Você está na página 1de 16

1

REDE FUTURA DE ENSINO

FABIANI CALABREZ DE ANDRADE

COSMÉTICOS ALIADO AO TRATAMENTO CONTRA ACNE VULGAR

Fernandópolis, SP
2019
2

FABIANI CALABREZ DE ANDRADE

COSMÉTICOS ALIADO AO TRATAMENTO CONTRA ACNE VULGAR

Trabalho de conclusão de curso apresentado


como requisito parcial à obtenção do título
especialista em ESTÉTICA e COSMETOLOGIA.

Votuporanga, SP
2019
3

COSMÉTICOS ALIADO AO TRATAMENTO CONTRA ACNE VULGAR


Fabiani Calabrez de Andrade

Declaro que sou autor(a)¹ deste Trabalho de Conclusão de Curso. Declaro também
que o mesmo foi por mim elaborado e integralmente redigido, não tendo sido copiado
ou extraído, seja parcial ou integralmente, de forma ilícita de nenhuma fonte além
daquelas públicas consultadas e corretamente referenciadas ao longo do trabalho ou
daqueles cujos dados resultaram de investigações empíricas por mim realizadas para
fins de produção deste trabalho.
Assim, declaro, demonstrando minha plena consciência dos seus efeitos civis, penais
e administrativos, e assumindo total responsabilidade caso se configure o crime de
plágio ou violação aos direitos autorais. (Consulte a 3ª Cláusula, § 4º, do Contrato de
Prestação de Serviços).

RESUMO - A acne vulgar, uma doença crônica e inflamatória da pele, muito frequente
entre jovens e/ou adultos. A hereditariedade, padrões hormonais característicos da
puberdade e fatores fisiológicos, são os principais fatores desencadeantes da acne.
Afeta normalmente face, tórax e dorso em ambos os sexos, sendo que, a forma mais
severa de acne acomete sexo masculino. Diversos cosméticos estão disponíveis para
amenizar ou controlar essa dermatose, levando em consideração todas as fases em
que a lesão se encontra. O objetivo deste trabalho é abordar essa patologia
determinando assim, um tratamento personalizado para cada tipo de acne, visando e
orientando quanto aos cuidados diários e cosméticos adequados mantenedores da
boa função da pele.
Palavras-chave: Acne vulgar. Tratamento cosmético.

biaecia@yahoo.com.br
4

1 INTRODUÇÃO

A acne vulgar é uma das patologias mais frequentes de pele. Ela acomete
diretamente os folículos pilossebáceos localizados em face, tórax e dorso, onde a
quantidade de glândulas sebáceas estão em maior número, podendo ser encontrada
em condição inflamatória e não inflamatória.
Vários fatores podem contribuir para o seu surgimento ou agravamento, como:
hereditariedade, estresse, medicamentos, proliferação bacteriana, ciclo menstrual,
alimentos, drogas cosméticos rico em óleo mineral, obstrução do folículo piloso,
hiperqueratose, hipersecreção sebácea e padrões hormonais característicos da
puberdade.
Com o avanço da tecnologia e as constante pesquisas na área cosmetológica
têm gerado cosméticos cada vez mais eficientes nos tratamentos estéticos, por isso é
necessário conhecimento na hora da escolha do cosmecêutico ideal durante a
realização do tratamento eleito para o cliente
O objetivo desta pesquisa bibliográfica, é embasar os níveis em que essa
patologia atinge a camada dérmica, com seus graus de acometimentos físicos e
emocionais, buscando um tratamento adequado e qualificado a cada biótipo de pele
acometida. Controlando os diferentes fatores que constituem a sua patogenia,
utilizando-se de terapias cosméticas, que atuem o controle da hiperceratose de
retenção, diminuindo a produção de sebo, reduzindo a população bacteriana e
eliminando a inflamação, prevenindo assim possíveis sequelas da doença.

1 Fundamentação Teórica

1.1 Pele
5

Fonte: Mundo estética.

