Você está na página 1de 1

O MUNDO E A EXPECTATIVA DO NATAL

“Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: Agora, Senhor, podes
despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram
a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos”. (Lc 2:28-30)

O texto bíblico nos apresenta a alegria de Simeão, um homem justo e piedoso que
vivia em Jerusalém e teve a felicidade de encontrar a Jesus no templo, quando seus
pais ali o levaram. Ele havia sido esclarecido pelo Espírito Santo de que não
passaria pela morte ante de ver o Cristo. Finalmente a promessa de Deus se
cumpriu e Simeão contente pegou o menino Jesus nos braços e agradeceu a Deus
pela salvação preparada pelo Senhor.
Simeão deve ter passado um bom tempo de sua vida na expectativa do dia em que
conheceria o Messias. Ele poderia ver com os próprios olhos aquele que foi enviado
por Deus como Salvador. Depois que isto se cumpriu Simeão disse a Deus: “Agora,
Senhor, podes despedir em paz o teu servo”. O objetivo final de sua vida havia sido
cumprido e ele poderia até morrer em paz.
Da mesma forma, uma expectativa imensa habita hoje o coração de muitas
pessoas. Expectativa de ver a salvação, de se verem livres da opressão, do medo,
de enfermidades, problemas e aflições. São pessoas que aguardam o dia da sua
redenção mas ainda não sabem que esta redenção está no Senhor Jesus. Simeão
recebeu a revelação de Deus de que poderia ver o Messias prometido, ele o
conhecia através das profecias. Porém, quantas pessoas hoje estão vagando de
uma religião para outra à procura de paz, buscam o que não sabem, procuram o
que não está bem definido, só sabem que precisam mudar as suas vidas.
O Natal não faz sentido para muita gente, porque não entendem o significado da
vinda de Jesus. Para um grande número de pessoas a igreja já perdeu toda a
credibilidade, pois as instituições estão sendo constantemente questionadas e
aquilo que os crentes falam não passa de fanatismo. Não conseguem enxergar o
Cristo salvador porque só enxergam a hipocrisia e a falsidade de alguns cristãos.
Assim, não se fala mais sobre agradecer o nascimento de Jesus. No lugar desta
celebração foi colocado o papai Noel, os presentes de natal, a festa sem significado
definido.
Assim, o grande desafio para a Igreja hoje é saber contornar a sua própria imagem
desgastada como instituição para falar do Messias. Para alcançar este objetivo não
basta inovar os métodos, o que é importante também, mas, acima de tudo,
restaurar a alegre expectativa do encontro com o Messias. Falta para nós não nos
deixarmos tomar pela rotina de igreja, não permitir que o hábito se sobreponha à
alegria da comunhão. Falta-nos talvez renovar o sentimento que habitou o coração
de Simeão. Ele ansiava pelo encontro com o Cristo, esperava ansioso junto com
toda a nação a vinda do Salvador da humanidade.
Oremos para que neste Natal não sejamos institucionais demais, que guardemos a
alegria de ver o Messias. Oremos para que as pessoas ao nosso redor sejam
contagiadas também por esta alegre expectativa e sintam também o desejo de se
encontrar com Jesus.
Rev Tiago Silveira

Interesses relacionados