço da cobertura, onde minhas irmãs
estavam.

Aria e Gianna provavelmente pensavam que eu não sabia que elas


estavam tramando algo. Elas pensavam que eu estava alheia a tudo
acontecendo ao meu redor. Só porque eu estava flertando com Romero
não significava, no entanto, que eu não percebia os olhares secretos que
elas compartilhavam. Eu não perguntava, porque eu sabia que elas não
iam me dizer de qualquer jeito, e eu me sentiria ainda mais como o
estepe de um carro. Elas não faziam isso para serem cruéis, mas
machucava mesmo assim. Aria parecia chateada com algo que Gianna
tinha dito. Eu tive que resistir à tentação de ir até elas e tentar a minha
sorte.

— É a sua vez, — a voz de Romero me fez pular.

Corei e rapidamente fiz uma varredura das palavras no tabuleiro,


mas a minha concentração tinha acabado.

— Você quer parar? — Romero perguntou depois de alguns


minutos. Parecia que era algo que ele queria. Ele provavelmente estava
entediado como o inferno.

Empurrando a minha decepção para baixo, eu assenti. — Sim. Eu


vou ler um pouco no meu quarto, — me levantei esperando que meu
rosto não mostrasse as minhas emoções, mas eu não precisava me
preocupar. Romero me deu um sorriso distraído e pegou seu telefone
para verificar as mensagens. Recuei lentamente. Ele não olhou para
mim outra vez. Eu precisava descobrir uma maneira de chamar a sua
atenção, uma que não envolvesse jogos estúpidos.

*****

Aria tinha decorado o apartamento inteiro com balões para o meu


aniversário, como se eu fosse uma criança no jardim de infância. Eu
pensei que estaria autorizada a ir a um dos clubes de Luca, mas ele e
até mesmo Aria se recusaram a me levar. A quantidade de comida na
mesa fazia parecer como se uma grande festa tivesse sido planejada,
mas era só nós e as duas irmãs mais novas de Romero. Aria pediu a ele

~ 19 ~
para trazê-las. Eu me senti como uma garota solitária e sem amigos,
que precisava da sua irmã mais velha para encontrar amigos para ela.
Talvez eu devesse ter ficado em Chicago, então pelo menos eu poderia
ter passado o dia com os meus próprios amigos.

Quando Romero chegou com suas irmãs, eu coloquei o meu mais


brilhante sorriso. — Feliz aniversário, Liliana, — disse ele, me
entregando um envelope. Era um vale-presente de uma livraria. — Aria
disse que você gosta de ler.

— Sim, obrigada, — eu disse, mas de alguma forma eu esperava


um presente diferente de Romero. Algo pessoal, algo que mostrasse que
eu era especial.

— Estas são minhas irmãs, — ele apontou para a garota mais alta
com cachos castanhos espessos. — Este é Tamara, ela tem quinze anos
como você, — eu sorri e assim fez Tamara, mas ela parecia tão
envergonhada quanto eu. — E esta é Keira, ela tem doze. Tenho certeza
que vocês vão se entender muito bem — era óbvio que eu deveria passar
tempo com elas, porque eu ainda era muito jovem para sair com Aria,
Luca e os outros. Isso me incomodou, mesmo que Tamara e Keira
parecessem bastante legais, mas eu não tinha vindo para Nova York
para uma festa de criança. Com outro sorriso, Romero se dirigiu até
Luca e Matteo, e eu levei suas irmãs até Aria e Gianna, na direção do
buffet.

Eu tentei o meu melhor para desfrutar da noite e ser boa para as


irmãs de Romero, mas eu queria algo especial para o meu aniversário,
algo que eu tinha sonhado há muito tempo. Quando eu notei Romero
saindo para o terraço para atender uma ligação, escapei para fora
também. Os outros felizmente estariam ocupados demais para não me
notarem por alguns minutos. Romero falava ao telefone e não me viu
em um primeiro momento. O segui em silêncio e vi quando ele se
encostou no corrimão. As mangas arregaçadas até os cotovelos,
revelando os antebraços musculosos.

Quando seus olhos pousaram em mim, suas sobrancelhas se


uniram em uma carranca e ele se endireitou. Cheguei mais perto e me
posicionei ao lado dele. Ele desligou e colocou o telefone no bolso. —
Você não deveria estar lá dentro com seus convidados? — perguntou ele
com um sorriso, mas eu poderia dizer que não era tão honesto como de
costume.

Cheguei um pouco mais perto e sorri para ele. — Eu precisava de


um pouco de ar fresco.

~ 20 ~
Os olhos de Romero estavam em alerta enquanto me observavam.
— Nós devemos voltar.

— Há algo que eu quero de aniversário, — eu disse calmamente.


— Algo que só você pode me dar, — eu tinha repetido as palavras na
minha cabeça várias vezes, mas em voz alta elas não eram nem a
metade de tão sedutoras como eu tinha imaginado.

— Lily, — Romero começou, seu corpo cheio de tensão.

Eu não queria ouvir o que ele ia dizer. Eu rapidamente fiquei na


ponta dos pés e tentei beijá-lo. Ele agarrou meus ombros antes de meus
lábios alcançarem os seus e me segurou longe dele como se eu tivesse
uma doença infecciosa.

— O que você está fazendo? — ele me soltou e deu alguns passos


para trás. — Você é uma criança, e eu sou um soldado da Família. Eu
não sou um brinquedo com o qual você pode jogar quando está
entediada.

Eu não esperava esse tipo de reação dele. Surpresa e choque,


sim, mas raiva? Não. — Eu só queria te beijar. Eu não quero jogar. Eu
gosto de você.

Romero balançou a cabeça, e em seguida fez um gesto para a


porta de vidro. — Volte para dentro. Suas irmãs vão começar a procurar
por você.

Ele soou como um irmão mais velho, e essa era a última coisa que
eu queria que ele fosse. Eu me virei antes de sair correndo. Meu
coração murchou em meu peito. Por alguma razão, eu nunca tinha
considerado uma rejeição de Romero. Eu fantasiava sobre o nosso
primeiro beijo com tanta frequência que a opção de ele não acontecer
nunca tinha passado pela minha cabeça. Pelo resto da noite, eu lutei
para manter uma cara feliz, especialmente quando eu via Romero. Eu
estava realmente contente de voltar para Chicago. Eu não ia ficar e não
ia ver Romero por um longo tempo, tempo suficiente para superar ele e
encontrar alguém que me ajudasse a esquecer.

*****

ROMERO

~ 21 ~
Eu sabia que Liliana tinha uma queda por mim. Aria tinha
mencionado isso antes, mas eu nunca esperei que a menina fosse agir e
mostrar seus sentimentos. Ela era uma criança bonita. Uma criança.

Eu não tinha o menor interesse nela e logo ela entenderia isso.


Ela parecia estar sentindo a porra de uma dor quando eu a empurrei
para longe, mas eu não tinha escolha. Mesmo que ela não fosse uma
criança, eu não poderia deixar que ela me beijasse.

Quando voltei para a sala de estar, Luca andou até mim. — O que
foi aquilo? Por que Liliana foi até você?

Claro que ele tinha notado. Luca nunca perdia nada.

— Ela tentou me beijar.

As sobrancelhas de Luca subiram. — Eu suponho que você a


afastou.

— Você realmente tem que perguntar? Ela tem a idade da minha


irmã.

— Sua idade não é o principal problema. Pelo menos não aos


olhos do pai dela.

— Eu sei, — eu era um soldado, e meninas como Liliana deveriam


ficar em seus próprios círculos sociais.

Luca suspirou. — Essa menina vai dar tanto problema quanto


Gianna, se não mais.

Eu tinha a sensação de que ele poderia estar certo.

~ 22 ~
Capítulo Três
LILIANA
— Essa menina me deixa nervoso! Desde o dia em que ela nasceu
não foi nada além de problemas! — as palavras do meu pai ecoaram
pela casa. Fabiano olhou para mim como se eu soubesse as respostas
para suas perguntas. Minha própria mente era um enorme ponto de
interrogação. Eu não tinha certeza do que tinha acontecido, mas
conseguir pegar a essência. Gianna tinha desaparecido enquanto estava
em Nova York com Aria. Agora todo mundo estava procurando por ela.
Não admirava que Aria não tivesse me pedido para visitar ela também.
Não que eu estivesse muito interessada em voltar à Nova York depois do
meu último encontro constrangedor com Romero, quatro semanas
atrás. Mas ainda doeu que Aria e Gianna tivessem feito planos pelas
minhas costas, pelas costas de todo mundo.

Desci as escadas, fazendo sinal para Fabi ficar onde estava, e


então avancei em direção ao escritório do pai. Minha mãe estava lá,
chorando. O pai estava ao telefone, e apesar da sua raiva, aparentava
estar contido, então eu assumi que era o seu chefe, Cavallaro. Cavallaro
era a única pessoa que o pai verdadeiramente respeitava. Minha mãe
me viu na porta e rapidamente balançou a cabeça, mas eu dei mais um
passo para frente e entrei no escritório.

Eu sabia que era melhor ficar longe do pai quando ele estava com
o humor assim, mesmo que ele geralmente atacasse Gianna, e não a
mim, mas a minha irmã tinha ido embora agora.

Meu pai desligou, então estreitou os olhos para mim. — Será que
eu permiti que você entrasse?

Sua voz me atingiu como um chicote, mas eu mantive minha


posição. — O que aconteceu com Gianna?

Minha mãe me mandou um olhar de advertência.

~ 23 ~
— Sua irmã fugiu. Ela provavelmente conseguiu engravidar de
um idiota e arruinou a sua reputação e a da nossa família.

— Talvez ela volte, — eu sugeri. Mas de alguma forma eu sabia


que ela não iria. Isso não era um impulso, coisa de momento. Ela tinha
planejado isso, provavelmente por meses. Isso explicava todos os
segredos com Aria durante a nossa última visita a Nova York. Por que
elas não tinham me dito? Será que elas não confiavam em mim? Será
que elas pensavam que eu ia contar ao nosso pai na primeira chance
que tivesse? E então outro pensamento se enterrou no meu cérebro. Se
Gianna tinha ido embora, e se ela não tinha se casado com Matteo,
quem se casaria com ele? O medo tomou conta de mim. Será que meu
pai me faria casar com Matteo? Eu esperava poder casar por amor,
agora que minhas irmãs já haviam casado por razões táticas. Talvez
fosse uma coisa egoísta de pensar em uma situação como esta, mas eu
não podia fazer diferente. Uma imagem de Romero surgiu na minha
cabeça. Eu sabia que era bobagem pensar que ele viria para o
casamento. Ainda que Gianna voltasse e ainda que ela se casasse com
Matteo, seria quase impossível convencer o pai a me dar a um mero
soldado, especialmente um de Nova York. E então havia o problema de
que ele não me queria e eu prometi superá-lo.

Eu sabia tudo isso, mas não significava que eu não podia esperar
e sonhar, às vezes isso parecia tudo que eu podia fazer.

— Com quantos homens será que Gianna já esteve? Ela não vai
valer nada, mesmo que ela retorne, — meu pai cuspiu. Eu estremeci,
horrorizada com suas palavras duras. Não valer nada? Certamente
éramos mais para ele do que mercadoria para vender. Mais do que um
pequeno pedaço de carne entre as pernas?

Meu pai agarrou os meus ombros, os olhos queimando em mim.


Eu recuei, mas ele não me soltou. — Não pense que eu não vejo o que
você está fazendo com os meus soldados. Você é muito parecida com
Gianna. Eu não vou ter outra filha me fazendo de idiota.

— Eu não vou, — eu sussurrei. O pai nunca tinha falado comigo


naquele tom antes. Sua expressão e palavras me fizeram sentir barata e
indigna, como se eu precisasse limpar os meus pensamentos impuros.

— Está certo. Eu não me importo se eu tiver que trancar você em


seu quarto até o dia do casamento para proteger a sua reputação e
honra.

~ 24 ~
Isso não era sobre a minha reputação ou honra. Eu não me
importava com isso. Isso era tudo sobre o meu pai. Era sempre sobre os
homens na família, o que eles queriam e esperavam.

— Rocco, Lily é uma boa menina. Ela não vai fazer nada, —
minha mãe disse cuidadosamente. Isso não era o que ela geralmente me
dizia. Ela sempre me avisava que eu estava flertando muito, consciente
demais do efeito que meu corpo tinha sobre os homens. Mas eu estava
feliz com seu apoio, porque muitas vezes ela permanecia em silêncio
quando meu pai tinha atacado Gianna da mesma forma.

O pai me soltou e se virou para ela. — Era o seu trabalho criar


meninas decentes. Para o seu bem, espero que você esteja certa e que
Liliana não siga os passos de Gianna — a ameaça em sua voz me fez
estremecer. Como ele podia ser tão horrível com sua própria esposa?

Mamãe empalideceu. Eu recuei e ninguém tentou me parar. Eu


rapidamente corri para cima. Fabi esperava por mim, os olhos
arregalados e curiosos. — O que aconteceu? — ele perguntou com
medo.

Eu balancei a cabeça em resposta, sem humor para recapitular


tudo para ele, e saí em direção ao meu quarto.

Eu nunca tinha estado no centro da ira do pai assim. Mas agora


que Gianna tinha ido, ele iria manter um olho extra em mim, se
certificando de que eu era a mulher perfeita que ele queria que suas
filhas fossem. Eu sempre me senti livre, nunca entendi por que Gianna
se sentia tão presa por nossa vida, mas então comecei a entender. As
coisas iriam mudar a partir de agora.

*****

Nos meses desde a fuga de Gianna, as coisas em casa ficaram


tensas, na melhor das hipóteses. Meu pai explodia por causa das
menores coisas. Ele me bateu apenas duas vezes, mas Fabi não teve
tanta sorte. Mas pior do que a violência, era a sua constante suspeita, o
jeito que ele me olhava, como se eu fosse outro escândalo prestes a
acontecer. Minha gaiola dourada tinha se tornado um pouco menor,
apesar disso parecer quase impossível antes. Eu esperava que as coisas
fossem mudar agora que Matteo tinha achado Gianna e estava trazendo
ela de volta para Chicago. Talvez isso apaziguasse o pai, embora ele

~ 25 ~
parecesse longe de ser aplacado quando eu o vira pela última vez. Eu
não tinha certeza do que exatamente tinha acontecido, mas pelo que eu
entendi Gianna tinha sido apanhada com outro homem, e esse era o
pior cenário possível em nosso mundo. Meu pai provavelmente iria me
colocar algemas para me impedir de fazer o mesmo.

— Quando eles vão estar aqui? — perguntou Fabiano pela


centésima vez. Sua voz tinha um tom choroso e eu tive que me impedir
de gemer para ele em frustração.

Fabiano e eu estávamos esperando no patamar do primeiro andar


fazia vinte minutos, e minha paciência estava se esgotando.

— Eu não sei, — eu sussurrei. — Fique quieto. Se a mãe


descobrir que não estamos em nossos quartos, nós vamos estar em
apuros.

— Mas...

Vozes soaram abaixo. Eu reconheci uma delas como de Luca. Ele


conseguiria encher uma casa com ela; não era nenhuma surpresa,
considerando quão grande ele era.

— Eles estão aqui! — Fabiano correu para longe e eu fui logo


atrás dele, descendo as escadas.

Avistei Gianna imediatamente. Seu cabelo era castanho agora e


ela parecia totalmente exausta, mas ainda era a irmã que eu lembrava.
Nosso pai muitas vezes fez parecer como se ela fosse uma outra pessoa;
uma pessoa sem valor, horrível.

O pai enviou um olhar a mim e Fabi quando nos percebeu, mas


eu não me importei. Corri em direção a Gianna e passei meus braços
em torno dela. Eu tinha sentindo tanto a sua falta. Quando eu ouvi pela
primeira vez que ela tinha sido pega por Matteo, me preocupei que ele a
matasse, então ver ela ilesa foi um grande alívio.

— Eu não disse a você para mantê-los lá em cima? — o pai


assobiou.

— Sinto muito. Eles foram muito rápidos, — disse a mãe. Olhei


por cima do meu ombro para ver o seu rosto apologético descendo as
escadas. Desde a fuga de Gianna, meu pai esteve constantemente no
limite, e muitas vezes atacava ela também. Seus gritos tinham me
acordado mais de uma vez durante a noite. Eu não tinha certeza de
quando ele se tornou tão violento. Eu não me lembro dele sendo assim

~ 26 ~
quando eu era mais jovem, ou talvez eu só fosse menos consciente das
coisas.

— Lily, Fabi, voltem para seus quartos, — o pai ordenou. Eu


soltei Gianna e estava prestes a protestar, mas Fabi foi mais rápido do
que eu.

— Mas pai, nós não vimos Gianna há tempos, — resmungou Fabi.

Meu pai avançou sobre nós e eu tencionei. Ele raramente me


batia, mas ele parecia furioso. Ele agarrou Fabi e eu, e nos arrastou
para longe de Gianna. Então ele nos empurrou em direção à escada. —
Lá para cima, agora.

Eu tropecei com a força de seu impulso, mas quando recuperei o


equilíbrio, parei e não me mexi. Eu não podia acreditar que ele não ia
nos deixar falar com Gianna depois de tanto tempo.

— Está tudo bem, — disse Gianna, mas seu rosto contava uma
história diferente. Ela parecia magoada e triste e, geralmente, Gianna
não era alguém que mostrasse esse tipo de emoção. — Podemos
conversar mais tarde.

Meus olhos foram atraídos para algo atrás dela: Romero. Ele
estava de pé, forte e alto, enquanto os olhos estavam firmemente
focados no meu pai. Eu não o tinha visto em sete meses, e ao longo do
tempo eu pensei que tinha superado a minha paixão, mas vê-lo agora
fez meu estômago vibrar com borboletas novamente.

A explosão do pai chamou minha atenção de volta para ele. —


Não, vocês não podem. Eu não vou deixar você chegar perto deles. Você
não é mais minha filha, e eu não quero a sua podridão passando para
Liliana, — ele trovejou. Parecia que ele queria nada mais do que matar
Gianna. Isso me assustou. Ele não devia nos amar, seus filhos, não
importasse o quê? Se eu fizesse algo que ele desaprovasse, ele iria me
odiar também?

— Isso é besteira, — disse Matteo.

— Matteo, — disse Luca. — Isso não é da nossa conta — meus


olhos dispararam entre os dois, e então novamente na direção de
Romero, cuja mão estava debaixo do casaco. Uma parte minha torceu,
querendo ver ele em ação. Ele provavelmente era incrível lutando, e
uma parte ainda pior sabia que minha mãe, Fabi e eu estaríamos
melhor se o pai fosse embora.

~ 27 ~
Mamãe colocou os dedos ao redor do meu pulso e tomou a mão
de Fabi. — Venham agora, — disse ela insistentemente, nos puxando
em direção à escada e para o andar de cima.

— Está certo. Esta é a minha família, Gianna ainda está sujeita


às minhas regras e vocês estão na minha casa, — disse o pai.

— Eu pensei que eu não fosse mais sua filha, então por que eu
tenho que ouvir uma palavra do que você diz?

Minha cabeça se virou, atordoada com o veneno na voz de


Gianna.

— Cuidado, — o pai assobiou. — Você ainda faz parte da Outfit —


parecia que ele teria batido em Gianna se não fosse por Matteo, que a
segurou pela cintura. Mamãe tentou me puxar para cima, mas Romero
olhou para mim aquele momento e seus olhos encontraram os meus.
Sua rejeição no meu aniversário ainda estava fresca em minha mente, e
mesmo assim eu sabia que ainda queria beijá-lo. Por que às vezes eu
queria algo impossível? Algo que só levava a mais dor?

~ 28 ~
Capítulo Quatro
LILIANA
Às vezes, parecia que eu tinha que provar a mim mesma ao meu
pai a cada dia. Ele esperava que eu fizesse o que Gianna tinha feito,
mas eu não sabia como isso era sequer possível; ele nunca me deixava
fora da vista. A menos que eu resolvesse ter algo com meus guarda-
costas antigos, não havia nenhuma maneira que eu pudesse manchar
minha honra. Mas o pai ainda não tinha perdoado Gianna, e foi por isso
que eu a vi em quase dois anos. Ela foi proibida de vir a Chicago, e eu
não tinha permissão para visitar Nova York. Se não fosse pela
malandragem de Aria, eu não teria sequer sido capaz de falar com
Gianna ao telefone.

Às vezes até mesmo eu sentia raiva de Gianna, porque sua fuga


transformou a minha vida em um inferno. Talvez o pai fosse menos
rigoroso se Gianna tivesse jogado pelas regras. E então havia momentos
em que eu admirava a sua ousadia. Não houve uma noive em que eu
não sonhei com liberdade. Eu não queria fugir, na verdade, mas eu
gostaria de poder ter mais liberdade em minha vida. Liberdade de
encontrar, de me apaixonar e de estar com essa pessoa.

Eu nem sequer me lembrava de como era a sensação de estar


apaixonada. Assim como Gianna, eu também não tinha visto Romero
nesses dois anos. O que eu sentia por ele naquela época não tinha sido
amor, nem perto disso. Foi admiração e fascínio, eu sabia disso agora.
Mas não tinha havido mais ninguém. Claro, era difícil encontrar alguém
para se apaixonar se você ia para uma escola onde só havia garotas e
não tinha autorização de ir a qualquer lugar sozinha.

O som de vidro quebrando lá embaixo me arrancou dos meus


pensamentos. Eu pulei fora da minha cama e abri a minha porta. —
Mãe? — eu disse. Ela esteve fora toda a manhã. Não houve resposta,
mas eu podia ouvir alguém se movendo na cozinha.

~ 29 ~
Me arrastei fora do meu quarto e desci as escadas. — Mãe? — eu
tentei de novo quando eu tinha quase chegado à porta da cozinha.
Ainda sem resposta. Empurrei a porta aberta e entrei. Havia uma
garrafa de vinho quebrada no chão, vinho tinto derramado em volta
dela. A mãe estava ajoelhada ao lado dela, a saia cor creme levemente
absorvendo o líquido, mas ela não parecia notar. Ela estava olhando
para um caco na palma da mão como se a fosse a resposta a todas às
suas perguntas. Eu nunca a tinha visto assim. Andei na sua direção. —
Mãe? — eu quase nunca a chamava assim, mas parecia a escolha certa
para o momento.

Ela olhou para cima, seus olhos azuis marejados e sem foco. —
Oh, você está em casa?

“Onde mais eu estaria?” eu queria perguntar, mas em vez disso,


toquei o seu ombro e disse, — Qual é o problema? Você está bem?

Ela olhou para o pedaço quebrado de vidro em sua mão


novamente, e então deixou cair no chão. Eu a ajudei a se levantar. Ela
não estava firme em suas pernas e eu podia sentir o cheiro de álcool em
seu hálito. Ainda era cedo para começar a beber, e ela não era
realmente de beber muito.

— Eu estava no médico.

Eu congelei. — Você está doente? O que está errado?

— Câncer de pulmão, — disse ela com um pequeno encolher de


ombros. — Estágio três.

— Mas você nunca fumou! Como isso é possível?

— Pode acontecer, — disse ela. — Eu vou ter que começar a


quimioterapia em breve.

Eu passei meus braços em torno dela, me sentindo impotente e


pequena sob o peso de sua notícia. — O pai sabe?

— Eu não consegui encontrá-lo. Ele não atende ao telefone.

Claro que não. Por que ele deveria atender a um telefonema de


sua esposa? Ele estava, provavelmente, com uma de suas amantes. —
Nós precisamos contar para Aria e para Gianna. Elas precisam saber.

Mamãe agarrou meu braço. — Não, — ela disse com firmeza. —


Isso vai arruinar o Natal. Eu não quero que eles saibam ainda. Não há
nenhuma razão para preocupá-las. Eu não falei com Gianna em muito

~ 30 ~
tempo, de qualquer maneira, e Aria tem o suficiente em suas costas
como a esposa de um Capo.

— Mas mãe, elas deveriam saber.

— Me prometa que você não vai contar, — ela exigiu.

Eu balancei a cabeça lentamente. O que mais eu poderia fazer?

*****

Duas horas mais tarde, ouvi o pai chegar em casa e mais trinta
minutos depois, escutei os passos leves da minha mãe no corredor do
andar de cima, e a porta do quarto principal foi fechada. Eu estava
sozinha. O pai ainda estava lá embaixo? Eu deixei meu quarto e fui
para o seu escritório no primeiro andar. Após um momento de
hesitação, eu bati. Eu precisava falar com ele.

Nossa festa de Natal era em duas semanas e agora que minha


mãe estava doente, Gianna devia ser convidada. Ela e mamãe deveriam
ter a oportunidade de passar algum tempo juntas e se reaproximar.

— Entre, — disse meu pai.

Abri a porta e coloquei a cabeça para dentro, meio que esperando


vê-lo arrasado e chorando, mas ele estava debruçado sobre alguns
papéis, trabalhando. Eu entrei, confusa. — Mamãe falou com você? —
talvez ela não tivesse contado a ele sobre o câncer.

Ele olhou para cima. — Sim. Ela vai dar início ao tratamento com
o melhor médico de Chicago na próxima semana.

— Oh, certo. — fiz uma pausa, esperando algo mais dele, mas ele
me observava sem uma pitada de emoção em seu rosto. — Eu estava
pensando que a mãe precisa do apoio de sua família, agora mais do que
nunca. De toda a sua família.

O pai ergueu as sobrancelhas. — E?

— Eu acho que nós deveríamos convidar Gianna para a nossa


festa de Natal. Ela e a mãe não se veem há muito tempo. Tenho certeza
que mamãe ficaria muito feliz em ver Gianna novamente.

~ 31 ~
O rosto do pai escureceu. — Eu não vou ter aquela prostituta na
minha casa. Matteo a perdoou, até mesmo se casou com ela apesar das
suas transgressões, mas eu não sou tão bondoso.

Não, definitivamente bondoso não era uma palavra que eu usaria


para o meu pai. — Mas a mãe precisa de todo apoio que ela possa ter.

— Não, e essa é a minha palavra final, — ele rosnou. — E sua


mãe não quer que as pessoas saibam sobre a sua doença. Elas só iam
começar a me perguntar se eu convidei Gianna. Nós vamos agir como se
nada estivesse errado. Você não vai contar nem para suas irmãs, ou
qualquer outra pessoa, entendeu?

Eu balancei a cabeça. Mas como eu poderia esconder esse tipo de


segredo de todo mundo?

*****

A casa estava lindamente decorada para a nossa festa de Natal.


Tudo estava perfeito. O cheiro de carne assada e purê de batatas
trufadas enchia a sala, mas eu não conseguia apreciá-lo. Mamãe
passou ontem e a maior parte desta manhã vomitando por causa do seu
tratamento. Com várias camadas de maquiagem você não poderia dizer
como ela estava pálida, mas eu sabia. Apenas papai e eu sabíamos.
Mesmo Fabi não tinha a menor ideia.

Aria e Luca chegaram poucos minutos antes dos outros


convidados. Eles estavam hospedados em um hotel, então não seria
muito difícil esconder deles o estado de saúde da mamãe. Aria abriu um
grande sorriso quando me viu e me abraçou. — Deus, Lily. Você está
tão bonita.

Eu lhe dei um grande sorriso. Eu estava tão animada quando


encontrei esse vestido prateado algumas semanas atrás, porque ele me
fazia sentir adulta e acentuava todas as minhas curvas nos lugares
certos, mas hoje o meu entusiasmo sobre algo como uma peça de roupa
parecia ridículo.

Aria se afastou e estudou o meu rosto. — Está tudo bem?

Eu balancei a cabeça rapidamente e voltei minha atenção para


Luca, que estava esperando pacientemente atrás da minha irmã por
sua vez. Ele me deu um abraço. Eu ainda me sentia estranha por ele

~ 32 ~
me cumprimentar dessa forma. — O pai ainda está em seu escritório e a
mãe está na cozinha, — eu expliquei. Pelo menos eu esperava que a
mãe não estivesse no banheiro, vomitando novamente.

Luca passou por mim e meu olhar pousou em Romero, que estava
escondido atrás da estrutura maciça de Luca. Meus olhos se
arregalaram com a visão dele. Eu não esperava que ele viesse. No ano
passado Luca tinha vindo sozinho com Aria. Afinal de contas, ele era
mais do que capaz de protegê-la.

— Olá, — eu disse casualmente, soando de forma mais composta


do que eu sentia. Eu ainda não tinha superado totalmente a minha
paixão por Romero, mas percebi com alívio que eu não também não era
mais aquela bagunça que estremecia ao seu redor. Os últimos meses e
semanas tinham me mudado.

*****

ROMERO
Luca tinha negócios para tratar com Scuderi e Dante Cavallaro;
essa foi a única razão pela qual eu vim para Chicago com eles. E agora
quando eu estava na porta da mansão Scuderi, olhando para Liliana,
me perguntei se eu não deveria ter arranjado uma desculpa. A última
vez que eu vi Lily ela ainda era uma menina, e mesmo que ela ainda
não fosse uma mulher, tinha crescido muito. Ela estava deslumbrante
pra caralho. Era difícil não olhar para ela. E era fácil esquecer que
ainda havia alguns meses até que ela se tornasse maior de idade, fácil
de esquecer que ela estava fora do meu alcance.

Ela inclinou a cabeça em saudação e deu um passo atrás. Onde


estava a menina que corava e flertava? Tive que admitir que fiquei triste
que ela não estava me dando o seu sorriso sedutor, embora isso sempre
tivesse me incomodado no passado.

Segui Luca e Aria para dentro de casa. Eu podia ouvir os passos


de Lily próximos atrás de mim, podia sentir o seu perfume floral e até
mesmo ver o seu corpo esguio com o canto do meu olho. Precisei de
muito controle para não virar a cabeça por cima do meu ombro e dar
outra boa olhada dela.

~ 33 ~
Passei as próximas duas horas observando ela discretamente
enquanto fingia estar ocupado cuidando de Aria, não que eu tivesse
muito que fazer de qualquer maneira. Mas quanto mais eu observava
Lily, mais eu percebia que algo estava errado. Sempre que ela pensava
que ninguém estava prestando atenção, ela parecia desinflar e seu
sorriso desaparecia, seus ombros caiam. Ela era uma boa atriz quando
estava dando toda sua atenção, mas seus poucos momentos de
desatenção eram o suficiente para mim. Ao longo dos anos, servindo
como guarda-costas, eu tinha aprendido a estar ciente até mesmo dos
pequenos sinais.

Quando ela deixou a sala e não voltou, a preocupação me


superou. Mas ela não era minha responsabilidade. Aria era. Olhei para
a mulher de Luca. Ela estava em uma profunda conversa com sua mãe
e Valentina Cavallaro. Me desculpei. Ela estaria segura aqui. Luca
estava na sala da frente, no que parecia ser uma discussão com Dante e
Scuderi.

Uma vez que eu me encontrei no saguão, hesitei. Eu não tinha


certeza de onde Liliana tinha ido e eu não podia procurar na casa
inteira por ela. Se alguém me encontrasse, poderia pensar que eu
estava espionando para Luca. Um som no corredor à minha direita
chamou a minha atenção, e depois de ter certeza que eu estava sozinho,
segui por ali até que avistei Liliana. Ela estava encostada na parede, a
cabeça jogada para trás, os olhos fechados. Eu podia dizer que ela
estava tentando se manter focada e, ainda assim, era um espetáculo a
ser visto. Fodidamente linda. Um dia um homem teria muita sorte de
estar casado com ela.

A ideia de vê-la casada mexeu comigo, mas eu não podia ter essa
reação estranha. Andei em direção a ela, me certificando de fazer os
meus passos audíveis para que ela soubesse que não estava mais
sozinha. Ela ficou tensa, abriu bem os olhos, e quando me viu, relaxou
e fechou os olhos outra vez. Eu não tinha certeza do que fazer a partir
da sua reação à minha presença. Parei a alguns passos dela. Meu olhar
viajou pelas suas pernas longas e magras, e então eu rapidamente voltei
para o seu rosto. — Liliana, está tudo bem? Você saiu faz um tempo.

— Por que você insiste em me chamar de Liliana quando todo


mundo sempre me chama de Lily? — ela abriu os olhos de novo e deu
um sorriso amargo. Ela tinha os olhos azuis mais incríveis do caralho.
— Foi a minha irmã que pediu para você me vigiar? — ela perguntou
em tom acusador.

~ 34 ~
Como se eu precisasse de alguém para me dizer para fazer isso.
Tinha sido quase impossível tirar os meus olhos de Liliana esta noite. —
Não, ela não pediu, — eu disse simplesmente.

Seus olhos azuis pareciam confusos, então ela virou o rosto para
o lado, me deixando olhar seu perfil. Seu queixo tremeu, mas ela
engoliu em seco e sua expressão endureceu. — Você não precisa ir
cuidar de Aria?

— Luca está lá, — eu disse. Cheguei um pouco mais perto, muito


perto. O perfume de Lily flutuou até meu nariz, me deu vontade de
enterrar o rosto em seu cabelo. Deus, eu estava perdendo a minha
cabeça fodida. — Eu posso dizer que algo está errado. Por que você não
me conta?

Lily cerrou os olhos. — Por quê? Eu não sou sua


responsabilidade. E da última vez que nos vimos você não parecia
gostar muito de mim.

Ela ainda estava com raiva de mim por impedi-la de me beijar em


seu aniversário a mais de dois anos atrás? — Talvez eu possa te ajudar,
— eu disse.

Ela suspirou, seus ombros caindo um pouco mais. Com essa


expressão de cansaço ela parecia um pouco mais velha, como uma
mulher adulta já, e eu tive que me lembrar mais uma vez da minha
promessa e do meu juramento. Seus olhos se encheram de lágrimas
quando ela olhou para mim, mas elas não caíram.

— Ei, — eu disse suavemente. Eu queria tocá-la, tirar seu cabelo


do rosto. Porra. Eu queria muito mais do que isso, mas fiquei onde
estava. Eu não podia sair por aí tocando a filha do Consigliere da Outfit.
Eu nem deveria estar a sós com ela.

— Você não pode dizer a ninguém, — disse ela.

Eu hesitei. Luca era o meu Capo. Havia certas coisas que eu não
poderia esconder dele. — Você sabe que eu não posso prometer isso
antes de saber o que você vai me dizer — e então eu me perguntei se
talvez ela estivesse grávida, se talvez alguém tivesse quebrado seu
coração, e a ideia me deixou furioso. Eu não deveria querer ela, eu não
podia querer ela, e ainda assim...

— Eu sei, mas não é sobre a Outfit ou a Família. É... — ela baixou


os olhos e engoliu. — Deus, eu não deveria contar a ninguém. E eu

~ 35 ~
odeio isso. Eu odeio que estamos mantendo as aparências quando tudo
está desmoronando.

Eu esperei pacientemente, dando o tempo que ela, obviamente,


precisava.

Seus ombros começaram a tremer, mas ela ainda não chorou. Eu


não tinha certeza de como ela conseguiu isso. — Minha mãe tem
câncer.

Isso não era o que eu esperava. Embora, agora que eu pensava


sobre isso, sua mãe parecia pálida, apesar da espessa camada de
maquiagem em seu rosto.

Toquei o ombro nu de Lily e tentei ignorar como era bom sentir


sua pele lisa. — Eu sinto muito. Por que você não fala com Aria sobre
isso? Eu pensei que você e sua irmã conversavam sobre tudo.

— Gianna e Aria conversam sobre tudo. Eu sou a irmã mais nova,


a quinta roda — ela parecia amarga. — Desculpe, — ela soltou um
longo suspiro, obviamente tentando obter controle sobre suas emoções.
— Meu pai me proibiu de dizer a alguém, até mesmo a Aria, e aqui eu
estou lhe contando.

— Eu não vou contar a ninguém, — eu prometi antes que


pudesse realmente pensar sobre isso. O que eu estava fazendo
prometendo esse tipo de coisa a Lily? Luca e a Família eram a minha
prioridade. Eu tinha que considerar as consequências, se a esposa do
Consigliere estava doente. Isso enfraqueceria a Outfit? Luca poderia
pensar assim. E não apenas isso, eu deveria proteger Aria. Não era o
meu trabalho lhe dizer que a sua mãe estava doente? Esses eram os
problemas que surgiam quando você começava a pensar com o pau. As
coisas sempre ficavam confusas.

Lily inclinou a cabeça para o lado com uma expressão curiosa. —


Você não vai?

Me debrucei contra a parede ao lado dela, perguntando como eu


podia sair disso. — Mas você não acha que deve dizer à sua irmã? É a
mãe dela. Ela merece saber a verdade.

— Eu sei, você acha que eu não sei? — ela sussurrou


desesperadamente. — Eu quero dizer a ela. Eu me sinto tão culpada por
manter isso em segredo. Por que você acha que eu estou me
escondendo no corredor?

— Então diga a ela.

~ 36 ~
— Meu pai ficaria furioso se descobrisse. Ele esteve no limite por
um longo tempo. Às vezes eu acho que é preciso apenas o menor
incidente e ele vai colocar uma bala na minha cabeça.

Ela parecia com medo de seu próprio pai. E o desgraçado era


assustador. Eu peguei a mão dela. — Ele fez alguma coisa para você?
Tenho certeza de que Luca poderia descobrir uma maneira de te manter
segura — o que diabos eu estava falando? Scuderi iria convencer Dante
a começar uma guerra se Luca levasse a sua filha mais nova para longe
dele. Você nunca deveria se envolver em problemas familiares de outras
pessoas. Essa era uma das regras mais importantes em nosso mundo.

— Papai não permitiria isso, — disse ela com naturalidade. Ela


realmente não era a mais a garota que eu conheci da primeira vez. Esse
mundo tirou sua inocência muito cedo. — E ele não fez nada, mas ele
ficaria furioso se eu fosse contra suas ordens diretas.

— Você sabe que sua irmã, nunca contaria a ninguém.

— Mas então ela teria que suportar esse segredo e não seria
sequer capaz de falar com a mãe sobre isso. Por que tudo é tão
confuso? Por que eu não posso ter uma família normal?

— Nós não podemos escolher a nossa família.

— E no meu caso, nem mesmo o meu futuro marido, — disse ela.


Então ela balançou a cabeça. — Eu não sei por que eu disse isso. Não é
com isso que eu deveria estar preocupada agora, — ela olhou para a
minha mão, que ainda estava segurando a dela. Eu soltei. Se Scuderi
ou um de seus homens nos visse, o homem teria um novo motivo para
infernizar nossas vidas.

— Você sabe o que? Eu vou contar a ela, — disse Lily de repente.


Ela se endireitou e me deu um sorriso agradecido. — Você está certo.
Aria merece saber a verdade — agora que ela não estava mais
encostada na parede, estávamos ainda mais perto um do outro. Eu
deveria ter dado um passo para trás para manter a distância, mas em
vez disso os meus olhos foram atraídos para os seus lábios.

Lily me surpreendeu indo embora. — Obrigada por sua ajuda —


eu a vi virar a esquina, e então ela se foi.

*****

~ 37 ~
LILIANA
Meu coração batia rápido no peito, não só porque eu tinha estado
sozinha com Romero e mal tinha conseguido sair sem beijá-lo, mas
porque eu estava determinada a ir contra as ordens do pai. Talvez
Romero tivesse dito a verdade e ele não fosse contar nada para minha
irmã e Luca sobre a minha mãe, mas por que ele realmente deveria
guardar esse segredo para mim? Nós não éramos um casal, não éramos
nem sequer amigos. Nós não éramos nada um do outro. O pensamento
fez meu estômago ficar pesado.

Era melhor se eu contasse tudo para Aria agora. Ela iria descobrir
eventualmente, e eu queria que fosse através de mim. A encontrei na
sala de estar, um prato com prosciutto em sua mão. Ela estava falando
com Valentina. Eu andei em direção a elas e Valentina me notou pela
primeira vez. Houve um lampejo de piedade em seus olhos verdes antes
que ela sorrisse para mim. Será que ela sabia?

Claro que sim. Papai provavelmente tinha dito a seu chefe, Dante,
imediatamente, e Dante havia contado à sua esposa. Será que o pai
tinha dito para outras pessoas também? Pessoas que ele achava mais
merecedoras da verdade do que sua própria família? — Oi Val, — eu
disse. — Posso roubar Aria de você por um momento? Eu tenho que
falar com ela.

Aria me deu um olhar interrogativo, mas Valentina apenas


acenou a cabeça. Liguei meu braço ao da minha irmã e casualmente saí
da sala com ela. Eu não queria que meus pais ficassem desconfiados.
Eu peguei o olhar de Romero no outro extremo do cômodo. Ele estava
ao lado de Luca e Dante, mas estava olhando para mim. Ele me deu um
pequeno aceno encorajador e de alguma forma esse pequeno gesto me
fez sentir melhor. Nos últimos dois anos eu me convenci de que a coisa
com Romero era nada além de uma paixão boba, mas agora eu não
tinha mais tanta certeza.

— Lily, o que está acontecendo? Você tem agido de um jeito muito


estranho durante toda a noite, — Aria sussurrou enquanto nós íamos
em direção ao hall de entrada.

— Eu vou dizer a você em um momento. Eu quero que a gente


fique sozinhas.

O rosto de Aria nublou com preocupação. — Aconteceu alguma


coisa? Você precisa de ajuda?

~ 38 ~
A levei para o meu quarto no andar de cima. Quando a porta se
fechou atrás de nós, eu soltei Aria e me afundei na minha cama. Aria se
sentou ao meu lado.

— É a mãe, — eu disse em um sussurro. — Ela tem câncer de


pulmão — talvez eu devesse ter dito a ela de uma forma menos direta,
mas isso não teria feito a notícia menos horrível.

Aria olhou para mim com os olhos arregalados, então ela caiu
contra a parede, liberando uma respiração dura. — Oh, Deus. Eu vi que
ela parecia exausta, mas achei que fosse por causa de alguma briga
com o pai.

— Eles estão brigando sempre, e isso está deixando tudo pior.

Aria colocou o braço em volta de mim e por um momento nós nos


abraçamos em silêncio. — Por que você não me disse?

— O pai não quer que ninguém saiba. Na verdade, ele me proibiu


de te dizer.

Aria se afastou. — Ele proibiu você?

— Ele quer manter as aparências. Acho que ele está


envergonhado pela doença dela — eu hesitei. — É por isso que eu não
lhe disse imediatamente. Eu não sabia o que fazer, mas eu conversei
com Romero e ele me convenceu a lhe dizer.

Aria procurou meu rosto. — Romero, hm?

Eu dei de ombros. — Você vai contar a Gianna quando estiver de


volta a Nova York?

— É claro, — disse Aria. — Eu odeio que ela não possa estar aqui
— ela suspirou. — Eu quero falar com a mãe sobre isso. Ela precisa do
nosso apoio, mas como podemos fazer isso se ela acha que não
sabemos?

Eu não sabia como fazer isso. — Eu odeio como o pai está agindo.
Ele é tão frio em relação a ela. Você, Aria, tanta sorte de ter um marido
que se preocupa com você.

— Eu sei. Um dia você vai ter isso também.

Eu realmente esperava que ela estivesse certa. Uma vida com


alguém como o meu pai seria um inferno que eu não poderia sobreviver.

~ 39 ~
*****

Todos os dias, mamãe desaparecia um pouco mais. Às vezes,


parecia que tudo o que eu tinha a fazer era desviar o olhar por um
momento e sua pele já havia se tornado um tom mais assustador de
cinza, e ela tinha perdido ainda mais peso. Mesmo o seu cabelo bonito
foi embora completamente. Era impossível continuar a manter sua
doença em segredo. Todo mundo sabia. Quando outras pessoas
estavam perto, meu pai interpretava o papel do marido amoroso e
preocupado, mas em casa, quando estávamos sozinhos, ele mal podia
suportar a sua presença, como se ele temesse que ela fosse contagiosa.
Assim, ficou sendo minha responsabilidade apoiá-la, embora eu ainda
tivesse que terminar o último ano da escola. Aria, Gianna e eu
falávamos pelo telefone quase todos os dias. Sem elas eu não teria
sobrevivido. E à noite, quando eu estava no escuro e não conseguia
dormir de preocupação ou de medo, me lembrava da maneira que
Romero me olhou naquela festa de Natal, como se ele me visse pela
primeira vez, realmente me visse como uma mulher e não apenas uma
criança estúpida. O olhar em seus olhos castanhos me fazia me sentir
mais quente, mesmo que fosse apenas uma lembrança.

Uma batida suave me fez sentar. — Sim? — eu perguntei em voz


baixa. Por favor, que mamãe não esteja vomitando de novo. Eu queria
uma noite sem o cheiro ácido no meu nariz. Eu me senti por esse
pensamento. Como eu podia pensar algo assim?

A porta se abriu e Fabi enfiou a cabeça antes de entrar


totalmente. Seu cabelo escuro estava desgrenhado e ele estava de
pijama. Eu não fechei as cortinas, então podia dizer que ele tinha
chorado, mas não mencionei isso. Fabi tinha feito doze anos a alguns
meses, e se tornou bastante orgulhoso para admitir seus sentimentos
para alguém, principalmente eu.

— Você está com sono?

— Eu pareço como se estivesse com sono? — eu perguntei


provocativamente.

Ele balançou a cabeça, e então colocou as mãos nos bolsos da


calça do pijama. Ele estava velho demais para entrar em uma cama
comigo caso estivesse com medo de alguma coisa. O pai teria rasgado a
cabeça de Fabi fora se ele o tivesse encontrado com lágrimas nos olhos
em meu quarto. Fraqueza não era algo que o pai tolerava em seu filho,
ou em qualquer pessoa, na verdade.

~ 40 ~
— Você quer assistir a um filme? — eu me arrastei para o lado na
cama. — Eu não consigo dormir de qualquer maneira.

— Você só tem filmes de menina, — disse ele como se eu estivesse


pedindo um favor enorme, mas ele se dirigiu à minha estante de DVDs e
pegou algo. Depois se sentou ao meu lado, com as costas contra a
minha cabeceira. O filme começou e nós assistimos em silêncio por um
longo tempo.

— Você acha que a mãe vai morrer? — Fabi perguntou de


repente, o olhar fixo na tela.

— Não, — eu disse com toda a convicção que não sentia.

*****

Meu aniversário de dezoito anos era hoje, mas não haveria festa.
Mamãe estava muito doente. Não havia espaço em nossa casa para
celebrações ou felicidade. Pai quase não estava mais em casa, sempre
fora a negócios, e, recentemente, Fabi começou a acompanhá-lo. E
assim eu fui deixada sozinha com a mãe. Claro que havia uma
enfermeira e nossa empregada, mas elas não eram da família. Mamãe
não as queria por perto, e assim eu era a única sentada ao seu lado na
cama depois da escola, lendo para ela, tentando fingir que seu quarto
não tinha cheiro de morte e desesperança. Aria e Gianna tinham ligado
de manhã para me desejar feliz aniversário. Eu sabia que elas queriam
me visitar, mas o pai proibiu. Nem mesmo em meu aniversário ele
poderia ser bom.

Eu guardei o livro que tinha lido para mamãe. Ela estava


dormindo. O ruído de seu esforço para respirar, um clique e um
chocalho, enchia a sala. Eu estava de pé, com a necessidade de andar
um pouco. Minhas pernas e costas estavam rígidas de ficar sentada
durante todo o dia.

Andei em direção à janela e olhei para fora. A vida estava


acontecendo em toda parte em torno de mim. Meu telefone tocou em
meu bolso, me assustando para fora dos meus pensamentos. Eu o
peguei e vi um número desconhecido na minha tela. Pressionei o
aparelho contra minha orelha. — Alô? — eu sussurrei quando saí para
o corredor para não perturbar a minha mãe, apesar de que ruídos mal
acordavam ela agora.

~ 41 ~
— Olá, Liliana.

Eu congelei. — Romero? — eu não podia acreditar que ele tinha


ligado, e, em seguida, uma ideia horrível, e a única explicação para a
sua chamada, me atingiu. — Deus, aconteceu alguma coisa com as
minhas irmãs?

— Não. Me desculpe, eu não queria assustá-la. Eu só queria


desejar um feliz aniversário — sua voz era suave, quente e profunda, e
isso me acalmou como mel fazia com uma dor de garganta.

— Oh, — eu disse. Eu me apoiei contra a parede enquanto meu


pulso desacelerou novamente. — Obrigada. Foi a minha irmã que te
disse que era meu aniversário? — sorri levemente. Eu podia imaginar
Aria fazendo isso, esperando me animar. Ela não tinha falado comigo
sobre isso, mas eu tinha quase certeza de que ela sabia que eu ainda
gostava de Romero depois de todo esse tempo.

— Ela não precisou. Eu sei quando é o seu aniversário.

Eu não disse nada, não sabia o que dizer. Ele se lembrou do meu
aniversário?

— Você tem planos para hoje?

— Não. Vou ficar em casa e cuidar da minha mãe, — eu disse,


cansada. Eu não conseguia me lembrar da última vez que tinha
dormido durante toda a noite. Se mamãe não me acordasse porque ela
estava vomitando ou com dor, então eu ficava acordada olhando
fixamente para o nada.

Romero ficou em silêncio na outra extremidade, e então sua voz


veio mais suave e ele disse, — As coisas vão melhorar. Eu sei que as
coisas parecem sem esperança agora, mas elas não serão sempre assim.

— Você já viu um monte de morte em sua vida. Como você pode


suportar isso?

— É diferente se alguém que você se importa está morrendo, ou


se isso é apenas parte dos negócios. — ele tinha que ser cuidadoso com
o que dizia ao telefone, então eu me arrependi de ter tocado no assunto,
mas ouvir a sua voz me fazia sentir bem. — Meu pai morreu quando eu
tinha catorze anos. Nós não éramos tão próximos quanto eu queria,
mas sua morte foi a única que realmente me abalou até hoje.

~ 42 ~
— Minha mãe e eu não éramos tão próximas como muitos dos
meus amigos são das suas mães, e eu me arrependo disso agora que ela
está morrendo.

— Ainda há tempo. Talvez mais do que você pensa.

Eu queria que ele estivesse certo, mas no fundo eu sabia que era
apenas uma questão de semanas antes que mamãe perdesse a batalha.
— Obrigada, Romero, — eu disse suavemente. Eu queria ver o rosto
dele, queria sentir seu cheiro reconfortante.

— Faça hoje alguma coisa que te faça feliz, mesmo que seja algo
pequeno.

— Isto me fez feliz, — eu admiti.

— Isso é bom, — disse ele. Silêncio seguiu.

— Eu preciso ir agora — de repente meu avanço me envergonhou.


Quando eu ia parar de me pôr nessa situação? Eu não era alguém que
sabia esconder suas emoções e eu odiava isso.

— Adeus, — disse Romero.

Eu terminei a chamada sem dizer mais nada, então olhei para o


meu telefone por um longo tempo. Eu estava dando importância demais
para a ligação de Romero? Talvez ele quisesse ser educado e ligou para
a irmã da esposa de seu chefe em seu aniversário de dezoito anos para
ganhar alguns pontos. Mas Romero não parecia ser desse tipo. Então
por que ele ligou? E se isso tivesse a ver com a maneira que ele olhou
para mim em nossa festa de Natal? Ele estava começando a gostar de
mim tanto quanto eu gostava dele?

*****

Duas semanas depois do meu aniversário, a saúde da mãe se


deteriorou ainda mais. Sua pele era pálida e fria, os olhos vidrados dos
analgésicos. Eu a segurava sem fazer força, com medo de lhe machucar.
Ela parecia tão frágil. No fundo eu sabia que não ela não tinha mais
tempo. Eu queria acreditar que um milagre ia acontecer, mas eu não
era mais uma garotinha. Às vezes eu desejava que eu ainda fosse
aquela garota ingênua que eu costumava ser.

— Aria? — disse minha mãe com a voz fina.

~ 43 ~
Eu saltei da minha cadeira e me inclinei mais perto. — Não, sou
eu, Liliana.

Os olhos da mãe focaram em mim e ela de um sorriso leve.


Parecia terrivelmente triste em seu rosto desgastado. Ela foi tão bonita e
orgulhosa uma vez, e agora ela era apenas uma casca daquela mulher.

— Minha doce Lily, — disse ela.

Eu pressionei meus lábios juntos. Mãe nunca tinha sido o tipo


excessivamente carinhosa. Ela nos abraçou e leu histórias para dormir
e, geralmente, tentou ser a melhor mãe que ela podia, mas quase nunca
nos chamava pelos apelidos. — Sim, eu estou aqui — pelo menos até
que o pai tentasse me mandar embora de novo. Se fosse por ele, mamãe
estaria trancada longe de todos que amava, sendo unicamente cuidada
por enfermeiras que tinham sido contratadas até que ela finalmente
falecesse. Tentei dizer a mim mesma que era porque ele queria protegê-
la, para permitir que uma mulher orgulhosa fosse lembrada como ela
costumava ser, e não só pela sua doença, mas eu tinha a sensação de
que não era esse o seu principal motivo. Às vezes eu me perguntava se
ele tinha vergonha dela.

— Onde estão as suas irmãs? E Fabi? — ela olhou por cima da


minha cabeça, como se esperasse vê-los lá.

Eu abaixei o meu olhar para o seu queixo, não sendo capaz de


olhar em seus olhos. — Fabi está ocupado com a escola — isso era uma
mentira descarada. Papai fez com que Fabi estivesse ocupado com só
Deus sabia o que, por isso que ele não passava muito tempo com a
nossa mãe. Ele parecia preocupado que a sua doença fosse passar para
Fabi se ele chegasse muito perto. — Aria e Gianna estarão aqui em
breve. Elas mal podem esperar para ver você novamente.

— O seu pai as chamou? — perguntou minha mãe.

Eu não queria mentir para ela novamente. Mas como eu poderia


dizer que o pai não queria que elas viessem visitar a nossa mãe
morrendo, que elas nem sequer saberiam que ela estava perto da morte
se eu não tivesse ligado? Enchi um copo com água e o levei até seus
lábios. — Você precisa beber.

Mamãe tomou um pequeno gole, mas depois virou a cabeça. —


Eu não estou com sede.

Meu coração se partiu enquanto colocava o copo sobre sua mesa


de cabeceira. Procurei por algo para lhe dizer, mas a coisa que eu

~ 44 ~
realmente queria contar era sobre minha paixão por Romero, e isso era
algo que eu não podia confiar a ela. — Você precisa de alguma coisa?
Eu posso buscar sopa.

Ela deu um pequeno aceno de cabeça. Ela estava me observando


com uma expressão estranha e eu estava começando a me sentir
desconfortável. Eu não tinha certeza do porquê. Havia um brilho de
desamparo e saudade em seu olhar que atingiu um lugar escuro dentro
de mim. — Deus, eu nem me lembro mais como é ser uma jovem
despreocupada.

Despreocupada? Eu não tinha me sentido despreocupada por um


tempo muito longo.

— Havia tanta coisa que eu queria fazer, tantos sonhos que eu


tinha. Tudo parecia possível — sua voz ficou mais forte, como se a
memória chamasse a energia de algum lugar profundo dentro de seu
corpo.

— Você tem uma casa bonita e muitos amigos e filhos que gostam
de você, — eu disse, mas mesmo enquanto falava as palavras, sabia que
era a coisa errada a dizer, e eu odiava esse sentimento de sempre fazer
a coisa errada, de não ser capaz de falar nada que realmente ajudasse.

— Eu tenho, — disse ela com um sorriso triste. Lentamente, ele


desapareceu. — Amigos que não vêm me visitar.

Eu não podia negar isso, e eu não tinha certeza se era por isso
que o pai ficou afastado ou se ele realmente nunca se importou com a
minha mãe em primeiro lugar. Eu abri minha boca para dizer algo,
outra mentira pela qual eu me sentiria culpada mais tarde, mas a mãe
continuou falando. — Uma casa que foi paga com dinheiro de sangue.