A pele é de extrema importância, não só estética, mas também como órgão


funcional. Representa o órgão de maior peso corporal, de espessura variável, situada
acima do tecido gorduroso, fáscias, músculos e dos ossos.
LEONARDI, 2005, p.14 a descreve como um órgão de revestimento complexo
e heterogêneo, composto essencialmente de três grandes camadas de tecidos: uma
superior - a epiderme; uma camada intermediária - a derme; e uma camada profunda
- a hipoderme. Segundo BORGES 2010, p.328-329 a pele recobre o corpo,
protegendo-o da perda excessiva de água, do atrito e dos raios ultravioletas. Também
recebe estímulos do ambiente e colabora na regulação da temperatura.
A epiderme, camada mais externa da pele, é constituída por células epiteliais –
os queratinócitos. Dão origem à camada córnea, composta basicamente de queratina,
uma proteína responsável pela impermeabilização da pele. (A PELE)
BORGES e SCORZA 2016, p.22 complementam que o queratinócito, constitui
cerca de 80% da população das células da epiderme e é responsável pela constante
renovação da pele. Além da composição celular A PELE argumenta que na epiderme,
origina aos anexos cutâneos: unhas, pelos, glândulas sudoríparas e glândulas
sebáceas (produzem a oleosidade ou o sebo da pele), sendo mais numerosas e
maiores na face, couro cabeludo e porção superior do tronco, estas glândulas
eliminam sua secreção no folículo pilo-sebáceo.
6

A derme desempenha função de barreira mecânica prevenindo a passagem de


água e substâncias solúveis do meio ambiente para o interior do corpo. (BORGES e
SCORZA, 2016, p.24).
Segundo LEONARDI 2005, p.18 na derme estão presentes as raízes dos pelos,
as glândulas, terminações nervosas, vasos sanguíneos e alguns tipos de células
(sendo na maioria fibroblastos) e ainda, fibras de colágeno e elastina.
A hipoderme, também chamada de tecido celular subcutâneo, é a porção mais
profunda da pele, sendo composta por feixes de tecido conjuntivo que envolvem
células adipócitas e formam lobos de gordura. (A PELE)

1.2 Acne

A acne vulgar é uma doença do folículo pilo-sebáceo, onde participam fatores


genéticos e hormonais, hiperqueratinização folicular, presença da bactéria
Propionibacterium acnes (P. acnes) e aumento da produção sebácea, influenciada por
diversos fatores. Podendo ser encontrada em condição inflamatória e não inflamatória.
(LEONARDI, 2005, p. 134). Para MATOS, 2017 p.93 a acne é uma afecção cutânea
relacionada à produção excessiva do sebo, tendo como causa principal fatores
hormonais. Por isso, é comum manifestar-se na adolescência.
As lesões surgem na puberdade, onde os níveis hormonais estão elevados,
especialmente a testosterona. Esses hormônios estimulam as glândulas da pele,
estimulando-as a produzir mais óleo (sebo). O objetivo do tratamento da acne é
controlar os diferentes fatores que constituem a sua patogenia, utilizando-se de
terapia tópica e/ou sistêmica, visando o controle da hiperceratose de retenção,
diminuindo a produção de sebo, reduzindo a população bacteriana e eliminando a
inflamação, prevenindo assim possíveis sequelas da doença. (RIVITTI, 2008.
MARQUES, 2016. COSMOBEAUTY, 2015).
WOLFF (2006) p.30, ressalta que as lesões iniciam na puberdade, em 85% dos
jovens, de ambos os sexos, podendo se estender até a fase adulta compreendendo
assim diversas faixas etárias. RIVITTI, 2008, p.383 completa dizendo que casos de
lesões mais severas é predominante no sexo masculino, e mais persistentes no sexo
feminino.
Sendo doença de duração prolongada e algumas vezes desfigurante, a acne
deve ser tratada desde o começo, de modo a evitar sequelas tanto físicas (cicatrizes
7

na pele) como emocionais levando à inibição, insegurança, depreciação da


autoimagem, ansiedade, depressão e consequentes transtornos nas relações sociais
e familiares. (TALARICO; HASSUN, 2016. p.17-21. MELO, 2011).
MURAD (2010) p.21 salienta que a avaliação do paciente é essencial para
determinar o protocolo adequado, individualizando cada caso, concentrando-se nas
preocupações e expectativas deste paciente, com o intuito de maximizar resultados e
sua satisfação.

