Você está na página 1de 57

Segurança no uso de

Esmeris de
pedestal
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
1
Nicobelo@hotmail.com
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
2
Nicobelo@hotmail.com
INTRODUÇÃO
? Neste curso será passado recomendações de
segurança, para quem opera este tipo de
equipamentos.
? As operações de esmeris ocasionam acidentes que
possam produzir lesões de gravidade nos olhos e
face.
? Os procedimentos seguros de trabalho, logram
diminuir as lesões dos operadores e danos aos
equipamentos.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
3
Nicobelo@hotmail.com
Componentes de esmeril de
pedestal
? Cobertas ou capacetes de proteção das pedras.
? Telas visuais ajustáveis.
? Cristal de segurança.
? Suportes de apoio para ferramentas ou materiais.
? Motor elétrico.
? Botões de partida e detenção.
? Recipiente de esfriamento.
? Pedestal.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
4
Nicobelo@hotmail.com
Os esmeris de pedestal constam de:

? Pedestal: Estrutura de ferro fundido, que serve de


apoio e permite a fixação de motor elétrico.
? Motor elétrico: Elemento propulsor da
máquina.(Cabo de conexão deve ter terra de
proteção).
? Recipiente de esfriamento: Utiliza-se para esfriar
as ferramentas ou peças de acôrdo com temperatura,
para evitar que o calor produzido pela roçagem,
diminua a resistência do fio de corte.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
5
Nicobelo@hotmail.com
Os esmeris de pedestal constam de:

? Cobertas de proteção de pedra: Estes elementos de


proteção cumprem tres funções principais:

a) Evitar o contato do operador com partes em


movimento.
b) Evitar a projeção de partículas da pedra ou chispas
da peça em trabalho.
c) Reter pedaços de pedra em caso que se rompa
durante a operação.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
6
Nicobelo@hotmail.com
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
7
Nicobelo@hotmail.com
Sobre a projeção de partículas
? A coberta deve cobrir a pedra por ambos lados.
? Quando a pedra é nova ocupa todo o espaço que
deixa a coberta protetora.
? A medida que se produz o desgaste vai-se criando
um espaço cada vez maior.
? Enquanto maior seja a diferença de diâmetro entre
a pedra e a coberta protetora, maior será a
distância da projeções de partículas.
? Ao não deter proteção, as partículas projetadas
podem alcançar os olhos e o rosto do operador.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


8
Nicobelo@hotmail.com
Suporte de apôio para a
ferramenta ou material
? Serve para suspender as peças ou ferramentas.
? O suporte de apôio deve ser ajustável e nunca
deve encontrar-se a distância maior de 3 m/m. de
da pedra.
? Esta distância deve ajustar-se a medida que o
diâmetro da pedra diminue pelo desgaste.
? Isto evitará que a pedra arrastre a ferramenta ou
peça no trabalho e a mão do operador.
? Com um suporte devidamente ajustado, o
operador poderá trabalhar de forma cômoda e
segura.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
9
Nicobelo@hotmail.com
Telas visuais
? Ainda quando coberta de proteção desvia as
partículas, algumas destas irão golpear
contra a peça ou material que se trabalha,
podem projetar-se nos olhos do operador.
? Nestes casos se empregam no esmeril
protetores faciais de Policarbonato que
interceptam as partículas e chispas.
? NÃO ESQUEÇA DA PROTEÇÃO
OCULAR.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
10
Nicobelo@hotmail.com
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
11
Nicobelo@hotmail.com
Composição da pedra
? A) Material abrasivo:
É um material que corta.
Os tipos de abrasivos mais comuns são:
Óxidos de alumínio.
Carbureto de silício.
Diamante (natural-sintético-revestido).
Óxido de zircônio.
Borazón.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
12
Nicobelo@hotmail.com
Composição da pedra
? B) Liga ou aglomerado: Permite a liga dos grãos
abrasivos e podem ser compostos de:
Látex
Vitrificados
Resinosos
Silicatos
Metálicos
O grau de dureza de uma pedra está
determinado pela quantidade e tipo de liga que
esta contém. Autor: Nicolau Bello / Carevalo 13
Nicobelo@hotmail.com
Composição da pedra
? C) Estrutura:
? Os grãos abrasivos e a liga formam a estrutura,
com objeto de dar saída serragem que deixam os
espaços e vazios entre os espaços adjacentes. A
estrutura pode ser:

Fechada
Mediana
Aberta
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
14
Nicobelo@hotmail.com
Composição da pedra
? Os grãos designam-se como:

Grosso
Mediano
Fino
Muito fino

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


15
Nicobelo@hotmail.com
Nos quadros 1, 2, 3 e 4 indicam-se as características
dos materiais a retificar e tipos de abrasivos; grãos -
dureza-estrutura e aglomerado de pedras.

