Você está na página 1de 8

Reprodução

• Reprodução Assexuada
Um só progenitor origina indivíduos que lhe são geneticamente idênticos.
• Reprodução Sexuada
Dois progenitores produzem gâmetas que se fundem, originando novos indivíduos, geneticamente diferentes entre si
e os seus progenitores.

Reprodução Assexuada
• Cissiparidade ou Bipartição
Um individuo divide-se em dois sensivelmente iguais, com posterior crescimento até atingir o tamanho do progenitor.
• Gemulação
Na superfície do organismo formam-se sem mais dilatações – gomas ou gemas que crescem e se separam, dando
origem a novas indivíduos.
• Fragmentação
A partir de um fragmento de um individuo origina-se outro individuo igual ao seu progenitor.
• Divisão múltipla
O núcleo da célula-mãe divide-se em vários núcleos (sem citocinese) rodeando-se cada núcleo de uma porção de
citoplasma e de uma membrana, dando origem a várias células-filhas em simultâneo, que se libertam quando a
membrana de célula-mãe se rompe.
• Partenogénese
Um óvulo desenvolve-se originando um novo organismo, sem ter havido fecundação.
• Esporulação
Existência de células reprodutoras – esporos - que se formam em esporângios e que ao germinarem originam um
novo individuo.

!!! NOTA !!!


Multiplicação vegetativa: Reprodução assexuada
Clones: Mesma informação genética
Todos são vulneráveis ao fungos: Destruição das plantações

Reprodução Sexuada
• Animais
Gâmetas Gónadas
♂ Espermatozoides Testículos
♀ Oócitos Ovários
Hermafrodita: 2 sexos
• Plantas
Gâmetas Gametângios
♂ Anterozoides Anterídio
♀ Oosfera Arquegónio
Unissexuais: 2 sexos

!!! NOTA !!!


2n: diploides
n: haploides
Meiose (na reprodução sexuada)
A meiose é o processo de divisão nuclear através do qual, a partir de uma célula com núcleo diploide, se formam, 4
células com núcleo haploide.
A divisão 1 é procedido pela interfase, durante a qual, no período s, se efetua a replicação do DNA constituinte do
cromossoma, que possam ficar formados por 2 cromossomas.

Divisão I
• Prófase I
Emparelhamento de cromossomas homólogos (cromossomas homólogos – 1 do pai / 1 da mãe).
Troca de segmentos entre cromatídeos de cromossomas homólogos (crossing-over).
Mais o que acontece na prófase da mitose.
• Metáfase I
Cromossomas homólogos formam placa equatorial, o que define a zona equatorial são os pontos de Quiasma.
• Anáfase I
Separação dos cromossomas homólogos para polos opostos (ascensão polar de cromossomas com 2 cromatídeos)
• Telófase I
Formação de 2 núcleos, cada um com n cromossomas (cada 1 com 2 cromatídeos)

Divisão II = mitose
• Prófase II
Ocorre a condensação dos cromossomos e a duplicação dos centríolos. O nucléolo e a carioteca voltam a
desaparecer.
• Metáfase II
Os centríolos estão prontos para serem duplicados e os cromossomos organizam-se na região equatorial.
• Anáfase II
As cromátides-irmãs separam-se se migram para cada um dos polos da célula, puxadas pelas fibras do fuso.
• Telófase II
As fibras do fuso desaparecem e os cromossomos já encontram-se nos polos da célula. A carioteca surge
novamente e o nucléolo se reorganiza. Por fim, ocorre a citocinese e o surgimento de 4 células-filhas haploides.

Reprodução sexuada e variabilidade genética


Os indivíduos formados por reprodução sexuada são únicos do ponto de vista genético – diferem entre si e os seus
progenitores.
A recombinação genética, decorre da meiose e da fecundação (união aleatória dos gâmetas).
A variabilidade genética resulta da recombinação de genes no crossing-over (prófase 1) e da separação aleatória dos
cromossomas homólogos (anáfase I).

Mutações cromossómicas
• Não disjunção dos cromossomas homólogos.
• Não disjunção dos cromatídeos irmãos.
Diferenças entre mitose e meiose
A mitose e a meiose correspondem aos dois tipos de divisão celular. Porém, algumas características diferenciam os
dois processos:
• A mitose origina duas células-filhas idênticas à célula-mãe. Enquanto isso, na meiose são geradas 4 células-filhas com
material genético diferente ao da célula-mãe. Além disso, as células-filhas ainda apresentam metade do número de
cromossomos da célula-mãe.
• A meiose reduz pela metade o número de cromossomos nas células-filhas. Na mitose o número de cromossomos é
mantido entre a célula-mãe e as células-filhas.
• A mitose ocorre na maior parte da células somáticas do corpo. Já a meiose ocorre somente nas células germinativas
e esporos.