Minha mãe nunca tinha admitido que o pai estivesse fazendo


coisas horríveis para enriquecer nossa família, e eu nunca tive a
impressão que ela se importasse muito. Dinheiro e luxo eram as únicas
coisas que meu pai tinha dado livremente a ela e a nós. Segurei minha
respiração, meio curiosa e meio aterrorizada com o que ela iria dizer a
seguir. Será que ela se arrependia de ter tido filhos? E se fôssemos uma
decepção para ela?

Ela acariciou minha mão. — E vocês, crianças... eu deveria ter


protegido vocês melhor. Eu sempre fui muito fraca pelos meus filhos.

— Você fez tudo que podia. Papai nunca teria escutado você, de
qualquer maneira.

~ 45 ~
— Não, ele não teria, — ela sussurrou. — Mas eu podia ter
tentado mais. Há tantas coisas que eu lamento.

Eu não podia negar. Eu tinha muitas vezes desejado que ela


tivesse se levantado por nós, especialmente por Gianna, quando o pai
havia perdido totalmente a cabeça. Mas não havia razão de fazer com
que ela se sentisse mal por algo que não poderia mais ser alterado.

— Você só tem esta vida, Lily. Viva o melhor dela. Eu gostaria de


ter feito isso e agora é tarde demais. Eu não quero que você acabe como
eu, olhando para trás para uma vida cheia de oportunidades e sonhos
perdidos. Não deixe a vida passar por você. Você é mais corajosa do que
eu, corajosa o suficiente para lutar por sua felicidade.

Engoli em seco, atordoada com o seu discurso apaixonado. — O


que você quer dizer?

— Antes que eu me casasse com seu pai, eu estava apaixonada


por um jovem que trabalhava no restaurante do meu pai. Ele era doce e
encantador. Ele não fazia parte do nosso mundo.

Olhei para a porta, preocupada que o pai que nos ouvisse. Como
se isso pudesse acontecer. Como se ele realmente fosse colocar os pés
perto desse quarto. — Você o amava?

— Talvez. Mas amor é algo que se desenvolve com o tempo e nós


nunca tivemos a chance. Eu poderia tê-lo amado muito, tenho certeza
disso. Nós nos beijamos atrás das lixeiras uma vez. Estava frio e
cheirava a lixo, mas foi o momento mais romântico da minha vida —
um sorriso doce estava em seu rosto, uma expressão que eu nunca
tinha visto em minha mãe antes.

Pena apertou o meu coração. Papai tinha nunca tinha feito nada
romântico para ela? — E sobre o pai?

— O seu pai... — ela parou. Ela tomou algumas respirações


trêmulas. Mesmo com a ajuda do tanque de oxigênio, ela estava lutando
para respirar. — Ele não tinha tempo para romance. Ele nunca teve.

Mas ele tinha tempo para estar com prostitutas pelas costas de
minha mãe. Até eu sabia sobre elas, e eu geralmente era a última
pessoa a ficar sabendo sobre coisas desse tipo. Eu nunca o ouvi dizer
uma palavra gentil para minha mãe. Eu sempre assumi que ele só
demonstrava afeto atrás de portas fechadas, mas agora eu percebi que
ele provavelmente nunca fez isso. A única coisa em que ele era bom era
em comprar joias caras.

~ 46 ~
— Não me entenda mal, eu respeito seu o pai.

— Mas você não o ama, — eu terminei. Eu sempre tive certeza


que a mãe amava o pai, mesmo que ele não correspondesse o
sentimento, mas descobrir que não havia nada entre eles, de alguma
forma, me fez sentir como se tivesse levado um soco no estômago. Aria e
Gianna tinham se dado bem com seus casamentos arranjados, mas
agora eu percebia que muitas não tiveram a mesma sorte, e não
amavam ou mesmo toleravam seus maridos. A maioria das mulheres
em nosso mundo estava presa em um casamento sem amor e cheio de
mentiras, e às vezes até mesmo com um homem violento.

Ela suspirou, os olhos fechados, sua pele se tornando ainda mais


pálida do que antes. — Eu sempre disse a mim mesma que ainda havia
tempo para fazer as coisas que eu amava, para ser feliz, e agora? Agora
é tarde.

Será que essas palavras sempre iriam me dar um soco cada vez
que ela as expressasse? — Não, — eu disse com voz trêmula. — Não é.
Não desista.

Ela olhou para mim com um sorriso triste. — Não vai durar muito
mais tempo. Para mim não há nada, apenas o lamento. Mas você tem
toda a sua vida pela frente, Liliana. Prometa que vai vivê-la ao máximo.
Tentar ser feliz.

Engoli em seco. Toda a minha vida a minha mãe me disse para


aceitar o meu destino, para ser uma boa menina, ser obediente. — Eu
quero me casar por amor.

— Você deveria, — ela sussurrou.

— O pai não vai permitir isso. Ele vai encontrar alguém para mim,
não vai?

— Aria e Gianna casaram por conveniência. Você não tem que se


casar por razões táticas. Você deve ser livre para se apaixonar e se
casar com esse garoto especial.

Uma imagem de Romero surgiu em minha cabeça, e uma revoada


de borboletas encheu o meu estômago.

— Me lembro desse olhar, — mamãe disse suavemente. — Há


alguém, hm?

Eu corei. — É bobagem. Ele não está nem mesmo interessado em


mim.

~ 47 ~
— Como não? Você é linda e inteligente e vem de uma boa família.
Ele seria louco se não se apaixonasse por você.

Eu nunca tinha falado com mamãe sobre isso, e me sentia


incrivelmente triste que fosse o câncer a nos aproximar. Eu queria que
ela tivesse sido esse tipo de mãe antes, e então eu me senti culpada por
pensar assim. — Ele não é alguém que o pai aprovaria, — eu disse
finalmente. E isso era um eufemismo enorme. — Ele é apenas um
soldado.

— Oh, — minha mãe sussurrou. Ela tinha dificuldade em manter


os olhos abertos. — Não deixe que ninguém a impeça de alcançar a
felicidade — as últimas palavras foram quase inaudíveis enquanto
mamãe lentamente adormecia. Tirei a mão debaixo dela e me levantei.
Sua respiração era difícil, áspera e plana. Eu quase podia imaginar ela
parando a qualquer momento. Saí do quarto, mas não fechei a porta.
Eu queria ter certeza de que iria ouvir se ela me pedisse ajuda.

Eu fui em direção à escada, onde quase esbarrei em meu pai. — A


mãe vai ficar feliz em ver você, — eu disse. — Mas ela está dormindo,
então você vai ter que esperar um pouco.

Ele afrouxou a gravata. — Eu não estava indo ver sua mãe. Eu


tenho mais algumas reuniões agendadas.

— Ah, certo — era por isso que ele cheirava a uma loja de
perfume e suas roupas estavam amassadas. Ele tinha passado a manhã
com uma de suas prostitutas e estava, provavelmente, a caminho de
encontrar a próxima. — Mas ela adoraria ver você mais tarde.

Meu pai estreitou os olhos. — Você ligou para sua irmã? Luca me
ligou essa manhã para me dizer que ele e Aria estavam a caminho de
Chicago para visitar a sua mãe.

— Eles têm o direito de dizer adeus.

— Você realmente acha que eles querem ver sua mãe como ela
está? Sua mãe uma vez foi uma mulher orgulhosa, se ela ainda
estivesse em seu juízo perfeito, não iria querer que ninguém a visse
neste estado lamentável.

A raiva borbulhou em mim. — Você está envergonhado por ela,


isso é tudo!

Ele levantou um dedo em advertência. — Cuidado. Não tome esse


tom comigo. Eu sei que você está sob muita pressão, mas minha
paciência está se esgotando.

~ 48 ~
Eu pressionei meus lábios juntos. — Você disse a Aria e Luca
para vir, ou você os proibiu de visitar? — eu não mencionei que Gianna
estaria vindo também. Ele iria descobrir em breve e, então Luca estaria
lá para acalmá-lo.

— Eles vão estar aqui na parte da tarde. Isso vai dar a Luca e
Dante a oportunidade de discutir os seus negócios.

Era com isso que ele se preocupava? Os negócios? Sua esposa


estava morrendo e ele não dava a mínima. Eu balancei a cabeça e saí
sem dizer mais nada. Meia hora mais tarde, vi meu pai sair de casa
novamente. Houve um momento em que eu ansiava por vê-lo. Ele usava
seus ternos pretos e eu pensava que ele era a pessoa mais importante
do mundo. Mas isso não durou muito. A primeira vez que ele levantou a
mão conta a minha mãe, eu soube que ele não era o homem que eu
pensei que ele fosse.

*****

Aria, Gianna, e Luca chegaram duas horas mais tarde. Matteo


tinha ficado em Nova York. Não só porque Luca precisava de alguém em
quem confiava lá, mas porque o encontro de Gianna com o pai seria
explosivo de qualquer maneira. Se Matteo estivesse lá, bem, alguém
morreria.

Aria e Gianna me abraçaram com força quando me viram. —


Como você está? — perguntou Aria.

Eu dei de ombros. — Eu não sei. É difícil ver a mãe tão fraca.

— E o pai agindo como um idiota não está ajudando, — Gianna


murmurou.

Luca me deu um pequeno aceno de cabeça. — Eu vou esperar na


cozinha. Eu ainda tenho alguns telefonemas para fazer.

Eu tinha a sensação de que ele só queria nos dar tempo a sós


com nossa mãe e eu estava grata por isso. Eu quase perguntei a ele
sobre Romero, mas então parei.

Levei minhas irmãs lá em cima. Quando entrei no quarto da mãe,


choque brilhou em seus rostos. Mesmo eu, que estive cuidando dela
todos os dias, ficava chocada todas as manhãs quando via como ela

~ 49 ~
parecia quebrada, e o cheiro era horrível também. Os enfermeiros
limpavam o chão e a mobília com desinfetantes duas vezes por dia, mas
o fedor de urina e decadência ainda cobria tudo. Ele parecia se apegar à
minha roupa e minha pele, e meu nariz entupia quando eu não
conseguia dormir à noite.

Mamãe estava acordada, mas levou um momento antes do


reconhecimento brilhar em seus olhos. Então ela sorriu, e por um
momento, apesar dos tubos que desapareciam em seu nariz, ela não
parecia como se a morte já a tivesse marcado. Aria imediatamente
caminhou em direção à cama e a abraçou com cuidado. Gianna estava
tensa ao meu lado. Ela e minha mãe não se viam há algum tempo, e
elas não tinham exatamente um bom relacionamento antes disso.
Quando Aria deu um passo atrás, o olhar da mãe caiu em Gianna e ela
começou a chorar. — Oh Gianna, — ela sussurrou. Gianna correu para
nossa mãe e a abraçou. Quase quebrou o meu coração que essa reunião
tivesse um motivo tão horrível. Eu desejava que isso tivesse acontecido
muito antes. Puxei mais duas cadeiras para a cama e as coloquei no
lado da qual eu tinha passado horas incontáveis. Todas nos sentamos e
mamãe parecia em paz pela primeira vez. Eu deixei Aria e Gianna
falarem e escutarem. Gianna se inclinou para mim enquanto Aria
contava para nossa mãe sobre uma exposição de arte em Nova York. —
Onde está Fabi? Ele não deveria estar em casa?

— O pai sempre manda alguém buscar ele na escola, e eu só o


vejo na hora do jantar.

— Ele já está introduzindo Fabi? Ele é muito jovem para essa


besteira.

— Eu não sei. É difícil falar com Fabi sobre isso. Ele não me diz
tudo como costumava fazer. Ele mudou muito desde que a mãe ficou
doente. Às vezes eu não o reconheço.

— A máfia muda todos eles. É uma merda, — Gianna murmurou.

— Olhe para Matteo e Luca e Romero, eles não são de todo ruim.

Gianna suspirou. — Eles não são bons também. Longe disso.


Com Fabi, eu sei como ele costumava ser antes da podridão atravessar
o seu caminho, mas com Luca e Matteo eu sempre os conheci como
homens iniciados, por isso é diferente — Gianna estreitou os olhos
enquanto me estudava. — Você ainda está apaixonada por Romero?
Você não deveria mudar para um novo alvo agora?

~ 50 ~
Corei, mas não respondi. Felizmente, Aria envolveu Gianna na
conversa e eu pude relaxar novamente.

*****

Gianna, Aria e eu adormecemos em nossas cadeiras. Duas horas


mais tarde, fomos acordados pela voz aguda do pai. — O que ela está
fazendo aqui?

Me sentei, levando alguns segundos para me orientar. O pai


estava na porta e seus olhos brilhando em Gianna. Ele ainda não a
tinha perdoado pelo que ela fez. Ele provavelmente levaria a sua raiva
para o túmulo.

— Eu não estou aqui para ver você, acredite em mim, — Gianna


murmurou.

Aria se levantou da cadeira e foi até nosso pai para lhe dar um
abraço. Normalmente seu humor se iluminava quando ela estava por
perto, mas hoje ele nem sequer a notou.

— Eu não quero você na minha casa, — disse ele a Gianna.

Avistei Fabi atrás dele, obviamente sem saber como reagir. Eu


sabia que ele gostava de Gianna e sempre esteve muito ansioso para
falar com ela ao telefone, mas a influência do pai ele sobre tinha
crescido nos últimos meses, e ficou claro que meu irmão não tinha
certeza de qual lado escolher.

Eu fiquei de pé e arrisquei um olhar discreto para minha mãe. Ela


ainda estava adormecida por causa dos remédios. Eu não queria que
ela testemunhasse isso. — Por favor, vamos discutir lá fora, — eu
sussurrei.

Nosso pai virou e saiu para o corredor sem um único olhar para a
mãe. O resto de nós o seguiu. Gianna não deu a Fabi a chance de
pensar sobre isso, ela o abraçou imediatamente e, depois de um
momento, ele a abraçou de volta. Papai olhou com raiva para o meu
irmão. Eu não podia acreditar que ele não era capaz de deixar o seu
orgulho estúpido de lado uma única vez. Mamãe precisava de nós em
seus últimos dias, mas ele não dava a mínima. Ele nem esperou que eu
fechasse a porta antes de falar de novo.

~ 51 ~
— Eu proibi você de entrar nessa casa, — ele rosnou.

Eu fechei a porta e me encostei nela. Minhas pernas tremiam.

— É também a casa da minha mãe e ela me pediu para vê-la, —


disse Gianna. Era verdade. Eu tinha perdido a conta das vezes que a
mãe tinha perguntado sobre Gianna.

— Eu paguei por esta casa, e minha palavra é a lei.

— Você não tem qualquer respeito pelos desejos da sua esposa


que está à beira da morte? — Gianna assobiou.

Eu tinha certeza que o pai teria atacado Gianna, mesmo que ela
fosse esposa de Matteo, mas Luca chegou ao andar de cima naquele
momento. Isso não impediu o pai de dizer coisas muito desagradáveis e
Gianna de disparar de volta contra ele. Eu não aguentava mais. Passei
por eles. Suas brigas e xingamentos me seguiram pelo corredor e até
mesmo lá embaixo eu ainda podia ouvir os seus gritos. Invadi a
cozinha, bati a porta e me encostei a ela, antes de enterrar meu rosto
nas mãos. As lágrimas que eu tinha lutado por tanto tempo,
pressionaram contra os meus olhos. Eu não podia segurá-las.

Um barulho me fez olhar para cima. Romero estava no balcão da


cozinha e me observava sobre a sua xícara de café. Eu me encolhi em
constrangimento e rapidamente tentei limpar o meu rosto. — Sinto
muito, — eu disse. — Eu não sabia que alguém estava aqui — eu nem
sabia que Romero estava aqui, na verdade, mas eu não deveria ter
ficado surpresa. Desde que Matteo tinha ficado em Nova York, Luca
precisava de alguém que pudesse manter um olho sobre as minhas
irmãs quando ele estivesse ocupado.

— Esta é a sua casa, — ele disse simplesmente. Seus olhos eram


amáveis e compreensivos. Eu tive que desviar o olhar ou eu realmente
começaria a berrar, soluçar e tudo mais, e isso era a última coisa que
eu queria.

— Costumava ser, — eu sussurrei. Eu sabia que precisava


manter minha boca fechada, mas as palavras continuavam saindo. —
Mas agora parece que eu estou presa. Não há nada de bom. Em
qualquer lugar que eu olho há apenas escuridão, apenas doença e ódio
e medo — eu fiquei em silêncio, chocada com o meu desabafo.

Romero pousou o café. — Quando foi à última vez que você saiu
de casa?

Eu nem sabia. Dei de ombros.

~ 52 ~
— Vamos dar um passeio. Podemos conseguir um café. Está
muito quente lá fora.

Euforia avançou no meio da nuvem escura que tinha se instalado


em minhas emoções nas últimas semanas. — Você tem certeza que está
tudo bem?

— Eu vou verificar com Luca, mas eu não vejo por que deveria ser
um problema. Só um segundo.

Eu me afastei para que ele pudesse passar. Seu delicioso cheiro


entrou em meu nariz enquanto ele passava por mim e eu queria
pressionar em sua camisa para encontrar consolo em seu perfume.
Meus olhos o seguiram, traçando os seus ombros largos e quadris
estreitos. As palavras de minha mãe atravessaram minha mente outra
vez. Talvez a felicidade não estivesse tão longe quanto eu pensava.

*****

ROMERO
Eu não deveria sequer considerar estar a sós com Lily, nem agora,
nem nunca. Não quando eu não conseguia parar de notar como ela
tinha crescido. Ela não era mais a menina que eu conheci. Ela era uma
mulher em idade de casar agora, mas estava fora do meu alcance. Pelo
menos para os padrões do seu pai. Eu era um dos melhores lutadores
de Nova York, apenas Luca e Matteo eram tão bons com uma faca ou
uma arma, e eu não era exatamente pobre, mas definitivamente não era
da realeza da máfia e não podia pagar por uma cobertura como a de
Luca. Eu não tinha certeza por que diabos eu estava pensando sobre
esse tipo de coisas agora. Eu não ia pedir a mão de Lily, nem agora,
nem nunca, e, neste momento havia coisas mais importantes para
cuidar.

Subindo as escadas, segui o som da discussão. Era Gianna e seu


pai novamente, e Luca parecia estar tentando impedir um de arrancar
fora a cabeça do outro. O único problema era que ele parecia estar perto
de perder a sua própria paciência de merda. Andei em direção a eles e
Luca me deu um ilhar exasperado. Scuderi era um pé no saco, e Luca
não era a pessoa mais paciente desse planeta. Uma combinação ruim.
Ele veio em minha direção. — Eu vou perder a porra da minha cabeça
se Gianna e esse velho não pararem de brigar.

~ 53 ~
— Lily está levando isso da pior maneira. Ela teve de testemunhar
a deterioração de sua mãe durante meses. Eu quero levar ela lá fora,
para dar uma caminhada e tomar um café, colocar sua mente um
pouco longe disso.

Luca estudou o meu rosto com uma expressão que eu não gostei
nem um pouco. — Claro, mas eu realmente não preciso de mais
nenhum problema. As coisas entre Nova York e Chicago já estão
abaladas.

— Eu não vou fazer nada que prejudique a nossa relação com


Chicago.

Luca acenou com a cabeça, mas ele não parecia convencido. Ele
olhou de volta para Scuderi e suas duas filhas. — É melhor eu voltar
para lá. Esteja de volta antes do jantar, então Scuderi não vai saber que
Liliana saiu de casa. O bastado quase não presta atenção em nada,
muito menos naquela garota.

Girei em meus calcanhares e saí, deixando Luca em sua tarefa de


merda de separar Scuderi e Gianna. Lily estava sentada à mesa da
cozinha quando entrei, mas se levantou rapidamente, com uma
expressão de esperança em seu rosto bonito. Bonito? Que porra é essa,
Romero? Eu não podia começar a pensar assim enquanto eu estivesse
perto dela. A linha seria cruzada facilmente, e Luca estava certo. Nós
não precisávamos de mais merda no nosso prato.

— E então? Podemos ir? — Lily perguntou com aquele mesmo


sorriso esperançoso no rosto.

Parei a uma certa distância dela. — Sim, mas precisamos voltar


antes do jantar.

Isso nos deixava um pouco mais de duas horas.

Uma pitada de decepção cintilou em seus olhos, mas foi embora


rapidamente. — Então vamos.

Nós saímos da casa e Lily parou na calçada e inclinou a cabeça


para cima com uma expressão feliz. Os raios solares atingiram o seu
rosto em um brilho suave. — Isto é tão bom, — disse ela baixinho.

Eu sei de muitas coisas que se sentiriam ainda melhores.

Como seria o seu rosto no auge da paixão? Era algo que eu


provavelmente nunca iria descobrir. Eu não disse nada, só assisti
enquanto ela bebia do sol.

~ 54 ~
Ela piscou para mim com um sorriso envergonhado. — Desculpa.
Estou perdendo tempo. Nós deveríamos tomar um café e não ficar na
calçada durante todo o dia.

— Isto é para você. Se você preferir ficar aqui e aproveitar o sol,


podemos fazer isso também. Eu não me importo, — me importar era
pouco. Observar Lily era algo que eu poderia fazer o dia todo.

Ela balançou a cabeça. Seus cabelos loiros caíam em ondas


suaves sobre os seus ombros e eu tive que me impedir de estender a
mão e deixar alguns fios deslizarem entre os meus dedos. Por alguma
razão que nem eu sabia, estendi meu braço para ela. Lily enganchou
seu braço no meu sem hesitação, um sorriso torcendo seus lábios
quando ela olhou para mim. Caramba. Eu a levei rua abaixo. — Você
conhece um bom café? Eu estive em Chicago muitas vezes nos últimos
anos, mas não estou familiarizado com os bons lugares para ir.

— A uma caminhada de apenas dez minutos existe uma pequena


cafeteria com um café fantástico, e cupcakes deliciosos. Nós poderíamos
ir lá. Eu normalmente encomendaria tudo, mas poderíamos nos sentar
lá se você quiser? — havia muitas coisas que eu queria, a maioria deles
envolvia Lily nua em minha cama.

— Isso parece bom. Mostre o caminho.

— Sabe o que eu gosto em você? Você é tão fácil e relaxante. Você


parece o vizinho legal da casa ao lado. Agradável e gentil.

— Lily, eu sou um Made Men. Não faça de mim o herói que eu


não sou. Eu não sou o tipo agradável.

— Para mim você é, — disse ela levemente. Seus olhos azuis


estavam muito confiantes. Ela não sabia as coisas que eu estava
pensando sobre ela, a maioria delas não eram boas. Eu queria fazer
muitas coisas sujas, ela nem sequer compreendia a metade delas, e era
por isso que eu precisava manter a minha distância. Talvez ela
parecesse crescida, mas ainda era muito jovem, muito inocente.

Eu apenas sorri. — Estou tentando.

— Você está indo bem, — ela disse provocando. A tristeza e


desesperança tinham desaparecido de seu rosto por um momento, e
esse era todo o incentivo que eu precisava.

*****

~ 55 ~
LILIANA
Romero sorriu. — Obrigado, — eu poderia ter beijado ele naquele
momento. Ele estava tão bonito e sexy.

— De nada, — eu disse. Fizemos um passeio pela rua em direção


ao pequeno café que parecia pertencer a uma daquelas ruazinhas com
paralelepípedos em Paris, e não a Chicago. Era estranho caminhar com
um homem que não tinha o dobro da minha idade, como os guarda-
costas do meu pai. Só quando paramos no balcão Romero liberou o
meu braço, mas até então nós tínhamos caminhado juntos, como
amantes. Como seria se isso fosse verdade? Se ele não estivesse apenas
tentando me distrair da minha mãe doente, se fôssemos realmente um
casal?

— Tudo bem? — perguntou Romero em voz baixa.

Eu estava o encarando sem perceber. Rapidamente voltei minha


atenção para a menina atrás do balcão que estava à espera do nosso
pedido. — Um cappuccino e um cupcake red velvet3, — eu disse
distraidamente. Era o meu pedido padrão e minha mente estava muito
esgotada para verificar o quadro-negro para as especialidades do dia.

— O mesmo para mim, — disse Romero e pegou a carteira para


pagar para nós dois.

— Você não tem que pagar para mim, — eu sussurrei quando


fomos em direção a uma mesa perto da janela.

Romero levantou uma sobrancelha escura. — Uma mulher nunca


paga quando está comigo.

— Ah é? — eu disse com curiosidade. Romero parecia já lamentar


o seu comentário, mas era tarde demais. Ele despertou a minha
curiosidade. — Quantas namoradas você já teve?

Era uma pergunta muito pessoal.

Romero riu. — Isso não é algo que eu vou dizer a você.

— Isso significa que muitas, — eu disse com uma risada. A


garçonete trouxe o nosso pedido, dando tempo para Romero se
recompor. No momento em que ela estava fora do alcance da voz, eu

3
Red velvet, ou veludo vermelho, é o nome daquela massa de bolos e cupcakes com a
coloração bem avermelhada. Não necessariamente tem gosto de morango ou alguma
fruta vermelha, ela é chamada assim apenas pela sua cor.

~ 56 ~
disse, — Eu sei como são as coisas para os nossos homens. Vocês têm
um monte de mulheres.

— Então você sabe tudo sobre nós? — perguntou Romero. Ele se


inclinou para trás em sua cadeira como se não tivesse uma
preocupação no mundo.

Eu tomei um gole do meu cappuccino. — As mulheres conversam,


e pelo que ouvi sobre a maioria dos homens iniciados, eles não dizem
não aos prostíbulos da Outfit. Para a maioria deles é uma espécie de
hobby ter tantas mulheres quanto possível.

— Muitos homens fazem isso, mas não todos.

— Então você é a exceção? — eu perguntei com ar de dúvida. Eu


queria que fosse verdade, mas eu era realista.

Romero deu uma mordida em seu cupcake, obviamente


considerando o que me dizer. — Eu já tive dias selvagens quando eu era
mais jovem, dezoito ou dezenove anos, talvez.

— E agora? Você tem namorada? Noiva? — eu sempre pus esse


pensamento de lado, mas da maneira que Romero tinha falado, parecia
um ponto válido. Tomei um gole do meu café, feliz com a sensação do
copo em minhas mãos. Me deu algo para me concentrar.

Romero balançou a cabeça com um olhar indecifrável no rosto. —


Não, eu tive namoradas nos últimos anos, mas é difícil ter um
relacionamento estável se o trabalho sempre vem em primeiro lugar. Eu
sou um soldado. A Família será sempre a minha prioridade. A maioria
das mulheres não consegue lidar com isso.

— A maioria das mulheres não é questionada se elas querem essa


vida ou não. E que tal um casamento arranjado?

— Eu não gosto da ideia de alguém me dizendo com quem eu


deveria me casar.

— Então a sua família nunca tentou casar você com alguém?

Romero sorriu. Eu poderia ter saltado sobre a mesa e me


arrastado para o seu colo. — É claro que eles tentaram. Somos
italianos, está em nosso DNA interferir na vida das nossas crianças.

— Mas você nunca gostou de nenhuma das garotas que eles


sugeriram?

~ 57 ~
— Eu gostei de algumas, mas ou elas não estavam interessadas
em mim ou eu não conseguia me ver passando o resto da minha vida
com elas.

— E ninguém nunca tentou te forçar a casar?

— Como é que eles me forçariam?

Eu balancei a cabeça. Sim como? Ele era um Made Men, não uma
garota estúpida. — Você está certo. Você pode tomar suas próprias
decisões.

Romero largou seu copo. — Luca poderia pedir que eu me casasse


por razões políticas. Eu provavelmente não recusaria.

— Mas ele não faria isso, — eu disse.

— Talvez você também possa vir a escolher por si mesmo. Talvez


você encontre o cara perfeito em breve e ele seja digno aos olhos do seu
pai.

O cara perfeito estava sentado na minha frente. Doeu ver Romero


sugerir que eu encontrasse alguém. Será que ele não percebia que eu
tinha sentimentos por ele? Eu não queria encontrar um cara que o meu
pai aprovaria. Eu queria o homem na minha frente.

Depois disso nós falamos sobre coisas aleatórias, nada de


importante, e cedo demais tivemos que voltar para a minha casa. Desta
vez nós não cruzamos os braços. Tentei não ficar desapontada, mas foi
difícil. Quando entramos no hall de entrada da casa, eu podia sentir o
peso da tristeza persistente retornando aos meus ombros.

Romero tocou levemente o meu braço. Meus olhos traçaram a sua


forte mandíbula com um pouco de barba escura, os olhos marrons
preocupados, as maçãs do rosto proeminentes. E então eu fiz o que eu
tinha prometido a mim mesmo não fazer novamente, mas nesse exato
momento, nesta casa fria e sem esperança, ele era a luz e eu era a
mariposa. Fiquei na ponta dos pés e o beijei. O toque foi um contato
breve, mas era isso que eu queria fazer há muito tempo. Romero
agarrou os meus braços e me empurrou. — Liliana, não.

Eu me soltei de seu abraço e saí sem dizer mais nada. Minha mãe
disse que eu deveria assumir os riscos pela minha felicidade, e eu
estava fazendo exatamente isso.

~ 58 ~
*****

ROMERO
Eu invadi a cozinha. Eu precisava de outro café. Fechei a porta
atrás de mim a batendo com muita força. Eu queria rasgar algo em
minúsculos pedaços. Meus lábios ainda formigavam daquele beijo
ridículo. Você não poderia sequer chamar assim. Foi rápido demais.
Porque eu tinha agido como o soldado obediente que eu deveria ser.
Foda-se.

Fiz café e esvaziei a xícara em um gole só, e então coloquei a


louça para baixo, fazendo um barulho alto contra o balcão.

A porta da cozinha se abriu e Luca se encostou contra o batente


com um olhar interrogativo no rosto. — Você percebe que esta não é a
sua casa, certo? Eu não acho que Scuderi apreciaria você destruindo o
seu balcão de mármore caro, — os cantos de sua boca se contorceram
em um quase sorriso.

Eu relaxei contra a ilha de cozinha. — Eu não acho que Scuderi


sabe onde fica sua cozinha. Onde está ele de qualquer maneira? Essa
casa está muito quieta. Eu pensei que ele e Gianna nunca iriam parar
de brigar.

A expressão de Luca escureceu. — Eles estariam fazendo isso até


agora, mas Scuderi teve que sair para uma reunião, o que eu vou ter
que fazer em breve, também. Dante e eu vamos discutir os russos hoje
à noite em algum restaurante italiano que ele aprecia.

— Eu suponho que vou ficar aqui para manter um olho nas


mulheres, — eu disse com firmeza. A ideia de estar em torno de Lily
toda a noite me preocupava.

Luca veio até mim. — Eu tenho que me preocupar com o que


aconteceu entre você e Liliana no tempo em que vocês saíram para
tomar café? Eu ainda quero saber o que aconteceu?

Eu o encarei. — Nada aconteceu, Luca. Você me conhece, eu sou


um bom soldado.

— Você também é um cara com um pau e Liliana é uma linda


garota que tem flertado com você por anos. Às vezes isso pode levar a
acidentes infelizes.

~ 59 ~
Eu soltei um longo suspiro.

— Porra, — Luca murmurou. — Eu estava brincando. Não me


diga que há realmente algo acontecendo.

— Liliana me beijou, mas dificilmente poderíamos chamar assim.


Nossos lábios mal se tocaram e eu a empurrei para longe, então você
não tem nada com que se preocupar.

— Ah, mas eu tenho que me preocupar, considerando o olhar de


pesar em seu rosto quando você disse que seus lábios quase não se
tocaram. Você a quer.

— Sim, eu a quero, — eu murmurei, começando a ficar irritado


com o seu interrogatório. Luca costumava ser o cara que não podia
manter o pau nas calças, e agora ele estava agindo todo alto e poderoso.
— Mas isso não vai acontecer novamente. Eu posso me controlar. Eu
nunca faria nada para prejudicar a Família.

Luca bateu em meu ombro. — Eu sei disso. E se você estiver


correndo o risco de seguir seu pau em vez de seu cérebro, basta lembrar
que Liliana está passando por um monte de problemas. Ela
provavelmente só está procurando uma distração. Ela está vulnerável e
é jovem. Eu sei que você não vai deixar que ela arruíne a sua vida.

Essa era uma viagem de culpa que eu já tinha visto outra vez. Eu
balancei a cabeça, porque as palavras na ponta da minha língua eram
muito duras para o meu Capo.

Aria entrou na cozinha naquele momento, mas ela parou quando


nos viu. — Estou interrompendo alguma coisa? — ela olhou entre Luca
e eu. — Eu achei que deveríamos começar a preparar o jantar. Meu pai
deu o dia de folga à empregada, porque não queria ninguém em casa
nesse momento. Isso significa que temos que cozinhar.

— Vamos pedir pizza, — disse Luca. Ele caminhou em direção a


sua esposa e a puxou contra ele antes de beijar o topo de sua cabeça.
Nos meus primeiros anos de trabalho para Luca, eu teria apostado tudo
que tinha que ele não era capaz desse tipo de afeto.

— Será que a conversa de vocês tem algo a ver com Lily? —


perguntou Aria casualmente enquanto passava por vários folhetos com
serviço de entrega de pizza.

Eu não disse nada, e Luca deu de ombros. — Por que você


pergunta? — ele disse.

~ 60 ~
Aria balançou a cabeça. — Eu não sou cega. Lily está agindo de
um jeito estranho desde que voltou do passeio com Romero, — ela me
encarou com um olhar de advertência. — Eu não a quero a sós com
você.

As sobrancelhas de Luca dispararam. Eu sabia que eu tinha um


olhar muito chocado também.

— Não me venha com esse olhar. Você sabe que eu gosto de você
Romero, mas Lily vem passando por muita coisa recentemente, e
quando se trata de você o cérebro dela para de funcionar. Eu não quero
ter que me preocupar com ela.

— Então agora você está protegendo a sua virtude? — eu


perguntei sarcasticamente.

— Ei, — Luca disse rispidamente. — Não fale nesse tom com ela.

Aria balançou a cabeça. — Não, está tudo bem. Eu não estou


protegendo a sua virtude. Eu só não quero que ela se machuque. Você
tem irmãs mais novas, você não quer mantê-las seguras?

— Quero, — eu disse. — E eu nunca faria nada que machucaria


Lily. Mas eu respeito o seu desejo. Eu não vou estar a sós com ela a
partir de agora — com um breve aceno de cabeça na direção de Luca,
eu saí da cozinha. As palavras de Aria não me sentaram bem. Luca
tinha confiado em mim com ela, embora ele fosse um bastardo
possessivo, mas Aria não confiava em mim com sua irmã. Claro, a
verdade era que eu nunca tinha estado remotamente interessado em
Aria. Eu não era cego. Ela era bonita, e definitivamente sexy, mas eu
nunca tinha fantasiado sobre ela, e não apenas porque eu sabia que
Luca iria cortar o meu pau fora se eu fizesse um movimento. Já Lily era
uma questão diferente. Eu tinha imaginado o seu corpo nu embaixo do
meu mais de uma vez, e quando eu estava perto dela, queria pressionar
a garota contra a parede e ter a porra da minha chance com ela. Isso
era um grande problema. Talvez fosse o melhor que as ordens de Aria
agora estivessem entre Lily e eu.

~ 61 ~
Capítulo Cinco
LILIANA
Alguém estava me sacudindo. Abri os olhos, mas a princípio tudo
estava escuro.

— Lily, se levante. Acho que mamãe vai morrer, — Aria disse com
a voz em pânico. Eu me sentei, minha cabeça girando.

Aria já estava em seu caminho para fora do meu quarto,


provavelmente para acordar os outros. Uma de nós sempre estava
sentado na cama da mãe para se certificar de que ela nunca estivesse
sozinha. Hoje à noite tinha sido a vez de Aria. Empurrei as cobertas
para longe, deslizei para fora da cama e corri para o quarto no fim do
corredor. O cheiro de antisséptico e desinfetante me cumprimentou
antes mesmo de eu entrar, mas agora meu nariz já tinha se
acostumado com o cheiro cortante. Gianna estava lá dentro, sentada na
beirada da cama. Os olhos da mãe estavam fechados e, por um
momento, eu tive certeza de que era tarde demais e ela já tinha
morrido. Então eu vi a ascensão e queda lenta do seu peito. Me
aproximei da cama, hesitante. Gianna mal olhou na minha direção. Ela
estava encarando o seu colo. Eu passei os meus braços ao redor de
seus ombros por trás e apertei as nossas bochechas juntas.

— Eu odeio isso, — Gianna sussurrou.

— Onde está a enfermeira?

— Ela saiu para que pudéssemos dizer adeus em paz. Ela deu
outra dose de morfina para que ela pudesse ir sem dor.

Aria e Fabi entraram no quarto. Fabi estava usando sua cara


brava, e caramba, ele parecia tão crescido. Ele já era mais alto do que
Aria. Luca ficou no corredor, mas não entrou, ao invés disso ele fechou
a porta, nos dando privacidade.

~ 62 ~
A respiração da mãe estava baixa, quase imperceptível. Seus
olhos se mexiam de um lado para o outro sob suas pálpebras, como se
ela estivesse assistindo a um filme em sua cabeça. Não levaria muito
mais tempo. Fabi agarrou o pé da cama, os nós dos seus dedos ficando
brancos. Havia lágrimas em seus olhos, mas seu rosto era como pedra.
Eu conhecia aquele olhar, aquela postura.

Eu me virei para longe dele. Aria caminhou até nós. — Como ela
está?

Eu não tinha certeza como responder a essa pergunta.

Gianna levantou o olhar. — Onde está o pai? Ele deveria estar


aqui! — ela falou em voz baixa, mas Aria e eu ainda arriscamos um
olhar preocupado em direção à mãe. Ela não precisava estar chateada
nos últimos momentos de sua vida. Meu estômago se contraiu
dolorosamente e por um segundo eu tinha certeza de que eu teria que
correr para o banheiro e vomitar. A morte era parte da vida das
pessoas, especialmente quando você crescia em nosso mundo. Eu tinha
ido a inúmeros funerais nos últimos anos, mas quase todos eles tinham
sido de pessoas que eu mal conhecia.

— Eu não sei, — admitiu Aria. — Eu bati na porta dele e até


mesmo telefonei, mas não parecia que ele tinha dormido na sua cama.

Gianna e eu trocamos um olhar. Ele estava realmente com uma


de suas prostitutas hoje à noite? Mamãe estava se sentindo muito fraca
ontem, por isso não era surpresa ela estar tão mal essa noite. Ele
deveria ter ficado em casa para estar com ela.

— Você sabe onde ele está? Você está agindo como o melhor
amigo dele nos últimos dias, — Gianna murmurou com uma carranca
na direção de Fabi.

Ele endureceu. — Ele não me diz aonde vai. E eu não sou o seu
melhor amigo, mas como o seu único filho eu tenho responsabilidades.

Gianna levantou, e eu não tive escolha a não ser deixá-la ir. — Ah


meu Deus, que besteira é essa. Eu não posso acreditar nisso, — ela
sussurrou.

— Gianna, — Aria disse em advertência. — Já basta. Não aqui,


não agora.

— Não importa que o pai não esteja aqui, — eu disse com firmeza.
— Nós estamos aqui para ela. Nós somos as pessoas mais importantes
na sua vida, não ele.

~ 63 ~
Essa foi à última vez que mencionamos o pai naquela noite. Horas
se passaram com o estado da mãe permanecendo o mesmo, e,
finalmente meus olhos se fecharam, mas então sua respiração alterou e
eu acordei imediatamente.

Me sentei na minha cadeira e peguei a mão dela. — Mãe? —


perguntei.

Aria estava segurando a outra mão. Gianna não se moveu de seu


lugar na poltrona do canto. Suas pernas estavam pressionadas contra o
peito, com o queixo apoiado nos joelhos. Fabi tinha adormecido com seu
rosto contra a madeira aos pés da cama. Estendi a mão e o cutuquei.
Ele se endireitou em sua cadeira.

As pálpebras de minha mãe vibraram como se ela estivesse


tentando abri-las. Prendi a respiração, esperando que ela olhasse para
nós mais uma vez, talvez até mesmo dissesse algo, mas então a sua
respiração desacelerou ainda mais.

Eu não tinha certeza de quanto tempo demorou. Eu perdi


qualquer noção de tempo enquanto eu monitorava o peito da mãe, a
forma como ele mal se mexia, até que parou completamente. Fabi
correu para fora para chamar a enfermeira, mas eu não precisava dela
para me dizer o que eu já sabia; nossa mãe tinha ido embora. A
enfermeira passou ao nosso redor, e então com um aceno de cabeça
triste, desapareceu fora do quarto outra vez.

Eu soltei a mão da mãe, me levantei da cadeira e dei um passo


para trás. Aria não se mexeu, ainda segurando a mão dela. Um
momento mamãe estava lá, e no outro ela tinha ido embora. Assim era
como uma vida terminava, e com ela, os sonhos e as esperanças da
pessoa. A vida era tão curta, qualquer momento poderia ser o seu
último. Minha mãe tinha me dito para ser feliz, mas em nosso mundo,
felicidade não era algo que vinha facilmente.

Aria apoiou a cabeça na borda da cama, soluçando sem fazer um


som. Fabi, como, só estava parado ao lado. Parecia que ele não podia
compreender o que tinha acontecido. Gianna caminhou até Aria, pela
primeira vez em horas se aproximando da cama, e colocou a mão no
ombro de nossa irmã. Ela nem sequer olhou para a mãe, e eu entendia.
O relacionamento de Gianna com a nossa mãe sempre foi difícil, e só
piorou quando ela aceitou a forma como o pai a tinha tratado depois da
sua fuga. Nos dias desde sua chegada aqui, os sentimentos de Gianna
tinha mudado muitas vezes de um segundo para o outro.

~ 64 ~
Depois de um momento, Aria se levantou e deu um beijo na testa
da mãe. Para minha surpresa, Gianna fez o mesmo, embora ela
rapidamente tenha se afastado da cama de novo. Eu só podia olhar. Eu
sabia que deveria beijar a testa da mãe, como um último adeus, mas eu
não poderia tocar neste corpo sem vida. Que não era mais ela. Era algo
vazio e sem vida.

Eu cambaleei para fora do quarto. Minha garganta estava fechada


e meus olhos estavam queimando. Eu queria correr e não parar, mas no
corredor eu esbarrei em Romero. Se ele não tivesse agarrado os meus
ombros, eu teria tombado. Eu estava ofegante. O pânico lentamente se
apertou em torno do meu corpo como um vício.

— Tire ela daqui, — ordenou Luca. Eu não tinha o notado.

— E quanto à ordem de Aria?

— Eu não dou à mínima.

Romero passou um braço em volta da minha cintura e me


conduziu pelo corredor. Eu ainda estava tentando puxar ar em meus
pulmões, mas era inútil. Minhas pernas fraquejaram.

— Ei, — Romero disse em uma voz suave. — Se sente — ele me


guiou para o chão e me ajudou a colocar minha cabeça entre as pernas
enquanto ele desenhava círculos calmantes nas minhas costas. A
sensação de sua mão quente me amparou.

— Apenas respire, — ele murmurou. — Está tudo bem.

Sua voz me puxou para fora do buraco negro que queria me


consumir e, eventualmente, a minha respiração voltou ao normal. —
Ela está morta, — eu sussurrei quando tinha certeza de que conseguiria
falar.

Romero parou o seu afago em minhas costas. — Eu sinto muito.

Eu balancei a cabeça, lutando contra novas lágrimas. — Meu pai


não estava lá. Eu não sei onde ele está. Ele deveria ter estado lá para
ela em seus últimos momentos! — a raiva parecia boa, melhor do que a
tristeza.

— Sim, ele deveria. Talvez Dante tenha chamado ele.

Eu levantei o olhar para Romero. — Dante não teria feito isso, e


não no meio da noite, não quando ele sabia que a nossa mãe estava tão
doente. Não, o pai não queria estar aqui quando minha mãe morresse.

~ 65 ~
Ele mal a visitou desde que ela ficou pior. Ele é um bastardo egoísta e
está, provavelmente, enroscando em uma de suas putas neste exato
momento.

Romero sorriu sombriamente. — Às vezes eu esqueço que você é


uma adulta agora e conhece os lados feios do nosso mundo.

— É melhor você não esquecer, — eu disse. — Eu sei mais do que


todos vocês pensam.

— Eu não duvido, — disse ele. Por um instante, só olhamos um


para o outro. Eu me sentia mais calma agora.

— Obrigada, — eu disse simplesmente. Romero tirou a mão das


minhas costas. Eu desejava que ele não tivesse tirado. Seu toque me
fazia sentir bem. Ele se endireitou e estendeu a mão. Eu peguei e ele me
puxou para os meus pés. A porta do quarto da mãe abriu e Aria saiu,
seus olhos ampliados entre Romero e eu. Ele soltou a minha mão e me
deu um sorriso encorajador antes de ir até Aria oferecer seus
sentimentos. Aria acenou com cabeça, mas depois seus olhos correram
para mim novamente. Seu rosto estava molhado de lágrimas. Eu andei
em direção a ela e passei meus braços ao seu redor. Romero tomou isso
como sua deixa para sair, mas antes que ele virasse a esquina, olhou
por cima do ombro e nossos olhares se encontraram. A sensação do
vazio frio no meu peito diminuiu e algo quente e mais esperançoso
tomou o seu lugar. Então ele desapareceu da minha vista. Eu quase fui
atrás dele, mas minhas irmãs precisavam de mim agora. Passos soaram
atrás de nós e, em seguida, Luca estava vindo em nossa direção,
abaixando o telefone de seu ouvido.

— Ele não atendeu ao telefone? Você tentou enviar uma


mensagem? — Aria perguntou enquanto se afastava de mim e corria
para o seu marido.

Luca fez uma careta. — Sim, eu enviei duas mensagens, mas ele
ainda não respondeu, e ele não atende aos meus telefonemas. Eu
duvido que ele esteja de volta logo.

Voltei para o quarto da mãe, embora o meu corpo se irritasse com


a mera ideia, mas Aria precisava de algum tempo com o marido. Eu
estava sobrando ali. Antes de fechar a porta, vi Luca embalando o rosto
da minha irmã e beijando as suas pálpebras. Isso era amor e devoção.
Ele não teria deixado o seu lado se ela estivesse morrendo. Ele não era
um bom homem, mas ele era um bom marido. Rezei para que eu fosse
tão sortuda um dia. Eu não poderia viver a vida que a minha mãe tinha,
com um marido frio que não se importasse comigo. Eu sabia que

~ 66 ~
Romero não seria assim. Mas ele não era o que o pai escolheria como
meu marido.

Gianna estava de volta à sua poltrona, mas ela estava falando ao


telefone em voz baixa, provavelmente com Matteo. Ela, também, tinha
encontrado alguém.

Fabi tinha ido embora. Eu não queria interromper Gianna, então


fui em busca do meu irmão mais novo. Encontrei-o em seu quarto,
sentado à sua mesa e polindo uma de suas muitas facas de combate.
Ela já estava brilhante.

— Você quer conversar? — perguntei.

Ele nem sequer olhou para cima, apenas apertou os lábios.

Eu esperei, então assenti. — Ok. Mas se você mudar de ideia, eu


estou no meu quarto.

Romero estava esperando do lado de fora. Ele balançou a cabeça


em direção ao meu irmão. — Você quer que eu fale com ele? Talvez ele
precise de alguém que não seja da família.

— Você quer dizer que não seja do sexo feminino, — eu disse


amargamente, mas então engoli minhas emoções. — Você
provavelmente está certo. Ele deve preferir falar com você do que
comigo.

Romero parecia querer dizer mais, mas então ele só passou por
mim e foi até o meu irmão. — Você precisa de ajuda para polir sua
coleção?

A cabeça de Fabi disparou. Admiração cintilou em seu rosto


pálido. Ele não disse nada, mas entregou um pano a Romero. Ele se
sentou na borda da mesa e desembainhou sua própria faca do coldre. A
lâmina longa, curvada, que parecia absolutamente mortal. Os olhos de
Fabi se iluminaram e ele se levantou de sua cadeira para dar uma
olhada. — Uau, — ele respirou.

— Eu provavelmente devo polir a minha em primeiro lugar. Suas


facas estão em uma condição muito melhor.

— Isso é porque eles são apenas para serem mostradas, — disse


Fabi. —Mas no seu caso é uma arma real. Quantos você já matou com
ela?

~ 67 ~
Eu fechei a porta rapidamente. Eu tinha tido morte suficiente
para uma noite. Não queria saber quantas pessoas Romero já tinha
matado em sua vida. Olhei para baixo em direção ao quarto onde o
corpo da mãe esperava para ser levado embora, então me virei e me
dirigi para o meu quarto. Aria tinha Luca, Gianna tinha Matteo, e por
enquanto Fabi ainda tinha Romero, mas eu lidaria com isso sozinha. Eu
tinha feito isso durante semanas e meses.

*****

ROMERO
Eu queria estar lá para Lily, queria consolá-la, mas eu respeitava
os desejos de Aria. Ela também passou por merdas o suficiente e não
precisava da dor adicional de se preocupar com sua irmã.

Em vez disso eu mostrei a Fabiano como lidar com a minha faca,


como desembainhar uma longa lâmina tão rápido quanto uma curta.
Era fácil distraí-lo de sua tristeza. Mas caramba, ele não era a pessoa
que mais precisava de mim.

Precisava de mim? Maldição, se eu começasse a pensar assim, eu


me meteria em problemas enormes. Lily não era minha
responsabilidade, e ela definitivamente não precisava de mim.

Fabi sacou a faca do coldre que eu lhe emprestei e sorriu com o


quão rápido ele tinha feito isso. Eu estive assim uma vez, ansioso para
aprender tudo o que havia sobre a luta, sobre ganhar. Ansioso para
provar que eu era bom. Meu pai era um funcionário de baixo escalão,
alguém que nunca chegou a falar diretamente com o Capo. Eu queria
ser melhor, provar o meu valor para ele e para mim. Fabiano tinha
enormes expectativas que descansavam em seus ombros, ele tinha
muitas maneiras de falhar, mas muita pouca opção para se destacar.

— Eu preciso ir falar com Luca agora, — eu disse finalmente. Fabi


acenou com a cabeça, e se acomodou em sua cadeira. Ele pegou um
pano e limpou a mesma faca novamente. Imaginei que ele passaria a
noite assim, e talvez até mesmo os próximos dias.

Saí e me dirigi para as escadas, mas parei em frente à porta de


Liliana, procurando ouvir algum som. Talvez eu quisesse ouvir um

~ 68 ~
choro para que pudesse invadir e consolá-la, ser seu cavaleiro de
armadura do caralho.

Eu segui em frente.

~ 69 ~
Capítulo Seis
LILIANA
Eu parecia mortalmente pálida de luto. Aria, Gianna e eu
usávamos os mesmos modestos vestidos e sapatilhas pretas, nossos
cabelos presos em um coque. Eu não usei maquiagem, mesmo que as
sombras sob os meus olhos fossem assustadoras. O pai tinha
organizado um funeral enorme; caixão caro de carvalho, um mar de
flores bonitas, o melhor buffet para depois. Ele agiu como o viúvo
devastado que todos esperavam ver. Era um show maravilhoso. Ele
deveria ter estado lá para a mãe quando ela realmente precisou dele.
Isso era apenas para impressionar as pessoas e talvez para fazê-lo se
sentir melhor. Mesmo um homem como ele tinha que se sentir culpado
por abandonar a sua esposa moribunda.

Funerais eram um grande evento em nosso mundo. O pai era um


homem importante, e assim a morte da mãe foi um evento social. Todos
queriam participar, e todo mundo estava chorando lágrimas de
crocodilo enquanto prestava suas condolências. Meus olhos estavam
secos como areia. Eu podia ver as pessoas olhando para mim, me
esperando chorar pela minha mãe, esperando que eu mostrasse a
reação que todos eles esperavam de mim. Mas eu não podia chorar. Eu
não queria chorar, não rodeada por tantas pessoas com lágrimas falsas.
Eles fingiam que tinham se importado com a minha mãe, que a tinham
conhecido, mas nenhuma dessas pessoas a visitou quando ela estava
em casa. Ela estava morta para eles muito antes da sua morte. No
momento em que ela não pôde mais ser a dama da sociedade, eles a
abandonaram como um trapo sujo. Me deixavam enjoada, todos eles.

Papai colocou os braços ao redor de um ombro de Fabi e de um


ombro meu, enquanto nos levava até o caixão. Estremeci sob o seu
toque. Eu não acho que ele percebeu minha repulsa por sua
proximidade, porque ele realmente apertou o meu ombro. Tive que
demonstrar um autocontrole incrível para ficar onde eu estava e não
fugir para longe dele.

~ 70 ~
O padre começou a sua oração enquanto o caixão foi sendo
abaixado lentamente para o buraco. Olhei para cima através dos meus
cílios e me Romero do outro lado do túmulo foi o que me chamou a
atenção. Ao contrário de Luca e Matteo, que tinha vindo para o funeral,
Romero não tinha permissão para ficar desse lado com a nossa família.
Sua expressão era solene enquanto encarávamos um ao outro, mas
depois ele baixou o olhar para o caixão. Ele tinha me evitado nos
últimos dias. Quando eu entrava em uma sala que ele estivesse, ele
estava, ele normalmente saía com uma desculpa estúpida. Era óbvio
que ele não conseguia estar na minha presença, e não sabia o que dizer.
Todo mundo estava pisando em ovos ao redor de mim e meus irmãos
agora. Eu queria que ele me dissesse a verdade. Eu poderia lidar com
isso. Papai nos levou de volta para os outros presentes enlutados, longe
da sepultura da mãe e, finalmente me soltou. Eu soltei um suspiro de
alívio, feliz por estar fora dos holofotes e longe do meu pai.

As pessoas começaram a baixar a cabeça na direção do caixão


para dizerem o seu último adeus, eu me afastei. Ninguém me parou.
Ninguém sequer pareceu notar. Eles estavam ocupados fazendo o seu
show. Eu me virei e não olhei para trás. Corri para longe do túmulo,
jogando poeira no ar quando os meus pés batiam no chão. Eu não tinha
certeza de onde eu estava indo. O cemitério era enorme, havia muitos
lugares para encontrar paz e silêncio. Cheguei a uma parte que era
ainda mais opulenta do que onde a mãe tinha sido enterrada. Filas e
mais filas de mausoléus antigos de família me cercavam. A maioria
delas estavam trancados, mas um dos portões de ferro estava
entreaberto. Eu olhei ao redor e, depois de ter tido a certeza de que
ninguém estava me observando, o abri e entrei. Assim que respirei o
cheiro de mofo invadiu o meu nariz. Tudo era feito de mármore
cinzento. Eu afundei e lentamente me sentei com as costas contra a
parede fria.

Em momentos como esse eu entendia o porquê de Gianna ter


fugido. Eu nunca tive o desejo de deixar essa vida para trás para
sempre, mas às vezes eu queria fugir, pelo menos por um tempo.

Eu sabia que, eventualmente, alguém notaria que eu estava


faltando e viria me procurar, mas eu não me importava, nem se o pai
perdesse a sua cabeça comigo.

Demorou menos de uma hora antes que eu ouvisse alguém


chamar o meu nome à distância. Abri os lábios para responder, mas
nenhum som saiu. Eu descansei minha cabeça contra o mármore, e
olhei para fora através das grades do portão de ferro. Então, muitas

~ 71 ~
vezes na minha vida eu me sentia como se estivesse cercada por grades
invisíveis, e agora eu buscava abrigo atrás delas. Um sorriso amargo
torceu meus lábios. Passos rangeram do lado de fora do mausoléu. Eu
segurei minha respiração quando alguém passou pelo portão.

A forma familiar apareceu na minha frente. Romero. Ele não tinha


me visto ainda, mas seus olhos estavam atentos e observadores,
vasculhando a área, procurando. Ele passou reto pelo ponto onde eu
estava escondida e estava prestes a se virar. Eu poderia ter ficado
escondida, sozinha com a minha raiva, miséria e tristeza, mas de
repente eu não queria isso. Por alguma razão, eu queria que Romero me
encontrasse. Ele não derramava lágrimas falsas e não era da família; ele
era seguro. Eu limpei minha garganta silenciosamente, mas é claro que
um homem como Romero não perderia isso. Ele se virou e seus olhos
focaram na minha direção. Ele andou para frente, abriu e o portão e
entrou no lugar de cabeça baixa, porque ele era muito alto para estar
ali. Ele estendeu a mão para mim. Procurei em seus olhos pela pena
que eu odiava tanto, mas ele parecia apenas preocupado, quase como
se ele realmente se importasse. Eu não tinha certeza do que fazer com a
sua preocupação quando não há muito tempo ele tinha feito o seu
melhor para ficar longe de mim.