Quadro 1 Material a retificar V/S. Abrasivo


MATERIAL Abrasivo
Todos os tipos de aço exceto os sensíveis ao calor A
Aços temperados e sensíveis ao calor AA
Aços endurecidos não tão sensíveis ao calor DA
Aços suaves ou endurecidos GA
Ligas de metais não ferrosos e de fundição C
Carbureto de tungstênio GC
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
16
Nicobelo@hotmail.com
Quadro 2 Material a retificar V/S Grano, Dureza, Estrutura
MATERIAL A RETIFICAR GRANO DUREZA ESTRUTURA

Duro e quebradiço Fino Suave Fechada


Suave e maleável Grosso Duro Aberta
Quadro 3 Acabado do material a retificar V/S grano
ACABADO GRANO
Desbaste Grosso
Terminação Fino
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
17
Nicobelo@hotmail.com
QUADRO 4 ACABADO DO MATERIAL A RETIFICAR
V/S AGLOMERADO

ACABADO AGLOMERADO
Desbaste e semi-terminação Vitrificado
Terminação especial Resinoso
Polido e fina terminação Látex
Para afiamento de ferramentas Silicato
Corte e afiamento de ferramentas
de metal duro. Autor: Nicolau Bello / Carevalo
Metálico
18
Nicobelo@hotmail.com
Sistema de identificação
? As marcas que aparecem indicadas nas etiquetas
protetoras das pedras, correspondem classificação
de vários elementos que permitem sua
identificação e seleção.
? A continuação lhe informaremos sobre a posição
de cada marcação, para poder efetuar uma boa
operação com pedras abrasivas.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


19
Nicobelo@hotmail.com
POSIÇÃO 1 Tipo de grão abrasivo
POSIÇÃO 2 Tamanho do grão
POSIÇÃO 3 Grau e dureza
POSIÇÃO 4 Estrutura
POSIÇÃO 5 Liga (adesivo)
POSIÇÃO 6 Modificação da liga

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


20
Nicobelo@hotmail.com
Posição 1 Tipo de grão abrasivo

? DESCRIÇÃO: São os utilizados


na fabricação de pedras que cada
tipo tem por suas características
físicas, uma aplicação diferente.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


21
Nicobelo@hotmail.com
O Alundum (Óxido de aluminio)
Usos: Esmerilhar aços de carbono, ligas de metais
de aço, ferro maleável, ferro forjado, bronzes duros,
excepto aços endurecidos.
19 A Alundum
Características: Mezcla dos abrasivos A e 38 A.
Usos: Esmerilhar em terminações em superficies
planas
38 A Alundum (Óxido alumínio branco)
Usos: Trabalhos de precisão, especialmente
aços duros e sensíveis ao calor. Afiamentos de
ferramentas e fresas aços rápido.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
22
Nicobelo@hotmail.com
37 C Crystolon gris
Usos: Esmerilhar ferro fundido gris, materiais não
ferrosos (cobre, bronze,Etc.), não metálicos
(ladrilhos, vidros, etc.).
Abrasivo mais duro que o óxido de alumínio.

39C Crystolon verde


Usos: Afiamento de ferramentas de carburetos
cimentados, Widia (uso em grande maioria).

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


23
Nicobelo@hotmail.com
Posição de 2 Tamanho do grão
?O tamanho do grão está expressado numéricamente
de acôrdo com as normas estabelecidas.
? Cada grupo de medida de grãos está composto de
partículas uniformes.
? Os tamanhos de grãos mais comuns são entre 24 e
80.
GROSSO MEDIANO FINO MUITO FINO
8 16 30 70 120 220 400
10 20 36 80 150 240 500
12 24 54 90 180 280 600
14 60 100
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
Nicobelo@hotmail.com
320 24
Deve-se entender que quanto mais grosso será
mais abrasivo, mais quantidade de material será
removido.