Mitose Meiose
Nº núcleos formados 2 4
Nº de divisões 1 2
Variação do nº de 2n - 2n 2n - n
cromossomas Igual Metade
Variação da quantidade do 2Q - Q 4Q - Q
DNA Metade 1/4
Transformação genética Igual Diferente

Vantagens e Desvantagens
Reprodução Assexuada Reprodução Sexuada
Formação de clones, Diversidade biológica
Colonização de ambientes (variabilidade de
isolados , características),
Vantagens Rápida produção de Maior capacidade de
descendentes e sem gasto resistência a mudanças nas
de energia na produção de condições ambientais,
gametas. Favorece a evolução das
espécies.
Não há praticamente Lenta produção de
diversidade ao nível das descendentes,
características, Grande dispêndio de energia
Desvantagens Difícil adaptação a mudanças na produção de gametas e
ambientais. na fecundação.
Não favorece a evolução das
espécies.
Mitose Meiose
Após replicação de DNA Após replicação do DNA
ocorre uma divisão ocorrem duas divisões
nuclear e uma divisão nucleares e duas
citoplasmática. citoplasmáticas.

Uma célula-mãe produz Uma célula-mãe produz


duas células-filhas, quatro células-filhas,
geneticamente idênticas diferentes entre si e a
entre si e à célula-mãe. célula-mãe.

O número de O número de
cromossomas das células- cromossomas das células-
filhas é o mesmo que da filhas é metade dos da
célula-mãe. célula-mãe.
Os cromossomas não Os cromossomas entram
entram em sinapse. em sinapse.
Não existe permutação
Existe permutação entre
entre cromossomas
cromossomas homólogos.
homólogos.

Não há formação de
Há formação de quiasmas
quiasmas entre os
entre os cromossomas
cromossomas homólogos,
homólogos, ocorrendo o
não ocorrendo o
crossing-over.
crossing-over.

As células-filhas podem As células-filhas não


sofrer outras mitoses sofrem outras meioses
subsequentes. subsequentes.

Em cada ciclo formam-se


duas células haploides se
a progenitora for haploide Em cada ciclo formam-se
ou diploides se a célula 4 células haploides.
que lhes deu origem for
diploide.

Os centrómeros dividem- Os centrómeros dividem-


se longitudinalmente na se longitudinalmente na
anáfase. anáfase.

Ocorre em células
Ocorre em células germinativas, em células-
somáticas. mãe de esporos e no
zigoto de algas e fundos.
Ciclos de Vida
Ciclo de vida é o nome que se dá ao conjunto de todas as etapas na história reprodutiva dos seres sexuados, desde
a conceção do individuo até à produção da sua própria descendência.
Embora a meiose e a reprodução ocorra em todos seres vivos sexuados, a sua ocorrência pode dar-se em tempos
diferentes e daqui resultam três tipos de ciclos de vida: ciclo de vida haploide, diploide e haplodiplonte em que, em
qualquer um destes, há alternância de fases nucleares entre a Haplófase (haplóide), diplófase (diploide).
Observa o esquema que representa o ciclo de vida do ser humano e do ciclo de vida geral da planta e o que há de
comum e diferente nos ciclos de vida.
Em comum:
• Meiose
• Fecundação
• Gametas
• Zigoto
• Alternâncias de fases nucleares (haploide, diploide)

Diferem:
Pré-gamética: Ciclo diplonte
Pós-zigótica: Ciclo haplonte
Pré-espórica: Ciclo haplodiplonte

• Ciclo diplonte
No ciclo de vida diplonte, como por exemplo o ser humano, os gametas são as únicas células haploides. A meiose
ocorre na produção dos gametas (pré-gamética) e que sofrem mais divisões até à fecundação. O zigoto divide-se
por mitose originando um ser pluricelular diplonte. São exemplos destes seres os animais