Enfiei a mão na sua e seus dedos se fecharam em volta dos meus


antes que ele me puxasse para os meus pés. A dinâmica do movimento
me levou direto para os braços de Romero. Eu deveria ter recuado. Ele
deveria ter me empurrado para trás. Nenhum dos dois fez isso.

Era tão bom estar perto de alguém, sentir o seu calor, algo do
qual minha vida parecia tão desprovida recentemente. Ele lentamente
se retirou do mausoléu, me levando com ele, ainda me segurando perto.

— Nós estivemos procurando por você por quase uma hora, —


Romero disse em voz baixa, com preocupação, mas tudo que eu podia
focar era no quão perto os seus lábios estavam e quão bem ele cheirava.
— Seu pai vai ficar feliz em saber que você está segura.

Meu pai. A raiva cresceu em mim pela forma como ele agiu nos
últimos meses. Eu estava tão cansada de estar com raiva, de não saber
para onde ir com toda essa amargura. Eu fiquei na ponta dos pés,
fechei os olhos e pressionei os lábios contra os de Romero. Era a
terceira vez que eu fazia isso. Parecia que eu nunca aprendia, mas eu
não estava mais sequer com medo de ser rejeitada. Eu estava tão
entorpecida por dentro, não havia nenhuma maneira que qualquer
coisa pudesse me machucar de novo.

~ 72 ~
A mão de Romero veio até meus ombros como se ele fosse me
empurrar para longe, mas então ele apenas as descansou lá, quentes e
fortes. Ele não tentou aprofundar o beijo, mas nossos lábios se
moveram um contra o outro. Havia apenas o toque leve e mesmo assim
foi rápido demais. Algo escorreu pelo meu rosto e chegou aos meus
lábios. Nunca imaginei meu primeiro beijo de verdade com gosto de
lágrimas. Saí da ponta dos pés e meus olhos se abriram. Eu estava
muito esgotada, triste, muito irritada para me envergonhar pelas
minhas ações.

Romero estudou meu rosto, as sobrancelhas escuras apertadas


juntas. — Lily, — ele começou, mas então eu comecei a chorar, lágrimas
de verdade rolavam pelo meu rosto. Eu enterrei o meu rosto contra o
peito de Romero. Ele segurou a parte de trás da minha cabeça e me
deixou chorar. Na segurança dos seus braços, eu me atrevi a deixar a
tristeza transbordar, não temendo que isso fosse me engolir. Eu sabia
que Romero não iria deixar. Talvez fosse uma ideia ridícula, mas eu
acreditava que Romero fosse me manter a salvo de tudo. Eu tentei
esquecê-lo, tentei seguir em frente, encontrar alguém novo para
concentrar a minha paixão, mas não deu.

— Devemos voltar. Seu pai já deve estar doente de preocupação


por agora.

— Ele não está preocupado comigo. Ele só está preocupado em


como eu pareço mal para os outros, — eu disse baixinho, me
empurrando para trás. Limpei o meu rosto. Romero afastou uma mecha
de cabelo que ficou presa na minha pele molhada. Nós ainda estávamos
perto, mas agora que eu tinha um maior controle sobre as minhas
emoções, recuei envergonhada pela maneira como tinha me jogado nele.
Mais uma vez. Eu estava feliz por não poder ler a sua mente. Eu não
queria saber o que ele pensava de mim agora.

O telefone de Romero tocou e depois de dar me dar um sorriso de


desculpas, ele atendeu. — Sim, eu estou com ela. Nós estaremos aí em
um momento.

Olhei na direção de um homem idoso que estava diante de um


túmulo. Seus lábios estavam se movendo e ele estava se inclinando
fortemente em uma bengala. Eu tinha a sensação de que ele estava
falando com sua falecida esposa, dizendo a ela como seus dias tinham
sido, o quanto ele queria se reunir com ela novamente. Esse homem
nunca seria meu pai. Ele parecia já ter superado a morte da mãe.

~ 73 ~
Romero tocou meu ombro de leve e eu quase voei de volta em
seus braços, mas desta vez fui mais forte. — Você está pronta para
voltar?

Pronta? Não. Eu não queria ver o pai ou o seu luto falso. Eu não
queria ouvir mais uma palavra de piedade. — Sim.

Nenhum de nós mencionou o beijo enquanto caminhávamos de


volta para o túmulo da minha mãe. Romero tinha me beijado, ou me
deixado beijá-lo por pena, o que era a dura verdade da situação. Luca e
Aria eram as únicas pessoas esperando por nós.

Aria correu em minha direção e me envolveu em um abraço


apertado. — Você está bem?

Eu me senti mal instantaneamente. Ela também tinha perdido a


nossa mãe. Ela também estava triste, e agora ela tinha que se
preocupar comigo. — Sim, eu só precisava de um momento sozinha.

Aria assentiu em compreensão. — Papai e os outros convidados


foram para a casa, para a festa do funeral. Devemos ir até lá também,
ou o pai vai ficar ainda mais nervoso.

Eu balancei a cabeça. Aria atirou a Romero um olhar que eu tive


dificuldade em decifrar. Então ela me levou para o carro, seus braços
firmemente envolvidos em torno dos meus ombros. Luca e Romero
seguiam atrás. Eu não olhei para o túmulo da mãe de novo, sabia que
teria sido demais para mim.

— O que foi esse olhar que você deu a Romero? — eu perguntei


calmamente quando estávamos sentadas no banco de trás.

Aria fez uma cara de inocente, mas eu não comprei. Eu a


conhecia muito bem, mesmo que não fôssemos tão próximas como
costumávamos ser, devido à distância que agora nos separava. Ela
suspirou. — Eu disse a ele para ficar longe de você.

—Você fez o quê? — eu assobiei. Luca olhou por cima do ombro


para nós, e eu abaixei minha voz ainda mais. Eu esperava que ele não
tivesse ouvido o que eu disse. Romero parecia ocupado em encontrar
uma boa estação de rádio.

— Por que você fez isso? — perguntei em um sussurro.

— Lily, eu não quero que você se machuque. Você acha que


Romero vai fazer você se sentir mais feliz e ajudar com a tristeza, mas

~ 74 ~
isso só vai piorar as coisas. Talvez você pense que gosta dele, mas você
não deve confundir solidão com outra coisa.

Olhei para minha irmã, incrédula. — Eu não sou idiota. Eu


conheço meus próprios sentimentos.

Aria pegou minha mão. — Por favor, não fique brava, Lily. Eu só
quero te proteger.

Todo mundo sempre disse que queria me proteger. Eu me


perguntei do quê. Da vida?

*****

Dois dias depois, Aria, Gianna, Matteo, Romero e Luca partiram


para Nova York. Eu não tinha certeza de quando eu iria vê-los
novamente. Aria pediu ao pai para que eu pudesse os visitar algumas
semanas no verão, mas ele se recusou com um olhar não tão velado na
direção de Gianna. Eu coloquei minha melhor cara corajosa, disse a
eles que estaria ocupada passando o tempo com meus amigos e
cuidando de Fabi. Romero não tinha sequer me dado um abraço de
adeus, e ele e eu nunca tivemos a chance de ter uma conversa
particular. Talvez fosse melhor que eu não tivesse conseguido perguntar
a ele sobre o beijo.

Aria ligou na mesma noite, tentando se certificar de que eu estava


realmente bem. Eu não estava, mas não contei isso a ela.

Em vez disso eu aprendi a nadar com a maré, tentando fingir que


as coisas estavam indo bem. Mas meus amigos estavam de férias ou
ocupados com assuntos da família, e eu passava os meus dias sozinha
em casa apenas com a empregada e meu antigo guarda-costas como
companhia. Papai e Fabi estavam fora quase o tempo todo, e quando
eles retornavam, compartilhavam novos segredos que não podiam falar
comigo, e até mesmo em sua presença eu me sentia sozinha. A solidão
que você sentia mesmo cercada de pessoas era o pior tipo.

Muitas vezes eu passava horas sentada na cadeira ao lado da


cama onde a mãe morreu, pensando em suas últimas palavras e
querendo saber como eu deveria manter a minha promessa. Meu pai
não me permitiu ir para a faculdade, não me permitiu visitar Nova York,
não queria que eu festejasse com os meus amigos. Tudo que eu podia
fazer era esperar que algo acontecesse, para que a vida acontecesse.

~ 75 ~
Talvez se minha mãe não tivesse morrido, papai teria passado o verão
me apresentando maridos em potencial, e eu teria um casamento para
planejar em um futuro próximo. Ainda assim, eu preferia isso à forma
como a minha vida se desenrolava agora, sem nada para olhar para
frente.

*****

ROMERO
Luca, Matteo e eu jogávamos cartas quando o celular de Aria
tocou. Ela estava sentada no sofá com Gianna, bebendo vinho e rindo.

No momento que Aria começou a falar, eu sabia que algo estava


errado. Luca colocou as suas cartas para baixo também.

— Por que você não ligou antes? Você devia mandar ela para cá
imediatamente!

Luca se levantou.

— Você pode falar para mim, também, — disse Aria, então ela
olhou para Luca. — Meu pai quer falar com você — ela se levantou e
estendeu o telefone para ele, e Luca o pegou com um olhar preocupado
para sua esposa.

Gianna atravessou a sala em direção à sua irmã. — O que está


acontecendo?

Eu tive um sentimento ruim.

— Lily desmaiou hoje. Aparentemente ela não comeu muito desde


o funeral.

Me levantei da cadeira. — Ela está bem?

Aria concordou. — Fisicamente, sim. Papai chamou um médico e


ele disse que ela precisa beber mais líquidos e se alimentar melhor. Mas
é mais do que isso. Pelo que o pai disse, Lily esteve sozinha quase todo
o tempo desde que fomos embora. Ninguém cuidou dela. Não posso
acreditar que eu deixei ele me convencer a deixá-la lá. Eu deveria ter
trazido ela para Nova York comigo naquele momento.

~ 76 ~
— Por minha honra, nenhum dano acontecerá a Liliana enquanto
ela estiver aqui. Ela vai estar bem protegida. Eu vou ter certeza disso, —
disse Luca. Em seguida, ele ouviu o que quer que Scuderi tivesse a
dizer na outra extremidade. — Eu estou ciente disso. Acredite em mim,
Liliana estará tão segura como ela está em Chicago, — ele ouviu
novamente e, em seguida, desligou.

Aria correu em direção a ele. — E? Ele vai permitir que ela venha
para cá?

Luca deu um sorriso duro. — Ele concordou em deixá-la passar


todo o verão aqui, talvez até mais além. Ele parecia realmente
preocupado com ela.

— Sério? Isso é ótimo! — disse Aria, radiante.

— Eu duvido que ele esteja fazendo isso porque está preocupado,


mas quem se importa, desde que ele permita que ela fique com a gente,
— disse Gianna.

— Quando ela vai chegar? — perguntei, tentando soar casual,


como se eu fosse apenas um soldado me certificando de que pudesse
cumprir os meus deveres de guarda-costas com excelência.

A expressão de Luca deixou claro que ele não comprou isso um


segundo, mas Aria estava muito envolvida em sua euforia para prestar
atenção em mim. — Amanhã à tarde.

— Ela vai ficar no nosso apartamento, certo? — perguntou Aria.

Luca assentiu. — Eu disse a seu pai que eu, pessoalmente, me


certificaria de que ela estivesse segura.

— Você quer dizer que ela não vai sair por aí se divertindo ou,
Deus me livre, sujar a sua pureza, — Gianna murmurou.

— Sim, isso, — disse Luca com naturalidade. — E desde que a


guerra com a Outfit pode ser o resultado se eu não cumprir com a
minha promessa, vou fazer tudo ao meu alcance para garantir que ela
tenha apenas uma diversão muito limitada, — mais uma vez seus olhos
me encontraram e eu tive que segurar uma maldição. Ele nem sabia
sobre o beijo que Lily e eu tínhamos compartilhado no cemitério. Eu me
perguntava quão pior seria se ele realmente soubesse.

— Poderíamos passar o verão nos Hamptons. É muito quente e


abafado na cidade, e nós não estamos usando a mansão com frequência
suficiente de qualquer maneira, — Aria tocou o antebraço de Luca e

~ 77 ~
fitou-o com um de seus olhares que sempre o convencia. — Por favor,
Luca? Eu não quero Lily presa em nosso apartamento. Nos Hamptons
podemos ficar na piscina, e nadar no mar e fazer passeios no nosso
barco.

— Ok, ok, — disse Luca com um olhar resignado. — Mas Matteo e


eu não ficaremos o tempo todo com vocês. Temos um monte de coisas
para lidar no momento. Romero e Sandro terão que mantê-las seguras
enquanto estamos fora.

Aria arriscou um olhar em minha direção. Ela provavelmente se


perguntava se era uma boa ideia me ter em torno de sua irmã, e para
ser honesto, eu me perguntava a mesma coisa.

~ 78 ~
Capítulo Sete
LILIANA
Eu ainda não tinha percebido o quanto tinha me negligenciado
nas últimas duas semanas desde o funeral da mãe. Eu não tinha fome e
raramente estava com sede, então eu não tinha comido muito.

Claro, eu estava feliz que o meu desmaio tinha mudado a mente


do pai. Me mandar para Nova York foi o maior presente que ele poderia
ter me dado. Nas últimas duas semanas eu não queria nada mais do
que finalmente sair desta casa.

Quando cheguei em Nova York, Aria e Luca estavam esperando


por mim. Depois de um breve momento de decepção por Romero não
estar lá, me permiti ser feliz por estar aqui. Aria me abraçou com força.
Quando ela se afastou, seus olhos vagaram sobre o meu corpo. — Como
o pai não notou nada antes? Deus, você perdeu muito peso, Lily.

— Apenas alguns quilos, e eu vou recuperar eles em algum


momento, — eu disse com um sorriso.

— É melhor que sim, — disse Luca, me dando um abraço com um


braço só. — Eu vou ter você alimentada à força, se for necessário. Eu
prometi a seu pai que ia cuidar bem de você.

Revirei os olhos. — Eu não entendo por que o pai se preocupa.


Ele mal prestou atenção em mim, e agora ele de repente está todo
preocupado? Por que isso?

Um olhar de preocupação passou pelo rosto de Aria e eu estava


prestes a perguntar a ela a razão, quando Luca nos chamou para a
saída. — Vamos indo. Eu odeio este lugar.

— Então o que vamos fazer hoje? — eu perguntei quando


estávamos indo em direção ao carro. Depois de semanas de não fazer
nada, de não sentir nada, eu precisava sair, precisava me sentir viva
novamente.

~ 79 ~
— Nada, — disse Aria se desculpando.

Meu rosto caiu e Aria se apressou em acrescentar, — Mas só


porque estamos indo para os Hamptons no início da manhã. Nós vamos
passar o verão na praia.

— Sério? — perguntei.

Aria abriu um grande sorriso, e de repente a nuvem escura sobre


a minha cabeça se abriu.

*****

ROMERO
Eu era bom em manter uma cara séria, mesmo em situações
difíceis, mas quando eu vi Lily pela primeira vez quando ela entrou no
apartamento, eu não tinha certeza se poderia esconder a minha fúria.
Fúria direcionada ao pai dela por deixar a própria filha se afogar em sua
tristeza, enquanto ele estava ocupado demais promovendo a sua
posição na Outfit com a indução de seu filho muito jovem.

Lily perdeu peso, o suficiente para que suas clavículas e costas se


destacassem. Ela parecia frágil, mas ainda assim tão bonita. Eu queria
protegê-la de tudo.

Seus olhos encontraram os meus, e o desejo neles quase me


obrigou a atravessar a sala e envolvê-la em meus braços, mas eu fiquei
onde estava, não só por causa do olhar que Aria me enviou. Luca tinha
feito uma promessa a Scuderi. Nós, a Família, manteríamos Liliana
segura, e isso incluía a sua honra. Considerando que a maioria dos
meus sonhos incluía Lily em algum estado de nudez, eu definitivamente
precisaria manter a minha distância, e eu o faria.

Nas últimas semanas, eu tinha fodido várias garotas na


esperança de que elas tirassem Lily da minha cabeça, mas vendo ela
aqui agora, me fez perceber que tinha sido completamente em vão.
Claro, não tinha realmente ajudado que eu imaginasse que fosse Lily
cada vez que eu tinha estado com uma mulher.

Eu estava completamente ferrado.

~ 80 ~
Luca veio até mim quando eu me inclinei contra o balcão da
cozinha e assisti a reunião das três irmãs. — Será que isso vai ser um
problema, você estar em uma mansão com Liliana?

— Não, — eu disse com firmeza.

— Você tem certeza, porque aquele olhar em seu rosto há pouco


me contou uma história diferente.

— Tenho certeza. Liliana é uma menina bonita, como você disse,


mas eu já estive com meninas bonitas. Estive com as meninas mais
bonitas. Não vou arriscar a ira de Scuderi.

Era uma fodida mentira. Nenhuma das meninas com que eu


tinha estado podiam competir com a beleza de Lily, mas felizmente Luca
não conseguia ler mentes, mesmo que ele tentasse fazer com que seus
soldados estúpidos acreditassem que ele tinha algum tipo de sexto
sentido como esse, só para mantê-los na linha.

— Não apenas a ira de Scuderi, — disse Luca. — Isso é grave pra


caralho. Estou falando sério, Romero.

Isso era um aviso?

Eu tive que morder de volta um comentário e assenti. Luca era


um bom Capo e eu nunca tive problemas em seguir as suas regras, mas
por algum motivo isso não me sentava bem agora. Lily tentou pegar o
meu olhar durante o jantar, mas tive a certeza de manter a minha
atenção em Matteo e Luca. Eu não queria que Lily tivesse esperanças.

E o que era mais importante, eu precisava manter a minha


própria merda sob controle.

*****

LILIANA
Romero ainda estava me ignorando. Embora ignorando não fosse
bem a palavra certa. Ele me tratou com desprendimento educado,
sempre amigável, mas nunca caloroso demais. Se eu não tivesse
conhecimento do que Aria havia dito a ele, teria sido mais difícil de lidar
com isso, mas eu tinha quase certeza que ele estava interessado em
mim.

~ 81 ~
No primeiro dia na mansão, o sol estava brilhando e nós
decidimos jantar na praia. Eu decidi usar o meu vestido de praia cor de
rosa. Era decotado, sem costas e abraçava as minhas curvas. Bem, pelo
menos ele costumava fazer, agora estava um pouco solto em certos
lugares, mas ainda me vestia muito bem. Quando minhas irmãs e eu
fomos para a mesa que os homens tinham feito, Romero olhou por cima
da churrasqueira que estava arrumando e o que enxerguei em seus
olhos quando me viu foi todo o incentivo que eu precisava. Porque
aquilo estava longe de ser o desprendimento educado das últimas vinte
e quatro horas.

Ele desviou o olhar de mim e voltou para sua tarefa de fritar os


bifes. Ele parecia incrível também, a forma como o sol poente batia em
seu cabelo marrom, a maneira como seus antebraços flexionavam
quando ele se mexia. Eu amava a forma como ele tinha arregaçado as
mangas brancas e tinha aberto os dois botões superiores da camisa,
revelando um pedaço de peito bronzeado.

— Você está babando, — Gianna sussurrou em meu ouvido.

Eu corei e levei meu olhar para longe de Romero, e então olhei


para minha irmã, que se sentou à mesa com um sorriso furtivo em seu
rosto.

Eu levei minha cadeira para o lado dela. — Você também disse a


Romero para ficar longe de mim?

Gianna pegou a garrafa de vinho branco do refrigerador e encheu


as nossas taças. — Eu? Não. Você me conhece. Eu sou toda a favor de
tudo que é impertinente e proibido. Se você quer um pedaço de Romero,
corra atrás. A vida é muito curta.

Parei com a taça e vinho contra os meus lábios. As palavras da


mãe vieram à minha mente, muito parecidas com essas. — Aria
discorda, — eu disse, então traguei metade do meu vinho.

— Aria tenta agir como uma mãe, mas é você quem tem que
decidir o que quer.

— Você está tentando me meter em encrenca? — perguntei,


sentindo meu estômago quente do vinho. Eu terminei a minha taça com
apenas mais um gole.

— Eu não acho que você precisa de mim para isso, para ser
honesta, — disse Gianna enquanto levantava as sobrancelhas ruivas. —
Mas me faça um favor e maneire no vinho.

~ 82 ~
— Eu pensei que você queria que eu me divertisse.

— Sim, mas eu quero que você esteja sóbria o suficiente para


perceber o que você quer. E eu não acho que Romero irá te levar a sério
bêbada.

— Você está certa. Ele é muito cavalheiro para tirar proveito de


uma garota bêbada.

Gianna bufou. — Uau, agora eu sei por que Aria está preocupada,
— ela observou Romero por um tempo. Ele estava rindo de alguma
coisa que Matteo tinha dito. — Eu não iria colocar muita confiança em
seu cavalheirismo, se eu fosse você. Fique no controle quando você
estiver com ele. Ele ainda é um Made Men. Não me faça ter que matá-lo,
ok?

— Eu pensei que você não fosse uma mamãe galinha4?

— Eu não sou. Eu sou a mãe urso irritada que vai rasgar o pau
dele fora se ele te machucar.

Eu caí na gargalhada. Aria se juntou a nós na mesa naquele


momento e nos olhou com desconfiança. — Eu não sei se eu gosto de
vocês duas sozinhas. Cheira a problemas, se vocês me perguntarem.

— Você não me quer sozinha com ninguém, pelo que parece, —


eu disse, apenas metade provocação.

Aria gemeu e pegou um copo de vinho para si mesma. — Você


ainda está com raiva de mim?

— Eu não estou com raiva de você, — eu só ia ignorar as ordens


de Aria, e fazer o meu melhor para convencer Romero a ignorá-las
também.

Aria olhou para Gianna, que fez uma cara inocente, depois para
mim. — Eu não gosto disso. Me prometam que as duas não se meterão
em problemas.

— Eu tive problemas suficientes, muito obrigada, — disse Gianna


com um sorriso.

Aria me encarou com o seu olhar de irmã mais velha.

— Vou me comportar, eu prometo, — eu disse finalmente. Então


me servi mais vinho, tentando chegar a um plano para conseguir algum

4Eles usam essa expressão em inglês para falar daquelas pessoas, especialmente
mulheres, superprotetoras.

~ 83 ~
tempo a sós com Romero. Eu sabia que Aria faria o seu melhor para ser
a minha sombra constante.

*****

Durante o dia, foi praticamente impossível sair do campo de visão


de Aria. Ela me observava, e particularmente a Romero, como um
falcão. Quando ela tinha se transformado nessa desmancha-prazeres?
As noites e madrugadas eram as únicas opções que eu tinha. Desde que
eu mal dormia de qualquer maneira, não ia ser um problema. Por
alguma razão a escuridão me fazia sentir medo de cair no sono, então
eu passava as noites fantasiando sobre Romero e fazendo planos sobre
como seduzi-lo, enquanto eu aproveitava o tempo do cochilo ocasional
que minhas irmãs davam no sol da tarde.

Tinha levado alguns dias para reunir coragem para o meu


próximo passo. Eu sabia como usar minha máscara da coragem, mas
isso era algo que eu nunca feito antes. Eu não tinha experiência com
homens, exceto o flerte inofensivo que tinha dado com os soldados do
meu pai ao longo dos anos.

Eu não estava tão preocupada com a rejeição de Romero como eu


costumava estar. Eu tinha flagrado ele me observando com muita
frequência nos últimos dias, quando ele achava que ninguém estava
prestando atenção. Quando o sol nasceu, os primeiros raios hesitantes
tocaram o meu rosto e eu saí da cama e me arrastei em direção a minha
janela com vista para a praia. Como todas as outras manhãs nos
últimos dias, vi uma figura solitária correndo ao longo da praia usando
apenas shorts, sem camisa. Esse era o destaque do meu dia. Eu não
tinha certeza de onde Romero tinha conseguido a disciplina para se
levantar antes do sol nascer todas as manhãs para se exercitar, e eu
realmente esperava que ele não fosse mostrar esse autocontrole todo
comigo. Eu o vi correr morro acima em direção à mansão e me
pressionei mais perto da parede para que ele não me visse espionando.
Depois que ele desapareceu de vista, esperei mais cinco minutos antes
de sair do meu quarto. Era um silêncio mortal a essa hora, apenas seis
da manhã. Minhas irmãs ainda estavam dormindo; elas nunca se
levantavam tão cedo, e Matteo e Luca tinham partido para Nova York
ontem e não estariam de volta até esta noite, então a única pessoa que
poderia ter cruzado o meu caminho era o outro guarda, Sandro.
Quando passei pela porta de Sandro, me certifiquei de ir mais devagar,

~ 84 ~
mas não havia nenhum som vindo do seu quarto. Aumentei o ritmo do
meu passo até chegar ao quarto de Romero.

Eu sabia que era errado. Se alguém descobrisse, se o meu pai


descobrisse, ele nunca me deixaria sair de Chicago novamente. Ele nem
sequer me deixaria sair de casa mais. Era muito inadequado e
impróprio para uma dama. As pessoas ainda estavam falando mal de
Gianna depois de todo esse tempo. Eles saltariam de emoção com a
chance de encontrar uma nova vítima, e o que poderia ser melhor do
que outra irmã Scuderi sendo pega no ato?

E no fundo, eu sabia que eu era exatamente como Gianna quando


se tratava de resistir à tentação. Eu simplesmente não podia. A porta de
Romero não estava trancada. Escorreguei para dentro do seu quarto na
ponta dos pés, prendendo a respiração. Ele não estava lá, mas eu podia
ouvir a água correndo no banheiro. Me arrastei nessa direção. A porta
estava entreaberta. Olhei pela fresta.

Nos últimos dias eu aprendi que Romero era uma criatura de


hábitos, então eu o encontrei sob o chuveiro, como esperado. Mas do
meu ponto de vista eu não conseguia ver muito. Abri a porta e entrei.

Minha respiração ficou presa na visão dele. Ele estava de costas


viradas para mim e era uma imagem gloriosa. Os músculos de seus
ombros e costas estavam flexionados enquanto ele lavava o cabelo
castanho. Naturalmente, meus olhos mergulharam mais abaixo pelas
costas, e ele estava perfeitamente em forma. Eu nunca tinha visto um
homem desse jeito, mas eu não podia imaginar alguém que pudesse se
comparar a Romero.

Ele começou a se virar. Eu deveria sair. Mas estava olhando


admirada para o seu corpo. Ele estava excitado? Ele ficou tenso quando
me viu. Seus olhos capturaram o meu olhar antes que eles deslizassem
sobre a minha camisola e pernas nuas. E então eu encontrei uma
resposta para a minha pergunta. Ele realmente não tinha estado
excitado antes. Ah, droga.

Minhas bochechas se aqueceram enquanto eu o via crescer mais


duro. Fiz tudo que eu podia para não cruzar a distância entre nós e
tocá-lo.

Romero desligou o chuveiro com movimentos vagarosos e enrolou


uma toalha na cintura. Então ele saiu. O cheiro do seu shampoo
flutuou até meu nariz. Lentamente, ele avançou para mim. — Você
sabe, — ele disse em uma voz estranha. — Se alguém nos encontrasse

~ 85 ~
assim, poderia ter uma ideia errada. Uma ideia que poderia custar a
minha vida e a sua reputação.

Eu ainda não podia me mover. Eu estava feito pedra, mas meu


interior parecia queimar como lava incandescente. Eu não conseguia
desviar o olhar. Eu não queria.

Meus olhos pousaram na borda da toalha, sobre a linha fina dos


cabelos escuros que desapareciam sob ela, o delicioso V de seus
quadris. Por vontade própria, minha mão se moveu, alcançando o peito
de Romero, precisando sentir a sua pele sob os dedos.

Romero pegou meu pulso antes que eu pudesse tocá-lo, seu


aperto quase doloroso. Levantei o olhar, meio envergonhada e meio
surpresa. O que eu vi no rosto de Romero me fez estremecer.

Ele se inclinou para frente, chegando cada vez mais perto. Meus
olhos se fecharam, mas o beijo que eu queria nunca veio. Em vez disso
ouvi o ranger da porta. Olhei para Romero. Ele só abriu a porta do
banheiro. Foi por isso que ele se aproximou, não para me beijar.
Constrangimento me atravessou. Como eu poderia ter pensado que ele
estava interessado em mim?

— Você precisa ir embora, — ele murmurou enquanto se


endireitava. Seus dedos ainda estavam enrolados em volta do meu
pulso.

— Então me deixe ir.

Ele fez isso de imediato, e deu um passo para trás. Eu fiquei onde
estava. Eu queria tocá-lo, e eu queria que ele me tocasse, também. Ele
falou um palavrão e então estava em cima de mim, uma mão segurando
minha nuca, a outra em meu quadril. Eu quase podia saborear os seus
lábios, que estavam tão perto. Seu toque me fazia sentir mais viva do
que qualquer outra coisa já fez.

— Saia, — ele murmurou. — Saia antes que eu quebre o meu


juramento, — ele falou como um meio apelo, meio ordem.

Eu queria que ele quebrasse o seu juramento, não queria nada


mais que isso, mas algo em seu olhar me fez recuar alguns passos. Eu
estava chateada, mas não era estúpida. Deixando o meu olhar percorrer
o comprimento dele uma última vez, eu rapidamente corri para fora e
atravessei o quarto, parando apenas para verificar o corredor antes de
sair. Não havia ninguém em volta, então eu saí e corri em direção ao
meu quarto. Tinha quase chegado à minha porta quando Gianna

~ 86 ~
apareceu, ainda de pijama e uma xícara de chocolate quente nas mãos.
Ela parou, estreitando os olhos com desconfiança. — O que você está
fazendo se esgueirando pelo corredor de camisola?

Por que ela tinha que se levantar cedo logo hoje?

— Nada, — eu disse um pouco rápido demais. Eu podia sentir o


calor aparecendo em meu rosto. O meu corpo nunca pararia de me trair
em situações como essa?

—Nada, — Gianna repetiu, cruzando os braços na frente do peito


e tomando um gole ocasional da sua xícara. — Certo. O quarto de
Romero não é nessa direção?

Eu dei de ombros. — Pode ser. Não é como se ele tivesse me


convidado.

— Não quer dizer que você não esteve lá.

— Já acabou com o interrogatório? Eu não sei por que de repente


você tenta soar como o pai. Não é como se você sempre jogasse pelas
regras.

— Calma, tigresa. Eu estava apenas curiosa. Por mim, você pode


visitar Romero e quem mais quiser, mas você sabe como são as coisas.
Se os empregados te pegarem, os boatos vão se espalhar rapidamente.
Você tem que ser inteligente sobre isso, e andar correndo pela casa
como se tivesse feito algo errado não vai te ajudar. Se Aria tivesse te
pegado assim, você teria um monte de explicações para dar.

— Eu não fiz nada errado, — eu disse teimosamente.

Gianna sorriu amargamente. — Eu sei, mas isso não significa que


você não vai ser punida mesmo assim. Basta ter cuidado, — ela me
entregou sua xícara de chocolate quente. — Eu acho que você precisa
disso mais do que eu.

Eu pensei que estava sendo cuidadosa, mas, pelo visto, minhas


irmãs pareciam ver através de mim. Eu só podia esperar que elas
fossem manter o meu segredo de seus maridos. Romero e eu não
gostaríamos de entrar em enormes problemas se as pessoas
começassem a acreditar que algo estava acontecendo entre nós, mesmo
se não houvesse. Ninguém se preocupava com a verdade. Eu gostaria
que houvesse algo real para eles falarem, desejava que Romero tivesse
me beijado como eu queria, desejava que ele não tivesse parado o beijo.

~ 87 ~
*****

ROMERO
Eu quase corri atrás de Liliana e arrastei de volta para o meu
quarto. Caramba. Ela me queria. Estava escrito em todo seu rosto. No
primeiro momento que me virei e a vi ali de pé, com seus enormes olhos
azuis, pensei que estava imaginando coisas. Afinal, eu pensava nela
frequentemente durante o meu banho. Ela estava na minha cabeça o
tempo todo. Se Luca soubesse como era difícil para mim me concentrar
em proteger Aria nesse momento, ele definitivamente teria me mandado
de volta para Nova York, longe de Lily. Se eu fosse um bom soldado, ia
lhe pedir para fazer isso, mas eu não queria ir a qualquer lugar. Eu
queria ficar perto de Lily.

Corri a mão pelo meu cabelo molhado enquanto olhava para a


porta do banheiro. Por que eu tinha a mandado embora? Ela queria que
eu a beijasse. Ela queria mais do que isso. Por que eu tinha que ouvir a
porra da minha consciência, então?

Mas não era nem mesmo a moral que me impediu de beijar Lily.
Isso ia contra meu juramento, meu dever, mas não era o principal
motivo. Mesmo que ela não fosse realmente minha para proteger, eu
ainda queria proteger Lily, até de si mesma. Ela não parecia perceber as
consequências de flertar comigo assim. Em nosso mundo o valor de
uma menina era baseado em sua reputação, sua pureza, isso era a
verdade, o que os homens esperavam das moças do alto escalão. Mas
mesmo entre os soldados, poucas mulheres eram autorizadas a
namorar com alguém que elas quisessem. Nós ainda seguíamos as
mesmas regras de mais de cem anos atrás, e eu duvidava que fosse
mudar em breve. Se eu deixasse Lily perto, se eu deixasse essa coisa
entre nós se desdobrar, se eu a tomasse da maneira que eu queria,
então ela estaria arruinada aos olhos da nossa sociedade.

Claro, havia muitas coisas que poderíamos fazer que não iriam
destruir a sua virgindade. Tantas coisas, porra.

Isso era uma coisa muito perigosa de considerar, porque se eu


realmente começasse a pensar em todas as maneiras que eu poderia ter
Lily sem a arruinar, provavelmente eu acabaria agindo sobre essas
ideias, e eu não tinha certeza se era forte o suficiente para parar em um
determinado ponto. Pelo menos, não se Lily não me pedisse, e eu tinha
a sensação de que ela não o faria.

~ 88 ~
Durante o café, eu agi como se nada tivesse acontecido. Aria
estava prestando muita atenção. E Gianna parecia saber mais do que
devia, também.

Lily encontrou meu olhar quando suas irmãs não estavam


cuidando e o que vi ali fez o meu pau se contorcer. Hoje eu tinha dado a
ela uma abertura. Ela agora sabia que eu a queria.

Eu passei minha vida cuidando dos outros, sempre colocando


minhas próprias necessidades em segundo plano. Seria realmente tão
ruim se eu tomasse o que eu queria, por uma vez? Nunca na minha
vida eu tinha querido tanto algo como essa garota.

Por que eu deveria me negar isso?

~ 89 ~
Capítulo Oito
LILIANA
Olhei para o teto, ou melhor, onde eu sabia que ele estava. A
escuridão era impenetrável, eu não poderia mesmo ver a minha própria
mão. Às vezes parecia que a escuridão era tudo que havia na minha
vida. Um longo túnel sem fim. Especialmente à noite, quando as
palavras da mãe me assombravam. Eu tinha prometido a ela que seria
feliz, mas não tinha certeza de como fazer. Uma profunda solidão me
enchia, eu tinha tomado conta de mim desde que mamãe tinha morrido.
Nós nunca tínhamos sido próximas como algumas filhas eram de suas
mães, mas ela estava lá, uma presença constante. E agora parecia que
eu estava sozinha. Claro que havia Fabi, mas ele era jovem e logo
estaria envolvido nos negócios da máfia e do pai... Agora, estar aqui nos
Hamptons me fazia feliz, mas era uma coisa temporária.

Minhas irmãs, elas estavam sempre lá para mim, mas elas


tinham suas próprias vidas, elas tinham maridos, e um dia elas teriam
as suas próprias famílias. Elas ainda me amariam, e ainda cuidariam
de mim, mas eu queria a minha própria felicidade, separada da delas.
Eu queria o que elas tinham. E eu sabia que a única pessoa com quem
eu queria esse tipo de felicidade era com Romero.

Ele estava me observando de forma diferente neste verão. Nos


últimos anos sua expressão havia deixado claro que eu não passava de
uma garota para ele, de alguém para proteger. Mas, recentemente,
alguma coisa tinha mudado. Eu não era um especialista quando se
tratava de homens, é claro, mas seu olhar mostrava uma pitada de algo
que muitas vezes que eu via no rosto de Luca quando ele olhava para
minha irmã Aria.

Pelo menos, eu achava que sim. Empurrei meu cobertor de cima


de mim e me sentei. Não me incomodei em acender as luzes por medo
de atrair a atenção e, em vez disso, fui tateando meu caminho até a
porta. Alcancei a maçaneta e saí para o corredor. Estava silencioso e
escuro, mas pelo menos aqui eu poderia executar meu plano. Não que

~ 90 ~
eu precisasse ver alguma coisa para encontrar o quarto de Romero. Eu
sabia exatamente onde era. Eu tinha perdido a conta das vezes que me
imaginei indo até lá. Mas até agora a razão tinha me parado. Hoje à
noite eu estava cansada de ouvir a razão, de jogar pelo seguro. Eu não
queria estar sozinha, não queria passar a noite toda olhando para a
escuridão, solitária e triste. Me arrastei pelo corredor, cuidando para
não fazer nenhum som, mal ousando respirar. Quando cheguei à porta
do quarto dele, fiquei lá por um longo tempo. O interior estava
silencioso e tranquilo. Claro, já passava e muito da meia-noite e ele
sempre se levantava cedo para correr.

Meus dedos tremiam de nervoso quando eu agarrei a maçaneta e


a empurrei para baixo. A porta se abriu sem um som. Eu entrei e a
fechei novamente, então não me mexi por um longo tempo, somente
olhando para a cama e para o contorno do corpo de Romero. Suas
cortinas não estavam fechadas, de modo que o luar fornecia alguma luz.
Ele estava de costas para mim e seu cobertor cobria somente até a
cintura. Meus olhos traçaram seus ombros e braços musculosos. Eu me
aproximei, um passo hesitante após o outro. Isso era tão errado.
Romero tinha me pegado em seu quarto antes, e pior, ele me pegou o
espionando no chuveiro, mas isto parecia mais íntimo. Ele estava na
cama, e se as coisas fossem do meu jeito, eu iria em breve me juntar a
ele. E se ele me mandar embora? Ou pior, e se ele ficar irritado e contar
a Luca? E se eles me mandarem de volta para Chicago, para aquela
casa escura e sem esperança, junto ao meu pai que não sentia
nenhuma falta da minha mãe?

Eu congelei a alguns passos da cama. Minha respiração acelerou


como se eu tivesse me exercitado e minhas mãos estavam pegajosas.
Talvez eu estivesse perdendo a cabeça. Eu estava tentando me dizer que
estava fazendo isso porque a mãe queria que eu fosse feliz, mas talvez
eu só estivesse usando isso como desculpa para minha insanidade. Eu
queria Romero muito antes que mamãe tivesse dito alguma coisa, e
tinha até mesmo tentado beijá-lo anos antes da sua morte.

Eu balancei a cabeça, ficando com raiva de mim mesma por


cismar com tudo. Houve um tempo em que eu teria feito o que eu
quisesse, se fosse a minha vontade. Dei mais um passo em direção à
cama, mas eu devo ter feito um som sem perceber porque a respiração
de Romero mudou e seu corpo ficou tenso. Ah não. Não havia como
voltar atrás agora.

~ 91 ~
Ele rolou de costas em um movimento rápido, então seus olhos
pousaram em mim. Ele relaxou, mas rapidamente ficou tenso
novamente. — Liliana?

Eu não respondi. Minha língua parecia presa no céu da boca. O


que eu estava pensando?

Romero balançou as pernas para fora da cama e se sentou na


borda por um momento, em silêncio, me observando. Ele podia ver o
meu rosto? Eu provavelmente parecia um rato acuado por um gato,
mas eu não estava com medo. Nem um pouco. Se qualquer coisa, eu
estava envergonhada, e estranhamente animada. Eu era um rato
perturbado e doente, isso era certo. Ele se levantou, e, claro, meus
olhos fizeram uma varredura rápida pelo seu corpo. Ele estava vestindo
apenas uma cueca samba-canção. Ele parecia bom demais para ser
verdade. Como se tivesse saído diretamente dos meus sonhos. Era
embaraçoso pensar quantas vezes eu sonhei com Romero e todas as
coisas que eu queria fazer com ele.

— Lily, o que você está fazendo aqui? Está tudo bem? — havia
preocupação em sua voz, mas também havia algo mais. Algo que eu
tinha ouvido quando ele me pegou espionando no chuveiro. Era algo
mais sombrio e quase ansioso.

Meu estômago vibrou com borboletas e eu dei um passo em sua


direção. Eu queria voar em seus braços, queria beijá-lo, e queria muito
mais.

— Posso dormir com você? — as palavras saltaram para fora,


apenas assim, e uma vez que elas foram pronunciadas, eu não podia
acreditar que as tinha dito. Especialmente porque elas poderiam
facilmente ser levadas para o caminho errado.

Romero congelou. O silêncio se estendeu entre nós. Eu tinha


certeza que isso iria me esmagar a qualquer segundo. Dei mais um
passo em sua direção. Eu estava quase no alcance do seu braço agora.

O som da respiração de Romero era incrivelmente baixo. Eu podia


ver seu peito arfando. Ele estava com raiva?

— Isso não é algo com que você deve brincar, — ele disse
calmamente. — Não é engraçado, — ele estava com raiva. Talvez eu
devesse ter tomado a dica, girado nos calcanhares e saído do quarto,
mas, como Gianna, eu nunca tinha sido muito esperta em situações
como essa.

~ 92 ~
— Eu não estava brincando, e eu não quis dizer isso assim, — eu
sussurrei. — Eu quero dormir na sua cama, apenas dormir — por
enquanto. Eu queria mais do que isso, eventualmente.

— Liliana, — Romero murmurou. — Você perdeu a cabeça? Você


ao menos percebe o que está dizendo?

Minha fúria se levantou. Todo mundo sempre pensava que eu era


muito jovem, muito ingênua, muito feminina para tomar decisões. — Eu
sei exatamente o que estou dizendo.

— Eu duvido.

Eu avancei a distância entre nós até que nossos peitos quase


estavam pressionados um contra o outro. Romero não recuou, mas ele
se preparou. — Toda noite eu sinto que a escuridão está me engolindo,
como se minha vida estivesse fora de controle, como se não houvesse
nada de bom para mim. Mas quando eu penso em você, esses
sentimentos desaparecem. Eu me sinto segura quando eu estou com
você.

— Você não deveria. Eu não sou um bom homem, não importa


por qual padrão você olhe.

— Eu não me importo. Eu cresci neste mundo. Eu sei como as


coisas são, e eu estou bem com isso.

— Você nem conhece nem a metade. E se você realmente sabe


como são as coisas, então você deve perceber o que poderia acontecer se
alguém te encontrasse no meu quarto à noite.

— Estou cansada de ouvir o que eu não posso fazer. Não posso


decidir por mim mesma? É a minha vida, então por que eu não posso
tomar as decisões?

Romero ficou em silêncio por um momento antes que ele dissesse,


— Claro, é a sua vida, mas o seu pai tem certas expectativas sobre você.
E não só isso, Luca deu a ele e a Dante Cavallaro a sua palavra de que
ele iria cuidar bem de você e te manter segura. Isso inclui a sua
reputação. Se alguém contar a eles que você estava em meu quarto, isso
poderia significar guerra entre a Outfit e Nova York. Isso não é um jogo.
Isso é muito sério para você brincar.

— Eu não estou brincando. Eu estou tão sozinha, Romero, — eu


sussurrei. — E eu gosto de você. Eu realmente gosto de você, — isso era
um eufemismo. — Eu só quero estar perto de você. Você me beijou de

~ 93 ~
volta e eu sei como você tem olhando para mim. Eu sei que você está
interessado em mim.

Ele não disse nada.

Dúvida pareceu cruzar sua cabeça. E se eu tivesse imaginado os


olhares que ele tinha me dado? — Se você não gosta de mim, então me
diga. Está tudo bem, — não estaria, na verdade. Eu seria esmagada,
mas talvez fosse melhor. Eu seguiria em frente com minha vida de
alguma forma.

— Foda-se, — ele murmurou, se afastando de mim e me deixando


encarar as suas costas. — Se eu fosse um bom homem, eu lhe diria
exatamente isso. Eu tenho mentindo para você para o seu próprio bem.
Mas eu não sou bom, Lily.

Um alívio me inundou. Ele não tinha dito que não gostava de


mim. Eu tinha lido de maneira correta os seus sinais. Deus, eu poderia
ter gritado em alegria. Descansei minhas palmas das mãos contra seus
ombros nus. Sua pele era suave, exceto por algumas pequenas
cicatrizes, mas elas apenas o fizeram mais desejável para mim. Ele
estremeceu sob o meu toque, mas não se afastou. — Então, você está
interessado em mim? Você gosta de mim?

Romero soltou uma risada dura. — Isso é loucura.

— Apenas me diga. Você me acha atraente?

Ele se virou. Eu não fui rápida o suficiente para puxar minhas


mãos porque agora elas descansavam contra o seu peito. Isso era ainda
melhor. Eu tive que me impedir de correr minhas mãos de cima a baixo
no seu tórax. Mesmo na semiescuridão eu podia ver o fogo em seus
olhos. Ele me olhava da cabeça aos pés. Eu só estava vestindo os shorts
do pijama e um top, mas não estava envergonhada. Eu queria que
Romero me visse assim, queria ter uma reação dele.

— Lily, você é impressionante. É claro que eu acho você atraente.


Olhe para você, você é bonita pra caralho.

Meus lábios se separaram. Isso foi mais do que eu tinha ousado


esperar. Cheguei ainda mais perto e olhei para ele. — Então por que
você continua me empurrando para longe?

— Porque é a coisa certa a fazer, e porque eu conheço os riscos.

— Eu não valho a pena o risco?

~ 94 ~
Romero olhou para mim com tal intensidade que eu não pude
deixar de tremer. Ele não respondeu. Ele agarrou os meus quadris e me
puxou contra ele antes que os seus lábios descessem nos meus. Eu abri
sem hesitação, ávida por aquele beijo, ansiosa por sua proximidade.
Sua língua mergulhou em minha boca. Não havia sombra de hesitação
ou dúvida em seu beijo. Eu gemi. Isso era tão diferente do nosso
primeiro beijo, era tão mais intenso. Ele segurou a parte de trás da
minha cabeça, me guiando do jeito que ele queria. Eu mal podia me
segurar. Fiquei na ponta dos pés e me encostei a ele enquanto segurei
seus ombros para manter o equilíbrio. O beijo me consumiu e me agitou
como se um incêndio tivesse começado dentro de mim, me fazendo
muito quente.

Romero se afastou e eu tentei ir com ele, mas ele me manteve à


distância do braço. Sua respiração era dura e havia um olhar selvagem
em seus olhos. — Me dê um segundo, — ele murmurou.

Ele fechou os olhos como se estivesse com dor. Tudo o que eu


conseguia pensar era em beijá-lo novamente, ter as suas mãos em meu
corpo. Eu não queria nada mais. Mas eu fiz o que ele pediu e dei a ele
alguns segundos para obter controle sobre si mesmo. Finalmente, ele
abriu os olhos outra vez. O olhar selvagem tinha ido embora e foi
substituído por algo mais controlado. Seu domínio sobre meus ombros
relaxou e os polegares acariciaram levemente a minha pele. Eu não
tinha certeza de que ele notou que estava fazendo isso. O leve toque
levantou arrepios de prazer por toda a minha pele. Esperei que ele
dissesse alguma coisa, mas também temia o que ele diria. Uma de suas
mãos viajou até a minha bochecha. — Você deve sair agora, — disse ele
calmamente.

Eu congelei. — Você está me mandando embora?

Hesitação cintilou em seu rosto. — É o melhor, Lily, acredite em


mim.

Eu dei um passo para trás. Eu não ia implorar. Se ele não queria


que passasse a noite, então eu teria que aceitar isso. — Ok. Boa noite,
— eu me virei e corri para fora do quarto. Quase não prestei atenção
enquanto atravessava o corredor em direção ao meu quarto. Eu tinha
me exposto hoje, tinha arriscado tudo para conseguir o que eu queria.
Eu não faria isso novamente. Eu tinha uma grande paixão por Romero,
mas eu também ainda tinha o meu orgulho. Se ele não queria correr os
riscos, então eu aceitaria isso.

~ 95 ~
Fechei a porta e rastejei de volta para minha cama. Como antes, a
escuridão se fechou em mim. Era muito silencioso no meu quarto,
muito solitário e vazio. Mesmo a lembrança do beijo que Romero e eu
tínhamos compartilhado não conseguiu me animar. Não quando isso foi
provavelmente a última vez que eu beijaria Romero. Demorou muito
tempo para eu cair no sono e, em seguida, o rosto infeliz e pálido da
mãe assombrou os meus sonhos.

*****

Romero e eu mal nos olhamos na manhã seguinte. Eu não


procurei a sua proximidade como de costume. Tentei evitar os seus
olhos tanto quanto possível, mas algumas vezes o peguei olhando para
mim. Eu não sabia o que isso queria dizer, mas estava feliz que não
teríamos nenhum tempo sozinhos. Claro que ele estava sempre por
perto. Era difícil evitar o seu guarda-costas, mas eu fiz o meu melhor
para me concentrar inteiramente em minhas irmãs, para aproveitar
meu tempo com elas.

*****

ROMERO
Era meia-noite quando fui para o meu quarto. Luca, Matteo e eu
tínhamos jogado cartas até uma hora atrás, uma distração que eu
fodidamente precisava, e depois, quando eles se juntaram às suas
mulheres na cama, eu fiquei sentado no terraço, me perguntando por
que eu não poderia fazer o mesmo.

Um barulho me fez parar. Minha mão foi para minha arma


enquanto eu segui o som até a porta do quarto de Lily. Parecia que ela
estava em perigo, murmurando em seu sono e chorando. Verifiquei o
corredor, mas eu estava sozinho. Todo mundo estava dormindo há
muito tempo, ou pelo menos estavam ocupados por trás das portas
fechadas dos quartos. Abri a porta e entrei. Levou tempo para os meus
olhos se acostumarem com a escuridão, que era pior do que no resto da
casa. As cortinas não deixavam qualquer luz entrar. Eu mantive a porta
entreaberta e me movi para dentro do quarto. Eu sabia o que eu deveria

~ 96 ~
fazer, e definitivamente não era estar sozinho no quarto de Lily com ela
à noite. Na minha lista de coisas para evitar essa estava realmente no
topo.

Ela estava em sofrimento óbvio, e eu tinha jurado protegê-la, mas


um pesadelo não iria machucá-la. Não havia nenhuma razão para eu
estar aqui. Eu poderia ter chamado Aria ou Gianna, ou simplesmente
ter deixado Lily com seu pesadelo, mas eu era um filho da puta
estúpido.

Quando ela apareceu no meu quarto, dois dias atrás, precisei de


todo meu fodido autocontrole para mandá-la embora. Eu a queria na
minha cama, e não apenas dormindo. Quando ouvi pela primeira vez
ela perguntar se poderia dormir comigo, isso quase me valeu uma
ereção. Eu sabia que ela não queria dizer isso dessa maneira, mas eu
nunca quis tanto entender alguém mal como naquela noite.

Isso estava errado. Eu sempre coloquei o meu trabalho e a


Família em primeiro lugar. Todas as mulheres da minha vida até agora
tinham sido uma distração agradável, mas elas nunca sequer chegaram
perto de interferir nos meus deveres. Lily era diferente. Eu não tinha
certeza de como ela tinha feito isso, mas eu não conseguia tirá-la da
minha cabeça. Olhei entre a porta aberta e cama de Lily, então
caminhei em direção a ela. Eu deixei a porta entreaberta, embora parte
de mim quisesse fecha-la e ter total privacidade, mas se eu queria
qualquer chance de manter minha promessa, precisava do risco de
alguém andar e olhar para o quarto.

Quando cheguei mais perto de Lily, a assisti por um momento.


Ela estava deitada de costas, seu cabelo loiro espalhado em seu
travesseiro, e as sobrancelhas desenhadas juntas. Mesmo no meio de
um pesadelo ela era bonita demais. Caramba. No que eu tinha me
metido? Toquei o seu ombro. Ela estava usando apenas um top, meus
dedos roçaram a pele nua de seus ombros, e o toque enviou um arrepio
maldito por todo o caminho até o meu pau. Eu só toquei a porra do seu
ombro, não seu peito, sua bunda ou sua buceta. Quando tive um
maldito pau duro só por tocar no seu ombro, pelo amor de Deus. Isso
era patético em um nível totalmente novo. — Liliana? — de alguma
forma eu me sentia mais seguro usando o seu nome normal em vez de
seu apelido.

Seus olhos se moveram sob as pálpebras e ela se agitou sob a


minha mão, mas ainda não acordou. Eu toquei levemente na lateral do
pescoço dela, sentindo a vibração pulsando sob os meus dedos. —Lily,
— eu disse um pouco mais alto.

~ 97 ~
Ela saltou e seus olhos se abriram, olhando diretamente para
mim. — Romero? — ela sussurrou em uma voz mansa e pesada de
sono. Eu queria beijá-la.

*****

LILIANA
Alguém tocou a minha garganta, me arrancando do sono. Eu abri
os meus olhos, mas demorou alguns segundos antes que o meu cérebro
registrasse quem estava diante de mim: Romero.

— Romero? — talvez eu ainda estivesse sonhando. Era


definitivamente uma melhoria em relação ao meu sonho anterior, no
qual minha mãe tinha falado para mim, com olhos sem vida, sobre a
felicidade.

— Está tudo bem, — disse Romero em sua voz profunda.

Olhei em volta. — Você está no meu quarto, — eu soava como


uma idiota. Mas eu estava atordoada. Afinal, ele tinha me jogado
facilmente para fora do seu quarto dois dias atrás, e agora ele estava no
meu. Uma mudança que eu não esperava. Não que eu me importasse.

Os lábios de Romero se contorceram como se ele quisesse sorrir,


mas depois ele ficou sério novamente. Às vezes eu pensava que ele
tentava esconder seus sorrisos porque temia que, se ele permitisse esse
tipo de emoção, todas elas viriam à tona. — Você teve um pesadelo. Eu
decidi te acordar.

Eu balancei a cabeça. Ele estava de pé ao lado da minha cama,


meio inclinado sobre mim. Se eu estendesse a mão, poderia agarrar o
seu pescoço e o puxar para baixo. Meus dedos coçaram para fazer
exatamente isso, mas eu não tinha esquecido a sua rejeição de dias
atrás. Ele precisava dar o próximo passo, e eu não tinha certeza se
entrar no meu quarto para me acordar de um pesadelo contava como
um. Eu o queria. Me sentei e os cobertores caíram até meus quadris.
Eu só usava uma camisola fina. Os olhos de Romero seguiram o
movimento, e permaneceram em meu peito.

— Obrigada por me acordar. Eu tive um pesadelo com a minha


mãe, — eu não sei por que disse isso. Meu pesadelo era a última coisa
que eu queria pensar, muito menos falar sobre ele com Romero. Seus

~ 98 ~
olhos voltaram para o meu rosto. Às vezes eu pensava que poderia me
afogar neles. Quando ele estava por perto eu me sentia tão feliz e leve.
De alguma forma eu sabia que ele era o único, a pessoa com quem era
para eu estar. Eu soube isso praticamente desde o início. Se havia algo
como destino, então era isso.

Romero afastou uma mecha de cabelo da minha testa e eu me


inclinei para o toque. De alguma forma ele estava mais perto agora. —
Você sente falta dela.