1.2.1 Manifestações clinicas

As manifestações clinicas são caracterizadas por comedões, pápulas, pústulas,


nódulos e abscessos localizados na face, ombros e porção superior o tórax,
geralmente associado com seborreia. (RIVITTI, 2008. Cap. p.382). As lesões se
diferem em formas e intensidades, são divididas em lesões não inflamatórias,
caracterizando a presença de microcomedões, comedões abertos (cravos pretos) e
comedões fechados (cravos brancos) e lesões inflamatórias, que são as pápulas,
pústulas, nódulos e abscessos. (MACHADO, 2005; ROTTA, 2008 citado por SILVA e
PEREIRA, 2017. p.2).
Para MELO (2011) et al. COSMOBEAUTY (2015), os sintomas variam de
pessoa para pessoa, sendo, na maioria das vezes de pequena e média intensidade.
Em alguns casos, o quadro pode tornar-se muito intenso, como a acne conglobata
(lesões císticas grandes, inflamatórias, que se intercomunicam por sob a pele) e o
acne queloideano (deixa cicatrizes queloideanas após o desaparecimento da
inflamação). As crianças e os adultos mais velhos também podem ter acne.
RIVITTI (2008) Cap. 29. p. 385-386, define os graus da acne em:
Acne comedogênica - ACNE GRAU I
Caracterizada pela presença de comedões, porém, a existência de algumas
pápulas e raras pústulas foliculares.
Acne pápula-pustulosa - ACNE GRAU II
Caracterizada pela presença de comedões abertos, de pápulas, com ou sem
processo inflamatório e de pústulas. O quadro tem intensidade variável, desde poucas
lesões até numerosas, com inflamação bem intensa. A seborreia está sempre
presente.
Acne nódulo-cística - ACNE GRAU III
8

Presença comedões abertos, pápulas, pústulas e seborreia. Devido à ruptura


da parede folicular, há reação infamatória que atinge a profundidade do folículo até o
pelo, formando-se nódulos furunculóides, favorece a proliferação de bactérias
podendo ocorrer formação de pus.
Acne conglobata - ACNE GRAU IV
Forma grave de acne, associam-se nódulos purulentos, numerosos e grandes,
formando abscessos, fístulas e lesões quotidianas. Esta forma é mais frequente em
homens e, em geralmente, acomete a face, pescoço e a face anterior e posterior do
tórax, podendo se estender até a região glútea.
Além dos 4 graus citados anteriormente, temos o grau V, a acne fulminante,
caracterizada como infecciosa e sistêmica, acometendo mais o sexo masculino.
Sendo doença de duração prolongada e algumas vezes desfigurante, a acne
deve ser tratada desde o começo, de modo a evitar sequelas tanto físicas (cicatrizes
na pele) como emocionais levando à inibição, insegurança, depreciação da
autoimagem, ansiedade, depressão e consequentes transtornos nas relações sociais
e familiares. (TALARICO; HASSUN, 2016. p.17-21. MELO, 2011).
A avaliação do paciente é essencial para determinar o protocolo adequado,
individualizando cada caso, concentrando-se nas preocupações e expectativas deste
paciente, com o intuito de maximizar resultados e sua satisfação. (MURAD, 2010.
p.21).