Exemplo..
Ciclo de vida dos Homo sapiens
Este ciclo de vida é semelhante ao de todos os mamíferos.
Dá-se a fecundação e forma-se o zigoto, primeira célula diploide do ciclo, que se divide por mitoses sucessivas e irá
originar um indivíduo adulto.
Na fase adulto, é capaz de produzir os gametas, células haploides, as únicas do ciclo e por isso, embora existam
alternâncias de fases nucleares (diploide, haploide), não existem alternância de gerações.
A meiose ocorre na fase pré-gamética, é ela que gera os gametas. Os espermatozoides são os gametas masculinos,
produzidos nas gónadas masculinas, testículos, e os óvulos são produzidos nas gónadas femininas, os ovários.
No acto reprodutor o homem deposita os espermatozoides através do órgão copulador, o pénis, na vagina da
mulher e estes deslocam-se (espermatozoide é uma célula flagelada), até ao óvulo que foi libertado do ovário e que
se encontra numa das Trompa de Falópio. Ocorre a fecundação e o ovo ou zigoto, desloca-se e implanta-se nas
paredes do útero, endométrio, aproximadamente 7 dias. Chama-se a este processo a NIDAÇÃO. O embrião continua
o seu desenvolvimento durante cerca de 38 a 42 semanas.
O ser humano é um ser diplonte pois todas as suas células, com excepção dos gametas, são diploides.
Quando se dá a fecundação, forma-se um novo ovo, que dará origem a um novo indivíduo.

• Ciclo haplonte
No ciclo de vida haplonte a meiose não gera gametas mas sim células haploides. A meiose ocorre logo a seguir ao
zigoto (pós -zigótica) e que se dividem por mitose originado um ser pluricelular haplonte, sendo o único estádio
diplonte o zigoto. São exemplo destes seres algumas algas, fungos e protistas.

Exemplo..
Ciclo de vida da Chlamydomonas
A Chlamydomonas é uma alga unicelular de cor verde e flagelada. Tem reprodução assexuada por bipartição mas
também pode ter reprodução sexuada quando as condições do meio (falta de azoto e luz) lhes são adversas.
Na reprodução sexuada, as células vegetativas haploides formam de 4 a 32 gametas de menor dimensão das que
lhes deram origem mas assumem comportamentos diferentes, pois na fecundação os gametas que intervém são
sempre de células vegetativas diferentes.
Forma-se o zigoto pela união de dois gametas, fase diploide (única). À volta do zigoto forma-se uma parede
celulósica - zigósporo. Esta parede permite a espera de ótimas condições ambientais para germinar, resistindo a falta
de água e temperaturas intensas.
O zigoto sofre uma meiose e dá origem a 4 indivíduos haploides que vão crescendo até atingirem a fase adulta.
Esta é a fase da reprodução sexuada da Chlamydomonas. Em que a única fase diploide é mesmo na formação do
zigoto.

• Ciclo haplodiplonte
Neste tipo de seres, plantas e algumas algas, há alternância de gerações, esporófita e gametófita. Os seres produzem
alternadamente esporos e gametas. Este ciclo tem estádios haploides e diploide e por isso se designa Haplodiplonte.
O estádio multicelular diploide é designado por esporófito e a meiose dá origem a células haploides - os esporos. O
esporo divide-se por mitose originando um estádio haploide, dando origem aos gametas. Com a fecundação, origina-
se um zigoto diploide que ao desenvolver-se irá formar um novo esporófito.

.
Exemplo..
Ciclo de vida de uma Samambaia ( feto)
A Samambaia, planta ornamental conhecida por feto, é uma pteridófita que como todas apresenta duas fases
alternadas: a fase gametofítica e a fase esporófita.
Nas pteridófitas, o esporófito é a fase dominante, de maior porte, ao contrário do que acontece nas briófitas (ou
musgos - menos evoluídas sem estruturas vasculares).
Início da fase haploide ou gametófita
há uma fase haploide (n), o gametófito é responsável pela produção dos gametas, e uma fase diploide (2n), o
esporófito, que produz os esporos a partir de uma órgão denominado esporângio.
A meiose dá-se no esporângio (2n) onde vão ser produzidos os esporos (n) e que vão ser libertados e irão
desenvolver o gametófito. Na superfície inferior do gametófito aparecem uns filamentos, os rizóides que irão
penetrar no solo.
No gametófito à medida que amadurece formam-se os órgãos produtores de gametas femininos e masculinos,
respetivamente os anterídio e arquegônio.
Quando os gametas amadurecem e as condições de humidade são ideais, dá-se a rotura do anterídio, e os gametas
masculinos que possuem flagelos, deslocam-se até ao arquegónio para fertilizar o gameta feminino, a oosfera. Nesta
altura dá-se a fecundação e forma-se o zigoto, esporófito diplóide (2n), que cresce no ápice do arquegónio
formando o esporófito.

Resumo:
Os esporos são células haploides que derivam da meiose ocorrida no esporófito (2n). Os esporos ao caírem no solo
em condições favoráveis de nutrientes e água, germinam dando origem ao protalo (gametófito) indivíduo de vida
curta que produz gametas para dar origem a um novo individuo.
O gametófito é a fase de vida transitória que produz os anterozoides e as oosferas. Da fecundação origina-se o
zigoto que cresce como esporófito (2n).