Eu balancei a cabeça. Eu sentia, mas as suas últimas palavras


me assombravam mais do que a sua morte. Sua tristeza sobre as coisas
que ela tinha perdido, o desejo em seus olhos – eu não acho que eu
poderia esquecer isso. Romero e eu trancamos nossos olhares e apenas
encaramos um ao outro. Da penumbra do corredor vinha uma luz, e eu
pude ver o conflito nos olhos de Romero. Eu queria me inclinar para
frente, mas me contive. Eu tinha que ser forte, tinha que ter algum auto
respeito.

Eu estava prestes a dizer algo, qualquer coisa, para parar a


crescente tensão, mas então Romero se inclinou e me beijou. Eu não
esperava que ele fizesse isso, mas suspirei contra seus lábios devido à
surpresa, que durou apenas um par de segundos, e então passei meus
braços em volta do pescoço e o beijei de volta com tudo que eu tinha.
Ele colocou um joelho sobre a minha cama e segurou a minha cabeça.
Seu beijo expulsou o meu cansaço e a tristeza persistente do meu
pesadelo. Eu não tinha certeza de quanto tempo nós nos beijamos,
Romero ajoelhado sobre a cama e eu meio deitada, mas eu estava mais
viva a cada segundo. Eventualmente eu puxei para trás, minha
respiração ofegante. Havia uma batida insistente entre as minhas
pernas, mas eu sabia que seria errado levar as coisas mais longe essa
noite.

Romero acariciou minha bochecha e estava prestes a se


endireitar, mas eu peguei o braço dele. — Eu não quero ficar sozinha
esta noite.

Eu esperei pelo protesto, mas ele não veio. Meu coração caiu
quando ele caminhou em direção à porta. Será que ele ia sair sem uma
palavra? Em vez disso, ele fechou a porta silenciosamente antes de
voltar para a cama. A cada passo que ele tomava em minha direção,
meu coração parecia inchar com emoção. Romero tirou sua arma do
coldre e a colocou na mesa de cabeceira, e então deslizou para fora de
seus sapatos. Eu voei para o lado da cama, para dar espaço para ele, a
emoção vibrando em meu peito. Ele não escorregou para debaixo das

~ 99 ~
cobertas comigo como eu esperava, ao invés disso, se estendeu em cima
delas. Olhei para ele por cima do meu ombro. Ele parecia cansado,
ainda mais cansado do que eu me sentia. Ele sorriu. Parecia quase
resignado, com uma ponta de arrependimento. Ele passou
sorrateiramente o braço em volta da minha cintura e me abraçou ao seu
corpo, minhas costas pressionadas contra seu peito, com os cobertores
entre nós. Eu queria que essa barreira se fosse, mas decidi deixar que
as coisas fossem do seu jeito essa noite. Eu tinha ganhado uma
pequena batalha, a guerra poderia esperar. Apesar do material
agrupado entre nós eu com certeza podia sentir o quanto o nosso beijo
tinha afetado Romero. Sorrindo para mim mesma, eu fechei os olhos. —
Obrigada por ficar comigo.

Romero beijou a minha cabeça. — Durma um pouco. Eu vou


manter os pesadelos longe.

— Eu sei que você vai, — eu sussurrei.

*****

Quando meu alarme me acordou na manhã seguinte, eu estava


sozinha na cama. Me sentei e apertei o botão que fazia as cortinas
deslizarem abertas. Luz ofuscante me cumprimentou e me acostumei
com o brilho. Olhei ao redor do meu quarto, buscando um sinal da festa
do pijama com Romero, mas não havia nada. Isso poderia muito bem
ter sido um sonho. Por um momento, meu coração quase parou
considerando isso. Eu pressionei o meu nariz no travesseiro e peguei
seu cheiro. Não foi um sonho. Saí da cama. Claro que ele não ficou até
de manhã. Romero era cauteloso, um de nós tinha que ser. Se uma das
minhas irmãs entrasse sem bater, o que já tinha acontecido antes,
então nós estaríamos com grandes problemas. Ainda assim, senti uma
pequena rejeição por ele ter me deixado sozinha sem dizer uma palavra.

Tenha controle, Lily.

Tínhamos que ter cuidado, ou eu seria mandada para casa e nós


não conseguiríamos passar algum tempo juntos. Isso era um bom
começo.

Um começo para o quê? Eu não era tão ingênua para acreditar


que meu pai iria aceitar Romero como um potencial candidato para
noivo. Eu também não tinha certeza se Romero me considerava como

~ 100 ~
alguém que ele gostaria de se casar. Mas eu estava me precipitando. Eu
queria correr riscos, aproveitar a vida e ser feliz. Essa noite com Romero
foi um passo na direção certa.

Tomei um banho rápido, mas tive cuidado extra com minha


maquiagem e cabelo. Então desci as escadas. Eu podia ouvir minhas
irmãs já rindo na cozinha e segui o som. Eles estavam no balcão da
cozinha, xícaras de café em suas mãos. Ninguém mais estava lá, mas a
grande mesa de madeira estava posta para seis pessoas, de modo que
os homens poderiam vir se juntar a nós mais tarde. Tentando esconder
a minha decepção por Romero ainda não ter chegado, eu andei em
direção a eles. Aria me serviu uma xícara de café e a entregou para mim
com um olhar preocupado. — Você não dormiu de novo ontem à noite?

Parei com a xícara contra os meus lábios, meu pulso acelerando.


E se tivessem visto Romero entrando no meu quarto? Ou talvez até
mesmo saindo, já pela manhã? — Por quê? — perguntei hesitante.

Gianna bufou. — Porque você parece fodidamente cansada. Há


sombras escuras sob seus olhos.

Eu pensei que o corretivo ia consertar isso. Caramba. — Estou


bem. Eu sonhei com a mãe, mas não foi ruim.

Aria colocou um braço em volta dos meus ombros. — Ainda sobre


o que ela disse para você?

— Sim, — eu disse, evasiva. — Eu não posso tirar as suas


palavras da minha cabeça.

— Não leve tudo o que ela disse tão a sério. Ela estava doente.
Não é sua responsabilidade desfazer os erros dela. Ela estava infeliz no
final, mas era sua própria culpa, — disse Gianna.

— Gianna, — Aria disse em advertência.

— Não foi como se a mãe estivesse me culpando de alguma coisa.


Ela só queria me ver feliz.

— E você será ser feliz. Nós vamos ter certeza disso, — disse Aria,
apertando o meu ombro levemente antes de recuar. — Vamos começar
a comer. Quem sabe quando os homens vão aparecer. Eles tinham
alguma coisa para discutir.

— Oh? — eu perguntei nervosamente enquanto nós fomos até a


mesa e nos sentamos. — Negócios? — se eu já estava uma pilha de

~ 101 ~
nervos quando Romero e eu ainda não tínhamos feito nada, o quão pior
seria quando algo estivesse realmente acontecendo?

Aria me deu um olhar estranho. — Eu suponho. É tudo o que eles


falam.

— Você está agindo de forma estranha, — disse Gianna enquanto


ela pegava um pão da cesta. Ela examinou o meu rosto. — Aconteceu
alguma coisa?

— Não, — eu disse muito rapidamente. Peguei uma tigela e servi


cereais e leite. Felizmente, os homens chegaram naquele momento. Eu
congelei quando meus olhos caíram em Romero. Seu olhar mal parou
em mim enquanto ele, Luca e Matteo se dirigiram para a mesa. Apesar
de saber que tínhamos de agir normalmente e evitar quaisquer
suspeitas em relação a nós, sua recusa flagrante em me olhar enviou
uma pontada de preocupação ao meu coração. Peguei a colher e
comecei a comer meu cereal. Eu podia sentir os olhos das minhas irmãs
em mim. Elas me conheciam muito bem, mas eu não daria a elas uma
chance para suspeitar de nada. Eu não queria que elas tivessem que
manter segredo de seus maridos, especialmente esse tipo de segredo.
Durante o resto do café da manhã, eu fiz questão de manter meus olhos
longe de Romero e, em vez disso, conversei com minhas irmãs.

Depois do almoço, Aria, eu e Gianna decidimos ir para a piscina


novamente. Fui para o meu quarto colocar um biquíni, um bonito, cor
de rosa com bolinhas brancas. Quando saí, quase esbarrei em um peito
duro. Engoli em seco, não deveria ter alguém em frente à minha porta.
— Deus, você me assustou, — eu disse com uma pequena risada.

Romero não disse nada. Seus olhos percorreram o meu corpo. —


Você está de tirar o fôlego.

Eu não consegui segurar o sarcasmo. — Você não pareceu notar


no café da manhã.

Romero encontrou meu olhar. — Eu notei, acredite em mim. É


impossível não notar, — ele disse calmamente. Estávamos sozinhos no
corredor e eu estava perto o suficiente para que pudesse sentir o seu
perfume. — Eu não queria ignorar você, mas nós não temos escolha.
Isso tem que ficar em segredo.

— Isso? — perguntei. — O que exatamente é isso? — Não


tínhamos feito nada ainda. Nós tínhamos nos beijado três vezes, mas foi
só isso.

~ 102 ~
— Eu não sei. Talvez nada. Mas eu quero você Lily. Eu não
consigo tirar você da minha cabeça. Não importa o que eu faço, você
sempre está lá.

Eu exalei. Era como se uma enorme pedra fosse tirada dos meus
ombros. Então não era só comigo. — Eu quero você também. Então, o
que vamos fazer agora? — eu dei um passo mais perto. Os olhos de
Romero viajaram todo o comprimento do meu corpo novamente e isso
me fez vibrar. Como eu me sentiria se ele tocasse cada ponto onde os
seus olhos tinham estado?

Romero se aproximou e eu inclinei a cabeça para trás para olhar


seu rosto. Ele não me tocou, mesmo que eu quisesse que ele o fizesse.
— O que eu quero fazer é levar você para dentro do seu quarto e
arrancar o seu biquíni, então provar cada polegada da sua pele. Eu sei
que você tem um gosto absolutamente perfeito.

— Por que você não descobre? — eu sussurrei.

— Droga, — Romero murmurou. Ele segurou a minha nuca e


inclinou minha cabeça para o lado, então se abaixou e deu um beijo
com a boca aberta sobre a o lugar onde corria minha pulsação no
pescoço, antes de traçar a minha jugular com a língua. Deixei escapar
um gemido embaraçoso enquanto o meu núcleo apertava com
excitação. Joguei minha cabeça ainda mais para o lado, lhe dando
melhor acesso, mas ele tinha se afastado da minha garganta e já estava
beijando meus lábios. Eu pressionei contra ele. Sua camisa estava fria
contra minha pele nua. Um barulho em algum lugar da casa nos fez
saltar. Não havia ninguém no corredor, mas era um bom lembrete de
que precisávamos ter cuidado. Após outro olhar pelo corredor, Romero
segurou meu rosto novamente. — Você tem um gosto tão perfeito como
eu imaginava.

Eu sorri. — Você ainda não provou tudo de mim, — minhas


bochechas inflamaram quando eu percebi o que tinha dito e como
Romero iria entender isso.

Os olhos de Romero escureceram com o que eu suspeitava que


fosse desejo. — Eu pretendo provar, confie em mim.

Eu tremi. — Pretende?

— Deus, sim, — ele suspirou, em seguida, deu um passo para


trás. — Mas precisamos ter cuidado. Esse caminho em que estamos é
perigoso.

~ 103 ~
— Eu sei, mas eu não me importo. Eu quero isso.

Romero me beijou novamente. Ele balançou a cabeça. — Eu não


sei como você faz isso, mas não consigo tirar você da merda da minha
mente. E agora isso, — ele apontou para o meu biquíni. — Você tem
sorte que não pode ler a minha mente, você ficaria chocada.

— Não tão chocada quanto você, se pudesse ler a minha, — eu


disse com o que eu esperava que fosse um sorriso sedutor. Eu me virei
e fui embora, me certificando de balançar os quadris.

*****

ROMERO
Enquanto eu observava Lily sair empinada, eu quase gemi. Seu
minúsculo biquíni mal cobria as suas nádegas perfeitas e suas longas
pernas me deixaram selvagem. Eu queria ler a sua mente, queria
descobrir o que ela desejava e dar a ela.

Seu comentário anterior sobre o seu gosto tinha enchido a minha


cabeça com imagens da minha boca sobre o seu sexo. Eu não podia
esperar para descobrir se ele era tão rosa e perfeito como eu imaginava.
Eu queria lamber até que ela implorasse por misericórdia.

Minhas calças se tornaram desconfortáveis e eu tive que me


mexer para dar ao meu pau um pouco mais de espaço. Como eu seria
capaz de me conter, se eu não parava de pensar sobre o gosto dela? Já
tinha sido difícil o suficiente deitar em sua cama sem essas imagens na
minha cabeça, me torturando. Eu sabia que Lily iria me visitar
novamente à noite. Agora que ela sabia o quanto eu a queria, ela iria
aproveitar sua chance.

Mas eu também sabia que eu precisava estabelecer determinados


limites. Flertar e beijar ainda eram toleráveis, embora eu tivesse quase
certeza de que Luca e Aria, e definitivamente Scuderi, discordariam.
Levar a outro nível era algo que eu não podia arriscar. Eu tinha feito
uma promessa a Luca e eu deveria pelo menos tentar mantê-la até certo
ponto.

~ 104 ~
Capítulo Nove
LILIANA
Naquela noite eu rastejei até o quarto de Romero novamente. As
luzes estavam apagadas, mas ele estava sentado com as costas contra a
cabeceira da cama. Ele não disse nada quando me aproximei e de
repente eu estava nervosa.

— Ei, — eu sussurrei, então bocejei porque tinha sido um longo


dia e, como sempre, o sono habitual me evitou. — Posso entrar na sua
cama?

Romero levantou os cobertores. Eu rapidamente caí sob eles, mas


não me aconcheguei contra ele, de repente muito tímida. Romero olhou
para mim, então ele estendeu a mão e tirou alguns fios da minha testa.
Eu me apoiei em meus cotovelos para beijá-lo, mas ele balançou a
cabeça. Eu congelei.

— Eu não acho que deveríamos nos beijar enquanto estamos


juntos na cama.

— Você não quer mais me beijar? — eu era tão horrível?

— Não, eu ainda quero te beijar e eu vou te beijar, mas não


quando estamos na cama. Há certos limites que não devemos
atravessar, Lily.

— Ok, — eu disse lentamente. Talvez ele estivesse certo. Beijar na


cama era apenas um pequeno passo antes de fazer muito mais e
algumas coisas simplesmente não podiam ser desfeitas. — Mas
podemos nos deitar juntos?

Romero riu. — Eu provavelmente deveria dizer não, — ele


murmurou. — Mas eu estou ferrado de qualquer maneira.

Ele se deitou e abriu os braços. Eu avancei em direção a ele e


coloquei a minha cabeça na parte superior do seu braço. Eu não estava
certa porque me sentia tão confortável em sua presença. Eu não era

~ 105 ~
alguém que gostava de contato físico com pessoas desconhecidas, mas
com Romero eu sempre queria proximidade.

Fechei meus olhos, mas não adormeci imediatamente. — Alguma


vez você já se arrependeu de trabalhar para Luca? Como filho de um
soldado, você teve a opção de não se tornar parte da Família. Você
poderia ter vivido uma vida normal.

— Não. Isso foi tudo que eu sempre quis, — disse Romero. Seus
dedos corriam para cima e para baixo no meu antebraço de uma forma
muito perturbadora, mas eu não tinha certeza se ele sequer tinha
notado o que estava fazendo. — Eu conheci Luca e Matteo muito antes
de ser introduzido. Eu sempre tomei Luca como um exemplo porque ele
era mais velho e forte como um urso e Matteo e eu sempre nos
metíamos em problemas.

— Eu aposto que Matteo se metia nos problemas e você que tinha


que salvar a bunda dele.

Romero soltou uma risada. — Sim, isso é mais parecido com a


verdade. Quando Luca entrou oficialmente para a Família e quando
ouvi a história de como ele matou seu primeiro homem aos onze, eu não
queria nada mais do que ser como ele.

— Você tinha apenas oito anos nessa época. Você não deveria
estar brincando com carrinhos de caixa de fósforos em vez disso?

— Eu sempre soube que queria me tornar um membro da


Família. Eu queria ser o melhor lutador. Eu pratiquei muitas vezes com
Matteo e, no início, até mesmo com Luca. Eles me davam uma surra,
limpavam o chão comigo. Mas eu era um bom aprendiz e quando fui
convocado, alguns anos depois, poucos podiam me enfrentar cara a
cara em uma briga de facas e eu só tenho melhorado com o tempo. Eu
trabalhei duro para isso.

Eu poderia dizer que ele estava orgulhoso do que tinha alcançado.


— O que a sua família queria? Eles tentaram manter você longe disso?

— Meu pai não queria essa vida para mim. Como um cobrador de
dívidas, ele tinha que fazer muitas coisas horríveis. Mas ele e minha
mãe confiaram em mim para decidir sozinho o meu caminho.

Como seria ter pessoas que confiam em você para fazer suas
próprias decisões?

~ 106 ~
— Essa vida, isso faz você feliz? — eu perguntei em voz baixa. Às
vezes eu gostaria que houvesse uma definição fácil para o que me fazia
feliz.

— Às vezes, mas ninguém é feliz o tempo todo, — ele ficou em


silêncio por um momento. — O que te faz feliz?

— Eu não sei. Estar aqui, mas eu sei que vai acabar.

O peito de Romero subiu e desceu sob a minha bochecha até que


eu tive certeza de que ele tinha adormecido. — A felicidade não é
constante. Isso não significa que você não pode aproveitar enquanto ela
existe.

*****

No fundo eu sabia que precisava parar com essa loucura. Se


alguém nos pegasse, ambas as nossas vidas estariam arruinadas. Mas
eu não podia. Sempre que eu estava perto de Romero, a tristeza que
tinha se apegado tão fortemente a mim nas últimas semanas parecia
suportável. Tudo parecia mais leve e mais esperançoso.

Eu abri a porta. Como de costume, as luzes estavam apagadas,


mas as cortinas estavam abertas de modo que luz da lua iluminou os
contornos do mobiliário e me mostrou o caminho em direção à cama.
Fechei a porta sem fazer barulho e caminhei na ponta dos pés através
do quarto. Romero não estava dormindo. Eu podia sentir os seus olhos
me seguindo enquanto eu deslizava sob as cobertas. Ele estava deitado
de costas, com os braços dobrados atrás da cabeça. Eu não conseguia
entender a sua expressão. Ele esperava que eu colocasse a minha
cabeça no seu peito para que ele pudesse envolver o braço em volta de
mim? Ele nunca fez o primeiro movimento, mas essa noite eu não
queria só cair no sono ao lado dele. Eu não tinha certeza do que, mas
eu definitivamente queria mais. Eu estava feliz pela escuridão quando
me levantei de joelhos e montei os seus quadris.

Romero se esticou debaixo de mim e se sentou com as palmas das


mãos planas contra os meus ombros. — O que você está fazendo? — ele
murmurou, com uma voz que eu nunca tinha ouvido antes.

— Eu não sei, — eu sussurrei antes de levemente escovar meus


lábios nos dele. Eu não tinha certeza que tipo de reação eu esperava,
definitivamente eu não era a única que me sentia assim. Ele nos virou,

~ 107 ~
minhas costas foram pressionadas contra o colchão e ele estava
pairando sobre mim. Ele não estava me segurando, mas seu corpo me
aprisionou, seus joelhos entre as minhas pernas, os braços nos lados
da minha cabeça, a parte superior do corpo em cima de mim. Romero
em todos os lugares. Deus, eu me sentia bem. Talvez devesse ter havido
ansiedade e apreensão. Estávamos sozinhos em seu quarto e se eu
pedisse ajuda, entraria em mais problemas do que quando eu o deixava
fazer o que quisesse. Mas eu não estava com medo de Romero. Talvez
eu fosse estúpida por não estar. Eu sabia o que ele era capaz. Ele era
um assassino. E ele era um homem adulto que tinha tido muitas
mulheres antes de mim que se entregaram, oferecendo seu corpo para
ele. Todo mundo sempre me disse que os meus jogos me deixariam em
apuros um dia. Talvez essa noite seria a prova direta.

Apesar disso, meu corpo reagiu à proximidade de Romero. Meu


centro apertou em antecipação, por causa de que não estava totalmente
certa e calor se reuniu em minha barriga. Durante muito tempo, o
único som no escuro era a nossa respiração rápida. — Lily, — ele disse
calmamente, suplicante. — Eu me orgulho do meu autocontrole, mas
eu sou um homem e não um bom homem também. Até agora eu tentei
ser um cavalheiro. Eu sei que você está triste e solitária e eu não quero
tirar vantagem de você. Mas se você fizer o próximo passo e oferecer
mais, então você não pode esperar que eu não aceite a sua oferta.

— Talvez eu queira que você aceite. — meu coração batia forte em


meu peito quando as palavras saíram da minha boca.

Romero roçou os lábios sobre a minha cabeça, o toque leve que


me fez vibrar. — Você sabe o que você está oferecendo, Lily?

Eu hesitei.

Romero deu um longo suspiro, beijou minha testa e começou a


recuar.

Segurei seus ombros, até mesmo através de sua camiseta o seu


calor parecia me queimar. — Às vezes quando estou sozinha, eu tento
imaginar como eu me sentiria se você me tocasse.

— Porra, — ele respirou. E então ele me beijou suavemente antes


de se afastar novamente. Até mesmo minhas mãos não poderiam detê-
lo desta vez.

— Por que você está se afastando?

— Luzes.

~ 108 ~
— Luzes? — eu disse nervosamente.

— Eu preciso ver o seu rosto. — as luzes se acenderam e eu


pisquei contra a luz súbita. Ele se deitou ao meu lado, mas manteve um
braço em volta da minha cintura. — Quando você imagina o meu toque,
você acaricia a si mesma? — ele perguntou em voz baixa.

Meus olhos se arregalaram uma fração e calor rastejou em meu


rosto. Romero segurou meu rosto e traçou minha bochecha. — Me diga,
— disse ele.

Eu abaixei o meu olhar para o queixo. — Sim, — eu admiti em


quase um sussurro. O que ele pensa de mim agora?

Romero pressionou seu nariz no meu cabelo. — Porra.

— Você já disse isso.

Ele não riu como eu esperava. Ele foi muito tranquilo. Sua mão
na minha cintura apertou quando ele levantou a cabeça e me encarou
com um olhar faminto. Ele trouxe a sua boca sobre a minha e eu
separei os meus lábios para ele. Sua língua entrou e tudo ao meu redor
parecia desaparecer quando eu o provava. Não era o nosso primeiro
beijo, mas parecia algo totalmente diferente, comigo na cama com ele,
sem nada para nos parar. Seu beijo era mais feroz. Não houve hesitação
ou surpresa desta vez. Ele chupou o meu lábio inferior em sua boca,
então a minha língua. Ele sugou levemente e eu não tinha certeza de
como era possível sentir todo o movimento entre as minhas pernas.

— Está tudo bem? — ele murmurou contra a minha garganta e


tudo que eu podia fazer era acenar com a cabeça. Aria e Gianna sempre
me chamaram de tagarela, mas com Romero eu ficava sem palavras
muitas vezes. Seus lábios levemente traçaram a pele sobre a minha
clavícula, em seguida, sua língua deslizou para fora para me provar.
Sua boca se moveu ainda mais baixo para a borda da minha camisola.
Seus dedos traçaram o tecido e os seus lábios seguiram o mesmo
caminho. Eu arqueei minhas costas, querendo que ele se movesse ainda
mais baixo, que fizesse mais.

— Você me disse que eu deveria saber qual o seu gosto em todos


os lugares. Eu estou muito tentado. — ele murmurou. Ele olhou para
cima. Seus olhos tinham um olhar predatório em seu rosto. A única
expressão que chegava perto foi quando ele tinha estado no porão com
os russos. Havia algo escuro e desequilibrado em seus olhos castanhos,
mas desta vez eu não estava com medo. — O que você quer? —
perguntou ele asperamente.

~ 109 ~
Se eu soubesse. — Mais. — eu disse suavemente.

Romero baixou o olhar para o meu peito. Meus mamilos tensos


contra o material fino da minha camisola, duro e dolorido por atenção.
Romero traçou levemente o polegar sobre um nó e eu engasguei.

— Como isso? — perguntou.

Eu balancei a cabeça furiosamente. — Mais.

Romero riu, e o som me fez doer ainda mais por seu toque. Ele
levou ambos os meus mamilos entre seus polegares e indicadores, e
levemente os torceu para frente e para trás através da seda. Eu apertei
os meus olhos com a sensação entre minhas pernas. Eu apertei minhas
coxas, desesperada por algum tipo de alívio. Romero segurou o meu
mamilo com os lábios, o chupando suavemente em sua boca. Por
alguma razão o tecido parecia aumentar as sensações ainda mais. Eu
estava perto de explodir. Sua mão roçou o meu quadril antes de ser
mudar para a barra da minha camisola e suavemente traçar o meu
estômago. Arrepios cobriam a minha pele com seu toque. Ele soltou o
meu mamilo, mas o tecido molhado da minha camisola estava preso a
ele. Eu não podia acreditar que aquilo estava finalmente acontecendo.

Romero se mudou para o meu outro mamilo e repetiu o mesmo


procedimento. Eu esfreguei minhas coxas juntas. A tensão entre elas
era quase insuportável. Os olhos de Romero seguiram o movimento
antes que ele voltasse para o meu rosto. — Você quer que eu te toque
lá?

Eu balancei a cabeça rapidamente. Romero sorriu. Ele arrastou a


mão pelo meu lado até que chegou à minha coxa. Ele acariciou o lado
externo levemente, seus olhos nunca deixando o meu rosto, se
certificando de que eu estava bem. Seus golpes se aproximaram de
minha coxa até que eu não queria nada mais do que agarrar a sua mão
e empurrá-lo em minha calcinha. Como se ele pudesse sentir a minha
impaciência, Romero puxou levemente os meus shorts. Eu abri as
minhas pernas, sem sequer pensar nisso, um convite silencioso. Eu
estava sendo pra frente demais? Eu não me importava.

Ele deslizou a mão na perna do meu short e então seus dedos


traçaram a pele sensível na borda da minha calcinha. Ele se aproximou
do meu rosto quando ele avançou o seu dedo indicador sob o tecido e
escovou as minhas dobras. Engoli em seco e ele gemeu. Eu já estava tão
molhada que o seu dedo deslizou sobre mim facilmente. Seus lábios
alegaram os meus com menos restrições do que antes e eu não me
importava. — Está tudo bem? — ele murmurou entre beijos enquanto

~ 110 ~
seu dedo se mantinha levemente traçando as minhas dobras. Faíscas
pareciam soar através do meu núcleo. Era muito mais intenso do que
quando eu me tocava.

— Sim, — eu sussurrei.

Seu dedo se moveu entre as minhas dobras, espalhando a minha


umidade até a minha protuberância. Ele começou a esfregar na frente e
para trás, o toque leve incrível. Meus quadris se ergueram da sensação
intensa. Eu gemia em sua boca, minhas pernas se abriram mais
amplamente para lhe dar melhor acesso. Ele beijou o meu pescoço,
então ele chupou o meu mamilo em sua boca novamente, absorvendo
minha camisola ainda mais. Seus dedos entre minhas pernas me
deixavam cada vez mais excitada.

— Você é tão boa, Lily. Tão macia, úmida e quente, — ele


murmurou.

Eu soluçava em resposta. Ouvir ele dizer essas palavras me


fizeram relaxar ainda mais sob o seu toque. Ele era gentil e sem pressa.
Corri as minhas mãos sobre as suas costas e cabelo, querendo sentir
tanto dele quanto possível, querendo tê-lo mais perto de toda forma
possível. Eu sempre o quis e minhas irmãs tinham muitas vezes me dito
que o sentimento deixaria com o tempo, mas o meu desejo só tinha
aumentado. Eu não acho que isso iria parar, não que eu quisesse.

A outra mão de Romero se mudou para a bainha do meu pijama e


avançou para baixo, liberando o meu peito. Eu tive que lutar contra a
vontade de me cobrir. Por alguma razão, era mais difícil me descobrir
aos seus olhos do que ter ele me tocando em meu lugar mais privado.
Constrangimento voou para fora quando Romero abaixou a cabeça e
capturou o meu mamilo entre os lábios. Ao mesmo tempo, o dedo no
meu clitóris começou a se mover mais rápido. Eu tremi e enterrei o meu
rosto na curva do pescoço de Romero. Sua língua lambeu o meu mamilo
levemente e me senti ainda melhor sem o tecido como uma barreira. Os
meus gemidos e suspiros ofegantes embaraçosos não poderiam ser
sufocados contra a sua pele. Eu apertei os lábios, tentando segurar os
sons, mas tudo com Romero me fazia me sentir tão bem.

Romero soltou o meu mamilo. — Eu gostaria de poder ouvir seus


gemidos. Eu amo o som.

Eu levantei minha cabeça. — Sério?

~ 111 ~
Romero sorriu um sorriso que eu nunca tinha visto antes. Estava
mais escuro, mais perigoso e indescritivelmente sexy. — Sério. Você não
pode sentir o quanto eu amo isso?

Ele apertou um pouco mais contra mim e algo duro e quente


cavou em minha perna. Eu não podia acreditar que eu tinha feito isso
com ele. Romero beijou minha boca, em seguida, o local debaixo do meu
queixo, meu pescoço até que ele trabalhou em seu caminho de volta
para o meu mamilo. Ele arrastou a língua em torno dele, em seguida, se
mudou para o meu outro seio. — Eu tenho vontade de fazer isso por
tanto tempo. Porra, eu não me importo o quão errado é, se vai contra a
minha promessa, eu não posso resistir a você.

Ouvi-lo dizer isso me fez sentir um triunfo final e quando ele


chupou o meu mamilo de volta em sua boca, eu desmoronei. Eu
sufoquei meus gritos no travesseiro, sabendo que tínhamos de ter
cuidado.

Romero beijou minha garganta e eu sorri para ele. — Uau.

— Sim, uau. Assistir você foi fodidamente incrível.

Me ergui em meus cotovelos, meus olhos se movendo a


protuberância em sua cueca. Eu estava querendo vê-lo nu novamente
desde que eu o assistir no chuveiro. Eu descansei minha palma contra
sua ereção. Mesmo através de sua cueca ele era incrivelmente quente.

— Eu não tenho certeza se é uma boa ideia, — disse Romero em


advertência, mas ele cresceu ainda mais sob o meu toque.

— Eu quero fazer isso, — eu disse.

Romero não protestou. Ele levantou seus quadris e puxou sua


cueca para baixo. Sua ereção saltou livre.

Eu enrolei os meus dedos em torno da base, surpresa com o quão


grande era. Romero respirou fundo e caiu de costas na cama, as mãos
plana no colchão. Eu acariciava levemente para cima e para baixo,
passei os dedos sobre sua ponta e de volta para suas bolas. Eu não
conseguia parar de explorá-lo, curiosa e excitada ao mesmo tempo.

Romero segurou o meu rosto e eu me virei para olhar para ele,


mas não parei as minhas explorações. — Puta que pariu, Lily, você está
me deixando louco.

— Como você quer que eu te toque? — eu perguntei em voz baixa.


Eu queria fazer ele se sentir tão bom como ele me fez sentir. Eu tinha

~ 112 ~
ouvido Gianna dizer algo sobre boquetes para Aria uma vez, e que trazia
qualquer homem de joelhos, mas eu não tinha certeza se eu poderia
fazer de uma forma satisfatória. Talvez eu devesse ter perguntado a
Gianna, ouvir algumas instruções...

— Você está indo bem.

Eu não queria estar indo bem. Eu queria ser incrível.


Empurrando as minhas preocupações de lado, eu me inclinei sobre ele
e o levei em minha boca.

Romero empurrou debaixo de mim com surpresa e agarrou a


parte de trás da minha cabeça. — Você não tem que fazer isso.

Não foi dito com convicção. Lambi de sua base até o topo. Ele não
tinha gosto de qualquer coisa, exceto na ponta, onde algumas gotas
haviam se reunido. Eu as lambi sem pensar.

Romero amaldiçoou, passando a mão pelo meu cabelo.

— Estou fazendo isso direito? — eu perguntei depois de um par


de minutos.

— Porra, sim. Você nem sabe o quão difícil é não empurrar em


sua boca.

— Se é isso que você quer, você pode fazer.

— Não, hoje não. Tome seu tempo e faça o que quiser. Vou
desfrutar de tudo isso, confie em mim, — disse ele em voz baixa. E
assim eu fiz. Eu lambi ao redor de sua ponta e o levei em minha boca,
arrastei a minha língua ao longo de seu comprimento uma e outra vez.
Romero não faz um monte de sons, mas sua mão no meu cabelo
apertou e ele prendia a respiração de vez em quando.

— Eu vou gozar. — ele alertou. Eu o chupei mais forte, agarrando


as suas coxas para encontrar uma posição melhor e, em seguida,
Romero gozou com um gemido baixo. Eu o mantive em minha boca,
esperando as estocadas dele, mas ele não o fez. Ele não estava tão duro
como ele tinha estado, mas ele definitivamente não era suave.

— Eu quis dizer como um aviso. Você não tem que engolir Lily, —
disse Romero. Ele me puxou em sua direção e me beijou. — Você está
bem? Ou foi terrível para você?

— Terrível? Não, por quê? Eu queria fazer você se sentir bem. Eu


não me importo que você goze em minha boca.

~ 113 ~
Romero soltou uma risada sem fôlego. — Não diga essas coisas
para mim. Eu não vou ser capaz de me concentrar mais.

Eu sorri, então o meu olhar passou rapidamente para a ereção de


Romero novamente. — Por que é ele que não fica mole?

Eu podia ver a confusão de Romero, em seguida, ele torceu a boca


num sorriso que beirava a orgulho. — Só porque eu gozei não significa
que eu não esteja ainda excitado. É preciso mais do que um orgasmo
para amolecer.

— Sério? — eu perguntei maliciosamente.

Romero balançou a cabeça. — Não essa noite. Está tarde. Você


não pode ficar tanto tempo.

Decepção baniu a minha emoção. — Eu sei.

Romero acariciou minha bochecha. — Nós temos que ter cuidado.


Acredite, eu adoraria passar a noite com você.

Eu balancei a cabeça e a coloquei em seu peito. Eu queria dormir


um par de horas antes que eu tivesse que me esgueirar de volta para o
meu quarto. Aproveite o momento, eu disse a mim mesma antes de
adormecer.

~ 114 ~
Capítulo Dez
ROMERO
Depois que Lily tinha me dado o boquete, eu passei o dia seguinte
pensando em nada além de retribuir o favor com a minha língua. Ainda
bem que a mansão não era um lugar perigoso, porque o meu foco foi
embora. Eu não acho que eu teria feito um bom trabalho de proteção se
alguém tivesse nos atacado.

Meu pau estava tão duro que quase doía enquanto eu esperava
na minha cama naquela noite Lily vir. Quando chegou perto da meia-
noite e ela não tinha vindo ainda, eu quase fui em busca dela. Eu não
conseguia me lembrar da última vez que eu tinha estado com tanto
tesão.

Quando a minha porta finalmente se abriu e Lily entrou, eu tive


que me impedir de empurrá-la contra a parede e me enterrar nela. Essa
era a única coisa que eu não podia fazer. Muitos limites já haviam sido
atravessados, mas do que eu deveria ter feito.

Lily pulou na cama e me beijou avidamente. Parecia que eu não


era o único que tinha esperado por isso. — Gianna e Matteo estavam no
corredor, então eu tive que esperar, — disse ela, seus dedos já abaixo
de minha camisa.

Eu adorava o seu toque, mas era a minha vez. A agarrei e a virei


de costas. Ela engasgou de surpresa. Liguei minhas mãos em sua
cintura e deslizei sua calcinha por suas pernas, então eu parei. Isso
ainda era novo para Lily. Eu não podia tratá-la como uma mulher que
eu tinha estado antes. — Está tudo bem?

Ela levantou as pernas para me ajudar a puxar a calcinha sobre


os seus pés. Ela assentiu com a cabeça rapidamente. Só havia
necessidade em seus olhos. Eu sorri. Eu me posicionei entre suas
pernas e uma pitada de vergonha apareceu em seu rosto bonito, mas eu
não lhe dei tempo para pensar sobre isso. Me abaixei para o seu
estômago, empurrei as pernas mais afastadas e dei uma longa lambida.

~ 115 ~
E caramba, ela tinha um sabor ainda melhor do que eu
imaginava.

*****

LILIANA
Eu tinha ouvido falar das meninas indo lá para baixo com os
meninos na escola, mas eu nunca tinha sido capaz de imaginar como
seria a sensação de ter a boca de alguém em mim assim. Seria
estranho? Molhado? Nojento? Desajeitado?

Isso não era nenhuma dessas coisas. Isso foi fodidamente


maravilhoso. Ou talvez era apenas porque Romero sabia exatamente o
que fazer, como mordiscar e chupar e lamber até que meus dedos
cavassem no colchão porque eu não poderia aguentar mais o prazer. E
parecia ficar melhor cada vez que ele fazia isso. Semanas passavam e
todas as noites Romero me dava prazer com a boca. Ele parecia se
divertir tanto quanto eu gostava de fazer sexo oral com ele.

Hoje à noite, ele estava tomando o seu tempo e eu não queria


apressá-lo. Era bom demais. A barba de Romero me arranhou
levemente e isso intensificava as sensações ainda mais. Ele levantou a
cabeça e eu bufei em sinal de protesto.

Ele riu, mas não baixou a boca. — Me diga quando você estiver
gozando, está bem? Eu quero saber.

— Ok, — eu disse, então gemi quando Romero fechou os lábios


sobre o meu clitóris e continuou onde ele parou.

Eu podia me sentir cada vez mais perto. Minhas coxas


começaram a tremer. — Eu vou gozar, — engoli em seco, muito presa
no meu prazer para estar envergonhada com isso.

O dedo de Romero escovou minha abertura e, em seguida, ele


deslizou para dentro. Eu arqueei para fora do colchão. Houve um
lampejo de dor, mas por algum motivo me fez gozar ainda mais forte.

Eventualmente eu jazia imóvel na cama, tentando recuperar o


fôlego.

~ 116 ~
Romero soltou uma respiração áspera. — Droga. Você é tão
apertada.

Eu não podia dizer nada em resposta, muito sobrecarregada pela


sensação dele em mim. Ele moveu o dedo devagar, acariciando o
interior de minhas paredes, triplicando as sensações no meu corpo. Ele
enrolou o dedo e os meus quadris empurraram para fora do colchão
enquanto eu engasgava com surpresa e outro orgasmo balançou através
de mim. Ele arrancou o dedo dele e o colocou na boca. Eu só podia
olhar, estranhamente excitada pela visão.

Romero rastejou de volta para mim.

Uma pergunta queimou em minha mente. E se a breve dor era


Romero rompendo o meu hímen? Era ridículo que eu ainda tivesse que
me preocupar com algo assim.

Romero alisou minhas sobrancelhas. — Ei, eu te machuquei?

— Não, eu... Eu só me perguntei se... — eu senti vergonha de


expressar as minhas preocupações.

Romero parecia confundido em sua própria mente. — Você está


com medo de não ser mais virgem porque eu coloquei o meu dedo em
você. — eu não conseguia decifrar a emoção em sua voz. Ele estava com
raiva? Irritado?

Ele segurou a parte de trás da minha cabeça. — Eu não faria isso


com você, Lily. Eu não quero tomar a virgindade sem permissão, e
mesmo assim... — ele balançou a cabeça. — Eu não deveria sequer
pensar em tomar a sua virgindade. Mas você não precisa se preocupar.
Meu dedo não é grande o suficiente e eu não fui fundo o suficiente para
fazer qualquer dano. Você está segura.

— Eu não estava com medo, eu só... — sim, o quê? Eu estava


preocupada. Não havia como negar isso. Não era que eu não queria
Romero. Eu queria. Mas isso era um grande passo que eu não poderia
tomar de volta.

— Está tudo bem. Você deve estar com medo sobre isso. Sua vida
estaria arruinada se você perder a virgindade antes de sua noite de
núpcias, — disse ele em um tom estranho. Ele passou os braços em
volta de mim, então eu não podia olhar para o seu rosto mais. — Eu
quero que você seja o único, sabe? — eu sussurrei na escuridão.

— Mas eu não posso fazer isso, — disse Romero, os dedos


apertando o meu braço.

~ 117 ~
— Por que não?

— Lily, — disse Romero quase com raiva. — Você sabe por que
não. Até agora temos tido sorte que nós não fomos pego. Suas irmãs e
Luca já estão suspeitando de algo. Nós ainda podíamos negar tudo e
ninguém seria capaz de provar o contrário, mas se nós dormimos
juntos, então haveria provas.

— Haveria provas? — eu bufei. — Nós não estamos planejando


cometer um crime.

— Em nosso mundo é. Nós não jogamos pelas regras do mundo


do lado de fora e você sabe disso.

— Nós só queremos estar juntos porque nós nos amamos. Isso é


tão ruim? — eu bati minha boca fechada quando percebi o que eu tinha
dito. Eu praticamente coloquei as palavras ‘eu te amo’ nos lábios de
Romero quando ele nunca disse isso. Eu não tinha qualquer problema,
eu sabia que eu o amava. Será que ele me amava também?

Ele ficou imóvel e por um momento parou de respirar


completamente. — Porra, — Romero sussurrou asperamente. Ele
pressionou um beijo contra a minha testa. — Isso está ficando fora de
controle.

— Eu quis dizer isso, Romero. Eu te amo, — eu disse.

Ele estava tranquilo. — Você não deveria. Não temos um futuro,


Lily.

Meu coração doía de suas palavras. Eu não queria acreditar nelas


para ser verdade. — Você não sabe disso.

— Você está certa. — disse Romero eventualmente. Ele beijou


minha testa novamente e, em seguida, nenhum de nós disse nada.

*****

Mãe tinha morrido com saudade em seus olhos e arrependimento


em seus lábios. Não era assim que eu queria terminar. Eu não queria
ter uma pilha de 'e se' e ‘como poderia ter sido’, na minha cabeça
durante as últimas horas de minha existência. Eu não queria olhar
para trás e não saber como a vida poderia ter sido maravilhosa. Eu
queria Romero. Eu queria que Romero fosse o meu primeiro, queria

~ 118 ~
compartilhar tudo com ele. Nesse momento, eu não queria nada mais, e
eu sabia que mesmo que eu viesse a me arrepender, o lamento nunca
poderia ser tão torturante quanto eu me sentiria se eu não o fizesse,
onde eu estaria sempre me perguntando como teria sido se tornar um
só com a pessoa que eu amava. Às vezes você tem que arriscar algo
para viver e Romero era um risco que eu estava disposta a assumir.
Isso era tudo que eu conseguia pensar enquanto eu apreciava os
últimos momentos de meu orgasmo.

Romero escalou o meu corpo e deu um beijo em meus lábios. Ele


estava prestes a se deitar ao meu lado, como sempre fazia depois que
ele tinha cuidado de mim, mas eu segurei os seus ombros. — Eu não
quero parar esta noite.

Ele ficou imóvel. Seus olhos escuros olhando cada contorno do


meu rosto como se ele estivesse esperando por uma ponta de
arrependimento em algum lugar, mas eu sabia que ele não iria
encontrar nada disso. Eu passei muitas noites pensando e desejando, e
hoje eu finalmente conseguiria o que eu queria. Claro, eu precisava da
cooperação de Romero, mas eu tinha a sensação de que ele não iria me
recusar. Ele era obediente e responsável, mas ele também era um
homem e ele me queria. Eu podia ver isso em seus olhos e sua ereção
pressionada contra o meu quadril era um indicador muito bom
também. — Lily, — Romero murmurou, então limpou a garganta. Eu
tive que reprimir um sorriso. — Isso é algo que não pode ser desfeito.
Tudo o que fizemos até agora é fácil de esconder, mas além deste ponto,
há maneiras de provar nossas transgressões...

Eu ri baixinho. — Transgressões? — eu levantei a minha cabeça e


o beijei. — Como isso pode ser errado? — claro, eu sabia que o Pai e
muitas outras pessoas em nosso mundo poderiam ter escrito um
romance sobre todos os caminhos, mas eu não me importava. Não
havia nenhuma parte em mim que achava que o que estávamos fazendo
era errado e isso era tudo o que importava.

— Nós já discutimos isso. Eu não deveria fazer isso. Pelo amor de


Deus, eu fiz uma promessa a Luca para protegê-la. Como eu vou
arruinar a sua vida se eu tenho que te proteger?

— Você não está arruinando minha vida. Eu quero isso, isso não
conta para nada?

— Claro que sim.

Eu me pressionei contra ele e agarrei o seu pau através de suas


boxers. — Eu te quero. Só você. Eu quero que você seja meu primeiro.

~ 119 ~
— eu queria que ele fosse meu único. — Você não quer ser o meu
primeiro?

Romero soltou uma risada e beijou o canto da minha boca, então


os seus olhos diante do meu rosto ardia novamente. — Você sabe o
quanto eu quero você. Eu mal posso pensar em outra coisa.

Eu enrolei os meus dedos mais apertados em torno de sua ereção.


— Eu sei.

Ele soltou uma respiração dura, então soltou uma risada


silenciosa. — Você me tem em suas mãos de cada maneira possível.
Isso não é como deveria ser.

Eu sorri. Era bom saber que eu tinha esse tipo de poder sobre
alguém como Romero. Mas ele segurava poder sobre mim e meu
coração. Era uma coisa assustadora saber que alguém tinha o poder de
esmagar o seu coração com apenas algumas palavras. O amor era
assustador. — Eu quero que você seja o único, Romero. Eu não quero
mais ninguém. Por favor.

Ele me beijou de novo, desta vez mais feroz e levemente se


empurrou em minha mão. Ele estava quente e duro e eu mal podia
esperar para senti-lo em mim. — Tem certeza? — ele perguntou, mas
não havia praticamente nenhuma veemência por trás das suas
palavras.

— Sim. Eu te quero.

Romero assentiu. Excitação e nervos estouraram no meu corpo.


Eu meio que esperava que ele fosse mais contra isso, mas eu estava
feliz que ele não tentou me convencer do contrário. Hoje finalmente eu
ia me tornar sua.

*****

ROMERO
Eu era suposto ser a voz da razão, o único a proteger Lily a partir
de si mesma e de mim, mas eu não era tão forte como todo mundo
pensou que eu era. Luca acreditou em mim, confiava em todo o meu
senso de dever e contenção. Ele não me conhecia bem o suficiente.
Confiança e necessidade brilhavam nos belos olhos azuis de Lily. Ela

~ 120 ~
me queria, e dane-se, eu a queria mais do que qualquer coisa. Cada
fodida vez que eu a pegava com o meu dedo, eu imaginava como seria
ter o meu pau dentro dela, sentir as suas paredes quentes em torno de
mim. Eu não podia negar. Talvez se houvesse uma centelha de dúvida
em seu rosto, mas não havia nenhuma. Eu provei a sua boca mais uma
vez. Ela era doce, suave e irresistível. Seus dedos ao redor do meu pau
apertaram e ela balançou os seus quadris levemente - um convite que
eu entendia muito bem e ansiava por aceitar. Eu me afastei de seus
lábios. — Ainda não.

— Mas, — ela começou. Enfiei a mão entre as suas pernas e


entrei nela com o meu dedo do meio. Ela soltou um suspiro baixo e
abriu um pouco mais para mim. Eu amei como ela estava escorregadia.
Sempre tão molhada para mim. Tinha havido muitos momentos na
minha vida quando eu tinha me sentido poderoso, mas dar prazer a Lily
vencia todos eles. Ela não disse nada mais, só fechou os olhos e
relaxou, confiando em mim para fazê-la se sentir bem. Eu beijei o seu
peito, então mordisquei o mamilo enquanto eu deslizava lentamente o
meu dedo dentro e fora. Sua respiração se acelerou, mas eu mantive
um ritmo constante. Me mudei para baixo e me posicionei entre as suas
coxas. Me permiti apreciar a vista do meu dedo enquanto ele entrava
em sua buceta rosa perfeita. Tudo sobre ela era linda. Eu me inclinei
para frente, não capaz de resistir por mais tempo. Fechei minha boca
sobre o seu feixe de nervos e brinquei com meus lábios e língua,
enquanto o meu dedo se mantinha empurrando nela, mais profundo e
mais forte agora. Eu podia sentir o hímen cada vez que eu empurrava.
Eu pressionei minha língua contra o clitóris e deslizei outro dedo dentro
dela. Eu nunca tentei isso antes e suas paredes apertaram em torno de
mim com força. Sua respiração engatou com surpresa e ela se esticou
debaixo de mim. Eu a circulei levemente com a minha língua da forma
como ela adorava, em seguida, a levei entre meus lábios e suguei. A
tensão deixou o seu corpo e uma nova onda de umidade apareceu,
tornando mais fácil para os meus dedos penetrá-la. Eu encontrei um
ritmo lento enquanto ouvia os gemidos e suspiros doces vindo de seus
lábios. Eu poderia escutar ela para sempre. Eu nunca me cansava de
dar prazer a ela. Havia apenas uma sensação melhor no mundo do que
fazer Lily explodir de prazer: o conhecimento de que eu era o único a
fazer isso com ela. Uma emoção mais escura me encheu. Ela não era
realmente minha, nunca poderia ser. Um dia ela poderia ter que se
casar com alguém que o seu pai escolhesse para ela e, em seguida, um
homem iria vê-la assim. Uma fúria irracional passou por mim, mas eu
empurrei o sentimento de lado. Isso não era o momento para pensar
sobre esses tipos de coisas. Eu não queria perder o controle só porque

~ 121 ~
eu deixei os meus pensamentos dispersos em lugares perigosos. Eu
queria aproveitar cada segundo dessa porra, especialmente porque eu
não sabia quantas chances teríamos juntos.

Eu me concentrei na doçura de Lily, até que ela finalmente se


desfez, abafando os seus gemidos em meu travesseiro. Eu desejei que
eu pudesse ouvi-la gritar sem restrições, sem o medo de ser pego. Um
dia. Um dia, eu realmente iria fazê-la minha. Eu iria descobrir uma
maneira.

Eu puxei os meus dedos para fora e me sentei, saboreando a


visão de seu peito arfando enquanto ela aproveitava o rescaldo do seu
orgasmo. Lentamente ela abriu os olhos e sorriu. Caramba. Aquele
sorriso me deixava cada vez mais louco. Me debrucei sobre ela e a
beijei, então eu cheguei até a gaveta da minha mesa de cabeceira e
peguei um preservativo.

Lily me observava e a cintilação breve de um nervosismo


atravessou seu rosto.

Fiz uma pausa. — Você tem certeza que quer fazer isso? — eu
queria me matar por perguntar. Eu não queria nada mais do que estar
dentro dela, fazê-la minha, sentir as suas paredes em torno do meu
pau. Por que eu tinha que agir todo nobre agora? A quem eu estava
enganando?

Ela lambeu os lábios da maneira mais torturante possível e


sussurrou: — Sim, eu quero você.

Graças a Deus. Eu beijei os seus lábios novamente. Eu deslizei


para fora da cama e sai da minha cueca. Meu pau esticou com a
atenção. Eu rapidamente rolei o preservativo sobre ele antes que eu
subisse de volta. Esta não era a primeira vez que Lily tinha me visto nu,
mas hoje havia um lampejo de ansiedade em seu rosto quando ela viu o
meu pau. Me movi entre suas pernas, deixando os meus dedos
traçarem a pele macia de suas coxas.

Havia confiança em seus olhos. Eu não merecia muita confiança


dela e ainda assim, eu fodidamente amava ver isso em seu rosto. Apoiei
o meu peso em meus cotovelos e comecei a beijá-la suavemente. A
ponta do meu pau repousou suavemente contra o seu calor molhado.
Eu queria me enterrar nela e levou cada gota de autocontrole para ficar
quieto e esperar ela relaxar debaixo de mim. Liguei a minha mão sob
sua coxa e puxei as pernas um pouco mais distantes. Eu olhei
profundamente em seus olhos, então eu mexi meus quadris e comecei a
empurrar para dentro dela. Eu não tirei os olhos dela enquanto eu

~ 122 ~
avançava em seu calor apertado. Me sentia tão fodidamente incrível.
Apertada, quente e úmida, e eu só queria empurrar para ela até o fim.
Em vez disso eu me concentrei nos olhos de Lily, sobre a forma como
ela confiou em mim para fazer isso bom para ela, para cuidar dela. Seu
rosto brilhou com desconforto quando eu não estava nem na metade do
caminho. Fiz uma pausa, mas os dedos em meus ombros apertaram. —
Não pare, — disse ela rapidamente.

— Eu não vou, — eu prometi. Parar era a última coisa que eu


queria fazer. Eu passei os meus lábios sobre a sua testa, então eu
empurrei ainda mais para ela até que cheguei em sua barreira. Eu não
lhe disse que ia doer. Ela ficou tensa. Eu empurrei o resto do caminho
nela. Suas paredes apertaram o meu pau com força. Eu não me mexi.

O rosto de Lily estava contorcido de dor.

— Está tudo bem, — eu murmurei. — Essa foi a pior parte. —


pelo menos, eu esperava que fosse. Parecia tão apertado em torno de
mim, eu estava preocupado de que se eu começasse a me mover, eu
faria as coisas piores para ela, mas eu não podia ficar lá assim para
sempre. E eu realmente queria me mexer, queria me perder nela. —
Lily?

Ela me deu um sorriso trêmulo. — Estou bem. Não é tão ruim


quanto parece.

Isso não era realmente algo que um cara iria querer ouvir da
garota no qual ele estava. Eu queria fazê-la se sentir bem, mas eu sabia
que ia ser difícil durante a sua primeira vez. Mesmo que eu não queria
nada mais do que me mover, eu decidi ficar como eu estava e beijá-la
por um tempo. Meu pau gritou em protesto.

— Você pode realmente se mover, — ela sussurrou. E isso foi tudo


o que precisou. Retirei quase todo o caminho antes de lentamente
deslizar de volta para ela.

Ela exalou e seus dedos cavaram em minhas costas. Eu


desacelerei ainda mais e tentei não ir tão profundo e logo o corpo de Lily
se soltou debaixo de mim. Eu fiz amor com ela por um longo tempo e
quando ela respondeu com o primeiro gemido hesitante, eu queria foder
com um grito de triunfo. Mas eu não podia durar para sempre, e não na
maneira como as suas paredes apertavam em torno de mim e eu tinha a
sensação de que ela não estava perto de gozar. Da próxima, talvez. E
haveria uma próxima vez, eu sabia isso agora. Quando era sobre Lily,
eu não podia resistir à tentação.

~ 123 ~
Eu acelerei ainda mais até que eu senti o meu pau apertar e
liberar para ela. Eu segurei Lily firmemente enquanto eu balançava os
meus quadris desesperadamente, então eu parei.

Ela fechou os olhos e apoiou a testa contra o meu peito.

— Você está bem? — murmurei.

Ela assentiu com a cabeça, mas não disse nada. Eu me afastei


um pouco e levantei o rosto, preocupado que ela estivesse chorando.
Mas ela simplesmente parecia exausta, e feliz.

Um alívio tomou conta de mim. Eu puxei para fora dela


lentamente e retirei o preservativo. Antes que eu o colocasse no lixo,
avistei o sangue manchado sobre o preservativo.

Por alguma razão isso fez a imagem virar realidade. Porra. O que
eu fiz?

— Romero? — Lily sussurrou. Me deitei ao lado dela e a puxei em


meus braços. Ela não precisa saber os meus pensamentos. Eu não
queria que ela se preocupasse.

Não demorou muito para ela adormecer, mas eu fiquei acordado


por horas. Eventualmente eu saí da cama e caminhei em direção à
janela. Eu fiquei olhando em direção ao oceano por um longo tempo.
Arrependimento não era uma emoção útil. Você não podia desfazer o
passado. Voltei para a cama.