Exemplos:

Para desbaste, o grão deve ser grosso (16, 20, 24).


Para acabamento, deve usar-se grão mediano (36, 46,
60, 80)
Para polimento deve-se empregar grão fino ou muito
fino (180, 220, 240, etc.)
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
25
Nicobelo@hotmail.com
Posição 3 Grau ou dureza
? Indica a resistência da liga que sujeita os grãos
abrasivos a seu lugar.
? A dureza está determinada pela quantidade de liga
que contém uma pedra.

A maior quantidade de liga, a pedra é mais


dura.
A menor quantidade de liga, a pedra é menos
dura.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
26
Nicobelo@hotmail.com
Tabela de graus
GRAUS
MUITO SUAVE SUAVE MEDIO DURO MUITO DURO

A,B,C,D,E,F,G, H,I,H,K L,M,N,O,P Q,R,S, T,U,V,W,X,Y,Z

Para os esmerilhados de precisão, os graus requeridos


estão compreendidos entre F e N.
Para os trabalhos de esmerilhados toscos se usarão os
compreendidos entre osAutor:
graus MBelloe /Z.
Nicolau Carevalo
27
Nicobelo@hotmail.com
Posição 4 Estrutura
? Indica o espaçamento dos grãos, definindo a
estrutura da pedra.
? Este vão sinalizá-lo com um número de estrutura.
? Exemplo:
As pedras de esmerilhar superficies, são fabricadas
com estrutura aberta, para dar adequada saída as
rebarbas.
As pedras para esmerilhar de cigüeñales são
fabricadas com estrutura fechada, para dar máxima
resistencia as arestas das pedras que retificam a peça.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
28
Nicobelo@hotmail.com
Tábua de estrutura

FECHADA A ABERTA
2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


29
Nicobelo@hotmail.com
Posição 5 Tipo de liga
? Vitrificada (V), se emprega em uns 75% das
pedras esmeris que se fabricam, a porosidade e
resistencia das pedras feitas com esta liga, permitem
rebaixar uma grande quantidade de material, e com
elas se podem realizar trabalhos de grande precisão e
não se veem afetadas pela água, óleos, ácidos, nem
trocas de temperatura.
? Resinoide (B), se caracterizam por sua alta
elasticidade e boa conductividade do calor, se usam
em operações de desbaste e corte em máquinas
portáteis de alta velocidade.
? Látex ®, capaz de produzir acabados muito finos,
em rodas para laminação de aços e para a fabricação
de papel. Autor: Nicolau Bello / Carevalo
30
Nicobelo@hotmail.com
Modificação da liga

? O último símbolo no quadro


corresponde ao registro do fabricante, e
indica o método de fabricação das
pedras (empregado neste caso por
NORTON)
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
31
Nicobelo@hotmail.com
MARCAÇÃO TÍPICA DE UMA PEDRA ESMERIL

Rotação máxima
permitida

4.138 rpm.

150x13x31,8
Especificação 38A60-KVS Dimensões
Diâmetro x Altura x Furo
150 13 31,8
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
32
Nicobelo@hotmail.com
Pedra de
esmerilhar

D= Diâmetro
E= Espessor
ou altura
A
A= Furo ou
olho

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


D
Nicobelo@hotmail.com E33
Fatores a considerar na seleção de
pedras de esmeril

Ao eleger a pedra leia a etiqueta para verificar:

? A.- Que a especificação é a que você


Necessita.
? B.- Que dimensões da pedra são as
requeridas.
? Que velocidade marcada como máxima de
operação, seja igual ou maior ao do eixo da
máquina em que vai ser montada.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
34
Nicobelo@hotmail.com
Os fatores que temos que considerar para
conferir com as especificações são:-

1. Material a esmerilar: que influe na seleção do


abrasivo, tamanho do grão e do grau.
2. Quantidade de material a rebaixar e acabado
que se requer: que influe na seleção do
tamanho do grão e do aglomerante.
3. Esmerilhar em húmidade ou seco: que influe
na seleção do grau ou dureza.
4. Velocidade da pedra esmeril: que influe na
seleção do diâmetro da pedra.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
35
Nicobelo@hotmail.com
PRECAUÇÕES EM ESMERILHAMENTO

