Você está na página 1de 2

HIDRÉLETRICAS

A água que se encontra represada armazena energia potencial, ao abrir as compotas da usina, a energia
potencial da água vai sendo convertida em energia cinética à medida que ela vai escoando pelos dutos. Ao
entrar em contato com as turbinas, as mesmas começam a girar dando origem à força eletromotriz induzida,
processo este que consiste na conversão da energia cinética das turbinas em energia elétrica, pois em razão da
fem (força eletromotriz) será estabelecida uma corrente elétrica entre dois pontos (exemplo: usina-residência).
A maior hidrelétrica do mundo (em geração de energia) é a Itaipu Binacional com capacidade de geração
de 12.600 MW.
USINA NUCLEAR
É uma unidade industrial construída para produzir energia elétrica a partir de materiais radioativos. A
energia nuclear é uma alternativa às limitações de fontes naturais, como rios (energia hidrelétrica), carvão, gás e
petróleo.
Também demonstra mais eficiência na comparação com outras fontes de energia (eólica) e tem o custo
final menor que a maioria das tecnologias empregadas atualmente.
Hoje, 31 países exploram a energia nuclear. Os 388 reatores em atividade têm capacidade de atender 10%
da necessidade de energia elétrica do mundo. A maioria dos reatores está instalada no Japão. A partir de 2014, o
mercado observou queda na produção, que chegava a 17,6% da demanda mundial em 1996.
Vantagens da energia nuclear:
 Não libera gases estufa;
 Exigência de pequena área para construção da usina;
 Grande disponibilidade do combustível;
 Pequeno risco no transporte do combustível;
 Pequena quantidade de resíduos;
 Independência de fatores climáticos (ventos; chuvas)
Desvantagens da energia nuclear:
 O lixo nuclear radioativo deve ser armazenado em locais seguros e isolados;
 Mais cara, quando comparada a outras formas;
 Risco de acidentes nucleares;
 Problemas ambientais, devido ao aquecimento de ecossistemas aquáticos pela água de resfriamento dos
reatores.
REDE DE TRANSMISSÃO
A energia elétrica chega através das linhas de transmissão de energia elétrica.
Podemos calcular a perda de energia elétrica através da potência dissipada nos fios pela seguinte
expressão:
P = R.i2
Na expressão acima temos que R é a resistência elétrica do próprio fio e i é a corrente elétrica que passa
por ele. De acordo com a expressão, temos que quanto maior for o valor da corrente elétrica que queremos
transportar, maior será a perda de energia através da dissipação de energia nos fios. Por isso, é mais vantajoso
transportar em tensões muito altas, com correntes mais baixas. Como as linhas de transmissão da usina
hidrelétrica de Itaipu, as linhas de transmissão podem operar com voltagens de até 750 kV.
Como sabemos, a tensão de trabalho dessas linhas de transmissão é muito alta, sendo assim, elas precisam
ser bem isoladas, a fim de que não ocorram curtos-circuitos ou até mesmo descargas elétricas entre o solo e as
linhas. Por esse motivo, vemos que as torres de sustentação dos fios são bastante altas e largas. Já os fios devem
ser presos a isoladores (de vidro ou porcelana) bem longos, como mostra a figura abaixo. Geralmente esses
isoladores possuem um formato de “sanfona” com a finalidade de aumentar o caminho elétrico entre suas
extremidades. Dessa forma, a sujeira (que pode se depositar) e a água da chuva não produzem um caminho de
baixa resistência, o que poderia provocar descargas elétricas entre o fio de alta tensão e a torre que está
aterrada.