Lily estava enrolada debaixo do cobertor, apenas o seu cabelo


bonito e rosto pacífico espreitando para fora. Ela estava dormindo
profundamente. Eu precisava acordá-la em breve para que ela pudesse
voltar para o seu quarto. O céu já estava começando a ficar iluminado.
Logo o pessoal se levantaria e seria muito arriscado se Lily ainda
estivesse no meu quarto. Eu deveria ter a mandando ir logo em seguida
para a sua própria segurança, mas eu não tinha coração para fazer isso
e eu não queria vê-la ir de qualquer modo logo depois do que tínhamos
feito.

— Porra, — eu murmurei. Tudo que Lily e eu tínhamos feito tinha


sido arriscado, mas não rastreável. Mas isso, isso poderia destruir a
reputação de Lily e até mesmo iniciar uma guerra. Tirar a virgindade de
Lily era uma coisa egoísta a se fazer. Eu sabia. Eu aprendi a tomar
decisões razoáveis ao longo dos anos, a tomar decisões que eram boas
para a Família. Mas hoje eu tinha ignorado o meu dever e minha
promessa para Luca.

~ 124 ~
Lily suspirou em seu sono e se virou. Os cobertores se mexeram
com ela e o ponto cor-de-rosa nos lençóis se tornou visível. Fechei os
olhos. Porra. Isso era para acontecer em sua noite de núpcias. Mas eu
sabia que Rocco Scuderi nunca iria me dar a mão de Lily em
casamento. Eu era apenas um maldito soldado. Respeitado e honrado,
mas um soldado, no entanto. Apesar da minha culpa por ter tomado a
virgindade de Lily, eu sabia que faria isso novamente. Eu queria fazer
ela minha por tanto tempo e esta era a única maneira. Pelo menos
agora uma parte dela pertencia a mim, pelo menos ela nunca
esqueceria a nossa noite juntos, mas eu também sabia que não era o
suficiente. Eu não queria que Lily tivesse apenas a memória da nossa
noite compartilhada pelo resto de seus dias, eu queria lembrá-la do
prazer que eu poderia dar a ela todas as noites, eu queria saboreá-la,
cheirá-la, senti-la a cada fodida noite. Eu queria tê-la caindo no sono
em meus braços e acordando ao meu lado na parte da manhã. Eu
queria fazê-la minha para que todos soubessem, mas não havia
nenhuma maneira no inferno que eu poderia fazer isso sem trair Luca e
a Família. Luca me tratou como um irmão, mas se eu fizesse isso, se eu
fosse contra a Outfit, alegando Lily oficialmente, ele teria que acabar
comigo como um cão raivoso para o bem da Família.

Com um suspiro, eu andei em direção à cama e me inclinei sobre


Lily. Eu escovei o seu cabelo longe de seu rosto. — Lily, você precisa
acordar, — eu sussurrei.

Suas pálpebras vibraram e ela se virou de costas. Os cobertores


fugiram, revelando os seus seios perfeitos. Seus mamilos franzidos no
ar fresco no quarto. Meu pau agitou em resposta. Me debrucei sobre
ela. Ela até mesmo ainda cheirava como eu. Porra. Eu já estava ficando
duro novamente. Ela abriu os olhos e me deu um sorriso sonolento.
Felicidade e confiança brilharam em seu rosto. Será que ela não
percebia que eu tinha destruído a sua vida na noite passada?

Um leve rubor apareceu em suas bochechas. Eu beijei sua testa.


— Você precisa ir, — eu disse.

Ela congelou, os olhos cheios de insegurança. — Eu fiz alguma


coisa errada na noite passada?

Bom Deus. Eu queria me esfaquear com a porra da minha faca.


Eu era um idiota. Eu nunca deveria ter deixado ela ver isso. Lily era
uma boa garota e eu tinha arruinado ela. Eu beijei o ponto abaixo da
sua orelha, em seguida, sua bochecha. — Não, você não fez nada
errado, querida.

~ 125 ~
Ela relaxou. Ela levantou a mão para a parte de trás da minha
cabeça, parecendo esperançosa. — Podemos ficar juntos um pouco?

Ela parecia fodidamente vulnerável. É claro que ela queria


proximidade depois de ontem à noite e eu queria isso também, mas era
como uma luz exterior. Do jeito que ela estava olhando para mim eu
não podia lhe dizer ‘não’. Eu deslizei sob os cobertores e ela se apertou
contra mim. Sua pele nua roçou a minha e todos os meus sentidos
ganharam vida. Eu empurrei a minha luxúria para baixo. Esse não era
o momento. Eu acariciava seus cabelos. — Você está bem?

Ela assentiu com a cabeça no meu ombro. — Eu estou um pouco


dolorida. — ela parecia envergonhada.

Eu pressionei um beijo contra sua testa. E eu não tinha certeza


do porque eu disse isso, definitivamente não facilitaria as coisas, mas
escorregou, — Eu te amo.

Ela chupou uma respiração antes de sussurrar, — Eu também te


amo.

Eu estava cavando a minha sepultura e a dela também, só porque


eu não conseguia controlar o meu pau, meu coração e minha boca.

Ela deixou escapar um pequeno suspiro feliz. Ela não pareceu


perceber em quantos problemas estávamos. Eu não conseguia parar de
me sentir culpado. Eu gostaria de poder dizer que eu teria agido de
forma diferente se eu tivesse a chance, mas eu sabia que eu ia dormir
com ela novamente. Eu a queria, eu ainda a queria.

~ 126 ~
Capítulo Onze
LILIANA
Eu não podia acreditar que Romero e eu realmente tínhamos
dormido juntos. Eu não sentia remorso. Talvez isso viesse em algum
momento, mas eu não poderia imaginar isso.

Tinha sido doloroso e ainda assim foi o momento mais feliz da


minha vida até agora. E depois, quando Romero tinha admitido que ele
me amava, eu queria dizer a todos sobre isso. Deixaria todos com raiva,
deixaria todos me chamando dos piores nomes, quem se importa? Eu
estava feliz e isso era o que importava. Mas eu sabia, Romero e eu
precisávamos manter isso em segredo. Talvez um dia nós
descobríssemos uma maneira de tornar isso oficial sem causar uma
guerra, mas agora eu só queria aproveitar o nosso tempo juntos. O
verão estava chegando ao fim, mas meu pai não parecia me querer de
volta. Talvez ele esquecesse que eu existia e eu poderia me mudar para
Nova York.

A primeira vez que eu tinha enfrentado Aria e Gianna depois de


perder minha virgindade, eu fiquei preocupada que elas veriam algo
diferente, mas é claro que elas não viram. Ninguém suspeitou de nada.

Talvez fosse uma realização foi o motivo pela qual eu tinha ficado
mais ousada.

Era quase meio-dia e eu mal conseguia manter os olhos abertos.


Romero e eu tínhamos feito amor até as primeiras horas da manhã e
uma vez que eu fui para o meu quarto, eu só tinha conseguido duas
horas de sono antes que eu tivesse que levantar para o café da manhã
novamente.

— Por que você não descansa no sofá por um tempo? Você parece
cansada, — Aria disse quando eu bocejei novamente. Teríamos que
procurar algum evento em Hampton para fazer algo nos próximos dias.
Bronzear e nadar estavam ficando cansativos.

~ 127 ~
Gianna balançou as sobrancelhas por trás das costas de Aria. —
Ela vai. Ela parece não conseguir dormir o suficiente durante a noite.

Romero olhou por cima de onde ele estava com Luca e Matteo,
mas ele não parecia preocupado. Eu decidi ignorar o comentário de
Gianna. Levantei da mesa. — Você provavelmente está certa, Aria. Vou
me deitar um pouco.

Aria colocou o jornal de lado e olhou para o relógio antes de olhar


para Luca. — Se quisermos sair para o almoço, devemos sair logo.

Luca assentiu.

Eu andei em direção ao sofá, me estiquei e fechei os olhos. Eu


quase imediatamente adormeci num sono leve, interrompido apenas
pelo som de Aria e Luca saindo, seguido alguns minutos mais tarde por
Gianna e da risada de Matteo enquanto se dirigiam para a praia. No
silêncio, senti minha mente divagar novamente.

— Estamos a sós, — disse Romero.

Eu abri meus olhos para encontrá-lo em pé em cima de mim com


um sorriso. Lentamente os meus próprios lábios se curvaram em um
sorriso e minha sonolência começou a desaparecer. Liguei a minha
perna por trás de seu joelho em uma tentativa de fazê-lo cair para
frente e, de preferência pousar em cima de mim, mas Romero era muito
forte. Depois de um olhar rápido em direção à porta do terraço, ele se
inclinou para baixo e me deu um beijo. Quando ele estava prestes a
recuar outra vez, eu passei meus braços ao redor de seu pescoço e
minhas pernas ao redor de sua cintura.

— Aria e Luca estão fora para o almoço e Gianna e Matteo vão


passar o dia no barco. Isso deixa a casa para nós.

Romero parecia em conflito, mas quando eu pressionei meu


núcleo contra sua virilha, eu sabia que eu o tinha. Ele já estava duro.
Com um grunhido, ele se abaixou em cima de mim. Nossos lábios
ansiosamente encontraram um ao outro. Depois de alguns minutos de
beijos aquecidos e mãos de por todos os lados, Romero recuou. — É
muito arriscado fazer sexo aqui.

— Eu sei, mas há outras coisas que podemos fazer, — eu disse,


antes que eu puxasse a cabeça de Romero de volta para outro beijo. Ele
não protestou novamente, o que também pode ter tido algo a ver com o
fato de que eu estava esfregando sua ereção através de suas calças.

~ 128 ~
Por alguma razão, fazer amor com Romero no meio da sala de
estar fazia as coisas parecerem mais reais entre nós, como se
pudéssemos ser um casal oficial e não apenas algo que precisava
acontecer no segredo das trevas.

Meus lábios estavam em carne viva pelo beijo de Romero, mas eu


adorei. Romero enfiou a mão debaixo da minha camisa e escondeu os
dedos debaixo da taça do meu sutiã, encontrando o meu mamilo. Engoli
em seco e me arqueei no sofá. Romero me beijou ainda mais forte. Eu
balancei a minha perna sobre a sua parte inferior das costas, o
puxando ainda mais apertado contra mim. Eu não podia esperar para
senti-lo sem as roupas entre nós. Talvez eu pudesse convencê-lo a
arriscar uma rapidinha na sala de estar.

A porta bateu e passos soaram, mas não houve tempo para reagir
antes que Aria aparecesse na sala de estar. — Lily, eu... -— ela estalou
os lábios fechados e congelou, assim como eu. Romero puxou a sua
mão para fora da minha camisa e se sentou rapidamente. Ele segurou
os braços de uma maneira que era para esconder a sua ereção, mas eu
duvidava que ele estivesse enganando Aria. Meus olhos procuraram a
área atrás das suas costas, mas Luca não estava lá. Essa foi à única
coisa boa sobre a nossa situação.

Ninguém disse nada por um longo tempo. Eu tentei reposicionar


meu sutiã e endireitar o meu cabelo, mas eu não estava fazendo um
bom trabalho porque minhas mãos tremiam. — Isso não é o que parece,
— eu disse, mas parei quando eu percebi o quão estúpido soou.

Aria levantou as sobrancelhas como se pensasse exatamente a


mesma coisa. — É por isso que eu não queria você sozinho com ela,
Romero. Eu sabia que isso ia acontecer!

— Você faz parecer que eu não tinha nada a ver com isso. Não foi
apenas obra de Romero. — eu disse, mas Aria quase não me deu
atenção. Ela estava olhando para Romero. — Por que você está de volta
de qualquer maneira? Você não deveria estar almoçando com seu
marido?

— Você está me culpando por isso? — perguntou Aria, incrédula.


— Luca recebeu um telefonema que havia um problema em um dos
clubes. Algo com um dos subchefes russos, então ele me deixou na
garagem e foi direto para Nova York. Você tem sorte que ele não veio.

— Se você contar para Luca... — Romero começou, mas Aria


interrompeu. — Eu não vou dizer a ele. — disse ela.

~ 129 ~
Romero me ajudou a levantar. — Ele é seu marido. Deve dizer a
verdade a ele.

O que ele estava fazendo? Ele estaria em apuros se Luca


descobrisse e o que aconteceria se Luca dissesse ao meu pai? Eu dei a
Romero um olhar confuso, mas ele não reagiu. Em seguida, outro
pensamento me atingiu. Talvez ele quisesse que as pessoas
descobrissem. Talvez ele esperasse que Luca aprovasse e poderia
descobrir uma maneira para que o meu pai chegasse a um acordo sobre
uma união entre Romero e eu. A esperança se acendeu em mim.

— Lily, posso falar com você em particular, por favor? —


perguntou Aria.

Eu balancei a cabeça, mesmo que o meu estômago virasse de


ansiedade. Aria era a minha irmã. Eu a amava e confiava nela, mas
Romero estava certo. Ela também era a esposa do Capo e eu não tinha
certeza de onde a sua lealdade estava. Eu a segui para a sala de jantar
e, em seguida, para a cozinha. Ela não disse nada até que nós duas
estávamos nos bancos do balcão.

— Há quanto tempo isso vem acontecendo? — perguntou ela.


Deus, ela ainda soava como a esposa de um Capo, tão adulta e
responsável.

— Um tempo. Desde que vim para Nova York, — eu admiti. Não


havia realmente porque em mentir mais. E eu realmente queria falar
com ela sobre isso. Romero e eu estávamos mantendo isso em segredo
por quase três meses.

Aria balançou a cabeça lentamente, com os olhos cheios de


preocupação. — Eu deveria saber. Eu pensei ter visto vocês dois
trocarem olhares secretos que só os amantes fazem, mas eu não queria
acreditar.

Eu não tinha certeza o que dizer, se ela ainda espera que eu diga
qualquer coisa. — Nós tentamos esconder.

— É claro que sim! — Aria sussurrou asperamente. — Oh Lily.


Isso é ruim, você sabe disso, certo? Se o pai descobre tudo vai virar um
inferno. Você vai estar em grandes problemas e não só isso. Pai pode
muito bem começar uma guerra. Afinal, Luca prometeu mantê-la
segura enquanto você estava em Nova York e ter um caso com um de
seus homens é definitivamente uma violação dessa promessa.

~ 130 ~
— Caso? — eu disse ofendida. O que Romero e eu tínhamos era
muito mais do que isso. — Você faz parecer como se fosse apenas sexo.

Os olhos de Aria se arregalaram. — Eu não quis dizer isso, mas...


Espere um segundo. Por favor, me diga que você não dormiu com ele
ainda. — sua expressão era tão articulada e ansiosa, eu quase
considerei mentir para ela.

Mordi o lábio. — Eu realmente amo ele, Aria.

— Então você dormiu com ele, — disse ela calmamente. Ela fez
parecer como se fosse o fim do mundo.

Eu balancei a cabeça. — E eu não me arrependo. — eu estava tão


feliz que eu tinha compartilhado esse momento com Romero. Eu queria
compartilhar muito mais com ele. Toda vez que eu tinha dormido com
ele nas últimas semanas, eu tinha ficado mais próxima dele, embora eu
não achasse que isso fosse possível.

Aria se inclinou para trás e lançou um longo suspiro. — Pai vai


matá-lo se ele descobrir. Depois da coisa com Gianna, ele vai perder
completamente o controle.

— Minha mãe me disse para ser feliz pouco antes de morrer. E


Romero me faz feliz. Eu quero estar com ele.

— Lily, Pai não vai permitir isso. Não importa o que qualquer um
de nós diga, ele não vai deixar você se casar com um mero soldado de
Nova York. Ele não pode ganhar qualquer coisa de tal união e não
quando eu já estou casada com o Capo e Gianna com o Consigliere.

— Eu sei, — eu disse em um sussurro. — Mas... Eu... — eu parei.


Eu sabia que Aria estava certa. Eu sabia disso praticamente desde o
início. Eu odiava que eu tivesse que pedir desculpas por amar alguém,
por querer estar com esse alguém. Não deveria ser assim.

Aria pegou minha mão e ligou os nossos dedos. — Algumas


mulheres conseguem fingir a sua virgindade na noite de núpcias. Talvez
você possa fazer isso também. E como Pai não arranjou um casamento
para você, talvez possamos descobrir algo até então.

— Aria, eu não quero me casar com ninguém. Eu só quero


Romero. Eu o amo.

Aria olhou nos meus olhos por um tempo muito longo. Eu não
tinha certeza o que ela estava esperando encontrar lá, mas eu lhe dei

~ 131 ~
tempo. — Você o ama, não é? — ela disse, resignado. — E ele? Ele ama
você?

— Ele disse isso depois que fizemos amor pela primeira vez. — eu
esperava que ele fosse dizer outra vez após a primeira noite juntos.
Talvez ele não fosse do tipo de dizer isso em voz alta com muita
frequência.

— Tem certeza de que ele é sério sobre você?

— Claro que sim, você ouviu o que eu disse a você? — eu disse,


mas até mesmo eu podia ouvir o lampejo de incerteza na minha voz e
eu não tinha certeza de onde isso estava vindo.

— Alguns homens dizem coisas que não significam nada depois


do sexo, porque eles se sentem culpados.

Meus olhos se arregalaram. — Ele não faria isso. E se você está


dizendo que ele só tentou entrar em minhas calças, isso é ridículo. Você
sabe quem é Romero, ele não faria isso comigo.

— Não, você está certa. Romero não é o tipo e ele não arriscaria
tanto só pelo sexo. Ele deve se preocupar com você se ele vai contra as
ordens de Luca.

— Você não vai dizer a ele, certo?

— Eu disse a você, eu não vou. Ele tem o suficiente em sua


cabeça, eu não quero que ele se preocupe com isso também. Nós vamos
descobrir alguma coisa. Mas até então, por favor, sejam mais
cuidadosos. Eu não vou te dizer para ficar longe de Romero porque eu
suspeito que você vai acabar indo pelas minhas costas, mas se alguém
descobrir, as coisas poderiam realmente ficar fora de mão.

— Eu sei, — eu disse. — Romero e eu vamos ter cuidado.

Aria apertou os lábios. — E não há realmente nenhuma maneira


que você considere terminar com Romero?

— Não, — eu disse sem hesitar.

Ela sorriu tristemente e pulou do banco. — Eu quero falar com


Romero agora.

Eu empurrei para os meus pés e agarrei seu braço. — Por quê?


Você vai tentar convencê-lo a parar de ficar comigo?

~ 132 ~
— Você realmente acha que eu faria isso com você? — perguntou
Aria em um tom magoado.

Eu me senti mal instantaneamente, mas Aria havia mudado ao


longo dos anos. Talvez fosse porque ela tinha tomado mais
responsabilidades como esposa de Luca, mas às vezes eu pensava que
ela agia muito como uma mãe intrometida quando ela vinha para mim.
Eu não duvido que ela sempre fazia o que ela achava que era o melhor
para mim, único problema era que eu não tinha certeza se ambas
concordavam sobre isso. — Não. Mas por que você quer falar com
Romero?

— Eu só quero conversar. — disse ela teimosamente. — Por favor,


fique aqui enquanto eu vou falar com Romero. Me faça o favor.

— Aria, por favor, não faça disso um grande negócio.

— Oh Lily, este é um negócio muito maior do que você pensa. —


disse ela antes dela se afastar.

*****

ROMERO
Eu queria arrancar os cabelos em frustração. Devíamos ter sido
mais cuidadosos. Eu geralmente nunca baixo a guarda. Eu sempre
antecipava possíveis riscos. Hoje eu tinha falhado em tantos níveis, era
lamentável.

Aria avançou sobre mim. Ela parecia regiamente chateada. E eu


não poderia culpá-la. Ela parou bem na minha frente, seus olhos azuis
brilhando com raiva. — Como você pôde fazer isso? O que você estava
pensando? — ela sussurrou. — Mas você provavelmente não estava
pensando, pelo menos não com a cabeça. — ela fez um gesto na direção
da minha virilha.

Minhas sobrancelhas se ergueram. Essa era tão diferente de Aria.


— Isso não é apenas sobre sexo.

— Lily disse a mesma coisa, mas o que é então? Você conhece as


regras, pelo amor de Deus. É irônico que eu tenho que te lembrar.

~ 133 ~
— Eu sei as regras, — eu disse laconicamente, ficando com raiva.
Mas Aria era a última pessoa que eu deveria estar com raiva. Ela estava
certa.

— Lily disse que dormiu com ela. — Aria balançou a cabeça. —


Deus, Romero, se alguém descobrir, Lily estará arruinada. Ou você
pretende se casar com ela?

— Eu não posso. Você sabe disso. Seu pai nunca permitiria isso,
e se nós fomos contra a sua vontade, isso significaria guerra.

— Eu sei. Então, por que você fez isso?

— Eu não forcei Lily se é isso o que você pensa, — eu disse. Será


que ela achava que eu tinha forçado a irmã dela de alguma forma? —
Lily queria isso também.

— Eu não duvido. Eu vejo como ela está olhando para você. Ela
ama você. É claro que ela quer dormir com você, mas você deveria ter
feito melhor!

— Eu sei. O que você quer que eu diga? Que eu sinto muito?

— Você estaria mentindo, — Aria murmurou.

Indignação passou por mim, mas ela estava certa. Eu não estava
triste que eu tinha dormido com Lily, pelo menos não o suficiente para
que eu não fosse fazer isso novamente. — Você vai me dizer para ficar
longe dela agora?

— Você ficaria com ela pelas minhas costas. E Lily iria me odiar
se eu tentasse ficar entre você e ela. Você dormiu com ela e não é como
se importasse se vocês fizessem isso de novo, desde que você tome
cuidado para não ser pego e não engravide a minha irmã.

— Você vai me dar um discurso? — eu disse, divertido.

— Estou falando sério. Se Lily fica grávida, então as coisas vão


ficar muito ruins.

— Nós somos cuidadosos.

— Mais cuidadosos do que quando eu peguei vocês no sofá?

— Quero dizer. Lily não vai ficar grávida.

Aria cobriu o rosto com as mãos. — Deus, eu não posso acreditar


que estamos tendo essa discussão. Eu queria Lily em Nova York para
que ela se divertisse um pouco, mas não esse tipo de diversão.

~ 134 ~
Eu não tinha certeza do que dizer. A culpa pesava sobre meus
ombros, mas, como Aria tinha dito, era tarde demais.

— Será que você ficaria longe dela se eu ameaçar contar a Luca?


— Aria perguntou quando ela baixou as mãos.

— Não, — eu disse sem hesitar.

— Bom, — disse ela, me jogando fora da pista. — Pelo menos isso


significa que você é sério sobre ela. Talvez possamos encontrar uma
solução para você e minha irmã. Me deixe pensar sobre isso.

— Eu estive pensando sobre isso por um longo tempo, mas talvez


você tenha mais sorte do que eu. A menos que nós queremos guerra,
teríamos de convencer o seu pai a chegar a um acordo sobre uma união
entre Lily e eu.

— Gianna e eu nos casamos por razões políticas. Por que Lily não
deveria ser autorizada a se casar com alguém que ela quer?

— Se eu fosse mais do que um soldado, então talvez o seu pai


fosse considerar isso.

Os olhos de Aria se iluminaram. — Você pode se tornar um


capitão com o seu próprio grupo de soldados. Você tem trabalhado para
Luca por tanto tempo e ele sempre diz que você é o melhor soldado. A
única razão pela qual ele não te promoveu ainda é porque ele confia em
você comigo e não quer mais ninguém como meu guarda.

Olhei para ela. Normalmente a posição do capitão era transmitida


de pai para filho. Soldados raramente recebiam a honra de se tornar
capitão.

— Pai ainda não encontrou um marido para Lily. Isso é um bom


sinal. Gianna e eu estávamos muito envolvidas quando estávamos na
idade de Lily, talvez por isso ele esteja aberto para sugestões e seria
uma boa jogada para melhorar as relações entre Nova York e Chicago
novamente.

— Você daria um bom Capo também, — eu disse com um sorriso.

— Eu sou casada com um bom Capo, isso é tudo.

— Você é, — eu disse. — Mas eu não quero me tornar o capitão só


porque você falou com Luca sobre isso. Eu não tenho trabalhado tão
duro para uma promoção por piedade.

~ 135 ~
— Eu não terei que convencê-lo e Luca nunca faz nada por
piedade. Você deveria saber disso.

Eu balancei a cabeça. Ela tinha um ponto. — Uma vez que você


disser a ele, não há como voltar atrás. Ele pode não levar isso tão bem.
Eu fui contra suas ordens diretas afinal de contas. Isso ainda é um
crime.

— Sim, você fez, — disse Aria. — Mas ele te ama como um irmão.
Ele vai te perdoar. Eu só vou ter que descobrir uma maneira de contar a
ele.

— Eu poderia falar com ele. Eu tenho que confessar as minhas


ações.

Aria balançou a cabeça. — Não, eu posso ser mais convincente do


que você e ele não pode ficar com raiva de mim por muito tempo.

Eu ri. — Vocês mulheres Scuderi têm um jeito com os homens.

Aria sorriu pela primeira vez desde que ela encontrou Lily e eu no
sofá. Encarei isso como um bom sinal, mesmo que eu não fosse tão
ingênuo de pensar que eu me tornaria capitão e amanhã ou depois
Scuderi me aceitaria de bom grado como seu futuro genro. Isso seria
uma batalha difícil.

~ 136 ~
Capítulo Doze
LILIANA
Eu estava nervosa na cozinha. Porque Aria levou tanto tempo? Eu
nem sequer queria saber o que ela estava dizendo para Romero. E se ela
o convenceu a terminar as coisas comigo? Ela prometeu não fazer algo
assim, mas eu não tinha certeza. Se ela achava que tinha que me
proteger do mal, ela jogaria sujo se ela tivesse que fazer.

A porta se abriu e Romero entrou. Ele parecia quase relaxado.


Corri em direção a ele. — O que ela disse?

— Que devemos ter cuidado.

— Isso é tudo? Ela não vai dizer a Luca sobre isso?

— Não, não agora.

— O que isso significa?

Um lento sorriso curvou seus lábios. — Pode haver uma maneira


para nós estarmos juntos.

— Você quer dizer oficialmente? — perguntei animadamente.

— Sim, mas primeiro Aria precisa descobrir uma maneira de falar


com Luca e depois vamos a partir daí.

Eu tentei segurar a minha alegria, mas era difícil. Eu não queria


nada mais do que um futuro real com Romero.

Fiquei na ponta dos pés e o beijei, mas depois de apenas alguns


segundos Romero recuou com uma expressão de dor. — Nós
precisamos ser mais cuidadosos. Aria vai rasgar a minha cabeça se ela
pegar a gente se beijando assim de novo.

— Provavelmente não só a sua cabeça, — eu disse com um sorriso


perverso, o segurando através de suas calças.

~ 137 ~
Romero gemeu, agarrou o meu pulso e puxou minha mão. — Lily,
pare de me torturar.

— Eu pensei que você gostava quando eu te torturava.

Romero se inclinou, seus lábios escovando meu ouvido. — Eu


gosto, quando estamos sozinhos.

— Então, que tal irmos para o meu quarto?

— Não há nada que eu preferia fazer, mas não devemos arriscar


durante o dia, — disse Romero com pesar. — E eu realmente preciso
ligar para Luca e perguntar qual o problema com o subchefe Russo.

Eu fiz beicinho de brincadeira. — Eu odeio quando você está


sendo razoável. A noite está muito longe. Eu quero você agora.

— Porra, — Romero murmurou. Então ele me deu um sorriso


perigoso. — Continue. Eu vou vir atrás de você em poucos minutos.

Corri em direção meu quarto, já sentindo o meu núcleo apertar


com antecipação.

*****

No dia seguinte, Luca voltou de Nova York. Ele estava no limite,


então a nossa confissão teria que esperar. Durante o jantar naquela
noite, Aria, Romero e eu agimos como se nada tivesse acontecido. Eu
realmente esperava que Aria fosse descobrir uma maneira de falar com
Luca logo, assim todos nós poderíamos encontrar uma maneira de fazer
um futuro para mim e Romero possível.

Gianna arriscou um olhar entre Aria e eu como se pudesse sentir


o cheiro de que algo estava acontecendo. Gianna tinha sido sempre
atraída por problemas, então não era realmente uma surpresa.

No meio do prato principal, o telefone de Luca começou a tocar. —


Agora? — ele rosnou quando ele deixou cair o garfo. Hoje
definitivamente não era um bom dia para lhe contar sobre Romero e eu.
Eu não o tinha visto em um humor tão ruim assim. Ele se levantou,
tirou o telefone do bolso da calça e atendeu.

— Rocco, eu não esperava a sua ligação, — disse ele.

Todos nós nos voltamos para a conversa.

~ 138 ~
Luca olhou na minha direção. — Liliana está indo bem.

Meu pai só tinha ligado uma vez o verão inteiro para perguntar
como eu estava. Por alguma razão eu me preocupava com as
verdadeiras razões para ele me checar.

— Amanhã? Isso é um prazo curto. Aconteceu alguma coisa?

Eu coloquei o meu garfo para baixo, meu estômago apertou com


ansiedade.

— Claro. Ela vai estar lá, — disse Luca com uma careta. Ele
desligou e voltou para a mesa, abaixando o seu grande corpo na
cadeira.

— O que está acontecendo? — perguntou Aria antes que eu


pudesse dizer uma palavra. Ela parecia tão preocupada quanto eu me
sentia. Será que ela acha que o Pai havia descoberto algo sobre Romero
e eu? Se fosse esse o caso, a ligação não teria ido tão pacificamente,
isso era certo. E quem teria dito a eles? Ninguém nesta casa o faria.

— Seu pai quer Liliana de volta para casa amanhã, — disse Luca
pensativo.

— O quê? — eu disse, chocada. Romero parecia bastante chocado


para esconder a sua surpresa também. Eu tive que me forçar a rasgar
meu olhar para longe dele rapidamente, antes que Luca ficasse
desconfiado. — Porque tão cedo?

Matteo riu. — Você já esteve aqui por três meses.

Gianna bateu o cotovelo no lado dele e ele esfregou o local com


um sorriso.

— Eu estava brincando, porra. Por que você tem que ser tão
violenta? — ele perguntou.

Eu não estava com disposição para brincadeiras. Eu senti como


se o tapete tivesse sido puxado de debaixo dos meus pés. Eu sempre
soube que eu teria que voltar, eventualmente, mas agora que eu estava
sendo confrontada com a ordem de meu Pai, eu sentia o coração
partido.

— Ele quer você no primeiro voo. Ele já reservou o bilhete, —


Luca continuou como se seu irmão e Gianna não estivessem ainda
brigando.

— Ele disse por quê? — perguntei.

~ 139 ~
— Ele disse algo sobre responsabilidades sociais. Aparentemente,
há algumas festas que ele quer que você vá, mas ele não se aprofundou
muito nas informações.

Meus olhos dispararam para Romero de novo, mas então eu me


concentrei em Luca. — Ele disse quanto tempo eu tenho que ficar em
Chicago?

Luca estreitou os olhos. — Não. Chicago é a sua casa, então eu


não tinha o direito de perguntar.

— Lily é maior de idade, ela poderia simplesmente se recusar a


voltar, — disse Gianna com naturalidade. Matteo tinha o seu braço em
volta do seu ombro. Como de costume, a briga deles não durou muito
tempo. Eles provavelmente iriam para o seu quarto fazer as pazes.

— Então eu vou arrastá-la para o avião se for necessário. Se o seu


pai quer que ela volte para casa, ela vai. Não vou arriscar um conflito
sobre algo tão ridículo como isso.

Mordi o lábio. — Está tudo bem. Eu irei. Eu vou sobreviver e


estou animada em ver Fabi novamente. Eu sinto falta dele. Eu vou dizer
ao Pai para me deixar voltar para Nova York, logo que possível.

Eu não falei pelo resto do jantar e estava feliz quando eu


finalmente pude me levantar. Era ridículo da minha parte estar tão
nervosa sobre ir para casa; porque apesar de tudo, Chicago ainda era
suposto ser a minha casa. Eu saí para o terraço e passei os meus
braços em volta de mim, sentindo um frio inexplicável mesmo que ainda
estivesse quente.

A porta se abriu atrás de mim novamente e Aria andou ao meu


lado, me dando um sorriso compreensivo. — Eu vou ligar para o Pai e
pedir a ele para te mandar de volta para mais uma visita em breve. Não
é como se ele precisasse de você em Chicago. Você estará de volta antes
que você perceba.

— Você provavelmente está feliz que eu terei ido porque isso


significa que eu não posso ver Romero por um tempo, — eu respondi.
Eu me senti mal instantaneamente por falar assim com a minha irmã.
Fechando meus olhos, eu disse: — Desculpe.

Aria tocou meu ombro levemente. — Não se desculpe. E eu


realmente não quero que você vá, por favor, acredite em mim.

~ 140 ~
Eu balancei a cabeça. — Eu me acostumei com a vida aqui. Eu
tenho sido feliz. Eu nem me lembro a última vez que eu estive feliz em
Chicago.

— Isso é apenas uma coisa temporária. Você estará de volta aqui,


em algum momento e enquanto estiver em Chicago eu vou falar com
Luca sobre Romero. Talvez quando você estiver de volta nós iremos
fazer um plano sobre como convencer o Pai a aceitar Romero como seu
marido.

A esperança se acendeu em mim. Olhei para minha irmã. — Você


está certa. Isso pode ser como férias curtas. Talvez em breve eu vou ser
capaz de chamar Nova York de minha casa para sempre.

Nós não dissemos nada depois disso, ficamos paradas um ao lado


da outra observando o mar turbulento. O que eu realmente queria fazer
era falar com Romero, estar em seus braços e me convencer de que essa
coisa entre nós foi feita para durar, mas era muito cedo para ir para a
cama e não podíamos arriscar nada com todos ainda acordados.

Quando a brisa pegou, Aria e eu voltamos para a sala. Romero


pegou os meus olhos de toda a sala. Eu mal podia esperar para estar a
sós com ele hoje à noite, sentir o seu corpo deslizando contra o meu. Eu
nunca precisei tanto dele.

*****

Mais cedo do que de costume, me arrastei para fora do meu


quarto e me dirigi para Romero. Eu queria gastar tanto tempo com ele
quanto possível. Ele não pareceu surpreso quando eu escorreguei em
seu quarto.

Ele estava sentado na beira da cama, braços apoiados sobre os


joelhos. Ele ficou de pé quando eu fechei a porta. Por um tempo nós
apenas nos encaramos até que a pressão em meu peito ameaçava
esmagar a minha caixa torácica. Por que eu estava sendo tão emocional
sobre isso? Romero atravessou o quarto e me agarrou pelos quadris, em
seguida, ele nos virou e me levou em direção à cama até que as minhas
panturrilhas colidiram contra ela e ambos caiamos de costas no
colchão.

Nossas mãos percorriam o corpo um do outro quase


freneticamente, nos despindo e acariciando. Quem sabia quando

~ 141 ~
teríamos a chance de sentir isso outra vez? Pode ser semanas. Muito
tempo. Precisávamos fazer o melhor de nossa última noite juntos.

Hoje a noite eu queria estar no controle. Eu empurrei Romero de


costas e ele não resistiu. Eu montei em seus quadris e me abaixei para
sua ereção, o sentindo deslizar para dentro de mim todo o caminho.
Fechei os olhos por um momento, liberando uma respiração baixa no
sentimento familiar de plenitude. Romero agarrou meus quadris e
começou a empurrar para cima, se dirigindo profundamente em mim.
Me inclinei em meus braços, assim o meu rosto estava acima dele e
meu cabelo nos cercara como uma cortina, o nosso próprio santuário
pessoal do mundo exterior. — Eu vou sentir falta de você, — eu
sussurrei enquanto eu balançava para trás e para frente. — Eu vou
sentir falta disso, de tudo.

— Você não vai ficar fora muito tempo, — ele rosnou.

Ele parecia absolutamente certo. O beijei, me movendo ainda


mais rápido até que ambos gozamos ao mesmo tempo, mas ainda não
estávamos saciados. Fizemos amor mais duas vezes naquela noite como
se pudéssemos erradicar as sensações de nossa união em nossa mente
dessa forma.

— Eu não quero ir embora, — eu murmurei quando eu estava nos


braços de Romero. — Eu quero cair no sono em seus braços.

Romero pegou o despertador. — Então, não vá. Vamos nos


levantar cedo para que você possa voltar para o seu quarto sem que
ninguém perceba.

Eu sorri e descansei a minha bochecha contra seu peito. Não


demorou muito para eu dormir com o som das batidas do coração de
Romero que eram como música em meu ouvido.

*****

O alarme nos acordou antes do amanhecer e eu rapidamente


juntei as minhas roupas no quarto escuro. Antes de eu sair, Romero me
puxou contra o seu peito e me beijou ferozmente, então eu escorreguei
para fora e corri de volta para o meu quarto. Eu dormi um par de horas
de sono antes de realmente me levantar e levar tudo no carro para o
aeroporto.

~ 142 ~
A parte mais difícil de sair foi que eu não poderia abraçar ou
beijar Romero quando nos despedimos na sala de espera do aeroporto.
Com um último olhar, eu fui embora, tentando ignorar a preocupação
insistente de que eu não iria voltar.

*****

Quando cheguei a Chicago, meu velho guarda-costas, Mario,


estava esperando por mim. Ele não era a pessoa mais falante, então não
falamos durante a ida para casa da minha família.

Quando eu pisei na porta de entrada, o meu coração batia forte


em meu peito como um tambor. A última vez que eu estive aqui, a casa
estava cheia de tristeza e morte.

Mario abriu a porta para mim e eu entrei. Não era tão ruim como
costumava ser, mas eu definitivamente aqui não se parecia com casa
mais. Era a minha imaginação ou o cheiro de desinfetante ainda
permanecia nos cantos?

— Onde está o meu pai? — eu perguntei rapidamente, antes que


minha mente conjurasse mais loucura.

— Em seu escritório. Ele quer vê-la imediatamente.

Eu duvidava que a razão para isso era que ele tinha sentido
minha falta. Mario se dirigiu para levar a minha bagagem para o meu
quarto. Eu andei pelo corredor e bati na porta do Pai, tentando ignorar
a forma como o meu estômago revirou com os nervos.

— Entre. — Pai disse.

Eu respirei fundo e avancei. Fabi estava perto da janela. Ele


cresceu nos três meses que eu tinha ido e algo sobre a maneira como
ele cresceu me disse que não era a única mudança nele. Os últimos
meses pareciam ter feito dele mais homem. Teria sido melhor se Fabi
tivesse sido autorizado a ir para Chicago comigo para o verão, mas,
naturalmente, isso estava fora de questão.

Pai estava sentado atrás de sua mesa, como de costume. Ele não
se incomodou em levantar para me abraçar. Mas Fabi andou até mim e
eu passei os meus braços em torno dele antes que ele pudesse decidir

~ 143 ~
se ele estava bem com esse carinho. Ele era mais alto do que eu. Eu me
inclinei para dar uma olhada em seu rosto.

Eu sabia que algo estava errado no momento em que vi a


expressão de Fabi. Recentemente Pai tinha o envolvido cada vez mais no
negócio da máfia, apesar de que Fabi não teria 13 anos ainda por várias
semanas. Alguma tinha coisa acontecido? Ele não poderia já ter sido
forçado a matar alguém, certo? A ideia de que meu irmão mais novo já
pode ser um assassino virou o meu estômago em um poço gelado.

— Sente-se. — o Pai disse com um aceno de cabeça em direção à


poltrona na frente de sua mesa. Fabi imediatamente se livrou do meu
abraço, mas o que me preocupava era mais a questão de manter os
olhos no meu queixo.

— É bom ver você de volta em Chicago. Confio que Luca e Aria


cuidaram muito bem de você? — perguntou o Pai.

Nenhuma menção de Gianna, o que não era uma grande


surpresa.

Eu me afundei na cadeira em frente a ele. — Sim, eles fizeram.


Foram amáveis.

Eu tentei pegar o olhar de Fabi; ele retornou ao seu lugar junto à


janela onde ele estava ocupado evitando os meus olhos, suas mãos
fechadas em punhos ao seu lado e seus lábios uma fina linha branca
em sua cara irritada. Meu estômago amarrou em um nó.

Pai bateu os dedos contra a madeira lisa da mesa. Se eu não o


conhecesse melhor, eu diria que ele parecia quase envergonhado. O
medo tomou conta de mim. Mais uma vez eu dei uma olhada em
Fabiano, mas ele estava olhando para o chão.

O silêncio se estendeu entre nós até que eu tive a certeza de que


eu iria sufocar. — Você disse para Luca que você me queria aqui para
algumas festas?

— Isso é parte da razão. Você precisa se tornar parte dos nossos


círculos sociais novamente. — Pai fez uma pausa, então ele limpou a
garganta. Ele parecia quase culpado. — A vida tem de continuar. A
morte faz parte da nossa existência, mas temos de nos certificar de que
a nossa linhagem familiar permaneça forte.

Onde ele estava indo com isso?

— Eu vou me casar de novo.

~ 144 ~
Eu estava dividida entre alívio e choque. Pelo menos eu não
estava em apuros, mas eu não podia acreditar, muito menos entender
como ele poderia estar pensando em outro casamento quando a Mãe
tinha morrido por menos de seis meses. — Mas... — eu parei. Nada que
eu dissesse mudaria alguma coisa. Só iria me deixar em apuros. —
Quem é ela? Eu a conheço?

Havia algumas viúvas na idade do Pai que eu conhecia, mas eu


não tinha certeza se alguma delas eram o tipo dele. Mesmo o
pensamento disso me fez se sentir culpada e eu não estava nem mesmo
considerando a substituição da minha mãe. Talvez Pai fosse mais do
que ele deixava transparecer. Eu sempre pensava que ele e minha mãe
não gostavam muito um do outro, mas talvez eu estivesse errada. Talvez
ele a tivesse amado, de alguma forma torcida. Talvez ele não tivesse sido
capaz de demonstrar. Algumas pessoas eram assim.

Fabiano soltou um som baixo, puxando os meus olhos para ele,


mas ele ainda estava encarando seus pés. O que provavelmente era o
melhor, porque o Pai lhe deu um olhar que enviou um arrepio nas
minhas costas. Eu notei uma contusão desaparecendo na têmpora
esquerda de Fabi e eu não pude deixar de me perguntar se havia mais
escondido debaixo de sua roupa e se o Pai era responsável por todos
eles.

Os dedos do pai pegaram seu celular de novo. — Ramona Brasci.

Eu quase caí para frente na minha cadeira. — O quê? — eu soltei.


Ele tinha que estar brincando. Ramona era apenas um ano mais velha
que eu. Ela poderia ter sido filha do meu pai. Ela tinha ido para a
escola comigo, pelo amor de Deus!

Olhei para Fabiano, novamente, precisando dele para me dizer se


isso era uma piada, mas a sua careta era toda a resposta que eu
precisava. Isso era nojento. Era algum tipo de coisa da crise de meia-
idade por parte do Pai? Eu não poderia nem mesmo começar a entender
como ele poderia escolher alguém que poderia ser sua filha.

— Por sua vez, — Pai continuou uniformemente. — Você vai se


casar com o pai dela, Benito Brasci.

E foi aí que todo o meu mundo tinha sido destruído. Eu podia vê-
lo diante dos meus olhos. Todas as imagens de um futuro com Romero,
de felicidade e sorrisos, beijos doces e noites intermináveis de fazer
amor, se quebrando em pedaços pequenos e eles foram substituídos por
algo horrendo e escuro. Algo que as pessoas sussurravam em voz baixa
porque elas estavam preocupadas dos horrores se tornarem realidade se

~ 145 ~
falassem muito alto. Nem no meu pesadelo mais escuro eu imaginava
que o Pai iria me casar com um velho como Benito Brasci. Eu não me
lembrava muito sobre ele, mas eu não tinha o porquê. Tudo isso estava
errado.

Tentei falar, mas eu estava muda. Gostaria de saber quando as


primeiras lágrimas cairiam. Agora, eu ainda me sentia muito dormente.

— Você está condenando Lily a uma vida de miséria, — Fabiano


disse as palavras que eu só conseguia pensar. Ele parecia tão... Velho.
Ele se tornou um homem em algum tempo quando eu não estava
olhando. Eu queria dar a ele um sorriso agradecido, mas meu rosto
estava congelado, tudo em mim estava. Isso realmente estava
acontecendo?

Essa manhã eu ainda beijava Romero e agora eu deveria me casar


com Brasci.

— Eu estou tomando as decisões razoáveis. Você não entende isso


ainda, mas você vai.

— Não. Eu nunca faria algo assim.

— Você vai fazer pior, acredite em mim, meu filho. — ele


suspirou. — Todos nós temos que fazer sacrifícios. Essa é a vida.

Que tipo de sacrifício era esse de se casar com uma jovem mulher
que poderia ser sua filha? Era eu quem estava fazendo o sacrifício.

Eu não conseguia parar de me perguntar quando as lágrimas


viriam, mas não havia sequer a marca de formigamento ainda. Não
havia nada. Eu não era nada. Mais uma vez eu tentei chamar uma
imagem de Benito Brasci, mas nada veio. Não importava. Ele não era
Romero.

— Você vai encontrá-lo amanhã. Ele e Ramona estão vindo para o


jantar.

Talvez pudesse ter sido engraçado se não fosse tão terrível.

— Ok, — eu disse simplesmente. Eu parecia recolhida. Fabiano


franziu a testa para mim, Pai parecia imensamente satisfeito. Me
levantei da cadeira e atravessei a sala em direção à porta. — Estou indo
para a cama. Eu tive um dia longo.

— Você não vai se juntar a nós para o jantar? — Pai perguntou,


mas ele não soava como se ele se importasse.

~ 146 ~
— Eu não estou com fome, — eu disse calmamente.

— Então durma bem. Amanhã é um dia emocionante para nós


dois.

Minha mão na maçaneta da porta se deteve por um instante. Um


lampejo de algo, talvez raiva, agarrou o meu corpo, mas depois
desapareceu e eu estava entorpecida novamente.

Um pé na frente do outro. Um pé na frente do outro. O mantra


encheu a minha cabeça enquanto eu subia a escada. Passos trovejaram
atrás de mim e, em seguida, Fabiano estava ao meu lado. Ele agarrou o
meu braço. Ele estava tão alto quanto eu agora. Ele estava tão crescido.
Esses pensamentos se repetiam em minha mente. Talvez o meu cérebro
estivesse ainda quebrado pelo choque, ou desligado porque a realidade
da situação era demais para suportar.

— O que diabos está errado com você, Lily? — ele rosnou. Sua voz
não era a de um homem ainda, mas não era a de um menino.

— Errado? — perguntei.

— Sim, errado, — Fabiano murmurou. Ele me soltou e eu


esfreguei o meu braço. Ele era forte.

Havia algo de errado comigo? Talvez fosse esse o problema. Eu


tinha feito muitas coisas erradas no passado. Eu tinha dormido com
Romero, mesmo que não fôssemos casados. Talvez fosse o castigo pelos
meus pecados. O pastor de nossa igreja provavelmente teria dito isso.

— Por que você não está enlouquecendo? Por que você acabou de
dizer ok? Você nem percebe com o que você concordou?

Eu não estava ciente que eu tinha concordado com qualquer


coisa. Como eu poderia ter quando ninguém nunca tinha me
perguntado sobre a minha opinião? — Porque não há nada que eu
possa fazer.

— Merda. — disse Fabi, batendo o pé. Talvez não tão crescido


como eu pensasse.

Eu quase sorri, se meu rosto fosse capaz de fazer qualquer


movimento. — Quando você começou a xingar tanto?

— Todos os homens fazem isso.

— Mas você não é um deles ainda.

~ 147 ~
— Mas logo serei.

Eu balancei a cabeça. Isso era o que eu temia. Pai parecia


interessado em estragar as nossas vidas.

— E isso não faz diferença agora. Você não pode simplesmente


aceitar esse casamento. Você tem que fazer alguma coisa.

— O quê? O que posso fazer? — eu perguntei com uma pitada de


raiva. Essa breve explosão de emoção me assustou porque eu preferia a
dormência.

— Algo. — Fabiano disse em voz baixa, seus olhos castanhos


implorando. — Qualquer coisa. Apenas não aceite.

— Então me diga o que eu posso fazer. Você é um futuro Made


Men. Me fale.

Fabiano desviou o olhar, a culpa em seu rosto.

Toquei seu ombro. — Não há nada que qualquer um de nós possa


fazer.

— Você poderia fugir como Gianna, — Fabi explodiu.

— Ela foi pega.

— Mas você não faria isso.

— Eu não faria. — eu não era nada como Gianna. Eu não iria


durar um mês, provavelmente nem mesmo uma semana. Eu não era
uma rebelde. Eu nem sequer queria deixar essa vida para trás. Não
havia nenhuma maneira de sobreviver sozinha por muito tempo.

Mas talvez eu não tivesse que ficar sozinha. Romero poderia vir
comigo. Ele sabia como escapar de perseguidores. Juntos, poderíamos
fazer isso.

— Você está pensando sobre isso, não é? — Fabi perguntou com


um sorriso de menino.

— Se lembre de onde a sua lealdade está. — eu sussurrei. — Isso


é traição. Se o Pai descobre, você vai ser punido severamente.

— Eu não sou um Made Men ainda.

— Mas tão bom quanto, você mesmo disse. Eles irão te julgar
como se fossem um Made Men e isso significaria a morte.

~ 148 ~
— Pai precisa de um herdeiro. — disse Fabi.

— Pai terá em breve uma jovem noiva que pode lhe dar um monte
de crianças. Talvez ele não vá precisar de você depois de tudo.

Fabi fez um som de engasgo. — É como se ele fosse se casar com


você. É nojento.

Eu não podia negar. — Benito Brasci é mais velho do que o Pai,


não é?

— Eu não sei. Ele parece velho.

— Eu deveria ir para o meu quarto, — eu disse distraidamente.


Eu precisava falar com Romero. Fabi não me parou enquanto eu
caminhava pelos degraus restantes e me dirigi para o meu quarto.

Quando a porta se fechou atrás de mim, eu temia por um


momento que eu realmente começasse a chorar, mas a rolha que
mantinha as minhas emoções sob controle segurou firme.

Eu me atrapalhei com o meu celular no fundo da minha bolsa e


disquei o número de Romero. Minhas mãos tremiam e quando Romero
não atendeu após os dois primeiros toques como sempre fazia, eu podia
sentir o pânico rachar através da minha dormência. Ele não sabia que
eu ia ligar, mas eu não podia deixar de me preocupar que algo tinha
acontecido com ele. Ou que ele descobriu sobre o meu noivado com
Basci e não queria ter nada a ver comigo. E se Luca soubesse o tempo
todo? Era possível que o Pai havia dito no telefone e Luca não tinha
mencionado isso porque ele sabia que Aria e Gianna fariam uma cena.

Fui enviada para o correio de voz e rapidamente desliguei. Eu não


tinha sequer colocado o telefone para longe quando a tela brilhou com o
nome de Romero. Respirando fundo, eu atendi.

— Lily, você está bem? Eu estava em uma reunião e tinha


colocado o telefone no mudo.

Eu caí contra a parede ao som da voz de Romero. Ele me


acalmou, mas ao mesmo tempo me fez perceber que eu poderia o perder
se eu tivesse que casar com Basci. — Pai escolheu um marido para
mim, — eu disse finalmente. Parecia que eu estava falando sobre o
tempo, completamente distante.

Silêncio seguiu do outro lado. Eu não podia nem ouvir a sua


respiração. Eu não ousei dizer nada, embora eu estivesse explodindo de
medo e ansiedade.

~ 149 ~
— Quem é? — perguntou Romero, em voz baixa. Eu desejei que
eu pudesse ver seu rosto para obter uma dica sobre suas emoções. Ele
parecia tão sem emoção como eu.

— Benito Basci. Você provavelmente não o conhece, mas...

Romero me interrompeu. — Eu o conheço. Eu o conheci durante


o ano passado em uma reunião.

— Oh, — eu disse, então esperei, mas novamente Romero ficou


em silêncio. Por que ele estava tão calmo? Será que ele não se
importava que eu fosse me casar com outro homem? Talvez isso sempre
tivesse sido uma distração para ele. Talvez nunca tivesse sido destinado
termos mais do que... O quê? Um caso? Eu me sentia suja só de pensar
nisso. — Ele é muito mais velho do que eu.

— Eu sei.

Claro que Romero sabia, mas eu não tinha certeza do que mais
dizer.

— Eu pensei... — eu disse, hesitante. — Eu pensei que nós


poderíamos...

Eu não ousava pronunciar as palavras.

— Você pensou que nós poderíamos o quê?

Fechei os olhos. — Eu pensei que nós poderíamos fugir juntos. —


eu me arrepiei quando as palavras saíram de minha boca. Eu poderia
soar mais patética e ingênua?

— Isso significaria guerra entre os Outfit e Nova York.

Ele disse com naturalidade, como se ele não tivesse


absolutamente nada a ver com isso. Eu não tinha pensado nisso, mas é
claro que seria a primeira coisa que iria passar pela cabeça de Romero.
A Família sempre veio em primeiro lugar.

Eu tinha sido estúpida. Mãe sempre me alertou que os homens


prometiam o mundo se eles quisessem algo de você. Romero tinha sido
gentil e amoroso e eu tinha dado a ele tudo. Meu corpo, meu coração,
cada pequena coisa que eu poderia dar. Eu tinha dado a ele de bom
grado e eu não queria sentir arrependimento sobre nada, mas era
difícil.

Mordi o lábio, de repente a ponto de chorar. Eu podia sentir as


comportas se abrindo. Não iria demorar agora. — Você está certo, — eu

~ 150 ~
resmunguei. — Eu... — eu engasguei e rapidamente desliguei. Então eu
escondi o telefone na minha mala de viagem novamente e me enrolei na
minha cama, deixando os soluços arruinarem o meu corpo até que os
meus músculos doessem, até que minha garganta doesse, até que tudo
doía, mas nada tanto quanto o meu coração. Era isso? O final de cada
sonho que eu tive?

~ 151 ~
Capítulo Treze
ROMERO
Olhei para o meu telefone. O que o fodido Scuderi pensava? Eu
queria matá-lo tantas vezes no passado, agora eu gostaria de ter feito
isso.

Nino saiu da sala de reunião e colocou um cigarro na boca.


Aquele cara ralava meus malditos nervos. — Porque a cara nervosa? Vá
atrás de um longo boquete agradável de uma das meninas. Isso sempre
coloca um sorriso no meu rosto.

Eu fui em direção a ele, o agarrei pelo colarinho e o atirei contra a


parede. Sua cabeça esmagou contra ela e ele deixou o cigarro cair. —
Que porra é essa, seu imbecil! Me solte! — ele gritou como um maldito
idiota.

Eu dei um soco no estômago dele duas vezes e ele caiu de joelhos.


Deus, eu queria matar alguém. Eu nem sequer me importava quem. Eu
bati nele uma e outra vez.

— Ei! O que está acontecendo aqui? — Luca rosnou. Ele agarrou


meus braços e os puxou nas minhas costas. — Romero, o que diabos
você está fazendo? Se acalme, porra.

Eu relaxei em seu aperto e respirei fundo.

Matteo se ajoelhou o lado de Nino, que estava sangrando de um


ferimento na cabeça e de seu nariz. Eu não tinha sequer percebido que
eu bati na cara dele também. Aria se juntou a nós depois de um
momento. Desde que ela começou a trabalhar nos livros dos clubes, ela
estava aqui com bastante frequência. Ela me deu um olhar
questionador, então preocupação torceu o seu rosto.

— Eu vou matar você, seu bastardo, — Nino rosnou.

Matteo o ajudou a se levantar. — Você não vai fazer nada. Vá


para dentro e traga alguém para dar pontos na sua cabeça.

~ 152 ~
Nino cambaleou, mas não sem me enviar um olhar mortal. Como
se eu desse a mínima que ele tentasse me matar. Eu limpei a porra do
chão com a sua bunda.

— Aconteceu alguma coisa com Lily? — Aria perguntou com


medo, andando até a mim.

