Você está na página 1de 3

ATIVIDADE 2

1. Conceitue Administração Pública.

Podemos conceituar administração pública como a atividade desenvolvida pelo Estado


ou seus agentes delegados, sob o regime de Direito Público, destinada a atender de
modo direto e imediato, necessidades concretas da coletividade. Administração pública
também pode ser compreendida como todo o aparelhamento Estatal utilizado na
prestação dos serviços públicos, para a gestão dos bens públicos e dos interesses da
comunidade.

2. A divisão dos poderes não gera absoluta divisão das funções, mas sim, distribuição de
três funções estatais precípuas. Indique quais os três poderes estatais e qual a função
típica de cada um deles.

FUNÇÃO LEGISLATIVA - Responsável pela elaboração das leis (função normativa).


Produz normas gerais, não concretas e produz inovações primárias no mundo jurídico.
FUNÇÃO JUDICIÁRIA - Responsável pela aplicação coativa da lei. : Estabelece regras
concretas julga em concreto, não produz inovações primárias, função indireta (deve ser
provocado) e propicia situação de estabilidade jurídica (coisa julgada).
FUNÇÃO ADMINISTRATIVA - Responsável pela conversão da lei em ato individual
e concreto. Estabelece regras concretas, não produz inovações primárias, é direta, não
precisa ser solicitada (autotutela), e é reversível pelo Poder Judiciário.

3. Quais os princípios que regem a administração pública e estão expressamente


previstos na CF/88?
São a Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e a eficiência.
4. Diferencie a interpretação dada ao princípio da legalidade no âmbito público da
interpretação no âmbito particular.

Em última análise e dependendo do grau da infração cometida os servidores, ao


praticarem estes atos, podem até ser demitidos, após processo administrativo prescrito
em lei. Se compararmos uma relação jurídico-administrativa, com uma relação entre
particulares é correto afirmar que um administrador de empresa particular pratica tudo
aquilo que a lei não proíbe. Já o administrador público, por ser obrigado ao estrito
cumprimento da lei e dos regulamentos, só pode praticar o que a lei permite. É a lei que
distribui competências aos administradores.

5. O princípio da impessoalidade é analisado sobre três perspectivas. Comente cada uma


delas.

PRIMEIRO princípio da impessoalidade estabelece que os atos administrativos deve


ser praticados tendo em vista o interesse público, e não os interesses pessoais do agente
ou de terceiros. Impede, assim, que a Administração beneficie ou prejudique esta ou
aquela pessoa em especial.
SEGUNDO (dever de conformidade aos interesses públicos), o princípio da
impessoalidade se confunde com o princípio da finalidade, o qual impõe que o fim a ser
buscado pelo administrador público em suas atividades deve ser tão-somente aquele
prescrito pela lei, ou seja, o fim legal, de interesse geral e impessoal.

TERCEIRO princípio da impessoalidade veda a promoção pessoal do agente à custa


das realizações da Administração Pública. Com efeito, as realizações governamentais
não devem ser atribuídas ao agente ou à autoridade que as pratica. Estes apenas lhes dão
forma.

6. É correto afirmar que, em regra, todos os atos da Administração devem ser


publicados. Porém, a publicidade dos atos administrativos sofre algumas exceções,
quais são elas?

Segurança nacional: seja ela de origem militar, econômica ou cultural. Nestas situações,
os atos não são tornados públicos. Por exemplo, os órgãos de espionagem não fazem
publicidade de seus atos; Investigação policial: onde o Inquérito Policial é
extremamente sigiloso (só a ação penal que é pública); Atos internos da Administração
Pública: por não existir interesse da coletividade não há porque serem públicos.
7. O que significa o princípio da eficiência?

De acordo com os ensinamentos de Hely Lopes Meirelles, o princípio da eficiência


exige que a atividade administrativa seja prestada com presteza e rendimento funcional,
exigindo a concretização de resultados positivos para o serviço público e satisfatório
atendimento das necessidades da comunidade e de seus membros.
8. É certo que como gestora dos recursos públicos a administração pública possui várias
atribuições que decorrem originariamente da CF/88. Contudo, para bem executá-las a
administração pode atuar de forma desconcentrada ou descentralizada. Diferencie essas
duas formas de organização administrativa.

Na descentralização o Estado distribui algumas de suas atribuições para outras pessoas,


físicas ou jurídicas. O que caracteriza a descentralização é o desempenho indireto de
atividades públicas. Pressupõe a existência de, pelo menos, duas pessoas distintas: o
Estado (a União, um Estado, o DF ou um Município) e a pessoa – física ou jurídica –
que executará o serviço, por ter recebido do Estado essa atribuição. Quando o Estado se
organiza mediante desconcentração, a entidade se desmembra em órgãos para melhorar
sua organização estrutural. Trata-se de uma distribuição interna de Competências, ou
seja, uma distribuição ou organização de competências dentro da mesma pessoa
jurídica.

9. A Administração Direta é o conjunto de órgãos que integram as pessoas políticas do


Estado (União, Estados, DF e Municípios), aos quais foi atribuída a competência para o
exercício de atividades administrativas, de forma centralizada. Porém, para
compreender melhor a administração direta é imprescindível esclarecer o que são
órgãos públicos. Portanto, defina órgão público.
Órgãos públicos são centros de competência instituídos para o desempenho de funções
estatais. São unidades de ação com atribuições específicas na organização do Estado.
10. Dê exemplos de órgãos da Administração Pública Indireta?
Autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista.