Você está na página 1de 10

FACULDADE PITÁGORAS

CARLOS AFONSO RAFAEL

VÉRA LUCIA JARACESKI

MEMORIAL DE CÁLCULO DO PROJETO DA REDE COLETORA DE


ESGOTO – CIDADE DE ESTRELA DO INDAIÁ/MG

DIVINÓPOLIS

2016

1
CARLOS AFONSO RAFAEL

VÉRA LUCIA JARACESKI

MEMORIAL DE CÁLCULO DO PROJETO DA REDE COLETORA DE


ESGOTO – CIDADE DE ESTRELA DO INDAIÁ/MG

Trabalho apresentado ao curso de


Engenharia Civil, da Faculdade
Pitágoras – Unidade Divinópolis,
como requisito parcial na disciplina
Saneamento Ambiental ministrada
pelo professor Clever Paduani.

DIVINÓPOLIS
2016

2
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO.................................................................................................................4
2 DIMENSIONAMENTO DA REDE COLETORA DE ESGOTO......................................5
3 CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DO PROJETO...........................................6

3.1 VAZÃO............................................................................................................................6

3.2 DECLIVIDADE...............................................................................................................7

3.3 VELOCIDADE................................................................................................................8

4 CONCLUSÃO...................................................................................................................9
REFERÊNCIAS.................................................................................................................10

3
1. INTRODUÇÃO

A instalação da rede coletora de esgoto tem por finalidade afastar da edificação,


todos os despejos provenientes do uso da água, encaminhando-os para um destino
adequado.

O tratamento do esgoto é muito importante para a preservação do meio


ambiente. Sem a devida coleta e tratamento, o esgoto contamina rios, lagos, represas e
mares, porque possui excesso de sedimentos e micro-organismos que podem causar
doenças, como a esquistossomose, a leptospirose, a cólera, entre outros. Também,
transforma as áreas próximas, desequilibrando o ecossistema da região.

De acordo com os princípios gerais das normas, que regulamentam sobre o


sistema da rede coletora, o esgoto deve ser tratado e afastado, de forma que algumas
condições sejam atendidas, como: nenhum manancial destinado ao abastecimento familiar
corra perigo de contaminação; não sejam prejudicadas as condições próprias à vida nas
águas receptoras; não haja perigo de contaminação das águas subterrâneas; não haja
poluição do solo capaz de afetar direta ou indiretamente pessoas e animais.

4
2. DIMENSIONAMENTO DA REDE COLETORA DE ESGOTO

Neste trabalho, apresentamos o projeto da rede coletora de esgoto da cidade de


Estrela do Indaiá localizada no estado de Minas Gerais, bem como o memorial de cálculo e
o projeto do loteamento com as especificações dos poços de visitas e pontas secas.

Como dados do projeto, têm-se:

 Número de lotes/casa: 135;

 População estimada: 3,5 hab./lote, totalizando 473 habitantes;

 Consumo médio per capta: 150 l/hab./dia;

 Vazão diária recebida pela EEE: 1,1813 l/s;

Material utilizado: ferro fundido diâmetro 150 mm ( = 0,09);


 Quantidades de poços de visita: 33 unidades;

 Números de trechos: 37.

5
3. CRITÉRIOS PARA DIMENSIONAMENTO DO PROJETO

No dimensionamento do número de poços de visitas, consideramos alguns


critérios, como seguir o mesmo sentido do fluxo, obedecendo à diferença de nível entre
os trechos e a distância máxima entre os poços é de 70 metros.

Para atender as necessidades da localidade, este loteamento possui 37


trechos. Cada lote possui 10 metros de fachada, totalizando assim 135 casas. Alguns
lotes ultrapassaram essa especificação de 10 metros de fachada, porque algumas quadras
não permitia esta divisão exata.

Para se chegar no cálculo da vazão que demanda cada lote, definimos como
consumo per capita 150 l/hab./dia, onde a média de habitantes por casa é de 3,5.

3.1 VAZÃO

A vazão total do projeto foi calculada através da seguinte fórmula:

Q = P x q x K1 x K2 x 0,80
86400
Onde:

 Q = vazão total do projeto (l/s);

 P = número de habitantes;

 q = consumo per capita (l/hab./dia);

 K1 = constante (1,2);

 K2 = constante (1,5);

 86400 = tempo de funcionamento, 24 horas;

 0,80 = taxa de retorno.

Para o cálculo da vazão por trecho, utilizou-se esta mesma fórmula, porém
alterando o número de habitantes, de acordo com a quantidade de lotes no trecho.
Para o dimensionamento do escoamento a meia seção, utilizamos a fórmula
de Manning:

6
Onde:

 Q = escoamento a meia seção (m³/s);

 = 0,09;

 D = diâmetro (150 mm);

 I = inclinação (m/m).

3.2 DECLIVIDADE

Para definir a declividade de cada poço, levamos em consideração a


diferença de cota entre os trechos e a distância entre eles. Para o poço de visita, a
profundidade mínima é de 1,5 metros; já para a ponta seca, a mínima é de 1 metro.

Deve-se respeitar como declividade mínima o valor de 0,6%, que


corresponde a 0,006 m/m, não podendo ultrapassar a 20%.

Para o cálculo da declividade, usamos a seguinte fórmula:

I = Ci - Cf
L
Onde:

 I = inclinação (m/m);

 Ci = cota piezométrica inicial (m);

 Cf = cota piezométrica final (m);

 L = comprimento do trecho (m);

3.3 VELOCIDADE

Para calcularmos a velocidade, primeiramente encontramos o raio


hidráulico, pela seguinte fórmula:
7
RH = Am
Pm
Onde:

 RH = raio hidráulico (m);

 Am = área molhada ( xD²/4/2)

 Pm = perímetro molhado ( xD/2)

Para o dimensionamento da velocidade, utilizamos a fórmula:

Onde:

 V = velocidade (m/s);

 = 0,09;

 RH = raio hidráulico (m);

 I = inclinação (m/m).

Como anexo, apresentamos a planilha do cálculo, trecho a trecho, da vazão,


declividade, vazão a meia seção, raio hidráulico e velocidade. Após, apresentamos o
projeto, em AUTOCAD, do loteamento com as especificações dos poços de visita e
pontas secas.

8
4. CONCLUSÃO

O esgoto sanitário define-se como o conjunto de obras e instalações


destinadas a propiciar a coleta, o transporte, o tratamento e a disposição final adequada.
A rede de esgoto, quando bem construída, melhora a saúde da comunidade, trazendo
soluções sanitárias e ambientais. A falta de rede de esgotos, além de trazer danos à
saúde, provoca mau cheiro.

Concluímos que o dimensionamento da rede coletora de esgoto deve ser


bem calculado, respeitando as exigências da norma. É preciso trabalhar o máximo com
a gravidade, para não onerar o sistema. Se necessário, aumentar a profundidade dos
PV’s ou PS, procurando a declividade e a velocidade ideal.

9
REFERÊNCIAS

A importância da rede de esgoto. Disponível em: <


http://www.artigos.me/a-importancia-da-rede-de-esgoto/>. Acesso em: 09 nov. 2016.
A importância do tratamento do esgoto doméstico. Disponível em: <
http://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/importancia-tratamento-esgoto-
domestico/>. Acesso em: 05 nov. 2016.
Esgoto sanitário: objetivos do projeto. Disponível em:<
http://www.labeee.ufsc.br/~luis/ecv5644/aulas/es-tr.pdf>. Acesso em: 05 nov. 2016.

10