2 PERMEABILIDADE CUTÂNEA

Permeabilidade cutânea é a capacidade que a pele possui de deixar passar,


seletivamente, determinadas substancias de acordo com sua natureza bioquímica ou
determinados fatores REBELLO, 2004 citado por MATOS, 2017, p. 51).
O estrato córneo é a principal barreira para a permeação de substâncias ativas
na pele, pois é uma região que contém muitos lipídios dificultando a difusão dos ativos.
Embora seja uma barreira excelente e resistente, o estrato córneo está em um estado
de disfunção mínima por causa das agressões secundárias do meio ambiente (baixa
umidade relativa, vento, sol e agentes de limpeza), sendo capazes de diminuir a
concentração de água nas camadas superficiais do estrato córneo, deixando a pele
assim disfuncional, acumulando corneócitos aderidos à superfície cutânea. (SOUZA,
2013, p. 59. DRAELOS, 2005, p.12).
9

MATOS, 2017 p.95 afirma que as ações cosmetológicas dos ativos presentes
nos cosméticos para pele acneica envolvem principalmente controle da produção
sebácea, a remoção do sebo, controle da atividade bacteriana, a inibição do processo
inflamatório, o auxílio a cicatrização e o efeito calmante.
LEONARDI (2005, p.36), diz que o produto cosmético e/ou dermocosmetico
deve ter alta eficácia na pele e baixa toxicidade sistêmica, seus componentes devem
ficar retidos na pele, atuando também na manutenção do pH natural da pele, na
hidratação cutânea e na proteção contra radiação solar (o sol causa espessamento
da camada córnea facilitando a obstrução do folículo pilossebáceo), não alcançando
a corrente sanguínea. Para GALEMBECK, p. 9, qualquer cosmético criado para
fornecer ativo para a pele precisa vencer a proteção lipídica para que as substancias
contidas nos cosméticos sejam absorvidas na superfície da pele ou poros até a
mesoderme, podendo entrar na circulação sanguínea periférica e serem então
metabolizados.

3 ATUAÇÃO COSMÉTICA

3.1 Conceito: Cosmecêutico

Cosmecêutico palavra criada pelo dermatologista Albert Kligman, em 1980.


Cosmecêuticos ou dermocosmetico, são produtos utilizados para tratamento em
cabine, como hidratantes, esfoliantes e máscaras, que contêm substâncias
medicinalmente ativas, com ingredientes em sua formula de propriedades
terapêuticas. Este termo porém, não é reconhecido por nenhuma autoridade
regulamentadora de farmacêuticos ou cosméticos. (BORGES e SCORZA, 2016,
p.68).

3.2 Ações cosmetologias

Com base no conjunto de fatores predeterminantes associados ao


aparecimento da acne, a indústria cosmetologica desenvolve cosméticos com ativos
específicos, para prevenção e auxilio no tratamento de peles acneicas.
10

ACNE descreve a funcionalidade de alguns dos ativos mais utilizados nos


tratamentos da acne como:
● Antissépticos: Preveni o crescimento de micro-organismos.
● Adstringente: substância ativa que auxilia na redução da dilatação dos óstios
(poros); Removem o excesso de óleo da superfície cutânea.
● Anti-inflamatório: substância ativa que reduz sintomas da inflamação na pele
(ardor, vermelhidão.
● Calmante: substância ativa ou produto que ameniza sintomas
desconfortáveis na pele (prurido, hiperemia, edema) promovendo uniformidade
de textura e tonalidade.
Antisséptico: produto que reduz a população microbiológica da superfície da
pele. Pode conter ativos bactericidas ou bacteriostáticos.
● Bactericida: ativo que mata as bactérias;
● Bacteriostático: ativo que inibe o crescimento microbiológico.
● Hidratantes: substâncias destinadas a manter a pele macia e suave. Mantém
ou repõe o teor hídrico.
● Cicatrizante: Auxilia e acelera a cicatrização da pele
● Regeneradores: Substância que auxiliam e/ou aceleram o processo de
renovação e regeneração da pele.
● Queratolítico: Substância que “quebra” a queratina, ou seja, são substâncias
capazes de desorganizar quimicamente a molécula de queratina, removendo
as células epiteliais.
MATOS, 2017, p. 71, 84-92, de um modo geral define cada um desses ativos,
utilizados no combate à acne:
PROPRIEDADES ATIVO AÇÃO
Queratolíticos Ácido glicólico, ácido Atuam sobre os
retinoico, ácido salicílico, queratinócitos,
enxofre, glicurolactona, dissolvendo a queratina
peróxido de benzoíla, do estrato córneo,
resorcina, retinol melhora o aspecto de
peles espessas
Adstringentes Ácido glicólico, ácido Removem o excesso de
salicílico, alecrim, argila, óleo da superfície cutânea
11