As pedras devem trabalhar sempre a


velocidades que não superem as recomendadas
pelo fabricante.
A velocidade do eixo do equipamento a
esmerilhar, não deve sobrepassar a velocidade
marcada na pedra.
Uma velocidade muito reduzida é a causa de
desperdício de abrasivos.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
36
Nicobelo@hotmail.com
MÉTODO DE MONTAGEM
Precauções
? Selecione a pedra adequada para o trabalho a
realizar.
? Realize uma checagem de pré-uso da pedra.
? Nunca use uma pedra trincada (Verifique o som)
? Nunca permita que a pedra exceda a velocidade
máxima estabelecida pelo fabricante.
? A “força centrífuga” tende a romper uma pedra
que está funcionando a uma velocidade excessiva.
? Verifique sempre a velocidade de operação
correta. Autor: Nicolau Bello / Carevalo
37
Nicobelo@hotmail.com
PROCEDIMENTO DE ESMERILHAR
MEDIDAS GERAIS

Ajuste o suporte da peça de trabalho a


uma distância de 3 m/m(1/8”) da cara da
peça.
Deixe que a pedra funcione em vazio por
um minuto para começar a trabalhar. O
operador deverá ficar a distancia segura
do esmeril.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


38
Nicobelo@hotmail.com
Medidas gerais

Recondicionar a pedra se está


desequilibrada o descentrada – SERVIÇO
DE DRESSAGEM. Isto deve ser feito por
uma pessoa treinada.
Ao iniciar o trabalho não golpeie nem
pressione a peça contra a pedra, façá-o de
forma progressiva.
Nunca altere o diâmetro da pedra

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


39
Nicobelo@hotmail.com
Procedimento Homem do esmeril
Medidas gerais

? Nunca force a pedra ao montá-la no eixo.


? Use arruelas ou placas circulares limpas de
1/3” do diâmetro da pedra no mínimo.
? Use arandelas limpas e suaves em cada lado
da pedra.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


40
Nicobelo@hotmail.com
Procedimento de esmerilhação
Medidas gerais

? Nunca aperte a porca excessivamente e faça


com a chave correta.
? Use o resguardo da pedra e ponha os óculos
de segurança e o protetor facial de
segurança antes de fazer funcionar o
esmeril.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
41
Nicobelo@hotmail.com
Procedimento do esmerilhador
Medidas gerais

? Não force a peça no esmeril até o ponto de


fazer diminuir a velocidade do motor ou da
peça ficar quente.
? Se o faz, se expõem a acidentes graves ao
romper-se a pedra em fragmentos.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
42
Nicobelo@hotmail.com
Procedimento de esmeril
Medidas gerais

? Se retirada a pedra do equipamento, guárde-a onde


não corra perigo; evite golpear as pedras pelos
lados.
? As recomendações dadas não envolvem todos os
pontos acerca da operação de esmerilhar. Em caso
de dúvidas, consulte a seu provedor.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


43
Nicobelo@hotmail.com
Riscos comuns e medidas preventivas
RISCOS CAUSAS MEDIDAS PREVENTIVAS
A.Rúptura o estalido a.Uso da pedra a.Selecionar a pedra de
Da pedra de modo incorreto acordo com o material a
esmerilhar e velocidade do
sistema de transmissão do
equipamento.
b.Efetuar esmerilhar b. Esmerilhar só a face de
na lateral. trabalho
c.Desbaste excessivo c. Desbastar a peça em forma
da peça gradual

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


44
Nicobelo@hotmail.com
Riscos Causas Medidas Preventivas
a. Rúptura o d.Reacondicionamento d.Só pessoal capacitado
trinca
Estalido da incorreto da pedra recondicionar as pedras.
pedra e. Submeter a pedra a e.Nunca trabalhar a pedra a
velocidades excessivas velocidades maiores a que indica
o fabricante.
f. Aplicação brusca da f.Ao iniciar o trabalho, o contato da
peça ao esmeril peça contra a pedra deve ser
progressivo.
g.Montagem incorreto da g.Uso de arandelas de tamaño
pedra ao esmeril correto.
Não uso de arandelas
Autor: Nicolau Usar só aperte o necessário para 45
Bello / Carevalo
Nicobelo@hotmail.com
aperto excessivo assegurar a firmeza da pedra
Riscos Causas Medidas preventivas
B.Projeção de partículas a.Falta de protetor a.Instalar protetor de
e chispas ao rosto do do esmeril. Pedra esmeril
Operário. b.Falta de visor b.Instalar visor
visual visual.
c.Não uso de E.P.I. c.Usar E.P.I.
C.Contato com a pedra a.Falta de suporte a.Instalar suporte de
Esmeril de apoio apoio móvil
b.Mal ajuste de b.Ajustar el apoyo a
suporte de apoio. 3m/m da pedra.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