— Você pode me deixar ir agora. — eu disse a Luca. Ele me soltou


e deu um passo para trás, os olhos apertados voando entre a sua
esposa e eu.

— Por que Romero saberia se algo estivesse errado com Lily? —


perguntou ele com cuidado.

Aria não disse nada, só olhava para mim. Talvez eu devesse ter
me preocupado que Luca poderia achar errado, mas eu não dou a
mínima para o que quer que seja.

— Seu pai arranjou um casamento com Benito Brasci para ela. —


eu disse em voz baixa.

Aria engasgou. — O quê? Ele nunca disse que ele estava à


procura de um marido para ela! — ela olhou para Luca. — Ou ele
mencionou alguma coisa para você?

A expressão de Luca era pedra. — Não, ele não fez. Mas agora eu
estou mais preocupado com o fato de que Romero sabe sobre isso antes
de qualquer outra pessoa e que ele quase matou um dos meus homens
por causa disso.

Me debrucei contra a parede. Eu poderia muito bem dizer a


verdade. — Lily e eu ficamos juntos durante o verão.

Matteo deixou escapar um assobio baixo. Por alguma razão, isso


me irritou pra caralho. Eu olhei para ele e quase perdi a cabeça de novo
quando eu vi o seu sorriso. O que diabos era tão engraçado?

Luca entrou no meu rosto. — Você me disse não tem muito tempo
que você não estava interessado nela? Que isso não seria um problema
do caralho quando ela estivesse por perto? Me lembro dessa conversa
muito bem e agora você está me dizendo que você estava vendo Liliana
atrás das minhas costas durante todo o fodido verão?

Aria tocou no braço de Luca e se posicionou entre nós. — Luca,


por favor, não fique bravo com Romero. Ele e Lily não queriam fazer
nenhum mal. Eles se apaixonaram. Simplesmente aconteceu.

~ 153 ~
— E você sabia o tempo todo? — Luca murmurou. — Você sabia e
não me contou? Será que não tivemos uma discussão sobre lealdade e
confiança quando você ajudou Gianna a fugir?

Aria empalideceu. — Elas são as minhas irmãs.

— E eu sou a porra do seu marido.

— Luca, ela não tem... -— eu comecei.

Luca apontou os dedos contra o meu peito. — Fique fora disso.


Você tem sorte de eu não colocar uma bala em sua cabeça neste exato
momento por ir contra minhas ordens.

— Ei, Luca, se acalme. Talvez não seja tão ruim quanto parece. —
disse Matteo, tentando ser a voz da razão, o que era uma piada.

— Oh, eu suspeito que seja exatamente tão ruim quanto eu acho


que é. — Luca murmurou. Seus olhos me encararam. — Apenas me
diga, estaremos em apuros na noite de núpcias de Liliana?

Eu sabia o que ele estava perguntando.

— Lily não vai se casar com esse cara. Ele não tem mais de
cinquenta anos? É ridículo, — Aria intrometeu.

— Mais de cinquenta e muita merda nas costas. — acrescentou


Matteo.

Luca ignorou. Seus olhos perfuraram os meus. — Haverá um


fodido um problema na noite de núpcias?

— Eu dormi com Lily. — eu disse calmamente.

Matteo deixou escapar outro de seus assovios irritantes.

Luca amaldiçoou. Parecia que ele queria quebrar a minha cabeça


com uma marreta. — Por que você deixou o seu pau nas calças dela?
Você não podia ao menos colocar uma distância em vez de foder com
ela?

— Eu não me arrependo. — eu disse. — Agora menos do que


nunca.

Luca deu um passo atrás de mim como se ele não confiasse em si


mesmo de estar tão perto de mim. — Esta é uma bagunça do caralho.
Você percebe o que acontece se Benito Brasci descobre que sua esposa
não é virgem? Scuderi vai descobrir o que aconteceu em Nova York e
nós estaremos ferrados.

~ 154 ~
— Eu não acho que haverá um problema. Fiquei ao lado de Brasci
no mictório uma vez. O pau do cara é pequeno. Ele não pode esperar
que haja sangue nos lençóis com aquela pequena salsicha. Liliana
provavelmente não vai nem perceber que o pau dele entrou nela. —
Matteo brincou.

Eu vi vermelho. Corri para ele e meu punho colidiu com sua


mandíbula. Mas Matteo não era Nino. Depois do meu primeiro soco, ele
bloqueou o meu segundo e puxou a faca. A minha também foi para fora.
Nós nos enfrentamos, facas apontadas um para o outro.

— Chega! — Luca rugiu, andando entre nós e nos empurrando


para longe um do outro. — Eu vou colocar vocês juntos com os cães
raivosos se vocês não se controlarem neste exato momento.

— Ele começou isso. — disse Matteo, sem tirar os olhos de mim.


Nós nunca tínhamos lutado um contra o outro e eu não tinha certeza de
que eu poderia vencê-lo em uma briga de faca, mas eu não me
importaria em descobrir.

— Você o provocou. — disse Aria. — O que você disse foi horrível.

Matteo revirou os olhos. — Meu Deus, eu estava tentando


iluminar o humor.

— Você falhou, — disse Luca friamente. — Agora guardem as


suas facas. Os dois.

Eu embainhei a faca e Matteo fez o mesmo. Eu exalei. — Eu não


deveria ter batido em você, — eu disse finalmente.

Matteo assentiu. — Eu deveria manter minha boca fechada de vez


em quando.

Apertamos as mãos e eu me inclinei contra a parede novamente.


Minhas pernas estavam pesadas. Olhei para o meu telefone. Eu
precisava ligar para Lily, dizer a ela que eu não iria desistir dela.

— Mas ela não está grávida, está? — Luca perguntou depois de


um momento.

Eu balancei minha cabeça. Nós sempre tínhamos sido


cuidadosos.

— Então talvez nós vamos sair disso ilesos. Brasci pode não notar
e existem maneiras de colocar manchas de sangue falsas sobre os
lençóis.

~ 155 ~
— Ela não vai casar com esse homem, — eu disse.

Luca ergueu as sobrancelhas. — Oh, não vai? Você está pensando


em parar Scuderi? Talvez sequestrar Lily e se casar com ela?

Eu não disse nada. Eu queria dar um soco em Luca também, mas


isso teria definitivamente sido o prego no meu caixão.

— Luca, por favor. Você não pode falar com o meu pai?

— Falar com ele e dizer o quê? — Luca rosnou. — Que o meu


melhor soldado fodeu a sua filha e a quer para si? Que eu quebrei o
meu juramento em proteger Liliana e agora ela perdeu a porra de sua
honra? Isso vai virar um fodido inferno.

— Não, mas você poderia dizer que Gianna e eu queremos a nossa


irmã em Nova York com a gente e se ele talvez considerasse casá-la com
alguém da Família. Você não teria que dizer a ele imediatamente. Isso
nos daria tempo para pensar em alguma coisa.

— Eu não posso me envolver. Não é da minha conta. E se seu pai


já prometeu Liliana para Brasci, ele não vai mudar de ideia. Isso iria
ofender Brasci.

— Mas nós temos que fazer alguma coisa! — exclamou Aria.

— Eu não vou entrar em guerra sobre isso! — Luca assobiou.

Eu o compreendia. Ele tinha que considerar apenas a Família.


Mas eu não precisava.

*****

LILIANA
Eu fui despertada pelo toque de um telefone. Lentamente a minha
conversa com meu pai e, em seguida com Romero, se repetiram em
minha mente. Meus olhos dispararam em direção a minha mala de
viagem no closet, pensando e esperando que fosse Romero novamente
antes de me lembrar de que estava no mudo. Decepção caiu em cima de
mim mais uma vez. Me sentei, desorientada e exausta de tanto chorar.
O relógio na mesa de cabeceira me havia dito que era apenas 22h00. Eu
andei em direção à minha mesa, onde o telefone fixo estava e peguei.

~ 156 ~
Era Aria. Ela já deve ter ouvido falar. Pai tinha ligado para ela para lhe
dizer a boa notícia?

Eu atendi. — Oi Aria, — eu disse asperamente. Não havia como


esconder que eu tinha chorado. Aria conhecia aquela voz.

— Oh, Lily. Acabei de saber. Eu sinto muito. Eu não posso


acreditar nisso.

— Nós não vamos deixar o Pai ir adiante com isso. Nós vamos
descobrir alguma coisa. — Gianna gritou no fundo. Elas estavam
juntas, elas tinham maridos que as amavam e eu estaria presa aqui
com um homem velho que eu nunca seria capaz de amar. Como as
coisas poderiam dar tão terrivelmente erradas?

— O Pai ligou pra você? — eu perguntei, minha voz recuperada


parcialmente da emoção.

— Não, ele não ligou. Descobrimos através de Romero.

— Ele disse a você?

— Sim, ele fez, — disse Aria lentamente. — Ele atacou um dos


outros soldados que disse algo a ele, então Luca teve uma palavra com
ele e descobrimos.

— Por que ele atacou o homem?

— O que você acha? Porque ele não quer que você se case com
Basci, — Aria disse suavemente. — Ele está tentando falar com você
pela a última hora, mas você não atendeu. Ele quase foi à loucura por
aqui. Ele quer falar com você.

— Ele está aí com você?

— Sim. Vou entregar o telefone agora, ok?

Com minha voz trêmula eu concordei. — Ok.

— Lily. — Romero murmurou ao telefone. Sua voz era agora


terna. Eu soltei uma respiração dura e senti as lágrimas correrem pelo
meu rosto.

— Lily?

Engoli em seco. — Eu pensei que você não queria ter nada a ver
comigo agora que eu estou prometida a outra pessoa.

~ 157 ~
— Não, eu nunca te deixaria. Eu sei que não reagi da maneira que
eu deveria. Eu... Eu estava com tanta raiva quando você me disse que o
seu fodido Pai quer te vender para o velho bastardo. Eu queria voar até
aí e matá-lo. Eu não queria descontar a minha raiva em você, então eu
tentei me recompor.

— Ok, — eu sussurrei.

— Você ainda quer fugir?

Sim, mais do que qualquer outra coisa. — Isso significaria guerra.


Você mesmo disse.

— Eu não me importo. Eu correria o risco de guerra por você.

— Luca esta aí para ouvir você dizer isso?

— Não, ele não está.

— Ele iria te matar se ele pudesse ouvir.

— Suas irmãs correriam o risco de guerra por você também.

Eu não duvidava. Gianna, em particular, mas até mesmo Aria,


que era a mais razoável faria qualquer coisa para me proteger e era isso
que me assustava tanto. Fabiano logo estaria no meio dos negócios da
máfia. A guerra com os russos havia piorado nos últimos anos e eu
provavelmente não sabia nem metade. Se Nova York e Chicago
começassem a lutar outra vez, isso poderia custar a vida de muitas
pessoas com que eu me preocupava.

— Eu tenho que encontrá-lo amanhã.

— Eu não quero que você sozinha com ele, Lily.

— Mas e se ele pedir e o Pai disser que 'sim'?

— Você é uma menina italiana honrosa, jogue com essa carta. Se


eu tiver que me preocupar que você estando sozinha com ele eu vou
reservar o próximo voo e estar aí amanhã. Porra. Eu quero fazer isso e
matá-lo.

Sorri um pouco, desejando que ele pudesse. Eu não queria nada


mais do que tê-lo comigo, sentir os seus braços em volta de mim. — Eu
não sou uma garota honrosa mais. Talvez se eu disser ao Pai eu possa
sair deste casamento.

— Ele poderia te matar. Seu pai tem sido muito volátil desde a
coisa com Gianna.

~ 158 ~
— Talvez isso fosse melhor do que me casar com esse cara.

— Não diga algo assim. Nós vamos descobrir alguma coisa.

Eu balancei a cabeça, mesmo que ele não pudesse ver. Eu queria


acreditar nele. — Eu sei, — eu disse calmamente.

— Aria vai ligar para o seu pai amanhã de manhã para ter uma
ideia sobre a decisão dele.

— Eu não acho que ela vai ser capaz de falar com ele sobre isso.
Luca sabe tudo sobre nós?

— Sim, pelo menos tudo o que ele precisa saber para avaliar a
situação.

Minhas bochechas inflamaram, mas Romero estava certo.


Precisávamos dizer a verdade a Luca se nós queríamos que ele fosse
capaz de fazer algo. — Ele ficou muito zangado?

Romero ficou em silêncio por um momento. — Ele não estava


feliz. Eu soquei Matteo, que realmente não ajudou em nada.

— Você bateu em Matteo? Por quê? Pensei que Aria tinha dito que
você atacou outro soldado.

— Eu fiz ambos, — Romero admitiu. — Eu realmente me enfureci.

— Por favor, não fique em apuros por minha causa. Eu não quero
que você se machuque, me prometa. — houve outro momento de
silêncio, antes que ele dissesse. — Eu prometo.

Mas eu tinha a sensação de que era uma promessa que ele não
teria a certeza que poderia manter. Se ele já havia atacado Matteo, o
Consigliere da Famiglia, isso não era um bom sinal.

— Me ligue depois de sua reunião com Brasci amanhã. Eu vou


ficar louco se eu não ouvir de você. E não deixe que ele tente nada. Ele
não tem absolutamente nenhum direito. Eu vou matá-lo se ele colocar
um dedo do pé fora da linha, se ele olhar para você da maneira errada.

— Você não me prometeu ficar fora de problemas? — eu brinquei


sem entusiasmo.

— Eu vou tentar, mas eu vou estar no limite amanhã, isso é certo.

Nós conversamos sobre algumas coisas sem importância, antes


de nos despedimos e desligarmos. Agarrei o telefone contra o meu peito.
Lentamente me deitei na cama. Fiquei aliviada que Romero ainda me

~ 159 ~
queria, mas eu também estava com medo que ele fizesse algo que
pudesse o levar a morte. Luca gostava muito de Romero, mas ele
também era o Capo e precisava manter os seus homens na linha. Se
Romero fizesse algo que machucasse publicamente a Família, Luca
pode não ter uma escolha, senão puni-lo severamente. Eu não deixaria
isso acontecer.

*****

Eu mal dormi mais de duas horas. Eu sabia que a minha


primeira noite em Chicago não seria fácil, mas eu não esperava que
fosse tão horrível.

Havia sombras escuras sob meus olhos e eu não me incomodei


em cobri-las. Talvez Benito fosse decidir não se casar comigo se eu
parecesse um cadáver. Eu coloquei um jeans e uma camisa antes que
eu fizesse o meu caminho lá embaixo. Fabi e o Pai já estavam sentados
à mesa, tomando café da manhã. Eu me perguntei se eles tinham feito o
mesmo quando eu tinha ido embora. — Desde quando você está
acordada tão cedo em um sábado? — perguntei a Fabi enquanto eu
tomava a cadeira em frente a ele.

— Só porque ele não tem escola não significa que ele deve
descansar. — Pai respondeu no lugar de Fabi. Fabi esfaqueou a sua
fruta com o garfo, parecendo que ele desejava que fosse o Pai.

— Ele estará sendo iniciado em breve?

Pai pôs o seu café para baixo. — Você sabe muito bem que isso
não é da sua conta.

Eu enrolei minhas mãos em punhos debaixo da mesa. Minha


garganta apertou em minhas próximas palavras. — Quando Benito
Brasci e sua filha vão chegar?

— Por volta das seis. Eu já te disse que vamos jantar com eles. —
seus olhos se estreitaram. — Eu espero que você não pretenda usar isso
esta noite. Pegue um de seus vestidos de cocktail e deixe seu cabelo
solto. É como Benito prefere.

Pisquei algumas vezes, atordoada demais para responder. Fabi


deixou cair o garfo com um barulho.

~ 160 ~
— E você deve comer. Eu não quero que você desmaie novamente.
Hoje à noite é importante, — continuou o Pai.

Estendi a mão para um pão dinamarquês e recheei algumas


partes em minha boca, mas eu não tinha certeza se eu poderia engolir.

— Pare de escolher a sua comida, Liliana, pelo amor de Deus.

— Deixe ela em paz! — Fabi gritou.

Pai e eu congelamos.

— O que você acabou de dizer? — Pai perguntou em voz perigosa.

Fabi olhou de volta, mas então ele baixou os olhos. — Porque você
não pode deixá-la em paz? Eu não gosto de como você a trata.

— Eu não vou deixar você me criticar, Fabiano. É melhor você


aprender a manter a boca fechada ou você vai estar em grandes
problemas uma vez que você fizer parte da Outfit. Entendido?

Fabi acenou com a cabeça, mas seus lábios eram uma fina linha
branca.

Forcei o resto do meu pão dinamarquês para baixo mesmo que


parecesse como nada. Pai pegou o jornal e desapareceu por trás dele.

Fabi e eu não tentamos falar. E realmente, o que havia a dizer?

~ 161 ~
Capítulo Catorze
LILIANA
Eu escolhi o vestido que eu tinha usado na festa de Natal do ano
passado. Ele era mais modesto do que meus outros vestidos com uma
gola alta e uma bainha que chegava aos meus joelhos. Era mais
adequado do que eu teria gostado para a noite. Como o pai tinha dito,
eu soltei o meu cabelo até os ombros, embora a ideia de ser atraente
para Benito me aterrorizava. Eu decidi usar sapatilhas desde que Pai
não tinha dito sobre saltos altos.

— Liliana, o que está levando tanto tempo? Nossos convidados


vão chegar a qualquer momento. Desça aqui!

Eu respirei fundo e saí do meu quarto. Tudo estaria bem. Se eu


passasse por hoje, Romero iria descobrir uma maneira de me tirar
desse casamento. Tudo estaria bem. Eu repeti as palavras uma e outra
vez enquanto eu descia as escadas, mas a minha garganta apertou de
qualquer maneira. Fabi estava vestido em um terno azul escuro e uma
gravata adequada, mas sua expressão era a de um adolescente de mau
humor.

Pai também usava um terno de negócio, mas ele quase sempre


usava. Ele examinou minha roupa criticamente. — Você deveria ter
escolhido um vestido diferente, mas isso vai ter que servir agora. Não
temos tempo para você trocar de novo.

Parei na escada. A raiva passou por mim novamente, mais forte


do que antes. A campainha tocou, me impedindo de dizer algo que
provavelmente teria rendido um tapa no rosto. Pai deu a Fabi e a mim
um olhar de advertência, antes dele ir até a porta e a abrir.

Meus dedos no corrimão apertaram dolorosamente.

— Benito, é bom ver você. Entre, entre. O jantar está pronto para
nós. Deixei nossa cozinheira preparando um assado maravilhoso. —
disse o Pai de uma forma excessivamente amigável que ele apenas

~ 162 ~
usava com pessoas de importância, definitivamente não com a sua
família.

Eu tive que me impedir de correr as escadas e me esconder em


meu quarto. Eu não era mais uma criança. Eu lidaria com essa
situação com graça e então eu faria o meu melhor para acabar com esse
casamento. Tinha que haver uma maneira.

Mas e se não houvesse?

Desci os últimos degraus e parei ao lado de Fabi.

Pai abriu mais a porta para deixar Brasci e sua filha entrar. Eu
prendi a respiração. E quando o meu futuro marido entrou no hall de
entrada, repulsa tomou conta de mim.

Ele era alto e magro, com cabelos grisalhos que estavam


penteados para trás da mesma maneira como o pai, mas onde o pai
tinha bastante cabelo, Benito era quase calvo. Sua pele estava
bronzeada de muitas horas na cama de bronzeamento e parecia quase
como um couro. Parecia velho. Seus olhos escuros tocaram em mim e
um sorriso torceu em seus lábios.

Os olhares de Benito pareciam como lesmas rastejando sobre a


minha pele, a forma como eles viajaram sobre cada polegada do meu
corpo, já me marcando como sua. Eu queria limpá-lo como lodo. Meus
olhos deslizaram sobre a menina ao lado dele, um pouco mais velha do
que eu e com um olhar de resignação desesperada no rosto. Ela não
estava melhor do que eu. Ela se casaria com o meu pai. Nossos olhos se
encontraram. Havia acusação nos dela? Talvez ela pensasse que eu era
a razão para o acordo entre o meu pai e o dela. Eu não poderia nem
mesmo culpá-la. Tudo sobre este mundo parecia tão injusto.

Pai fez sinal para eu vir para eles. Mesmo que todas as fibras do
meu ser eram contra, eu rastejei em direção a eles. Fabi estava a alguns
passos atrás de mim. Quando cheguei lado do Pai, ele colocou a mão
nas minhas costas e disse com um sorriso orgulhoso, — Essa é a minha
filha, Liliana.

Benito inclinou a cabeça, mas seus olhos nunca deixaram os


meus. Ele não estava fazendo nada obviamente inadequado, mas por
alguma razão seu olhar parecia que estava invadindo o meu espaço
pessoal. — É um prazer conhecê-la, — disse ele, em seguida, ele se
aproximou de mim e beijou o meu rosto. Eu congelei, mas não o afastei.
Pai provavelmente teria me matado se eu tivesse feito isso.

~ 163 ~
— E Fabiano, — disse Benito, de frente para o meu irmão, que
parecia que tinha provado algo amargo.

Benito acenou com a filha para frente. — Essa é Maria.

Pai saudou com um beijo na bochecha também e eu quase


vomitei. Maria olhou na minha direção novamente. Ela parecia tão...
resignada. Mas quando ela enfrentou o meu pai novamente, ela deu a
ele um sorriso. Parecia falso para mim, mas o Pai parecia satisfeito com
a reação dela. Eu praticamente podia ver seu peito cheio de orgulho.

Pai assentiu com a cabeça em direção à sala de jantar. — Vamos


jantar. Isso nos dará a oportunidade de conversar.

Pai estendeu a mão para Maria segurar e ela fez isso sem
hesitação. Eu sabia o que estava por vir. Mas em vez de tomar a minha
mão, Benito colocou a sua mão nas minhas costas. Eu quase me
encolhi para longe dele, mas eu me forcei a permanecer imóvel. Eu não
poderia dar um sorriso, no entanto.

Nós caminhamos para a sala de jantar e quando eu finalmente


afundei em minha cadeira eu quase chorei de alívio ao me livrar do
toque de Benito. Ele se sentou ao meu lado. Pai e Benito logo foram
imersos na conversa, o que deixou eu e Maria sentadas em um silêncio
constrangedor. Eu mal podia perguntar qualquer coisa de importância
com os nossos pais sentados bem ao nosso lado. Eu escapei em minha
mente, mas em todas as vezes meus olhos se desviaram para o homem
ao meu lado que cheirava a fumaça de charuto.

Tudo o que eu conseguia pensar era que eu queria estar de volta


à Nova York com Romero.

— Por que vocês meninas não vão se sentar no sofá, para que
possamos discutir negócios? — perguntou o Pai, me rasgando dos meus
pensamentos.

Me levantei da cadeira e levei Maria para a sala de estar. Nós nos


sentamos ao lado uma da outra e um outro silêncio constrangedor
começou. Limpei a garganta. — É estranho, não é, estarmos sentadas
aqui enquanto os nossos pais estão planejando nosso casamento?

Maria ficou me olhando com cautela. — Eles querem o que é


melhor para nós.

Eu quase bufei. Ela soou como um papagaio. Será que seu pai
tinha colocado essas palavras em sua boca? — Você realmente acredita

~ 164 ~
nisso? Você vai se casar com um homem que poderia ser seu pai. Como
isso é o melhor para você?

Mais uma vez o olhar dela disparou em direção aos nossos pais.
Ela era muito bem comportada, isso era certo. O que me preocupava
era como ela tinha chegado a esse cuidado. Seu pai era severo? Violento
talvez?

— Eu vou ser a esposa do Consigliere. Isso é uma coisa boa.

Eu desisti. Ela obviamente não iria falar honestamente comigo, ou


que ela tinha sofrido uma lavagem cerebral tão bem que ela realmente
quis dizer o que disse. — Sim, isso é certamente uma grande conquista.
— eu não queria gritar com ela, mas meus nervos estavam muito
desgastados para ser atenciosa. Mas ela não pegou o meu sarcasmo.
Ela estava muito ocupada olhando para nossos pais.

Pai se levantou de sua cadeira. — Por que você não tira um


momento para falar com Benito, Liliana? E eu vou falar com Maria.

Essa era a última coisa que eu queria. Benito caminhou em


minha direção e pânico começou a se instalar. Aonde iríamos? Eu não
queria ficar sozinha com ele. As palavras de Romero passaram pela
minha mente. Eu era uma menina italiana de boa reputação, pelo
menos tanto quanto eles sabiam. Pai e Maria se sentaram à mesa de
jantar juntos e Benito se sentou ao meu lado no sofá. Pelo menos eu
não estaria sozinha com ele.

Ele até deixou um espaço entre nós, mas ele ainda estava perto
demais para o meu gosto. Eu podia sentir o cheiro dos charutos em
suas roupas e respiração e seu joelho estava apenas cerca de três
polegadas do meu. Eu podia sentir minha visão falhando. Deus, eu não
estava começando um ataque de pânico porque ele estava sentado ao
meu lado, certo? O que aconteceria quando a gente realmente se
casasse? Ele faria mais do que única sentar ao meu lado. Eu olhava
para frente, sem saber o que fazer ou dizer. Eu podia senti-lo me
observando.

— Você é uma garota muito atraente, — disse ele. Ele pegou


minha mão e a levou aos lábios. Eu não podia sequer reagir, eu estava
muito chocada. Quando os seus lábios roçaram minha pele, eu queria
afundar em mim mesma. Eu tive muitos homens beijando a minha mão
em festas, mas por algum motivo, isso foi o pior.

— Obrigada. — eu botei pra fora.

~ 165 ~
— O seu pai lhe disse a data do nosso casamento?

Havia uma data? Eu descobri sobre isso ontem. Como já poderia


haver uma data? Eu balancei a cabeça em silêncio.

— Quatro semanas a partir de agora. 20 de outubro. Seu pai não


queria esperar e eu concordei. Ele vai se casar com Maria uma semana
antes do nosso casamento.

Olhei para ele, em seguida, em direção ao meu pai que estava


olhando de soslaio para Maria como se fosse um pedaço de doce que
queria devorar. Eu ia vomitar. A qualquer momento, o meu jantar viria
para cima novamente.

— Liliana, você está ouvindo? — havia um toque de impaciência


na voz de Benito e algo brilhou em seus olhos.

Eu tremi. — Sinto muito. Eu só estava surpresa. — surpresa?


Surpresa? Deus, surpresa nem sequer começava a descrever os meus
sentimentos. Se já havia uma data, como poderia possivelmente Romero
convencer o meu pai a escolhê-lo como meu marido em vez disso? Ele
não podia. Eu não era ingênua. Pai nunca iria concordar com isso. Ele
queria Maria e para ele pegá-la, ele precisava me vender para Benito.

Benito sorriu, mas de alguma forma que o fazia parecer ainda


mais assustador. Talvez fosse minha imaginação. — É um curto prazo,
é claro, mas as pessoas não vão querer perder nossos casamentos,
então estou confiante de que vamos ter uma grande festa.

Eu balancei a cabeça. Eu agarrei o meu braço, sentindo meu


pulso e surpresa ao encontrá-lo tudo bem. Eu me sentia tão
entorpecida, eu poderia muito bem estar morta.

Benito falou sobre os convidados que precisávamos convidar e


alimentos que precisávamos servir, mas eu não conseguia me
concentrar. Eu precisava falar com Romero. Benito tocou o meu joelho e
eu me empurrei para fora dos meus pensamentos.

— Você está nervosa, — disse ele em tom de acusação. Ele não


tirou a mão do meu joelho.

— Estou feliz que vocês estejam se dando tão bem, — disse meu
pai enquanto ele veio até nós por trás, Maria a poucos passos atrás dele
como um bom cão. Eu nunca tinha estado tão feliz de ver meu pai.
Benito tirou a mão do meu joelho e eu rapidamente me levantei. Eu
precisava ir embora antes que eu me perdesse.

~ 166 ~
Felizmente, Benito e sua filha saíram logo depois disso.

Pai parecia incrivelmente satisfeito quando ele fechou a porta


atrás deles. Quando ele se virou para mim, seu sorriso caiu. — Não me
venha com esse olhar. Benito é um homem importante. Ele é um dos
nossos capitães mais influentes com um grande número de soldados
leais. Tê-lo do nosso lado é importante.

— Eu posso voar de volta para Nova York para que eu possa ir às


compras do vestido de noiva com Aria? — eu não mencionei Gianna,
embora eu me sentisse mal com isso, mas eu não podia arriscar ter o
Pai ficando com raiva de novo. E eu definitivamente não queria lembrá-
lo da fuga de Gianna.

Pai riu. — Você pode ir às compras aqui. Eu não vou deixar você
sair de Chicago novamente. Há muito que fazer e eu não confio em você
para não fazer algo estúpido se eu deixar você fora da minha vista. Eu
sei que você e Gianna não são muito diferentes. Eu não vou deixar você
estragar isso. Você vai se casar com Benito.

Uma vez que eu estava de volta no meu quarto, eu disquei o


número de Romero com dedos trêmulos. Ele atendeu após o primeiro
toque. — Você está bem? — ele perguntou imediatamente.

— O casamento é daqui a quatro semanas.

— Porra. — Romero rosnou. Eu podia ouvi-lo bater em alguma


coisa e depois o som de algo quebrando. Romero sempre parecia tão no
controle. — Seu pai perdeu a sua mente fodida. Eu não vou permitir
isso. Eu não dou a mínima se ele é Consigliere.

— Por favor, se acalme. — parte de mim apreciava a sua fúria,


porque mostrava o quanto ele gostava de mim, mas a outra parte estava
apavorada com as consequências que poderia enfrentar se ele agisse em
suas emoções.

— Como você pode ter essa calma, Lily? Você percebe o que isso
significa?

— Claro, — eu sussurrei. — E quanto a Aria e Luca? Eles podem


fazer alguma coisa?

— Eu não sei. Aria está falando com o seu pai agora.

— Bom, — eu disse sem entusiasmo, mas eu sabia que era inútil.


Pai parecia determinado.

~ 167 ~
— Você vai ser autorizada a voltar para Nova York?

— Não, Pai não quer que eu saia de Chicago. Ele quer manter um
olho em mim até o casamento.

— Droga. Eu vou falar com Luca. Nós vamos encontrar um jeito.

— Ok, — eu sussurrei.

— Eu não vou perder você, Lily. Eu não vou permitir que ninguém
a machuque. Eu juro.

— Eu sei.

— Eu vou ligar uma vez que eu fale com Luca.

— Ok. — eu soava como um disco quebrado. Eu desliguei e me


sentei de pernas cruzadas na minha cama. Eu não tinha certeza de
quanto tempo se passou até Romero ligar novamente. Atendi no
primeiro toque. Eu estava estranhamente calma.

— E? — eu disse.

Romero soltou um suspiro duro e eu sabia que tudo tinha


acabado. Uma tristeza profunda me superou. — Seu pai vai insistir
neste casamento. Aria tentou dissuadi-lo, mas ele ficou muito bravo e a
acusou de tentar enfraquecer a Outfit. Ele a avisou para não se envolver
ou ele verá isso como um ataque à Outfit e aconselharia a Dante acabar
as relações com a gente.

— Então, não há nada para acabar com este casamento.

— Eu posso voar de volta para Chicago amanhã e te pegar. Eu


duvido que os homens de seu pai possam me parar.

— E depois?

— Então nós descobrimos alguma coisa.

— Podemos voltar para Nova York? Será que Luca nos protegeria?

Romero ficou em silêncio por um longo tempo. — Luca não


correrá o risco de guerra sobre isso. Nós estaríamos por conta própria.

— Isso quer dizer que Luca iria nos caçar também?

Romero suspirou. — Lily, nós poderíamos fazer isso. Eu poderia


nos manter seguros.

~ 168 ~
Eu não duvidava, mas que tipo de vida seria essa? Eu nunca
veria Aria e Gianna, nunca mais veria Fabi novamente, nunca seria
capaz de retornar a Nova York ou Chicago e nós sempre teríamos que
viver com medo.

— Posso falar com Aria?

— Claro. Qual é o problema, Lily? Eu pensei que você queria que


nós fugíssemos juntos.

— Eu quero. Mas você ama a Família e você e Luca são como


irmãos. Você perderia tudo se você fugisse.

— Você vale a pena isso.

Eu não tinha certeza de que era verdade. — Posso falar com Aria
agora?

— Certo. Falaremos mais tarde novamente, ok?

— Tudo bem, — eu disse.

A voz de Aria soou do outro lado. — Oh Lily, isso é uma bagunça.


Como você está?

— Eu sinto como se estivesse caindo e não há nada para parar a


minha queda, — eu admiti.

— Nós não vamos deixar você cair, Lily. Vou convencer Luca a
mudar de ideia. Você é minha irmã. Eu não vou deixar você ser infeliz
pelo resto de sua vida. Se Luca me ama, ele vai te ajudar.

— Ele diz que não quer correr o risco de guerra. Ele acha que
Dante vai realmente começar uma guerra se eu não me casar com
Benito?

— Se você fugir para ficar com Romero, então, Pai vai tomar isso
como um ataque da Família e vai convencer Dante a retaliar. Haverá
guerra. Ambos, Luca e Dante tem que mostrar força. Seus homens
esperam isso deles. Apesar de anos de cooperação, Nova York e Chicago
ainda não gostam um do outro.

— Se Romero decidir agir por conta própria e me levar para longe


de Chicago, o que Luca ira fazer?

— Eu não sei. Ele está realmente determinado a evitar a guerra


com Chicago. Para fazer isso ele teria que acusar Romero de ser um

~ 169 ~
traidor que agiu sem a permissão de seu Capo, a fim de manter a
Outfit, ele teria que caçar Romero e... — ela parou.

— E matá-lo, — eu terminei para ela. — Ele conseguiria fazer


isso? Ele poderia realmente matar Romero?

— Eu não acho que ele iria faria isso, — disse Aria. — Mas ele
poderia entregá-lo para a Outfit.

— Isso também significaria a morte de Romero.

— Eu vou falar com Luca. Se ele me ama, ele não vai fazer isso.
Gianna vai falar com Matteo também. Vamos te ajudar Lily, não
importa o que for preciso. Eu não me importo se isso significa guerra.

— Fabi em breve será parte da Outfit. Ele pode ter que lutar
contra Romero, Luca e Matteo. Muitos morrerão e os russos poderiam
usar a sua chance e matar mais dos nossos.

— Eu não me importo se os russos assumirem partes da cidade.


Isso tudo é sobre dinheiro. Quero que todos nós sejamos felizes.

— Mas poderíamos ser felizes? E se Dante e a Outfit tentar


assassinar Luca? Isso já aconteceu antes, quando Nova York e Chicago
estavam em guerra.

Aria ficou em silêncio. Ela adorava Luca. — Isso não vai chegar a
esse ponto.

— Você não sabe disso. — ficamos em silêncio.

— Você quer conversar com Romero no telefone de novo? —


perguntou Aria depois de um tempo.

— Sim. — eu podia ouvir o seu movimento e, em seguida, Romero


estava de volta na outra extremidade.

— Então, você e Aria conversaram sobre tudo?

— Sim. Aria vai falar com Luca de novo.

— Ele não vai mudar de ideia. E ele está certo em permanecer


firme. Ele precisa pensar na Família. — disse ele.

— Eu não me importo sobre a Família, mas eu me preocupo com


você.

— Não se preocupe comigo. Eu de bom grado vou morrer se isso


significa salvar você de Benito Brasci.

~ 170 ~
Isso era exatamente o que eu temia. — Não diga isso. Minha vida
não vale mais do que a sua. Me casar com ele não é uma sentença de
morte.

— Você quer se casar com ele agora? — perguntou Romero


laconicamente. Ele estava tão nervoso. Eu gostaria de poder tocá-lo e
acalmá-lo.

— Claro que não, mas eu não quero que você arrisque a sua vida.

— Não há nenhuma outra maneira, Lily. Mas não se preocupe. Já


fiz isso antes.

Eu sabia que ele tinha feito, mas isso era diferente. Conversamos
mais um par de minutos e eu prometi ligar para ele no dia seguinte
para os planos detalhados sobre a minha fuga.

Quando eu desliguei, eu olhei para a parede branca em frente a


minha cama por um tempo muito longo como se ela pudesse me dar às
respostas que eu precisava.

As pessoas que eu mais amava iriam arriscar tudo para me


manter segura, para me salvar de um casamento sem amor, mas a que
custo?

Romero soou como se ele não se importasse com tudo que ele
poderia perder. Eu sabia que ele amava a Família, tinha orgulho de ser
uma parte dela. Ele amava essa vida, mas ele teria que deixar isso para
trás se ele me ajudasse a escapar desse casamento. Luca não correria o
risco de guerra. Seu povo faria um motim. Ele não teria nenhuma
escolha a não ser desistir de Romero e entregá-lo para a Outfit. Aria
poderia destruir o seu casamento se ela tentasse chantagear Luca para
me ajudar. Ele a tinha perdoado uma vez por traí-lo, mas ele iria
perdoar novamente?

Eu podia arriscar a felicidade de todos pela minha própria


felicidade?

Alguém martelou contra a minha porta e, em seguida, Pai entrou


sem aviso. Eu fiquei alerta imediatamente. Sua expressão era
ensurdecedora. — O que disse a sua irmã? Por que ela e Luca estão
tentando se envolver em nossa família? Você realmente acha que eles
poderiam me fazer mudar de ideia sobre o seu casamento?

— Eles querem ajudar porque eles estão preocupados comigo.

~ 171 ~
— Eu não me importo! — ele gritou. — Você vai se casar com
Benito, fim de história.

— Eu não posso, — eu disse desesperadamente.

— Você pode e você vai.

— Eu não sou mais virgem. Se você não quer que as pessoas


descubram, você não pode me deixar casar com Benito! — eu soltei.

Pai se aproximou de mim, agarrou os meus braços e me


empurrou contra a parede. A parte de trás da minha cabeça bateu com
o impacto.

— O que você disse? — ele rosnou.

Eu fiquei boquiaberta com o seu rosto ameaçador.

Ele me balançou duramente até minha visão ficar embaçada. De


repente Fabi correu para o quarto. Ele arrancou o braço do Pai,
tentando me libertar, mas o Pai atacou. Fabi caiu no chão, seu rosto
piscando com a dor.

— Volte para o seu quarto, rapaz. Ou eu juro que eu vou fazer


você se arrepender.

Meus braços doíam do aperto do Pai, mas eu dei a Fabi um


pequeno aceno de cabeça. Eu queria que ele saísse. Ele não tinha
necessidade de entrar em apuros por causa de mim. Fabi lutou para
ficar de pé e depois de um momento de hesitação, ele saiu mancando do
meu quarto. Quando ele estava fora de vista, o pai se voltou para mim.

Eu tremia.

— Me diga a verdade.

Eu não podia falar. Lamentei ter mencionado isso. Pai realmente


olhava como se ele quisesse me matar.

Ele me deu um tapa forte no rosto, mas não me soltou. — Quem


foi? Quem foi que transformou você em uma pequena prostituta?
Alguém da Família, não foi?

As lágrimas ardiam em meus olhos, mas eu não chorei. Eu não


poderia dizer ao Pai a verdade. — Não. — eu disse rapidamente. — Eu o
conheci em um clube, é ninguém que você conhece.

— Eu não acredito em nenhuma fodida palavra que você diz, sua


puta nojenta. E não importa. Você vai se casar com Benito e você vai

~ 172 ~
gritar como uma pequena virgem assustada em sua noite de núpcias
para que ele não duvide da sua inocência. Eu juro, se você estragar isso
para mim, eu vou quebrar todos os ossos do seu corpo. — ele me soltou
e deu um passo para trás, os olhos de ódio. — E se você tentar sair
deste casamento e talvez até mesmo pedir a suas irmãs por ajuda,
acredite em mim, uma guerra entre a Outfit e a Família vai começar.
Eu, pessoalmente, vou caçar você e suas irmãs e então eu vou descobrir
quem você fodeu e arrancar a pele do idiota vivo. Você entendeu?

Eu dei um aceno irregular. Pai parecia querer cuspir em mim. Em


vez disso, ele se virou e saiu.

Eu caí no chão. Tudo realmente estava acabado agora. Eu não


podia permitir que o Pai fizesse mal a todos que eu amava só porque eu
queria sair do meu casamento com Benito. A imagem de olhos odiosos
do pai pareciam queimar em meu cérebro.

Se eu casasse com Benito, Outfit e a Família iriam continuar a


trabalhar juntos. Fabi ficaria mais seguro, todo mundo estaria mais
seguro. Eu seria capaz de ver minhas irmãs e Fabi, pelo menos
ocasionalmente e Romero poderia continuar trabalhando para Luca. Ele
iria passar por cima de mim e encontrar alguém.

E eu? Talvez as coisas não fossem tão ruins. Eu nem conhecia


Benito. Talvez ele não fosse um cara horrível. E não era como se eu não
tivesse provado a felicidade. Estar com Romero tinha sido incrível. Era
algo que eu nunca ia me arrepender. Era hora de fazer a coisa certa.
Maria estava aceitando o seu destino. Tantas garotas tinham aceitado
antes de mim. Eu também ia, mesmo que apenas para manter os meus
entes queridos seguros.

Uma vez que eu tinha feito a minha mente, senti um alívio, em


seguida, uma profunda tristeza. Eu deitei, mas o sono não veio. Me
lembrei do desejo nos olhos da minha mãe antes de sua morte e me
perguntei se o mesmo olhar estaria em meus olhos um dia.

*****

ROMERO
Eu nunca pensei que eu consideraria ir contra a Família, mas eu
não podia assistir Lily se casar com esse homem. Ela era minha e eu

~ 173 ~
não me importava o que eu tivesse que fazer para mantê-la comigo.
Luca tinha me vigiado quase todo o dia de ontem. Ele nunca olhou para
mim com verdadeira suspeita em seus olhos antes. Eu tive que admitir
que doeu saber que ele não confiava mais em mim, e pior que ele tinha
todo o direito de desconfiar. Eu fui contra as suas ordens diretas,
quebrei o meu juramento e traí as pessoas próximas, talvez até mesmo
mais próximas do que a minha própria família. Quando vim para a
cobertura de Luca e Aria naquela manhã, eu vi no olhar de Luca que ele
sabia que tinha me perdido. Outro Capo poderia ter me eliminado, para
evitar o pior. Aria me deu um sorriso encorajador, mas não passou
despercebido para mim que Luca saiu sem beijá-la. Isso nunca
aconteceu e isso era um mau sinal do caralho.

Assim que pude, liguei para Lily. O telefone tocou quase duas
dezenas de vezes antes que eu desistisse. Aria me lançou um olhar
preocupado. — Talvez ela ainda esteja tomando café da manhã com
Fabi e o Pai.

Eu esperei um par de minutos antes de tentar novamente. Se ela


não respondesse desta vez, eu reservaria uma fodida passagem para
Chicago hoje e iria buscá-la. Para meu alívio, Lily atendeu após o
terceiro toque.

— Onde você estava? Tentei ligar para você antes. Você está bem?

— Eu estou bem. — o distanciamento em seu tom de voz me fez


parar. Parecia que havia uma barreira entre nós que não tinha nada a
ver com a nossa separação física.

— Eu estive pensando sobre a melhor maneira de ir sobre isso e


eu acho que eu deveria voar de volta para você o mais rápido possível.
Luca está ficando mais e mais desconfiado, então temos de agir
rapidamente.

— Eu não acho que devemos fazer isso.

— Fazer o quê? — eu perguntei cuidadosamente.

— Fugir.

— Eu sei que você não quer deixar as suas irmãs, mas talvez
Luca vá nos ver mais tarde. Aria pode mudar de ideia.

— Não, — ela disse com firmeza. — Quer dizer, eu não quero que
você venha aqui e me leve embora. Eu vou ficar.

~ 174 ~
Eu não podia acreditar no que tinha ouvido. — O que você está
dizendo? Que você quer se casar com Benito? Eu não acredito nisso
nem por um segundo. Ele poderia ser seu pai.

— Mas ele é um homem importante. Ele tem muitos soldados que


o seguem.

— Desde quando você se preocupa com algo assim?

— Eu sempre me preocupei com isso. Eu desfrutei do nosso


tempo juntos, Romero, mas temos de ser razoáveis. Isso nunca poderia
dar certo entre nós. Você é um soldado e eu tenho um dever a cumprir,
como a filha de um Consigliere. Nós todos temos que fazer coisas que
não queremos fazer.

— Que porra é essa que o seu pai fez? Isso não parece você, Lily.

— Romero, por favor. Não torne isso mais difícil do que é. Você
tem suas responsabilidades com Luca. Eu não quero que você quebre o
seu juramento.

— Eu não me importo sobre o meu juramento.

— Mas você deveria! — ela disse com raiva. — Eu não quero que
você venha aqui. Está tudo acabado entre nós, Romero. Eu vou fazer a
coisa certa e me casar com Benito. E você deve fazer a coisa certa e
seguir as ordens de Luca.

De repente, eu estava com raiva. — Então, o que aconteceu entre


nós? Uma aventura no verão? Curiosidade em como seria transar com
um soldado comum?

Lily respirou fundo e eu me arrependi das minhas palavras duras,


mas eu era orgulhoso demais para levá-las de volta ou pedir desculpas.
— Nós não podemos nos falar de novo, — disse ela calmamente. Ela
estava chorando? — Devemos esquecer o que aconteceu.

— Não se preocupe, eu vou, — eu disse, então eu desliguei.


Joguei o meu telefone longe. — Porra!

Aria correu em minha direção, alarmada. — O que está errado? É


Lily?

— Ela quer ir em frente e se casar com Brasci.

Aria congelou. — Ela disse isso?

~ 175 ~
Eu balancei a cabeça. Fui para a cozinha. Eu precisava de uma
xícara de café. Aria correu atrás de mim. — O que mais ela disse?

— Não muito. Só que Benito é um bom partido e que devemos


fazer o nosso dever. Porra.

— Ela não quer dizer isso, Romero. Ela ama você. Ela
provavelmente só quer nos proteger.

Eu não tinha mais certeza. E mesmo que Aria estivesse certa,


talvez Lily tivesse um ponto. Eu tinha dedicado a minha vida à Família.
Eu não deveria abandonar o meu juramento só por causa de uma
mulher. Eu era um Made Men e minha prioridade deve ser sempre o
meu trabalho.

~ 176 ~
Capítulo Quinze
LILIANA
Aria me ligou trinta minutos após a minha chamada com Romero,
tentando me convencer do meu plano para me casar com Benito. Mas
ela já estava brigando com Luca por causa de mim. Eu não permitiria
que ela realmente colocasse o seu casamento em risco pelas minhas
próprias razões egoístas. Eu me casaria com Benito e tentaria fazer o
melhor disso.

As próximas semanas passaram em um borrão com a compra do


vestido de noiva com Valentina, arrumando flores, escolhendo o menu,
chamando os convidados importantes pessoalmente. Eu só vi Benito em
duas ocasiões e não havia tempo para mais do que algumas palavras
trocadas e um beijo na bochecha. Isso e o fato de que eu estava
ocupada demais para estar preocupada, eu quase consegui esquecer
que eu estava realmente preparando o meu casamento com um homem
que eu mal podia suportar. Mas a realidade me atravessou no dia do
casamento do meu pai e Maria. Ele não tinha falado comigo desde que
eu disse a ele que não era virgem, exceto nas poucas ocasiões em que
tivemos que fingir por Benito ou outras pessoas.

Enquanto Gianna e Matteo iam chegar mais tarde para assistir


somente ao meu casamento, Aria e Luca também foram convidados
para a festa do Pai, e isso significava que Romero estava com eles. Eu
esperava que ele decidisse ficar em Nova York, não porque eu não
queria vê-lo, mas porque eu estava com medo de enfrentá-lo, de ser
confrontada com o que eu estava perdendo.

Felizmente, todos vieram diretamente para a igreja porque o avião


desembarcou tarde; isso significava que havia uma chance de eu ser
capaz de evitar um encontro com Romero.

Me sentei na primeira fila, Benito ao meu lado. Ele não me tocou


de nenhuma forma, graças a Deus, porque isso teria sido impróprio
antes de nosso casamento, mas toda vez que Aria ou Gianna olhavam

~ 177 ~
na minha direção, eu me sentia como se estivesse fazendo algo
indecente, sentada ao lado de um homem que eu não quero me casar.

Eu não tinha certeza de onde Romero estava sentado. Desde que


ele não era da família, provavelmente em algum lugar na parte de trás
da igreja. Após o casamento fui em direção ao hotel onde a festa de
casamento aconteceria. Eu consegui passar o jantar sem ver Romero,
mais no final da noite quando eu estava dançando com Benito, eu o
avistei no outro extremo do salão. Ele estava me observando. De
repente, os outros dançarinos em torno de mim desvaneceram no
fundo. Vergonha tomou conta de mim. Eu queria empurrar Benito para
longe. Eu queria atravessar o salão e me arremessar em Romero, queria
lhe dizer que eu precisava dele. Eu tive que desviar o olhar. Quando a
música terminou, eu me desculpei e rapidamente deixei a pista de
dança. Corri em direção à saída. Eu precisava ficar longe por um
momento antes que eu me perdesse.

Uma vez que a porta se fechou atrás de mim e eu me encontrei no


corredor do hotel, eu conseguia respirar mais fácil. Eu não parei. Eu
não queria ver os hóspedes que retornavam do banheiro. Eu queria ficar
sozinha.

Virei em duas esquinas antes de parar e me encostar na parede,


meu peito arfando. Em dois dias nós estaríamos comemorando o meu
casamento. Pânico me inundou. Apertei os meus olhos fechados.

Passos suaves me fizeram virar e meu olhar caiu sobre Romero.


Ele estava a poucos pés de mim, me olhando com uma expressão que
parecia uma facada no coração. Apesar de tudo o que eu tinha feito e
apesar da minha melhor intenção de silenciar os meus sentimentos por
ele, eles pareciam mais altos do que nunca. Romero parecia irresistível
em seu terno escuro.

— O que você está fazendo aqui? — eu sussurrei.

— Eu odiei ver você com ele. É errado e você sabe disso.

Eu sabia. Cada fibra do meu ser travou com a proximidade de


Benito, mas eu não poderia dizer isso a Romero.

Ele deu um passo mais perto de mim, seus olhos escuros


queimaram nos meus.

— Nós não deveríamos estar aqui sozinhos, — eu disse


debilmente, mas eu não estava tentando sair. Eu não queria.

~ 178 ~
Ele deu um passo mais perto, cada movimento de modo ágil e
gracioso e ainda perigoso. Eu queria voar em seus braços. Eu queria
fazer mais do que isso. Eu fiquei onde estava. Romero atravessou a
distância restante entre nós e apoiou um braço acima da minha cabeça,
seu olhar faminto e possessivo.

— Você quer que eu saia?

Diga ‘sim’. Se o Pai nos encontrasse aqui, ele mataria Romero no


local e distraído como Romero estava no momento, meu pai poderia
realmente ter sucesso.

Eu soltei um suspiro trêmulo. Romero se inclinou e me beijou, e


então eu estava perdida. Movi as minhas mãos pelo seu cabelo e para
suas costas. Ele me beijou mais forte. Suas mãos encontraram minha
bunda e então ele me levantou. Eu envolvi minhas pernas em volta da
sua cintura, de modo que a saia do meu vestido cocktail subiu, mas eu
não me importei. A ereção de Romero estava quente contra a minha
abertura, apesar do tecido da minha calcinha e de suas calças entre
nós. Eu me triturei contra ele desesperadamente. Eu já estava tão
excitada. Eu tinha sentido falta disso. Eu senti falta dele.

Eu sabia que alguém poderia vir por este corredor e nos


encontrar, mas eu não podia parar. Romero me pressionou contra a
parede e me segurou com apenas um braço. Sua outra mão segurou o
meu peito através do meu vestido, me fazendo gemer em sua boca e os
meus mamilos endurecer. Romero gemeu. Ele empurrou contra mim,
esfregando a sua ereção contra o meu calor vestido com a calcinha.

— Eu preciso de você, — eu engasguei contra sua boca. Romero


acariciou a palma da mão para baixo em meu lado, então a colocou
entre as minhas pernas e empurrou um dedo sob o tecido da minha
calcinha. Ele me encontrou molhada e dolorida. Estremeci ao sentir seu
toque.

— Porra. Você está tão molhada, Lily. — ele empurrou um dedo


em mim e eu arqueei para fora da parede com um suspiro. Só ele tinha
esse efeito em mim.

Ele tirou o dedo de novo e abriu o zíper. Meu núcleo apertou com
antecipação e necessidade. Eu ouvi o rip de um pacote de preservativos
e, em seguida, sua ponta pressionada contra a minha abertura e ele
começou a deslizar para dentro de mim. Minhas paredes cederam até
que ele se colocou completamente em mim. Nós olhamos nos olhos um
do outro. Isso parecia tão certo. Por que tinha que parecer tão certo?

~ 179 ~
— Você me faz me sentir bem pra caralho, Lily. E porra, Deus,
você é tão apertada.

Nossos lábios se encontraram novamente. Tinha sido tanto


tempo. Romero empurrou em mim, me prendendo mais para cima
contra a parede. Eu gemi quando ele atingiu um ponto dentro de mim.
— Temos que ficar quietos, — ele murmurou em voz baixa, depois a sua
boca engoliu meu próximo som. Eu passei meus braços ainda mais
apertados em volta do seu pescoço. Parecia que éramos um,
inseparáveis.

Enfiei os saltos em sua bunda, o fazendo ir mais fundo em mim.


Tremor passou por mim e eu gozei, ofegante. Romero continuou
batendo em mim até que seu próprio orgasmo o atingiu. Nós agarramos
um ao outro, ainda unidos. Eu beijei o lado de seu pescoço. Seu aroma
familiar inundando o meu nariz e eu fechei os olhos. Eu queria ficar
assim para sempre.

O som distante de riso me arrastou de volta ao reino da realidade.


Romero saiu de mim. Eu afrouxei o meu poder sobre ele e deixei as
minhas pernas deslizarem para baixo até que os meus pés tocaram o
chão. Eu não podia sequer olhar para ele enquanto eu endireitava
minha saia. Romero jogou o preservativo em um lixo nas proximidades
antes de se voltar para mim. Nenhum de nós disse nada. Do canto do
meu olho, eu o vi chegar a minha bochecha. Eu recuei. Me preparando,
eu levantei o meu olhar. — Isso foi um erro, — eu sussurrei.

Choque atravessou o rosto de Romero, em seguida, se tornou sem


emoção. — Um erro.

— Eu vou me casar com Benito em breve. Nós não podemos fazer


isso de novo.

Romero deu um aceno conciso, então ele virou as costas e foi


embora. Eu tive que resistir à tentação de correr atrás dele. Esperei
mais alguns minutos antes de eu fosse em direção ao banheiro. Eu
precisava me limpar antes de voltar para a festa ou as pessoas iriam
perceber que algo tinha acontecido. Para o meu alívio, não havia
ninguém no banheiro quando eu entrei. Eu chequei o meu reflexo. Meu
cabelo estava em todo o lugar e minha maquiagem precisava retocar. O
suor escorria pelas minhas costas. Mas pior do que isso era o
formigamento revelador em meus olhos. Eu não podia chorar agora.
Isso iria estragar tudo. Tomei algumas respirações profundas através do
meu nariz antes de começar a refazer minha maquiagem. Quando saí
do banheiro vinte minutos mais tarde, eu parecia como se nada tivesse

~ 180 ~
acontecido, mas minhas entranhas estavam se torcendo. Eu pensei que
eu tinha feito às pazes com o meu casamento com Benito, esperava que
os meus sentimentos por Romero tivessem diminuído, mas agora eu
percebi que isso estava longe de ser verdade.

No momento em que eu pisei na pista de dança, Luca estava lá e


me pediu para dançar. Eu sabia que ele queria mais do que isso. Ele
nos guiou em direção a uma parte da pista de dança, onde não havia
muitos bailarinos, antes dele começar a falar em voz baixa. — Você
ainda está de acordo com esse casamento? Você e Romero sumiram por
um tempo.