asebiol, bardana,
biossulfur, caulim,
copaíba, enxofre, chá
verde, hamamélis, hortelã,
tomilho, sulfato de zinco,
sálvia, limão
Matificantes Argila, asebiol, Miniza o efeito do óleo
azeloglicina, nitrato de secretado na pele
boro, sulfato de zinco,
microesponjas
Inibidor enzimático Ácido salicílico, asebiol, Atuam na atividade da
azeloglicina, biossulfur, glândula sebácea,
citobiol íris, glicurolactona normalizando a produção
de zinco, sabal, semente de sebo
de abóbora, zinco
Antissépticos Ácido bórico, ácido Prevenir o crescimento de
salicílico, alfa-bisabolol, micro-orgabismo
azuleno, bardana,
bioecolia, calêndula,
copaíba, enxofre, extrato
de abacaxi e de chá verde,
menta, própolis, resorcina,
sulfato de zinco, tomilho,
lavanda, hortelã,
malaleuca
Anti-inflamatório Ácido glicirrízico, ácido redução dos processos
salicílico, alfa-bisabolol, infecciosos, inibindo a
áloe vera, arnica, alcaçuz, enzima que acelera a
azuleno, bardana, produção de substancias
calêndula, camomila, que provocam a
enxofre, hamamélis, tília, inflamação
portulaca, própolis,
12

nicotinamida, extrato de
abacaxi
Cicatrizantes Ácido lactobiônico, ácido estimulando a renovação
salicílico,argila verde, celular
girassol, melaleuca,
pantenol, própolis,
copaíba, calêndula,
azuleno, algas marinhas,
alantoína, alfa-bisabolol,
áloe vera
Calmantes Lúpulo, malva, alteia, Redução de eritemas,
betaglucan, melissa, comuns em peles
portulaca, tília, lavanda, sensíveis
camomila, calêndula, áloe
vera, alface, alfa-
bisabolol, alantoína,
alcaçuz, ácido glicirrízico
Emolientes Algas, áloe vera,silicones, Amolecimento do estrato
óleos vegetais, vitamina E córneo, usado pré
eA extração
Umectantes Glicerina, sorbitol e Manter a água no
propilenoglicol, ácido cosmético e na superfície
lático, papaia, ureia, da pele
alantoína, glicurolactona

Hidratantes PCA-Na, aminoácidos, Absorver moléculas de


ácido hialurônico, ácido água, resultando em água
lático, alfa-hidroxiácidos, no meio intracelular
hidroviton, algas,
aquasense, aquaporina,
malva, alantoína, áloe
vera, hialuronato de sódio
13

Protetor Solar Filtro Solar Minimizar efeito dos raios


ultravioletas sobre a pele

4 PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS

Há uma série de procedimentos capazes de auxiliar na permeação, que vão


desde básicos, como higienização, esfoliação, tonificação, hidratação e massagem,
até procedimentos mais elaborados, como limpeza de pele, peeling, alcalinização
cutânea, iontoforese, vapor de ozônio e alta frequência descreve MATOS, 2017, p.
55.
Antes de iniciar qualquer tratamento facial, é importante que o profissional da
área de estética identifique o tipo de pele durante a avaliação, a fim de escolher o
cosmético ideal. (BORGES e SCORZA, 2016, p.73).