46
Nicobelo@hotmail.com
Riscos Causas Medidas preventivas

D. Agarramento a.Falta de proteção a.Instalar proteção


ao sistema de transmissão

E. Incêndios a.Praticar as operações a.Separar líquidos y


de esmerilhar em locais gases combustíveis da
onde existe a presença área de operação
de líquidos e gases
combustíveis

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


47
Nicobelo@hotmail.com
Manejo, armazenagem e inspeção

? Manejo:

Todas as pedras podem-se romper.


As vitrificadas e de silicato, são muito sensíveis.
As resinóides ou de goma, resistem maior castigo, ainda
também necessitam de cuidado.
Manipule todas as pedras como se fossem de vidro.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


48
Nicobelo@hotmail.com
Manejo, armazenagem e inspeção

A primeira inspeção deve fazer-se quando ainda estão em


sua embalagem original.
Se observa dano na embalagem deve-se ter especial
cuidado na inspeção.
Ao ser desempacotadas, as pedras devem ser revisadas por
possíveis danos na manipulação, embarque e outras causas.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


49
Nicobelo@hotmail.com
Armazenagem

? As pedras esmeris devem armazenar-se em locais


secos que não estejam expostos a temperaturas
extremas para evitar seu descantillamiento ou
rúptura.
? Estes locais devem identificar claramente as
pedras armazenadas, incluindo diâmetros e as
R.P.M.
? As pedras devem ficar em forma vertical
descansando sobre os bordes e livres de cargas
apenas a seu próprio peso.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
50
Nicobelo@hotmail.com
Armazenagem e inspeção
? Como precaução adicional as pedras de esmeris
retas ou planas devem submeter-se a “Prova de
campanha”
? Esta prova serve para comprovar algum dano na
pedra.
? Recomenda-se golpear suavemente com uma
madeira ou cabo de chave de fenda.
? O som deve ser nítido e claro.
? Se a pedra está rachado o som será “apagado”
? Esta prova é só para pedras vitrificadas.
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
51
Nicobelo@hotmail.com
Armazenagem

Suspender a pedra com um


passador ou com o dedo e
golpear suavemente.

Prova de
campana

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


52
Nicobelo@hotmail.com
C

45º
45º

Golpes ligeiros
aquí

Prova de som para pedras grandes (uma pedra


ligada com resina ou outro material orgânico não
emite um som tão forte como
Autor: Nicolau Bello /uma
Carevalo vitrificada).
Nicobelo@hotmail.com
53
Precauções na manipulação

? Quando as transporte a seu local de trabalho,


deve-se fazer-se com os equipamentos adequados
para manejá-las.
? Nunca devem rodar-se

não
Autor: Nicolau Bello / Carevalo
54
Nicobelo@hotmail.com
Elementos de proteção pessoal

? Ainda quando o esmeril conte com todas suas


proteções o operador deve usar seu E.P.I.
? Proteção visual e facial
? Luvas punho largo
? Proteção auditiva
? Avental de couro para proteger o corpo
? Capacete

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


55
Nicobelo@hotmail.com
Recomendações finais
? NÃO ESQUEÇA: Os riscos podem
controlar-se mediante a adaptação de
medidas de preventivas.
? Velocidades seguras.
? Práticas seguras no uso e manejo da
máquina.
? Montagem correcta da pedra
? Inspeção periódica do equipamento.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


56
Nicobelo@hotmail.com
ESPERO QUE TENHA SIDO DE SEU AGRADO

E RECORDE-SE QUE O FUMO DO TABACO, TAMBÉM É


UM RISCO QUE TENS DE EVITAR. PENSE NOS DEMAIS.

Autor: Nicolau Bello / Carevalo


57
Nicobelo@hotmail.com