Você está na página 1de 7

A análise deste texto parte da obra “Arvore-Escola” montada pelos

artístas Alessandro Petti, Sandi Hilal e grupo contrafilé, que vou relacionar-la
com a obra “Terra-Conversa” da artísta Otobong Nkanga. A obra “Arvore-
Escola” apresenta um galho de baobá introduzido em um modelo de barro
circular dando sustentabilidade ao trabalho, esta obra encontra-se suspensa no
ar por alguns cordões.

A segunda obra chamada “Terra-Conversa” apresenta características de


uma instalação composta por mesas que no espaço superior das mesmas
encontra-se arranjos de plantas em vasos que contém terra, na extensão do
trabalho contem também um caminho de agua sólido que vai de encontro as
plantas, este trabalho é uma plataforma de interação entre a artísta e o público.

Tendo em vista as descrições das obras, tomo como critério de


avaliação crítica a questão material, considerando a primeira obra a cima citada
com características naturais, pois o galho de baobá usado neste trabalho não
é artificial e sim natural, o suporte que dá sustentabilidade ao galho de baobá é
um solo de terra que também é natural apesar de está suspenso no ar, está
obra trás aos olhos a sensação real da natureza em um espaço impróprio pra
sua cultivação pois o elementos materiais usados foram naturais para a
composição do trabalho criando no espectador diversos tipos de leitura a
respeito da obra.

já no segundo trabalho sabendo que se trata de uma instalação de


matérial que também contem elementos naturais, como terra planta e água
aqui faço uma observação na questão de um elemento desta obra, a água
que faz o encontro com a terra não apresenta características naturais do seu
estado liquido, essa percepção trás aos olhos do público uma leitura artificial do
conjunto desta obra levando a entender a junção do natural e o artifícial porém
não faz menção ao o real. Considerando estas observações nesta análise a
artista não conseguiu transmitir na questão material o estado natural dos
elementos de sua obra.

Tendo em vista a argumentação acima citada concluo que a obra


“Arvore-Escola” é superior ao trabalho “Terra-conversa” no quesito material,
pois nesta obra os artistas Alessandro Petti, Sandi Hilal e grupo contrafilé se
preoculpam em mostrar a composição do estado natural de sua obra e não
fazem junção ao artificial.
31º BIENAL DE ARTE
OBRA “ÁRVORE- ESCOLA”, 2014

ARTISTAS, ALESSANDRO PETTI, SANDI HILAL E GRUPO CONTRAFILÉ.


OBRA “TERRACONVERSA” 2014

ARTISTA, OTOBONG NKANGA


UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO

UNICASTELO

ANÁLISE CRÍTICA

GRACE DAVINO DA SILVA RA; 1222121-4

PROFº PAULO TREVISAN

SÃO PAULO