5 MATERIAIS E MÉTODOS

Realizou-se uma pesquisa de artigos publicados na base de dados eletrônicos


da Scientific Electronic Library Online (SCIELO) e no site de acesso livre e gratuito
Google, utilizando-se como descritores as seguintes palavras-chave: Acne,
tratamento para acne, tipos de acne, dermocosmetico, ativos cosméticos. Todos
revisados manualmente verificando disponibilidade de acesso livre e gratuito,
podendo assim acessar aos mesmos. Foram pesquisados também livros e artigos
científicos impressos no Scribd é uma plataforma de compartilhamento de
documentos (livros eletrônicos, trabalhos de pesquisa, páginas da web e/ou
apresentações de slides).
A partir da obtenção bibliográfica necessária, as mesmas foram organizadas e
aqui descritos.

6 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Através do conhecimento adquirido nessa pesquisa de campo, foi possível


relatar nesse artigo a importância da interação com outros profissionais da Saúde,
conforme a competência necessária para cada caso. (GIACOMIN, 2017.p.10).
14

A acne atinge em geral os adolescentes, 60% das mulheres e 70% dos homens
passam por isso na puberdade. Ocorre mais cedo na população feminina, por volta
dos 14 anos, já na masculina costuma surgir em torno dos 16 anos; em geral regride
espontaneamente após os 20 anos de idade. Costuma ser mais intensa nos homens,
porém mais persistente nas mulheres, devido à alta frequência de distúrbios
endócrinos (AZULAY, 2008 citado por SUDO, 2017.p.8), necessita de tratamento
adequado, e que evite o agravamento da doença para as formas mais graves, com
possíveis cicatrizes o que podem resultar em alterações psicossociais, com efeitos
prejudiciais que comprometam a qualidade de vida dos indivíduos. (PIMENTEL, 2011
citado por SUDO, 2017.p.9).
O tratamento da acne deve prevenir e tratar cicatrizes e manchas, e atuar na
prevenção da reincidência da acne. São inúmeros os dermocosmetico existentes para
o tratamento da acne realizando renovação celular, diminuindo a secreção sebácea,
agindo no controle bacteriano, ajudando na prevenção de novas lesões e tratando
lesões presentes, que comprovam sua eficácia e sua ação benéfica no tratamento da
acne. Sendo de escolha do profissional, de acordo com os critérios minuciosos
avaliados e inspecionados em cada paciente o tipo de protocolo suprindo a
necessidade de cada caso. (SUDO, 2017.P.10).

7 CONCLUSÃO

A acne é um campo constante de pesquisas e o avanço na compreensão de


sua fisiopatologia contribui com o aperfeiçoamento da terapêutica, utilização de
protocolos específicos que abrangem cada vez mais fatores que prometem ao
paciente maior satisfação em relação ao resultado, porém, nenhum dos diferentes
dermocosmetico anti-acneicos disponíveis cobre eficazmente todos os aspectos da
fisiopatologia da acne, por isso que são frequentemente usados em combinação.
15

REFERÊNCIAS

A PELE. Dermatologia. Disponível em: https://www.dermatologia.net/a-pele/.


Acesso em: 19 Set. 2019.

ACNE. Blog spot. Disponível em:


http://estetidicas.blogspot.com/2015/12/acne.html. Acesso em: 23 Ago. 2018.

BORGES, Fabio dos Santos. Modalidades Terapêuticas nas disfunções


estéticas. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2010, p. 328-329.

BORGES, Fabio dos Santos; SCORZA, Flavia Acedo. Terapeuta em estética:


Conceitos e técnicas. 1. ed. São Paulo: Phorte, 2016, p. 22,24,67-68,73.

COSMIATRIA moderna e tratamento dermocosmetico. Singular Pharma. 2017.


Disponível em: www.singularpharma.com.br/wp-
content/uploads/2017/04/singular_revista_dermatologia_FINAL_WEB2.pdf. Acesso
em: 13 Ago. 2018.

COSMOBEAUTY. Linha Acne Spec no combate da Acne. Linhacosmobeauty.


2015. Disponível em: http://linhacosmobeauty.blogspot.com/2015/04/acne-
spec.html. Acesso em: 19 Set. 2019.

DRAELOS, Zoe Diana. Sério Procedimentos em Dermatologia Cosmética:


Cosmecêuticos. São Paulo: Elsevier Editora Ltda., 2005. 12, 27, 186 p.

