Você está na página 1de 4

Avaliação Bimestral

Valor: 5,0 Nota:_________

Visto:________________
Aluno (a):_______________________________________________________________
Série:_______ Turma:___ Disciplina: Redação
Professor (a): Susana Nogueira
Data: _____/______/ 2010

A bola

O pai deu uma bola de presente ao filho. Lembrando o prazer que sentira ao ganhar a sua primeira
bola do pai. Uma número cinco sem tento oficial de couro. Agora não era mais de couro, era de plástico.
Mas era uma bola.
O garoto agradeceu, desembrulhou a bola e disse “Legal!”. Ou o que os garotos dizem hoje em dia
quando gostam do presente ou não querem magoar o velho. Depois começou a girar a bola, à procura de
alguma coisa.
— Como é que liga? — perguntou.
— Como, como é que liga? Não se liga.
O garoto procurou dentro do papel de embrulho.
— Não tem manual de instrução?
O pai começou a desanimar e a pensar que os tempos são outros. Que os tempos são decididamente
outros.
— Não precisa manual de instrução.
— O que é que ela faz?
— Ela não faz nada. Você é que faz coisas com ela.
— O quê?
— Controla, chuta...
— Ah, então é uma bola.
— Claro que é uma bola.
— Uma bola, bola. Uma bola mesmo.
— Você pensou que fosse o quê?
— Nada, não.
O garoto agradeceu, disse “Legal” de novo, e dali a pouco o pai o encontrou na frente da tevê, com a
bola nova do lado, manejando os controles de um videogame. Algo chamado Monster Baú, em que times de
monstrinhos disputavam a posse de uma bola em forma de bip eletrônico na tela ao mesmo tempo que
tentavam se destruir mutuamente.
O garoto era bom no jogo. Tinha coordenação e raciocínio rápido. Estava ganhando da máquina. O
pai pegou a bola nova e ensaiou algumas embaixadas. Conseguiu equilibrar a bola no peito do pé, como
antigamente, e chamou o garoto.
— Filho, olha.
O garoto disse “Legal”, mas não desviou os olhos da tela. O pai segurou a bola com as mãos e a
cheirou, tentando recapturar mentalmente o cheiro de couro. A bola cheirava a nada. Talvez um manual de
instrução fosse uma boa ideia, pensou. Mas em inglês, para a garotada se interessar.
Luís Fernando Veríssimo. Comédias para ler na escola. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

Compreendendo o gênero crônica – valor: 1,2

1.Podemos afirmar que a crônica acima se baseia em fatos do cotidiano. Qual seria essa situação? Explique.
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
2. Indique um aspecto que pode ser considerado humorístico no texto.
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
3. Explique a provável crítica que essa crônica faz a realidade.
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
4. Transcreva um frase que indica o caráter mais coloquial da linguagem nesse texto.
_______________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________________
Parte 2 – Proposta – Valor: 3,8

A crônica narra um momento, um acontecimento, um episódio banal do dia a dia, e a partir daí passa
uma ideia, provoca uma emoção. Pode apresentar tanto características de um texto literário quanto de um
texto jornalístico. Impressões a respeito de fatos ou de situações do cotidiano são recriadas em um texto que
objetiva divertir o leitor e/ou trazer uma análise crítica.
Observe a imagem a seguir:

A partir da leitura da imagem acima produza uma crônica narrativa abordando fatos da vida dessas
pessoas retratadas na imagem, bem como a questão social das enchentes nas grandes cidades.
Seu texto pode ser narrado em primeira ou em terceira pessoa. As personagens devem ser o homem e
a mulher, o tempo e o espaço você deve criar.

Boa avaliação!“Eu não sei quase nada, mas desconfio de muita coisa”. Guimarães Rosa
Título:___________________________________________________________

1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
17.
18.
19.
20.
21.
22.
23.
24.
25.
26.
27.
28.
29.
30.
Critérios de correção:

1 – Adequação a proposta 0,5


2 – Adequação ao gênero (crônica) 0,6
3 – Adequação à língua padrão 1,1
4 – Coesão 0,8
5 – Coerência 0,8