— Sim. Eu vou casar com Benito, não se preocupe, — eu disse,


cansada. Eu não podia nem culpar Luca por ser tão insensível. Ele me
convidou para sua casa e cuidou de mim, e eu o paguei de volta fazendo
um de seus soldados quebrar o seu juramento.

— Você não tem que ficar casada com ele para sempre, — disse
Luca casualmente.

— Meu pai nunca iria concordar com um divórcio. — Pai me


mataria antes que isso acontecesse.

— Há outras maneiras de sair de um casamento do que o


divórcio. Às vezes as pessoas morrem.

— Ele não é tão velho.

Luca levantou uma sobrancelha. — Às vezes as pessoas morrem


de qualquer jeito.

Ele estava realmente sugerindo que eu deveria matar Benito? —


Porque ele não pode morrer antes do meu casamento?

— Isso ia ser estranho. Aguarde alguns meses. O tempo vai


passar rapidamente, confie em mim.

Eu queria acreditar nele, mas meses partilhando a cama com


Benito, tê-lo dentro de mim como Romero tinha acabado de estar,
parecia o inferno.

— Romero não vai me querer mais, então.

Luca permaneceu em silêncio. Ele sabia que era verdade. Por que
Romero ainda iria me querer depois de eu ter passado meses dormindo
com outro cara? Eu já estava revoltada com a ideia, quão pior seria
para ele? — Há bons homens na Outfit também. Você vai encontrar

~ 181 ~
uma nova felicidade. Você está fazendo a coisa certa ao se casar com
Benito. Você está evitando a guerra e você está protegendo Romero de si
mesmo. Isso é uma coisa corajosa a se fazer.

Eu balancei a cabeça, mas eu queria chorar. Luca e eu voltamos


para a nossa mesa. Aria tentou falar comigo de novo, mas ela desistiu
quando eu mal disse uma palavra. Eu precisava sobreviver a esse dia de
alguma forma e, em seguida, ao meu casamento e nos meses depois,
então talvez eu teria outra chance de felicidade. Eu procurei no salão
até que os meus olhos pousaram em Romero. Ele claramente não
estava olhando para mim. Eu o amava, amava tanto que doía. Eu sabia
que não haveria felicidade para mim sem ele.

*****

Aria e Gianna me ajudaram com o meu vestido. Era branco, claro,


com um véu que se arrastava atrás de mim. Eu usei o meu cabelo solto
porque era o que Benito queria.

— Você está linda, — disse Aria atrás de mim.

Eu chequei o meu reflexo, mas eu só podia ver o olhar de


desespero nos meus olhos. Eu precisava do véu para me esconder do
mundo. Gianna e Aria não sabiam sobre a minha última conversa com
o Pai e foi melhor assim. Se elas soubessem o quanto ele tinha me
assustado, elas me levariam embora, apesar do risco para suas próprias
vidas.

— Está é uma porcaria, — Gianna murmurou. Ela tocou meu


ombro. — Lily, vá embora daqui. Vamos te ajudar. Qual é a utilidade de
ser casada com o Capo e o Consigliere da Família, se não podemos
forçá-los a iniciar uma guerra pela nossa irmãzinha? Você vai ser
infeliz.

— Luca disse que eu poderia me livrar de Benito em poucos


meses, quando não for parecer desconfiado mais.

Gianna bufou. — Ah, claro, e como será até então? Meu Deus,
Luca poderia ser mais idiota?

Aria não disse nada, o que era um sinal. Ela geralmente sempre
tentava defender Luca.

~ 182 ~
— Você e Luca ainda estão brigando por isso? — perguntei.

Ela encolheu os ombros. — Eu não chamaria isso de briga. Nós


estamos, basicamente, ignorando um ao outro. Ele está com raiva de
mim por manter você e Romero um segredo dele e eu estou brava com
ele por fazer você se casar com Brasci.

— Ele não está me fazendo, Aria. Pai está. Luca está atuando
como um Capo deveria. Eu não sou a responsabilidade dele, mas a
Família é.

— Bom Deus, Romero realmente gosta de você. Por favor, me diga


que você realmente não acredita no que você disse, — disse Gianna.

— Eu não vou deixar vocês todos em riscos tudo por minha


causa.

Gianna tocou a testa, exasperada. — Nós queremos correr o risco


por você. Mas você tem que nos deixar ajudar.

Mesmo que eu dissesse ‘sim’ agora, o que eles poderiam fazer?


Ambos Luca e Matteo não nos ajudariam e não quando eles estavam
cercados por soldados da Outfit. Isso seria o suicídio. E Romero? Ele
iria fazer isso sem hesitação e se matar. As palavras do Pai piscaram na
minha mente novamente. Não, eu tinha que passar por isso. Essa era a
única opção.

Alguém bateu na porta e um momento depois, Maria colocou a


cabeça para dentro. Ela era uma das minhas damas de honra, mesmo
que ainda não estivéssemos falando muito. — Você precisa sair agora.

Ela desapareceu antes que eu tivesse tempo de dizer alguma


coisa.

— Eu não posso acreditar que o Pai está casado com ela, — disse
Gianna. — Eu não gosto dela, mas eu ainda sinto pena. Pai é um
bastardo.

Eu mal a ouvi. Minha visão estava ficando cinza. O medo encheu


a minha corrente sanguínea, me fez querer fugir. Mas eu segurei minha
cabeça erguida e baixei o véu sobre o meu rosto. — Devemos ir agora.

— Lily... — Aria começou, mas eu não dei a ela o tempo para


terminar o que ela queria dizer. Corri para a porta e a abri, surpresa ao
encontrar Pai bem na frente dela. Eu não esperava que ele fosse esperar
por mim aqui. Eu sabia que ele ia me levar ao altar, mas os pais

~ 183 ~
normalmente esperavam na antessala. Talvez ele tivesse preocupado
que eu fugiria no último minuto.

— Aí está você. Se apresse. — disse ele. Ele lançou um olhar duro


em Gianna quando ela e Aria passaram por mim, mas não disse nada.
Ele estendeu o braço para mim. Uma imagem dele com Maria surgiu na
minha cabeça e eu queria vomitar. Eu coloquei a minha mão em seu
antebraço e deixei que ele me levasse para a parte principal da igreja,
apesar de todas as fibras do meu ser querendo ficar longe dele. Dentro
da igreja a música já estava tocando. Antes de entrar, Pai se inclinou
para mim. — É melhor você convencer Benito que você é virgem ou ele
vai bater em você até a morte e se ele não fizer, eu vou. — ele não
esperou pela minha resposta. Nós fomos através das portas duplas e
cada par de olhos se voltaram para nós.

Meus pés pareciam chumbos enquanto eu caminhava em direção


ao altar. Benito esperava por mim no fim, um sorriso orgulhoso em seu
rosto, como se ele pudesse, finalmente, apresentar a sua presa para
todos. Apesar do risco, os meus olhos procuraram a multidão até que se
estabeleceram em Romero. Ele se encostou na parede do lado direito,
uma expressão indecifrável no rosto. Eu tentei pegar o seu olhar,
mesmo que isso tivesse feito esta caminhada ainda mais difícil, mas
Romero nem sequer olhou em minha direção. Ele estava completamente
focado em Aria, fazendo o papel como seu guarda-costas.

Voltei a minha atenção para frente, esperando que ninguém


houvesse percebido o desvio que o meu olhar tinha tomado.

No local onde a minha mãe deveria estar, estava Maria, ombros


curvados, pele pálida, olhos tristes; talvez ela pensasse que ninguém
estava olhando, porque esta era a primeira vez que ela não tinha
colocado uma cara brava. Esta era uma amostra de como eu seria em
breve. Olhei para o pai. Ele, por outro lado, parecia rejuvenescido, como
se o casamento com uma mulher de um pouco mais de vinte anos de
idade o fez retroceder uns anos. Será que ele não amou a minha mãe
afinal de contas? Ela deveria estar ao seu lado para o meu casamento.
Meus olhos procuraram Romero novamente. Eu não conseguia parar. E
Romero deveria ter sido o único esperando por mim no altar. Chegamos
ao final do corredor e Pai me entregou a Benito. Os dedos do homem
velho se enroscaram em volta de mim, suados e muito firmes. Pai
levantou o meu véu e por um momento eu estava preocupada que o
meu desgosto e tristeza estivessem claros como o dia, mas a partir do
olhar no rosto de Benito, ele não parecia notar ou se importar. Eu não
ouvi o Padre quando ele começou seu sermão. Levou tudo que eu tinha

~ 184 ~
para me impedir de espiar por cima do meu ombro, em busca de
Romero mais uma vez.

Enquanto o Padre e os convidados esperavam pelo o meu ‘sim’',


pensei em dizer ‘não’ por um breve momento. Essa era a minha última
chance, a última saída antes que eu tivesse presa na estrada da
infelicidade, ou pelo menos até que eu descobrisse uma maneira de me
livrar do meu marido. Eu era capaz de algo assim? Eu não poderia nem
mesmo esmagar uma mosca quando ela me incomodava.

Apenas diga ‘não’. Eu me perguntava como as pessoas reagiriam


se eu se recusasse a me casar com Benito?

Benito ficaria furioso, assim como Pai. Mas minhas irmãs e


Romero, eles entenderiam, provavelmente lutariam com todos os outros
para me proteger. Benito limpou a garganta ao meu lado e eu percebi
quanto tempo eu tinha estado sem dizer nada. Eu rapidamente disse o
que todos esperavam, mesmo quando as palavras pareciam como ácido.
— Sim.

— Você pode beijar a noiva.

Benito agarrou minha cintura. Eu endureci, mas eu não afastei.


Seus lábios ásperos pressionaram contra os meus. Eu poderia sentir o
gosto de charutos. Eu puxei a minha cabeça e me virei para os nossos
convidados com um sorriso forçado. Benito me lançou um olhar de
desaprovação, mas eu ignorei. Se ele soubesse quanta forma tinha me
tomado para não empurrá-lo, ele não estaria com raiva de mim por
acabar com nosso beijo um pouco cedo demais.

Tomando minha mão, ele me guiou até o altar. Meus olhos


dispararam na direção de Romero, mas ele se foi. Eu procurei na igreja
inteira mas não o encontrei. Ele provavelmente me odiava agora que ele
tinha visto Benito me beijar e não queria ter nada comigo. Quando eu
iria vê-lo novamente?

*****

ROMERO
Eu nunca deveria ter vindo para Chicago. Assistir Lily caminhar
pelo corredor em direção a Benito me fez sentir como se alguém
estivesse esmagando o meu coração sob uma bota. Eu não queria nada

~ 185 ~
mais do que enfiar minha faca no olho de Benito muito lentamente, ver
a luz deixá-lo, ouvir sua última respiração ofegante. Eu queria esfolá-lo
vivo, queria dar a ele mais dor do que qualquer homem já tinha sofrido.

Forcei os meus olhos longe de Lily e foquei em Aria como eu


deveria fazer. Ela olhou para mim e me deu um sorriso compreensivo.
Eu não reagi. Eu desliguei as minhas emoções como eu tinha aprendido
a fazer nos primeiros anos após a minha iniciação ao ver pessoas
mortas ou torturadas quando me incomodavam.

— Você pode beijar a noiva.

Meus olhos dispararam em direção à frente da igreja onde Benito


fodido Brasci tinha posto as mãos na cintura de Lily e estava
praticamente a arrastando para o seu corpo. Eu vi vermelho. Eu queria
matá-lo. Eu empurrei para longe da parede, me virei e caminhei para
fora da igreja. Eu não corri como eu queria. Eu me movi lentamente,
como se nada estivesse errado. Porra, o que era uma fodida mentira.
Tudo estava errado. A mulher que era suposta ser minha tinha se
casado com um bastardo velho.

Fui direto para o nosso carro alugado. Eu ia esperar lá até que


fosse hora de dirigir para a mansão de Brasci para a festa.

*****

Luca quase não deixou a porra do meu lado na festa de


casamento. Ele provavelmente estava preocupado que eu ia perder a
minha cabeça na frente de todos. Ele não estava errado. Toda vez que
eu olhava para Lily e Benito, algo estalava no meu cérebro. Eu não
conseguia parar de me imaginar puxando a minha arma e colocando
uma bala na cabeça de Benito, e, em seguida, uma na cabeça de
Scuderi. Se eu tivesse sorte, eles não iriam me deixar fazer isso rápido o
suficiente.

Aria veio em minha direção depois do jantar. Eu não tinha certeza


se eu poderia conversar com ela, mas eu não ia mandá-la embora. Ela
só estava tentando ser gentil. — Você não tem que ficar, você sabe?
Luca está aqui para a minha proteção. Isso deve ser difícil para você.
Por que você não vai em frente e encontra um hotel? Tenho certeza que
você não quer passar a noite sob o mesmo teto que Benito.

~ 186 ~
Hoje à noite. Até agora eu não consegui pensar sobre a noite de
núpcias. — Não. Estou bem. Posso lidar com isso.

Aria hesitou como se quisesse dizer mais, mas, em seguida, ela


voltou para Luca.

Quando a festa chegou ao fim, eu podia me sentir cada vez mais


agitado. E então o que eu estava temendo aconteceu. Benito e Lily se
levantaram de suas cadeiras em direção ao quarto principal para sua
primeira noite juntos. Uma multidão os seguiu, aplaudindo e fazendo
sugestões sobre o que deveria acontecer hoje à noite. Meu pulso
acelerou e os meus dedos desejavam chegar abaixo de meu colete.

Eu parei atrás deles, embora eu soubesse que era a última coisa


que eu deveria fazer. Eu sempre me orgulhei do meu controle, mas eu
podia senti-lo escorrendo pelos meus dedos.

Eu sabia que eu tinha dito a Lily que eu iria aceitar seu


casamento. Ela me disse que não me queria. Como um soldado da
Família de New York, era meu dever colocá-los em primeiro lugar.
Querer Lily poderia significar guerra. Não, isso levaria a porra de uma
guerra. Dante Cavallaro era um homem frio, mas seus soldados
estavam esperando por uma chance de pular em nós novamente. Eu
tinha visto isso em muitos dos seus olhos hoje. As coisas entre nós
tinham ido mal nos últimos anos. A fase de lua de mel de nossa união
tinha diminuído rapidamente depois do casamento de Luca e Aria, e
agora esse era um casamento de conveniência, um casamento que tanto
a Família e a Outfit queriam sair. A menor infração seria suficiente para
explodir tudo.

Sem perceber, eu segui os outros hóspedes no lobby. Avistei os


cachos loiros escuros de Lily no topo da escada, ao lado da cabeça calva
de Benito e uma multidão de outros homens ao redor deles. E então
meus pés começaram a se mover, minha mão indo para a minha arma,
minhas têmporas latejando com raiva. Eu tive que empurrar através da
multidão e ignorei os resmungos de protesto. Eu não podia deixar
aquele filho da puta Benito tê-la. Lily era minha e sempre seria minha.
Se isso significava uma fodida guerra, então que assim seja. Eu gastaria
até o fim dos meus dias caçando russos e bastardos da Taiwan e Outfit
se isso significava que eu poderia ficar com ela.

Eu acelerei e, em seguida, Luca estava de repente na minha


frente. Eu parei, respirando com dificuldade. Eu tinha em minha mente
dado um soco nele, mas eu lutei contra a vontade. Se eu fizesse uma
cena cercado por tantas pessoas, eu poderia estragar tudo. Luca me

~ 187 ~
agarrou pelo ombro e me guiou em um corredor vazio. Ele me empurrou
contra a parede, então ele me soltou.

— Maldição! — ele rosnou e agarrou o meu ombro novamente. —


Ela não é sua. Ela é uma mulher casada agora.

— Ela nunca quis nada disso, — eu disse asperamente e afastei a


mão de Luca. — Deveria ter sido eu ao lado dela no altar.

— Mas não foi. É tarde demais, Romero. Aqui é Chicago. Não


vamos começar uma maldita guerra porque você não pode se manter
em suas calças.

Eu consegui focar em seu rosto. — Isso é muito mais e você sabe


disso.

— Eu não me importo, Romero. Você assistiu Liliana andar pelo


corredor e agora você tem que aceitar as consequências. Ela fez o seu
dever e assim você faz o seu. Vá para o seu quarto e durma um pouco.
Não faça nada estúpido.

Luca era Capo. Era seu trabalho querer o melhor para a Família,
mas naquele momento eu queria matá-lo. Eu nunca quis matar o meu
Capo. — Sim, chefe.

Luca agarrou meu braço. — É sério. Isso é uma ordem direta. Eu


não vou ter uma guerra por causa disso. Eu avisei como isso iria
terminar um longo tempo atrás, mas você não ouviu.

— Eu não vou fazer nada, — eu disse. Mesmo que eu não tivesse


a certeza se era a verdade, ou se eu estava mentindo. Eu não estava
convencido ainda.

~ 188 ~
Capítulo Dezesseis
LILIANA
Quando as pessoas começaram a gritar para Benito e eu nos
retirarmos para o quarto, senti o sangue fugir do meu rosto. Benito não
perdeu tempo, entretanto. Ele pegou a minha mão e me puxou para os
meus pés, em seguida, antes que eu percebesse, estávamos indo em
direção ao nosso quarto.

Sua palma estava presa ao material fino do meu vestido de noiva.


Estava suado e pesado e muito quente. Lentamente, ele viajou mais
baixo até que ele descansou na minha bunda. Eu suprimi um
estremecimento. Eu queria empurrar a mão dele, afastá-lo, mas ele era
meu marido e logo ele me tocaria lá sem a proteção do vestido. Ele iria
me tocar em todos os lugares, iria ver cada polegada de pele que era
suposto ser apenas de Romero.

O enjoou tomou conta de mim e eu quase vomitei. Uma enorme


força de vontade manteve o meu jantar de casamento no meu estômago.
Olhei por cima do meu ombro, mesmo que eu tivesse me prometido que
eu não iria fazer isso. Meus olhos procuraram na multidão por Romero,
mas ele não estava lá. Parte de mim estava feliz que ele não teve que
testemunhar Benito me levando, mas a outra parte ficou desapontada.
Essa parte boba esperava que ele de alguma forma fosse parar com
isso. Claro que isso teria o matado. Eles teriam atirado nele no local e,
em seguida, a guerra teria estourado. Muitas pessoas teriam morrido,
talvez até Fabi, Aria e Gianna. Ainda bem que ele manteve seu
juramento, não interferindo e me deixado fazer o que era esperado de
mim.

Eu virei e percebi que já tínhamos chegado à frente do nosso


quarto para a noite. Benito abriu a porta e me empurrou para a metade
do quarto. Eu congelei, ouvindo o som da porta se fechando e os passos
de Benito. — Você é uma verdadeira beleza, — disse ele, sua voz já
grossa de desejo. — Eu queria ficar sozinho com você a noite toda. Se

~ 189 ~
isso não tivesse parecido rude, eu teria levado você para o nosso quarto
horas atrás.

Bile entupiu a minha garganta. Eu não ousei um movimento com


medo de vomitar nos meus sapatos. Ele agarrou meus braços e me virei
para ele, em seguida, antes que eu pudesse me recompor, a sua boca
pressionou contra a minha. Engoli em seco e ele usou a oportunidade
para empurrar a sua língua pelos os meus lábios. Ele tinha gosto de
charutos que ele tinha fumado com os outros homens e isso me fez
sentir ainda mais doente. Sua língua estava em toda parte. Ele não me
deu a chance de fazer qualquer coisa. Deus, isso era horrível. Minhas
mãos agarraram os seus ombros, dedos cavando em seu terno e eu
empurrei tão duro quanto eu podia, mas seus braços em volta da minha
cintura me puxaram ainda mais apertado, não me dando nenhuma
chance de escapar. Sua respiração era rápida e animada. Ele estava tão
ansioso.

Eu não queria isso. Eu fechei os olhos, lutando contra as


lágrimas e tentando desesperadamente imaginar que era Romero me
beijando, mas tudo sobre isso parecia errado. As mãos desajeitadas
sobre a minha cintura, o gosto dele, o jeito que ele movia a sua língua
como uma lesma morta.

Me afastando dele, eu soltei algumas respirações desesperadas.


Seu gosto permaneceu em minha língua. Eu queria lavar a boca para
me livrar dele.

Benito deu um passo em minha frente novamente e se


aproximou. — Não se preocupe, querida. Eu vou cuidar bem de você.
Eu vou fazer de você uma mulher. Você nunca vai esquecer esta noite.

Eu sabia que eu nunca iria esquecer. Eu provavelmente teria


pesadelos com ele para o resto da minha vida. As últimas palavras da
minha mãe e o seu olhar se encheram em minha mente. Como eu
poderia ter o deixado vir até aqui?

— Não, eu não posso. — eu dei um passo para trás. Eu precisava


ir embora, sair deste quarto, precisava encontrar Romero e dizer a ele
que eu não poderia sobreviver a este casamento, que eu queria só ele,
que ele sempre foi o que eu queria e iria fazer isso até o dia em que eu
morresse. Eu estava sendo egoísta, eu sabia. Mas eu não me importava
mais em causar uma guerra se a alternativa significava ter que passar a
minha vida sendo tocada por Benito. Talvez Luca pudesse lidar com a
situação. Ele era um bom Capo. Ele poderia impedir a guerra. Certo?

~ 190 ~
A expressão de Benito apertou, de sorriso doce açucarado sendo
substituído por algo mais desconfiado e com fome.

O medo era como um peso no estômago. Ele agarrou meus braços


com muita força, me fazendo estremecer. — Você é minha mulher e
você vai fazer o que é esperado de você.

— Não, por favor. Eu não estou preparada. Preciso de mais


tempo. — era hora de descobrir uma maneira de sair dessa sem sermos
todos mortos. Tinha que haver uma maneira que ninguém se
machucasse.

Benito riu. — Oh, não tente essa merda comigo, docinho. Eu


tenho me masturbado com a imagem de sua bunda perfeita por
semanas. Hoje à noite eu quero enterrar o meu pau nela. Nada neste
mundo vai me parar, nem mesmo os seus olhos de cachorrinho.

Eu abri minha boca para outra tentativa de mendicância, mas


Benito me empurrou para trás. Gritei de surpresa.

Meu calcanhar pegou na bainha do meu vestido de noiva e, em


seguida, eu estava caindo. Eu me preparei para o impacto, em vez
disso, eu aterrissei em algo macio e saltitante: a cama. Como eu poderia
ter estado tão perto disso?

Tentei embaralhar imediatamente, mas não tive a chance. Benito


se inclinou sobre mim, seus joelhos entre as minhas pernas, prendendo
o meu vestido debaixo dele. Eu estava presa. Lutei, mas minhas pernas
estavam amarradas pelo tecido. E eu entrei em pânico. Em pânico,
como eu nunca tinha tido antes, nem mesmo quando eu vi a cena de
tortura no porão.

Benito baixou o rosto para o meu e, em seguida, ele me beijou


novamente. Virei a cabeça para o lado fazendo com que ele babasse por
todo o meu rosto. Seus dedos agarraram o meu queixo, me obrigando a
encará-lo. Sua respiração de charuto tomou conta de mim e seus lábios
estavam muito perto. Seus olhos se estreitaram. — Ouça, querida.
Podemos fazer isso do jeito fácil ou da maneira mais difícil. Para o seu
bem, espero que trabalhe comigo. Eu não dou a mínima de qualquer
forma. Eu gosto de uma vida difícil.

Ele quis dizer isso. Ele me forçaria se eu me continuasse lutando,


eu podia ver isso em seus olhos. Eu não podia esperar qualquer
bondade do meu marido essa noite. Lágrimas e súplicas não mudariam
a sua mente.

~ 191 ~
Eu quis relaxar embaixo dele. Ele sorriu de uma forma
condescendente e tocou o seu corpo, finalmente, deixando o meu
vestido livre. Ele se apertou contra mim, a boca molhada na minha
garganta. Ele lambeu seu caminho até a minha clavícula. Eu tentei
imaginar que era Romero e quando isso não funcionou, tentei parar de
pensar nele completamente. Tentei ficar vazia e entorpecida, tentei
lançar a minha mente para outro lugar e tempo, longe do meu marido
que teria sua noite comigo, não importava o que eu queria. Benito
empurrou a minha saia para cima e enfiou a mão até as minhas pernas.
Ele resmungou com apreço e pressionou o seu corpo ainda mais contra
o meu. Eu podia sentir quanto isso o excitava. Sempre que eu sentia a
ereção de Romero, eu ficava excitada, mas isto? Oh, Deus. Eu não
poderia fazer isso. Mas ele era meu marido e eu era sua esposa. Eu
tinha escolhido esta forma de proteger todos que queriam me ajudar.
Esse era meu dever, não só para ele, mas para a minha família, para a
Outfit. Era o destino de muitas mulheres. Elas tinham sobrevivido e
assim eu poderia.

Eu odiava os sons que o meu marido fazia, o cheiro que não era
de Romero, a maneira como seus dedos desajeitados puxavam o meu
vestido. Ele era meu marido. Sua mão viajou até o meu joelho.

Meu marido.

Em seguida, até a minha coxa.

Meu marido. Meu marido. Meu marido.

Sua mão atingiu a borda da minha calcinha e eu não aguentava


mais. Eu coloquei as minhas palmas das mãos contra seu peito e o
empurrei de cima de mim. Eu não tinha certeza de onde tirei a força.
Benito tinha pelo menos quarenta quilos a mais que eu, mas ele perdeu
o equilíbrio e caiu para o lado dele. Saltei da cama, mas o meu vestido
estava me atrasando. Eu cambaleei em direção à porta, os braços
estendidos. Meus dedos estavam a meras polegadas da maçaneta
quando Benito me alcançou. Seus dedos machucando o meu antebraço
com suas garras e ele me jogou de volta para o centro do quarto. Eu
não poderia me firmar rápido o suficiente e caí para frente, meu quadril
colidiu com a mesa no canto. Eu gritei de dor. As lágrimas ardiam nos
meus olhos.

Benito pressionou por trás de mim enquanto eu estava inclinada


para frente e sua ereção cavou na minha bunda. — Hoje à noite,
boneca, você é minha.

~ 192 ~
E lá estava ela, bem na minha frente. Eu mal percebi as mãos de
Benito apertando meus seios através do tecido. Meus olhos estavam
fixos no reluzente abridor de cartas prata. Benito apertou novamente,
mais forte, provavelmente irritado por causa da minha falta de reação.
Segurei o abridor de cartas. Ele parecia se encaixar na minha mão, frio
e duro. Meu marido rasgou a borda do meu espartilho. Apertei o meu
domínio sobre o abridor e piquei meu braço para trás tão duro quanto
eu podia. Benito tropeçou com um suspiro borbulhante, me dando livre
acesso. Eu me virei. O abridor de cartas preso em seu lado direito.
Encharcando a sua camisa branca de sangue. Devo ter o acertado
realmente, talvez até mesmo o ferido seriamente. Eu nunca tinha feito
algo parecido.

Meus lábios estavam entreabertos em estado de choque. Eu


realmente mergulhei uma faca no estômago do meu marido. Seus olhos
arregalados olharam. — Você, sua cadela, eu... — ele suspirou e caiu de
joelhos. Seus olhos de besouro feio aumentaram ainda mais quando ele
guinchou de dor.

Eu tropecei para longe dele. E se ele pedisse ajuda? E se alguém


visse o que eu tinha feito? Eu tinha esfaqueado o meu próprio marido.
Eles iriam me matar por isso e mesmo que não o fizessem, Benito
certamente iria me bater até a morte se ele sobrevivesse ao ferimento.

Havia apenas uma coisa que eu poderia fazer, apenas uma pessoa
que poderia me ajudar e eu não tinha certeza se ele ainda faria depois
de tudo o que eu fiz. Depois do que eu disse e que ele tinha
testemunhado hoje. Talvez ele não estivesse em Chicago mais. Talvez
ele já tivesse tomado o próximo voo de volta para Nova York para ficar o
mais longe possível de mim.

Corri para a minha bolsa, abri e me atrapalhei com o meu


telefone. Com os dedos trêmulos, eu digitei o número que eu sabia de
cor. Benito ainda parecia atordoado, mas ele tinha conseguido ficar nos
cotovelos. Ele estava ofegante, obviamente tentando encontrar sua voz
para gritar por ajuda. E se ele viesse em minha direção? Eu poderia
terminar o que tinha começado?

Uma nova onda de pânico me bateu duro.

Após o primeiro toque, a voz familiar de Romero tocou. — Lily?

Eu nunca me senti mais aliviada em minha vida. Ele não tinha


ignorado a minha chamada. Talvez, apenas talvez, ele não me odiasse.

~ 193 ~
— Por favor, me ajude, — eu sussurrei, a voz rouca de lágrimas.
Elas estavam escorrendo pelo meu rosto. E não era porque eu tinha
acabado de esfaquear alguém com um abridor de carta, eu não sentia
remorso por isso.

— Estou indo. Onde está você?

— Quarto.

— Não desligue, — ele ordenou. Eu não desligaria. Eu podia ouvi-


lo em movimento, podia ouvir a sua respiração calma e isso me
acalmou. Romero estaria aqui em breve e então tudo estaria bem.

Depois de tudo o que tinha acontecido, ele ainda corria para me


ajudar.

Menos de dois minutos depois houve uma batida. Ele deve ter
estado perto ou teria levado muito mais tempo para chegar ao quarto.
Por um par de segundos, eu não tinha certeza se eu poderia até mesmo
me mover. Minhas pernas estavam dormentes.

— Lily, você tem que abrir a porta. Está trancada. Se eu quebrá-


la, as pessoas vão vir para cá.

Isso foi tudo o que eu fiz. Eu cruzei o quarto em poucos passos e


abri a porta. Meu coração estava batendo na minha garganta e só
quando eu vi o rosto preocupado de Romero que me atrevi a abaixar o
telefone do ouvido e desligar. Eu me sentia segura agora, embora eu
soubesse que estava longe disso. Nós estávamos em grave perigo se
alguém nos encontrasse assim. Ao ligar para Romero, eu o coloquei em
perigo. Como eu poderia fazer isso com alguém que eu amava? Eu não
tinha concordado com este casamento exatamente para proteger
Romero?

Os olhos de Romero vagaram por cima do meu espartilho


semiaberto, meu cabelo desgrenhado e saia rasgada e seu rosto brilhou
com fúria. Ele entrou no quarto, fechou a porta e segurou meu rosto. —
Você está bem? Ele machucou você?

Eu balancei minha cabeça, que eu percebi em um momento


posterior que poderia ser tomado como uma resposta a qualquer
pergunta. — Eu o esfaqueei. Eu não podia suportar seu toque. Eu não
queria as mãos dele sobre mim. Eu... — Romero me puxou contra ele,
meu rosto pressionado contra o seu peito forte. Eu escutei o som do seu
coração batendo. Por fora ele parecia calmo, mas seu coração o traiu. —
Eu não dormi com ele. Eu não poderia.

~ 194 ~
— Ele ainda está vivo, — ele murmurou depois de um momento,
antes que ele se afastasse. Privada de seu calor, eu passei os meus
braços em volta de mim. Romero avançou para o meu marido, cujos
olhos estavam entre Romero e eu como se estivesse assistindo a uma
partida de tênis. Sua respiração era rasa, mas ele se arrastou mais
perto da mesa e estava chegando para o seu telefone. Romero estava
sobre ele, então calmamente empurrou o seu braço de volta para o
chão.

Benito caiu para o lado com um suspiro de dor. Ele me lembrou


de um besouro que estava preso às costas, as pernas impotentes acima
de seu corpo. Eu não sentia nenhuma pena.

— Você, — Benito rosnou, em seguida, começou a tossir. Sangue


salpicando seus lábios. — Será que o seu Capo sabe sobre isso?
Chicago vai fazê-lo pagar dez vezes. Dante não vai deixar você me fazer
de tolo e a todos os outros.

— Vocês não são importantes o suficiente para Luca dar a


mínima sobre vocês, — Romero disse friamente. Ele tinha a mesma
expressão que eu tinha visto quando ele assistiu os russos sendo
torturados no porão.

Eu tremi.

Realização apareceu no rosto de Benito enquanto os seus olhos


giraram de Romero para mim. — Você e ela. — sua boca puxou em uma
careta desagradável, saliva agarrado aos lábios. — Sua puta
desgraçada, você deixou ele te foder. Vocês...

Ele nunca teve a chance de terminar a frase. Romero se


aproximou de Benito, o empurrou pela gola e, em seguida, em um
movimento praticado, ele puxou a faca e mergulhou em um ângulo
ascendente entre as costelas do meu marido, silenciando a respiração
dele. Sem sequer pestanejar, Romero soltou Benito, que caiu para o
lado dele, sem vida.

~ 195 ~
Capítulo Dezessete
LILIANA
Romero tinha acabado de matar um membro da Outfit por mim.
Nossos olhos se encontraram e medo frio se espalhou pelo meu peito
como um nevoeiro. Romero limpou a faca na perna da calça do meu
marido antes de embainhá-la em seu suporte.

Minha garganta se contraiu enquanto eu caminhava em direção a


ele. — Isso significa guerra.

— Podemos inventar uma história. Vou fingir que perdi a cabeça.


Que eu estive desejando você desde sempre, mas você nunca esteve
interessada em mim, e hoje eu surtei, invadi o seu quarto e ataquei o
seu marido, que tentou se defender com o abridor de cartas, que eu
então usei para esfaqueá-lo. Nós podemos fazer parecer que eu tentei te
estuprar, assim ninguém suspeitaria que você está envolvida. Ninguém
duvidaria, do jeito que você está. — ele acariciou minha bochecha. — O
desgraçado morreu depressa demais pela forma como ele tratou você.

Eu não podia acreditar que ele estava sugerindo algo parecido. Já


era ruim o suficiente que eu o tivesse arrastado para tudo isso. Eu não
iria fazer ele parecer um estuprador repugnante para salvar minha
própria pele. — Eu não vou fingir que você tentou me estuprar. Você é o
único homem com quem eu quero estar.

Romero fechou a distância entre nós e me envolveu em um abraço


apertado. Seu cheiro, seu calor, o modo como meu corpo se encaixou
perfeitamente contra o seu; isso parecia certo. Meus olhos encontraram
os de Benito no chão. Eu tentei ser sua esposa e falhei, mas eu não
conseguia estar triste com esse fato. Eu nunca quis isso, e ele sabia
disso desde o início. Ele teria me estuprado, e talvez isso não merecesse
uma sentença de morte, mas ele vivia em um mundo onde a morte era
quase sempre a punição para os nossos pecados. Seus olhos ainda
estavam abertos e parecia que eles estavam olhando diretamente para

~ 196 ~
mim. Quanto mais eu olhava para ele, pior sua aparência parecia ficar.
Eu tremia violentamente.

Romero me empurrou suavemente. — Não olhe para ele, — ele


caminhou em direção ao corpo e virou Benito, então seu rosto ficou
virado para o chão, de costas para mim. E isso fez eu me sentir melhor.
Ele ainda estava morto, mas pelo menos não estava mais me olhando
com aquela expressão de reprovação.

Eu tropecei em direção à cama e me afundei. Minhas pernas


estavam instáveis demais para aguentar meu peso. Romero ficou
parado por um momento, antes de se juntar a mim. Ele passou o
polegar sobre a minha bochecha, pegando algumas lágrimas perdidas.
Eu não tinha notado que tinha começado a chorar de novo. — Ele está
morto agora. Ele não pode te machucar nunca mais, — disse ele
asperamente. — Ninguém nunca vai te machucar novamente. Eu não
vou permitir.

— Se você confessar o assassinato de Benito você vai ser morto, e


então não vai estar por perto para me proteger de coisa alguma, —
talvez tenha sido um golpe baixo jogar com a sua culpa, mas eu não
podia deixar que Romero assumisse tudo sozinho.

O olhar de Romero pousou em Benito e na poça de sangue se


espalhando lentamente ao seu redor, transformando o carpete bege em
um mar de vermelho. — Não podemos encobrir isso. Mesmo que a gente
tire o corpo da casa sem que ninguém perceba, nunca poderíamos
limpar o sangue do tapete. As pessoas iriam desconfiar de alguma
coisa. Alguém vai ter que assumir a culpa por isso.

Eu enterrei o rosto em minhas mãos, o desespero arranhando as


minhas entranhas. — Eu deveria ter deixado ele me ter. Eu deveria ter
suportado, como tantas outras mulheres antes de mim. Mas eu tinha
que agir como uma puta egoísta.

— Não, — disse Romero acentuadamente, colocando um dedo


embaixo do meu queixo e inclinando o meu rosto. — Estou feliz que
você o esfaqueou. Fico feliz que ele esteja morto. Fico feliz que ele não
tenha conseguido o que ele não merecia. Você é muito boa e bonita para
este bastardo.

Eu me inclinei e beijei Romero. Eu teria aprofundado o beijo,


apesar de tudo, eu teria me perdido em Romero como sempre fiz, mas
ele era mais razoável do que eu e se afastou. — Eu tenho que chamar
Luca. Como seu soldado eu preciso confessar pelo menos a ele, e então
cabe a ele decidir o que acontece depois.

~ 197 ~
— E se ele decide matar você para manter a paz com Chicago? —
eu perguntei em voz baixa. — Você viu como ele estava com raiva
quando descobriu sobre nós. Mesmo Aria não conseguiria convencê-lo a
arriscar uma guerra por mim.

Por um longo tempo Romero apenas olhou para mim, então ele
pegou o telefone e o levou ao ouvido. — Então eu vou aceitar o seu
julgamento.

— Não, — eu disse de repente. Eu empurrei o seu telefone. — Me


deixe chamar Aria. Ela pode fazer Luca pensar. Ele a ouve.

Romero deu um sorriso triste. — Isto é algo que nem sequer Aria
pode fazer algo. Luca é o Capo, e se ele precisa tomar decisões que
protejam a Família, não vai deixar que Aria o influencie. Você mesmo
disse. Ele se recusaria a ouvi-la.

— Por favor.

— Eu preciso fazer isso. Eu não posso me esconder atrás de você


ou Aria como um covarde, — ele levantou o telefone novamente e desta
vez eu não o impedi. Ele estava certo. Luca provavelmente ficaria
chateado se eu tentasse usar Aria para manipulá-lo.

Prendi a respiração enquanto esperava por Luca.

— Luca, eu preciso que você venha ao quarto de Benito, — eu


ouvi a voz de Luca alterada na outra extremidade, mas não consegui
entender o que ele disse. Não parecia nada agradável. — Sim, eu estou
aqui. Você deve se apressar.

— Droga! — Luca rosnou alto o suficiente para eu ouvir, então ele


desligou. Romero baixou o telefone lentamente e o colocou de volta no
bolso.

Peguei a mão dele, precisando me convencer de que ele estava


realmente lá.

Romero olhou para o corpo de Benito, mas não tentou me dizer


que as coisas ficariam bem. Eu fiquei feliz por ele não tentar mentir
para mim. Descansei minha bochecha contra o seu ombro.

Houve uma batida suave. Eu me endireitei e apertei a mão de


Romero. Eu não queria deixá-lo ir. Uma vez que Luca visse o que tinha
acontecido, eu nunca mais teria a chance de tocar a mão de Romero
novamente, não enquanto ela ainda estivesse quente. Estremeci quando

~ 198 ~
me lembrei do corpo sem vida da mãe. Eu não iria permitir que isso
acontecesse com Romero.

Romero beijou a minha testa, e então ele soltou a minha mão e se


levantou. Me levantei também, meus olhos correndo para Benito. Raiva
por ele brotou em mim. Se ele nunca tivesse entrado na minha vida,
então eu poderia ter sido feliz. Mas o pai provavelmente teria
encontrado outro marido horrível para mim. O medo apertou minha
garganta enquanto eu observava Romero empurrar para baixo a alça e
abrir a porta. E se Luca realmente decidisse matar Romero como
punição?

Romero não abriu toda a porta, então Aria teve que deslizar para
dentro. Ela chupou uma respiração dura com a visão de meu falecido
marido, então correu para mim e agarrou os meus ombros, mas meus
olhos estavam congelados em Luca, que tinha entrado atrás dela. Seu
olhar pousou em Benito, no abridor de cartas ainda preso na sua lateral
e no buraco na camisa onde a faca de Romero tinha estado. Romero
fechou a porta sem fazer barulho, mas não se afastou. Eu queria que
ele trouxesse alguma distância entre ele e Luca. Era uma ideia ridícula.
Não iria protegê-lo.

— Meu Deus, Lily, — Aria disse estridentemente. Eu não


conseguia me lembrar da última vez que eu a vi tão assustada. Eu
conhecia aquele olhar.

— O que aconteceu? Você está bem? — Aria perguntou. Ela


passou as mãos sobre os meus braços, os olhos demorando em minha
saia rasgada.

Eu não respondi. Luca tinha começado a se mover em direção ao


corpo e se ajoelhou ao lado dele, esquadrinhando a cena sem dizer uma
única palavra. Seu rosto era de pedra. Era isso. De repente, eu tinha
certeza de que Romero e eu não iriamos encontrar a misericórdia de
Luca hoje. Talvez Aria conseguisse convencer Luca de me proteger, mas
Romero não teria a mesma sorte. Eu sabia que eu não seria capaz de
vê-lo morrer.

Luca ergueu a cabeça muito lentamente e me encarou com um


olhar que fez o meu sangue gelar. — O que aconteceu aqui?

Olhei para Romero. Ele queria que eu dissesse a verdade? Ou eu


deveria mentir? Tinha que haver uma história que não deixaria Luca
irritado o suficiente para querer nos matar.

Luca se levantou. — Eu quero a porra da verdade!

~ 199 ~
— Luca, — Aria repreendeu. — Lily está, obviamente, em estado
de choque. Dê a ela um momento.

— Não temos uma porra de um momento. Temos um membro da


Outfit morto em um quarto com a gente. As coisas vão ficar feias muito
em breve.

Aria apertou meu ombro levemente. — Lily, você está bem?

— Eu estou bem, — eu disse. — Ele não teve tempo de me


machucar.

Ela apertou os lábios, mas não discutiu.

— Chega, — disse Luca duramente. Ele se virou para Romero. —


Eu quero respostas. Lembre-se do seu juramento.

Romero parecia um homem resignado à sua sorte. Ele me


assustava. — Eu sempre lembro.

Luca apontou um dedo para o corpo morto. — Isso aqui não se


parece com você se lembrando dele. Ou você está dizendo que Liliana
fez isso sozinha?

— Liliana é inocente, — Romero disse com firmeza. Ele nunca me


chamava de Liliana. O que ele estava tentando fazer? — Benito ainda
estava vivo quando eu cheguei. Ela o tinha esfaqueado com o abridor de
cartas, porque ele a atacou. Foi legítima defesa da sua parte.

— Legítima defesa? — Luca murmurou. Seus olhos cinzentos se


fixaram em mim. — O que ele fez?

— Ele tentou forçá-la, — disse Romero por mim.

— Eu não perguntei a você! — Luca rosnou. Aria me soltou,


caminhou em direção a ele e colocou uma mão em seu braço. Ele a
ignorou completamente enquanto dizia, — E se ele tentou consumar o
casamento, ninguém na porra dessa casa vai ver isso como legítima
defesa. Benito tinha todo maldito direito sobre o seu corpo. Ele era o
seu marido, pelo amor de Deus!

Romero deu um passo à frente, mas se conteve.

— Você não pode estar falando sério, — disse Aria, os olhos


implorando.

— Você conhece as regras, Aria. Estou indicando os fatos, — Luca


disse em uma voz muito mais calma.

~ 200 ~
Aria sempre teve esse efeito sobre ele. — Eu não me importo. Um
marido não tem o direito de estuprar a sua esposa. Todos nesta casa
deveriam concordar com isso!

Eu estremeci. Os acontecimentos desta noite começaram a se


abater sobre mim. Eu só queria deitar nos braços de Romero e esquecer
tudo. Ele se aproximou de mim e envolveu um braço em volta do meu
ombro.

Luca estreitou os olhos. — Eu disse que isso iria acabar em


desastre. Então me deixe adivinhar, Liliana esfaqueou o marido, ligou
para você, que terminou o trabalho do caralho para tê-la para si
mesmo.

— Sim, — disse Romero. — E, para protegê-la. Se ele tivesse


sobrevivido, teria culpado Liliana e ela teria sido punida severamente
pela Outfit.

Luca soltou uma risada sombria. — E agora ela não vai? Eles vão
levá-la a julgamento, e não irão somente puni-la severamente. Eles
também vão nos acusar de ajudar, e então haverá um maldito banho de
sangue fodido. Dante é um homem frio, mas ele precisa mostrar sua
força. Ele proclamará guerra em algum momento. Tudo porque você não
pôde controlar o seu pau e o seu coração.

— Como se você pudesse fazer isso. Você iria derrubar qualquer


um que tentasse levar Aria para longe de você, — disse Romero.

— Mas Aria é minha esposa. Isso é uma enorme diferença.

— Se dependesse de mim, Lily seria minha esposa há meses.

Olhei para ele com surpresa. Ele nunca tinha mencionado


casamento. Meu coração se encheu de felicidade, apenas para se
transformar em pedra à vista da expressão de Luca. — Alguém vai
pagar por isso, — disse ele sombriamente. Ele fez uma pausa. — Como
Capo da Família de Nova York eu preciso colocar a culpa em Liliana e
esperar que Dante compre isso e não comece uma guerra.

Isso significaria a minha morte certa. Talvez Dante não desse as


ordens ele mesmo, mas ele teria de me submeter ao julgamento do meu
pai, e eu não esperava qualquer misericórdia dele. Ele odiava Gianna
pelo o que ela tinha feito, e nem era tão horrível como o meu crime.

— Você não pode fazer isso, — sussurrou Aria. Seus dedos


estavam ficando brancos de seu aperto no antebraço dele.

~ 201 ~
Romero me soltou e andou alguns passos em direção ao centro do
quarto, onde ele ficou de joelhos e estendeu os braços. — Eu vou levar
toda a culpa por isso. Diga a ele que eu perdi a cabeça e corri atrás de
Liliana porque estou de olho nela há meses. Eu matei Benito quando ele
tentou defender Lily e a ele próprio, mas antes que eu pudesse estuprá-
la, você notou que eu tinha sumido e veio atrás de mim. Então não
haverá guerra entre a Outfit e Nova York, e Lily vai ter a chance de uma
nova vida.

— Se essa é a história que queremos que eles acreditem, há algo


faltando, — disse Luca.

Romero assentiu. Ele encontrou o olhar de Luca. — Eu vou


colocar minha vida por isso. Atire em mim.

Eu cambaleei para frente. — Não! — Aria também gritou a mesma


palavra.

Luca e Romero nos ignoraram, trancados em um olhar silencioso,


se encarando. Eu dei um passo entre eles. Eu não me importava se isso
ia contra alguma regra secreta da máfia. Caminhei em direção a Luca.
Do canto do meu olho eu vi Romero se levantar. Parecia que ele estava
preocupado comigo chegando perto de Luca, mas eu não estava
preocupada. Se Luca matasse Romero por minha causa, isso seria o
meu fim. Eu nunca seria capaz de viver comigo mesma.

— Por favor, — eu sussurrei, olhando para o rosto impassível de


Luca. — Por favor, não o mate. Eu faço qualquer coisa, apenas, por
favor, não o mate. Eu não posso viver sem ele, — as lágrimas
começaram a escorrer pelo meu rosto.

Romero colocou as mãos nos meus ombros e me puxou de volta


contra ele. — Lily, não. Eu sou um soldado da Família. Quebrei o meu
juramento de sempre colocar a Família em primeiro lugar, e eu tenho
que aceitar a devida punição.

— Eu não me importo com os seus juramentos. Eu não quero


perder você, — eu disse quando me virei em seu aperto.

Aria colocou as palmas das mãos contra o peito de Luca. — Por


favor, Luca, não puna Romero por proteger alguém que ama. Ele e Lily
pertencem um ao outro. Eu peço a você, — ela disse a última palavra
em um sussurro mal audível. Eu queria lhe dar um abraço, mas estava
com medo de me mover. Ela e Luca estavam olhando um para o outro e
eu não queria quebrar a sua compreensão silenciosa, especialmente se
isso salvasse a vida de Romero. Olhei para Romero. Ele parecia tão

~ 202 ~
calmo, nada como alguém cuja vida poderia acabar a qualquer
momento.

Luca finalmente tirou os olhos da minha irmã e, com gentileza,


tirou as mãos de seu peito. — Eu não posso basear as minhas decisões
em sentimentos. Eu sou um Capo e tenho que tomar decisões que
beneficiem a minha Família.

Romero balançou a cabeça, então ele passou por mim e parou em


frente a Luca. Comecei a tremer, completamente apavorada. Percebi os
olhos arregalados de Aria em mim.

— Você é meu melhor soldado. A Família precisa de você, e eu


não confio em ninguém com Aria como eu confio em você, — disse
Luca. Ele colocou a mão no ombro de Romero. — Essa guerra tem sido
inevitável faz tempo. Eu não vou acabar com sua vida para adiá-la por
alguns meses fodidos. Nós vamos estar juntos.

Eu quase afundei com o alívio. Aria correu para mim e me


abraçou com força. Meu momento de euforia durou pouco, no entanto.

— Claro, nós talvez não saiamos dessa casa vivos, — acrescentou


Luca. — Estamos cercados pelo inimigo agora.

— Os convidados estão bêbados ou dormindo. Poderíamos tentar


nos esgueirar para fora. Até que eles percebam que Benito está faltando
amanhã de manhã, vamos estar de volta a Nova York, — disse Romero.
Um lampejo de alívio apareceu em seu rosto. Eu queria estar em seus
braços, mas ele e Luca precisavam lidar com o nosso dilema, um dilema
que eu tinha começado. E se nós realmente não saíssemos vivos daqui?
A Outfit nos tinha em desvantagem. Este era o seu território e
estávamos a milhares de quilômetros de distância de reforço.

— Eu vou ter que chamar Matteo e Gianna. Eles precisam vir


aqui, para que possamos descobrir a melhor maneira de sair desta
casa, — disse Luca, já levantando a telefone ao ouvido.

Romero andou até mim e alisou o vinco entre as minhas


sobrancelhas. Eu pressionei contra ele. Aria se dirigiu para Luca, nos
dando espaço.

— Eu estava com tanto medo, — eu sussurrei.

Romero enterrou seu rosto no meu cabelo. — Eu sei.

— Você não estava? Era a sua vida em jogo.

~ 203 ~
— Minha vida tem estado em jogo desde que eu me tornei um
Made Men. Eu cresci acostumado a isso. A única coisa que me
assustou hoje foi quando eu tive que assistir você andar em direção a
sua noite de núpcias com aquele babaca do Benito. Eu queria matá-lo
ali mesmo. Eu queria matá-lo todos os dias desde que eu descobri que
você seria forçada a casar com ele. Eu estou contente que finalmente fiz
isso.

— Eu também, — eu disse, e então me levantei na ponta dos pés


e beijei seus lábios.

— Caramba. Matteo não está atendendo ao maldito telefone.

— Você acha que aconteceu algo com eles? — perguntou Aria.

Romero soltou uma risadinha, e trocou um olhar com Luca.

— A única coisa que aconteceu é que ele provavelmente está


fodendo os miolos da sua irmã agora e ignorando a porra do telefone, —
disse Luca.

Eu enruguei meu nariz. É claro que eu sabia que minhas irmãs


faziam sexo, eu só não queria ser lembrada disso, ou pior: imaginar. —
Nós não podemos ir até o quarto deles?

Luca balançou a cabeça. — É mais longe da porta de trás, — ele


disse enquanto ligava novamente. — Caramba!

— Devemos levar Benito até o banheiro e cobrir a mancha de


sangue no tapete com alguma coisa. Dessa forma, se alguém entrar
aqui amanhã de manhã, pode nos dar um pouco mais de tempo.

Luca empurrou o seu telefone no bolso, e então agarrou Benito


pelos pés enquanto Romero tomou os braços. Estremeci quando os
assistir transportar o cadáver para o banheiro. Meu marido era como
um saco de farinha sendo levado pelo porão.

— Você deve tirar seu vestido de noiva e vestir algo mais


apropriado, — Aria sugeriu suavemente. Ela tocou no meu braço de
leve, levando meus olhos para longe do corpo morto. Depois de um
momento, eu assenti. Luca e Romero saíram do banheiro e discutiram a
melhor forma de fugirmos.

Peguei uma calça jeans e um pulôver da minha mala no canto,


mas antes de seguir em direção ao banheiro para me trocar em paz,
congelei na porta. Benito estava esparramado na banheira. Eu não

~ 204 ~
queria ficar sozinha com um homem morto. A bile viajou até minha
garganta.

— Ei, — Romero disse suavemente, chegando atrás de mim. —


Você quer que eu vá com você?

Eu balancei a cabeça e, finalmente, apenas entrei no banheiro.


Romero entrou depois de mim. Eu rapidamente saí do meu vestido com
a sua ajuda. — De alguma forma eu sempre imaginei que seria diferente
quando eu a ajudaria a sair do seu vestido de noiva, — ele murmurou.

Eu ri baixinho. Deixei cair o vestido no chão sem cerimônia. Para


mim, era apenas um símbolo do pior dia da minha vida. Eu não estava
triste por me livrar dele. Talvez um dia eu tivesse a chance de ter outro
casamento, um que eu gostasse, com um marido que eu amava. Vesti
minhas outras roupas.

Romero pegou o vestido, e por um momento louco eu pensei que


ele iria querer mantê-lo para o nosso próprio casamento futuro. — O
que você está fazendo?

— Eu quero cobrir a mancha de sangue no quarto com ele.


Ninguém vai ficar desconfiado se o seu vestido de noiva estiver no chão
depois de sua noite de núpcias, — ele saiu do banheiro e colocou o
vestido no chão.

Luca assentiu. — Boa. Agora vamos indo. Eu não quero correr o


risco de ficar aqui mais tempo do que o absolutamente necessário, —
ele estendeu a mão para Aria, que a tomou. Eu suspeitava que a tensão
entre eles fosse maior depois de hoje à noite. A maneira como eles se
entreolharam me deu esperança de que Luca iria perdoá-la por guardar
segredo. Depois de puxar a arma, ele abriu a porta e espreitou para o
corredor.

— Fique perto de mim, — Romero me disse, puxando sua própria


arma e segurando minha mão com a sua livre.

Luca deu um breve aceno de cabeça e em seguida abriu mais a


porta e saiu, Aria um passo atrás dele. Romero me levou depois deles.
Ninguém disse nada. O longo corredor estava vazio, mas abaixo você
pode ouvir os risos dispersos e música da festa. O cheiro de fumaça
subia. Imediatamente me lembrei da respiração de Benito e o sabor de
sua língua na minha boca. Eu empurrei o pensamento da minha mente.

Eu precisava me concentrar. Eu realmente esperava que nenhum


dos convidados decidisse vir em nossa direção. Luca ou Romero teriam

~ 205 ~
que matá-los. E se fosse alguém que eu conhecia? Eu nem sequer
queria pensar sobre isso. Aria olhou por cima do ombro para mim
enquanto Luca a puxava. A mesma preocupação que eu sentia estava
refletida em seu rosto.

~ 206 ~
Capítulo Dezoito
LILIANA
Romero e Luca mostraram determinação e vigilância enquanto
nos levavam através da casa. Eventualmente nós chegamos na porta de
Gianna e Matteo. Luca bateu levemente, mas eu poderia dizer pelo olhar
inquieto em seus olhos que ele gostaria de ter posto a porta abaixo, e
que ele teria feito isso se não fosse pelo risco de ser ouvido. Mais uma
vez ninguém deu sinal de vida e eu estava começando a surtar quando
finalmente houve outra batida mais alta e a porta se abriu. Matteo
apareceu na abertura, o cabelo bagunçado e vestindo apenas uma
boxer; parecia que ele a tinha colocado às pressas no caminho até a
porta, e havia uma protuberância escondida debaixo dela. Afastei meus
olhos

— Você não percebeu a dica que eu não queria ser interrompido


quando eu não respondi a porra da sua ligação, — Matteo murmurou,
então seus olhos caíram em Romero e em mim, e ele fez uma careta. —
Eu tenho um pressentimento ruim do caralho.

Luca empurrou o ombro de Matteo. — Pelo amor de Deus, Matteo,


atenda quando eu ligar. Você precisa se vestir. Temos que sair agora.

— O que há de errado? — perguntou Gianna, vindo por trás de


Matteo em um roupão de cetim. Seus lábios estavam vermelhos e
inchados. Realmente não havia dúvida de que eles estavam fazendo
antes de chegarmos. Seu olhar voou de Aria para mim. — Merda, algo
de ruim aconteceu, certo? Será que o imbecil machucou você? — ela
passou por Matteo apesar dos protestos dele e de Luca e me abraçou.

— Ele está morto, — eu sussurrei.

— Bom, — disse ela sem hesitação. Ela deu um tapinha no ombro


de Romero. — Você fez isso, não é?

Romero deu um sorriso tenso. — Sim, o que nos leva à razão pela
qual precisamos nos apressar.

~ 207 ~
— Romero está certo. Precisamos sair dessa casa antes que
alguém perceba que o noivo está morto, — disse Luca impaciente.

— Eu teria apostado tudo que eu seria aquele a iniciar uma


guerra entre a Outfit e a Família. Meus cumprimentos a você, Romero,
por provar que estou errado, por uma vez, — Matteo disse sorrindo.

— Eu teria apostado isso também, — disse Romero.

Luca suspirou. — Eu odeio interromper o papo furado, mas


precisamos sair.

Matteo acenou e fez sinal para Gianna entrar no quarto. O resto


de nós os seguiu e esperou enquanto Matteo e Gianna se vestiram. Toda
vez que ouvia vozes, eu pulava, meio que esperando o pai ou Dante
abrindo a porta e atirando em todos. Romero tirou alguns fios de cabelo
que haviam caído sobre os meus olhos. O seu olhar me fez perceber que
valeu a pena. Por amor valia a pena arriscar tudo. Eu só queria não ter
arrastado os outros para o perigo comigo. Cinco minutos depois, nós
seis saímos do quarto e continuamos nossa viagem através da casa. Os
sons da festa tinham diminuído ainda mais, o que significava que mais
pessoas poderiam estar caminhando de volta para os seus quartos e
potencialmente cruzariam o nosso caminho, mas até agora tivemos
sorte.

Nós pegamos a segunda escada na parte de trás da casa até o


primeiro andar e nos dirigimos para a porta que dava para a garagem
subterrânea. A maioria das casas nesta área tinha uma, porque o
espaço exterior era limitado. Houve o som de passos no corredor à
esquerda da porta. Romero me puxou para uma parada e apontou a
arma para frente. Matteo e Luca fizeram o mesmo. Minha pulsação
batia em minhas têmporas. Eles tinham silenciadores em suas armas,
mas um disparo sempre fazia algum barulho, e eu realmente não queria
ter mais sangue em minhas mãos.

Alguém virou a esquina em nosso corredor e eu agarrei o braço de


Romero para impedi-lo de atirar. Era Fabiano. Ele sacudiu em uma
parada brusca com sua própria arma apontada para nós. Eu nem sabia
que ele estava carregando uma arma, especialmente no meu
casamento. Ele era muito jovem para isso. Seus olhos percorreram o
nosso pequeno grupo, suas sobrancelhas escuras se juntaram com
desconfiança. Ele ainda usava seu traje da festa. O que estava
acontecendo aqui?

~ 208 ~
Aria colocou a mão no braço de Luca que levantava a arma, mas
ele não a abaixou, nem fez Matteo, apesar do sussurro urgente de
Gianna.

— Não lhe faça mal, — eu implorei. Romero não tirava os olhos de


meu irmão, mas ele apertou minha mão levemente em resposta.

— O que está acontecendo aqui? — perguntou Fabiano firme, de


pé ainda mais alto do que o habitual e tentando parecer como um
homem. Com a arma e a sua expressão séria, ele quase conseguiu
parecer mais do que um adolescente.

— Abaixe essa arma, — Luca ordenou.

Fabiano riu, mas parecia nervoso. — De jeito nenhum. Eu quero


saber o que está acontecendo, — seus olhos se moveram de Aria para
Gianna, em seguida, para mim, e, finalmente, para a mão de Romero,
que estava segurando a minha.

— Por que você está com uma arma? Você não deveria estar na
cama? — perguntou Aria, e ela estava prestes a dar um passo em
direção ao nosso irmão, mas Luca a puxou de volta.

— Eu tenho deveres de guarda, — disse Fabiano com um toque


de orgulho.

— Mas você não está na Outfit ainda, — eu disse, confusa. Eu


teria notado se ele tivesse iniciado o processo, certo? Fabi sempre me
contou tudo. Tínhamos sido só nós contra o resto depois que Gianna e
Aria se mudaram para Nova York.

— Eu comecei o processo de iniciação há algumas semanas. Essa


é a minha primeira tarefa, — disse Fabi. A mão com que ele segurava a
arma estava tremendo um pouco. Se eu notei, Romero, Luca e Matteo
definitivamente tinham notado. Eu não tinha certeza se seu nervosismo
era uma coisa boa, porque os fazia perceber que ele ainda era uma
criança, ou uma coisa ruim, porque isso o fazia um alvo fácil aos olhos
dos três.

— O pai mandou você fazer isso, porque ele pensou que seria
uma primeira tarefa fácil, certo? Nada de ruim acontece em
casamentos, — eu tentei brincar.

Fabi nem sequer abriu um sorriso, assim como qualquer uma das
outras pessoas. Troquei um olhar com Aria e Gianna. Tínhamos que
fugir, isso estava claro, mas não podíamos arriscar que Fabi se
machucasse.

~ 209 ~
— Ele me deu o trabalho porque sabia que eu era responsável e
capaz, — disse Fabi, soando como o papagaio pessoal do pai. Meu peito
apertou. E se Fabi realmente não nos deixasse ir? A maneira como ele
apontava a arma para nós, ele parecia absolutamente determinado.
Será que ele tinha mudado tanto?

— Você realmente não acha que pode matar nós três, não é? —
Matteo perguntou com um sorriso torcido.

Gianna lhe lançou um olhar furioso. — Cale a boca, Matteo.

Fabi se mexeu em seus pés, mas seu rosto permaneceu duro.


Quando ele tinha aprendido a usar essa máscara neutra assim? — Eu
posso tentar, — disse Fabi.

— Fabiano, — Luca disse calmamente. — Elas são suas irmãs.


Você realmente quer arriscar machucá-las?

— Porque é que a Lily aqui? Por que ela não está com seu
marido? Eu quero saber o que está acontecendo. Por que você está
tentando levá-la com você? Ela é parte de Chicago, não de Nova York.

— Eu não posso ficar aqui, Fabi. Você lembra que você me disse
que eu não deveria me casar com Benito? Que não era certo?

— Isso foi há muito tempo, e você disse sim no altar hoje. Onde
está ele, afinal?

Olhei para Romero. Algo na minha expressão deve ter nos


denunciado.

— Você o matou, não foi? — Fabi acusou, com os olhos


semicerrados alternando entre Matteo, Romero e Luca. — Este foi
algum tipo de truque para enfraquecer a máfia de Chicago? O pai
sempre disse que vocês iam nos apunhalar pelas costas um dia, — ele
levantou a arma um pouco mais alto.

Aria tentou se mover em direção a ele outra vez, mas Luca


praticamente a empurrou atrás dele.

— Ele é meu irmão! — ela sussurrou.

— Ele é um soldado da Outfit.

— Fabi, — eu disse. — A Família não está tentando enfraquecer a


Outfit. Isto não é sobre poder. É tudo culpa minha. Benito tentou me
machucar e eu o esfaqueei. É por isso que eu preciso ir. O pai me
puniria, talvez até chegasse a me matar.

~ 210 ~
Os olhos de Fabi se arregalaram, fazendo-o parecer mais jovem
pela primeira vez. — Você matou o seu marido?

A mão de Romero estava apertada em torno da minha, mas a mão


com a arma era firme. Ele não tinha se movido. Ele ainda estava
apontado diretamente para a cabeça de Fabi. Se ele matasse o meu
irmão... eu não conseguia nem mesmo terminar o pensamento.

— Eu não sabia mais o que fazer, — eu disse. Eu decidi não


mencionar que Benito ainda estava muito vivo quando Romero
mergulhou a faca em seu coração. Isso teria complicado as coisas ainda
mais.

— E quanto a você e ele? — Fabi apontou para Romero. — Eu não


sou estúpido. Há algo acontecendo entre vocês.

Não havia como negar isso, e eu tinha a sensação de que Fabi iria
ficar com raiva se eu tentasse mentir para ele. Matteo tinha se
aproximando mais enquanto Fabi e eu estávamos conversando. Eu não
tinha certeza do que ele planejava fazer, mas sabendo que era Matteo,
não iria acabar bem.

— Nós estamos juntos por um tempo. Você sabe que eu nunca


quis casar com Benito, mas o pai não me deu escolha.

— Então você quer deixar Chicago e ir para Nova Iorque como


Gianna e Aria, — disse Fabi.

— Eu quero, — eu disse.

— Você poderia vir conosco, — sugeriu Aria. Percebendo o seu


erro, ela olhou para Luca, que teria que aceitar Fabi na Família.

— Você pode se tornar parte da Família, — disse ele


imediatamente.

Fabi balançou a cabeça. — O pai precisa de mim. Eu sou parte da


Outfit. Eu fiz um juramento.

— Se você não está ainda totalmente introduzido, não é tão


vinculativo, — disse Matteo, o que não era bem uma mentira, mas na
prática ele seria tratado como um traidor se fugisse, e a punição seria a
mesma, de qualquer maneira.

Fabi olhou. — Eu não vou trair a Outfit.

~ 211 ~
— Então você vai ter que nos deixar passar, — disse Luca
simplesmente. — E nós não vamos criar problemas, ou haverá sangue,
e você vai morrer.

Eu fiquei rígida e estava prestes a dizer algo, mas Romero deu um


pequeno aceno de cabeça.

— Eu tenho um bom tiro, — disse Fabi, indignado.

— Eu acredito em você. Mas é melhor do que nós três? Você


realmente quer que sua irmã Lily seja punida? Se você forçá-la a ficar,
vai assinar sua sentença de morte.

O conflito apareceu no rosto de Fabi. — Se eu deixar vocês irem e


alguém descobrir, eles vão me matar também. Eu poderia ter uma
morte digna, se eu tentar impedir isso.

Luca assentiu. — Você poderia, e iria receber muitos elogios, mas


você estaria morto do mesmo jeito. Você quer morrer hoje?

Fabi não disse nada, mas ele abaixou a arma alguns centímetros.

— Ninguém tem que saber que você nos deixou sair. Você poderia
ter tentado nos impedir, mas estávamos em maior número, — Romero
disse de repente.

— Eles vão pensar que eu estava com medo e fugi, e que por isso
vocês escaparam.

Luca deu um pequeno aceno de cabeça a Romero. — Não se você


for ferido. Nós poderíamos atirar no seu braço. Isso foi pensado como
uma primeira tarefa fácil, ninguém espera que você seja capaz de parar
os melhores lutadores de Nova York. Se você levar um tiro, eles não vão
isso contra você.

— Você quer atirar no meu irmão? — perguntou Aria, incrédula.

— E se você o ferir pra valer? — acrescentei.

— Eu poderia acertar a espinha no seu queixo, se eu quisesse,


acho que posso acertar um local seguro no seu braço sem problemas, —
disse Matteo com seu sorriso de tubarão. — E nós estamos assumindo
um risco por não matá-lo, assim uma ferida no braço é realmente nada.

— Então, o que você diz, Fabiano? — perguntou Luca


rapidamente antes que Matteo pudesse dizer algo mais. Nenhum dos
homens tinha baixado suas armas ainda.

~ 212 ~
Fabi balançou a cabeça lentamente e apontou a arma para o
chão. — OK. Mas vou ter de pedir ajuda. Eu não posso esperar mais do
que alguns minutos ou eles vão ficar desconfiados.

— Poucos minutos devem ser suficientes para nos afastarmos, —


disse Luca. — Eles virão atrás de nós quando descobrirem o que está
acontecendo, mas cinco minutos nos darão vantagem suficiente. Dante
não é o tipo de pessoa que gosta de lutar em campo aberto, então eu
duvido que ele mande homens para uma perseguição de carro
selvagem. Ele vai nos atacar mais tarde, assim que descobrir a melhor
maneira de nos machucar.

Meu estômago se apertou. Tudo por minha causa. Quão egoísta


era uma pessoa para deixar que os outros se arriscassem tanto por ela?

Romero me deu um sorriso encorajador, mas pela primeira vez ele


não conseguiu me animar. — A guerra com a Outfit era inevitável. As
coisas têm piorado a cada dia.

Luca olhou para nós. — Isso é verdade. Se não fosse por Aria e
Gianna, Matteo e eu não teríamos mesmo vindo a Chicago para o
casamento.

Isso pode ter sido verdade, mas a morte de Benito foi como jogar
gasolina no fogo. As coisas ficariam muito feias agora.

— Vamos fazer isso agora, — Matteo pediu. — Estamos perdendo


tempo.

— Eu acho que deveríamos fazer tudo lá na garagem. Talvez nos


dê um tempo adicional. As pessoas não vão ouvir o seu grito tão
facilmente, — Romero sugeriu.

Juntos fomos para a porta e descemos um lance de escadas para


a garagem subterrânea. Não era tão grande quanto a que eu tinha visto
em Nova York. Apesar de nossa decisão de trabalhar juntos, nenhum
dos homens havia colocado suas armas de volta em seu coldre ainda.
Quando paramos perto de nossos dois carros alugados, eu escorreguei
para fora do alcance de Romero e caminhei até Fabi. Eu não hesitei,
Romero esticou e apontou a arma, mas eu confiava em Fabi. Talvez ele
estivesse em seu caminho para se tornar um soldado da Outfit, mas ele
também era meu irmão mais novo. Isso não mudaria. Abracei-o e
depois de um momento ele passou os braços em volta de mim. No ano
passado ele tinha evitado demonstrações públicas de afeto, porque
tinha tentado agir de forma fria, mas foi bom tê-lo perto, especialmente
desde que eu não sabia quando iria ter outra chance de vê-lo.

~ 213 ~
— Eu sinto muito por você ficar em apuros, — eu sussurrei. — Eu
queria que as coisas fossem diferentes.

— Eu nunca gostei de Benito, — Fabi disse simplesmente. — Meu


pai não devia ter casado você com aquele cara.

De repente, Gianna e Aria estavam lá também, e tiveram a sua


vez o abraçando.

— Nós temos que ir agora, — Luca nos lembrou.

Eu me afastei de Fabi e voltei para Romero. Ele fez sinal para eu


entrar no carro, enquanto Aria e Gianna entravam no outro. Eu vi como
eles tentaram descobrir a melhor maneira de fingir um tiroteio.
Eventualmente Fabi disparou dois tiros abafados, e, em seguida, foi a
vez de Romero e Matteo. Quando a bala de Matteo cortou o braço de
Fabi, eu estremeci. Meu irmão deixou derrubou sua arma e caiu de
joelhos, com o rosto contorcido de dor. Nada sobre isso era falso.
Romero correu para o nosso carro e deslizou atrás do volante. Matteo
apertou o botão que fazia deslizar as portas da garagem. A maioria dos
convidados tinha estacionado na garagem, pelo que eu temi que o som
fosse chamar a atenção para a nossa fuga antes mesmo de Fabi
começar a gritar. Eu duvidava que alguém tivesse ouvido os tiros
silenciosos através do teto espesso da garagem subterrânea. Romero
dirigiu nosso carro até a encosta e para baixo em direção à entrada de
automóveis. Matteo estava no comando do volante do outro carro e logo
atrás de nós. Aceleramos até a calçada, passado por um par de
convidados embriagados que se sentavam em um dos bancos de
mármore do jardim. Meu coração disparou no peito, mas não havia
tempo para me preocupar. Me segurei enquanto dirigimos para fora das
instalações em uma velocidade vertiginosa. Olhei pelo espelho
retrovisor, mas o único carro atrás de nós era o que tinha minhas irmãs
e seus maridos. — Ninguém está nos seguindo, — eu disse.

— Dê um momento. A maioria deles está bêbado e vai demorar


um pouco para descobrirem o que está acontecendo, mas alguém vai
estar sóbrio o suficiente para nos perseguir, — disse Romero.

Ele parecia calmo sobre isso. Não era algo novo para ele, mesmo
que fossem as circunstâncias que nos levaram a estar aqui, mas
Romero era um Made Men há bom tempo. Esta não era a sua primeira
perseguição e não seria a última.

Eu apertei os meus olhos fechados, tentando chegar a um acordo


com tudo o que aconteceu nas últimas vinte e quatro horas. Eu
caminhei pelo corredor em direção a um marido que eu odiava, um

~ 214 ~
marido que o homem que eu amava tinha matado para mim. Romero
ligou nossos dedos e meus olhos se abriram. Apesar da nossa
velocidade, ele estava dirigindo com uma mão só. Ele tinha escondido a
arma no compartimento entre nossos assentos. Eu lhe dei um sorriso
agradecido. — Quando estivermos de volta à Nova York, o que vai
acontecer?

— Você vai morar comigo, — ele fez uma pausa. — A menos que
você prefira ficar com uma de suas irmãs.

Eu balancei minha cabeça. — Eu não quero ficar longe de você


novamente.

Romero trouxe a minha mão aos lábios e a beijou suavemente,


mas então os seus olhos dispararam para o espelho do lado e ele ficou
tenso. Ele me soltou e agarrou a arma.

Olhei por cima do meu ombro. Três carros estavam nos


perseguindo. Eu afundei ainda mais no meu lugar e cruzei as mãos,
fazendo uma rápida oração. Eu não era particularmente religiosa, mas
parecia que era a única coisa que eu podia fazer. Até agora, nenhum
único tiro havia sido disparado de ambos os lados e isso me fez
perguntar se havia uma armadilha em algum lugar. — Por que eles não
estão atirando?

— Essa é uma área residencial e Dante não gostaria de chamar a


atenção para a Outfit. Presumo que ele deu ordens para esperar até que
estejamos fora dos limites da cidade, o que será a qualquer momento.
Estamos atravessando uma área industrial.

Ele estava certo. Uma vez que as casas de família foram


substituídas por instalações de armazenamento, os carros da Outfit
fecharam em nós e começaram a atirar. Desde que Matteo estava logo
atrás de nós com o outro carro alugado, Romero não tinha um tiro
limpo em nossos perseguidores, mas eu podia ver Luca disparando pela
janela do passageiro aberta. Eu não podia ver Aria e Gianna; elas
provavelmente estavam agachadas no banco de trás para não serem
atingidas por nada.

E se nós não conseguíssemos fugir? E se as nossas vidas


terminassem aqui?

Uma das balas atravessou o vidro de um dos nossos


perseguidores. O carro girou e parou. Mas os outros dois veículos
continuaram. Eu não poderia nem mesmo ver a placa deles mais.

~ 215 ~
Eu não tinha certeza de quanto tempo eles correram atrás de nós,
mas eu sabia que em um ponto Matteo ou Romero iriam cometer um
erro e perder o controle do carro.

De repente, os dois carros diminuíram, fizeram uma curva e


voltaram por aonde vieram.

— Por que eles pararam de nos seguir?

— Ordens de Dante, eu assumo. Eu te disse, ele é um homem


muito cauteloso. Ele vai esperar por uma oportunidade melhor para nos
fazer pagar. Isso é muito arriscado para o seu gosto, — disse Romero.

Eu exalei. Eu sabia que isso estava longe de terminar. Pelo que eu


conhecia de Dante, Romero estava certo, mas eu estava simplesmente
feliz que hoje à noite nós todos saímos ilesos. Teríamos que cuidar do
resto amanhã. Olhei para Romero novamente. Eu não podia acreditar
que eu finalmente tinha a chance de estar com ele. Com exceção de
duas pausas para o banheiro, não paramos nossos carros até Nova
York, e mal conversamos também. Quando a linha do horizonte de Nova
York finalmente se levantou do lado de fora do carro, alívio me inundou.
Por alguma razão, a cidade já me fazia sentir em casa e eu sabia que
estaria mais segura aqui. Esta era a cidade de Luca. Não seria fácil para
Dante nos atacar aqui.

~ 216 ~
Capítulo Dezenove
ROMERO
Depois de mais de catorze horas na estrada, chegamos â
cobertura de Luca. Lily tinha adormecido um par de vezes durante a
nossa viagem, mas ela se assustava e acordava quase que
instantaneamente. Ela provavelmente estava tendo pesadelos com
Benito. Eu estava tão feliz que eu tinha matado o maldito. Quando
entrei no quarto principal e vi Benito com um abridor de carta em seu
corpo, eu queria gritar de alegria. Mas eu sabia que as próximas
semanas e meses, talvez anos, seriam difíceis para a Família, e para
cada um de nós. Dante iria retaliar com tudo o que tinha.

Eu estacionei o carro na garagem subterrânea e saí. Lily mal


conseguia ficar em seus próprios pés de exaustão, mas ela vestiu sua
máscara corajosa. Eu não queria nada mais do que levá-la para casa
comigo, mas primeiro Luca, Matteo e eu precisávamos ter uma conversa
sem o risco de um ataque da Outfit.

Quando entramos no apartamento, Aria e Gianna levaram Lily em


direção ao sofá. Um protesto estava na ponta da minha língua. Eu
ainda me sentia muito protetor com ela depois de quase a perder, e
queria ela ao meu lado em todos os momentos, mas teria sido ridículo
dizer alguma coisa. Ela ainda estava no mesmo lugar que eu. Seu olhar
de perda na minha direção quando ela se sentou entre suas irmãs me
disse que Lily se sentia da mesma maneira.

— Temos que chamar todos para uma reunião. Eles precisam


saber que a trégua entre a Outfit já não está em vigor. Eu não quero
que ninguém caia em uma armadilha porque achava que podia confiar
em algum bastardo da Outfit, — disse Luca. Eu poderia dizer que ele
ainda estava chateado comigo, e ele tinha todo o direito de estar. Ele
não ter me matado foi um sinal maior de sua amizade, um que eu
jamais esperava.

~ 217 ~
— Algumas pessoas podem não ficar felizes com você e Liliana, —
disse Matteo. — Eles provavelmente não farão nada com esse
ressentimento, mas eu teria cuidado se fosse você.

— Não se preocupe. E se alguém colocar um dedo sobre Lily, eu


vou rasgar a garganta do bastardo.

— Eu acho que você já causou danos suficientes, — disse Luca


firmemente. — E ninguém vai tentar ferir Liliana. Ela é agora parte da
Família e está sob minha proteção. Suponho que você vai se casar com
ela?

Eu não tinha a proposto em casamento, mas queria que ela fosse


minha esposa — Se ela aceitar, eu vou me casar com ela.

— Depois de todo o drama de hoje, é melhor que ela se case com


você, — Matteo murmurou. Ele se inclinou contra a mesa de jantar e
bocejou amplamente.

— Eu vou pedir a mão dela em breve.

Luca levantou a mão. — Essa não é nossa principal preocupação


no momento. Temos que redobrar as medidas de segurança. Nós não só
sequestramos a filha de Scuderi, como matamos um capitão com uma
legião de soldados fieis. Haverá sangue como pagamento.

Eu dei outro olhar para Lily. A Outfit poderia tentar matá-la.


Conhecendo seu pai, ele mesmo, provavelmente, iria fazer isso. Ele teria
que passar por mim se quisesse machucá-la.

*****

LILIANA
Depois de duas horas no apartamento de Luca, estávamos
finalmente na casa de Romero. Eu nunca tinha estado lá e estava
curiosa, apesar do meu cansaço. Eu poderia dizer que Romero estava
tenso, mas eu não tinha certeza do por quê. Talvez ele lamentasse tudo
o que tinha acontecido? Ou talvez ele só estivesse preocupado com o
que estava por vir.

Romero destrancou a porta e abriu para mim. Passei por ele e


entrei em um longo corredor. Fotos de família em bonitas molduras de

~ 218 ~
prata decoravam as paredes. Prometi a mim mesma dar uma olhada
mais de perto quando os meus olhos não estivessem pesados demais.
Havia várias portas dos dois lados do corredor. Romero me levou para a
última à direita. Um quarto de casal esperava atrás dela, mas nós não
paramos ali. Nós tínhamos estado na estrada por horas e eu estava
acordada há mais de um dia. Já passava do meio-dia, e eu queria
dormir.

Mas eu ainda podia sentir o cheiro de Benito em mim; o seu


sangue, seu suor, o seu odor corporal. Isso me deixava enjoada. Romero
abriu a porta para o banheiro adjacente. Eu rapidamente deslizei para
fora da minha roupa e entrei no chuveiro. Romero me observava em
silêncio, um olhar indecifrável no rosto. Ele parecia exausto. Quando a
água quente escorreu pelo meu corpo, senti um pouco da tensão deixar
os meus membros.

— Você quer ficar sozinha? — Romero perguntou depois de um


momento. Ele parecia... incerto. Isso não era algo que eu estava
acostumada a ver nele. Talvez eu precisasse levar em consideração que
ele precisava de algum tempo para trabalhar suas emoções.

Eu balancei minha cabeça. — Eu quero que você se junte a mim.

Romero saiu de suas roupas. Eu não tentei esconder a minha


admiração enquanto eu o assisti. Eu amava o corpo de Romero. Eu
amava tudo sobre ele. Me mexi para o lado para que ele pudesse entrar
no chuveiro comigo. Escorreguei os meus braços ao redor da sua
cintura e apertei a minha bochecha contra seu peito enquanto a água
caía sobre nós. Eu tinha sentido falta da sensação de sua pele contra a
minha. Apertei os meus olhos fechados. Tanta coisa havia acontecido e
muito ainda estava por vir.

— As coisas vão ficar realmente ruins para Luca e a Família


agora, não vão?

Romero acariciou minhas costas. — A união entre a Família e a


Outfit quebraria em algum momento. Eu prefiro que isso tenha
acontecido por causa de algo tão importante, como você, do que por
dinheiro ou política. Você vale uma guerra.

— Eu não tenho certeza se Luca concorda. Ele provavelmente já


está arrependido de me trazer para Nova York.

— Eu conheço Luca. Ele não se arrepende das suas decisões.


Uma vez que ele coloca algo em sua cabeça, mantém até o fim. E isso

~ 219 ~
não foi apenas por você. Foi também por Aria e Gianna. Elas querem
que você seja feliz.

Inclinei a cabeça para cima e sorri para ele. Seu corpo estava me
protegendo da água. Romero abaixou a cabeça e beijou minha testa,
então meus lábios. Nós não aprofundamos o beijo, em vez disso,
terminamos de tomar banho rapidamente. Romero saiu primeiro e
pegou uma toalha. Ele a envolveu em torno de mim e gentilmente
começou a secar o meu corpo. Eu relaxei sob seus cuidados delicados.
O pouco de tensão que restava deslizou para fora de mim. Depois que
ele terminou comigo, eu tirei uma toalha da prateleira e sequei Romero.
Ele fechou os olhos quando eu massageava seus ombros. — Como você
se sente? — perguntei em voz baixa. Eu sabia que os homens, os
homens iniciados em particular, não gostavam de falar sobre os seus
sentimentos, especialmente tristeza ou medo.

Ele olhou para mim. — Cansado.

— Não, quero dizer, você teve que matar Benito por mim. Você
está bem?

Romero soltou uma risada sem humor. Ele pegou minha mão e
me levou de volta para o quarto. Ele se afundou na cama e me puxou
entre as suas pernas, e então me fez sentar em uma delas. — Ele não
foi o primeiro e não será o último, mas eu gostei da sua morte mais do
que das outras, e eu não me arrependo. Eu faria isso de novo e me
divertiria muito.

*****

ROMERO
Era a verdade e agora que Lily e eu começaríamos a viver juntos,
ela precisava saber, precisava conhecer todas as minhas partes
escuras. Eu procurei em seus olhos por um sinal de repulsa, mas não
havia nenhuma. Ela beijou o meu rosto antes de descansar a cabeça no
meu ombro. Seus dedos traçaram meu peito levemente. E a sensação de
sua bunda firme na minha coxa agitou o meu pau, mas agora não era o
momento de seguir esse impulso. Não muito tempo atrás Lily teve que
lutar contra seu novo marido, teve de esfaqueá-lo e vê-lo morrer. Ela
precisava de tempo para se recuperar. Me levantei e levei Lily em meus
braços, e então a coloquei sobre a cama e deitei. Ela manteve as mãos

~ 220 ~
em volta do meu pescoço e não me deixou ir, mesmo quando eu tentei
me endireitar. — Lily, — eu disse calmamente. — Você precisa
descansar.

Ela balançou a cabeça e me puxou para baixo, em cima dela. Eu


me apoiei em meus cotovelos para eu não esmagar ela sob o meu peso.
Lily colocou as pernas em torno de meus quadris e cavou seus pés na
parte inferior das minhas costas, me pressionando ainda mais para
baixo.

Eu não resisti. Lentamente, me abaixei até que nossos corpos


estavam um contra o outro e meu pau pressionado contra a sua buceta.
Ela levantou a cabeça para reclamar minha boca em um beijo. Olhei em
seus olhos, eles estavam suaves e cheios de desejo. Eu não tinha
certeza de como eu poderia ter acreditado que Lily não me queria. Seus
olhos mostravam seu amor por mim tão claro como o dia.

— Eu preciso de você, — ela murmurou, levantando seus quadris


algumas polegadas e fazendo meu pau deslizar sobre os lábios
inferiores. Deixei escapar um pequeno chiado com a sensação. Ela
estava molhada e quente. Ela sempre estava convidativa e tentadora pra
caralho. E ela não precisava pedir duas vezes. Eu sempre a queria.
Rapidamente coloquei um preservativo, segurei a cabeça e entrei nela
lentamente, e quando o fiz, percebi o quanto eu precisava disso
também. Ela estava mais apertada do que o habitual, talvez por causa
da tensão e do cansaço, e me certifiquei de ser cuidadoso.

Eu fiz amor com ela lentamente. Isso não era sobre ter pressa,
sobre ser consumido pelo desejo e pela luxúria, era algo para nos
mostrar que estava tudo bem. Alguns dias atrás eu pensava que iria
perdê-la para sempre e agora ela era minha.

Entre gemidos suaves ela me disse que me amava. Eu beijei os


seus lábios. Eu nunca tinha sido o tipo excessivamente emocional, mas
nunca me cansava de dizer essas palavras. — Eu também te amo — era
estranho para mim admitir isso para alguém.

Enquanto estávamos nos braços um do outro, eu senti uma


profunda e abrangente paz que nunca tinha sentido antes.

*****

~ 221 ~
Acordei ao nascer do sol, mas Lily não estava lá. Me endireitei
rápido para chegar à minha arma na mesa de cabeceira, como sempre
esperando o pior. Mas Lily estava na janela, olhando para fora. Eu não
tinha janelas do chão ao teto, como na cobertura de Luca, mas elas não
eram exatamente pequenas. Porém, Lily tinha crescido como a filha de
um Consigliere. Ela teve o melhor de tudo a vida toda.

Girei minhas pernas para fora da cama e caminhei em direção a


ela.

— Não são tão grandes como você está acostumada. A casa da


sua família e a cobertura de Aria são muito maiores do que o meu
apartamento. Você vai ser a esposa de um mero soldado.

Lily saltou, então ela olhou por cima do ombro para mim.

— Você realmente acha que eu me importo com essas coisas?


Quando eu morava em uma casa enorme e tinha mais dinheiro do que
eu poderia gastar, nunca fui feliz, mas quando estou com você, eu sou.

— Ainda assim, esta será uma grande mudança para você, — eu


disse. Eu não era exatamente pobre, mas ela não seria capaz de viver
no mesmo nível que tinha vivido até agora.

Lily se virou para mim totalmente e tocou o meu rosto. — Eu só


quero você, Romero. Eu não me importo com dinheiro, — ela gesticulou,
apontando todo o quarto. — E este é um lugar lindo. A maioria das
pessoas ficaria feliz em viver aqui. Eu amo isso.

Era por isso que eu sabia que Lily era a única.

O sol finalmente espiou por sobre os arranha-céus ao redor. —


Olha, — eu disse, apontando na direção da cidade.

Lily se virou em meus braços, as costas pressionadas contra o


meu peito, enquanto nós assistimos o nascer do sol. Eu queria
aproveitar este momento de paz e tranquilidade, porque eu sabia que
não haveria muitos mais momentos como esse hoje. A Família estava
em guerra com a Outfit agora.

— Estou preocupada com Fabi. Eu gostaria que houvesse uma


maneira de descobrir se ele está bem. E se Dante e o pai não
acreditaram na sua história? Eu nunca poderia me perdoar se algo
acontecesse com ele por minha causa.

— Eu vou descobrir uma maneira de conseguir informações, mas


eu tenho certeza que ele está bem. Ele é o único filho do seu pai. Mesmo

~ 222 ~
que o seu pai esteja descontente com ele, Fabi não será punido, é muito
difícil que isso aconteça.

— Ele está casado com uma mulher jovem agora. Ele poderia ter
um novo herdeiro, — disse ela amargamente.

— Me deixe chamar Luca e ver se ele sabe alguma coisa, — eu


disse a ela, a soltando do abraço. Luca provavelmente já estaria
acordado, se ele tivesse ido para a cama cedo.

Luca atendeu após o segundo toque. — Você matou outro


membro da Outfit? — ele disse primeiramente em tom de brincadeira,
mas eu podia ouvir a tensão em sua voz.

— Não. Você já ouviu alguma coisa? Dante tentou entrar em


contato com você?

— Ele não tentou. Ele só me enviou um e-mail através de um de


seus homens dizendo que a nossa cooperação está encerrada.

— Ele nem mesmo entrou em contato com você pessoalmente, ou,


pelo menos, através de seu Consigliere? — perguntei. Esse era um show
flagrante de desrespeito e mostrou o quão ruim a situação realmente
era.

— Eu não acho que Scuderi está muito interessado em falar


comigo agora, — disse Luca ironicamente.

Lily veio até mim, um olhar ansioso no rosto.

— Acho que não, — eu disse. — Ouça Luca, Lily está realmente


preocupada com seu irmão. Você tem alguma maneira de descobrir se
ele está bem?

— Aria vem tentando entrar em contato com Valentina, mas até


agora ela não teve sorte. Ela vai tentar novamente mais tarde. Você e
Lily devem vir de qualquer maneira. Temos muito a discutir e as
mulheres podem passar algum tempo juntas.

— Certo. Nós estaremos aí em breve, — eu desliguei.

— E? — Perguntou Lily, esperançosa.

— Luca não tem qualquer informação sobre o seu irmão ainda,


mas ele e Aria estão tentando entrar em contato com Valentina.

~ 223 ~
— Você realmente acha que Val vai atender as ligações de Aria?
Ela é a esposa de Dante e agora que há guerra entre Nova York e
Chicago, ela arriscaria muito por entrar em contato com Aria.

Romero tocou minha bochecha. — Nós vamos descobrir sobre o


seu irmão, Lily, eu prometo.

*****

LILIANA
Tomamos banho rapidamente antes de irmos para o apartamento
de Aria. Quando chegamos, Gianna e Matteo já estavam lá, apesar de
ser apenas sete da manhã. O cheiro de café feito me cumprimentou e
pasteis esperavam no balcão da cozinha. Minhas irmãs estavam em pé,
conversando, e eu segui na direção delas enquanto Romero andou até
Luca e Matteo, que estavam sentados nos bancos na ilha de cozinha.

Aria colocou o braço em volta de mim. — Como você está Lily?

— Bem. Eu não dormi muito, mas estou muito feliz de estar aqui
com vocês e Romero.

— É claro que você está, — disse Gianna. — Estou tão feliz que
Romero se livrou daquele bastardo doente do Benito.

Uma imagem do sangue cobrindo o corpo de Benito surgiu na


minha cabeça, mas eu a empurrei de lado. Eu não queria pensar nele
mais. Ele não fazia parte da minha vida.

Aria me entregou uma xícara de café. — Aqui, você parece como


se precisasse disso. E você deve comer alguma coisa.

— Mamãe galinha modo ativado, — brincou Gianna, mas, em


seguida, ela também me encarou com um olhar preocupado. — E?
Como foi a sua primeira noite com Romero?

— Gianna, — Aria advertiu. — Lily passou por muita coisa.

— Está tudo bem. Eu amei passar a noite nos braços de Romero,


sem ter medo de ser pega. Pela primeira vez, pudemos ver o pôr do sol
juntos.

— Estou tão feliz que você esteja feliz, — disse Aria.

~ 224 ~
Eu balancei a cabeça. — Mas eu não posso deixar de me
preocupar com Fabi. Eu quero saber se ele está bem.

— Eu deixei duas mensagens de voz no telefone do Val. Eu


realmente espero que ela me ligue de volta.

— Mesmo que ela faça, — disse Matteo. — Nós não sabemos seus
motivos. Ela poderia estar fazendo isso a mando de Dante e estar à
procura de informações.

— Val não faria isso, — disse Aria, incerta.

— Ela é a esposa do chefe. A Outfit está onde suas lealdades se


encontram. Você faz parte da Família, o que faz de você uma inimiga, —
disse Luca.

Olhei para Romero. Tudo isso porque eu amava um homem que


eu não deveria amar, e porque eu queria estar com ele. Eu era uma
vadia egoísta? Romero encontrou meu olhar. Eu gostaria de poder dizer
que eu não faria isso novamente, mas olhando para ele agora, eu sabia
que eu ia esfaquear Benito quantas vezes fosse preciso para me salvar
de um casamento horrível e ficar com o homem com o qual eu deveria
passar minha vida.

Eu era uma vadia egoísta.

— Ei, — Aria disse gentilmente. — Não fique tão triste.

Me voltei para ela. — Você e Val se davam tão bem. Eu sei que
vocês conversaram no telefone muitas vezes e agora você não pode, por
causa da bagunça que eu causei.

— Você é minha irmã Lily, e vê-la feliz e tê-la em Nova York com a
gente é mais importante do que a minha amizade com Val. E talvez
Luca possa negociar outra trégua com Dante. Dante é um homem
pragmático.

— Não enquanto o seu pai for o Consigliere. Seria como um tapa


na cara do seu pai se Dante não buscasse vingança, — disse Romero.

— Eu odeio essa porcaria de vingança, — Gianna murmurou.


Matteo levantou de seu banco, se aproximou dela e a puxou contra ele
com um sorriso. — Eu sei que você odeia, mas é como as coisas são.

Gianna revirou os olhos, mas deixou Matteo beijá-la. No passado,


isso teria enviado uma pontada de inveja através de mim, mas agora eu
caminhei até Romero e me inclinei contra ele. Seu braço passou pelos

~ 225 ~
meus ombros e ele beijou a minha têmpora. — Nós já estivemos em
guerra com a Outfit antes. Nós vamos lidar com isso.

— Eu não quero que as pessoas morram por minha causa.

— Romero está certo. Nós vamos passar por isso. E eu não acho
que Dante vai matar um dos nossos. A ameaça da Rússia ainda é muito
forte. Ele não pode arriscar vidas de seus soldados em uma guerra com
a gente.

— Nem nós podemos, — acrescentou Matteo.

Um telefone tocou, nos fazendo saltar. Aria pegou seu telefone do


balcão e olhou para a tela, então ela levantou a cabeça com os olhos
arregalados. — É Val.

Luca se levantou. — Não deixe que escape nada sobre Fabi ter
nos ajudado, e tenha cuidado.

Aria balançou a cabeça, e então ergueu o telefone até o ouvido. —


Olá? — ela fez uma pausa. — Estou tão feliz que você ligou. Você pode
falar? — Aria ouviu por alguns segundos, sua expressão caindo. —Eu
sei. Eu só queria perguntar sobre Fabi. Ele levou um tiro quando tentou
nos parar e eu estou tão preocupada com ele. Ele é tão jovem. Ele não
deveria ter sido envolvido neste processo. Você pode me dizer como ele
está?

Aria soltou um suspiro. — Então ele está bem? Ele vai ser capaz
de usar o seu braço como antes?

Eu caí contra Romero, mas, as próximas palavras de Aria ficaram


tensas novamente. — Ele está com grandes problemas porque não foi
capaz de nos parar? — Aria balançou a cabeça, e então nos deu um
sinal de positivo. Ela ficou em silêncio por um longo tempo depois,
ouvindo Val.

— Ok, eu vou dizer a ele. Muito obrigada, Val. Eu não vou


esquecer de você. Espero que os nossos homens descubram alguma
forma de resolver isso em breve. Eu vou sentir falta das nossas
conversas. Adeus.

— Então? — perguntei no momento em que ela tinha desligado.

— O pai e Dante parecem ter acreditado na história de Fabi.


Ninguém o culpa por nos deixar fugir. Ele não tinha experiência
suficiente para o trabalho. Foi só por causa da insistência do pai que
ele ganhou a tarefa, em primeiro lugar.

~ 226 ~
Luca parecia um cão farejando sangue em uma trilha. — Ela
disse alguma coisa? Sobre os planos de Dante e seu humor?

— Ele está furioso, — Aria disse com um encolher de ombros. —


Mas ele pediu que Val te desse uma mensagem, — ela disse para Luca,
seus olhos voando para mim.

Romero chegou ainda mais perto do meu lado. Eu tive um


pressentimento de que sabia qual era a mensagem.

— Se nós enviarmos Lily de volta hoje, eles podem considerar não


retaliar.

Romero saltou para fora do banco. — Ela não vai voltar.

Luca estreitou os olhos, mas, em seguida, respirou fundo. —Claro


que não. Dante sabe que não vamos concordar com essa oferta. É por
isso que ele fez.

Romero esfregou meu braço levemente e trouxe sua boca até a


minha orelha. — Ninguém vai tirar você de mim. Eu vou lutar um
milhão de guerras se isso significa que posso te manter comigo.

*****

Dois dias se passaram, mas eles poderiam muito bem ter sido
uma vida. Romero tinha estado ocupado e eu passei a maior parte do
tempo com minhas irmãs. Mas essa noite Romero queria que nós
jantássemos sozinhos no seu, não, no nosso apartamento. Ele tinha
pedido comida no seu restaurante italiano favorito e colocou tudo em
cima da mesa de jantar em sua cozinha enorme.

Poucos minutos depois de começarmos a comer, Romero pousou


o garfo. — Luca me fez capitão.

— Sério? Isso é maravilhoso! — pude ver o quanto isso significava


para ele. Eu nunca tinha tido a sensação de que ele estava infeliz como
guarda-costas de Aria, mas é claro que era um grande negócio ser
promovido, especialmente porque a máfia era um lugar onde as pessoas
geralmente assumiam a posição de seu pai. — Com qual negócio você
vai ficar?

— Eu vou tomar conta de alguns clubes em Harlem. O antigo


capitão está com câncer e precisa se aposentar, mas ele tem apenas

~ 227 ~
filhas, então Luca decidiu me dar os seus negócios. Eu vou fazer mais
dinheiro para nós.

Eu sorri. — Você sabe que eu não me importo com isso. Eu só


estou feliz por você, porque você merece.

Romero fez uma careta. — Algumas pessoas não pensam assim,


depois que eu causei a guerra com a Outfit.

— Eu pensei que a maioria dos homens estavam ansiosos para


deixar de cooperar com Chicago?

— Somente aqueles que pensam que eu mereço ser o capitão, —


disse ele, divertido.

— Então, quem será o novo guarda de Aria?

— Isso é um meio que um problema. Sandro vai ser o guarda de


Aria e Gianna por enquanto. Mas isso não será o suficiente,
especialmente porque você está com elas muitas vezes. Ele não pode
proteger vocês três, mas vamos descobrir alguma coisa.

Quando nós estávamos satisfeitos, Romero se levantou e


caminhou ao redor da mesa em minha direção. Eu o observei confusa.
Ele parecia nervoso?

Sem aviso, Romero caiu de joelhos bem na minha frente e puxou


uma caixa de cetim pequena do bolso da calça. Eu congelei quando ele
a estendeu para mim e abriu, revelando um anel de diamante bonito. É
claro que eu esperava que nos casássemos em breve. Isso era esperado
em nosso mundo, mas eu não esperava que Romero já tivesse
comprado um anel. Ele não tinha perdido tempo nenhum, isso era
certo!

— Eu sei que você já passou por muita coisa e sua experiência no


último casamento foi horrível, mas eu espero que você me dê outra
chance. Eu quero ser o marido que você merece. Eu quero fazer você
feliz e amar você, se você me deixar. Quer se casar comigo?

Me atirei em seus braços, meus joelhos colidiram com o chão


duro, mas eu quase não senti. — Deus, sim, — eu o beijei ferozmente.

Romero sorriu quando ele se afastou. Nós não conseguíamos


levantar do chão. Enquanto eu estivesse nos braços de Romero, não me
importava onde eu estava. — Eu entendo se você quiser esperar um
pouco antes de se casar comigo. Você provavelmente não está no humor
para planejar um casamento.

~ 228 ~
Eu balancei a cabeça rapidamente. — Esse é um casamento que
eu quero planejar. Dessa vez eu vou gostar de tudo. Eu posso levar Aria
e Gianna parar comprar o vestido de noiva comigo, estou realmente
animada sobre isso.

Ele riu. — Mas eu quero que você conheça a minha família em


primeiro lugar. Assim podemos já contar a todos a boa notícia.

— Ah, claro, — eu disse lentamente. Eu estava animada para


conhecer a família de Romero, mas eu também estava preocupada que
eles não gostassem de mim.

*****

No dia seguinte, Romero me levou para conhecer a sua família.


Sua mãe vivia com seu novo marido e as três irmãs de Romero em um
modesto apartamento não muito longe do nosso. Eu não deveria ter me
preocupado que eles não gostassem de mim. Eles eram um tipo de
pessoas humildes. Eu já conhecia suas duas irmãs mais velhas, porque
elas foram à minha festa de aniversário alguns anos atrás, mas nós
tínhamos crescido e sua irmã mais velha, Tamara, já tinha até
começado a faculdade. Algo que eu nunca tinha considerado, porque eu
sabia que o pai não aprovaria.

Jantar na minha família sempre foi uma questão formal, com


meu pai se sentando no final da mesa e com todos em seu melhor
comportamento. Bem, exceto por Gianna talvez. Mas com a família de
Romero foi fácil e divertido. Nós conversamos e rimos toda a noite, e
quando Romero disse a eles que íamos nos casar, eles me abraçaram e
ficaram realmente felizes. Ninguém olhou para mim de forma estranha
porque eu tinha casado com Benito menos de uma semana atrás.

Eu soube então que eu seria feliz nesta nova vida, não apenas por
causa do amor de Romero, mas por causa das minhas irmãs e minha
nova família. Isso não me fez deixar de sentir falta de Fabi, no entanto,
mas eu tinha que confiar que ele iria encontrar sua própria felicidade
um dia, mesmo que eu nunca o visse outra vez.

~ 229 ~
Epílogo
LILIANA
Eu esperei por esse momento por muito tempo, imaginei tantas
vezes que quase parecia um déjà-vu. Enquanto algumas semanas atrás,
no meu casamento com Benito, havia apenas ansiedade, tristeza e
medo, agora eu me sentia como se pudesse voar. Felicidade e euforia
enchiam meu corpo. Eu não podia esperar para que a festa acabasse, e
assim Romero iria poder me despir e fazer amor comigo outra vez. A
única coisa que faltava para que o dia fosse perfeito era Fabi. Eu não o
tinha visto desde a minha noite de núpcias e não tinha certeza se algum
dia o veria novamente. Eu não sabia se ele estava bem. Se ele tinha
ficado em apuros por levar um tiro.

Romero me levantou em seus braços sob os aplausos


entusiasmados dos nossos convidados. Eu não pude deixar de rir. Eu
nunca me senti mais leve, como se a qualquer momento eu fosse
flutuar no céu. Arrisquei um olhar para cima, querendo saber se minha
mãe estava assistindo. Eu tinha feito o que ela queria. Eu tinha
arriscado a felicidade, e valeu a pena. Romero beijou o meu rosto,
puxando a minha atenção de volta para ele. Nossos olhos se
encontraram e meu coração se encheu de amor. Ele começou a
caminhar em direção ao nosso quarto, e desta vez eu mal podia esperar
para chegar, para estar a sós com meu marido, para que ele e eu
fossemos um só. Era assim que deveria ser. Toda mulher deveria estar
feliz no dia do seu casamento, deveria se sentir segura nos braços de
seu marido, deveria ter o direito de se casar por amor e não porque
alguém que assim seria.

Eu pressionei meu rosto na curva do pescoço dele, sorrindo para


mim mesma. Pelo canto do olho, avistei minhas irmãs e seus maridos.
Aria sorriu para mim, e Gianna balançou as sobrancelhas. Eu sufoquei
uma risada. Romero roçou os lábios em meu ouvido. — Eu mal posso
esperar para te despir e beijar cada polegada da sua pele macia.

Desejo correu através de mim. — Depressa, — eu sussurrei.

~ 230 ~
Romero riu, mas ele realmente acelerou. Ele abriu a porta do
nosso quarto com o cotovelo, e então a chutou, fechando-a antes de
atravessar o quarto em direção à cama e me colocando nela.

— Deus, você é tão bonita. Eu não posso acreditar que você é


finalmente a minha.

— Eu sempre fui sua.

Romero segurou meu rosto e me beijou ferozmente antes que


suas mãos começassem a trabalhar no meu vestido, revelando
lentamente cada centímetro do meu corpo. Ele beijou todos os pontos,
mas não os lugares que eu queria que ele beijasse. Quando eu estava
diante dele apenas de calcinha e espartilho, seus olhos traçaram meu
corpo com fome e reverência. Eu amava esse olhar. Ele fazia eu me
sentir a garota mais bonita do mundo. Ele deixou os dedos deslizarem
sobre meus tornozelos, então subiram por minhas panturrilhas e coxas
até chegarem à calcinha. Levantei meus quadris. Romero soltou uma
risada baixa e beijou meu osso ilíaco, depois lambeu o local. — Romero,
por favor, — ele enfiou os dedos sob minha calcinha e deslizou para
baixo. Quando ele voltou, separou as pernas e fechou a boca sobre a
minha fenda. Eu exalei. Com cursos lentos de sua língua Romero me
dirigiu mais alto, e quando ele deslizou um dedo em mim, o prazer rolou
por todas as partes. Meus dedos curvaram e minhas costas se
arquearam contra a cama, mas Romero continuou a me dar prazer até
que eu não aguentei mais e empurrei sua cabeça para longe, rindo e
ofegando.

— Seu primeiro orgasmo como minha esposa, — disse Romero


com um sorriso de autossatisfação, enquanto se arrastava até pairar
sobre mim.

— Eu espero que não seja o último, — eu provoquei.

— Você está dizendo que ainda não está satisfeita? — ele deslizou
um dedo em mim outra vez e se mexeu lentamente.

Eu balancei minha cabeça.

Romero tirou o dedo e desamarrou meu espartilho, o que expôs


meus seios nus. Ele chupou um dos meus mamilos na boca, enquanto
mergulhava um dedo em mima novamente.

Foi tão bom, e eu podia sentir o orgasmo chegando mais uma vez
— Eu preciso de você dentro de mim, — eu implorei.

~ 231 ~
Romero não perdeu tempo. Ele saiu da cama e rapidamente se
despiu. Seu pênis já estava duro e brilhante. Ele se moveu entre as
minhas pernas. Eu fechei a minha mão em torno de seu eixo,
desfrutando de sua firmeza e calor. Acariciei algumas vezes antes de o
guiar em direção à minha entrada. Quando a ponta roçou na minha
abertura, eu relaxei contra os travesseiros. Romero começou a entrar
em mim lentamente. Eu podia sentir cada polegada até que ele
finalmente me encheu por completo. Eu passei os meus dedos ao redor
do seu pescoço e o puxei para baixo para um beijo. Eu amava beijar ele,
a forma como sua barba arranhava levemente o meu lábio, seu gosto,
tudo. Eu nunca tinha o suficiente.

Romero começou um ritmo lento, deslizando para fora, apenas


para voltar seu caminho para dentro outra vez — Se acaricie, — ele
ordenou em um murmúrio.

Eu não hesitei. Furtivamente coloquei o meu braço entre nossos


corpos e meus dedos encontraram meu clitóris. Comecei a desenhar
pequenos círculos. Ocasionalmente eu encostava no pau de Romero e
isso me levou ainda mais alto.

— Sim, baby, goze para mim, — Romero respondeu asperamente.


Ele beijou o meu pescoço e uma de suas mãos agarrou minha perna e
eu segurei o seu quadril. Eu me acariciei ainda mais rápido e quando
Romero empurrou dentro de mim novamente, eu despedacei. Meu corpo
arqueou para fora da cama. Romero gemeu, seus empurrões chegando
mais e mais rápido e então eu o senti se liberar em mim.

Eu tremia com o meu orgasmo. Romero enterrou o seu rosto


contra o meu pescoço e eu corri minhas mãos pelo seu cabelo e para
baixo em suas costas. Depois de um momento, ele rolou de cima de
mim para ficar de costas, e me puxou com ele, então eu estava sobre o
seu peito. Corri meus dedos sobre o cabelo em seu peito, e ouvi o seu
batimento cardíaco rápido.

— Eu não posso acreditar que você é finalmente minha. Ninguém


pode te levar para longe de mim agora, — Romero deu um beijo no topo
da minha cabeça. Eu sorri, satisfeita e feliz. De repente, meus
pensamentos estavam em Fabi, imaginando o que ele estava fazendo
agora. Sem ele e minhas irmãs, eu não estaria deitada ao lado de
Romero nesse momento. Eles arriscaram muito pela minha felicidade,
por isso eu tinha Romero. Eu sempre seria grata por aquilo que eles
tinham feito por mim. Eu tentaria fazer os seus sacrifícios valerem a
pena, eu tentaria viver a vida ao máximo.

~ 232 ~
Eu me virei e Romero passou os braços em volta de mim por trás.
Já era tarde e eu estava exausta. Finalmente, Romero adormeceu. Eu
adorava ouvi-lo dormir ao meu lado. Isso sempre veio para mim com
facilidade.

A respiração de Romero se espalhou sobre o meu ombro nu. Eu


não conseguia dormir, embora estivesse saciada e exausta. Saí debaixo
do braço de Romero e também da cama. Eu agarrei um roupão de
banho e o coloquei antes que fizesse o meu caminho até a porta e saísse
para a varanda, que tinha uma bela vista da casa e sobre o oceano.
Amanhã teríamos que voltar para Nova York, e então nossa vida como
casal iria realmente começar. Observei o céu noturno. As estrelas eram
sempre mais brilhantes fora da cidade, e ainda havia sempre um par de
estrelas que brilhava mais. Quando eu era criança, costumava pensar
que elas representavam as pessoas que já tinham morrido, e que
estavam nos assistindo como estrelas. Eu tinha parado de acreditar
nisso há muito tempo. Ainda assim, algumas coisas não mudavam, e eu
me perguntava se em algum lugar, de alguma forma, minha mãe estava
me observando. Será que ela ficaria feliz por mim? Talvez até mesmo se
orgulhasse? Eu nunca iria descobrir, mas mantive minha promessa a
ela. Eu tinha arriscado tudo por amor e felicidade. Olhei por cima do
meu ombro para a forma adormecida de Romero, e então com um
último olhar para as estrelas, voltei para a cama e me aconcheguei
contra ele. Ele colocou o seu braço em volta de mim. — Você saiu da
cama — ele murmurou.

— Eu precisava de ar fresco, — eu disse suavemente.

— Estou feliz que você está de volta.

— Eu amo você, — eu sussurrei.

Os braços de Romero apertaram ao meu redor e ele beijou minha


têmpora. — E eu amo você — talvez as coisas nem sempre fossem fáceis
no futuro, mas eu sabia que nunca ia me arrepender de tomar essa
decisão. O amor valia cada risco.

Fim
~ 233 ~