GALEMBEC, Fernando; CSORDAS, Yara. Cosméticos: A Química da beleza. .


ccead.puc-rio. Disponível em: web.ccead.puc-
rio.br/condigital/mvsl/Sala%20de%20Leitura/.../SL_cosmeticos.pdf. Acesso em: 23
Ago. 2018.

GIACOMIN, Érica T. S. Ação do ácido salicílico na acne vulgar. Tcconline. 2017.


Disponível em: http://tcconline.utp.br/media/tcc/2017/05/ACAO-DO-ACIDO-
SALIC%C3%8DLICO-NA-ACNE-VULGAR.pdf. Acesso em: 13 Ago. 2018.

LEONARDI, Gislaine Ricci. Cosmetologia Aplicada. Medfarma, 2005. 14,36,134 p.

MARQUES, Cris. Saiba tudo sobre a Acne. Esteticacomvoce. 2016. Disponível


em: htpp://esteticacomvoce.com.br/wp-content/uplods/2016/11/Acne.pdf. Acesso
em: 19 Set. 2019.

MATOS, Simone Pires de. Cosmetologia Aplicada. 1. ed. São Paulo: Érica Ltda.,
2017. 51, 55, 93, 95 p.
16

MELO, Edilmara. Apostila - Patologia dermatologia. Scribd. 2011. Disponível em:


https://pt.scribd.com/document/243127994/Apostila-Teorica-Cosmetologia-2013-02-
pdf. Acesso em: 19 Set. 2019.

MURAD, Alam, MD; HAYES, B. Gladstone, MD; TUNG, Rebecca C., MD.
Dermatologia Cosmética. São Paulo: Elsevier Editora Ltda., 2010. 21 p.

RIVITTI, E. A; SAMPAIO, S. A. P. Dermatologia. 3. ed. São Paulo: artes medicas,


2008, p. 382,385-386.

SILVA, Jessica Aparecida de Carvalho. Tratamento estético da Acne Vulgar. Fepi.


2017. Disponível em:
http://www.fepi.br/revista/index.php/revista/article/viewFile/572/pdf_22... Acesso em:
13 Ago. 2018.

SILVA, Vera Regina da. Acne na adolescência e a intervenção estética. Tcconline.


2017. Disponível em: http://tcconline.utp.br/media/tcc/2017/05/ACNE-NA-
ADOLESCENCIA-E-A-INTERVENCAO-ESTETICA.pdf. Acesso em: 12 Ago. 2018.

SILVA, Jessica Aparecida de Carvalho; PEREIRA, Pâmela Camila. Avaliação e


tratamento estético da acne vulgar. Fepi. 2017. Disponível em:
www.fepi.br/revista/index.php/revista/article/download/581/pdf_33. Acesso em: 19
Set. 2019.

SINGULAR_REVISTA_DERMATOLOGIA. Singular Pharma. 2005, p. 30-33.


Disponível em:
www.singularpharma.com.br/wp.../singular_revista_dermatologia_FINAL_WEB2.pdf.
Acesso em: 13 Ago. 2018.

SUDO, Ellen Jaime Dos Santos. Princípios Fisiológicos da ACNE e a utilização de


diferentes tipos de ácidos como forma de Tratamento. Portalbiocursos. 2014, p. 8-
10. Disponível em: http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/18/88_-
_PrincYpios_FisiolYgicos_da_ACNE_e_a_utilizaYYo_de_diferentes_tipos_de_Ycido
s_como_forma_de_Tratamento.pdf. Acesso em: 13 Ago. 2018.

TALARICO, S.F; HASSUN, K.M. Acne. RBM, 2016, p. 17-21.

WOLFF, KLAUS. FITZPATRICK: DERMATOLOGIA ATLAS E TEXTO. 5. ed. Brasil:


MCGRAW-HILLInterame, 2006. 30 p.